Apresentação 4 dm e saúde bucal

3.752 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.752
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
395
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
155
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação 4 dm e saúde bucal

  1. 1. SAÚDE BUCAL – DIABETESCurso “Doenças Crônicas nas Redes de Atenção à Saúde” Ministério da Saúde
  2. 2. SAÚDE BUCAL – DIABETESPessoas com diabetes têm um risco aumentadopara doenças gengivais avançadas, porque sãogeralmente mais suscetíveis às infecçõesbacterianas e têm diminuição na capacidade decombater as bactérias que invadem o tecidogengival.
  3. 3. SAÚDE BUCAL – DIABETESAlém de as pessoas com diabetes serem maissuscetíveis às doenças gengivais, estas têm opotencial de afetar o controle glicêmico nosangue e contribuir para a progressão dodiabetes.
  4. 4. SAÚDE BUCAL – DIABETESA rápida perda de inserção gengival em umpaciente de média idade ou mais velho,associada a outras manifestações sistêmicaspode representar um dos primeiros sinais dainstalação de diabetes no adulto.
  5. 5. SAÚDE BUCAL – DIABETESCaso os níveis de glicose no sangue não forembem controlados, outras doenças bucais poderãoaparecer, como boca seca, candidíase, aftas,ulcerações e maior propensão a cáries dentárias.
  6. 6. SAÚDE BUCAL – DIABETESConsiderando o momento do atendimentoodontológico, a primeira etapa se dá por meio darealização de uma boa anamnese.Existem questionamentos importantes paraverificar se há suspeita de o paciente ser portadorde DM e para se apropriar das condições doscasos já confirmados.
  7. 7. ANAMNESE TEM DIABETES? NÃOSIM NÃO SABE
  8. 8. ANAMNESE- Sente muita sede ou fome?- Urina muitas vezes ao dia?- Percebeu perda de peso recentemente?- Sente cansaço ou fraqueza não associado aatividades físicas?- Sente coceira no corpo?- Sente a boca seca?- Sente dor na boca?- Possui infecções freqüentes?- Demora muito tempo para que ocorracicatrização quando se machuca?- Tem história familiar de diabetes?
  9. 9. ADULTO SEM DIAGNÓSTICO DMObservar lesões associadas ao DM: Doença Periodontal; Xerostomia; Tumefação de glândula parótida; Síndrome da ardência bucal; Glossodínia; Distúrbios de gustação; Candidíase; Líquen plano; Estomatite aftosa recorrente; Hipoplasia de esmalte.
  10. 10. ADULTO DIABÉTICOInvestigar sobre: Tipo e duração da doença; Terapia; Horário da última refeição; Nível do controle metabólico (hem. glicada); Complicações secundárias; Sintomas de hipoglicemia; Hospitalizações e cetoacidose; Infecções sistêmicas; Medicamentos para tratar complicações; Hipertensão; Ingestão de álcool e tabagismo.
  11. 11. Manifestações bucais do diabetes mellitus:a) Menor queratinização do epitélio gengival;b) Síntese lenta de colágeno;c) Desenvolvimento de infecções secundárias;d) Reabsorção óssea rápida e progressiva;e) Osteoporose trabecular;f) Microbiota de placas não aderidas e aderidas alteradas pelo nível de glicose.
  12. 12. HALITOSEO portador de diabetes descontrolado podeapresentar odor semelhante ao cheiro de maçãpodre (hálito cetônico). Também pode sercausada por higiene bucal inadequada (falta deescovação correta e falta do uso do fio dental),gengivite, cigarro, produtos alcoólicos e bocaseca (causada por certos medicamentos e pormenor produção de saliva durante o sono).
  13. 13. HIPOGLICEMIASegundo SONIS (1996) a hipoglicemia é definidacom taxas de glicose inferiores a 50mg/dl e estasituação se instala mais rapidamente do que umahiperglicemia. Existe maior probabilidade deocorrer após 2 horas da administração da insulinae pode se manifestar por taquicardia, sudorese,nervosismo, irritabilidade, além de favorecer umaconfusão mental , dificuldade para falar, letargia,podendo preceder à perda de consciência.
  14. 14. ORIENTAÇÕESPara maior segurança do paciente e doprofissional é recomendado que se soliciteglicemia capilar antes, durante (se o atendimentodurar mais de 1 hora) e após o atendimento, casoo paciente faça uso de insulinas. Caso o pacienterefira algum dos sintomas citados deve-sesuspender o procedimento e oferecercarboidratos de rápida absorção (suco,refrigerante ou açúcar). Cuidado com Hipoglicemias!
  15. 15. ORIENTAÇÕESEm caso de procedimentos como remoção detártaro, tratamento de cáries ou procedimentos emque não seja necessário “abrir” a gengiva, deve-sefazê-los o quanto antes, pois isto irá ajudar nocontrole da glicemia do paciente.Os procedimentos que exigirem cirurgia na gengivadevem ser acompanhados de monitorizaçãoglicêmica rigorosa e, se possível, devem ser adiadosaté o bom controle do diabetes.
  16. 16. PRESCRIÇÃO MEDICAMENTOSA Antiinflamatórios não esteróides (AINES) e a cefalexina podempotencializar os efeitos dos hipoglicemiantes orais, aumentando orisco de hipoglicemia. Os antiinflamatórios esteróides (corticóides) podem agravar ahiperglicemia. A prescrição desses medicamentos deve ser criteriosa, sendonecessário entrar em contato com o médico assistente paraajustar sua posologia. O uso prolongado de esteróides tópicos (por um períodocontínuo superior a duas semanas) pode resultar em atrofia damucosa oral e candidíase secundária.
  17. 17. ANESTÉSICOS LOCAIS• A epinefrina, vasoconstritor comumente associado àlidocaína, tem ação oposta à insulina, sendoconsiderada hiperglicemiante.• A probabilidade de ocorrerem alterações metabólicasapós a administração de epinefrina, nas concentraçõesutilizadas em Odontologia, é muito baixa.• O risco é maior nos diabéticos não controlados e nosque recebem insulina.• Naqueles com doença estável, controlados por dieta ouhipoglicemiantes orais, o uso de vasoconstritoradrenérgico é seguro.
  18. 18. ANESTÉSICOS LOCAIS• Diabéticos dependentes de insulina e estáveis podembeneficiar-se de pequenas doses de vasoconstritor.• A presença de DM não controlado é uma contra-indicação absoluta ao uso de vasoconstritoresadrenérgicos associados a anestésicos locais. Nestecaso pode-se optar alternativamente por felipressina,mepivacaína ou ropivacaína.• Não há contra-indicações absolutas quanto ao uso dafelipressina, mas recomenda-se cautela em gestantes,pelo risco de aumentar a contratilidade uterina.
  19. 19. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASReis, J.S. Saúde Bucal e Diabetes. Sociedade Brasileira de Diabetes. 2011. Disponível em:http://www.diabetes.org.br/colunistas-da-sbd/educacao/1677Terra, B. G.; Goulart, R. R.; Bavaresco, C. S. O cuidado do paciente odontológicoportador de diabetes mellitus tipo 1 e 2 na Atenção Primária à Saúde. Ver. APS. 2011abr/jun;14(2):149-161. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/premio2010/especializacao/trabalho_betinaterra_mh_e.pdfMinistério da Saúde. A organização do cuidado às Pessoas com Diabetes Mellitus tipo 2,em Serviços de Atenção Primária à Saúde. Grupo Hospitalar ConceiçãoSONIS, S. T.; FAZIO, R. C.; FANG, L. Princípios e prática de medicina oral. 2.ed. Rio deJaneiro: Guanabara Koogan, 1996. 491p.

×