RECON - BT Novembro de 2007 1/186
RECON - BT Novembro de 2007 2/181APRESENTAÇÃOA presente Regulamentação tem por finalidade fixar as condições mínimas parap...
RECON - BT Novembro de 2007 3/181ÍNDICE GERALCONDIÇÕES GERAIS1 - Introdução2 - Terminologias e definições2.1 - Consumidor2...
RECON - BT Novembro de 2007 4/1814.2.1.3 - Rede subterrânea4.2.2 - Atendimento através de unidade transformadora interna a...
RECON - BT Novembro de 2007 5/1818 - Aterramento das instalações8.1 - Aterramento do condutor neutro8.2 - Ligações à terra...
RECON - BT Novembro de 2007 6/1819.7 - Painéis de medição e painéis de proteção padronizados9.7.1 - Painéis de medição dir...
RECON - BT Novembro de 2007 7/181SEÇÃO 02.07.0014 - Padrão de ligação de entradas de energia elétrica individuais14.1 - Ca...
RECON - BT Novembro de 2007 8/181FIGURASFig. 1: CAIXA TRANSPARENTE MONOFÁSICA (CTM)Fig. 2 : CAIXA TRANSPARENTE POLIFÁSICA ...
RECON - BT Novembro de 2007 9/181TABELASTABELA 1: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO A) - CARGA MÍNIMA EFATORES DE DEMANDA PARA,...
RECON - BT Novembro de 2007 10/181TABELA 10 A: ENTRADA INDIVIDUAL “MEDIÇÃO DIRETA”DIMENSIONAMENO DE MATERIAIS INDIVIDUAIST...
RECON - BT Novembro de 2007 11/181CONDIÇÕES GERAIS1 - IntroduçãoO fornecimento de energia elétrica em baixa tensão na área...
RECON - BT Novembro de 2007 12/1812.7 - Ponto de entregaa) O ponto de entrega de energia elétrica situa-se no limite de pr...
RECON - BT Novembro de 2007 13/181No caso de atendimento através de ramal de ligação subterrâneo, o ponto deinterligação s...
RECON - BT Novembro de 2007 14/1813 - Dispositivos legais3.1 - Decreto n.º 41.019 de 26 de fevereiro de 1957, do Ministéri...
RECON - BT Novembro de 2007 15/1814.2 - Em relação à demanda da instalação e definição do tipo de atendimento4.2.1- Atendi...
RECON - BT Novembro de 2007 16/181Sistema de distribuição subterrâneo radialAtravés de ramal de ligação subterrâneo deriva...
RECON - BT Novembro de 2007 17/181NOTA: Entradas individuais localizadas em região com sistema trifásico dedistribuição em...
RECON - BT Novembro de 2007 18/181NOTAS:1 - Valores determinados a partir da demanda calculada conforme critério descriton...
RECON - BT Novembro de 2007 19/181i - Motor com potência nominal superior a 5 CV sem dispositivo de redução dacorrente de ...
RECON - BT Novembro de 2007 20/1814.10 - Suspensão do fornecimentoOs critérios para suspensão do fornecimento de energia e...
RECON - BT Novembro de 2007 21/181- Cópia dos padrões de ligação, conforme relacionados nas alíneas “a” e “b” doitem 5.3 d...
RECON - BT Novembro de 2007 22/181- Entradas individuais isoladas situadas em via pública, tais como, bancas dejornal, qui...
RECON - BT Novembro de 2007 23/181- Quadro de cargas;- Avaliação da demanda;- Características técnicas dos equipamentos e ...
RECON - BT Novembro de 2007 24/181Para todos os demais casos contidos nos itens 5.3 e 5.4 desta Regulamentação. éobrigatór...
RECON - BT Novembro de 2007 25/181Nas entradas coletivas (TABELAS 11-A e 11-B), o disjuntor de proteção geraldeve estar el...
RECON - BT Novembro de 2007 26/181NOTAS:1 - Quando empregado disjuntor e elemento diferencial independentes, oresponsável ...
RECON - BT Novembro de 2007 27/1817.1- Medição individualÉ concedida para unidades consumidoras independentes, residências...
RECON - BT Novembro de 2007 28/181NOTA: As TABELAS 17 e 18, apresentam os limites de condução de corrente parabarras de co...
RECON - BT Novembro de 2007 29/181O sistema de aterramento deve garantir a manutenção das tensões máximas detoque (V toque...
RECON - BT Novembro de 2007 30/1818.5.1 - Entrada individual de energia elétrica8.5.1.1 - Entrada individual isolada com d...
RECON - BT Novembro de 2007 31/181As caixas para medidor em policarbonato devem apresentar tampa travável.Os visores, quan...
RECON - BT Novembro de 2007 32/181Devem ser fabricadas em chapa de aço galvanizada tratada contra corrosão,pintura eletros...
RECON - BT Novembro de 2007 33/1819.1.2.2 - Caixa de Seccionamento e Medição indireta - CSM 1500 (Fig.7)Utilizada em ligaç...
RECON - BT Novembro de 2007 34/1819.1.3.1 - Caixa para Seccionamento, Medição indireta e Proteção - CSMD 600(Fig. 8A)Utili...
RECON - BT Novembro de 2007 35/1819.2.1 - Caixa para Seccionador - CS 100 (Fig. 4)Utilizada em ligação nova ou aumento de ...
RECON - BT Novembro de 2007 36/1819.3.2 - Caixa para Proteção Geral - CPG 600 (Fig. 6)Aplicada em demanda superior a 74,6 ...
RECON - BT Novembro de 2007 37/181Deve ter as dimensões mínimas de 0,80 x 0,80 x 0,80 m para 1(um) conjunto decabos, sendo...
RECON - BT Novembro de 2007 38/181Consideradas as condições estabelecidas no item 11 desta Regulamentação, osdisjuntores i...
RECON - BT Novembro de 2007 39/1819.7.1 - Painéis de medição direta e proteção individual - PMD 1 (Fig. 11A) ePMD 2 (Fig. ...
RECON - BT Novembro de 2007 40/181Quando os painéis PDMD forem derivados a partir do barramento de uma únicaproteção geral...
RECON - BT Novembro de 2007 41/181Nas descidas dos circuitos de aterramento devem ser utilizados eletrodutos rígidosde PVC...
RECON - BT Novembro de 2007 42/1819.11 - CondutoresOs condutores devem ser dimensionados a partir da demanda avaliada dain...
RECON - BT Novembro de 2007 43/181NOTAS:1) Tanto para o ramal de ligação aéreo quanto para o ramal de ligaçãosubterrâneo, ...
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Recon bt versao_completa_04-08-09
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Recon bt versao_completa_04-08-09

3.666 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.666
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Recon bt versao_completa_04-08-09

  1. 1. RECON - BT Novembro de 2007 1/186
  2. 2. RECON - BT Novembro de 2007 2/181APRESENTAÇÃOA presente Regulamentação tem por finalidade fixar as condições mínimas paraprojeto e execução de instalações de entradas individuais e coletivas nasatividades residencial e não residencial, com fornecimento de energia elétrica emtensão secundária de distribuição na área de concessão da Light Serviços deEletricidade S.A.Todas as prescrições técnicas contidas nesta Regulamentação devem serrigorosamente atendidas. Entretanto, não dispensam o responsável técnico donecessário conhecimento e amparo na legislação e normas técnicas específicaspara instalações, equipamentos e materiais elétricos em baixa tensão.À Light é reservado o direito de, em qualquer tempo, alterar o conteúdo destaRegulamentação, no todo ou em parte, por motivo de ordem técnica ou legal,sendo tais alterações devidamente comunicadas através dos meios próprios.Esta Regulamentação cancela e substitui todas as edições anteriores a data desua publicação e estará disponível para cópias e consultas na internet nosendereços www.light.com.br e www.lightempresas.com.br ou nas agênciascomerciais da Light.Rio de Janeiro, Novembro de 2007Estudou / elaborou Órgão Aprovou RevisãoClayton G. VaboEngº EletricistaCREA/RJ 130.066 – DCTPJorge A. Dutra de SouzaEngº EletricistaCREA/RJ 41.256 – DCTPRoberto V. DiasEngº EletricistaCREA/RJ 54.570 – DCTPRonaldo Fittipaldi MessiasTéc. EletrotécnicaCREA/RJ 811235220 – TDCTPRogério S. C. MenezesTéc. EletrotécnicaCREA/RJ 49934 – TDCTP
  3. 3. RECON - BT Novembro de 2007 3/181ÍNDICE GERALCONDIÇÕES GERAIS1 - Introdução2 - Terminologias e definições2.1 - Consumidor2.2 - Unidade consumidora2.3 - Edificação2.4 - Entrada individual2.5 - Entrada coletiva2.6 - Instalação de entrada de energia elétrica2.7 - Ponto de entrega2.8 - Ponto de interligação2.9 - Recuo técnico2.10 - Ramal de ligação2.11 - Ramal de entrada2.12 - Limite de propriedade2.13 - Carga instalada2.14 - Demanda2.15 - Espaço físico3 - Dispositivos legais3.1 - Decreto n.º 41.019 de 26 de fevereiro de 1957, do Ministério de Minase Energia3.2 - Resolução da ANEEL n.º 456, de 29 de novembro de 20003.3 - Normas para instalações elétricas da ABNT3.4 - Leis, Decretos e Resoluções do sistema CONFEA/CREA-RJ3.5 - Código de segurança contra incêndio e pânico do Corpo deBombeiros do Estado do Rio de Janeiro3.6 - Sistema tarifário4 - Limites de fornecimento de energia elétrica4.1 - Em relação ao tipo de medição4.2 - Em relação à demanda da instalação e definição do tipo deatendimento4.2.1- Atendimento através de unidade transformadora externa dedicada4.2.1.1 - Rede aérea sem previsão de conversão para subterrânea4.2.1.2 - Rede aérea com previsão de conversão para subterrânea
  4. 4. RECON - BT Novembro de 2007 4/1814.2.1.3 - Rede subterrânea4.2.2 - Atendimento através de unidade transformadora interna aolimite de propriedade4.3 - Tensões de fornecimento4.4 - Tipos de atendimento padronizados conforme o número de fases4.4.1 - Entrada individual4.4.2 - Entrada coletiva4.5 - Categorias de atendimento das entradas de energia elétricaindividual e coletiva4.6 - Fornecimento de energia elétrica a cargas especiais4.7 - Condições não permitidas4.8 - Conservação dos materiais e equipamentos da instalação de entradade energia elétrica4.9 - Acesso nas instalações de entrada de energia elétrica4.10 - Suspensão do fornecimento4.11 - Vigência desta Regulamentação4.12 - Casos não previstos5 - Solicitação de fornecimento de energia elétrica5.1 - Dados fornecidos à Light5.2 - Dados fornecidos pela Light5.3 - Fornecimento de energia elétrica com entrada individual5.4 - Fornecimento de energia elétrica com entrada coletiva5.5 - Apresentação de projeto da instalação de entrada de energia elétrica5.5.1 - Em entrada individual5.5.2 - Em entrada coletiva5.6 - Prazo de validade do projeto5.7 - Apresentação do documento “ART” do CREA / RJ5.8 - Ligações provisórias5.9 - Ligações temporárias6 - Proteção da instalação de entrada de energia elétrica6.1 - Proteção contra sobrecorrentes6.2 – Proteção diferencial contra correntes de fuga6.3 - Proteção contra sobretensões6.4 - Proteção contra subtensões e falta de fase7 - Medição7.1 - Medição individual7.2 - Medição de agrupamento7.3 - Medição de serviço7.4 - Medição totalizadora7.5 - Influências de campos magnéticos7.6 - Medições especiais
  5. 5. RECON - BT Novembro de 2007 5/1818 - Aterramento das instalações8.1 - Aterramento do condutor neutro8.2 - Ligações à terra e condutor de proteção8.3 - Eletrodo de aterramento8.4 - Interligação à malha de aterramento e entre barras de neutro e deproteção8.5 - Número de eletrodos da malha de terra8.5.1 - Entrada de energia elétrica individual8.5.1.1 - Entrada individual isolada com demanda avaliada até 23,2 kVA8.5.1.2 - Entrada individual isolada com demanda avaliada superior a 23,2kVA e inferior ou igual a 150 kVA8.5.1.3 - Entrada individual isolada com demanda avaliada superior a 150kVA8.5.2 - Entrada de energia elétrica coletiva8.5.2.1 - Entrada coletiva até 6 (seis) unidades de consumo8.5.2.2 - Entrada coletiva com mais de 6 (seis) unidades de consumo9 - Materiais padronizados9.1 - Caixas para medição9.1.1 - Caixas para medição direta - CTM, CTP, CM 200 e CSM 2009.1.1.1 - Caixa transparente monofásica - CTM (Fig. 1)9.1.1.2 - Caixa transparente polifásica - CTP (Fig. 2)9.1.1.3 - Caixa para medição direta superior a 100 até 200 A - CM 200 (Fig.5A) e Caixa para seccionamento e medição direta até 200 A - CSM 200(Fig. 5B)9.1.2 - Caixas para seccionamento e medição indireta - CSM9.1.2.1 - Caixa para seccionamento e medição indireta - CSM 600 (Fig.7)9.1.2.2 - Caixa para seccionamento e medição indireta - CSM 1500 (Fig.7)9.1.3 - Caixas para seccionamento, medição indireta e proteção - CSMD9.1.3.1 - Caixa para seccionamento, medição indireta e proteção - CSMD600 (Fig. 8A)9.1.3.2 - Caixa para seccionamento, medição indireta e proteção - CSMD1500 (Fig. 8A)9.1.3.3 - Caixa para seccionamento, medição indireta e proteção - CSMD3000 (Fig. 8B)9.2 - Caixas para seccionador - CS9.2.1 - Caixa para seccionador - CS-100 (Fig. 4)9.2.2 - Caixa para seccionador - CS-200 (Fig. 4)9.3 - Caixas para proteção geral - CPG (Fig. 6)9.3.1 - Caixa para proteção geral - CPG-225 (Fig. 6)9.3.2 - Caixa para proteção geral - CPG-600 (Fig. 6)9.3.3 - Caixa para proteção geral - CPG-1000 (Fig. 6)9.4 - Caixas para disjuntor - CDJ9.4.1 - Caixa para disjuntor monopolar - CDJ 1 (Fig. 3A)9.4.2 - Caixa para disjuntor tripolar - CDJ 3 (Fig. 3B)9.5 - Caixa de passagem9.6 - Caixas de inspeção de aterramento (Fig.10A e Fig. 10B)
  6. 6. RECON - BT Novembro de 2007 6/1819.7 - Painéis de medição e painéis de proteção padronizados9.7.1 - Painéis de medição direta e proteção individual: PMD 1 (Fig. 11 A) ePMD 2 (Fig. 11 B)9.7.2 - Painéis de seccionamento, medição direta e proteção individual:PSMD 1 (Fig. 13 A) e PSMD 2 (Fig. 13 B)9.7.3 - Painéis de proteção geral, medição direta e proteção individual:PDMD 1 (Fig. 12 A) e PDMD 2 (Fig. 12 B)9.7.4 - Painel de proteção geral e parcial - PPGP9.8 - Eletroduto9.9 - Banco de dutos9.10 - Terminais de fixação de dutos9.11 - Condutores9.11.1 - Tipo de condutor em função da característica do atendimento9.11.1.1 - Condutores para ramal de ligação9.11.1.2 - Condutores para ramal de entrada9.12 - Barramento blindado (Bus way)10 - Compensação de reativos11 - Condição de uso da proteção diferencial residualSEÇÃO 01.07.0012- Determinação da carga instalada13 - Avaliação de demandas13.1 - Método de avaliação - Seção “A”13.1.1 - Expressão geral para cálculo da demanda13.1.2 - Avaliação da demanda de entradas individuais e decircuitos de serviço dedicados ao uso de condomínios13.1.3 - Avaliação da demanda de entradas coletivas13.1.3.1 - Avaliação da demanda de entradas coletivas com um únicoagrupamento de medidores13.1.3.2 - Avaliação da demanda de entradas coletivas com mais de umagrupamento de medidores13.2 - Método de avaliação - Seção “B”13.2.1 - Metodologia para aplicação13.2.1.1 - Avaliação da demanda de entradas coletivas exclusivamenteresidenciais compostas de 6 a 300 unidades de consumo13.2.1.2 - Avaliação da demanda de entradas coletivas mistas13.3 - Exemplos de avaliação de demandas
  7. 7. RECON - BT Novembro de 2007 7/181SEÇÃO 02.07.0014 - Padrão de ligação de entradas de energia elétrica individuais14.1 - Características construtivas dos ramais de ligação e de entradaem entrada individual14.1.1 - Ramal de ligação aéreo derivado de rede aérea14.1.2 - Ramal de ligação subterrâneo derivado de rede aérea14.1.3 - Ramal de ligação subterrâneo derivado da rede subterrânea14.2 - Padrão de atendimento em entrada individual14.2.1 - Atendimento a ligações novas em entrada individual14.2.2 - Atendimento a aumentos de carga em entrada individual14.3 - Exemplos de aplicação de entradas individuaisSEÇÃO 03.07.0015 - Padrão de ligação de entrada de energia elétrica coletiva15.1 - Medição15.1.1 - Medição em agrupamento15.1.2 - Medição totalizadora15.1.3 - Medição de serviço15.2 - Características construtivas dos ramais de ligação e de entradaem entrada coletiva15.2.1 - Ramal de ligação aéreo derivado de rede aérea15.2.2 - Ramal de ligação subterrâneo derivado da rede subterrânea15.3 - Localização da proteção geral15.4 - Padrão de atendimento em entrada coletiva15.4.1 - Atendimento a ligações novas em entrada coletiva15.4.1.1 - Atendimento a edifícios exclusivamente residenciais (Prédioúnico)15.4.1.2 - Atendimento a edifícios não residenciais (Prédio único)15.4.1.3 - Atendimento a edifícios mistos (prédio único com unidadesresidenciais e não residenciais)15.4.1.4 - Atendimento a condomínios verticais (Prédios múltiplos)15.4.1.5 - Atendimento a vilas ou condomínios horizontais residenciais15.4.2 - Atendimento a aumentos de carga em entrada coletiva15.4.2.1 - Instalações com medição existente em painéis15.4.2.2 - Instalações com medição existente em padrão antigo (PC)15.5 - Exemplos de aplicação de entradas coletivas
  8. 8. RECON - BT Novembro de 2007 8/181FIGURASFig. 1: CAIXA TRANSPARENTE MONOFÁSICA (CTM)Fig. 2 : CAIXA TRANSPARENTE POLIFÁSICA (CTP)Fig. 3A e Fig. 3B: CAIXAS PARA DISJUNTOR (CDJ 1 e CDJ 3)Fig. 4: CAIXAS PARA SECCIONAMENTO - CS (CS 100 e 200)Fig. 5A: CAIXAS PARA MEDIÇÃO DIRETA ATÉ 200 A (CM 200)Fig. 5B: CAIXAS PARA SECCIONAMENTO E MEDIÇÃO DIRETA ATÉ 200 A(CSM 200)Fig. 6: CAIXAS DE PROTEÇÃO GERAL (CPG 225, 600 e 1000)Fig. 7: CAIXAS PARA SECCIONAMENTO E MEDIÇÃO (CSM 600 e 1500)Fig. 8A: CAIXA PARA SECCIONAMENTO, MEDIÇÃO e PROTEÇÃO (CSMD600 e 1500)Fig. 8B: CAIXA PARA SECCIONAMENTO, MEDIÇÃO e PROTEÇÃO(CSMD 3000)Fig. 9A e Fig. 9B: BARRAS PARA DERIVAÇÃO TIPOS “L” e “Z”Fig. 10A e Fig. 10B: CAIXAS DE INSPEÇÃO DE ATERRAMENTO (Alvenariae Polimérica)Fig. 11A: PAINEL DE MEDIÇÃO DIRETA E PROTEÇÃO INDIVIDUAL - PMD 1Fig. 11B: PAINEL DE MEDIÇÃO DIRETA E PROTEÇÃO INDIVIDUAL - PMD 2Fig. 12A: PAINEL DE PROTEÇÃO GERAL, MEDIÇÃO DIRETA E PROTEÇÃOINDIVIDUAL - PDMD 1Fig. 12B: PAINEL DE PROTEÇÃO GERAL, MEDIÇÃO DIRETA E PROTEÇÃOINDIVIDUAL - PDMD 2Fig. 13A: PAINEL DE SECCIONAMENTO, MEDIÇÃO DIRETA E PROTEÇÃOINDIVIDUAL - PSMD 1Fig. 13B: PAINEL DE SECCIONAMENTO, MEDIÇÃO DIRETA E PROTEÇÃOINDIVIDUAL - PSMD 2
  9. 9. RECON - BT Novembro de 2007 9/181TABELASTABELA 1: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO A) - CARGA MÍNIMA EFATORES DE DEMANDA PARA, INSTALAÇÕES DE ILUMINAÇÃO ETOMADAS DE USO GERALTABELA 2: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO A) - FATORES DEDEMANDA PARA APARELHOS DE AQUECIMENTOTABELA 3A: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO A) - FATORES DEDEMANDA PARA APARELHOS, DE AR CONDICIONADO TIPO JANELA,SPLIT E FAN-COIL, (UTILIZAÇÃO RESIDENCIAL)TABELA 3B: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO A) - FATORES DEDEMANDA PARA APARELHOS, DE AR CONDICIONADO TIPO JANELA,SPLIT E FAN-COIL, (UTILIZAÇÃO NÃO RESIDENCIAL)TABELA 4: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO A) - FATORES DEDEMANDA PARA EQUIPAMENTOS DE AR CONDICIONADO CENTRAL,SELF CONTAINER E SIMILARESTABELA 5A: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO A) - CONVERSÃO DE“CV” EM “kVA"TABELA 5B: FATOR DE DEMANDA x N°DE MOTORESTABELA 6: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO A) - FATORES DEDEMANDA PARA MÁQUINAS DE SOLDA E EQUIPAMENTOS MÉDICOS DEDIAGNÓSTICO POR IMAGEM (APARELHOS DE RAIO X, TOMÓGRAFOS,MAMÓGRAFOS E OUTROS)TABELA 7 - A: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO B) - (Unidades deconsumo que utilizem equipamentos elétricos individuais paraaquecimento de água) - DEMANDAS (kVA) DE APARTAMENTOS EMFUNÇÃO DAS ÁREAS (m²)TABELA 7 - B: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO B) - (Unidades deconsumo que não utilizem equipamentos elétricos individuais paraaquecimento de água) - DEMANDAS (kVA) DE APARTAMENTOS EMFUNÇÃO DAS ÁREAS (m²)TABELA 8: (MÉTODO DE AVALIAÇÃO - SEÇÃO B) - FATORES PARADIVERSIFICAÇÃO DE CARGAS EM FUNÇÃO DO N.º DE APARTAMENTOSTABELA 9: POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS
  10. 10. RECON - BT Novembro de 2007 10/181TABELA 10 A: ENTRADA INDIVIDUAL “MEDIÇÃO DIRETA”DIMENSIONAMENO DE MATERIAIS INDIVIDUAISTABELA 10 B: ENTRADA INDIVIDUAL “MEDIÇÃO INDIRETA”DIMENSIONAMENTO DE MATERIAIS INDIVIDUAISTABELA 11 A: UNIDADES DE CONSUMO EM ENTRADA COLETIVA-MEDIÇÃO DIRETA DIMENSIONAMENTO DE MATERIAIS INDIVIDUAISTABELA 11 B: UNIDADES DE CONSUMO “ANTIGAS” EM ENTRADACOLETIVA - MEDIÇÃO DIRETA DIMENSIONAMENTO DE MATERIAISINDIVIDUAISTABELA 12: DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETOTABELA 13: SEÇÃO MÍNIMA DO CONDUTOR DE PROTEÇÃOTABELA 14: CAPACIDADE MÍNIMA DE INTERRUPÇÃO SIMÉTRICA DOSDISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO GERAL DE ENTRADATABELA 15: CORRENTE MÁXIMA ADMISSÍVEL EM CONDUTORES DECOBRE (Ampères)TABELA 16: OCUPAÇÃO MÁXIMA DE ELETRODUTOS COM CONDUTORESUNIPOLARES ISOLADOS EM PVC 70ºCTABELA 17: LIMITE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE PARA BARRAS DECOBRE DE SEÇÃO RETANGULARTABELA 18: FATORES DE CORREÇÃO PARA BARRAMENTOSHORIZONTAIS OU VERTICAIS COM MAIS DE 2 (DOIS) METROSANEXOSAnexo “A”:CARTA MODELO PARA CREDENCIAMENTO DE RESPONSÁVEL TÉCNICOAnexo “B”:ARRANJOS SUGESTIVOS PARA O DISPOSITIVO DIFERENCIALAnexo “C”:DETALHES DOS DISPOSITIVOS DE IMPEDIMENTO AO ACESSO EMPAINÉIS E CAIXAS CONSTANTES DESTA REGULAMENTAÇÃOAnexo “D”:DETALHES PARA OPERAÇÃO DAS BARRAS DESLIGADORAS, BASESFUSÍVEIS, OU CHAVES SECCIONADORAS DE OPERAÇÃO SEM CARGA
  11. 11. RECON - BT Novembro de 2007 11/181CONDIÇÕES GERAIS1 - IntroduçãoO fornecimento de energia elétrica em baixa tensão na área de concessão da Lighté realizado através das instalações de entrada, das unidades consumidorascaracterizadas por um sistema de seccionamento, medição e proteção, que deveser construído pelo interessado em conformidade com esta Regulamentação, comas normas de segurança e com as normas técnicas brasileiras atinentes.Ao sistema de distribuição da Light, somente podem ser conectadas instalações deentrada individual ou coletiva construídas com equipamentos e materiais defabricantes que tenham seus produtos fabricados em conformidade com as normasbrasileiras e que sejam aceitos pela Light.2 - Terminologias e definições2.1 - ConsumidorPessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito legalmenterepresentada, que solicitar à Light o fornecimento de energia elétrica e assumirexpressamente a responsabilidade pelo pagamento das faturas e pelas demaisobrigações fixadas em normas e regulamentações da ANEEL.2.2 - Unidade consumidoraInstalação de um único consumidor, caracterizada pelo fornecimento de energiaelétrica em um único ponto, com medição individualizada.2.3 - EdificaçãoConstrução composta por uma ou mais unidades consumidoras.2.4 - Entrada individualConjunto de equipamentos e materiais destinados ao fornecimento de energiaelétrica a uma edificação composta por uma única unidade consumidora.2.5 - Entrada coletivaConjunto de equipamentos e materiais destinados ao fornecimento de energiaelétrica a uma edificação composta por mais de uma unidade consumidora.2.6 - Instalação de entrada de energia elétricaConjunto de equipamentos e materiais instalados a partir do ponto de entrega.
  12. 12. RECON - BT Novembro de 2007 12/1812.7 - Ponto de entregaa) O ponto de entrega de energia elétrica situa-se no limite de propriedade com avia pública em que se localiza a unidade consumidora, sendo o ponto até oqual a Light deve adotar todas as providências técnicas de forma a viabilizar ofornecimento de energia elétrica, bem como operar e manter o seu sistema elétrico,observadas as condições estabelecidas na legislação, resoluções e regulamentosaplicáveis, em especial nas definições das responsabilidades financeiras da Light edo Consumidor no custeio da infra-estrutura de fornecimento até o ponto deentrega.b) Quando o atendimento for através de ramal de ligação aéreo, o ponto de entregaé no ponto de ancoramento do ramal fixado, na fachada, no pontalete ou no posteinstalado na propriedade particular, situado no limite da propriedade com a viapública.c) No atendimento com ramal de ligação subterrâneo derivado de rede aérea comdescida no poste da Light, por conveniência do Consumidor, o ponto de entregaé na conexão entre o ramal de ligação e a rede secundária de distribuição.d) No caso de atendimento com ramal de ligação subterrâneo derivado de redesubterrânea, o ponto de entrega é fixado no limite da propriedade com a via públicano que se refere ao cumprimento das responsabilidades estabelecidas naResolução 456 da ANEEL, relativamente a viabilização do fornecimento, daoperação e da manutenção, tanto por parte da Light quanto por parte doConsumidor. Entretanto, considerando a necessidade técnica de evitar a realizaçãode emendas entre os ramais de ligação e de entrada junto ao limite de propriedade(principalmente no atendimento a cargas de grande porte), apenas sob o aspectoestritamente técnico e operacional, a Light realiza a instalação contínua do ramalde ligação até o primeiro ponto de conexão interno ao Consumidor (caixa deseccionamento ou caixa de proteção geral). O trecho interno do ramal, a partir dolimite de propriedade, deve ser considerado como o “ramal de entrada”.e) Quando houver uma ou mais propriedades particulares entre a via pública e oimóvel em que se localizar a unidade consumidora, o ponto de entrega é no limiteda via pública com a primeira propriedade intermediária.f) Em se tratando de atendimento através de unidade de transformação interna aoimóvel o ponto de entrega é na entrada do barramento secundário junto da unidadede transformação.g) Em condomínio horizontal com rede de distribuição interna da Light (arruamentocom livre acesso para a Light), o ponto de entrega é no limite da via interna docondomínio com cada propriedade individual.2.8 - Ponto de interligaçãoNo atendimento através de ramal de ligação aéreo, o ponto de interligação situa-sena primeira estrutura de apoio dos condutores (ponto de ancoragem) junto ao limiteda propriedade particular com a via pública.
  13. 13. RECON - BT Novembro de 2007 13/181No caso de atendimento através de ramal de ligação subterrâneo, o ponto deinterligação situa-se na terminação do banco de dutos particular em uma caixa depassagem, localizada junto ao limite externo da propriedade com a via pública,conforme item 9.5 desta Regulamentação.2.9 - Recuo técnicoLocal situado junto ao muro ou fachada da edificação, onde é construído umgabinete de alvenaria com acesso pela parte externa, para instalação das caixasdestinadas ao seccionamento, a medição bem como a proteção geral voltada paraa parte interna da edificação, além dos materiais complementares da instalação deentrada de energia elétrica.2.10 - Ramal de ligaçãoConjunto de condutores e materiais instalados entre o ponto de derivação da redede distribuição da Light e o ponto de entrega.2.11 - Ramal de entradaConjunto de condutores e materiais instalados a partir do ponto de entrega.2.12 - Limite de propriedadeLinha que separa a propriedade de um Consumidor das propriedades vizinhas ouda via pública, no alinhamento determinado pelos Poderes Públicos.2.13 - Carga instaladaSomatório das potências nominais de todos os equipamentos elétricos e deiluminação existentes em uma instalação, expressa em quilowatts (kW).2.14 - DemandaValor máximo de potência absorvida num dado intervalo de tempo por um conjuntode cargas existentes numa instalação, obtido a partir da diversificação dessascargas por tipo de utilização, definida em múltiplos de VA ou kVA para efeito dedimensionamento de condutores, disjuntores, níveis de queda de tensão ou aindaqualquer outra condição assemelhada, devendo também ser expressa em kW a fimde atender as condições definidas na Resolução n.º 456 da ANEEL e demaisresoluções e legislação atinentes.2.15 - Espaço físicoAmbiente apropriado, de fácil acesso, que viabilize fisicamente a instalação elétricaem sua íntegra de transformadores, chaves, caixas, quadros, sistema de medição eoutros equipamentos da Light, atendendo todas as condições de ventilação,iluminação, aterramento, interligação com eletrodutos etc.
  14. 14. RECON - BT Novembro de 2007 14/1813 - Dispositivos legais3.1 - Decreto n.º 41.019 de 26 de fevereiro de 1957, do Ministério de Minas eEnergiaRegulamenta o serviço de energia elétrica no País, e, entre outras providências,determina o cumprimento das normas da ABNT.3.2 - Resolução da ANEEL n.º 456, de 29 de novembro de 2000Devem ser observadas as condições estabelecidas, consideradas as sua revisõese atualizações.3.3 - Normas para instalações elétricas da ABNTDevem ser rigorosamente observadas as condições estabelecidas pela NBR-5410- Instalações elétricas de baixa tensão da ABNT, bem como outras normasaplicáveis, consideradas as suas revisões e atualizações.3.4 - Leis, Decretos e Resoluções do sistema CONFEA/CREA-RJDevem ser observadas as disposições referentes às habilitações legais deprofissionais e empresas para as atividades de projeto e execução de instalaçõesde energia elétrica, bem como à obrigatoriedade de recolhimento da ART -Anotação de Responsabilidade Técnica, atinentes a leis, decretos, resoluções enormas de fiscalização do sistema CONFEA/CREA-RJ, atualizadas.3.5 - Código de segurança contra incêndio e pânico do Corpo de Bombeirosdo Estado do Rio de JaneiroDevem ser observadas as normas técnicas atualizadas do Corpo de Bombeiros,referentes ao fornecimento de energia elétrica a elevadores, bombas de recalque,circuitos de iluminação e alimentação de equipamentos destinados a prevenção,detecção, combate ao fogo e evacuação de edificações sob sinistros, através demedidor de serviço alimentado por circuito derivado antes da proteção geral deentrada, considerando que cabe ao Consumidor aprovar junto ao Corpo deBombeiros o sistema de comando e controle de todos os equipamentos elétricosacima citados, a partir da porta de acesso da edificação.3.6 - Sistema tarifárioOs órgãos comerciais da Light devem orientar aos interessados quanto àscondições econômicas e tarifárias relativas às opções de fornecimento de energiaelétrica.4 - Limites de fornecimento de energia elétrica4.1 - Em relação ao tipo de mediçãoO limite de demanda para o fornecimento em entrada de energia elétrica individualcom medição direta em baixa tensão é de 66,3 kVA (220/127 V) ou 114,5 kVA(380/220 V). Para demandas superiores a medição será indireta através detransformadores de corrente (TC).
  15. 15. RECON - BT Novembro de 2007 15/1814.2 - Em relação à demanda da instalação e definição do tipo de atendimento4.2.1- Atendimento através de unidade transformadora externa dedicadaDe acordo com a configuração da rede existente na área do atendimento e dademanda avaliada da entrada consumidora, o atendimento pode ser efetivado apartir de unidade transformadora dedicada, instalada conforme a seguir:4.2.1.1 - Rede aérea sem previsão de conversão para subterrâneaO limite de demanda da entrada consumidora para atendimento através detransformador de distribuição instalado no poste da Light é de 300 kVA (vide nota).O ramal de ligação, dependendo da conveniência técnica, poderá ser aéreo ousubterrâneo.4.2.1.2 - Rede aérea com previsão de conversão para subterrâneaO limite de demanda da entrada consumidora para atendimento através detransformador de distribuição instalado no poste da Light é de 150 kVA (videnota), podendo o ramal de ligação ser aéreo ou subterrâneo, dependendo daconveniência técnica.NOTA: O limite de atendimento através de transformador dedicado instalado emposte na rede de distribuição, somente poderá ser viabilizado quando as condiçõeslocais do sistema distribuidor, em especial a quantidade de transformadores edemais equipamentos já existentes na rede, não venha a sofrer congestionamentopela introdução de novos transformadores, implicando na poluição visual e naagressão ambiental.Cabe ao projetista da Light a verificação dessas garantias, em conformidade como disposto na norma de projeto de redes aéreas. No caso de não atendimentodessas exigências, deverá ser disponibilizado pelo Consumidor espaço físico paraa instalação de CT interna.4.2.1.3 - Rede subterrâneaDe acordo com o sistema de distribuição subterrâneo local, o atendimento seráefetivado conforme a seguir:Sistema de distribuição subterrâneo reticuladoO atendimento através de ramal de ligação subterrâneo derivado diretamente darede reticulada generalizada (malha), está limitado para demandas até 300 kVA.Os casos de atendimento a unidades consumidoras com demanda superior a 300kVA deverão ser submetidos previamente para estudo de viabilidade, uma vez quepoderá ser necessária a cessão de espaço físico pelo interessado para aconstrução de CT, objetivando a compatibilização do sistema de distribuição para oatendimento da carga.Em função de aspectos técnicos, principalmente quando do atendimento dedemandas superiores a 2 MVA, a critério da Light e em comum acordo com oconsumidor, o atendimento será viabilizado através de sistema reticuladodedicado.
  16. 16. RECON - BT Novembro de 2007 16/181Sistema de distribuição subterrâneo radialAtravés de ramal de ligação subterrâneo derivado diretamente da rede sempre quea demanda for igual ou inferior a 150 kVA.4.2.2 - Atendimento através de unidade transformadora interna ao limite depropriedadeSempre que os limites estabelecidos em 4.2.1.1, 4.2.1.2 e 4.2.1.3 relativos àdemanda avaliada do ramal de ligação da edificação forem extrapolados, énecessária a instalação de unidade transformadora na parte interna dapropriedade. Neste caso, de acordo com a orientação da Light e conforme dispostona Resolução 456 da ANEEL, artigo 3º, inciso II, alínea “b”, o consumidor deveprover a cessão de espaço físico interno à propriedade, bem como a construçãocivil necessária nas dimensões fixadas pela Light para a instalação de cabina detransformação para a viabilização do fornecimento.O local físico destinado à cabina de transformação, bem como ao sistema demedição, deve permitir livre acesso pela Light, a qualquer tempo, e deve sempreestar localizado no pavimento térreo, ao nível da rua.Desde que expressamente autorizado pelo Poder Público, quando inexistir acondição para instalação interna, o posto de transformação pode ser localizado naparte externa da propriedade.4.3 - Tensões de fornecimentoO fornecimento de energia elétrica em baixa tensão na área de concessão da Lighté efetivado em corrente alternada, na frequência de 60 Hertz, nas seguintestensões nominais:- 220 / 127 V - Redes aéreas trifásicas a 4 fios - Urbanas / Rurais- 220 / 127 V - Redes subterrâneas a 4 fios - Urbanas- 230 - 115 V - Redes aéreas monofásicas a 3 fios - Rurais- 380 / 220 V - Sistema subterrâneo dedicado - Urbano (ver nota a seguir)NOTA: Em entradas coletivas situadas em regiões em que o sistema dedistribuição da Light em média tensão, aéreo ou subterrâneo, seja em tensão 13,2kV, quando solicitado pelo consumidor, a Light pode realizar o fornecimento emtensão 380/220 V. Entretanto, o atendimento interno deve ser através de sistemasubterrâneo dedicado e a demanda do conjunto coletivo superior a 200 kVA,nas condições estabelecidas no item 4.2.2 desta Regulamentação.O atendimento será efetivado exclusivamente através de cabina interna detransformação, não sendo considerada a possibilidade de posto de transformaçãoexterno.4.4 - Tipos de atendimento padronizados conforme o número de fases4.4.1 - Entrada individualSistema monofásico a 2 fios - uma fase + neutroSistema monofásico a 3 fios (Rural) - duas fases + neutroSistema trifásico a 4 fios - três fases + neutro
  17. 17. RECON - BT Novembro de 2007 17/181NOTA: Entradas individuais localizadas em região com sistema trifásico dedistribuição em baixa tensão, onde o valor da demanda avaliada indique oenquadramento na categoria monofásica, podem ter o fornecimento na modalidadebifásica (duas fases + neutro), quando existir a presença comprovada deequipamentos que operem em tensão 220 V.Cabe ao consumidor a responsabilidade pelos eventuais custos adicionais doatendimento na modalidade requerida.4.4.2 - Entrada coletivaSistema trifásico a 4 fios - três fases + neutro4.5 - Categorias de atendimento das entradas de energia elétrica individual ecoletivaTENSÃO DEFORNECIMENTO(VOLT)CATEGORIADEATENDIMENTODEMANDA(kVA)(1)220/127(Urbano )UM1 (1) (3) (4)UM2 (1) (3) (4)UM3 (1) (4)UM4 (1) (2) (4)UB1 (1) (2)T (4)D ≤ 3, 3D ≤ 4, 44,4 < D ≤ 6,66,6 < D ≤ 8,0D ≤ 8,0D > 8,0230 - 115(Rural)RM1 (1) (3) (4)RM2 (1) (3) (4)RM3 (1) (4)RM4 (1) (4)RM5 (1) (4)D ≤ 3,0D ≤ 4,04,0 < D ≤ 6,06,0 < D ≤ 8,08,0 < D ≤ 14,0380/220(Urbano especial)UME1 (1) (4)UME2 (1) (4)UME3 (1) (4)UME4 (1) (4)TE (4)D ≤ 5,7D ≤ 7,77,7 < D ≤ 11,511,5 < D ≤ 13,4D > 13,4(n.º): ver notasOnde:D - Demanda avaliada a partir da carga instalada;UM - Urbano monofásico;T - Trifásico;UB - Urbano bifásico;RM - Rural monofásico;UME - Urbano monofásico especial;TE - Trifásico especial
  18. 18. RECON - BT Novembro de 2007 18/181NOTAS:1 - Valores determinados a partir da demanda calculada conforme critério descritona Seção 01.07.00 desta Regulamentação, item 13 - Avaliação de demandas.2 - A categoria Urbano bifásica (UB1) é opcional, podendo ser aplicada em casosespeciais onde ocorra a presença comprovada de equipamentos que operem natensão 220 V.3 - Categoria recomendada somente para instalações que não utilizemequipamentos monofásicos especiais para aquecimento d’água (chuveiro, torneira,aquecedor etc.) com potência superior a 4,4 kVA.4 - As diversas subdivisões das categorias de atendimento monofásico e trifásico,para efeito de dimensionamento dos componentes do sistema de medição eproteção geral, estão definidas nas TABELAS 10-A, 10-B, 11-A e 11-B, em funçãoda demanda calculada.4.6 - Fornecimento de energia elétrica a cargas especiaisÉ reservado à Light o direito de exigir do Consumidor, a qualquer tempo, ainstalação de equipamentos destinados a corrigir e resguardar o sistema dedistribuição contra flutuações, oscilações, cintilações, afundamentos detensão, sobretensões, excedentes reativos, desequilíbrios, distorçõesharmônicas e outras perturbações originadas das instalações consumidoras.Cabe ao Consumidor todo o ônus decorrente da instalação dos equipamentosnecessários à devida adequação.4.7 - Condições não permitidasa - Mais de uma medição para um único Consumidor no mesmo endereço;b - Sistema de medição ou cabinas de transformação instalados, fora dos limitesestabelecidos nesta Regulamentação, em ambientes não validados e maliluminados, em locais de difícil acesso e sujeitos a abalroamentos de veículos, ainundações (subsolos), ou ainda em divisórias de madeira ou garagens.c - Ligação no sistema distribuidor da Light de instalações situadas empropriedades não delimitadas fisicamente e que não estejam devidamenteidentificadas por placas numéricas;d - Cruzamento de propriedade de terceiros por condutores de ramais de ligação;e - Alteração da carga instalada sem prévia consulta e autorização da Light;f - Interferência por pessoas não autorizadas nos equipamentos e lacres daLight.g - Instalação de filtros, dispositivos de compensação e outros, sem prévia consultae autorização da Light;h - Instalação de capacitores que interfiram no sistema de distribuição, sem préviaconsulta e autorização da Light, (ver item 10 desta Regulamentação);
  19. 19. RECON - BT Novembro de 2007 19/181i - Motor com potência nominal superior a 5 CV sem dispositivo de redução dacorrente de partida;j - Mais de um ramal de ligação para uma mesma edificação;k - Paralelismo de gerador particular com o sistema de distribuiçãosem prévia consulta e autorização da Light.Obs.: De forma a evitar qualquer possibilidade de paralelismo, as instalações quevenham a utilizar geração particular de emergência, devem prever, de acordo como sistema de geração projetado, uma das seguintes condições:- Instalação de chave reversível de acionamento manual ou elétrico, comintertravamento mecânico (mínimo) separando o circuito de alimentação oriundo daLight do circuito do gerador particular, de modo a alternar o fornecimento semocorrência de simultaneidade.- Construção de circuito de emergência, absolutamente independente dainstalação normal, alimentado pelo gerador particular.- Instalação de dispositivo de disparo à distância da proteção do gerador,devendo o mesmo estar localizado no compartimento da proteção geral de entradaou junto ao comando à distância da proteção geral, quando esse for exigido.NOTA: Os casos de instalações que venham a utilizar gerador particular comnecessidade de paralelismo momentâneo ou permanente, deverão serpreviamente submetidos à Light para análise e eventual autorização combase em normalização específica da própria Light que trata dessa condição.4.8 - Conservação dos materiais e equipamentos da instalação de entrada deenergia elétricaCabe ao Consumidor manter em bom estado de conservação todos oscomponentes da instalação de entrada de energia elétrica (sistema de medição,proteção, cabinas de transformação quando houver etc.).Caso seja constatada qualquer deficiência técnica ou de segurança na referidainstalação, o Consumidor deve ser notificado quanto às irregularidades existentes,com obrigação de providenciar as adequações necessárias dentro do prazoprefixado, sob pena de corte do fornecimento pelo não cumprimento.Ao Consumidor cabe a responsabilidade pelos danos causados aos equipamentosda Light instalados na sua propriedade.4.9 - Acesso nas instalações de entrada de energia elétricaO consumidor deve permitir, a qualquer tempo, o livre acesso de funcionárioscontratados pela Light (próprios ou terceirizados identificados pelos respectivoscrachás) em suas instalações destinadas ao fornecimento de energia elétrica.
  20. 20. RECON - BT Novembro de 2007 20/1814.10 - Suspensão do fornecimentoOs critérios para suspensão do fornecimento de energia elétrica sãoregulamentados pela Resolução n.º 456 da ANEEL, consideradas as eventuaisrevisões e atualizações.4.11 - Vigência desta RegulamentaçãoConsiderando a constante evolução dos equipamentos e materiais e odesenvolvimento de novas metodologias, sempre que ocorrerem modificações,informações atualizadas desta Regulamentação devem ser oportunamenteemitidas, em conformidade com as determinações da ANEEL.4.12 - Casos não previstosOs casos não previstos nesta Regulamentação devem ser submetidos à Light paraanálise.5 - Solicitação de fornecimento de energia elétricaA Light somente atenderá as solicitações de fornecimento feitas a partir de préviaconsulta aprovada e que as instalações de entrada de energia elétrica estejam emconformidade com os preceitos técnicos e de segurança, com estaRegulamentação e padrões vigentes, bem como com as normas brasileirasatinentes.Dependendo do tipo de sistema de distribuição na área do atendimento, ascaracterísticas da configuração elétrica e do ramal de ligação a serem empregadospodem ser diferentes. Dessa forma, torna-se fundamental a prévia consulta àLight, a fim de bem definir as características elétricas padronizadas para oatendimento (ramal aéreo, ramal subterrâneo, nível de tensão, tipo de padrão deligação etc) antes da elaboração do projeto e/ou da execução das instalações,evitando transtornos advindos de eventuais aditamentos por não conformidade comesta Regulamentação.5.1 - Dados fornecidos à LightA solicitação de fornecimento de energia elétrica deve ser sempre precedida porprévia consulta à Light, a fim de que sejam informadas ao interessado ascondições do atendimento. Para tanto, deve ser apresentado pelo interessado,carta com solicitação de estudo de viabilidade de fornecimento, constando a cargainstalada detalhada e a demanda avaliada conforme estabelecido na SEÇÃO01.07.00 desta Regulamentação, endereço completo do local, croquis delocalização, tipo de atividade (residencial, comercial, industrial etc) e demaisdocumentações e exigências cabíveis.5.2 - Dados fornecidos pela LightA Light fornecerá, na devida oportunidade, os seguintes elementos:
  21. 21. RECON - BT Novembro de 2007 21/181- Cópia dos padrões de ligação, conforme relacionados nas alíneas “a” e “b” doitem 5.3 desta Regulamentação;- Formulários padronizados, conforme casos contidos na alínea “c” do item 5.3desta Regulamentação;- Condições estabelecidas para o atendimento;- Tipo de atendimento;- Tensão de fornecimento;- Níveis de curto-circuito no ponto de entrega (valores padronizados), quandonecessários;- Valor da participação financeira a ser paga pelo Consumidor, quando existente.5.3 - Fornecimento de energia elétrica à entrada individuala - Ligações novas e aumentos de carga de entradas individuais, executadas apartir de padrão de ligação elaborado e fornecido pela Light, semobrigatoriedade de apresentação de ART por responsável técnico habilitadopelo CREA/RJDevem ser tratadas junto à Light pelo próprio interessado ou, se desejado, porprofissional autorizado pelo mesmo.São abrangidas as seguintes modalidades de instalações de entradas individuais:- Entradas individuais isoladas, exclusivamente residenciais, monofásicas epolifásicas ligadas em sistema 220 / 127 V, com carga instalada até 15,0 kW(demanda avaliada até 13,3 kVA), localizadas em regiões de redes de distribuiçãourbanas, aérea e subterrânea;- Entradas individuais isoladas, exclusivamente residenciais, monofásicas a 2ou 3 fios ligadas em sistema 230 - 115 V, com carga instalada até 15,0 kW(demanda avaliada até 14,0 kVA), localizadas em região de rede de distribuiçãoaérea rural;NOTA: As entradas individuais de baixa renda, destinadas exclusivamente aoatendimento residencial, devem ser sempre monofásicas, nas tensões 127 V ou115 V, localizadas em áreas de distribuição aérea urbana ou rural, com demandaavaliada até 4,4 kVA. Os padrões de ligação deste tipo de atendimento sãofornecidos e montados pela própria Light.b - Ligações novas e aumentos de carga de entradas individuais, executadas apartir de padrão de ligação elaborado e fornecido pela Light, comobrigatoriedade de apresentação de ART por responsável técnico habilitadopelo CREA/RJDevem ser tratadas junto à Light pelo próprio interessado, ou, se desejado, porprofissional ou firma devidamente habilitados pelo CREA/RJ, autorizados peloConsumidor através de “carta de credenciamento” (Anexo A) para tratar dosserviços técnicos junto à Light.São abrangidas as seguintes modalidades de instalações de entradas individuais:- Pequenas unidades consumidoras (barracas, boxes etc.) monofásicas em 127V ou 115 V, com demanda avaliada até 4,4 kVA, situadas em via pública, e emregião de rede de distribuição aérea ou subterrânea.
  22. 22. RECON - BT Novembro de 2007 22/181- Entradas individuais isoladas situadas em via pública, tais como, bancas dejornal, quiosques, bancos 24 horas, cabinas telefônicas, mobiliário urbano,terminais rodoviários, equipamentos de operação de outras concessionáriasde serviços públicos etc.c - Ligações novas e aumentos de carga de entradas individuais, bem comoligações temporárias ou provisórias de obra, com demanda avaliada superior a13,3 kVA, exclusivamente em 220/127 V, com obrigatoriedade de apresentaçãode projeto elétrico e de ART por responsável técnico habilitado pelo CREA/RJDevem ser tratadas junto à Light pelo próprio interessado, ou, se desejado, porprofissional ou firma devidamente habilitados pelo CREA/RJ, autorizados peloConsumidor através de “carta de credenciamento” (Anexo A) para tratar dosserviços técnicos junto à Light.Formulários padronizados serão fornecidos pela Light, que devem ser preenchidospelo responsável técnico, contendo todos os dados da instalação a seremapresentados à Light, juntamente com diagrama unifilar, desenhos de detalhestécnicos, memoriais técnicos descritivos e demais exigências cabíveis.As orientações técnicas para a elaboração de projeto / execução das instalaçõesde entradas de energia elétrica individuais estão contidas na Seção 02.07.00 destaRegulamentação.5.4 - Fornecimento de energia elétrica com entrada coletivaLigações novas e aumentos de carga de entradas coletivas em 220/127 V e em380/220 V conforme NOTA do item 4.3 desta Regulamentação, executadas a partirde projeto elaborado por responsável técnico ou firma habilitada peloCREA/RJ, devidamente autorizados pelo Consumidor através de “carta decredenciamento” (Anexo A), para tratar dos serviços técnicos junto à Light.Formulários padronizados serão fornecidos pela Light, que devem ser preenchidospelo responsável técnico, contendo todos os dados da instalação a seremapresentados à Light, juntamente com diagrama unifilar, desenhos de detalhestécnicos, memoriais técnicos descritivos e demais exigências cabíveis.As orientações técnicas para a elaboração de projeto / execução das instalaçõesde entradas coletivas estão contidas na Seção 03.07.00 desta Regulamentação.5.5 - Apresentação de projeto da instalação de entrada de energia elétrica5.5.1 - Em entrada individualNos casos de ligações novas e aumentos de carga de entradas individuais commedição indireta, deve ser apresentado cópia (3 vias no formato A3) do projetoelétrico da instalação, contendo:- Diagrama unifilar;- Planta de localização;- Planta baixa e cortes com detalhes do centro de medição, da proteção geral deentrada, dos trajetos de linhas de dutos e circuitos de energia elétrica nãomedida;
  23. 23. RECON - BT Novembro de 2007 23/181- Quadro de cargas;- Avaliação da demanda;- Características técnicas dos equipamentos e materiais.5.5.2 - Em entrada coletivaNos casos de ligações novas e aumentos de carga de entradas coletivas, aexceção de edificações que cumulativamente possuam até 6 (seis) unidadesde consumo exclusivamente residenciais e demanda máxima do ramal igualou inferior a 33,1 kVA, deve ser apresentado cópia (3 vias no formato A3) doprojeto elétrico da instalação, contendo:- Diagrama unifilar;- Planta de localização;- Planta baixa e cortes com detalhes dos agrupamentos de medição, da proteçãogeral de entrada, dos trajetos de linhas de dutos e circuitos de energia elétricanão medida;- Quadro de cargas;- Avaliação da demanda;- Tensão de atendimento;- Características técnicas dos equipamentos e materiais.NOTAS:1 - Após o término da análise e respectiva aceitação pela Light da documentaçãoapresentada, devem ser fornecidos através de meio magnético (CD) todos osdocumentos envolvidos no processo, devidamente atualizados.2 - Durante a fase de análise do projeto apresentado, o Consumidor, em tempohábil e quando solicitado, deve colocar a disposição da Light um responsáveltécnico capaz de prestar os esclarecimentos técnicos que se fizerem necessários.Eventuais atrasos no processo pelo não atendimento desta condição serão deinteira responsabilidade do Consumidor.3 - A aceitação/aprovação dos desenhos pela Light não subtrai do Consumidor aplena responsabilidade quanto ao funcionamento correto de suas instalações, bemcomo de eventuais anomalias provocadas no sistema de distribuição da Light,oriundas de falha técnica ou operacional em suas instalações.5.6 - Prazo de validade do projetoO prazo de validade a ser considerado pela Light, a partir da data de validação doprojeto apresentado, é de até 18 meses, com possibilidade de prorrogação porigual período nos casos de edificações que comprovem, através do programanormal de obras, a necessidade de extensão de prazo. Cabe destacar que,findado o prazo em questão, o Consumidor deve atender a toda e qualquermodificação que possa ocorrer nesta Regulamentação.5.7 - Apresentação do documento “ART” do CREA / RJFicam dispensados de apresentação da ART – Anotação de ResponsabilidadeTécnica, todos os casos de ligações atinentes à alínea “a” do item 5.3 destaRegulamentação.
  24. 24. RECON - BT Novembro de 2007 24/181Para todos os demais casos contidos nos itens 5.3 e 5.4 desta Regulamentação. éobrigatória a apresentação da ART - Anotação de Responsabilidade Técnica,devidamente preenchida e registrada pelo responsável técnico pelainstalação junto ao CREA/RJ, relacionando todos os serviços sob suaresponsabilidade e os dados técnicos da instalação, idênticos aos contidosna solicitação de fornecimento à Light.5.8 - Ligações provisóriasVisam possibilitar o fornecimento de energia elétrica a instalações que se destinama períodos de atendimentos transitórios e não muito curtos (construções deprédios, obras públicas, edificações diversas etc.).Devem ser contratualmente estabelecidas por um prazo compatível com a dataprevista para encerramento da obra, com possibilidade de prorrogação quandoverificada a necessidade e conveniência técnica.Deve ser feita consulta prévia à Light, a fim de que seja definido o padrão deligação a ser empregado na área do atendimento.5.9 - Ligações temporáriasSão estabelecidas para o atendimento de cargas com prazo relativamente curto defuncionamento (ligações festivas, parques, circos, feiras, exposições etc.).Devem ser contratualmente estabelecidas por um prazo curto, com possibilidadede prorrogação quando verificada a necessidade e conveniência técnica.Deve ser feita consulta prévia à Light, a fim de que seja definido o padrão deligação a ser empregado na área do atendimento.6 - Proteção da instalação de entrada de energia elétricaAs recomendações a seguir são baseadas nas diretrizes da Associação Brasileirade Normas Técnicas e estão estabelecidas na NBR 5410 – Instalações elétricasde baixa tensão, caracterizada como responsabilidade do Consumidor.6.1 - Proteção contra sobrecorrentesDispositivo capaz de prover simultaneamente proteção contra correntes desobrecarga e de curto-circuito deve ser dimensionado e instalado para proteçãogeral da entrada de energia elétrica, em conformidade com as normas da ABNT.A capacidade de interrupção simétrica do dispositivo deve ser compatível com ovalor calculado da corrente de curto-circuito, trifásica e simétrica, no ponto deinstalação. Para tal, deve ser utilizado disjuntor termomagnético e, quando for ocaso, com disponibilidade de bobina de disparo.Nas entradas individuais, os dispositivos de proteção devem ser eletricamenteconectados à jusante (após) da medição, e apresentar corrente nominal conformepadronização para a categoria de atendimento específica constante nas tabelas dedimensionamento de materiais das entradas de energia elétrica (TABELAS 10-A e10-B).
  25. 25. RECON - BT Novembro de 2007 25/181Nas entradas coletivas (TABELAS 11-A e 11-B), o disjuntor de proteção geraldeve estar eletricamente à jusante da medição totalizadora quando for o caso.Os disjuntores de proteção geral de entrada devem ser instalados em caixaspadronizadas pela Light com seu respectivo ambiente também selado, de modoque impeça a substituição ou a alteração da calibração do equipamento sema devida autorização. Quando empregado disjuntor ajustável, o valor de ajusteda corrente nominal de carga deve ser apresentado à Light para prévia validação.O responsável técnico pela instalação deve informar à Light os dados atinentes àscaracterísticas técnicas do disjuntor (corrente nominal, tensão nominal, faixas deatuação temporizada e instantânea, capacidade de interrupção etc.) a partir decatálogo do fabricante.NOTAS:1 - A capacidade de interrupção do dispositivo de proteção geral de entrada deveser compatível com o valor calculado da maior corrente de curto-circuito, simétrica,no ponto de sua instalação, devendo ser utilizada a TABELA 14 destaRegulamentação para a obtenção dos valores mínimos, de acordo com aconfiguração elétrica do sistema de distribuição no local do atendimento.2 - Deve ser sempre verificada pelo responsável técnico pela instalação, a devidacoordenação e seletividade entre a proteção geral de entrada e os demaisdispositivos de proteção empregados à jusante.6.2 - Proteção diferencial contra correntes de fugaNa proteção geral das entradas individuais e das entradas coletivas a utilização dedisjuntores com dispositivo diferencial (IDR, DDR ou dispositivo diferencialacoplado), deve considerar as condições estabelecidas no item 11 destaRegulamentação. Nesse caso o sistema TN-S deve ser o adotado junto à proteçãogeral de entrada.A proteção diferencial pode ser efetivada com disjuntor do tipo DDR que incluias funções térmica (sobrecarga), magnética (curto-circuito) e diferencial (fuga).Opcionalmente a proteção diferencial pode ser viabilizada através do uso dedispositivo IDR em série com um disjuntor termomagnético (sobrecarga ecurto-circuito), já que o dispositivo IDR não apresenta a função magnética(curto-circuito).Outra alternativa para a proteção diferencial, em especial nas entradasconsumidoras com correntes de demanda elevadas, é a utilização de um disjuntortermomagnético (sobrecarga e curto-circuito) equipado com bobina dedisparo associada a um dispositivo para corrente diferencial/residual (TC erelé de corrente com ajuste compatível para a corrente de fuga instalado nocondutor de proteção). O Anexo B desta Regulamentação oferece os detalhesnecessários para o perfeito entendimento e aplicação desse tipo de proteção.A proteção diferencial deve estar em conformidade com as normas brasileirasaprovadas pela ABNT, mantidas as suas atualizações.
  26. 26. RECON - BT Novembro de 2007 26/181NOTAS:1 - Quando empregado disjuntor e elemento diferencial independentes, oresponsável técnico deve prever, quando necessário, caixa especial para abrigaros componentes.2 - As notas 1 e 2 do item 6.1, quando forem os casos, também se aplicam àsproteções diferenciais.6.3 - Proteção contra sobretensõesA ocorrência de sobretensões em instalações de energia elétrica não devecomprometer a segurança de pessoas e a integridade de sistemas elétricos eequipamentos.Cabe ao Consumidor a responsabilidade pela especificação e instalação deproteção contra sobretensões, que deve ser proporcionada basicamente pelaadoção de dispositivos de proteção contra surtos - DPS em tensão nominal enível de suportabilidade compatível com a característica da tensão de fornecimentoe com a sobretensão prevista, bem como pela adoção das demais recomendaçõescomplementares em conformidade com as exigências contidas na norma brasileiraNBR - 5410 da ABNT, consideradas as suas atualizações.Quando da utilização de DPS’s, estes devem ser eletricamente conectados ajusante (após) da medição e do disjuntor de proteção geral da entrada deenergia elétrica, preferencialmente na entrada do Quadro de Distribuição Geral -QDG interno à edificação.Deve ser proporcionada a segurança de pessoas, instalações e equipamentos,contra tensões induzidas e/ou transferidas (elevação de potencial) advindas demanobras ou curtos-circuitos trifásicos, bifásicos ou monofásicos no lado primáriodas instalações (condições inerentes de um sistema de distribuição). Nessesentido, equipamentos ou instalações sensíveis, seja em regime permanente outransitório, devem receber proteções adequadas através de relés associados adispositivos que possam interromper o fornecimento sem danos ou prejuízos.6.4 - Proteção contra subtensões e falta de faseNos casos de entradas de energia elétrica em que o Consumidor possuaequipamentos elétricos e eletrônicos sensíveis à subtensão ou falta de fase(elevadores, dispositivos de controle, motores e outros), tanto em regimepermanente quanto em regime transitório, cabe ao Consumidor a responsabilidadepela especificação e instalação de dispositivo de proteção a ser conectado juntoaos respectivos equipamentos.7- MediçãoO equipamento de medição e acessórios destinados a medir a energia elétrica sãofornecidos e instalados pela Light, em conformidade com as disposiçõesatualizadas da Resolução nº456 da ANEEL .
  27. 27. RECON - BT Novembro de 2007 27/1817.1- Medição individualÉ concedida para unidades consumidoras independentes, residências individuais,galpões, lojas, boxes, e outros desde que caracterizados como unidadesconsumidoras independentes. Essa caracterização se dá pela verificação deendereços individuais e pelo fato de não pertencer a nenhuma condição decondomínio.7.2 - Medição de agrupamentoÉ concedida através de um sistema de medição agrupado, a boxes, lojas, salas,prédios residenciais, comerciais, mistos e outros, desde que caracterizado comoligação coletiva. Nesse caso essa caracterização se dá pela verificação de umendereço comum a todas as unidades consumidoras, pela existência de umcondomínio oficial para a edificação e de um único ponto de alimentação do qualderivam todas as unidades.7.3 - Medição de serviçoDeve ser utilizada sempre em arranjos de medição agrupada (ligação coletiva),caracterizada pela medição do consumo de energia elétrica das cargas comuns aocondomínio (iluminação comum da edificação, bombas d’água, elevadores etc.).7.4 - Medição totalizadoraSão aplicadas em entradas coletivas sempre que, por conveniência doConsumidor, não for utilizado o sistema de medição convencional da Light(instalada no piso térreo da edificação, no mesmo ambiente físico e com limites dedistância em relação a via pública). A Seção 03.07.00 desta Regulamentaçãodefine os arranjos que necessitem deste tipo de medição.7.5 - Influências de campos magnéticosTendo em vista preservar os equipamentos de medição contra a influência decampos magnéticos, devem ser observadas as seguintes distâncias mínimas entrebarramentos e medidores:CORRENTE NOMINALDO BARRAMENTO(A)DISTÂNCIA MÍNIMA ENTRE OSMEDIDORES E O BARRAMENTO(m)800 0,401000 0,501200 0,601600 0,802000 1,003000 1,504000 2,00
  28. 28. RECON - BT Novembro de 2007 28/181NOTA: As TABELAS 17 e 18, apresentam os limites de condução de corrente parabarras de cobre de seção retangular, bem como os fatores de correção da correnteem função do número de barras em paralelo.7.6 - Medições especiaisOutras modalidades de medições, inerentes a sistemas tarifários diferenciadosregulamentados pela ANEEL, assim como sistemas inteligentes de mediçãopodem ser adotados, desde que previamente definido e acordado com a Light.8 - Aterramento das instalações8.1 - Aterramento do condutor neutroEm cada edificação, junto ao gabinete de medição e/ou a proteção geral deentrada de energia elétrica, como parte integrante da instalação, é obrigatória aconstrução de malha de terra constituída de uma ou mais hastes interligadasentre si (no solo), à qual deve ser permanentemente interligados, o condutor deneutro do ramal de entrada de energia elétrica e o condutor de proteção. Comocomplemento para a condição de aterramento do neutro ver item 8.2 a seguir.8.2 - Ligações à terra e condutor de proteçãoO sistema de aterramento praticado por esta Regulamentação é o TN-S, onde oscondutores de neutro e de proteção são interligados e aterrados na malha de terraprincipal da edificação, junto à proteção geral de entrada que também, quando for ocaso, deve contemplar proteção diferencial residual.Para que a proteção diferencial residual não perca a seletividade entre osdiversos disjuntores com função diferencial ao longo do sistema elétrico da unidadeconsumidora, o condutor de neutro não deve ser aterrado em outros pontos àjusante do primeiro e único ponto de aterramento permitido, que é o pontojunto a proteção geral de entrada (o primeiro ponto de proteção geral).O neutro também não pode ser interligado ao condutor de proteção em outrospontos diferentes do ponto junto a proteção geral de entrada, todavia o condutorde proteção pode ser multiaterrado a outras malhas existentes na edificação,sem nenhum prejuízo para o sistema de proteção diferencial residual.As TABELAS 11-A e 11-B desta Regulamentação, além de apresentar odimensionamento de materiais para o sistema de medição coletiva, tambémapresenta os detalhes em relação a condição de aterramento do neutro, bemcomo a condição de interligação entre as barras de neutro e de proteção.Também o Anexo B desta Regulamentação destaca os aspectos que envolvem ainterligação entre os condutores de neutro e de proteção.O condutor de proteção deve ser em cobre, isolado na cor verde ou verde eamarela, de seção mínima conforme estabelecido nas TABELAS 10-A, 10-B, 11-Ae 11-B (dimensionamento de equipamentos e materiais - entradas individuais ecoletivas), devendo percorrer toda a instalação interna e ao qual devem serconectadas todas as partes metálicas (carcaças) não energizadas dos aparelhoselétricos existentes, bem como o terceiro pino (terra) das tomadas dosequipamentos elétricos, de acordo com as prescrições atualizadas da NBR - 5410.
  29. 29. RECON - BT Novembro de 2007 29/181O sistema de aterramento deve garantir a manutenção das tensões máximas detoque (V toque) e de passo (V passo) dentro dos limites de segurançanormalizados.8.3 - Eletrodo de aterramentoDeve ser empregada haste de aço cobreada com comprimento mínimo de 2 (dois)metros e diâmetro nominal mínimo de 3/4".Quando as condições físicas do local da instalação impedirem a utilização dehastes, deve ser adotado um dos métodos estabelecidos pela NBR - 5410, quegaranta o atendimento das características dispostas nos itens 8.1 e 8.2 destaRegulamentação.8.4 - Interligação à malha de aterramento e entre barras de neutro e deproteçãoO condutor de aterramento do neutro e o condutor de proteção devem ser emcobre, de seção mínima dimensionada em função dos condutores de fase do ramalde entrada de energia elétrica, conforme especificado para cada categoria deatendimento nas TABELAS 10-A, 10-B, 11-A e 11-B e na TABELA 13 (seçãomínima do condutor de proteção). Não devem conter emendas, ou quaisquerdispositivos que possam causar a sua interrupção.Na proteção geral de entrada, a proteção mecânica do trecho de condutor queinterliga o condutor de neutro à malha de aterramento, deve ser feita através deeletroduto de PVC rígido.Considerando a adoção do sistema de aterramento TN-S como padrão, somentejunto à proteção geral de entrada é que a barra de proteção e a barra de neutrodevem estar conectadas à malha de aterramento principal, bem como tambéminterligadas entre si internamente à caixa. Nos circuitos à jusante (após) daproteção geral, o condutor de proteção e o condutor de neutro não podem serinterligados, de forma a não provocar a perda da seletividade nas proteçõesdiferenciais residuais. Contudo, havendo possibilidade, barras ou condutores deproteção podem e devem ser multiaterrados em outras malhas de proteçãoeventualmente existentes na edificação.A conexão dos condutores de interligação da barra de neutro e da barra deproteção à malha de aterramento deve ser feita através de conectores que utilizemmateriais não ferrosos, de forma a evitar processos corrosivos.8.5 - Número de eletrodos da malha de terraOs eletrodos utilizados devem estar conforme definido no item 8.3 destaRegulamentação, sendo que o valor máximo da resistência de aterramento,para qualquer das condições a seguir, não deve ultrapassar 25 ohms.OBS.: As seções mínimas do condutor da malha de aterramento estão definidasnos subítens a seguir. Contudo, desde que consideradas as condições decaracterísticas do solo conforme NBR 5410.
  30. 30. RECON - BT Novembro de 2007 30/1818.5.1 - Entrada individual de energia elétrica8.5.1.1 - Entrada individual isolada com demanda avaliada até 23,2 kVADeve ser construída uma malha de aterramento com, no mínimo, uma haste de açocobreada.8.5.1.2 - Entrada individual isolada com demanda avaliada superior a 23,2 kVAe inferior ou igual a 150 kVADeve ser construída uma malha de aterramento com no mínimo 3 (três) hastes deaço cobreadas, interligadas entre si por condutor de cobre nu, de seção não inferiora 25 mm², com espaçamento entre hastes superior ou igual ao comprimento dahaste utilizada.8.5.1.3 - Entrada individual isolada com demanda avaliada superior a 150 kVADeve ser construída uma malha de aterramento com, no mínimo, 6 (seis) hastesde aço cobreadas, interligadas entre si por condutor de cobre nu, de seção nãoinferior a 25 mm², com espaçamento entre hastes superior ou igual aocomprimento da haste utilizada.8.5.2 - Entrada coletiva de energia elétrica8.5.2.1 - Entrada coletiva com até 6 (seis) unidades consumidorasDeve ser construída uma malha de aterramento com no mínimo uma haste de açocobreada por unidade de consumo, interligadas entre si em linha por condutor decobre nu, de seção não inferior a 25 mm², com espaçamento entre hastes superiorou igual ao comprimento da haste utilizada.8.5.2.2 - Entrada coletiva com mais de 6 (seis) unidades consumidorasDeve ser construída uma malha de aterramento com no mínimo 6 (seis) hastes deaço cobreadas, interligadas entre si em linha por condutor de cobre nu, de seçãonão inferior a 25 mm², com espaçamento entre hastes superior ou igual aocomprimento da haste utilizada.9 - Materiais padronizados para as entradas de energiaSomente são aceito fabricantes cujos produtos (caixas, painéis, postes etc.)tenham sido previamente validados e autorizados pela Light.9.1 - Caixas para mediçãoSão destinadas para abrigar o equipamento de medição monofásico ou polifásicopara medição direta ou indireta, além de outros acessórios nos casos deatendimento através de ramal de ligação aéreo ou subterrâneo.As portas das caixas metálicas devem possuir dobradiças e soldas internas,fechamento através de parafusos de segurança e plug-trava padrão Light, alémde dispositivo para instalação de selos. O Anexo C desta Regulamentação mostraos detalhes de securização.
  31. 31. RECON - BT Novembro de 2007 31/181As caixas para medidor em policarbonato devem apresentar tampa travável.Os visores, quando existentes (caso das caixas metálicas), devem ser empolicarbonato incolor e transparente, de espessura mínima de 3 (três) mm.Tipos de caixas contemplados neste item são:CTM - caixa transparente monofásica;CTP - caixa transparente polifásica;CM 200 - caixa para medição direta até 200 A;CSM 200 - caixa para seccionamento e medição direta até 200 A;CSM - caixa para seccionamento e medição indireta;CSMD - caixa para seccionamento, medição indireta e proteção.NOTA: Todas as caixas devem ser montadas, principalmente aquelas instaladasem ambientes externos sujeitas ao contato direto com terceiros (crianças),considerando aspectos de segurança contra a possibilidade de introdução decorpos estranhos (arames por exemplo) através do sistema de ventilação, que emgeral são dispostos através de venezianas.9.1.1 - Caixas para medição direta - CTM, CTP, CM 200 e CSM 200Devem ser utilizadas para abrigar o equipamento de medição monofásico oupolifásico para medição direta, nos casos de atendimento através de ramal deligação aéreo ou subterrâneo.NOTA:Nas entradas individuais com demanda até 33,1 kVA, as caixas para medidoresCTM ou CTP devem ser sempre precedidas por uma caixa para seccionamento –CS, sempre que o ramal de ligação for subterrâneo;9.1.1.1 - Caixa transparente monofásica - CTM (Fig. 1)Deve ser fabricada em policarbonato totalmente transparente. Utilizada em ligaçãonova e em aumento de carga em entrada individual, ou ainda, exclusivamente, emaumento de carga em entrada coletiva padrão antigo (já existente), com mediçãodireta e demanda até 14,0 kVA no atendimento rural (230/115 V), até 8,0 kVA noatendimento urbano (220/127 V) e até 13,4 kVA no atendimento urbanoespecial (380/220 V).9.1.1.2 - Caixa transparente polifásica - CTP (Fig. 2)Deve ser fabricada em policarbonato totalmente transparente. Utilizada em ligaçãonova e em aumento de carga em entrada individual, ou ainda, exclusivamente, emaumento de carga em entradas coletivas no padrão antigo (já existente), commedição direta e demanda até 33,1 kVA no atendimento urbano (220/127 V) eaté 57,2 kVA no atendimento urbano especial (380/220 V).9.1.1.3 - Caixa para medição direta superior a 100 até 200 A - CM 200 (Fig. 5A)e Caixa para seccionamento e medição direta até 200 A - CSM 200 (Fig. 5B)
  32. 32. RECON - BT Novembro de 2007 32/181Devem ser fabricadas em chapa de aço galvanizada tratada contra corrosão,pintura eletrostática em epóxi ou similar.A caixa CSM 200 deve ser utilizada em ligação nova ou aumento de carga ementradas individuais com ramal independente ou no atendimento de medição deserviço em entradas coletivas.A caixa CM 200 deve ser utilizada em aumentos de carga de unidades individuaissituadas em entradas coletivas ligadas no padrão antigo (já existente) ou emcondições exclusivas conforme item 9.2.2.Ambas as caixas são para medição direta e demanda superior a 33,1kVA até 66,3kVA no atendimento urbano (220/127 V), e ainda com medição direta e demandasuperior a 57,2 kVA até 114,5 kVA, no sistema urbano especial (380/220 V).9.1.2 - Caixas para seccionamento e medição indireta - CSMAs caixas do tipo CSM para seccionamento e medição indireta destinam-se aoscasos de entradas individuais isoladas com ramal de ligação independente.Devem ser instaladas em gabinete de alvenaria em recuo técnico no muro oufachada, onde a proteção geral através de CPG deve estar na parte interna dapropriedade/edificação (não disponíveis ao acesso externo pela via pública).Devem ser fabricadas em chapa de aço galvanizada e tratada contra corrosão,pintura eletrostática em epóxi ou similar.Devem conter o dispositivo de seccionamento, o barramento de neutro e terraindependentes, o sistema de medição indireta (medidor trifásico, transformadoresde corrente, chave de aferição etc). O seccionamento pode ser através de chaveseccionadora tripolar, base com barras de seccionamento ou barras desligadoras.Para os cuidados com a operação de seccionamento, ver Anexo D destaRegulamentação.Nos casos em que as instalações de entrada estiverem totalmente dentro dapropriedade/edificação (lojas, unidades em entradas coletivas e outros), devem serutilizadas as caixas do tipo CSMD descritas no item 9.1.3 desta Regulamentação.NOTA: Quando forem utilizadas na medição de unidades de consumo derivadas deentradas coletivas onde não exista condutor de proteção independente, a barrade neutro e a barra de proteção deverão ser interligadas, já que nesse caso ocondutor de proteção deve derivar da própria caixa CSM para o interior dainstalação.9.1.2.1 - Caixa de Seccionamento e Medição indireta - CSM 600 (Fig.7)Utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada de energia elétricaindividual, com demanda superior a 66,3 kVA até 198,8 kVA na classe de tensão(220/127 V).Deve estar associada a uma CPG - 600 (caixa de proteção geral para 600 A).
  33. 33. RECON - BT Novembro de 2007 33/1819.1.2.2 - Caixa de Seccionamento e Medição indireta - CSM 1500 (Fig.7)Utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada de energia elétricaindividual, com demanda superior a 198,8 kVA até 497,0 kVA na classe de tensão(220/127 V).Deve estar associada a uma CPG - 1000 (caixa de proteção geral para 1000 A) oua uma CPG especial até 1500 A.OBS.: Para valores de demanda maiores que 497,0 kVA, deve-se optar pelascaixas do tipo CSMD descritas no item 9.1.3 desta Regulamentação.9.1.3 - Caixas para Seccionamento, Medição indireta e Proteção - CSMDAs caixas CSMD permitem abrigar em ambiente selado um dispositivo paraseccionamento, sistema de medição indireta e disjuntor de proteção geral.Destinam-se aos casos de entradas individuais com ramal de ligaçãoindependente em que o sistema de medição necessite estar situado totalmentedentro da propriedade/edificação (lojas, unidades em entradas coletivas e outros)Também se aplicam em unidades consumidoras situadas em entradascoletivas (serviços e unidades consumidoras de grande porte).Devem ser fabricadas em chapa de aço galvanizada e tratadas contra corrosão,pintura eletrostática em epóxi ou similar.Devem conter um dispositivo de seccionamento, barramentos de neutro e terraindependentes, barras para TC, sistema de medição indireta (medidor trifásico,transformadores de corrente, chave de aferição etc).O seccionamento pode ser através de chave seccionadora tripolar, base combarras de seccionamento ou barras desligadoras.Para os cuidados com a operação de seccionamento, ver Anexo D destaRegulamentação.Podem ser instaladas em gabinete de alvenaria internamente, a até 3,0 metros dolimite da propriedade/edificação com a via pública ou em gabinete junto ao limitenos casos de edificações com recuo frontal.NOTAS:1) Quando forem utilizadas na medição de unidades de consumo derivadas deentradas coletivas onde não exista condutor de proteção independente, a barrade neutro e a barra de proteção deverão ser interligadas, já que nesse caso ocondutor de proteção deve derivar da CSM/CSMD.2) Quando forem utilizadas para medição indireta de unidades consumidoras degrande porte derivadas de entradas coletivas (cinemas, lojas etc.), estandoeletricamente situadas após um dispositivo proteção geral que contemple acondição diferencial residual, devem possuir “barra de neutro” e “barra deproteção” independentes, onde a “barra de neutro” deve estar fixada na CSMDatravés de buchas isolantes e a “barra de proteção” fixada sem bucha de isolação(Ver Anexo B e esquema de ligação da TABELA 11-B desta Regulamentação).
  34. 34. RECON - BT Novembro de 2007 34/1819.1.3.1 - Caixa para Seccionamento, Medição indireta e Proteção - CSMD 600(Fig. 8A)Utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada de energia elétricaindividual, ou ainda para a medição indireta de circuitos de serviço e unidadesconsumidoras de grande porte em entradas coletivas, com demanda superior a66,3 kVA até 198,8 kVA na classe de tensão (220/127 V) e com demanda superiora 114,5 kVA até 343,4 kVA na classe de tensão (380/220 V).9.1.3.2 - Caixa para Seccionamento, Medição indireta e Proteção - CSMD 1500(Fig. 8A)Utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada de energia elétricaindividual, ou ainda para a medição indireta de circuitos de serviço e unidadesconsumidoras de grande porte em entradas coletivas, com demanda superior a198,8 kVA até 497,0 kVA na classe de tensão (220/127 V) e com demandasuperior a 343,4 kVA até 858,5 kVA na classe de tensão (380/220 V).9.1.3.3 - Caixa para Seccionamento, Medição indireta e Proteção - CSMD 3000(Fig. 8B)Utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada de energia elétricaindividual, ou ainda para a medição indireta de circuitos de serviço e unidadesconsumidoras de grande porte em entradas coletivas, com demanda superior a497,0 kVA até 994,0 kVA na classe de tensão (220/127 V) e com demandasuperior a 858,5 kVA até 1717,0 kVA na classe de tensão (380/220 V).Nos casos de instalações com corrente superior a 3000 A, deverá serprojetada e construída caixa CSMD Especial, devendo ser feita consultaprévia junto à Light para definição das características técnicas atinentes.9.2 - Caixas para Seccionador - CSDevem abrigar, em ambiente selado, um dispositivo para o seccionamento geral dainstalação, podendo ser um seccionador tripolar em caixa moldada ou basesfusíveis tipo NH com barras de continuidade (sem fusíveis). De acordo com acarga pode ser utilizada uma chave seccionadora tripolar ou ainda um sistemade barras desligadoras formadas por seções de barras de junção parafusadas,articuláveis ou removíveis.Devem ser fabricadas em chapa de aço galvanizada e tratadas contra corrosão,pintura eletrostática em epóxi ou similar. Podem também ser fabricadas emmaterial polimérico de alta resistência mecânica (policarbonato, noril etc.) e altacapacidade térmica.A utilização de caixa para seccionador está obrigatoriamente associada aoatendimento de entradas individuais, devendo ser montada eletricamente antese junto das caixas para medição direta (CTM, CTP, CM 200) que não dispõemde seccionamento próprio, cujo atendimento seja através de ramal de ligaçãosubterrâneo, mesmo quando derivado da rede aérea.Cuidados na operação de barras desligadoras são abordados no Anexo D destaRegulamentação.
  35. 35. RECON - BT Novembro de 2007 35/1819.2.1 - Caixa para Seccionador - CS 100 (Fig. 4)Utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada individual, comdemanda até 33,1 kVA na classe de tensão (220/127 V).9.2.2 - Caixa para Seccionador - CS 200 (Fig. 4)Utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada individual, à montanteda caixa CM 200, em instalações com demanda superior a 33,1 kVA até 66,3 kVAna classe de tensão (220/127 V), exclusivamente onde não for possível autilização de uma caixa CSM 200.OBS.: Para entradas cujos valores de corrente sejam maiores que 200 A, devemser empregadas caixas de medição com seccionador incorporado (CSM ou CSMD)conforme a condição de atendimento.9.3 - Caixa para Proteção Geral - CPGDevem ser fabricadas em chapa de aço galvanizada e tratada contra corrosão,pintura eletrostática em epóxi ou similar.Devem abrigar o disjuntor de proteção geral da instalação de entrada de energiaelétrica e dispositivos adicionais associados (barras de “neutro” e de “proteção”independentes).Ao Consumidor é permitido somente o acesso à alavanca de acionamento dodisjuntor, através de janela com travamento por cadeado particular.A CPG deve possuir condição de securização conforme Anexo C destaRegulamentação, impedindo o acesso interno, a substituição e/ou alteração dacalibração do disjuntor sem a autorização prévia da Light.Deve ser utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada de energiaelétrica individual, ou ainda em entrada coletiva como proteção geral, bem comoproteção das unidades de medição direta e indireta (serviços e unidadesconsumidoras de grande porte).As caixas CPG devem possuir dimensões adequadas ao dispositivo de proteçãoutilizado, às barras de neutro e de proteção quando for o caso, além das barrasauxiliares de cobre, tipos “ L ” (Fig. 9A) e “ Z ” (Fig. 9B), com a finalidade depermitir a derivação, antes do borne/terminal de entrada do disjuntor de proteçãogeral, do circuito para o medidor de serviço quando de sua necessidade, a fim deatender exigência do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro.NOTA: Em relação ao atendimento da condição de proteção diferencial residual,consideradas as condições estabelecidas no item 11 desta Regulamentação, umadas opções relacionadas no Anexo B desta Regulamentação pode ser adotada.9.3.1 - Caixa para Proteção Geral - CPG 225 (Fig. 6)Aplicada em demanda superior a 33,1 kVA até 74,6 kVA na classe de tensão(220/127 V) e com demanda superior a 57,3 kVA até 128,8 kVA na classe detensão (380/220 V).
  36. 36. RECON - BT Novembro de 2007 36/1819.3.2 - Caixa para Proteção Geral - CPG 600 (Fig. 6)Aplicada em demanda superior a 74,6 kVA até 198,8 kVA na classe de tensão(220/127 V) e com demanda superior a 128,8 kVA até 343,4 kVA na classe detensão (380/220 V).9.3.3 - Caixa para Proteção Geral - CPG 1000 (Fig. 6)Aplicada em demanda superior a 198,8 kVA até 331,3 kVA na classe de tensão(220/127 V) e com demanda superior a 343,4 kVA até 572,3 kVA na classe detensão (380/220 V).Nos casos de instalações com corrente superior a 1000 A, deverá serprojetada e construída caixa CPG Especial, devendo ser feita consulta préviajunto à Light para definição das características técnicas atinentes.9.4 - Caixas para Disjuntor - CDJDevem abrigar o disjuntor de proteção geral em entradas de energia elétricaindividuais, quando utilizada caixa de medição do tipo CTM, CTP. Devem serinstaladas no muro / parede na parte interna da propriedade do Consumidor (nãodisponíveis ao acesso externo pela via pública).Podem ser fabricadas em chapa metálica protegida contra corrosão ou em materialpolimérico de alta resistência mecânica (policarbonato, noril etc.) e alta capacidadetérmica.NOTAS:1) Na utilização de disjuntor tipo DDR deve ser utilizada uma única caixa CDJ.Quando da utilização de dispositivo tipo IDR devem ser utilizadas duas caixas CDJ.2) Deve ser observada a compatibilidade dimensional entre os dispositivosdiferenciais residuais com as caixas CDJ.9.4.1 - Caixa para Disjuntor Monopolar - CDJ 1 (Fig. 3A)Utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada de energia elétricaindividual monofásica, com demanda até 8,0 kVA na tensão 127 V nas regiõesurbanas e até 14,0 kVA na tensão 230 V nas regiões rurais.9.4.2 - Caixa para Disjuntor Tripolar - CDJ 3 (Fig. 3B)Utilizada em ligação nova ou aumento de carga em entrada de energia elétricaindividual trifásica, com demanda até 33,1 kVA na classe de tensão (220/127 V) .9.5 - Caixa de PassagemA caixa de passagem, em alvenaria, deve ser construída pelo Consumidor sempreque necessária e exigida pela Light. No atendimento através de ramal de ligaçãosubterrâneo, deve ser construída junto ao limite externo da propriedade permitindoa terminação do banco de dutos, de forma a possibilitar ponto acessível parainstalação do ramal de ligação no interior da propriedade.
  37. 37. RECON - BT Novembro de 2007 37/181Deve ter as dimensões mínimas de 0,80 x 0,80 x 0,80 m para 1(um) conjunto decabos, sendo que para a condição do tamponamento a Light deve ser sempreconsultada previamente antes de sua construção. Nos casos de instalações emque mais de 1(um) conjunto de cabos venha a ser utilizado, o projeto da caixa deveprever, em pelo menos uma de suas dimensões, um acréscimo de 0,20 m paracada conjunto adicional, valor este a ser mantido como distância mínima entredutos, centro a centro.É recomendável o afastamento das caixas de passagem dos limites daspropriedades vizinhas.NOTA: Quando as condições de licença de obra da Prefeitura não permitirem aoConsumidor a construção de uma caixa de passagem junto ao limite externo dapropriedade, o Consumidor deve disponibilizar a terminação de sua linha de dutosno limite da sua propriedade, diretamente posicionado em baixo do muro principal,atendidas às condições mínimas de profundidade para linhas de dutos.9.6 - Caixas de Inspeção de Aterramento (Fig.10A e Fig. 10B)As caixas para inspeção do aterramento podem ser em alvenaria ou em materialpolimérico, devem ser obrigatoriamente empregadas de forma a permitir um pontoacessível para conexão de instrumentos para ensaios e verificações das condiçõeselétricas do sistema de aterramento.É necessária apenas uma caixa por sistema de aterramento, na qual deve estarcontida a primeira haste da malha de terra e a conexão do condutor de interligaçãodo neutro a malha de aterramento.9.7 - Painéis de medição e painéis de proteção padronizadosDevem ser aplicados nos atendimentos de unidades consumidoras em entradascoletivas.- Painéis de proteção geral e parcialSão aplicáveis sempre que ocorra a utilização de vários painéis de medição (PMD,PDMD e/ou PSMD) numa mesma entrada coletiva.PPGP: Painel de proteção geral e parcial.- Painéis de mediçãoDevem ser utilizados nos casos de ligações novas em que a medição sejainstalada em agrupamento, contemplando até 20 (vinte) unidades consumidoraspor painel. Devem ser também aplicados em aumentos de carga de unidadesconsumidoras em entradas coletivas ligadas no padrão antigo, bem como nasolução de intervenções feitas pela Light que impliquem na necessidade desubstituição / reforma de agrupamentos existentes.As proteções de saída de cada unidade consumidora devem ser instaladas nointerior do painel, com as alavancas de acionamento acessíveis através de janelacom tampa travável por cadeado particular, que permita, também, a instalação deselo padrão da Light na posição fechada (furação para selo com 3 mm dediâmetro).
  38. 38. RECON - BT Novembro de 2007 38/181Consideradas as condições estabelecidas no item 11 desta Regulamentação, osdisjuntores inerentes ao painel em questão, tanto os individuais das unidadesconsumidoras, quanto o de proteção geral-parcial quando existir, recomenda-se autilização do dispositivo diferencial residual, podendo ser utilizado um únicodisjuntor DDR compatível com o nível de curto-circuito no ponto de sua instalaçãoou uma composição de disjuntor termomagnético mais disjuntor IDR, sendo quepara segunda opção o Consumidor, através de seu responsável técnico, deveobservar as respectivas curvas de proteção (seletividade e coordenação) bemcomo os respectivos níveis de curtos-circuitos a fim de confirmar a viabilidadetécnica do conjunto termomagnético mais IDR.Devem ser fornecidos com os condutores de interligação “barramento / medidor” e“medidor / disjuntor de saída individual”, instalados. Os condutores devem ser, nomínimo, de seção 16 mm², em Cu, isolado PVC 70ºC com característicaantichama (garantida a ampacidade mínima de 70 A), nas cores preta (fase A),vermelha (fase B), branca (fase C), azul claro (neutro) e verde ou verde e amarela(condutor de proteção - terra).Os casos de unidades consumidoras com carga maior que 70 A, devem sersubmetidos previamente à Light para análise. A seguir, o Consumidor deverásolicitar ao fornecedor / fabricante a compatibilização das novas seções decondutores e dos barramentos com os novos valores de demanda.Nestes casos os painéis ficam limitados a utilização de equipamentos de mediçãodireta até 200 A.As barras internas (fases, neutro e proteção) aos painéis, devem ser identificadas eapresentar ampacidade igual ou superior a 1,25 vezes a corrente de demandaavaliada para o conjunto de unidades atinentes ao painel. Devem apresentarsuportabilidade ao nível de curto-circuito mínimo compatível com odimensionamento do disjuntor de proteção geral a montante do painel. As barrasdevem apresentar ampacidade mínima de 400 A.Todos os tipos de painéis devem ser fabricados em chapa de aço galvanizada etratada contra corrosão, pintura eletrostática em epóxi ou similar. Devempossuir condição de securização conforme Anexo C desta Regulamentação,impedindo o acesso interno ou a substituição de quaisquer de seus componentessem a autorização prévia da Light.Os visores, quando existentes (Painéis de medição), devem ser em policarbonatotransparente de espessura mínima de 3 (três) mm.Os tipos de painéis de medição contemplados neste item são:PMD: Painel de medição direta e proteção individual;PSMD: Painel de seccionamento, medição direta e proteção individual;PDMD: Painel de proteção geral, medição direta e proteção individual;NOTA: Todos os painéis devem ser construídos, principalmente os destinados aambientes sujeitos ao contato direto por terceiros (crianças em especial),considerando a adoção de total segurança contra a possibilidade de introdução decorpos estranhos (arames por exemplo) através do sistema de ventilação, que emgeral são através de venezianas.
  39. 39. RECON - BT Novembro de 2007 39/1819.7.1 - Painéis de medição direta e proteção individual - PMD 1 (Fig. 11A) ePMD 2 (Fig. 11B)A aplicação dos painéis PMD é indicada para agrupamentos de medição instaladosno mesmo ambiente físico (com proximidade visual) da proteção geral àmontante, e desde que seja verificada a coordenação da proteção geral de entradapara curtos-circuitos que venham a ocorrer no barramento interno do painel demedição.Estes painéis não contemplam a instalação de dispositivo seccionador no seuinterior.O painel PMD 1 deve ser adotado quando for utilizado apenas um disjuntorindividual para cada unidade consumidora, do tipo termomagnético ou do tipo DDR(não permite a opção de proteção considerando o dispositivo IDR).O painel PMD 2 é indicado quando utilizado, além do disjuntor termomagnético, odispositivo IDR, uma vez que apresenta dois estágios para disjuntores em série.9.7.2 - Painéis de seccionamento, medição direta e proteção individual -PSMD 1 (Fig. 13A) e PSMD 2 (Fig. 13B)Estes painéis possuem internamente um dispositivo de abertura geral (seccionadortripolar de abertura em carga) do agrupamento.O dispositivo seccionador deve possuir capacidade para operar sob carga com nomínimo 400 A.A aplicação dos painéis PSMD é indicada quando o agrupamento de medição forinstalado em ambiente físico diferente (não visíveis) da proteção geral àmontante, e desde que seja verificada a coordenação da proteção geral de entradapara curtos-circuitos que venham a ocorrer no barramento interno do painel demedição.Quando os painéis PSMD forem derivados a partir do barramento de uma únicaproteção geral de entrada e os circuitos de alimentação dos painéis PSMD nãoestiverem protegidos pelo referido disjuntor geral, tanto para sobrecarga quantopara curto-circuito, um novo painel de proteção geral e parcial - PPGP, conformedescrito no item 9.7.4 desta Regulamentação, deve ser utilizado, a partir do qualdevem derivar os alimentadores dos painéis de medição devidamente protegidospelas proteções parciais.O painel PSMD 1 deve ser adotado quando for utilizado apenas um disjuntorindividual para cada unidade consumidora, do tipo termomagnético ou do tipo DDR(não permite a opção de proteção considerando o dispositivo IDR).O painel PSMD 2 é indicado quando for utilizado além do disjuntor termomagnético,o dispositivo IDR, já que possui dois estágios para disjuntores em série.9.7.3 - Painéis de proteção geral, medição direta e proteção individual: PDMD1 (Fig. 12A) e PDMD 2 (Fig. 12B)Estes painéis possuem internamente um dispositivo de proteção geral (disjuntor) doagrupamento.A aplicação dos painéis PDMD é indicada quando estiverem instalados emambientes físicos diferentes (não visíveis) da proteção geral à montante, esempre que não seja possível a coordenação da proteção geral de entrada paracurtos-circuitos que venham a ocorrer no barramento interno do painel de medição.
  40. 40. RECON - BT Novembro de 2007 40/181Quando os painéis PDMD forem derivados a partir do barramento de uma únicaproteção geral de entrada e os circuitos de alimentação dos painéis não estiveremprotegidos pelo referido disjuntor geral, tanto para sobrecarga quanto para curto-circuito, um novo painel de proteção geral e parcial - PPGP, conforme descrito noitem 9.7.4 desta Regulamentação, deve ser utilizado, a partir do qual devemderivar, devidamente protegidos pelas proteções parciais, os alimentadores dospainéis de medição.O painel PDMD 1 deve ser adotado quando for utilizado apenas um disjuntorindividual para cada unidade consumidora, do tipo termomagnético ou do tipo DDR(não permite a opção de proteção considerando o dispositivo IDR).Já o painel PDMD 2 é indicado quando for utilizado além do disjuntortermomagnético, o dispositivo IDR, já que possui dois estágios para disjuntores emsérie.9.7.4 - Painel de proteção geral e parcial - PPGPSão aplicáveis sempre que ocorra a necessidade de utilização de vários painéis demedição (PMD, PDMD e/ou PSMD) numa mesma entrada coletiva.Deve abrigar o barramento de entrada (barras de fase, barra de neutro e barra deproteção) e os disjuntores da proteção geral e das proteções parciais dos circuitosde alimentação dedicados aos painéis de medição dos agrupamentos da entradacoletiva.O barramento interno do PPGP deve ser dimensionado para 1,25 vezes ademanda máxima diversificada do conjunto de painéis por ele alimentado.9.8 - EletrodutoNos casos de entradas de energia elétrica individual ou coletiva atendidasatravés de ramal de ligação aéreo, o condutor do ramal de entrada deve serprotegido mecanicamente, na descida do ponto de ancoramento no posteparticular ou na fachada até o ponto de seccionamento/medição/proteção, atravésde eletroduto rígido de PVC.Nas entradas de energia elétrica individual ou coletiva atendidas através de ramalde ligação subterrâneo, devem ser utilizados eletrodutos poliméricos rígidos ouflexíveis desde a caixa CS ou caixa CPG até a caixa de passagem no limite depropriedade, para receber o ramal de ligação, de acordo com as especificaçõesnas TABELAS 10-A e 10-B desta Regulamentação.Em entrada de energia elétrica individual, na interligação da caixa para medidorcom a caixa para o disjuntor de proteção geral, deve ser empregado eletrodutorígido ou flexível em material termoplástico ou em aço galvanizado flexível comcobertura em PVC.Para as unidades consumidoras existentes em entrada de energia elétrica coletivapadrão antigo (já existente), sempre que for necessária a substituição doscondutores entre a Caixa de Distribuição - CD e o quadro para medidor “A2” ou acaixa para medidor, o circuito deve ser instalado rigorosamente em eletrodutoflexível de aço galvanizado com cobertura em PVC, aparente. Quando ainterligação for feita em cabo armado, padrão Light, o eletroduto poderá serdispensado.
  41. 41. RECON - BT Novembro de 2007 41/181Nas descidas dos circuitos de aterramento devem ser utilizados eletrodutos rígidosde PVC.A TABELA 16 pode ser utilizada para auxiliar no dimensionamento de eletrodutosadicionais.9.9 - Banco de dutosPara a instalação de ramal subterrâneo, o Consumidor deve disponibilizar aestrutura civil necessária, definida pela Light por ocasião da análise do pedido defornecimento, que deve ser composta de um banco de dutos adequadotecnicamente para receber os circuitos do ramal, contemplando, pelo menos, doisdutos vagos como reserva técnica. Deve ser instalado a uma profundidademínima de 1,0 (um) metro e espaçamento entre dutos de 5,0 (cinco) centímetros,podendo ser empregado eletroduto rígido em PVC ou flexível em polietileno dealta densidade, de diâmetro não inferior a 100 mm.Independentemente do tipo de eletroduto, o banco deve ser envelopado emconcreto.O banco de dutos deve interligar diretamente o ponto de entrada dos cabos nabase da caixa CS ou CPG a uma caixa de passagem construída no ponto deinterligação, junto ao limite externo da propriedade com a via pública, nasdimensões adequadas ao conjunto de cabos do referido ramal de ligação e emconformidade com o item 9.5 desta Regulamentação.Os dutos devem ser tamponados nas suas extremidades de forma a evitar apenetração d’água ou mesmo de resíduos que permitam a sua obstrução.No caso de utilização de mais de um banco de dutos deve ser mantido umafastamento mínimo de 1,0 m entre bancos.Na impossibilidade de construção de banco de dutos, exclusivamente quando oramal for em cabo armado ou em cabo de PVC antichama, este pode ser instaladoem bandejas aparentes com tampas ventiladas, índice de proteção (IP) de acordocom o estabelecido pela NBR 5410 para as características do local de instalação,além de dispositivos que possibilitem a selagem das tampas pela Light.Entretanto, quando o ramal for através de cabos singelos em cobre, isolados eprotegidos em XLPE sem aditivo antichama, devem ser empregadas bandejas comtampas totalmente fechadas. Qualquer que seja a opção adotada, esta deve serpreviamente validada pela Light.9.10 - Terminais de fixação de dutosA fixação de eletrodutos nas caixas e painéis padronizados, bem como nas caixasdo padrão antigo (caixa de distribuição, CPG etc.), deve ser feita através de prensatubos para eletrodutos até duas polegadas, e através de boxe reto ou bucha earruelas para eletrodutos superiores a duas polegadas.
  42. 42. RECON - BT Novembro de 2007 42/1819.11 - CondutoresOs condutores devem ser dimensionados a partir da demanda avaliada dainstalação, utilizando, classe 2 de encordoamento e classe de tensão 0,6/1 kV.O tipo de isolamento (PVC, XLPE ou EPR) deve ser determinado em função danecessidade requerida pela condição de instalação conforme estabelecido na NBR –5410. Nos trechos internos à edificação, devem ser utilizados, obrigatoriamente,somente condutores com isolamento com características antichama e não emissoresde fumaça tóxica, quando o ambiente da instalação não oferecer as condições ideaisde confinamento (banco de dutos, bandeja totalmente vedada etc).A TABELA 15 apresenta a ampacidade de condutores, podendo ser consultadapara auxiliar em eventuais dimensionamentos.Todos os condutores indicados nas tabelas 10 A, 10 B, 11 A e 11 B destaRegulamentação, foram dimensionados apenas pelo critério de ampacidade.Portanto, devem ser observados rigorosamente pelo responsável técnico, oslimites de queda de tensão e perda técnica, a suportabilidade à correntes decurta duração (curto-circuitos) e a adequação da isolação ao tipo deinstalação, estabelecidos pela NBR - 5410 da ABNT e normas técnicasespecíficas de condutores, compatíveis com as características do circuito,condições que podem justificar a modificação no dimensionamento apresentadonas referidas tabelas.Obs.: Também para o dimensionamento dos condutores dos ramais de entradadevem ser observadas as recomendações acima.9.11.1 - Tipo de condutor em função da característica do atendimentoPara cada categoria de atendimento é fornecida a seção mínima e o número decondutores de fase, de neutro e de proteção correspondentes, através das tabelaspara dimensionamento de equipamentos e materiais de entradas individuais ecoletivas (10-A, 10-B, 11-A e 11-B).9.11.1.1 - Condutores do Ramal de LigaçãoQuando o ramal de ligação for aéreo, este deve ser em cabo concêntrico até oponto de medição. Todavia, quando o limite de demanda não for atendido, o ramalde ligação deve ser em cabo multiplex até o ponto de ancoragem (no posteparticular ou na fachada da edificação) e, a critério da Light, de acordo com asdefinições estabelecidas no item 2.7 desta Regulamentação, em cabo singelo ouem cabo armado até a medição/CPG.Quando o ramal de ligação for subterrâneo, este deve ser em cabo singelo decobre ou de alumínio, ou então, a critério da Light, em cabo armado, atendidasas condições de ampacidade, queda de tensão e curto-circuito no ponto dainstalação.A utilização de cabo armado está limitada a 2 (dois) circuitos, instalados emdutos, para os ramais de ligação derivados da rede de distribuição aérea, e a 6(seis) circuitos, também instalados em dutos, para os ramais de ligação derivadosda rede de distribuição subterrânea. Ultrapassados os referidos limites, devem serutilizados cabos singelos de cobre.A decisão de escolha do tipo de cabo a ser adotado no ramal de ligação estádefinida nas normas internas da Light para projetos de redes de distribuição.
  43. 43. RECON - BT Novembro de 2007 43/181NOTAS:1) Tanto para o ramal de ligação aéreo quanto para o ramal de ligaçãosubterrâneo, os circuitos devem ser fornecidos e instalados pela Light,considerando a participação financeira do Consumidor de acordo com a legislaçãovigente.2) Cabe ao Consumidor fornecer e instalar em sua propriedade os materiais eequipamentos necessários para receber o ramal de ligação (caixas, painéis demedição, proteçÀ

×