Orações coordenadas e orações subordinadas

40.248 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo, Tecnologia
3 comentários
17 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
40.248
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
912
Comentários
3
Gostaram
17
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Orações coordenadas e orações subordinadas

  1. 2. Orações coordenadas. <ul><li>As orações coordenadas se dividem em: coordenadas sindéticas (quando há presença de conjunções coordenativas) e assindéticas (quando não há ocorrência de conjunção). As coordenadas sindéticas são reconhecidas e classificadas através das conjunções coordenativas: aditiva, alternativa, adversativa, conclusiva e explicativa. </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Para se saber se uma oração coordenada é sindética (OCS) ou assindética (OCAss) é só utilizar-se da exclusão. </li></ul><ul><li>Observação importante. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>É possível que se confunda oração subordinada adverbial com oração coordenada sindética. Para que não haja equívoco segue uma regrinha muito útil: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Para se saber se uma oração é subordinada adverbial ou coordenada sindética, depois de se ter feito os testes da subord. Substantiva e subord. Adjetiva (que está explicado na sequência deste estudo) utilize o teste da inversão . </li></ul>1. Oração subordinada adverbial. 2. Oração coordenada sindética.   Teste da inversão   1. Mesmo sentido – subordinada adverbial. 2. Sem sentido – coordenada sindética.
  3. 4. <ul><li>Ex. </li></ul><ul><li>Jogamos bem, mas perdemos. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Inversão: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Mas perdemos, jogamos bem. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>(sem sentido, portanto, oração coordenada sindética - OCS). </li></ul><ul><li>Nesse caso coordenada sindética adversativa. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  Agora, se a frase fosse essa: </li></ul><ul><li>   </li></ul><ul><li>Perdemos, embora tenhamos jogado bem. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Inversão: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Embora tenhamos jogado bem, perdemos. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>(há sentido, portanto, oração subordinada adverbial – OSAdv.). </li></ul><ul><li>Nesse caso adverbial concessiva. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Finalizando, é a vez da oração coordenada assindética (OCAss). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Para se saber que a oração é uma coordenada assindética submeta-a ao teste da exclusão . </li></ul><ul><li>Antes, porém faça todos os testes possíveis (que serão explicitados na sequência desse estudo). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Se quando a oração for submetida a todos os testes aqui apresentados, e não for nenhum dos casos de subordinada, nem o de coordenada sindética, então só poderá ser uma coordenada assindética. </li></ul>
  5. 6. Oração subordinada <ul><li>A oração subordinada (termo sintático) é a parte de um enunciado que não tem sentido próprio, mas precisa de uma oração que a subordine, que seja a principal. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Três são os tipos de orações subordinadas: substantivas, adjetivas e adverbiais. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Para se saber quando há ocorrência de uma ou de outra, pode-se fazer o teste da substituição. Troca-se a oração subordinada por uma palavra (subst. ISSO – adj. UM ADJETIVO – adv. UM ADVÉRBIO). Obs: caso após esse teste não surja nenhuma oração subordinada, especialmente adverbial é porque muito provavelmente será uma coordenada sindética. (Se mesmo assim não der certo é porque a oração é coordenada assindética). </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  6. 7. Oração Subordinada Substantiva (OSS) <ul><li>As orações subordinadas substantivas podem ser:  </li></ul><ul><li>- subjetiva: funciona como sujeito do verbo da oração principal. O verbo da oração principal se apresenta sempre na terceira pessoa do singular e nessa não há sujeito, o sujeito é a oração subordinada.  </li></ul><ul><li>Ex: É necessário que se estabeleça regras nesta empresa.  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- objetiva direta: exerce a função de objeto direto do verbo da oração principal. Está sempre ligada a um verbo da oração principal, sem auxílio de preposição, indicando o alvo sobre o qual recai a ação desse verbo.  </li></ul><ul><li>Ex: Quero saber como você chegou aqui.  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- objetiva indireta: funciona como objeto indireto do verbo da oração principal. Está sempre ligada a um verbo da oração principal, com auxílio de preposição, indicando o alvo do processo verbal.  </li></ul><ul><li>Ex: Mariana lembrou-se de que Manoel chegaria mais tarde.  </li></ul>
  7. 8. <ul><li>- completiva nominal: funciona como complemento nominal de um nome da oração principal. Está sempre ligada a um nome da oração principal através de preposição.  </li></ul><ul><li>Ex: Tenho certeza de que não há esperanças.  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- predicativa: funciona como predicado do sujeito da oração principal. Está sempre ligada ao sujeito da oração principal através de verbo de ligação.  </li></ul><ul><li>Ex: Minha vontade é que encontres o teu caminho.  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- apositiva: funciona como aposto de um nome da oração principal. Está sempre ligada a um nome da oração principal, sem o uso de preposição e sem mediação de verbo de ligação.  </li></ul><ul><li>Ex: Faço apenas um pedido: que você nunca abandone os seus princípios. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Subjetiva (O.S.S.S.): exercem função de  sujeito  do  verbo  da oração principal.  É provável  que ele chegue ainda hoje. (O que é provável?); </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Objetiva Direta (O.S.S.O.D.): exercem função de  objeto direto  (não possui  preposição ). Desejo  que todos venham . (Quem deseja, deseja algo, alguma coisa); </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Objetiva Indireta (O.S.S.O.I.): exercem função de  objeto indireto  (possui  preposição  obrigatória, que vem depois de um VERBO). Necessitamos  de  que todos nos ajudem; (Quem necessita,necessita  DE  algo,  DE  alguma coisa ou  DE  alguem) </li></ul><ul><li>Predicativas (O.S.S.P.): exercem função de  predicativo . Meu desejo  era [verbo de ligação] que me dessem uma camisa; </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Completivas Nominais (O.S.S.C.N.): exercem função de  complemento nominal  de um nome da oração principal. Tenho  esperança  de que ela ainda volte; </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Apositivas (O.S.S.A.): todas as apositivas têm dois pontos (:)ou ponto e virgula (;) no meio da oração.exercem função de  aposto . Desejo-te uma coisa:  que sejas muito feliz . </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Ou seja, todas as orações subordinadas substantivas podem ser trocadas por isso, disso ou nisso. Veja os exemplos: </li></ul><ul><li>Precisamos  de que venha para a aula . = Precisamos  disso . (Disso: completiva nominal ou objetiva indireta) </li></ul><ul><li>Quero  que venha para a guerra . = Quero  isso . (Isso: subjetiva, objetiva direta, predicativa) </li></ul><ul><li>Fiquei pensando  que valia a pena . = Fiquei pensando  nisso . (Nisso: completiva nominal ou objetiva indireta). </li></ul>
  10. 11. 4. Oração Subordinada Adjetiva (OSAdj.) <ul><li>Muito parecida com O.S.S, mas você deve fazer a regra da substituição agora trocando a subordinada por um adjetivo. (achar o pronome relativo e trocar por adjetivo). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>A subordinada adjetiva sempre vem com pronome relativo. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li> Que (qual, o qual, qual, as quais, os quais), cujo, onde (aonde). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Ex. </li></ul><ul><li>  Procurávamos um exemplo que esclarecesse nossa dúvida. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>A oração iniciada pelo pronome relativo que indica a subordinada. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Então, </li></ul><ul><li>  Procurávamos um exemplo esclarecedor . (Adjetivo – esclarecedor ). </li></ul><ul><li>Deu certo. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Essa, portanto, é uma oração subordinada adjetiva. Resta agora saber se restritiva ou explicativa. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Classificação das OSAdj. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Restritivas – sempre sem vírgula </li></ul><ul><li>Explicativa – sempre com vírgula </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Assim, o exemplo acima classifica-se como oração subordinada adjetiva restritiva. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Outro exemplo, agora com explicativa. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Durante a noite, na qual me faltou sono, pensei nela </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Regra da substituição. </li></ul><ul><li>Durante a noite, insone, pensou nela. (Nesse caso se trocarmos por isso não dá certo) </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Nesse exemplo não se restringe a “noite”, mas explica-se a “noite”. </li></ul>
  12. 13. 5. Orações Subordinadas Adverbiais (OSAdv.) <ul><li>São as orações ligadas ao verbo da oração principal (OP). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Ex. </li></ul><ul><li>Priscila chegou em casa quando amanheceu. (verbos: chegou e amanheceu) </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>A oração subordinada é: quando amanheceu. Isso porque esta oração é que está ligada à oração principal. Assim: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Priscila chegou / quando amanheceu. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Para ficar mais fácil use a dica da exclusão, ou seja, se não for subordinada substantiva e nem adjetiva, só pode ser adverbial. Ou seja: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Quando conseguimos trocar uma subordinada por ISSO estamos diante de uma subord. Substantiva (OSS); </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Quando conseguimos trocar uma subordinada por um adjetivo estamos diante de uma subord. Adjetiva (OSAdj). </li></ul>
  13. 14. <ul><li>Portanto, se quando fizermos a regra da substituição e a oração não for substantiva nem adjetiva, só poderá ser uma Subord. Adverbial. (ou uma oração coordenada sindética, como você já viu no tópico das coordenadas) </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Tire a prova usando o exemplo acima; primeiro substituindo a subordinada por ISSO e depois por um ADJETIVO. Não vai dar certo. Entretanto, se trocarmos a subordinada por um advérbio, por exemplo, “Priscila chegou em casa cedo ” ou Priscila chegou em casa rápido ” tudo se encaixa. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Feito isso, só resta classificar a oração adverbial. Lembrando que há nove tipos dela. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Apesar de muitos é mais fácil, uma vez que é só verificar a presença do advérbio na oração subordinada e conferir sua classificação. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Os advérbios são: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- causais: Impedido de entrar, ficou irado.  </li></ul><ul><li>- concessivas: Ministrou duas aulas, mesmo estando doente.  </li></ul><ul><li>- condicionais: Não faça o exercício sem reler a proposta.  </li></ul><ul><li>- consecutivas: Não podia olhar a foto sem chorar.  </li></ul><ul><li>- finais: Vestiu-se de preto para chamar a minha atenção. </li></ul><ul><li>- temporais: Terminando a leitura, passe-me o texto. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>No exemplo acima a oração subordinada classifica-se como temporal uma vez que seu advérbio indica tempo (chegou quando amanheceu) OSAdv. </li></ul>

×