17º Seminário Regional sobre Cana de Açúcar – STAB Regional SetentrionalOlinda - PE, 16 de abril de 2013Alfred SzwarcA Can...
ECONOMIASUSTENTÁVEL
Economia Sustentável (Economia Verde)Sistema de valores, políticas, ações e práticasdestinado a promover o desenvolvimento...
Fonte: PNUMA, Rumo a Uma Economia Verde, Nairobi , 2011O Caminho para a Economia SustentávelInvestimento de 2% do PIB glob...
Insumos para a Economia SustentávelFontes renováveisProdução localProdução eficienteProdutividade altaMinimizar impactos à...
O IPCC e diversasinstituições e entidadesconcordam que o uso defontes renováveis de energiacom baixo teor de carbonoé uma ...
Combustiveis Fósseis X BiocombustiveisReconhecimento, precificação e contabilização dasexternalidades positivas e negativa...
OPORTUNIDADES &BENEFÍCIOS
*Fonte: http://www.pikeresearch.comMercado Global de BiocombustíveisEstudo da Pike Research*: mercado de biocombustíveis i...
Álcool• etanol 1G• etanol 2G• butanol 2G• metanol 2GDiesel• diesel 2GQAV• QAV 2GBiogás• biogás 1GBiocombustíveis da CanaMa...
Evolução dos BiocombustíveisOferta global de biocombustíveis cresce de 2.5 EJ hoje para 32 EJ em 2050Produção em grande es...
ConvencionalConvencional+2G1 hectare1 hectareCaldo de Cana +MelaçoCaldo de Cana +Melaço + Bagaço +Palha7.000 litros9.500 l...
Etanol: Energia com Baixo Carbono
Veículos Flex Fuel (FF) no BrasilFF: > 90% vendas de veículosleves Otto em 2012Fabricante % modelos &versões FF*1 VW 81,82...
Ciclo de Carbono da CanaDados relativos à emissão de CO2 para cada mil litros de etanol produzido e consumido:Fonte: UNICA...
De 03/2003 a 03/2013 as emissões evitadas de CO2 noBrasil com uso de etanol em veículos Flex são estimadasem cerca de 190 ...
1910ral1921ral1900ral1902ral1905ral1908ral1910ral1913ral1916ral1919ral1921ral1924ral50% 100%NúmerodeinternaçõesPorcentagem...
1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral50% 100%NúmerodemortesprecocesPorcentagem de substit...
1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral50% 100%GastosemUS$milhõesPorce...
Substituição do Diesel pelo Etanol e oImpacto na Saúde Pública da RMSPFonte: Saldiva, P.H. , et al, Etanol e a Saúde, FMUS...
Transporte por Dutos e Hidrovias1300 km de dutos + Hidrovia Tietê-Paraná.Capacidade em 2020: aproximadamente 21 milhões m3...
DESAFIOS & AVANÇOS
Protocolo Agroambiental no ESP10 diretivas técnicas de sustentabilidade1. Redução da queima palha da cana nos canaviais ex...
173 Unidades Agroindustriais158 Certificadas em 201229 Associações de Fornecedores de Cana27 Certificadas em 2012Signatári...
20%30%40%50%60%70%80%90%100%2006 2010 2011 2014 2016 2021PercentualdecanacolhidasemqueimaLei 11.241/02ProtocoloAgroambient...
00010203040506Área de canaplantadaÁrea de canacolhidaÁrea de canabisadaCana Crua Cana Queimahectares(milhões)Comparativo s...
Safra 2006/2007S. J. do Rio PretoP PrudenteSorocabaMaríliaFrancaCampinasFonte: SMA
Safra 2009/2010S. J. do Rio PretoP PrudenteSorocabaMaríliaFrancaCampinasFonte: SMA
2,3 M ha2,4 M ha2,13 M ha1,67 M ha0,14 M ha0,7 M ha0500.0001.000.0001.500.0002.000.0002.500.0003.000.0003.500.0004.000.000...
7531398158120312484289005001000150020002500300035002006/2007 2007/2008 2008/2009 2009/2010 2010/2011 2011/2012NúmerodeColh...
CUMPRIMENTO DO PROTOCOLO - Safra 2011/2012• Metas de Mecanização no Protocolo :- 70% Usinas;- 30% fornecedores de cana;• R...
Matas Ciliares269.977 hectares de mata ciliar declarados pelosetor sucroenergético ao ProtocoloAgroambientalUnidades Agroi...
NascentesMais de 9.288 nascentes declaradas com o compromisso deproteção e recuperação1.760 em áreas próprias das usinas7....
Classes de consumo das Usinassignatárias (m3/ton de cana)%0,7 - 1,0 411,0 - 2,0 40acima de 2 19Consumo de Água nas Agroind...
Vinhaça: Utilização Racional• Uso adequado com dosagens definidas segundo critériostécnicos – Norma CETESB P 4.231• Imperm...
Zoneamento Agroecológico da Cana-de-AçúcarBrasil (2009)Estado de SP (2008)Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Aba...
Comentários FinaisA indústria da cana-de-açúcar evoluiu na área desustentabilidade ambiental.Desafios devem ser gradualmen...
www.unica.com.brObrigado !
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred szwarc (unica)

746 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
746
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred szwarc (unica)

  1. 1. 17º Seminário Regional sobre Cana de Açúcar – STAB Regional SetentrionalOlinda - PE, 16 de abril de 2013Alfred SzwarcA Cana-de-Açúcar e o Meio Ambiente
  2. 2. ECONOMIASUSTENTÁVEL
  3. 3. Economia Sustentável (Economia Verde)Sistema de valores, políticas, ações e práticasdestinado a promover o desenvolvimentosustentável.Mudança de paradigmasPolíticas públicasMelhores PráticasInovação tecnológicaComunicação
  4. 4. Fonte: PNUMA, Rumo a Uma Economia Verde, Nairobi , 2011O Caminho para a Economia SustentávelInvestimento de 2% do PIB global em 10 setores-chave por ano (US$ 1,3 trilhão):EnergiaIndustriaTransportesAgriculturaEdificaçõesSilviculturaPescaTurismoÁguaGestão de resíduos
  5. 5. Insumos para a Economia SustentávelFontes renováveisProdução localProdução eficienteProdutividade altaMinimizar impactos à saúde e aoambiente poluição e impactosglobais reduzidosReciclável, biodegradávelContribuir para a segurançaenergética e alimentarContribuir para o desenvolvimentosocial e econômico
  6. 6. O IPCC e diversasinstituições e entidadesconcordam que o uso defontes renováveis de energiacom baixo teor de carbonoé uma estratégia válida paramitigar as emissões de GEEbiocombustíveisLimites para o Aquecimento GlobalNível Crítico?2012: 393,842011: 391,652010: 389,922009: 387,352008: 385,451959: 315,97Fonte, NOAA, Observatório Mauna Loappm
  7. 7. Combustiveis Fósseis X BiocombustiveisReconhecimento, precificação e contabilização dasexternalidades positivas e negativas (sustentabilidade 3D)Riscos e ImpactosNegativosBenefícios eImpactosPositivosPreçodoproduto+-
  8. 8. OPORTUNIDADES &BENEFÍCIOS
  9. 9. *Fonte: http://www.pikeresearch.comMercado Global de BiocombustíveisEstudo da Pike Research*: mercado de biocombustíveis irácrescer nos próximos 10 anos: de 110 bilhões litros em 2012para 270 bilhões litros em 2021 ( +145% ).Mais de 30 países criaram ou estão em fase de criação deprogramas para uso de energia renovável no transporte.Produção de etanol manterá seu domínio no mercado debiocombustíveis: 187 bilhões litros em 2021 (69% do mercado debiocombustíveis e 13% do mercado de gasolina).Principal força motivadora: sustentabilidade ambiental
  10. 10. Álcool• etanol 1G• etanol 2G• butanol 2G• metanol 2GDiesel• diesel 2GQAV• QAV 2GBiogás• biogás 1GBiocombustíveis da CanaMatérias primas: açúcares, materiais lignocelulosicos(bagaço & palha), vinhaça, microalgas.
  11. 11. Evolução dos BiocombustíveisOferta global de biocombustíveis cresce de 2.5 EJ hoje para 32 EJ em 2050Produção em grande escala de biocombustíveis avançados será vital para atingiresses objetivosFinalenergy(EJ)Fonte: AIE
  12. 12. ConvencionalConvencional+2G1 hectare1 hectareCaldo de Cana +MelaçoCaldo de Cana +Melaço + Bagaço +Palha7.000 litros9.500 litros (1G + 2G,+ 35% curto prazo)Potencial do Etanol 2GMédio/Longo Prazo: potencial para dobrar produtividade atualEmissão evitada pode ultrapassar 95% no curto prazo e nomédio/longo a emissão evitada pode ser negativa (> 100%) !
  13. 13. Etanol: Energia com Baixo Carbono
  14. 14. Veículos Flex Fuel (FF) no BrasilFF: > 90% vendas de veículosleves Otto em 2012Fabricante % modelos &versões FF*1 VW 81,82 Fiat 93,83 Renault 100,04 Peugeot 84,25 Citröen 73,76 GM 76,27 Ford 74,18 Toyota 75,09 Honda 66,710 Nissan 100.011 Mitsubishi 25,012 Hyundai 14,313 Kia 23,014 JAC 16,615 Chery 16,6173 modelos & versões FFdisponíveisUso do Etanol:• Emissão reduzida de CO2• Menor emissão de SOx e MP• Menor toxidez dos COV(*) Baseado em dados publicados na imprensa
  15. 15. Ciclo de Carbono da CanaDados relativos à emissão de CO2 para cada mil litros de etanol produzido e consumido:Fonte: UNICA,Cartilha Etanol. Informações: Isaias Macedo, Unicamp; Joaquim Seabra Unicamp 2008;
  16. 16. De 03/2003 a 03/2013 as emissões evitadas de CO2 noBrasil com uso de etanol em veículos Flex são estimadasem cerca de 190 milhões de toneladas.Equivalente ao efeito de aproximadamente 1,3 bilhão deárvores nativas em um período de 20 anos.Emissões de GEE EvitadasEtanol 2G podemelhorar ainda maisesse benefício !
  17. 17. 1910ral1921ral1900ral1902ral1905ral1908ral1910ral1913ral1916ral1919ral1921ral1924ral50% 100%NúmerodeinternaçõesPorcentagem de substituição da gasolina pelo etanol naRMSPREDUÇÃO NO NÚMERO DE INTERNAÇÕES POR ANOSubstituição da Gasolina pelo Etanol e oImpacto na Saúde Pública da RMSPFonte: Saldiva, P.H. , et al, Etanol e a Saúde, FMUSP, 2010; adaptado e elaborado pelaÚnica.
  18. 18. 1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral50% 100%NúmerodemortesprecocesPorcentagem de substituição da gasolina pelo etanol na RMSPREDUÇÃO NO NÚMERO DE MORTES PREMATURAS POR ANOSubstituição da Gasolina pelo Etanol e oImpacto na Saúde Pública da RMSPFonte: Saldiva, P.H. , et al, Etanol e a Saúde, FMUSP, 2010; adaptado e elaborado pelaÚnica.
  19. 19. 1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral1900ral50% 100%GastosemUS$milhõesPorcentagem de substituição da gasolina pelo etanol na RMSPREDUÇÃO NOS GASTOS COM MORBIDADE E MORTALIDADE POR ANOSubstituição da Gasolina por Etanol e oImpacto na Saúde Pública da RMSPFonte: Saldiva, P.H. , et al, Etanol e a Saúde, FMUSP, 2010; adaptado e elaboradopela Única.
  20. 20. Substituição do Diesel pelo Etanol e oImpacto na Saúde Pública da RMSPFonte: Saldiva, P.H. , et al, Etanol e a Saúde, FMUSP, 2010; adaptado e elaborado pela Única.Redução na mortalidade, morbidade e custos calculada em base anual
  21. 21. Transporte por Dutos e Hidrovias1300 km de dutos + Hidrovia Tietê-Paraná.Capacidade em 2020: aproximadamente 21 milhões m3/anoCO2 evitado: 7 milhões t/anoRedução média nos custos de transporte: 20%Fonte: Logum
  22. 22. DESAFIOS & AVANÇOS
  23. 23. Protocolo Agroambiental no ESP10 diretivas técnicas de sustentabilidade1. Redução da queima palha da cana nos canaviais existentes2. Não utilização da queima em áreas de expansão de canaviais3. Não utilização da queima a céu aberto de resíduos e subprodutosda cana4. Plano técnico de conservação do solo5. Plano técnico de conservação de recursos hídricos6. Proteção e recuperação de matas ciliares7. Proteção e recuperação de nascentes8. Adoção de boas práticas de gestão e uso de defensivos agrícolas9. Controle da emissão de poluentes atmosféricos10. Reuso e reciclagem de resíduos do processamento da cana
  24. 24. 173 Unidades Agroindustriais158 Certificadas em 201229 Associações de Fornecedores de Cana27 Certificadas em 2012Signatárias do ProtocoloAs signatárias do Protocolo são responsáveis poraproximadamente 90 % da produção paulista e 50%da produção nacional de etanolFonte: SMA
  25. 25. 20%30%40%50%60%70%80%90%100%2006 2010 2011 2014 2016 2021PercentualdecanacolhidasemqueimaLei 11.241/02ProtocoloAgroambiental0%10%20%30%40%50%60%70%80%90%100%2007 2010 2011 2016 2017 2021 2026 2031PercentualdecanacolhidasemqueimaLei 11.241/02ProtocoloAgroambientalNota: os pontos destacados nas linhas do gráfico mostram os anos específicos citados na Lei ou no Protocolo.Eliminação da queima em áreas mecanizáveisEstado de São PauloEliminação da queima em áreas não mecanizáveisEstado de São PauloProtocolo Agroambiental
  26. 26. 00010203040506Área de canaplantadaÁrea de canacolhidaÁrea de canabisadaCana Crua Cana Queimahectares(milhões)Comparativo safrasSafra 06/07 Safra 07/08 Safra 08/09 Safra 09/10 Safra 10/11 Safra 11/121,112,130,13,243,345,44,793,121,670,05 34,2%65,8%34,8%65,2%3,964,434,914,983,794,723,924,342,102,622,421,921,77 1,911,992,02Equivalente a40% da área decana da ÍndiaResultados do Protocolo AgroambientalÁrea equivalente a 3cidades de São PauloFonte: SMA
  27. 27. Safra 2006/2007S. J. do Rio PretoP PrudenteSorocabaMaríliaFrancaCampinasFonte: SMA
  28. 28. Safra 2009/2010S. J. do Rio PretoP PrudenteSorocabaMaríliaFrancaCampinasFonte: SMA
  29. 29. 2,3 M ha2,4 M ha2,13 M ha1,67 M ha0,14 M ha0,7 M ha0500.0001.000.0001.500.0002.000.0002.500.0003.000.0003.500.0004.000.0004.500.000Safra2006/2007Safra2007/2008Safra2008/2009Safra2009/2010Safra2010/2011Safra2011/2012Totalárea que poderia ser queimada conforme a Lei 11.241(ha) área efetivamente queimada (ha)área que se deixou de queimar4,5M ha*Deixou deemitir 2,7milhões detoneladas deCO2 eDeixou deemitir 16,7milhões detoneladas depoluentes**Área(hectares)Ganhos Ambientais no Estado SP** Monóxido de Carbono, Hidrocarbonetos e Material Particulado* Área total que se deixou de queimar desde o início do Protocolo em 2007~ 47 mil ônibuscirculando durante1 anoFonte:SMA
  30. 30. 7531398158120312484289005001000150020002500300035002006/2007 2007/2008 2008/2009 2009/2010 2010/2011 2011/2012NúmerodeColhedorasSafraNúmero de Colhedoras de Cana noProtocolo AgroambientalFonte: SMA
  31. 31. CUMPRIMENTO DO PROTOCOLO - Safra 2011/2012• Metas de Mecanização no Protocolo :- 70% Usinas;- 30% fornecedores de cana;• Realizado:- 81,3 % nas Usinas;- 24,2% nos Fornecedores;Fonte: SMA
  32. 32. Matas Ciliares269.977 hectares de mata ciliar declarados pelosetor sucroenergético ao ProtocoloAgroambientalUnidades Agroindustriais 207.507 haFornecedores de cana 62.470 haFonte: SMA
  33. 33. NascentesMais de 9.288 nascentes declaradas com o compromisso deproteção e recuperação1.760 em áreas próprias das usinas7.528 em áreas de fornecedores de canaFonte: SMA
  34. 34. Classes de consumo das Usinassignatárias (m3/ton de cana)%0,7 - 1,0 411,0 - 2,0 40acima de 2 19Consumo de Água nas AgroindústriasFonte: SMA
  35. 35. Vinhaça: Utilização Racional• Uso adequado com dosagens definidas segundo critériostécnicos – Norma CETESB P 4.231• Impermeabilização (tanque e canais);• Monitoramento; plano anual de aplicação; análise de soloe da vinhaça; distanciamento de poços, núcleospopulacionais etc.
  36. 36. Zoneamento Agroecológico da Cana-de-AçúcarBrasil (2009)Estado de SP (2008)Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento,(2009) e Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (2008)ZONEAMENTO NACIONAL1. Cana-de-açúcar proibida nos biomas mais sensíveis - Amazônia, Pantanal e BAP. Proibidoexpansão com desmatamento sobre vegetação nativa (Cerrados, Campos, etc.)2. Área apta para o cultivo: 64,7 milhões de hectares ou 7,5% do território nacional(atualmente apenas 0,9% do território é cultivado com cana)3. Diversas correções e revisões ainda se fazem necessárias.63% da cana
  37. 37. Comentários FinaisA indústria da cana-de-açúcar evoluiu na área desustentabilidade ambiental.Desafios devem ser gradualmente vencidos.Relatórios de sustentabilidade (Ex., GRI) e certificaçãoambiental (Bonsucro etc.) são ferramentas de gestãoempresarial e possibilitam acesso a diversos mercados.O reconhecimento das vantagens ambientais dosprodutos da cana deve ser convertido em incentivospromovidos por políticas públicas visando a evolução dacultura e a competitividade de seus produtos.
  38. 38. www.unica.com.brObrigado !

×