Funções psíquicas

878 visualizações

Publicada em

Funções psíquicas

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
878
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Funções psíquicas

  1. 1. FUNÇÕES PSÍQUICAS Profª Thaís R. de Sá Maia
  2. 2. A CONSCIÊNCIA E SUAS ALTERAÇÕES  CONSCIÊNCIA = cum (com) + scio (conhecer) Conhecimento compartilhado com outro e consigo mesmo.  Existem 3 definições diferentes:  A definição neuropsicológica (estado desperto, acordado, lúcido)  A definição psicológica (Soma total das experiências conscientes de um indivíduo em determinado momento)  A definição ético-filosófica (é a consciência moral e ética, a capacidade de tomar ciência dos deveres éticos e assumir responsabilidades, direitos e deveres)
  3. 3. ALTERAÇÕES NORMAIS DA CONSCIÊNCIA  O sono normal: 4 estágios  O sonho ALTERAÇÕES PATOLÓGICAS DA CONSCIÊNCIA  Obinubilação: rebaixamento da CS em grau leve a moderado. Dificuldade de integrar informações sensoriais.  Sopor: o sujeito só desperta com alguma dor, sonolência.  Coma: grau mais profundo do rebaixamento do nível da CS.
  4. 4. ALTERAÇÕES QUALITATIVAS DA CONSCIÊNCIA  Estados crepusculares: patológico transitório, ex. atos violentos e episódio de descontrole emocional  Estado segundo: também transitório, há uma atividade psicomotora estranha a personalidade  Dissociação da CS: fragmentação ou a divisão do campo da CS.  Transe: sonhar acordado e sensação de fusão com o universo  Estado hipnótico: CS reduzida, semelhante ao transe, técnica de concentração da atenção e de alteração induzidas.  EQM
  5. 5. A ATENÇÃO E SUA ALTERAÇÕES  Atenção pode ser definida como a direção da CS, o estado de concentração sobre um objeto. A atenção é um conjunto de processos psicológicos que nos tornam capaz de selecionar, filtrar e organizar as informações. Consciência e Atenção estão estreitamente relacionados. Dois tipos de atenção  Atenção voluntária: concentração ativa e intencional da CS sobre um objeto  Atenção espontânea: atenção suscitado pelo interesse momentâneo
  6. 6. ANORMALIDADES DA ATENÇÃO  Hipoprosexia: perda básica da capacidade de se concentrar, fatigabilidade, lentificação  Aprosexia: abolição da capacidade de atenção  Hiperprosexia: consiste em um estado da atenção exarcebada  Distração: superconcentração ativa da atenção sobre determinados conteúdos, com a inibição de tudo mais.  Distraibilidade: é um estado patológico incapacidade de se deter em algo.
  7. 7. Atenção = Concentração? Sim. Mas o termo concentração não é adequado pois trata de apenas um dos aspectos da atenção Atenção = Consciência? Não. Os processos conscientes requerem atenção mas nem todo processo atencional é consciente.
  8. 8. TIPOS DE ATENÇÃO  Atenção Atenção focalizada Atenção dividida (seleciona 1 estímulo) (processa vários estímulos) Auditiva e visual Semelhança da tarefa, dificuldade e treino
  9. 9. ORIENTAÇÃO E SUAS ALTERAÇÕES  Capacidade de situar-se quanto a si mesmo (orientação autopsíquica) e quanto ao ambiente (orientação alopsíquica)  Orientação alopsíquica = Espacial e temporal
  10. 10. A SENSOPERCEPÇÃO E SUAS ALTERAÇÕES  Sensação: fenômeno elementar gerado por estímulos físicos, químicos ou biológicos variados, originados fora ou dentro do organismo, que produzem alterações nos órgãos receptores, estimulando-os.  Percepção: tomada de consciência, pelo indivíduo, do estímulo sensorial, ouse já, percepção diz respeito à dimensão propriamente neuropsicológica e psicológica do processo.
  11. 11. ALTERAÇÕES QUALITATIVAS DA SENSOPERCEPÇÃO  Ilusão: percepção deformada de um objeto real. Causada por rebaixamento da CS, fadiga ou estados afetivos.  Alucinação: percepção clara e definida de um objeto (voz, ruído, imagem) sem a presença do objeto estimulante real.
  12. 12. FUNÇÃO DA PERCEPÇÃO  A percepção de algo ajuda na preservação da espécie na medida em que reconhecer as coisas, saber onde estão e sua aparência ajuda a se manter vivo, já facilita o julgamento do que é ou não perigoso, saudável ou desagradável.  As funções de reconhecimento, localização e constância perceptiva se adaptam a todas as modalidades sensoriais.
  13. 13. FUNÇÃO DE LOCALIZAÇÃO  A função de localização depende de indicadores de distância como;  Tamanho relativo,  Altura no Campo,  Sombreamento,  Perspectiva PERCEPÇÃO DO MOVIMENTO Movimento Estroboscópico: percepção de movimento sem que o objeto tenha se movimentado (disposição de objetos em sequência mais rápidos que a retina possa captar) Movimento Induzido: Um objeto maior em relação com um menor. O maior se movimenta e se dá a impressão que o menor também se movimenta. Movimento Real:Quando o objeto se move ou nossos olhos.
  14. 14. PERCEPÇÃO DE MOVIMENTO ESTROBOSCÓPICO
  15. 15. PERCEPÇÃO DE MOVIMENTO INDUZIDO
  16. 16. FUNÇÃO DE RECONHECIMENTO  O nosso cérebro é doido !!! De aorcdo com uma peqsiusa de uma uinrvesriddae , não ipomtra em qaul odrem as Lteras de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia Lteras etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma bçguana ttaol, que vcoê anida pdoe ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa Ltera isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo.
  17. 17. SELETIVIDADE PERCEPTUAL  Externo  Tamanho e Intensidade  Mudança  Movimento  Repetição  Novidade  Interno  Necessidades  Interesses  Personalidade  Valores  Medos
  18. 18. TAMANHO RELATIVO
  19. 19. PERSPECTIVA LINEAR
  20. 20. A MEMÓRIA E SUA ALTERAÇÕES  É a capacidade de registrar, manter e evocar as experiências e os fatos já ocorridos. A capacidade de memorizar relaciona-se intimamente com o nível de CS, com a atenção e com o interesse afetivo. Tudo o que uma pessoa aprende em sua vida depende intimamente da capacidade de memorização.
  21. 21. 3 TIPOS DE MEMÓRIA  Memória imediata: de poucos segundos até 1 a 3 minutos. Capacidade de reter material imediato.  Memória recente: de poucos minutos até 3 a 6horas.  Memória remota ou de longo prazo: pode durar toda a vida. Capacidade de evocar dados passados e após muito tempo.
  22. 22. A AFETIVIDADE E SUAS ALTERAÇÕES  Afetividade é um termo genérico, que compreende várias modalidades de vivências afetivas, como o humor, as emoções e os sentimentos.
  23. 23. MIRA Y LÓPEZ (1974)  “quanto mais os estímulos e os fatos ambientais afetam o indivíduo, mais nele aumenta a alteração e diminui a objetividade. Quanto menor a distância (real ou virtual) entre quem percebe e o que é percebido, mais o objeto da percepção se confunde com quem o percebe”.
  24. 24. 5 TIPOS BÁSICOS DE VIVÊNCIAS AFETIVAS  Humor ou estado de ânimo: tônus afetivo  Emoções: afeto intenso de curta duração e somatizam  Sentimentos: configuração afetiva estáveis  Afetos: componente emocional de uma ideia  Paixões: estado afetivo intenso que domina a atividade psíquica como um todo
  25. 25. A VONTADE Intimamente relacionada com as esferas instintivas, afetivas e intelectiva.  Instinto: modo relativamente organizado, fixo e complexo de respostas comportamentais. Ex:fome  Desejo: é um querer, um anseio, um apetite, de natureza CS ou ICS, que visa sempre algo, a satisfação.  Motivação: é tanto intencional como reguladora. Tem relação com razões intelectuais e afetivas.
  26. 26. ATO DE VONTADE Processo volitivo  1. fase de intenção: tendências básicas do indivíduo, suas inclinações e interesses. Impulsos, desejos. Temores ICS exercem influência decisiva.  2. fase de deliberação: ponderação consciente, o indivíduo faz uma análise da situação, os prós e contras.  3. fase de decisão: começo da ação  4. fase da execução: ação em pró do objetivo decidido e avaliado pelo indivíduo.
  27. 27. ATOS IMPULSIVOS X ATOS COMPULSIVOS  Atos impulsivos: abole abruptamente as fases de intenção, deliberação e decisão. O individuo não percebe tal ato como inadequado.  Atos compulsivos: difere do ato impulsivo por ser reconhecido pelo indivíduo como indesejável e inadequado, assim como a tentativa de refreá-lo ou adiá-lo.
  28. 28. ALTERAÇÕES DA VONTADE  Hipobulia/abulia: não tem vontade para nada  Compulsões agressivas. Ex: automutilação, piromania, ato suicida, etc.  Compulsões sexuais: exibicionismo, vouyeurismo, pedofilia, ninfomania, etc.  Outros impulsos e compulsões: cleptomania, compulsão por comprar, bulimia, etc.
  29. 29. O PENSAMENTO E SUAS ALTERAÇÕES  Constituído pelo Conceito, o juízo e o raciocínio.  Conceito: Um elemento puramente cognitivo, intelectual. Ex: o conceito de cadeira, é valido para qualquer tipo de cadeira. Uma representação generalizada.  Juízos: afirmação de uma relação entre dois conceitos. Ex: os conceitos “cadeira” e “utilidade”, unindo ambos, formulamos que a cadeira é útil.  Raciocínio: a ligação entre conceitos permite a formação de juízos, a ligação de juízos conduz à formação de novos juízos, ou seja, o desenvolvimento do pensamento.
  30. 30. ALTERAÇÕES DO PENSAMENTO  Pensamento confuso: dificuldade de estabelecer vínculos entre conceitos e juízos  Pensamento desagregado: salada de palavras  Pensamento obsessivo e etc
  31. 31. O JUÍZO DA REALIDADE  Todo juízo, implica, um julgamento, influenciada pela subjetividade do individuo e pelo contexto cultural.  Erro simples x Delírio (ignorância, julgar (juízos patologicamente falsos) apressado, basear-se em premissas falsas) Erros por semelhança, Erros por coincidência Erros por impressões dos sentidos
  32. 32. ALUCINAÇÃO X DELÍRIO  Quando sensorial considera-se como alucinação  Quando ideativo ou de caráter mais interpretativo como delírio.
  33. 33. A PERSONALIDADE E SUAS ALTERAÇÕES  Conjunto integrado de traços psíquicos, consistindo no total das características individuais, em sua relação com o meio, incluindo todos os fatores físicos, biológicos, psíquicos e socioculturais de sua formação, conjugando tendências inatas e experiências adquiridas no curso de sua existência.  Sujeito a determinadas modificações  Dinâmica  Constante desenvolvimento
  34. 34. PERSONA  Origem etimológica: Provém do termo Persona  Máscara que cobria o rosto de atores em Roma  O ator faz sua versão da história através de diversas máscaras.
  35. 35. ASPECTOS RELACIONADOS A PERSONALIDADE E SUA EXPRESSÃO  Constituição corporal Aspecto, aparência, voz, movimentos, etc. Tudo isto tem significativa influência sobra as experiências psicológicas e relação com os outros.  Temperamento Conjunto de particularidades psicofisiológicas inatas, que diferenciam um indivíduo de outro. Também muito influenciado pela subjetividade do sujeito e pelo contexto social.  Caráter Soma de traços de personalidade, expressos no modo básico de o indivíduo reagir perante a vida, seu estilo pessoal, suas formas de interação social, gostos, aptidões, etc. É a resultante, ao longo da história pessoal.
  36. 36. TEMPERAMENTO ≠ CARÁTER  Temperamento: algo básico e constitutivo do indivíduo  Caráter: tipo de ração predominante da pessoa ante a diversas situações e estímulos.  Casos que o caráter se desenvolve no sentido oposto ao do temperamento. Ex: Um caráter agressivo que encobre um temperamento medroso e angustiado.
  37. 37. TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE  Há uma marcante desarmonia que se reflete tanto no plano intrapsíquico como no das relações interpessoais;  Embora de modo geral produzam consequências penosas para o indivíduo, familiares e pessoas próximas, não são facilmente modificáveis por meio da experiência da vida
  38. 38. CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS (CID-10 )  Transtornos da personalidade são definidos pelas seguintes características:  Surge na infância ou adolescência  Comportamentos e reações desarmônicos  Longa duração  O padrão anormal é generalizado  Má adaptação  Não se relaciona à lesão cerebral  Grau de sofrimento  Pode desenvolver mau desempenho ocupacional e social
  39. 39. CLASSIFICADOS EM TRÊS SUBGRUPOS:  Grupo A - Desconfiança Paranóide (distorce experiências, sensação de estar sendo injustiçado, suspeitas recorrentes, explicações “conspiratórias”) Esquizóide (afeto embotado, indiferença, desmotivação, solidão, introspecção, insensibilidade) Esquizotípica (egocentrismo, ilusões corporais, pensamento desconexo, aparência excêntrica, ansiedade excessiva)
  40. 40.  Grupo B - Instabilidade e/ou manipulação personalidade anti-social – sociopatia- (insensibilidade, desrespeito as normas, incapacidade de manter relacionamentos, baixa tolerância a frustração, violência, sem culpa, crueldade, sadismo) Boderline (instabilidade emocional, vazio existencial, relacionamentos intensos, se esforça para não ser abandonado, instabilidade à auto imagem, autolesão) Impulsivo (instabilidade, raiva intensa e explosões) Narcisista (sendo de ser grandioso, fantasias de poder, sente-se único, especial, requer admiração excessiva, “explorador”, sem empatia, invejoso, arrogante)
  41. 41.  Grupo C – ansiedade e/ou controle Obsessivo (preocupação excessiva com detalhes e ordem, perfeccionismo, cautela demasiada, insistência, rigidez, etc) Ansioso (tensão, inferioridade, medo de ser criticado, restrições por medo, evita atividades sociais) Dependente (indeciso, sentimento de desamparo, medo de estar só, insegurança, etc)
  42. 42. A INTELIGÊNCIA  Conjunto de habilidades cognitivas do indivíduo, a resultante, o vetor final dos diferentes processos intelectivos.  Capacidade de identificar e resolver problemas novos  Reconhecer adequadamente situações  Encontrar soluções satisfatórias
  43. 43. HABILIDADES INCLUSAS  Raciocínio  Planejamento  Resolução de problemas  Pensamento abstrato  Compreensão de ideias complexas  Aprendizagem rápida  Aprendizagem por experiência
  44. 44. INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS (1960)  Formado no campo da psicologia e da neurologia, o cientista norte americano Howard Gardner causou forte impacto na área educacional com sua teoria das inteligências múltiplas, divulgada no início da década de 1980.  Ele concluiu, a princípio, que há sete tipos de inteligência: 1. Lógico-matemática é a capacidade de realizar operações numéricas e de fazer deduções. 2. Lingüística é a habilidade de aprender idiomas e de usar a fala e a escrita para atingir objetivos. 3. Espacial é a disposição para reconhecer e manipular situações que envolvam apreensões visuais. 4. Físico-cinestésica é o potencial para usar o corpo com o fim de resolver problemas ou fabricar produtos. 5. Interpessoal é a capacidade de entender as intenções e os desejos dos outros e consequentemente de se relacionar bem em sociedade. 6. Intrapessoal é a inclinação para se conhecer e usar o entendimento de si mesmo para alcançar certos fins. 7. Musical é a aptidão para tocar, apreciar e compor padrões musicais.  Mais tarde, Gardner acrescentou à lista as inteligências natural (reconhecer e classificar espécies da natureza) e existencial (refletir sobre questões fundamentais da vida humana) e sugeriu o agrupamento da interpessoal e da intrapessoal numa só.

×