Compreendendo e prevenindo Cirrose Hepática Dr. Tadeu Pacheco
Cirrose Boa Noite
Cirrose Hepática Conceituando <ul><li>Cirrose é um processo hepático difuso caracterizado por fibrose e transformação da a...
Cirrose Hepática <ul><li>Lesão hepatocelular </li></ul>Inflamação do Parênquima Regeneração Nodular e proliferação de teci...
Cirrose Hepática
<ul><li>Morfológica </li></ul><ul><li>Micronodular </li></ul><ul><li>Macronodular </li></ul><ul><li>Mista </li></ul><ul><l...
Patogênese <ul><li>. Há três mecanismos patológicos principais que se associam, formando a cirrose: </li></ul><ul><li>- mo...
Cirrose Hepática Quadro clínico <ul><li>Idade </li></ul><ul><ul><li>Na maior parte das vezes entre 40 e 70 anos de idade. ...
Cirrose Hepática Diagnóstico <ul><li>Dados clínicos –  sinais importantes </li></ul><ul><ul><li>Telangectazia, eritema pal...
Cirrose Hepática Diagnóstico <ul><li>Dados clínicos –  sinais importantes </li></ul><ul><ul><li>Telangectazia, eritema pal...
Cirrose Hepática Diagnóstico <ul><li>A BIOPSIA  HEPÁTICA POSSIBILITA: </li></ul><ul><ul><li>Confirmar o diagnóstico da cir...
Cirrose Hepática Fatores de risco <ul><li>Quantidade de etanol ingerida </li></ul><ul><li>Tempo de ingestão (anos) </li></...
Cirrose Hepática Ingestão de etanol <ul><li>A continuidade de ingestão alcoólica favorece os efeitos tóxicos do álcool. Al...
Cirrose Hepática Tratamento <ul><li>Eliminar a Causa...(Etiologico) </li></ul><ul><li>Paliativo :  trata as complicações d...
Cirrose Hepática O grande desafio <ul><li>SABER QUANDO TRANSPLANTAR </li></ul>O transplante é, atualmente, medida terapêut...
Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático  <ul><li>Na prática médica diária, observa-se mais frequentemente três tipo...
Cirrose Hepática   Aspectos de interesse prático  <ul><li>Além das classificações morfológica, etiológica, classificação d...
Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático
Principais proteínas produzidas pelo fígado PROTEINA FUNÇÃO ASSOCIAÇÃO  COM DOENÇA  HEPÁTICA Albumina Proteína carreadora,...
Causas de baixa concentração  CAUSAS DE BAIXA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE ALBUMINA Síntese reduzida :  - má nutrição - má a...
Reserva funcional Parâmetros Laboratoriais Boa Pouco alterada Muito alterada Bilirrubina totais < 2,5 mg% 2,5 a 6 mg% > 6 ...
Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático  <ul><li>Recentemente foi recomendada classificação internacional ( Consens...
Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático  <ul><li>Segundo essa classificação há quatro fases clínicas da cirrose:  <...
Cirrose Hepática   Aspectos de interesse prático  Ascite é sinal de descompensação da cirrose.
Cirrose Hepática   Aspectos de interesse prático  <ul><li>O tratamento antiviral em pacientes com cirrose compensada pode ...
Cirrose Hepática <ul><li>OBSERVAÇÕES  IMPORTANTES </li></ul>É considerada dose elevada de ingestão de etanol, dois ou mais...
Referências bibliográficas - Bonacici M. Diagnosis and management of cirrohis in coinfected patents. J Acquir Immune Defic...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo

14.419 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.419
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
220
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
220
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo

  1. 1. Compreendendo e prevenindo Cirrose Hepática Dr. Tadeu Pacheco
  2. 2. Cirrose Boa Noite
  3. 3. Cirrose Hepática Conceituando <ul><li>Cirrose é um processo hepático difuso caracterizado por fibrose e transformação da arquitetura normal em nódulos estruturalmente anormais. Portanto, para a definição de cirrose adotamos o critério anatomopatológico. </li></ul>
  4. 4. Cirrose Hepática <ul><li>Lesão hepatocelular </li></ul>Inflamação do Parênquima Regeneração Nodular e proliferação de tecido conjuntivo
  5. 5. Cirrose Hepática
  6. 6. <ul><li>Morfológica </li></ul><ul><li>Micronodular </li></ul><ul><li>Macronodular </li></ul><ul><li>Mista </li></ul><ul><li>Septal incompleta ( </li></ul><ul><li>Multinlobular) </li></ul><ul><li>Etiológica Funcional </li></ul><ul><li>Álcool </li></ul><ul><li>Hepatite viral “C” </li></ul><ul><li>Obstrução biliar </li></ul><ul><li>Congestiva </li></ul><ul><li>Hemocromatose </li></ul><ul><li>Auto-imune </li></ul><ul><li>Deficiência de alfa-1-antitripsina </li></ul><ul><li>Idiopática ou criptogenética </li></ul><ul><li>Moléstia de Wilso.......... </li></ul>Cirrose Hepática Classificação
  7. 7. Patogênese <ul><li>. Há três mecanismos patológicos principais que se associam, formando a cirrose: </li></ul><ul><li>- morte celular, fibrose e regeneração </li></ul><ul><li>Isso deve ocorrer de maneira constante e persistente durante longo período. </li></ul><ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><li>Metotrexato – pode produzir cirrose quando usada regularmente durante 2 ou mais anos </li></ul><ul><li>Alcool – pode produzir cirrose se usado em dose alta durante vários anos. </li></ul><ul><li>O TEMPO NECESSÁRIO PODE VARIAR CONSIDERAVELMENTE. </li></ul>
  8. 8. Cirrose Hepática Quadro clínico <ul><li>Idade </li></ul><ul><ul><li>Na maior parte das vezes entre 40 e 70 anos de idade. Entretanto as cirroses denominadas genéticas são mais comuns na infância e na adolescência. </li></ul></ul><ul><li>Sexo </li></ul><ul><ul><li>Cirroses alcoolicas, criptogenéticas e a hemocromatose são mais frequentes em homens. A cirrose biliar primária e auto-imune são predominantes da mulher. </li></ul></ul><ul><li>Região e raça </li></ul><ul><li>Sintomas – como consequência da cirrose duas modalidades fundamentais de alteração irão ocorrer: insuficiência hepatocelular e hipertensão portal : anorexia, náuseas, desconforto abdominal, dor no abdômen, fraqueza, cansaço fácil, emagrecimento, urina escura , hematemese e melena, ascite, edema, febre,alterações psíquicas. </li></ul>
  9. 9. Cirrose Hepática Diagnóstico <ul><li>Dados clínicos – sinais importantes </li></ul><ul><ul><li>Telangectazia, eritema palmar, atrofia testicular, ginecomastia, baço palpável, ictericia, ascite, palpação de borda hepática firme e irregular. </li></ul></ul><ul><li>Laboratoriais </li></ul><ul><ul><li>AST(TGO), ALT(TGP);(TGO/TGP < 1= Cirrose hepática) (TGO/TGP = ou > = hepatite ou cirrose alcoólica) (TGO aumentado pode ser cetoascidose diabética) FOSFATASE ALCALINA (quando persistentemente aumentada sem presença de ictericia em um cirrótico, pensar na coeexistência de tumor primitivo ou metastático do fígado) Bilirrubinas totais e frações, Gama gt, coagulograma completo;Protenas totais e fraçoes </li></ul></ul><ul><li>Imagem; Fibroscan-elastografia </li></ul><ul><li>Biópsia – Não esta indicada quando houver a alteração da coagulação e presença de ascite. </li></ul><ul><li>O tempo de protombina deve estar no mínimo 50% e as plaquetas no mínimo 100.000/ mm </li></ul>
  10. 10. Cirrose Hepática Diagnóstico <ul><li>Dados clínicos – sinais importantes </li></ul><ul><ul><li>Telangectazia, eritema palmar, atrofia testicular, ginecomastia, baço palpável, ictericia, ascite, palpação de borda hepática firme e irregular. </li></ul></ul>
  11. 11. Cirrose Hepática Diagnóstico <ul><li>A BIOPSIA HEPÁTICA POSSIBILITA: </li></ul><ul><ul><li>Confirmar o diagnóstico da cirrose </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificar seu tipo </li></ul></ul><ul><ul><li>Verificar intensidade e atividade </li></ul></ul><ul><ul><li>Fornecer elementos para o diagnóstico etiológico </li></ul></ul><ul><ul><li>Dados sobre o prognóstico </li></ul></ul><ul><ul><li>Resposta terapêutica </li></ul></ul>
  12. 12. Cirrose Hepática Fatores de risco <ul><li>Quantidade de etanol ingerida </li></ul><ul><li>Tempo de ingestão (anos) </li></ul><ul><li>Continuidade </li></ul><ul><li>Dano hepático “inicial” </li></ul><ul><li>Sexo feminino </li></ul><ul><li>Fator genético </li></ul><ul><li>Desnutrição </li></ul>
  13. 13. Cirrose Hepática Ingestão de etanol <ul><li>A continuidade de ingestão alcoólica favorece os efeitos tóxicos do álcool. Alguns autores acreditam que o consumo etílico, exclusivamente em fins de semana, pode de um modo geral, ocasionar comprometimento hepático menos acentuado do que o produzido pela ingestão diária. </li></ul><ul><li>A descontinuidade favorece </li></ul><ul><li>a “recuperação” do dano hepático. </li></ul><ul><li>Entre 10% e 15% de consumidores pesados de ácool, vão a cirrose </li></ul>
  14. 14. Cirrose Hepática Tratamento <ul><li>Eliminar a Causa...(Etiologico) </li></ul><ul><li>Paliativo : trata as complicações de hipertensão portal (insuficiência hepática e sangramento das varizes esofagianas) </li></ul><ul><li>Definitivo: Transplante </li></ul><ul><li>Geral:quando compensada= dieta=hipercalórica(3000 c/dia),hipoproteica </li></ul><ul><li>(70/90 g/ dia) e hipogordurosa e suplementação vitamínica ( vitaminas A, </li></ul><ul><li>do complexo B e C) áscido fólico. </li></ul><ul><li>Medicamentoso - diminuir a fibrose hepática: colchicina e penicilamina. </li></ul><ul><li>Cirrose alcoólica – S – adenosil – L – metionina ( Same) </li></ul>
  15. 15. Cirrose Hepática O grande desafio <ul><li>SABER QUANDO TRANSPLANTAR </li></ul>O transplante é, atualmente, medida terapêutica muito importante, que pode proporcionar, em considerável número de cirróticos, boa qualidade de vida e retorno à sociedade, com plena capacidade produtiva.
  16. 16. Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático <ul><li>Na prática médica diária, observa-se mais frequentemente três tipos de cirrose: </li></ul><ul><ul><li>Alcoólica, </li></ul></ul><ul><ul><li>Víral e </li></ul></ul><ul><ul><li>Criptogenética (em alguns países, como na Inglaterra) </li></ul></ul>
  17. 17. Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático <ul><li>Além das classificações morfológica, etiológica, classificação de Child, Turcotte e Pugh deve-se incluir também a que se baseia em escores MELD (avaliação da fase terminal) </li></ul>Modelo matemático MELD, o qual utiliza três parâmetros laboratoriais, que se obtêm facilmente na rotina de qualquer hepatopatia crônica. A equação para calcular o escore MELD = 9,57 x loge creatinina mg/dL + 3,78 x loge bilirrubina (total) mg/dL + 11,20 x loge INR + 6,42, arredondando-se o resultado para o próximo número inteiro. O valor máximo de creatinina vai até 4.
  18. 18. Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático
  19. 19. Principais proteínas produzidas pelo fígado PROTEINA FUNÇÃO ASSOCIAÇÃO COM DOENÇA HEPÁTICA Albumina Proteína carreadora, reguladora osmótica Diminuída na doença hepática crônica Alfatetoproteína Proteína carreadora Aumentada no carcinoma hepatocelular Alfa 1 antitripsina Inibe elastina Mutações causam doença respiratória e hepática Ceruloplasmina Ferroxidase Diminuída na doença de Wilson Fibrinogênio Percursor da fibrina, processo cicatricial Diminuído na doença hepática crônica Transferrina Proteína carreadora de ferro Aumentada na hemocromatose
  20. 20. Causas de baixa concentração CAUSAS DE BAIXA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE ALBUMINA Síntese reduzida : - má nutrição - má absorção - doença hepática - doença maligna Perda aumentada : - proteinúria (sindrome nefrótica) - enteropatia perdedora de proteína (doença inflamatória intestinal) - queimaduras - doença cutânea exsudativa Catabolismo aumentado: - estados hipercatabólicos (pós-operatório) Hiperidratação - Variação genética: - analbuminemia - síntese interrompida - doenças inflamatórias aguda ou crônica
  21. 21. Reserva funcional Parâmetros Laboratoriais Boa Pouco alterada Muito alterada Bilirrubina totais < 2,5 mg% 2,5 a 6 mg% > 6 mg% Albuminemia > 3,5 mg% 2,5 a 3,5 mg% < 2,5 mg% Atividade de protombina 80% a 100% 40% a 79% < 40% Pseudocolines- terase* 1.900 a 3.200 U 800 a 1.900 U < 800 U
  22. 22. Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático <ul><li>Recentemente foi recomendada classificação internacional ( Consenso Workshop of Baveno IV) para análise da história natural da cirrose e identificação de fatores prognósticos. </li></ul>
  23. 23. Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático <ul><li>Segundo essa classificação há quatro fases clínicas da cirrose: </li></ul><ul><ul><li>Ausência de varizes de esôfago e de ascite. </li></ul></ul><ul><ul><li>Presença de varizes sem ascite e sem sangramento. </li></ul></ul><ul><ul><li>Presença de ascite, com ou sem varizes, em pacientes que nunca sangraram. </li></ul></ul><ul><ul><li>Cirroses são consideradas compensadas quando estão nas fases 1 e 2 e descompensadas quando nas fases 3 e 4. </li></ul></ul>
  24. 24. Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático Ascite é sinal de descompensação da cirrose.
  25. 25. Cirrose Hepática Aspectos de interesse prático <ul><li>O tratamento antiviral em pacientes com cirrose compensada pode proporcionar bons resultados. </li></ul>
  26. 26. Cirrose Hepática <ul><li>OBSERVAÇÕES IMPORTANTES </li></ul>É considerada dose elevada de ingestão de etanol, dois ou mais gramas por quilo de peso/dia
  27. 27. Referências bibliográficas - Bonacici M. Diagnosis and management of cirrohis in coinfected patents. J Acquir Immune Defic Syndr 2007; 45:538-46 - Gong Y, Huang Z, Christensen E et al.Am J Gastroenterol 2007; 102: 1799-807 - Mincis M Quando indicar transplante de fígado em pacientes com doença hepática alcoólica (DHA)? Rev Ass Med Brasil 1996; 42:242-4 - Ripoli , Groszmann R, Garcia – Tsao G et al. Hepatic venous pressure gradient predicts clinical descompensation in patients with compensated cirrhosis. Gastroenterology 2007; 133:481-8

×