UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA
CURSO DE MEDICINA
MICROBIOLOGIA
RESUMO CRÍTICO DO ARTIGO PREVALENCE OF
NEWBORN BACTERIAL...
2
MARINA SOUSA DA SILVA E REBECA ALEVATO
DONADON
RESUMO CRÍTICO DO ARTIGO PREVALENCE OF
NEWBORN BACTERIAL MENINGITIS AND S...
3
SUMÁRIO
C
CONCLUSÃO........................................................................................................
4
1. INTRODUÇÃO
O artigo Prevalence of Newborn Bacterial Meningitis and Sepsis During the
Pregnancy Period for Public Heal...
5
2. METODOLOGIA
O estudo apresenta natureza tranversal e inclui apenas os recém-nascidos
com meningite bacteriana ou seps...
6
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
Dos 72 registros médico analizados, apenas 13 apresentavam meningite
bacteriana e sepse. Desse...
7
4. CONCLUSÃO
A discussão é enriquecida pela integração e comparação do estudo com
outros trabalhos, por mostrar a relevâ...
8
5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Manual para apresentação de
trabalhos acadêmicos. Brasí...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Microbiologia trabalho final

1.567 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.567
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Microbiologia trabalho final

  1. 1. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE MEDICINA MICROBIOLOGIA RESUMO CRÍTICO DO ARTIGO PREVALENCE OF NEWBORN BACTERIAL MENINGITIS AND SEPSIS DURING THE PREGNANCY PERIOD FOR PUBLIC HEALTH CARE SYSTEM PARTICIPANTS IN SALVADOR, BAHIA, BRAZIL Autoras: Marina Sousa da Silva e Rebeca Alevato Donadon Professor: Guy de Capdeville Brasília - DF 2010
  2. 2. 2 MARINA SOUSA DA SILVA E REBECA ALEVATO DONADON RESUMO CRÍTICO DO ARTIGO PREVALENCE OF NEWBORN BACTERIAL MENINGITIS AND SEPSIS DURING THE PREGNANCY PERIOD FOR PUBLIC HEALTH CARE SYSTEM PARTICIPANTS IN SALVADOR, BAHIA, BRAZIL Trabalho final da disciplina de Microbiologia para graduação em Medicina na Universidade Católica de Brasília. Professor: Guy de Capdeville Brasília 2010
  3. 3. 3 SUMÁRIO C CONCLUSÃO..............................................................................................................................................................7 I INTRODUÇÃO............................................................................................................................................................4 M METODOLOGIA..........................................................................................................................................................5 R REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.................................................................................................................................8 RESULTADOS E DISCUSSÃO.......................................................................................................................................6
  4. 4. 4 1. INTRODUÇÃO O artigo Prevalence of Newborn Bacterial Meningitis and Sepsis During the Pregnancy Period for Public Health Care System Participants in Salvador, Bahia, Brazil objetiva analizar a prevalência da meningite bacteriana em recém-nascidos na cidade de Salvador, Brasil, a fim de descrever os fatores de risco desta patologia e infecções, além de identificar, a partir de registros clínicos, fatores potenciais que poderiam se tornar complicações e afetar os sistemas neurológico, motor e auditivo. Tais objetivos foram alcançados por meio da hipótese levantada de que os cuidados durante o parto e após o nascimento são fundamentais para diminuir os fatores de risco de infecções graves durante o período neonatal, ou seja, nos primeiros 28 dias de vida. O estudo define a meningite como sendo uma doença resultado de uma infecção ou inflamção das meninges, três membranas de tecido conjuntivo que revestem e protegem o sistema nervoso central, e aborda a meningite bacteriana neonatal. A análise é importante uma vez que a doença continua a ser uma ameça de saúde pública principalmente em países em desenvolvimento e, apesar da mortalidade variar com o tratamento, a taxa de sobrevivência é baixa, de 17% a 29%, e as chances de complicação são altas, variando de 15% a 68%. Os fatores de risco associados à sepse e à meningite são muito semelhantes e em aproximadamente 75% dos casos de recém-nascidos com sepse evoluem para uma meningite bacteriana, pois os agentes infecciosos caem na corrente sanguínea e atingem o sistema nervoso central. Alguns destes patógenos são Streptococcus grupo B, Escherichia coli, Listeria monocytogenes, Staphylococcus epidermidis e Staphylococcus aureus.
  5. 5. 5 2. METODOLOGIA O estudo apresenta natureza tranversal e inclui apenas os recém-nascidos com meningite bacteriana ou sepse entre 0 e 28 dias na unidade de tratamento intensivo neonatal (UTI neonatal) da maternidade Climério de Oliveira entre Junho e Dezembro de 2005. O critério de exclusão consistiu em mal formações do sistema nervoso central e meningites após trauma cranioencefálico, fúngicas ou virais. Os dados foram obtidos a partir dos registros médicos atentando para a idade da mãe, tempo gestacional, sexo do bebê, peso ao nascer, fatores de risco (líquido amniótico purulento, sífilis materna, infeccção urinária materna, abuso de drogas entre outros) e condições clínicas durante o período pré-natal. A escolha pelo estudo tranversal foi adequada, inicialmente por se tratar de um estudo observacional, ou seja, que não há interferência do cientista, e posteriormente por não ser uma análise da progressão da doença, mas sim sua incidência em um período específico. Além disso, o estudo objetivou descrever associações entre variáveis, o que é obtido com êxito por este tipo de estudo epidemiológico. A faixa etária estabelecida, entre 0 e 28 dias, apresenta manifestações clínicas inexatas de meningite, apesar de haver casos com sintomas úteis para o diagnóstico como letargia, vômitos, convulsões, irritabilidade e fontanelas estufadas. Já o diagnóstico da sepse neonatal é clínico, problemas de respiração, apnéia, vômitos e distenção abnominal, e laboratorial. Diante disso, foi coerente estabelecer exatamente os critérios laboratoriais utillizados para diagnóstico. Finalmente, o estudo realizou uma análise estatística descritiva dos resultados sendo aprovada pelo Conselho de Revisão da Maternidade Climério de Oliveira e portanto, apresenta grande credibilidade podendo ser aplicado para melhorias sociais.
  6. 6. 6 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Dos 72 registros médico analizados, apenas 13 apresentavam meningite bacteriana e sepse. Desses 13, 2 foram excluídos por não satisfazerem a metodologia. Observaram-se que a maioria dos recém-nascidos eram do sexo masculino e todos eles apresentavam fatores de risco para infecções do sistema nervoso. Os fatores de risco mais frequentes foram nascimento prematuro, uma vez que prematuridade está associada à imaturidade do sistema imunológico e da barreira hematoencefálica, baixo peso ao nascer seguido de abuso de drogas. Em termos de demografia familiar este estudo observou que a maioria das mulheres eram pobres e mães solteiras, viviam na área suburbana e com baixo nível educacional. Isto explica a ausência de pré-natal por 45,4%, não conclusão do pré- natal por 36% e conclusão dos cuidados neonatais por apenas 18% das mães. A alta incidência do uso de drogas por mulheres grávidas demonstra a falta de orientação acerca da gravidez e de cuidados médicos. Sabe-se que maiores esclarecimentos para os usuários de drogas contribuiriam para índices menores de recém-nascidos afetados. Portanto, o estudo comprova a necessidade imediata de melhorias nas políticas públicas, programas educativos e preventivos. Essa necessidade é comprovada pela principal limitação do estudo, que foi decorrente da dificuldade da análise do líquido céfalorraquidiano devido a ineficácia do sistema público de saúde. Desta forma, o estudo é muito relevante no que tange o bem-estar da população, atentando para o aumento dos riscos de infeccção no recém-nascido tanto por comportamentos maternos quanto pela falta de estrutura dos hospitais públicos, sendo estes os líderes em números de doenças infecto-contagiosas.
  7. 7. 7 4. CONCLUSÃO A discussão é enriquecida pela integração e comparação do estudo com outros trabalhos, por mostrar a relevância mundial do tema abordado, além de contribuir para a fundamentação das ideias. Entretanto a discussão é empobrecida por não haver explicações acerca das inúmeras correlações clínicas apresentadas, o que restringe o público leitor. A principal conclusão do estudo foi a comprovação da necessidade de avaliação neurológica e auditiva de todos os recém-nascidos com histórico de infecções do sistema nervoso. Foram sugeridos testes acessíveis e passíveis de serem realizados durante o tratamento intensivo. A educação pode tornar-se uma ferramente útil e eficaz para cuidados preventivos, evitando complicações da meningite e da sepse. No geral, o trabalho apresenta aspectos positivos e negativos. O primeiro pode ser evidenciado pela grande quantidade de dados percentuais apresentados, o que torna a leitura bastante informativa, dinâmica e também contribui para a consitência da argumentação, e, principalmente, pelo grande valor do tema tratado comprovando que comportamentos maternos inadequados aliados à precária estrutura dos hospitais interferem diretamente na saúde do concepto, reiterando a importância da prevenção. Jáo último pode ser exemplificado pelo número reduzido da amostra, o que pode não representar efetivamente o todo, apesar de os dados corroborarem com os de outros estudos.
  8. 8. 8 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Manual para apresentação de trabalhos acadêmicos. Brasília: Sistemas de biblioteca da Universidade Católica de Brasília, 2010. 139 p. SILVA, L.P.A. et al. Prevalence Of Newborn Bacterial Meningitis And Sepsis During The Pregnancy Period For Public Health Care System Participants In Salvador, Bahia, Brazil. Braz J Infect Dis, Salvador, v.11, n.2, p.272-276, Abr. 2007.

×