Inadimplência do consumidor em novembro registra alta de 3,37%

284 visualizações

Publicada em

Contas atrasadas de serviços de comunicação e de água e luz foram as
maiores responsáveis pelo crescimento da inadimplência no mês de novembro

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
284
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inadimplência do consumidor em novembro registra alta de 3,37%

  1. 1. Inadimplência do consumidor em novembro registra alta de 3,37%, aponta SPC Brasil Contas atrasadas de serviços de comunicação e de água e luz foram as maiores responsáveis pelo crescimento da inadimplência no mês de novembro A quantidade de pessoas físicas inadimplentes registradas no banco de dados do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) no mês de novembro aumentou 3,37%, em relaç ão a novembro do ano passado. Na c omparaç ão mensal ― ou seja, em relação a outubro deste ano ―, o número de pessoas c om dívidas em atraso apresentou uma tímida alta de 0,06%. Por conta deste resultado, o número total de inadimplentes registrados em serviços de proteção ao crédito em todo o Brasil se manteve o mesmo registrado em outubro: em torno de 55 milhões de pessoas. Pessoas Inadimplentes Variação anual (contra mesmo mês do ano anterior) Dívidas em atraso Em novembro, o número de dívidas em atraso registradas nas bases do SPC Brasil cresceu 3,53%, em relação a novembro de 2013. Na base de comparação mensal, o indicador registrou uma pequena alta de 0,17%, o que representa uma leve aceleração em relação à variação apurada em outubro (0,06%). Com relação ao tempo de atraso das dívidas em novembro, as altas mais expressivas foram registradas para as pendências atrasadas entre 181 e 360 dias. A alta anual deste segmento no indicador de pessoas inadimplentes foi de 8,97%, e no de quantidade de dívidas, de 9,04%, também em relação ao mesmo período do ano passado. Para este último indicador, também houve forte aceleração das pendências em atraso entre três e cinco anos: uma variação de 10,07%.
  2. 2. Crescem atrasos de telefone, água e luz O segmento de comunicação foi aquele que apresentou a maior alta anual na quantidade de dívidas em atraso: 14,59%. Esta foi a maior variação registrada pelo setor desde março do ano passado. O segundo maior aumento foi registrado com as pendências ligadas a serviços de água e luz. A alta foi de 11,07%, em desaceleração aos 12,46% registrados no mês anterior. Dentro deste segmento foram as contas de água e esgoto as que impulsionaram o crescimento: a alta foi de 11,74%, enquanto o outro item deste grupo ―ele tric idade e gás ― c resc eu somente 7,81%. Já as dívidas relativas ao comércio foram as únicas que mostraram retração na base de comparação anual: uma variação de -0,28%. Número de pessoas inadimplentes Os economistas do SPC Brasil explicam que apesar da alta de 3,37% em novembro, é possível observar uma trajetória de desaceleração no número de pessoas com dívidas em atraso a partir de agosto de 2014. O resultado da comparação ano a ano representa a menor variação para meses de novembro desde o início da série histórica. Na comparação mensal, o comportamento de alta com viés menos acelerado também se repete: apesar da ligeira alta de 0,06%, o número de pessoas com dívidas em atraso no banco de dados do SPC é o menor desde novembro de 2011. Pessoas Inadimplentes Variação mensal (contra mês imediatamente anterior) Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, apesar de o crescimento menos acelerado da inadimplência ser, em essência, positivo, as explicações para esta tendênc ia pertenc em ao c ampo das más notíc ias. “Os dados da atual conjuntura econômica são unânimes em apontar fraqueza da economia, em especial da confiança do consumidor, que tem se deparado com inflação elevada e taxas de juros em patamar alto. Esses fatores explicam o crescimento recorrente da inadimplênc ia em relaç ão ao que se viu em 2013”, explica. Além disso, segundo
  3. 3. a economista, a desaceleração da inadimplência tem relação, em parte, com a diminuiç ão da c onc essão de c rédito a partir do ano passado. “Com menos financiamento no mercado, há menos dívidas a serem pagas e, portanto, menor inadimplênc ia”, disse. Baixe a série histórica e a análise completa do indicador do SPC Brasil. Informações à imprensa Guilherme de Almeida (61) 8350 3942 guilherme.dealmeida@inpressof icina.com.br Vinícius Bruno (11) 3251-2035 | (11) 9-7142-0742 | (11) 9-4161-6181 vinicius.bruno@inpressoficina.com.br

×