DIREITO PENAL – RESUMOConceitoO Direito Penal é o ramo do Direito pelo qual o Estado objetiva proibir determinadascondutas...
1. Legalidade e da anterioridade ou da reserva legal         Princípio segundo o qual afirma-se que não pode haver crime s...
A conduta é a ação ou omissão praticada por uma pessoa consciente e voluntariamente,dirigida a uma finalidade. Pode ser DO...
o Prisão Simples: Aplicável a contravenções penais15.        Restritivas de direito16: É aquela que substitui a pena priva...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Direito penal

1.235 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.235
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Direito penal

  1. 1. DIREITO PENAL – RESUMOConceitoO Direito Penal é o ramo do Direito pelo qual o Estado objetiva proibir determinadascondutas humanas1, com a possibilidade de aplicação de uma sanção2 mais severa,podendo, inclusive, restringir o direito à liberdade. Deste modo, este ramo do Direitocircunscreve a um conjunto de normas que relacionam o crime com o fato e a penacomo consequência daquele3.O Direito Penal objetiva evitar a reincidência de condutas criminosas por parte daquelesque já delinquiram, além de prever as condutas capazes de colocar em risco a paz social,buscando sempre a proteção dos valores morais fundamentais e a manutenção daharmonia social.Deste modo, o é o conjunto de normas jurídicas de caráter sancionador, pois aplicasanções às condutas delituosas; valorativo, pois busca a observância e proteção dosvalores sociais.O Órgão competente para legislar sobre matéria de Direito Penal é a União, esta é, pois,a sua fonte material. A fonte formal, por usa vez, é o modo pelo qual o Direito Penal seexterioriza; pode ser a lei, costumes e princípios gerais do direito.Características lei penalDentre as características da norma penal, eis que esta não é essencialmente proibitiva, masdescritivo-expositiva, sendo assim, ela prescreve uma conduta, descrevendo-a e tipificando-a e,a esta, relaciona uma sanção. É, também, exclusiva, pois apenas ela pode definir crime e atribuirsanção; imperativa porque é obrigatória; generalizada e, também, impessoal.Segundo parâmetros de classificação, a lei penal pode ser: incriminadora4 ou nãoincriminadora5.Princípios do Direito PenalA fora os princípios aplicáveis aos demais ramos do Direito, o Direito Penal possuiprincípios que lhe são inerentes, nos quais ele fundamenta-se:1 As condutas humanas aqui referidas são aquelas que se opõem às condutas moralmente aceitas noâmbito social. Deste modo o Direito busca tipificar comportamentos que transgridam as normas doDireito Objetivo e atribuindo a estas uma sanção.2 Sanção possui duas finalidades dentro do Direito Penal: Punir o agente pela consumação de condutacriminosa e reintroduzi-lo em meio social.3 A legislação penal, enquanto tipificação de condutas criminosas observa a questão do juízo hipotéticorelacionado àTeoria Tridimensional do Direito. O Legislador identifica o fato social, neste caso a condutaprevista, procura a valoração social atribuída e esta conduta e, com base nisto, lhe relaciona uma sanção.4 Descrevem o tipo de crime e cominam as sanções.5 São as leis penais em sentido amplo: esclarecem e delimitam o campo de atuação de outras normaspenais.
  2. 2. 1. Legalidade e da anterioridade ou da reserva legal Princípio segundo o qual afirma-se que não pode haver crime sem uma lei anterior que o defina. Para que um ato seja considerado ilícito penal, deverá existir uma lei determinando que o ato seja considerado como crime e haja previsão de uma sanção cabível. Quanto ao princípio da legalidade, ou reserva legal, indica que somente a lei pode definir crimes e cominar penalidades. 2. In dubio pro reo Em caso de dúvida, a questão deve ser resolvida favoravelmente ao réu, todavia depois de verificados todas as provas e indícios. 3. Irretroatividade da lei Princípio segundo o qual a lei não pode ser retroativa, salvo para beneficiar o réu. Assim, nenhuma lei penal poderá retroagir, atingindo fatos anteriores não tipificados como crime ou ato ilícito, salvo em benefício do sujeito ativo acusado de conduta criminosa. 4. Vedação do bis in idem Ninguém poderá ser condenado penalmente duas ou mais vezes pelo mesmo crime. 5. Intervenção Mínima O Direito Penal somente tutela valores considerados mais relevantes para a sociedade. Condutas ilícitas, mas de menor proporção são julgadas nos Juizados de Pequenas Causas. 6. Princípio da Alteridade6 Não pode ser considerado crime a autolesão ou quando a ação ou omissão for meramente subjetiva, não atingindo nenhum bem jurídico. Neste caso, para que seja considerado crime, a conduta praticada deve atingir outro que não o sujeito ativo.SujeitosSujeito é o destinatário da norma jurídica. SUJEITO ATIVO é aquele que comete ocrime e o SUJEITO PASSIVO é aquele que é lesionado pela prática criminosa.Divisão do Código PenalO Código Penal encontra-se dividido em duas partes, nas quais a primeira, denominadade Parte Geral, regula, explica e esclarece como se devem aplicar as leis penais; a Parteespecial, segunda parte, descreve as condutas criminosas e relaciona as penasrespectivas.Para que aplique a norma penal é preciso utilizar as regras contidas na Primeira Parte doCódigo, além da observância dos princípios já abordados.CrimesCrime é a descrição perfeita do fato típico pela lei. Compreende: CONDUTA, que podeser dolosa ou culposa; RESULTADO7, NEXO CAUSAL e TIPICIDADE.6 Concepção de que todo homem interage com o outro intersubjetivamente.
  3. 3. A conduta é a ação ou omissão praticada por uma pessoa consciente e voluntariamente,dirigida a uma finalidade. Pode ser DOLOSA8, quando o sujeito almeja o resultadotipificado na lei penal. O dolo pode ainda ser DIRETO, o indivíduo age e consuma ofato alcançando o resultado desejado; também pode ser ALTERNATIVO, quando osujeito ativo admite um ou mais resultados, não importando qual; Pode ser ainda DOLOEVENTUAL, quando o sujeito não deseja diretamente o resultado, mas assume o riscode produzi-lo.Diz-se CULPOSA, a conduta na qual o sujeito não deseja, intencionalmente, produzir odelito, mas por falta de atenção acaba por cometê-lo. A Culpa pode serINCONSCIENTE9, CONSCIENTE10 ou IMPRÓPRIA11.Quanto ao resultado o crime poder ser material ou formal. No crime material, só éconsiderado crime quando o fato é consumado. Quando o sujeito labora seu desejo pormeio da ação. Por outro lado, quando ocorre crime formal , o crime é consideradoconsumado mesmo que o resultado final não seja alcançado. Basta, para tanto, atentativa do agente em consumar o ato. Existem ainda, os crimes de mera conduta,quando a ocorrência destes não provoca nenhuma alteração no mundo natural.NEXO CAUSAL é a relação direta entre o resultado e a causa. É o fator lógico naturalque liga a conduta do agente ao resultado do crime, por meio do qual se pode afirma quesomente ocorreu o resultado por causa da conduta assumida.TIPICIDADE é descrição pormenorizada, pela lei, da conduta enquadrada como crime esua relação com uma sanção. Tipificar é descreve um fato e atribuir a este uma sanção,ambos previstos em lei anterior.PenasPena é a sanção relacionada ao fato típico considerado crime. As penas previstas no CódigoPenal são: Privativas de liberdade: o Reclusão: Cumprimento da pena em regime fechado12, semiaberto13 ou aberto14; cabível apenas para crimes dolosos. o Detenção: Cumprida somente em regimes semiabertos e abertos; aplicável a crimes dolosos e culposos.7 Só haverá crime se acontecer um fato, ou um resultado normativo, através de uma conduta.8 Dolo é a vontade e consciência de realizar os elementos constantes do tipo penal9 Quando o agente atua com negligência, imprudência ou imperícia.10 Ocorre quando o agente prevê o resultado, mas acredita que o mesmo não ocorrerá por confiar, deforma equívoca, em sua perícia.11 Quando o agente supõe estar diante de uma causa de justificação que lhe permita praticar um fato típicolicitante.12 Considera-se regime penitenciário fechado, aquele cuja execução penal se dá em estabelecimento desegurança máxima, para penas privativas de liberdade iguais ou superiores a oito anos.13 Quando a sentença é cumprida em colônia agrícola; penas privativas de liberdade entre quatro e oitoanos.14 Cumprimento da pena se dá em albergues em que o condenado trabalhe de dia e cumpra a pena à noite;penas iguais ou inferiores a quatro anos.
  4. 4. o Prisão Simples: Aplicável a contravenções penais15. Restritivas de direito16: É aquela que substitui a pena privativa de liberdade por outra que restringe algum direito do condenado, portanto, estas penas tem caráter substitutivo das penas privativas de liberdade. Podem ser: o Prestação pecuniária; o Perda de bens e valores; o Prestação de serviço comunitário ou instituição pública; o Interdição temporária de direitos.Medidas de SegurançaAs medidas de segurança17 aplicam-se aos sujeitos que cometem o delito, mas não são passíveisde punição. Reconhece-se a pratica do fato previsto em lei como crime, a periculosidade doagente e a sentença concessiva.Ação PenalÉ o instrumento através do qual se inicia um processo judicial. Podem ser: Ações penais públicas – quando o ofendido não tem liberdade de escolha se o Estado irá ou não promover o processo; Ações penais privadas – quando o ofendido possui o poder de decisão se vai ou não exercer o seu direito de ação.15 Transgressão ou infração a disposições estabelecidas16 Como substituem as penas privativas de liberdade, as penas restritivas de direito devem ter a mesmaduração destas.17 Medidas de segurança podem ser: detentivas, consiste na internação em hospital psiquiátrico; erestritivas, quando se dão por tratamento ambulatorial.

×