Este trabalho tem por objetivo fazer um protótipo de aulas para o professor direcionado aos alunos dos anos iniciais (1º e...
Semiótica multimodal Lemke (1998, 2002) Teoria do discursivo-enunciativo da leitura: dialogismo e leitura – leitura como c...
Hibrisdismo cultural Canclini (1997) Multiletramento Cope (2006) PCNs da Língua Portuguesa (1998) Capacidades leituras  Ro...
O  multiletramento  leva em conta a multimodalidade (lingüística, visual, gestual, espacial e de áudio) e multiplicidade d...
Para trabalhar nessa perspectiva o professor deve engajar as crianças no processo, traçar estratégias que as levem do conh...
“ A agonia das coleções é o sintoma mais claro de como se desvanecem as classificações que distinguiam o culto do popular ...
O trabalho tem início no conceito conhecido, ele será desconstruído e reconstruído, a reconstrução será hipermodal na medi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Teorizando

886 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
886
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teorizando

  1. 1. Este trabalho tem por objetivo fazer um protótipo de aulas para o professor direcionado aos alunos dos anos iniciais (1º e 2º Ano 1 ) do Ensino Fundamental, envolvendo a multimodalidade nos novos letramentos com o pressuposto enunciativo-discursivo. Para propor um modelo de sequência didática centrada nas formas de hibridização entre o verbal e visual lançamos mão de algumas contribuições teóricas: 1 Os 1º e 2º Anos se referem ao antigo pré e 1º série, respectivamente, no Estado até o atual momento, usamos essa nomeação porque nosso corpus se deu em uma escola municipal no interior do Estado de São Paulo.
  2. 2. Semiótica multimodal Lemke (1998, 2002) Teoria do discursivo-enunciativo da leitura: dialogismo e leitura – leitura como compreensão e réplica ativa e como apreciação de valor Bakhtin/Volochinov (1929) Estratégias cognitivas e metacognitivas em leitura Círculo de Bakthin (1929, 1934-35, 1952-53)
  3. 3. Hibrisdismo cultural Canclini (1997) Multiletramento Cope (2006) PCNs da Língua Portuguesa (1998) Capacidades leituras Rojo (2004)
  4. 4. O multiletramento leva em conta a multimodalidade (lingüística, visual, gestual, espacial e de áudio) e multiplicidade de significações e contextos. Segundo Cope & Kalantzis (2006), podemos destacar que todo texto é multimodal, não podendo existir em uma única modalidade, mas tendo uma predominante. No entanto, hipermodalidade amplia o sentido de multimodalidade ao extrapolar o texto planificado e linear, não é apenas uma justaposição de texto, imagens e sons, trata-se de um design diferenciado que interliga as modalidades. O hipertexto , por meio dos links, apresenta múltiplas sequências e possibilidades de trajetórias.
  5. 5. Para trabalhar nessa perspectiva o professor deve engajar as crianças no processo, traçar estratégias que as levem do conhecimento prévio à criação. Durante a criação será possível abordar o currículo escolar, o sistema de escrita, ampliar o repertório e transitar pelas diversas modalidades e coleções culturais. Ao falar de hipermodalidade é preciso recorrer ao hibridismo cultural, Canclini (1997) aponta que aos objetos e signos foram atribuídos funções e lugares específicos, classificações compartimentadas; viver na sociedade tida como culta requer saber onde buscar cada coisa. O que se observa na atualidade é o cruzamento dos interesses mercantis com os históricos, estéticos e comunicacionais.
  6. 6. “ A agonia das coleções é o sintoma mais claro de como se desvanecem as classificações que distinguiam o culto do popular e ambos do massivo. As culturas já não se agrupam em grupos fixos e estáveis e portanto desaparece a possibilidade de ser culto conhecendo o repertório das "grandes obras", ou ser popular porque se domina o sentido dos objetos e mensagens produzidos por uma comunidade mais ou menos fechada (uma etnia, um bairro, uma classe). Agora essas coleções renovam sua composição e sua hierarquia com as modas, entrecruzam-se o tempo todo, e, ainda por cima, cada usuário pode fazer sua própria coleção. As tecnologias de reprodução permitem a cada um montar em sua casa um repertório de discos e fitas que combinam o culto com o popular, incluindo aqueles que já fazem isso na estrutura das obras” (p.293).
  7. 7. O trabalho tem início no conceito conhecido, ele será desconstruído e reconstruído, a reconstrução será hipermodal na medida que as conexões forem feitas e os conhecimentos se interligarem. Nesse processo as crianças poderão avaliar (de maneira crítica) quando e como usar a Língua e a ferramenta escolhida.

×