Unificação  Italiana
As unificações italiana e alemã alteraram profundamente o quadro político da Europa no século XIX, rearticulando um equilí...
Os interesse internos na unificação: O desenvolvimento industrial foi intenso no norte da península, as cidades cresceram ...
Qual era a situação antes: Após o período de Napoleão Bonaparte e a Revolução Francesa, a Itália ficou sob domínio do Impé...
Apesar do clima de grandes agitações populares, esse movimento não conseguiu êxito na primeira metade do século XIX. Porém...
Conchavos pré-guerra Em 1852, o ministro Cavour  (Click)  , de Piemonte, viu que sem ajuda não seria possível vencer a Áus...
 
A guerra começou contra os austríacos. Franceses e sardo-piemonteses tiveram vitórias, mas a mobilização da Prússia e a re...
Com a conivência de Cavour, Giuseppe Garibaldi  (Click)  e seu Exército Popular dos Camisas Vermelhas,  conseguiu invadir ...
A conquista de Veneza foi possível graças à guerra entre Áustria e Prússia(1864), à qual os italianos se aliaram. Vencida,...
Em 1870, os prussianos invadiram e venceram a França; os italianos então tomaram Roma e ocuparam o resto dos Estados. Em 1...
Vaticano
 
 
A Guerra da Criméia se estendeu de 1854 a 1856.  Começou com uma discussão entre monges ortodoxos russos e católicos franc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Historia da Unificacao Italiana

25.210 visualizações

Publicada em

1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • http://grand-unification-blog-html.blogspot.com/
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.210
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
159
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
361
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Historia da Unificacao Italiana

  1. 1. Unificação Italiana
  2. 2. As unificações italiana e alemã alteraram profundamente o quadro político da Europa no século XIX, rearticulando um equilíbrio de forças que resultaria na I Guerra Mundial (1914­ - 1918). Na base desses processos estavam os movimentos liberais, acentuadamente nacionalistas nestes países.
  3. 3. Os interesse internos na unificação: O desenvolvimento industrial foi intenso no norte da península, as cidades cresceram de maneira espantosa e o comércio foi impulsionado pela indústria. Criou-se uma infra-estrutura ferroviária considerável. Com as transformações econômicas e sociais o norte da Península Itálica se desenvolveu. A alta burguesia queria a unificação, que garantiria o progresso e lhe daria possibilidades de concorrer no mercado externo. Para ela, a unificação tinha significado apenas liberal; o nacionalismo não passou de instrumento. A média burguesia, aliada ao proletariado urbano, desejava um Estado que adotasse medi­das econômicas e sociais de tendência democrática. Preferia uma unificação em termos republica­nos, enquanto a alta burguesia queria unificar o mais fácil e rápido possível, em torno do reino mais forte da Itália: Piemonte-Sardenha.
  4. 4. Qual era a situação antes: Após o período de Napoleão Bonaparte e a Revolução Francesa, a Itália ficou sob domínio do Império Austri-Húngaro. Dividida em 7 Estados: Reino do Piemonte-Sardenha; Parma; Módena e Toscana; Reino Lombardo-Veneziano; o Estado Pontifício; Reino das Duas Sicílias. Em 1848, o rei Carlos Alberto do Piemonte­-Sardenha tentou a unificação e declarando guerra à Áustria. Não obteve sucesso e deixou o trono para seu filho Vítor Emanuel II. Estava lançado a idéia da unificação. Fatores que retardaram o liberalismo na Itália: - Fragmentação territorial e autonomia política das cidades; - Influência da ideologia Católica na região; - Intervenção das potências estrangeiras no país (Áustria e França). Lutas nacionalistas e populares: As revoluções ocorrida na Europa em 1830 e 1848 desencadearam diversos movimentos nacionalistas na Itália, foram eles: - Movimento Jovem Itália ( de caráter republicano); - Resurgimento (de caráter liberal); - Sociedade Carbonária (de caráter popular);
  5. 5. Apesar do clima de grandes agitações populares, esse movimento não conseguiu êxito na primeira metade do século XIX. Porém, uma nova onda de protestos bem sucedidos ocorreria a partir de 1860/1871. Os fatores que possibilitaram o processo de unificação foram: 1. Uma burguesia forte que promoveu um grande desenvolvimento industrial na região norte da Itália. 2. Política beligerante de Cavour, primeiro na Guerra da Criméia contra a Rússia e depois na guerra contra a Áustria.
  6. 6. Conchavos pré-guerra Em 1852, o ministro Cavour (Click) , de Piemonte, viu que sem ajuda não seria possível vencer a Áustria e pensou em possíveis aliandos. A oportunidade surge na, Guerra da Criméia que opunha Rússia contra França e Inglaterra (1854­1856). Resolveu enviar tropas para ajudar a França o que lhe rendeu uma grande alianda. Nesta época Napoleão III era o governante. Em 1859, Cavour e Napoleão III se encontra­ram para fazer uma acordo: Napoleão apoia Piemonte contra a Áustria e receberia em troca os condados da Savóia e de Nice; o Piemonte recebe­ria a Lombardia-Veneza, que pertenciam à Áustria Quer dar uma olhadinha no porque? Click aqui! Guerra da Criméia .
  7. 8. A guerra começou contra os austríacos. Franceses e sardo-piemonteses tiveram vitórias, mas a mobilização da Prússia e a reação dos franceses amedrontaram Napoleão, que assinou a paz com a Áustria. O Piemonte recebeu a Lombardia, mas a Áustria conservou Veneza. Nesse tratado ficou combinado à formação de uma confederação dos Estados italianos sob a presidência do papa, o que contrariava os objetivos de Cavour. As campanhas militares de 1859 repercutiram em toda a Itália. Toscana, Parma, Módena e Romagna, Estados pertencentes ao papa, se revoltaram, querendo unir-se ao Piemonte. Napoleão III concordou desde que a França recebesse Savóia e Nice. Os dois condados, em plebiscito em 1860, aprovaram a passagem para a França quase por unanimidade.
  8. 9. Com a conivência de Cavour, Giuseppe Garibaldi (Click) e seu Exército Popular dos Camisas Vermelhas, conseguiu invadir o reino dos Bourbons se apossando da Sicília e passaram por Nápoles e pondo em fuga o rei Francisco II (Click) . As tropas do Piemonte invadiram os Estados papais, únicos ainda não integrados. Garibaldi, republicano, opunha-se à casa de Savóia; pois daria ao país um regime monárquico. Para não atrapalhar a unificação, afastou-se da vida pública temporariamente. Quando Cavour morreu em 1861, Piemonte já dominava quase toda a Itália. Vítor Emanuel II (Click) declarou-se rei e transferiu a capital para Florença. Para completar a unificação, faltava só a adesão dos restantes Estados.
  9. 10. A conquista de Veneza foi possível graças à guerra entre Áustria e Prússia(1864), à qual os italianos se aliaram. Vencida, a Áustria pediu o arbitramento de Napoleão III. Veneza passou à Itália após um plebiscito. A Áustria ainda conservaria Trento e Trieste. O problema com os Estados papais era mais difícil o papa se recusava a entregar a cidade, pois considerava que era a garantia da independência da Igreja. Garibaldi tentou tomar Roma, mas Napoleão III enviou uma guarnição para proteger o papa: tomar Roma pela força equivaleria a declarar guerra à França (Click) .
  10. 11. Em 1870, os prussianos invadiram e venceram a França; os italianos então tomaram Roma e ocuparam o resto dos Estados. Em 1871, Vítor Emanuel ofereceu ao papa as leis de garantia, mas Pio IX considerou-se prisioneiro no Vaticano e recusou qualquer conciliação. A questão romana só se resolveu em 1929 pelo Tratado de Latrão entre Mussolini e Pio XI, que criou o Estado do Vaticano (Click) , com quase cinco quilômetros quadrados de superfície.
  11. 12. Vaticano
  12. 15. A Guerra da Criméia se estendeu de 1854 a 1856. Começou com uma discussão entre monges ortodoxos russos e católicos franceses sobre quem teria precedência sobre os locais sagrados em Jerusalém e Nazaré. Em 1853 os ânimos se acirraram resultando em violência e casos de morte em Belém. O Czar Nicolau I aproveita o incidente. Aega estar defendendo os cristãos que habitavam os domínios do sultão turco e seus templos na Terra Santa. Envia tropas para ocupar a Moldávia e a Romênia. Em resposta, os turcos declaram guerra à Rússia. Com a guerra declarada, a frota russa destruíu a flotilha turca, no Mar Negro. Não passou de um movimento para aumentar a presença russa no Mar Negro e, desta forma, ampliar sua influência por todo o Mediterrâneo e no Oriente Médio. Para evitar a expansão russa, os britânicos e franceses abandonaram uma rivalidade secular e decidiram se declarar a favor dos turcos. A Rainha Victoria e Napoleão III, imperador da França enviam forças militares para os bálcans. Em Setembro de 1854 os russos já haviam sido expulsos da Moldávia e da Romênia. A guerra deveria ter terminado neste ponto, mas Lord Palmerstone, primeiro ministro britânico, decidiu que a grande base naval russa em Sabastopol constituía uma ameaça direta à segurança da região no futuro. As forças expedicionárias, então, se dirigem para a península da Criméia. Click para voltar ao texto aqui!

×