1. INTRODUÇÃO       Os sais nitrato e nitrito de sódio e de potássio são largamente utilizados comoaditivos alimentares. O...
Métodos- Amostra: Acrescentou-se em um erlenmeyer 10 mL da amostra juntamente com 5 mLde tampão e 10 mL de α-naftol.- Bran...
0.7                       0.6                       0.5         Absorvância                       0.4                     ...
CONCLUSÃO         A técnica utilizada nesta aula prática para detectar a intoxicação humana pornitrato e nitrito foi efica...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatório 5 determinaçao de nitratos e nitritos (1) (1) (1)np

5.002 visualizações

Publicada em

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.002
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
75
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório 5 determinaçao de nitratos e nitritos (1) (1) (1)np

  1. 1. 1. INTRODUÇÃO Os sais nitrato e nitrito de sódio e de potássio são largamente utilizados comoaditivos alimentares. Os sais de nitrito, além de conservarem a carne contra adeterioração bacteriana, são fixadores de cor. Seus efeitosadversos são representadosprincipalmente pela metamioglobina tóxica e pela formação de nitrosaminas. Seu uso édiscutível dada a possibilidade de originar compostos nitrosos de ação carcinogênica,como a N-nitrosodimetilamina e amonometilnitrosamina.1 O nitrito é bem mais tóxico que o nitrato. Produz, principalmente, vasodilataçãoe relaxamento da musculatura lisa em geral, além da formação de metahemoglobina. Adose letal para adultos está em torno de 1 grama. Em doses mais baixas, os sintomas sãoenrubescimento da face e extremidades, desconforto gastrointestinal e dor de cabeça.Em doses tóxicas um pouco mais elevadas observam-se cianose, náusea, vômitos, doresabdominais e colapso.1 Os compostos N-nitrosos são conhecidos como potentes cancerígenos em váriasespécies, inclusive primatas e as exposições humanas ocorrem pela inalação, ingestãode nitrosaminas pré-formadas ou pela nitrosaçãoendógena.1 A adição de nitrito e nitrato em alimentos é oficialmente regulamentada, namaioria dos países. Contudo, as orientações quanto ao seu emprego têm sofridoalterações nos últimos anos, principalmente nos países em desenvolvimento. No Brasil,até dezembro de 1998 era permitido um limite máximo de 200 e 500mg/kg,respectivamente, reduzindo, a partir daquela data, para valores de 150 e 300mg/kg,valores limites, considerados elevados por alguns autores, uma vez que em outrospaíses, a legislação estabelece valores inferiores. 2 2. MATERIAIS E MÉTODOSMateriais Amostra Espectrofotômetro Pipetas 5 e 10 mL Padrão nitrito Pera Tampão Erlenmeyers α-naftol Béqueres
  2. 2. Métodos- Amostra: Acrescentou-se em um erlenmeyer 10 mL da amostra juntamente com 5 mLde tampão e 10 mL de α-naftol.- Branco: Fez-se da mesma forma que para amostra, porém utilizou-se 10 mL de aguadestilada.- Padrão: Acrescentou-se 5 mL de padrão, 5 mL de água, 5 mL de tampão e 10 mL deα-naftol. Fez-se as diluições de forma a se obter concentrações conhecidas do padrão de0,0025; 0,0050; 0,0100; 0,0200; 0,0400 mg nos 5 mL adicionados a mistura padrão.Construiu-se uma curva de calibração e a partir delacalculou-se a concentração daamostra. 3. RESULTADOS Obteve-se as absorvâncias em 474 nmdas diferentes concentrações do padrão(Tabela 1) e fez-se a curva de calibração, encontrando a equação da reta e o r2 (Gráfico1).Tabela 1: Absorvâncias das diferentes concentrações do padrão. Concentração (mg) Absorvância 0,0025 0,048 0,0050 0,094 0,0100 0,206 0,0200 0,321 0,0400 0,651
  3. 3. 0.7 0.6 0.5 Absorvância 0.4 0.3 0.2 y = 15.75x + 0.019 R² = 0.995 0.1 0 0 0.01 0.02 0.03 0.04 Concentração (mg) Gráfico 1: Curva de calibração do padrão, equação da reta e r2. A absorvância da amostra foi de 0,394 e a partir desse valor e da equação da retacalculou-se a concentração do analito na amostra. Cálculos: 0,394 0,0198x 0,02375 mg / g amostra 15,753 Como os limites para nitritos e nitratos são dados em mg/kg, fez-se a conversão:0,02375mg__________1 grama de amostra X__________ 1000 gramas de amostra (1kg) X= 23,75mg/kg de amostra. O valor de referência para este analitono alimento é de até 0,07mg de nitrito porquilo de alimento. A amostra testada apresentou um valor de 23,75 mg/kg de amostra.Este valor está fora do valor de referência, logo a pessoa que ingerir tal alimento, estásusceptível a desenvolver os efeitos decorrentes da ingestão dessa substância, como porexemplo, metehemoglobinemia. Este efeito, que é agudo, é gerado, pois há a conversãode Fe2+ em Fe3+, na presença de nitrito. Como consequência há deficiência do transportede oxigênio para os tecidos. O nitrito pode gerar também, principalmente, vasodilataçãoe relaxamento da musculatura lisa em geral. Efeitos crônicos são decorrentes de exposições repetidas, ou seja, ingestão porvárias vezes ao longo do tempo. Há neste caso, formação de compostos n-nitrosos, quesão carcinogênicos.
  4. 4. CONCLUSÃO A técnica utilizada nesta aula prática para detectar a intoxicação humana pornitrato e nitrito foi eficaz na determinação do toxicante, no alimento. Além disso, estatécnica demonstrou ser um teste prático para se avaliação da intoxicação humana pelossais de nitrato e nitrito. A determinação da concentração de nitritos e nitratosé uma técnica de grandeaplicação para avaliar riscos de intoxicação alimentar, em indivíduos expostos a índicesaumentados destes toxicantes, já que o efeito hematopoiético, decorrente destaexposição, gera consequências graves para saúde. O resultado obtido nesta análiseapresentou uma concentração de nitrato e nitritoacima do que é especificado nos valoresde referência para este toxicante. Sendo assim, existe um risco aumentado demanifestação de efeitos tóxicos, decorrentes da exposição ao chumbo, no pacienteexaminado.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS1 OlIVEIRA, M. J., ARAÚJO, W. M. C., BORGO, L. A.Quantificação de nitrato enitrito em Linguiças do tipo frescal. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 25(4): 736-742, out.-dez. 2005.2 MELO FILHO, A. B. de; BISCONTINI, T. M. B; ANDRADE, S. A. C. Níveis denitrito e nitrato em salsichas comercializadas na região metropolitana do Recife. Ciênc.Tecnol. Aliment. 2004, vol.24, n.3, pp. 390-392.

×