Aval 8ºano_LP_CRUZ_CE

645 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
645
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aval 8ºano_LP_CRUZ_CE

  1. 1. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA – 2º BIMESTRE Escola: Aluno: Prof.(a) Ano/ Turma: 8º ano Notícia de jornal Fernando Sabino Leio no jornal a notícia de que um homem morreu de fome. Um homem de cor branca, trinta anos presumíveis, pobremente vestido, morreu de fome, sem socorros, em pleno centro da cidade, permanecendo deitado na calçada durante setenta e duas horas, para finalmente morrer de fome. Morreu de fome. Depois de insistentes pedidos de comerciantes, uma ambulância do Pronto Socorro e uma radiopatrulha foram ao local, mas regressaram sem prestar auxílio ao homem, que acabou morrendo de fome. Um homem que morreu de fome. O comissário de plantão (um homem) afirmou que o caso (morrer de fome) era alçada da Delegacia de Mendicância, especialista em homens que morrem de fome. E o homem morreu de fome. O corpo do homem que morreu de fome foi recolhido ao Instituto Médico Legal sem ser identificado. Nada se sabe dele, senão que morreu de fome. Um homem morre de fome em plena rua, entre centenas de passantes. Um homem caído na rua. Um bêbado. Um vagabundo. Um mendigo, um anormal, um tarado, um pária, um marginal, um proscrito, um bicho, uma coisa – não é homem. E os outros homens cumprem deu destino de passantes, que é o de passar. Durante setenta e duas horas todos passam, ao lado do homem que morre de fome, com um olhar de nojo, desdém, inquietação e até mesmo piedade, ou sem olhar nenhum, e o homem continua morrendo de fome, sozinho, isolado, perdido entre os homens, sem socorro e sem perdão. Não é de alçada do comissário, nem do hospital, nem da radiopatrulha, por que haveria de ser da minha alçada? Que é que eu tenho com isso? Deixa o homem morrer de fome. E o homem morre de fome. De trinta anos presumíveis. Pobremente vestido. Morreu de fome, diz o jornal. Louve-se a insistência dos comerciantes, que jamais morrerão de fome, pedindo providências às autoridades. As autoridades nada mais puderam fazer senão remover o corpo do homem. Deviam deixar que apodrecesse, para escarmento dos outros homens. Nada mais puderam fazer senão esperar que morresse de fome. E ontem, depois de setenta e duas horas de inanição em plena rua, no centro mais movimentado da cidade do Rio de Janeiro, um homem morreu de fome. Morreu de fome. (C) o homem não aceitou ajuda de nenhum dos passantes. (D) todas as pessoas manifestavam preconceito em relação ao fato. 02. “Leio no jornal a notícia de que um homem morreu de fome.” , a expressão destacada indica (A) causa. (B) consequência. (C) lugar. (D) tempo. 03. A repetição da expressão “morrer de fome”, quer enfatizar (A) a gravidade do fato. (B) a falta de solidariedade humana. (C) o modo como o homem faleceu. (D) o ponto de vista do cronista. “Um homem que morreu de fome. O comissário de plantão (um homem) afirmou que o caso (morrer de fome) era da alçada da Delegacia da Mendicância, especialista em homem que morrem de fome.” 04. A frase que expressa o significado da explicação (um homem) é (A) o comissário era um homem, não uma mulher. (B) embora fosse um homem poderoso o comissário nada fez. (C) um homem não se julgou responsável pela vida de outro homem. (D) o comissário fez tudo o que pode para o homem não morrer de fome. “Um homem morre de fome em plena rua, entre centenas de passantes. […] Passam, e o homem continua morrendo de fome, sozinho, isolado [...]" 05. O homem está entre centenas de passantes e continua morrendo de fome, sozinho, isolado..., porque (A) ninguém o socorre. (B) ele não quer ajuda. (C) era um homem ruim. (D) queria ficar isolado. “Um homem caído na rua. Um bêbado. Um vagabundo. Um mendigo, uma anormal, um tarado, um pária, um marginal, um proscrito, um bicho, uma coisa ― não é um homem.” As melhores crônicas. Rio de Janeiro: Record, 1997, 9.47-48. 01. A crônica relata a morte de um homem na rua entre centenas de passantes. O fato aconteceu porque (A) As pessoas passavam e agiam como se fosse um fato normal. (B) o homem foi tratado com indiferença por todos que passavam. 06. A afirmativa de que não é um homem é uma conclusão (A) do cronista. (B) do comissário. (C) dos passantes. (D) dos comerciantes.
  2. 2. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 10.”onde acontecem unicamente desastres desgraças”, a palavra destacada indica (A) adição. (C) explicação. (B) alternância. (D) oposição. e Poema tirado de uma notícia de jornal Manuel Bandeira João Gostoso era carregador de feira-livre e morava no morro da Babilônia num barracão sem número. Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro Bebeu Cantou Dançou Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado. Libertinagem (1930). Em: Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007, p. 136. 07. Nesse texto, a expressão “Vigilantes do momento'' foi usada para designar o trabalho dos (A) leitores. (C) escritores. (B) redatores. (D) jornalistas. 08. “Coisa fútil, coisa séria.”, a palavra destacada tem o mesmo sentido de (A) sem utilidade. (C) muito admirada. (B) sem capacidade. (D) muito observada. Os Jornais Rubem Braga Meu amigo lança fora, alegremente, o jornal que está lendo e diz: ― Chega! Houve um desastre de trem na França, um acidente de mina na Inglaterra, um surto de peste na Índia. Você acredita nisso que os jornais dizem? Será o mundo assim, uma bola confusa, onde acontecem unicamente desastres e desgraças? Não! Os jornais é que falsificam a imagem do mundo. Veja por exemplo aqui: em um subúrbio, um sapateiro matou a mulher que o traía. Eu não afirmo que isso seja mentira. Mas acontece que o jornal escolhe os fatos que noticia. O jornal quer fatos que sejam notícias, que tenha conteúdo jornalístico. Vejamos a história desse crime "Durante os três primeiros anos o casal viveu imensamente feliz..." Você sabia disso? O jornal nunca publica uma nota assim: [...] http://blogportugues-cesd.blogspot.com.br/2010/10/os-jornais-rubembraga.html 09. A finalidade principal do texto é (A) narrar um acontecimento. (B) divulgar um produto. (C) fornecer uma informação. (D) instruir comportamentos. 11. As ações de João Gostoso nos faz perceber que ele vivia (A) revoltado. (C) desprezado. (B) acomodado. (D) assustado. 12. João Gostoso se atirou na lagoa porque (A) era carregador de feira-livre. (B) morava no morro da Babilônia. (C) estava bêbado e não viu a lagoa. (D) vivia solitário e por isso suicidou-se. O casal, a morte e o ‘jogging’ Este poderia ser um título da foto publicada no JB de quinta-feira, dia 12 de dezembro, página 26, Cidade. Estarrecedora imagem. Reveladora da pouca importância dada à vida e à morte no mundo que vivemos. Paulo [...] foi atropelado e morto em cima do calçadão da Avenida Senambetiba. Eram três e quinze da tarde. O responsável pelo acidente, Renan [...], tentou fugir, segundo o relato de transeuntes. Não conseguiu porque a roda de sua Parati ficou travada. Renan declarou que o atropelamento, seguido de morte, do engenheiro Paulo, foi uma fatalidade. Seu carro teria sido fechado por um ônibus que o empurrou para o calçadão. Tendo assim, por que tentar fugir? [...] Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 21 dez.1996, Caderno Ideias, p.6. 13.No texto a palavra “Estarrecedora” tem o mesmo sentido de (A) horrorizante. (C) esquisita. (B) vergonhosa. (D) maldosa. 14. De acordo com o texto, o que causou o acidente foi (A) a tentativa de fuga de Renan. (B) a roda do carro ter sido travada. (C) o carro de Paulo ter sido fechado por um ônibus. (D) a pouca importância dada a vida e a morte.
  3. 3. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1 15. A informação de que o responsável pelo acidente tentou fugir foi dada (A) pelos causadores do acidente. (B) pelas pessoas que viram o acidente. (C)pelo Jornal do Brasil que presenciou o acontecimento. (D)pelo engenheiro Paulo que fez algumas declarações.
  4. 4. Avaliações Bimestrais - 2013 – 6º ao 9º ano – 1

×