“A umas saudades”
De Gregório de Matos
Isabela Salomoni Stella Bloise T.
- Desejoso de amor , o eu lírico
personifica o tormento e o padecer
causados pela ausência de seu amor
na figura do mar.
-...
- Apesar dos obstáculos da vida, o amor
do eu lírico não só continua firme
como aumenta cada vez mais.
Ide donde meu amor
...
Conclusão
Por mais que a pena do amor seja ruim, o eu lírico busca senti-la e pensar nela para
que , de algum modo, possa ...
Simbologia
• Mar: simboliza a dinâmica da vida, lugar de nascimento, transformação e
renascimento. Simboliza um estado tra...
Intertextualidade
• Em Algum Lugar do Passado, ( EUA ) 1980 , de Jeannot Szwarc
• Richard é um jovem teatrólogo que recebe...
Intertextualidade
• Em Algum Lugar do Passado, ( EUA ) 1980 , de Jeannot Szwarc
• Richard é um jovem teatrólogo que recebe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Poesia lírica de Gregório De Matos

8.249 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.249
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poesia lírica de Gregório De Matos

  1. 1. “A umas saudades” De Gregório de Matos Isabela Salomoni Stella Bloise T.
  2. 2. - Desejoso de amor , o eu lírico personifica o tormento e o padecer causados pela ausência de seu amor na figura do mar. - Os pensamentos serão levados pelo vento criado pelos suspiros, e navegarão no mar de tristeza do eu lírico, chegando assim aonde este mais quer estar: junto de seu amor. Em o mar do meu tormento em que padecer me vejo já que amante me desejo navegue o meu pensamento: meus suspiros, formai vento, com que me façais ir ter onde me apeteço ver; e diga minha alma assi: Parti, coração, parti, navegai sem vos deter. Análise
  3. 3. - Apesar dos obstáculos da vida, o amor do eu lírico não só continua firme como aumenta cada vez mais. Ide donde meu amor apesar desta distância não há perdido constância nem demitido o rigor: antes é tão superior que a si se quer exceder, e se não desfalecer em tantas adversidades, Ide-vos minhas saudades a meu amor socorrer.
  4. 4. Conclusão Por mais que a pena do amor seja ruim, o eu lírico busca senti-la e pensar nela para que , de algum modo, possa estar mais perto de seu amor. Ele também se entrega aos suspiros, já que são o único meio de se navegar pelo mar da tristeza que sente. Sendo assim, encara-se o sofrimento e a dor como o caminho que levaria o indivíduo à felicidade plena.
  5. 5. Simbologia • Mar: simboliza a dinâmica da vida, lugar de nascimento, transformação e renascimento. Simboliza um estado transitório. • Vento: símbolo de instabilidade e inconstância. • O mar representa dentro do poema um estado de transição entre a angústia e uma possível felicidade decorrente do amor, na qual o eu lírico acredita. O vento por sua vez, demonstra essa instabilidade emocional que é fruto da infelicidade e da inquietação do eu poemático.
  6. 6. Intertextualidade • Em Algum Lugar do Passado, ( EUA ) 1980 , de Jeannot Szwarc • Richard é um jovem teatrólogo que recebe um relógio de bolso de uma misteriosa senhora no dia da estreia de sua peça de teatro. Intrigado, ele pesquisa sobre a senhora, chamada Elise McKenna, e descobre que ela fora uma atriz muito famosa do começo do século. Richard decide testar técnicas de auto-hipnose para viajar no tempo, e acaba por encontrar Elise no passado. Os dois vivem um romance juntos, mas um problema obriga Richard a voltar repentinamente. • Quando se dá conta de que nunca mais verá sua amada, ele cai em demência e, depois de sofrer intensamente, acaba por morrer. Depois da morte, Richard e Elise se reencontram. Relação: A dor das saudades de um amor, por mais penosa que seja, pode levar à felicidade.
  7. 7. Intertextualidade • Em Algum Lugar do Passado, ( EUA ) 1980 , de Jeannot Szwarc • Richard é um jovem teatrólogo que recebe um relógio de bolso de uma misteriosa senhora no dia da estreia de sua peça de teatro. Intrigado, ele pesquisa sobre a senhora, chamada Elise McKenna, e descobre que ela fora uma atriz muito famosa do começo do século. Richard decide testar técnicas de auto-hipnose para viajar no tempo, e acaba por encontrar Elise no passado. Os dois vivem um romance juntos, mas um problema obriga Richard a voltar repentinamente. • Quando se dá conta de que nunca mais verá sua amada, ele cai em demência e, depois de sofrer intensamente, acaba por morrer. Depois da morte, Richard e Elise se reencontram. Relação: A dor das saudades de um amor, por mais penosa que seja, pode levar à felicidade.

×