A Dimensão Humana do e-gov : GOVERNANTI

330 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado no Congresso Ibero-Americando de Governo Eletrônico na UFSC, 2013. Apresento a GOVERNANTI no âmbito do governo eletrônico, uma abordagem para tratar questões sociais na governança de TI.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Saudação aos membros da banca e demais presentes
    Introdução a Motivação para o tema
    Com a importância do uso da TI nas organizações e sua proliferação ao longos dos diversos setores e na interação com seus parceiros e clientes, Governar os seus ativos se tornou imperativo, seja para manter as empresas competitivas com o menor risco possível, seja para dar condições ao seu uso estratégico e inovador.
    Como será aqui exposto, após levantamento teórico e identificação de um espaço de investigação, esta tese avalia a governança de TI numa perspectiva complementar ao atual foco literário, com ênfase nas questões da participação humana e sua interação com os artefatos tecnológicos.
    Para analisar as redes de governança de TI e poder tratá-las em busca de uma harmonização das associações das pessoas com a TI, utilizou-se como quadro conceitual a teoria de rede de atores para sustentação teórica do desenvolvimento de uma abordagem denominda GOVERNANTI, que será aqui apresentada.
  • Área de conhecimento em formação com conceitos com distintas perspectivas
    Uso de ferramentas e frameworks atuais é insuficiente
    (Ribbers, 2002;ITGI, 2008)
    Ampliar o foco atual e contribuir com o estudo das questões de participação humana na governança de TI
  • Uma vez que a TI media as ações dos atores,
    Podemos avaliar o nivel do progresso dos atores na rede pela sua interacao com artefatos tecnologicos na rede
    Usamos outcome mapping como suporte teorico para avaliar o avanco comportamental
  • Saudação aos membros da banca e demais presentes
    Introdução a Motivação para o tema
    Com a importância do uso da TI nas organizações e sua proliferação ao longos dos diversos setores e na interação com seus parceiros e clientes, Governar os seus ativos se tornou imperativo, seja para manter as empresas competitivas com o menor risco possível, seja para dar condições ao seu uso estratégico e inovador.
    Como será aqui exposto, após levantamento teórico e identificação de um espaço de investigação, esta tese avalia a governança de TI numa perspectiva complementar ao atual foco literário, com ênfase nas questões da participação humana e sua interação com os artefatos tecnológicos.
    Para analisar as redes de governança de TI e poder tratá-las em busca de uma harmonização das associações das pessoas com a TI, utilizou-se como quadro conceitual a teoria de rede de atores para sustentação teórica do desenvolvimento de uma abordagem denominda GOVERNANTI, que será aqui apresentada.
  • A Dimensão Humana do e-gov : GOVERNANTI

    1. 1. 16º Encontro ibero americano de governo eletrônico e inclusão digital Metodologias e Aplicativos em Governo Eletrônico GovernANTi: Uma Perspectiva Sociotécnica para Governar Aplicações de E-GOV 02,Maio 2013 Grupo de Pesquisas E-GOV Unipê Luiz Mauricio Martins luiz.mauricio@unipe.br
    2. 2. TI é um dos principais ativos das organizações 2
    3. 3. Governar TI para... Maximizar valor Minimizar riscos 3
    4. 4. Demandas de Avaliação Direção Projetos negócio Monitoração Operação Sistema pelo qual o uso atual e futuro da TI são direcionados e controlados (ISO/IEC 38500) 4
    5. 5. Motivação GAP entre a literatura e a prática profissional (Ribbers, 2002, ITGI, 2008, Martins, L. M., Cunha, P. R., Moura, A., and Figueiredo, A. (2010) “Pessoas são os fatores mais críticos” (ITGI, 2008) 5
    6. 6. Se os modelos não resolvem... uma nova perspectiva sobre os SI/TI 6
    7. 7. Técnico Visão purista Frameworks COBIT SI é sociotécnico... Comportamental impacto e desafios do uso 7
    8. 8. Sistemas de Informação uma combinação entre pessoas, processos, dados e TIC (hardware, software, redes e dispositivos computacionais) que manuseiam com informação Laudon and Laudon, 2000; O´Brien, 2007; Whitten, Bentley and Dittman, 2003 SI Sociotécnicos uma instanciação da TIC no contexto da organização, possuindo 8
    9. 9. Sistemas de Informação uma intencionalidade.... ... que pode não se concretizar PESSOAS PROCESSOS MUDANÇAS INOVAÇÃO TECNOLOGIAS CULTURA INTERESSES POLÍ TICA Ajustes devem ser mútuos e contínuos É uma ambiente de negociação 9
    10. 10. Como governar SI/TI sociotécnicos? 10
    11. 11. Reenquadramento Teórico “Teoria social usada para analisar e tentar resolver complexas situações sociotécnicas numa rede de atores humanos e não humanos que interagem, formam alianças e criam relações de dependência.” Actor-Network Theory (ANT) Callon e Latour,1981 11
    12. 12. Ator PJE X X X X X X Cada ator tem seus próprios interesses e faz suas interpretações da realidade 12 12
    13. 13. Ator-REDE PJE A rede é uma abstração, um ambiente no qual os atores interagem, formam alianças, criam relações de dependência mútua e recorrem a artefatos para satisfazer seus interesses 13 13
    14. 14. humanos + técnicos rede de atores humanos + técnicos rede de atores 14
    15. 15. Conceito ANT: Tradução Reinterpretação, representação ou apropriação dos interesses de um ator, de forma que estes possam ser seguidos por outros atores na rede. ◦ Sugere papéis, associações e comportamentos. O projeto PJE é uma tradução uma intencionalidade 15
    16. 16. 16
    17. 17. A tradução da Rede (PJE) 17
    18. 18. O PJE Benefícios Facilidade de acesso, comodidade Automatização de rotinas Publicidade Economia Processual Ubiquidade 18
    19. 19. A questão no PJE Mas... Entraves e investimentos tecnológicos Nova cultura, novo paradigma 19
    20. 20. Desalinhamento Como alinhar redes e-gov? 20
    21. 21. Utilidade da ANT “Pode auxiliar no desenho de soluções de problemas que, com a introdução de um artefato, uma norma ou um novo papel para um ator, podem alcançar o equilíbrio desejado” (Monteiro,2000; Law,1992) 21 21
    22. 22. Conceito ANT: Inscrição forma na qual padrões desejados de comportamento são incorporados na rede através de artefatos ou outros meios. Um programa de ação A lei nº 12527 de acesso à informação “todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado”. 22
    23. 23. GovernANTi Fase IV MOBILIZATION Fase I PROBLEMATIZATION Avaliação Direção Fase III ENROLMENT Monitoração Fase II INTERESSEMENT 23
    24. 24. Fase I - Problematization Qual é a questão? Atores envolvidos Proposta de Tradução 24
    25. 25. Aplicando a GovernANTi Desafios: Atender legislação que ampliava horas de aula Migração para um ambiente virtual de ensino-aprendizagem 6 meses de duração 6 cursos de graduação 1200 alunos 200 professores 25
    26. 26. 26
    27. 27. GovernANTi Fase IV MOBILIZATION Fase I PROBLEMATIZATION Avaliação Direção Fase III ENROLMENT Monitoração Fase II INTERESSEMENT 27
    28. 28. Fase II -Interessement Fazer com que os atores fiquem interessados na proposta sugerida para a resolução da questão da governança de TI, negociando os termos do envolvimento. São criados dispositivos e estratégias de deslocamento dos interesses atuais dos atores 28
    29. 29. Diagrama de Interesse de Participação Adaptado de (Chuva e Cunha, 2009) 29 14
    30. 30. Interessement - Traduções e Inscrições 30 30
    31. 31. GovernANTi Fase IV MOBILIZATION Fase I PROBLEMATIZATION Avaliação Direção Fase III ENROLMENT Monitoração Fase II INTERESSEMENT 31
    32. 32. Fase III - Enrolment Em busca do engajamento dos atores ao ponto da questão ser considerada resolvida Como avaliar o progresso? ◦ Métricas de Negócio ◦ Marcas de Progresso dos Atores 32
    33. 33. Marcas de progresso dos atores Baseado na teoria Outcome Mapping (Earl, 2002) Progresso dos atores medido pela sua interação com a rede Verificar o nível de alinhamento dos atores com a proposta da rede Adorado Transformações profundas Desejado Engajamento ativo Esperado Primeiras respostas positivas 33
    34. 34. Marcas de progresso dos atores Id. Marca ESPERADO 1 Estudantes acessam o portal pelo menos uma vez por semana 2 Professores acessam o portal pelo menos uma vez por semana 3 Professores publicam pelo menos uma aula por semana 4 Estudantes visitam as aulas pelo menos uma vez por semana Id. Marca DESEJADO 5 Coordenadores de curso acessam o portal pelo menos uma vez por semana 6 Estudantes acessam o portal pelo menos duas vezes por semana 7 Estudantes têm participação ativa no portal * 8 Professores têm participação ativa no portal ** 9 Membros criam ou participam de blogs no portal 10 Membros criam suas páginas pessoais no portal 11 Professores publicam as avaliações no portal 12 Tutores acessam o portal pelo menos uma vez por semana Id. Marca ADORADO 13 Membros acessam o portal mais de três vezes por semana 14 Membros usam Wiki para compartilhar conhecimentos 15 Membros de distintos cursos interagem entre si no portal 34
    35. 35. Jornal de desempenho – Comunidade acadêmica BMA (Baixo=1- 40%, Médio= 41-80%, Alto=81-100%) ESPERADO Itens Quantos Pontos BMA M M B B 1 2 3 4 Estudantes acessam o portal pelo menos uma vez por semana Professores acessam o portal pelo menos uma vez por semana Professores publicam pelo menos uma aula por semana Estudantes visitam as aulas pelo menos uma vez por semana Total Esperado 52% 67% 34% 9% 2 2 1 1 (50%) 6 Pontos de Transição (5 pontos se todas as marcas Esperadas atingirem o nível ALTO) 0 Itens DESEJADO Quantos semana 91% 17% 0% Pontos A B 5 6 7 Coordenadores de curso acessam o portal pelo menos uma vez por Estudantes acessam o portal pelo menos duas vezes por semana Estudantes têm participação ativa no portal M 8 9 Professores têm participação ativa no portal Membros criam ou participam de blogs no portal 47% 0% 4 0 10 Membros criam suas páginas pessoais no portal 0% 0 11 12 Professores publicam as avaliações no portal Tutores acessam o portal pelo menos uma vez por semana 29% 20% 2 2 16 B B Total Desejado (33%) 6 2 0 Pontos de Transição (8 pontos se todas as marcas Desejadas atingirem o nível ALTO) 13 14 Itens Membros acessam o portal mais de três vezes por semana Membros usam Wiki para compartilhar conhecimentos 15 Membros de distintos cursos interagem entre si no portal ADORADO B Total Adorado 0 Quantos Pontos 16% 0% 0% (11%) Alinhamento Global = Esperado + Desejado + Adorado + Pontos de Transição 3 0 0 3 25 35 35
    36. 36. Alinhamento 25%  Esperado Desejado Adorado 50% 33% 11% X Comunidade Acadêmica Gestão da TI  Ciência da Computação Black-Box  X X X Moda Sistemas para Internet Educação Física Enfermagem Black-Box  Sistemas para Internet Alinhamento 13%  Esperado Desejado Adorado 42% 17% 0% 36
    37. 37. Sistemas para internet  Sistemas para Internet Alinhamento 13%  Alinhamento 25%  Comunidade Acadêmica Esperado Desejado Adorado 50% 33% 11% Esperado Desejado Adorado 42% 17% 0% Sistemas para Internet X  X Black-Box Estudante 14%   Esperado Professor 12% Esperado Desejado Adorado 40% 8% 0% Adorado 67% Black-Box Desejado 13% 0% 37
    38. 38. Traduções e inscrições 38
    39. 39. Evolução do Desempenho 1º. Estágio Curso Ciência da Computação Design de Moda Educação Física Esperado Desejado Adorado 2º. Estágio Alinhamento Esperado Desejado Adorado Alinhamento 58% 33% 11% 26 75% 46% 11% 34 50% 29% 11% 23 75% 38% 11% 30 58% 29% 11% 24 58% 29% 11% 24 Enfermagem 58% 29% 11% 24 67% 50% 22% 38 Gestão da TI Sistemas Internet 33% 29% 11% 21 67% 29% 11% 25 42% 17% 0% 13 75% 29% 11% 26 Comunidade Acadêmica (seis cursos ) 50% 33% 11% 25 67% 46% 11% 33 39
    40. 40. GovernANTi Fase IV MOBILIZATION Fase I PROBLEMATIZATION Avaliação Direção Fase III ENROLMENT Monitoração Fase II INTERESSEMENT 40
    41. 41. Fase IV - Mobilization Avaliar se os atores estão mobilizados ao ponto de ser resolvida a questão Tentar garantir que os atores não saiam da proposta da rede 41
    42. 42. Indicadores Organizacionais % estudantes %Aulas %turmas ativas Indicadores de Progresso Social 67% Esperado 46% 11% Desejado Adorado 33% Alinhamento Global 42
    43. 43. Conclusões do Caso O Caso: 67% dos atores atingiram comportamento esperado Objetivos organizacionais atingidos em 3 meses Investimentos pontuais na rede 43 43
    44. 44. Refletindo sobre o progresso de atores no contexto do PJE 44
    45. 45. Marcas de progresso do Magistrado Id. Marca ESPERADO 1 Analisa sentenças toda semana 2 Analisa perícia toda semana 3 Analisa liquidação toda semana Id. Marca DESEJADO 4 Designa Audiência (verificar diariamente) 5 Publicar DJE (verificar diariamente) 6 Pedidos de Tutela e Liminar (diariamente) 7 Segredos de Justiça e Sigilo (Diariamente) 8 Redistribuição (Diariamente) Id. Marca ADORADO 9 Estoque de sentenças seja reduzido mensalmente 10 Liquidação seja reduzida mensalmente 11 Despachos em execução sejam reduzidos mensalmente 45
    46. 46. Considerações GovernANTi amplia o foco atual e mostra a relevância das questões humanas na governança de TIC. Quadro téorico desenvolvido se mostrou adequado para: Análise de questões em redes de governança de TI Intervenção em busca do alinhamento dos atores A GOVERNANTI oferece uma abordagem promissora para E-Gov Modelagem no PJE Desenvolvimento de Software (interface, estatística,dashboard) 46 46
    47. 47. Referências ISO/IEC 38500 (2008) Corporate governance of information technology, ISO/IEC. ITGI (2008) IT Governance Global Status Report 2008, Rolling Meadows, IT Governance Institute. ITGI (2011) COBIT 5: The Framework. Exposure draft, Rolling Meadows, ITGI, available: http://www.isaca.org/Knowledge-Center/Research/Documents/COBIT5-Framework-ED-27June2011.pdf Laudon, K. C. and Laudon, J. P. (2000) Management Information Systems, Prentice Hall. Law, J. (1992) Notes on the Theory of the Actor-Network: Ordering, Strategy and Heterogeneity, Systems Practice, 5, 4, 379-393. Law, J. (2006) After ANT: complexity, naming and topology, in John Law and John Hassard (eds) Actor Network and after, Blackwell Publishers, UK. Lee, A. S. (1999) Researching MIS. In W. L. Currie e B. Galliers (Eds.), Rethinking Management Information Systems (pp. 9-17): Oxford University Press. Martins, L.M. (2012) Uma perspectiva socioténcia para a governança de TI baseado na teoria ator-rede. Tese de doutoramento, Universidade de Coimbra, Portugal. Martins, L. M., Cunha, P. R., Moura, A., and Figueiredo, A. (2010) Selecting and Ranking IT Governance Practices for Electric Utilities. Proceedings of the 16th Americas Conference on Information Systems (AMCIS 2010), Lima, Peru, Paper 120. O´Brien, J. A. (2007) Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet: Saraiva, São Paulo, Brasil. Ribbers, P. M. A., Peterson, R. R., and Parker, M. M. (2002) Designing Information Technology Governance Processes: Diagnosing Contemporary Practices and Competing Theories. Proceedings of the 35th Hawaii International Conference on System Sciences, Hawaii. Whitten, J. L., Bentley, L. D., and Dittman, K. C. (2003) System Analysis and Design Methods, 5th. ed., McGraw Hill. 47
    48. 48. Obrigado! Grupo de Pesquisas E-GOV Unipê Luiz Mauricio Martins luiz.mauricio@unipe.br

    ×