Soluções criativas que eliminam o seu problema de poluição.

290 visualizações

Publicada em

Catálogo em português com os produtos Spraying Systems do Brasil para abatimento de pó.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
290
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Soluções criativas que eliminam o seu problema de poluição.

  1. 1. Soluções criativas que eliminam o seu problema de poluição.
  2. 2. 32 A Spraying Systems desenha e fabrica bicos de pulverização, controles e sistemas automáticos de pulverização bem como acessórios, manifolds, lavadores de tanques e lanças injetoras. A Spraying Systems conta com engenheiros de vendas que atendem todas as regiões do país. Nosso diferencial não está apenas na tecnologia envolvida na fabricação dos bicos e sistemas precisos, mas na consultoria técnica especializada e nos serviços oferecidos aos clientes como análises de pulverização, testes de desempenho, protótipos e estudos de comportamento de pulverização antes de partidas de novas aplicações. Líder mundial em Tecnologia de Pulverização precisa há mais de 75 anos PULVERIZAÇÃO SUPERIOR. RESULTADOS SÉRIOS. Metodologia Spraying Systems Cerca de 2 bilhões de toneladas de poluição são liberadas anualmente na atmosfera em todo o mundo pelas atividades humanas. Um dos principais efeitos negativos da poluição atmosférica é o fato de que, a cada ano, mais de 1.152.000 pessoas no mundo falecem prematuramente pela exposição repetida à poluição. Melhorando a qualidade do ar e reduzindo os efeitos negativos da poluição, as pessoas podem viver uma vida melhor e mais longa. A poeira é, de modo geral, definida como pequenas partículas sólidas criadas a partir da quebra de partículas maiores. Dependendo do tamanho, as partículas podem se tornar um problema de saúde, principalmente quando estão suspensas no ar. A fim de atender às exigências das legislações ambientais e livrarem-se de pesadas multas e penalidades por infrações de emissões, as empresas que têm processos produtivos geradores de poeira, cada vez mais investem em sistemas eficientes de abatimento e controle de pó. Como funcionam os Sistemas de Controle? O fator mais óbvio influenciando a poluição atmosférica é a quantidade de contaminantes emitida. Duas das mais importantes condições atmosféricas afetando a dispersão de poluentes são: (1) a força do vento e (2) a estabilidade do ar. A poeira é criada quando o ar passa por uma pilha de material em movimento ou processamento. Com um vento constante, as partículas menores (abaixo de 50mm) podem permanecer suspensas por longos períodos e se movimentar por longas distâncias. Diagnosticar a Oportunidade Prescrever e Desenvolver a Solução Preparar Plano e Definir Métricas Entregar e Implantar a Solução Provar & Celebrar “Nós não herdamos a Terra de nossos pais, estamos emprestando-a aos nossos filhos” (Lester R. Brown) Por que investir em sistemas de abatimento e controle de pó? O que é uma partícula fugitiva? Partículas fugitivas podem ser definidas como sendo partículas sólidas predominantemente maiores que partículascoloidaiseusualmentemenoresque62mícron. Problemas com partículas fugitivas vêm sendo uma séria preocupação para as indústrias há vários anos. Tamanho das Partículas Utilizando uma visão da engenharia, podemos classificar as partículas em quatro tamanhos: Classificação Tamanho Extremamente Fino 50% estão entre 0.5 e 2.0 µm Fino 50% estão entre 2.0 e 7.0 µm Médio 50% estão entre 7.0 e 15.0 µm Grande 50% estão entre 15 e 50 µm Métodos de Controle de Poeira Prevenção (Mecânico): sistemas configurados para minimizar a geração de poeira. Contenção (Mecânico): instalação de mecanismos para assegurar que todas as partículas geradas sejam mantidas confinadas. Supressão e/ou Capturação de Poeiras (Água e Produtos Químicos): pulverizadores, espuma e névoa são utilizados para capturar qualquer partícula formada e aumentar o peso dessas partículas. Coletores (Mecânico): Equipamentos coletores de poeira que utilizam o princípio de ventilação para capturar a corrente de poeira, afastar da fonte geradora e canalizar até equipamentos coletores.
  3. 3. 54 Velocidade da Gota Normalmente, as maiores velocidades de gota são desejáveis para ambos os sistemas de controle de poeira por meio de via úmida. Distribuição de Pulverização Os bicos são classificados conforme a distribuição de pulverização que produzem: • Bicos tipo Jato Sólido • Bicos tipo Jato Cone Oco • Bicos tipo Jato Leque • Bicos Atomizadores Ângulo de Pulverização Cada bico apresenta um ângulo de pulverização característico. O ângulo de pulverização normalmente é fornecido pelo fabricante. O conhecimento do ângulo de pulverização e da distribuição é essencial para determinar a área de cobertura e o número total de bicos necessários. Vazão A vazão de líquido produzida pelo bico depende da pressão de operação. A vazão e pressão de operação estão relacionadas em função de um fator K (para cada tipo de bico) e da raiz quadrada da pressão. O conhecimento da vazão de cada bico é necessário para determinar a porcentagem de umidade que pode ser adicionada ao material. Considerações de Operação Entender as propridades do material causador da poeira vai: • Determinar quanto de umidade adicionar • Determinar se aditivos são necessários Considere o estágio de processamento - materiais reagemdiferentementeantesedepoisdeprocessados. O material está em movimento ou parado? Se em movimento, tamanho de gota e velocidade são importantes. Se parado, tamanho de gota e ângulo de pulverização são importantes. Bicos atomizadores produzem os menores tamanhos de gota, seguidos pela atomização fina, jato cone oco, jato leque e bicos jato cone cheio. • As pressões mais elevadas produzem gotas menores e pressões mais baixas produzem gotas maiores • Bicos de baixa vazão produzem as menores gotas e bicos de vazão mais elevada produzem as maiores gotas • A velocidade da gota está relacionada ao seu tamanho. Pequenas gotas podem ter uma velocidade inicial mais elevada, mas a velocidade diminui rapidamente. Já gotas maiores mantêm a velocidade por um tempo maior e se deslocam mais. O básico sobre tamanho de gota Menor tamanho de gota Bico atomizador Atomização fina Cone Oco Leque Cone Cheio Maior tamanho de gota Se você seguir os três primeiros métodos corretamente, não será necessário o quarto, com custo mais elevado. Controle de poluição via úmida Supressão de Poeira: Suprimindo a poeira antes de tornar uma partícula em suspensão. Abatimento de partícula em suspensão: Captura e abatimento das partículas fugitivas. Projeto de um sistema de Pulverização utilizando água O bico é o coração de um sistema de pulverização. Consequentemente, as características físicas da pulverização são críticas. Fatores como tamanho de gota, distribuição, velocidade, padrão e ângulo de pulverização, vazão e pressão de água dependem do modelo de bico selecionado. A seguir alguns detalhes referentes a esses fatores: Tamanho do Particulado/ tamanho de gota A eficiência da captura do particulado depende da taxa entre o tamanho de gota e o tamanho do particulado de poeira. A distribuição de gotas produzidas pelo bico é uma variável muito importante para controle de poeira. O tamanho da gota diminui conforme o aumento da pressão de operação. Informações referentes ao tamanho de gota em diferentes pressões podem ser obtidas pelos fabricantes de bicos. Para sistemas de supressão via úmida são recomendadas gotas grandes (200-500); Para sistemas de captura de partículas fugitivas são recomendadas gotas muito finas (10-150 gm); Gotas finas geralmente são produzidas por bicos atomizadores pneumáticos com utilização de ar comprimido ou hidráulicos, com a utilização de bombas de alta pressão para quebrar o líquido em pequenas gotas. 0 500 1000 1500 2000 2500 3000 1 15151 101 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Volume% Contagem Diâmetro da gota DV0.5 (34.6 µm) DV0.5 é o diâmetro mediano de volume, que também é conhecido como DMV. DV0.5 é um valor em que 50% do volume total de líquido pulverizado é formado por gotas com diâmetros maiores do que o valor da mediana e 50% menores do que o valor médio. 54 Entendendo o papel do tamanho de gota Tamanho de gota refere-se ao tamanho de cada gota que compõe o padrão de pulverização de um bico. Esta escala é a distribuição de tamanho de gota. Veja a figura ao lado. Muitos fatores podem afetar o tamanho de gota: as propriedades dos líquidos, capacidade do bico, a pressão e o ângulo de pulverização.
  4. 4. 76 Onde está a poeira? Turbulência do ar influencia especialmente a supressão de pó. Pode-se precisar de enclausuramento. Requisitos de água As taxas de aplicação de água devem ser ajustadas de acordo com as condições de tempo e material para adicionar o mínimo. Não é necessário encharcar o material para o controle de pó. O objetivo é manter a umidificação da superfície a um nível em que a poeira não se torne um problema. Por exemplo: para cada 1% de umidade adicionada em carvão,háumapenalidadetérmicadede26.400BTU/ton. Tamanho de partícula As partículas finas precisam de mais água para controle do que partículas maiores. Apoeiraeasgotasdevemsercomparáveisemtamanho. Oobjetivoéacolisão,demaneiraqueagotacaptureapoeira. Tamanho de partículas típico (em microns) • Negro de carbono: 0,01 a 0,3 µm • Poeira: 1 a 100 µm • Poeria de cimento: 3 a 100 µm • Carvão pulverizado: 3 a 500 µm • Cinzas: 10 a 200 µm • Limestone moída: 10 a 1000 µm A maioria das operações combinará dois métodos para se tornar eficaz no controle de poeira: Prevenção da Suspensão da Partícula: alcançada direcionando o jato de água direto no material para prevenir o levantamento de pó. Supressão da Partícula Suspensa: feita por meio do direcionamento do jato na nuvem de poeira dispersa em algum processo. Sistemas via úmida: Hidráulico: Utiliza somente água, obtendo tamanhos de gota no range 50-400µm. Atomizado a ar: Utiliza ar comprimido com o objetivo de reduzir o tamanho das gotas. Surfactante: Utilizado em aplicações nas quais é necessária a redução da tensão superficial da água, obtendo gotas ainda menores e economizando água. Dry Fog: Utilizados em aplicações com particulados extremamente finos. Espuma: Utilizado quando se deseja um efeito residual da espuma no controle da poeira. Cartucho: Em aplicações em que o material do processo não tolera água, pode-se utilizar a tecnologia de abatimento a seco do tipo “filtro cartucho”. Prós econtras de cada tecnologia: TIPO VANTAGENS DESVANTAGENS Água • Baixo custo. • Simples para projetar e operar. • Efeito da deriva é limitado. • Não pode ser usada com alguns materiais sensíveis a água. • Alguns materiais repelem água. • Não pode ser usada em temperaturas baixas. • Necessita de maior volume. • Excesso de umidade é comum. • Quando a água evapora, é necessário refazer a aplicação. Agentes Surfactantes • Mais eficiente do que somente a água. • Eficiência equivalente com menor consumo de água. • Não pode ser usado com todos os materiais. • O material é contaminado com surfactantes. • Maior custo com investimento, operação e manutenção. Espuma • Maior eficiência quando é possível obter um contato adequado da espuma com o material. • Aumento da umidade é baixo. • O material é contaminado com espuma. • Ar comprimido é normalmente necessário. • Maiores custos com investimento, operação e manutenção. Adesivos • Elimina a necessidade de nova aplicação. • Maior eficiência em múltiplos pontos de transferência. • Pode causar problemas de produção e danos aos bicos e aos equipamentos. • Maior custo com investimento, operação e manutenção. Hidráulica • Instalação simples. • Baixos custos operacionais. • Ar comprimido não é necessário. • Padrões de jato – cone oco e cone cheio. • Operação em alta pressão aumenta o consumo de energia elétrica e o desgaste da bomba. • Qualidade da água é crítica – pequenos orifícios são propensos a obstrução e requerem maior manutenção. • Mais adequado para utlizações em áreas fechadas com pouca turbulência. Pneumática • Tamanho de gota menor. • Maior passagem e menor entupimento. • Padrões de jato - cone oco, cheio ou leque. • Gasto com ar comprimido. • Injeção de ar adicional na área – aumento da velocidade pode gerar maior quantidade de poeira. • Mais adequado para utilização em áreas fechadas com pouca turbulência. Sistema a seco:
  5. 5. 98 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 %Água 0,08% 0% 0,1% 0,4% 0,5% 0,6% 0,8% Tecnologia vs. Quantidade de Água Adicionada (%) Dry FogFiltro Cartucho Espuma Atomizado com Surfactante Atomizado Hidráulico com Surfactante Hidráulico A QUANTIDADE DE ÁGUA ADICIONADA PODE SER UM FATOR DE RESTRIÇÃO NA ESCOLHA DA TECNOLOGIA. CONFIRA A TABELA ABAIXO PARA SABER O QUANTO DE ÁGUA CADA TIPO ADICIONA AO PROCESSO. OTROS FACTORES IMPORTANTES EN LA ELECCIÓN DEL SISTEMA SON LOS COSTOS DE OPERACIÓN Y DE INVERSIÓN. CONSULTE LA TABLA SIGUIENTE PARA UNA COMPARAR LAS TECNOLOGÍAS: Hidráulico Hidráulico com Surfactante Atomizado com Surfactante Atomizado Dry Fog Filtro Cartucho Espuma Despesa Operacional vs. Investimento Investimento DespesaOperacional Como selecionar o sistema adequado para a sua necessidade? Cada processo produtivo provoca a geração de particulado com tamanhos diferentes. A eficiência de um sistema de controle de poeira está diretamente relacionada à escolha do tamanho de gota adequado para cada particulado e a consequente escolha do bico de pulverização certo para produzir o tamanho de gota correto. A Spraying Systems tem um extenso conhecimento na escolha do tamanho de gota adequado para o controle de poluição do seu processo e na especificação dos bicos pulverizadores para produzir o tamanho de gota desejado. Esse é o nosso diferencial. Temos mais de 90.000 tipos de bicos. Veja Tabela de referência Bico Pulverizador vs. Tamanho de Gota (contra-capa deste material). A Spraying Systems domina todas as tecnologias de controle de poeira via úmida, além do sistema a seco por filtro cartucho. Como capturar a poeira? Capturar as partículas de poeira com spray de água é mais efetivo em áreas com pouca turbulência de ar. Dependendo do ambiente, enclausuramentos podem ser necessários. Se o diâmetro da gota é maior do que o da partícula de pó, a partícula de pó seguirá a corrente de ar em volta da gota (mostrado a esquerda). Se o diâmetro da gota e o diâmetro da partícula forem compatíveis, a partícula de poeira seguirá a corrente de ar e colidirá com a gota. Partícula de poeira Gota Spray Gota Spray Partícula de poeira Seco Filtro Cartucho Material Hidráulico Atomizado Dry Fog Surfactante Atomizado Surfactante Hidráulico Via Úmido Umidade Aceitável? Produto Químico Aplicável? Necessário Ar Comprimido? Necessário Ar Comprimido? Espuma Sim Não Não NãoNão Sim Sim Sim Siga o fluxograma para facilitar o seu processo de escolha
  6. 6. 1110 Efeitos negativos da escolha inadequada de tecnologia A escolha da tecnologia ou um projeto inadequado (bicos incorretos, posicionamento, arranjo, etc.) pode levar a efeitos colaterais indesejados, como os exemplos abaixo. Efeito Residual de Lama (V.S.R) Quando ocorre a pulverização de névoa em pontos de transferência, sem um controle total, somente uma pequena quantidade dessa névoa entra em contato com a poeira, jogando-a para o material que está sendo transportado. As partículas maiores restantes umedecem a superfície interna das rampas, chutes de transferência, etc. Esta poeira acumulada entra em contato e adere na superfície e – num pequeno espaço de tempo – desenvolve um considerável acúmulo de lama. Com o passar do tempo este acúmulo torna-se volumoso e cai devido ao seu próprio peso. Este material cai sobre a correia transportadora misturando-se com o material que já está sendo transportado. Excesso de água Causa alterações no processo produtivo como: aumento de peso do material a ser transportado, penalidades térmicas, maior frequência nas manutenções de equipamentos, etc. Excesso de poeira Ocasiona principalmente problemas de saúde dos trabalhadores e poluição ambiental, tendo como consequência multas com órgãos reguladores. 1. Redução da limpeza da área 2. Redução de paradas para manutenção 3. Redução de acúmulo de material nos equipamentos da planta 4. Redução na perda de material e receita 5. Diminuição no consumo de água 6. Controle da taxa de umidade máxima 7. Responsabilidade sócio ambiental Benefícios de um controle efetivo da emissão de partículas em suspensão VSR Umidificação de Pilhas: Canhões automáticos substituem métodos tradicionais de controle de dispersãodematerial,nãoformandopoçasnemcausandoaerosãodapilha e pulverizando somente quando necessário. Permitem livre movimentação de outras máquinas na área, podendo ser usados em mais de uma pilha. Nossos Produtos de Abatimento de Pó Opção de Controle do Sistema: Um sistema especial pode ser fornecido para controlar a pulverização (quantidade de água), dependendo das condições meteorológicas e de materiais. O sistema oferece as seguintes funções: • Monitora o clima local e calcula o potencial de secagem das superfícies das pilhas. • Usa previsões de 12 horas para agendar funcionamentos especiais, aumentando a pulverização com água antes de uma geada, ou desativar os equipamentos no caso de uma tempestade. • O sistema incorpora o software K-System que é baseado em um índice denominado Fator K, que é usado para determinar quando e quanta água deve ser pulverizada sobre as pilhas para controlar as emissões de poeiras fugitivas (quantidade de água), dependendo das condições meteorológicas e de materiais. O fluxo de informação no sistema
  7. 7. 1312 Mining Kit: Versátil sistema criado pela Spraying Systems do Brasil, indicado para projetos que não exijam complexos sistemas automatizados. Atende à resolução 003 do CONAMA para abatimento ou supressão de pó com uma solução completa, de fácil montagem e manutenção, que pode ser feita pela própria empresa. Pode ser instalado em moegas, britadores, descargas de transferência de correia com chute, formação de pilhas e descarga com trippers, silos e peneiras vibratórias. O Mining Kit usa os bicos Veejet, Unijet e FogJet, dependendo do caso de despoeiramento e não usa compressor de ar nem surfactante. 5 chaves para um abatimento e controle de pó efetivos • Tamanho e Cinética da Partícula • Aplicação da Umidade Corretamente • Escolha do Padrão de Jato e Tipo de Bico Correto • Posicionamento Correto dos Bicos • Manutenção Adequada dos Equipamentos Pontos de Transferência: Controle de poeira para pontos de transferência de correia com chute. 12 Versão Completa - Sistema automatizado e enclausurado com painel elétrico NR 12, sensor de presença de caminhão, sensor de carga de britador, tanque de 1.000 litros com sensor de nível, válvulas elétricas para acionamento dos pontos de aspersão, manifolds e bicos adequados ao processo. Trommels: A alimentação de material num tambor trommel causa poeira considerável dentro do tambor e na parte de baixo pelo material que cai. O uso de um sistema de supressão por Dry Fog com bicos de pulverização dentro do tambor e na entrada, fornece proteção do ar movimentado ao redor e permite a aglomeração do material enquanto este se movimenta no processo. Bicos de pulverização adicionais podem ser colocados na saída do tambor e/ou na parte de baixo do coletor para aumentar a supressão dasnuvensdepoeira,principalmentequandomaterialexcessivamente seco está sendo processado. Versão Básica - Sistema de aspersão compacto, sem enclausuramento, tem painel elétrico NR 12 para acionamento local, válvulas manuais para abertura e fechamento de pontos de abatimento, manifolds e bicos adequados ao processo. Opcional: reservatório externo de 1.000 litros. Stacker e/ou Reclaimer: Neste sistema, os jatos de água (dotados de tamanho de gota compatíveis com o particulado) provocam a aglomeração das partículas de pó que precipitam na roda da recuperadora e nos chutes da roda e de descarga, devido ao acréscimo de seu peso próprio. Ao mesmo tempo, a umidificação do material diminui a quantidade de pó desprendido nos pontos de transferência. Portanto, o Sistema de Aspersão não gera lama, pois se pulveriza apenas a vazão suficiente para uma boa captação do pó sem a aspersão direta sobre a correia transportadora. Esquema ilustrativo sistema fechado Esquema ilustrativo sistema aberto
  8. 8. 1514 Carregador e Descarregador de Navios: Tecnologia que minimiza a dispersão da gota e do material no ar causada pela ação dos ventos, evitando emissão para o meio ambiente e perda de produto. Virador de Vagão: Cobertura ideal que evita dispersão no processo de descarga (rolagem) durante o giro do virador. Aplicável em viradores duplos. Cobertura de Vagão: Reduz a dispersão de pó e desperdício de matériaprimaduranteotransportedecargas e aumenta a rentabilidade. Secagem rápida: não gera lama e não compromete o produto. Libera o vagão mais rápido, pois dispensa colocação de lona. Lavador de Chassi e Pneu: Atende à resolução 293 do Contran. Evita a dispersão de materiais no deslocamento, com lavagem externa de chassi e pneus. Sistema projetado para reaproveitar até 80% da água utilizada em menor tempo que os métodos tradicionais. A manutenção periódica dos sistemas de pulverização é fundamental para manter a eficiência. Storage Sheds: O armazenamento de materiais é usualmente feito com uma carregadeira móvel que despeja material em várias direções. Em tais condições, o método mais prático de supressão de pó é montar bicos pulverizadores no teto. Esses bicos produzem um tamanho de gota de 5 microns que evapora no ar ao redor, sem cair no nível do chão, molhando a área de operação. O fluxo é mínimo, com 8 litros / hora por bico - ou 2,5ml por segundo (meia colher de chá), algo quase desprezível. Devido ao fluxo baixo e tamanhos de gota micro finos, a neblina pode ser chamada de seca. Isso facilita para que os bicos se mantenham constantes durante o processo, fazendo com que o custo benefício seja muito bom. Filtros Cartucho: É utilizado em aplicações nas quais se necessita eficiência mais elevada, sendo utilizados enclausuramentos que possibilitam a retirada da poeira em suspensão por meio de coletores e filtros. Umidificação de rodovias: Equipamento para umidificar as rodovias onde o transporte é feito, minimizando a geração de poeira com a passagem de veículos. Manifolds com bicos de pulverização instalados em caminhão pipa. Com válvula de controle manual de acionamento dos bicos. 15
  9. 9. 16 Melhore a produção e o ambiente de trabalho, elimine desperdícios e adeque-se às normas ambientais. Entre em contato e solicite um estudo personalizado para sua empresa. Confira os vídeos das nossas soluções para abatimento e controle de pó: 11 2124-9500 www.spray.com.br 1 - Tamanho de partícula por bico de pulverização 2 - Teste de Laboratório a 40 PSIG usando análise de partículas por imagem 1000 microns = 1 milímetro Abaixo de 0,1 mícrons, as partículas ficam suspensas no ar devido ao choque molecular (Brownian Motion) 20 40 60 80 100 200 4000 5 6 1 4 6 10 14 18 26 0017 0025 0017 0025 0050 01 02 1/4J 1/2J 1J VeejetsouUnijets Tamanhos WhirlJet Tamanhos Atomização Hidráulica Tamanhos 15º Tamanhos 50º Tamanhos 95º Tamanhos FullJet Dry Fog Tamanhos Atomizadores a Ar Range de tamanho de partículas (Microns) Volume Mediano Comparativo em relação ao tamanho de partícula Tempo para que a partícula caia 3,04 metros Segundos 100 a 50 50 a 10 20 a 2.0 1.0 a .01 .01 a .001 Abaixo de .001 Chuva enevoada Neblina molhada Dry Fog Vapor Fumaça Dimensões Moleculares 11 40 40 1020 1020 25400 Suspenso no ar ------ Tabela de Bico vs. Tamanho de Gota

×