Como lidar com Prevenção?

966 visualizações

Publicada em

Por questão de ética, favor citar fonte! Precisamos acabar a cultura do "copia e cola".

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
966
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como lidar com Prevenção?

  1. 1. “NÃO SOMOS TUPINIQUINS... TEMOS ORGULHO... SOMOS BRASILEIROS!” APRESENTAÇÃO Quando solicitada pelo meu seleto amigo CAP Pontes, da PMBA, para escrever algumas linhas que pudessem oferecer ao leitor uma visão sobre as atividades do PROERD no Brasil, confesso que me senti honrada, porém confusa, pois é fato que no ano passado, um mês após a inauguração do Centro de Capacitação PROERD – CEL PM Carlos Magno Nazareth Cerqueira fui literalmente defenestrada do Programa sem qualquer explicação por parte do então Comando da Corporação; enfim, hoje, sou tão somente a ex-coordenadora do PROERD/PMERJ, porém não posso me alhear ao fato de ter a PMBA acolhida em meu coração e jamais esquecerei o carinho e reconhecimento que sempre recebi do Comando e dos Proerdianos de todo Estado da Bahia. Teria muito sobre o que falar, mas sinto-me na obrigação de deixar claro que embora não seja mais uma Proerdiana no Rio de Janeiro, sou Proerdiana Baiana, sou Proerdiana Paranaense, sou Proerdiana Brasil! E como tal, optei por tratar de uma questão que vai além dos limites do PROERD, trata-se de uma proposta maior: a formação de um Grupo de Estudos Multidisciplinar que a meu ver deveria ser instituído em todos os Estados, com o fulcro de redesenhar a prática pedagógica do Instrutor PROERD e dar novos contornos ao Programa. Dessa forma, um Grupo de Estudos Multidisciplinar teria por finalidade atender às demandas para a modernização e consolidação da Política de Segurança Pública para prevenção das violências, incluindo o abuso de drogas, nas escolas e comunidades, tendo como meta principal desenhar o Programa Permanente para Prevenção das Violências nas Escolas e Comunidades, especialmente contra e entre crianças e jovens. Hoje, falar de violência no ambiente escolar requer o olhar atento do Gestor da Segurança, pois há que se pensar nas várias faces dessa violência que se pretende prevenir e que entre as quais dou destaque à fome, a exploração do trabalho infantil, à gravidez precoce, a evasão escolar, o Bullying, a Síndrome de Bournout etc; enfim, aumentaríamos a lente do PROERD e traçaríamos um
  2. 2. Programa com a nossa “cara” e não mais um trabalho com padrão ditado metodologicamente e pedagogicamente com bases em estrangeirismos. Para frutificar, o Grupo de Estudos Multidisciplinar, coordenado pelas Polícias Militares, estabeleceria parcerias indispensáveis à formação de uma grande Rede de Proteção Social, dentre as quais se destacam a Secretaria de Educação, Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer, Secretaria de Saúde, Secretaria de Assistência Social, Secretaria do Trabalho, Universidades podendo, ainda, estreitar parcerias com outros Órgãos e Instituições do Terceiro Setor visando maior interação comunitária. A competência do Grupo de Estudos Multidisciplinar seria, inicialmente, elaborar diagnósticos, monitoramento de ações e realização de pesquisas a fim de promover estratégias capazes de reduzir as violências, incluindo aqui a demanda pelas drogas e a vitimização de crianças, adolescentes, educadores e demais membros da comunidade escolar. Importante, então, sugerir os primeiros passos da estruturação de uma Política mais ampla com a finalidade de abrir, na PMBA, um espaço de discussão dirigido à comunidade em geral, com ênfase nas comunidades escolares. O Programa Permanente para Prevenção de Violências nas Escolas, como estratégia de Segurança Pública para a redução das violências e demanda pelas drogas, assume o compromisso político, social e educativo de investir em ações para diminuir os problemas decorrentes da desinformação, da ausência de um diálogo estruturado para a prática emancipatória e cidadã, melhorando a qualidade de vida, a saúde, o bem-estar pessoal e coletivo de crianças e jovens, promovendo a integração social e econômica, fortalecendo a identidade cultural, a auto-estima, a estrutura familiar e, assim, gerando e agregando novos valores. Os Projetos e Ações decorrentes do processo dinâmico que se estabelece a partir do Grupo de Estudos Multidisciplinar será a resposta concreta a este compromisso, resultado da cooperação dos seus integrantes e dos recursos canalizados através das parcerias estabelecidas, nos permitindo colocar à disposição das comunidades escolares e da população em geral mais uma moderna ferramenta preventiva, em favor dos atores sociais mais vulneráveis como são crianças e jovens.
  3. 3. CONTEXTUALIZANDO O CONSUMO DE DROGAS COMO UMA DAS INTERFACES DA VIOLÊNCIA Importante, inicialmente, referir que o conceito integral de prevenção ao abuso de drogas e, por conseqüência, da violência que permeia a relação do ser humano com tais substâncias, envolve distintas áreas que atuam de maneira inter-relacionada e coordenada com o propósito de gerar uma consciência multiplicadora na sociedade, tratando-se assim de integrar o conceito de responsabilidade compartilhada no conjunto de ações para a redução das nocivas conseqüências do consumo de drogas. Sob esta ótica, devem integrar a Rede de Proteção Social as Instituições responsáveis pela Segurança Pública, Educação, Saúde, Assistência Social e de integração pela prática de alternativas saudáveis como o esporte e o lazer formatando assim uma Política Preventiva abrangente. As ações de prevenção primária cruzam os três pilares da resiliência como estratégia de enfrentamento ao narcotráfico: o desenvolvimento humano, o oferecimento de alternativas eficazes e a informação isenta de sensacionalismo e/ou preconceito. Paralelamente, o enfoque integral da prevenção conduzirá a análise dos fatores de risco e monitoramento dos processos da comercialização e consumo de drogas nas escolas e suas cercanias. Assim, a integralidade e manutenção das ações preventivas consistem no fato de que cada ator social conheça o alcance da proposta e como desenvolvê-la no seu dia-a-dia e sua realidade. A população mais vulnerável ao abuso de drogas são crianças e adolescentes, e é nesse cenário que os pais/responsáveis, professores e educadores sociais necessitam não somente compreender, mas atuar de maneira comprometida com as instituições de Segurança Pública. O efeito multiplicador deve ser considerado por pais/responsáveis, levando adiante os benefícios da prevenção. Vale lembrar que a redução da demanda pelas drogas influenciará na redução da oferta e, ainda, que não é possível, nos dias de hoje, pensar em ações pontuais ou individuais se a sociedade em seu conjunto não atuar de forma consciente já que o uso e abuso de drogas constituem um problema estrutural que abarca as distintas fases do desenvolvimento, tanto do indivíduo, da família e da sociedade.
  4. 4. Sem dúvida, o jovem quer uma escola que ofereça um espaço agradável, com atividades culturais, esportivas, sociais e aulas “motivadoras”. Assim, há que se pensar, também, no professor: suas ansiedades/angústias relacionadas aos aspectos de sua segurança pessoal e, certamente, a influência do vínculo afetivo na sua prática diária possível de ser afetado quando a sensação de insegurança permeia a relação educador-educando. Por tais motivos, os eixos norteadores de um Programa de Segurança nas Escolas devem estar pautados na cultura, esporte, qualificação para o trabalho e saúde conforme preconiza a UNESCO. A escola enquanto ambiente socializador, em conjunto com as forças policiais e outros segmentos, deve promover a prevenção da violência precocemente, pensando estrategicamente, ou seja, exigindo um olhar prospectivo e longitudinal. Surge, daí, os primeiros questionamentos que sustentam a elaboração de uma proposta de atuação conjunta e de atenção permanente: 1) É possível construir fatores de proteção para crianças que vivem em situação de risco? 2) A partir de que idade? 3) Como obter acesso e monitorar as situações de risco? 4) Como promover a interação com pais/responsáveis? De antemão é possível afirmar que um Programa Permanente de Prevenção deve estar fundamentado em pesquisas, bases científicas e em evidências de experiências bem-sucedidas, aproveitando estratégias de sucesso já consolidadas, criando novas ferramentas e instrumentos para aferir resultados. Para a implementação de Projetos e Ações, o Grupo de Estudos Multidisciplinar realizará, preliminarmente, levantamento de dados para elaboração de um diagnóstico que possibilite a análise diferenciada, a fim de atender às especificidades de cada comunidade escolar. O estudo para apresentação de análise crítica e de um diagnóstico poderá ser realizado pela PMBA, que formatará instrumentos adequados com vistas aos seguintes indicadores e variáveis:
  5. 5. a) população escolar total b) distribuição de alunos por faixa etária c) indicadores de fatores de risco presentes no cotidiano da comunidade escolar d) fatores protetivos existentes na comunidade escolar e) infra-estrutura existente – ambientação para o processo ensino-aprendizado OBJETIVOS A população jovem é priorizada na proposta, posto que é de vital importância promover a prevenção ao consumo de drogas e violência no contexto escolar. É nesse sentido que os Projetos e Ações privilegiam como população alvo de sua intervenção crianças e adolescentes de 06 a 18 anos do Ensino Fundamental e Ensino Médio. Crianças e adolescentes de 06 a 18 anos porque se encontram em pleno desenvolvimento, onde é possível fazer uma intervenção capaz de promover uma cultura de paz, socializando técnicas para resolução pacífica de conflitos, gerando e reforçando fatores de proteção e fortalecendo estilos de vida saudáveis. A educação preventiva no ambiente escolar constitui uma estratégia de segurança pública efetiva, por influência na formação de valores, na transmissão de conhecimento, o desenvolvimento de atitudes e a promoção de comportamentos desejáveis para a melhoria da qualidade de vida individual e coletiva. Outro objetivo da proposta é o de transversalizar a temática da prevenção ao abuso de drogas, violência no ambiente escolar e promoção da saúde através da qualificação de novos Instrutores PROERD que já possuam formação na área da Saúde e a atualização dos que já atuam em sala de aula. A sustentação da proposta para o Programa Permanente para Prevenção de Violências nas
  6. 6. Escolas fica garantida através da formação de uma equipe de mediadores, devidamente capacitados para tal mister. Sem a pretensão de ter esgotado o assunto e aproveitando a oportunidade para apresentar uma proposta ousada, que com a minha saída do PROERD/PMERJ, entende-se como rejeitada no Estado do Rio de Janeiro, espero estar contribuindo para que tenhamos um mundo melhor para nossas crianças e jovens. Aos meus amigos Proerdianos da PMBA quero deixar mais um pedacinho de mim e pedir que não se esqueçam de minhas palavras num primeiro ensaio: “O ensino estático é improdutivo; o inconseqüente produz resultados irreversíveis.” Rio de Janeiro/RJ, em 20 de agosto de 2009. Tania Santos Loos MAJ PMERJ Ex-Coordenadora do PROERD

×