Funções psicológicas

909 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado no curso de Formação em Arteterapia, do Espaço Marise Piloto, sobre as Funções Psicológicas, segundo Jung, com base no capítulo 5 do livro "Ensaios de Sobrevivência" (Daryl Sharp), intitulado "A realidade que conhecemos".

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
909
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Funções psicológicas

  1. 1. “A realidade que conhecemos” Funções psicológicas, segundo Jung
  2. 2. “A realidade que conhecemos” Capítulo 5 Ensaios de Sobrevivência (Daryl Sharp) Funções Psicológicas, segundo Jung Espaço Marise Piloto Formação em Arteterapia Sônia Cristina Corrêa da Silva Junho/2013
  3. 3. Objetivo • Identificar os quatro pontos referentes às funções psicológicas. Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  4. 4. O modo de ver o mundo • Tudo que é psíquico é relativo, como a teoria de Einstein sobre a relatividade na Física. • Tudo que dizemos, pensamos ou fazemos é colorido pelo nosso modo particular de ver o mundo. • Isso é a nossa tipologia. Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  5. 5. Azeitando a engrenagem • As pessoas são diferentes. • A tipologia de Jung é um modo de colocar essas diferenças numa certa ordem. • É útil para entender a si mesmo. • É uma dádiva de Deus nos relacionamentos. Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  6. 6. O modelo de Jung • É uma ferramenta de orientação psicológica, como uma bússola que nos orienta no mundo físico. Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  7. 7. As funções psicológicas Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos” PENSAMENTO SENTIMENTO SENSAÇÃOINTUIÇÃO
  8. 8. Como uma bússola “As quatro funções são um pouco como os quatro pontos da bússola; elas são igualmente arbitrárias e igualmente indispensáveis. Nada nos impede de alterar os pontos cardeais, tantos graus quantos desejarmos em uma ou outra direção, ou dar-lhes nomes diferentes. Mas devo confessar uma coisa: por nada no mundo eu dispensaria essa bússola em minhas viagens de descoberta psicológica.” C.G. Jung – Tipos Psicológicos Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  9. 9. As funções psicológicas Sensação: nos dá a perceber que uma coisa existe. detalhes * TATO Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos” Pensamento: nos diz o que é a coisa, dá-nos uma descrição dela. Ideias * VISÃO Sentimento: nos diz que valor tal coisa tem para nós. relacionamento * AUDIÇÃO * PALADAR Intuição: nos dá uma ideia do que podemos fazer com ela. Possibilidades * OLFATO TERRA AR ÁGUA FOGO
  10. 10. Exemplo: se vou comprar uma casa Sensação: nos dá a perceber que uma coisa existe. detalhes Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos” Pensamento: nos diz o que é a coisa, dá-nos uma descrição dela. ideias Sentimento: nos diz que valor tal coisa tem para nós. relacionamento Intuição: nos dá uma ideia do que podemos fazer com ela.  possibilidades • como é o espaço, o que precisa consertar, remodelar o ambiente. • se eu tenho o dinheiro, como me organizarei financeira- mente. • eu imagino a família reunida na casa, as pessoas curtindo a casa. • penso se serei feliz nesse local, se ele me inspira coisas boas ou não. Fonte: Marise Piloto
  11. 11. A função principal • Podemos virar o círculo de qualquer modo. • Em geral a função principal ou superior, ou seja, a mais desenvolvida que as demais, é colocada no topo; e a oposta, na base. • Função principal não quer dizer “melhor”, mas aquela que você está mais propenso a utilizar. • O ideal seria ter acesso consciente à função apropriada a determinada situação. Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  12. 12. A função principal Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos” PS ST SSIT IT SS STPS SS IT STPS
  13. 13. Uso das funções “Cada indivíduo utiliza de preferência sua função principal, pois manejando-a consegue melhores resultados na luta pela existência. (...) Uma segunda função serve de auxiliar à principal, possuindo grau de diferenciação maior ou menor. A terceira quase sempre não vai além de um desenvolvimento rudimentar e a quarta permanece, de ordinário, num estado mais ou menos inconsciente. Por esse motivo é denominada função inferior.” Nise da Silveira – Jung, vida e obra Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  14. 14. A função inferior • Oposta à função superior. • Aquela em que temos maior fragilidade e vem à tona quando agimos de modo instintivo. • É aquela que nos dá mais trabalho. • Quando negligenciada, exige ser reconhecida, causa dor e pode ser projetada em outra pessoa. • Está incluída na sombra. • Reconhecê-la, aceitá-la, torná-la consciente, gera uma nova vontade de viver. • Pode detonar a crise da meia-idade. Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  15. 15. Qual é a minha função principal? • Não é tarefa fácil identificar a função principal. • Se tiver entrado num complexo, todas as funções são distorcidas pela emoção: – Se zangados , não pensamos ou vemos direito. – Se felizes, colorimos o modo de perceber. – Se aborrecidos, avaliamos mal o valor de algo para nós. – Se deprimidos, as possibilidades definham. Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  16. 16. Introversão e extroversão • São modos completamente diferentes de adaptar-se ao mundo. Uma descrição supersimplificada seria: – Introvertido: hesitante e reflexivo. – Extrovertido: é aberto e saliente • Em um estudo mais profundo analisam-se as combinações dos 2 tipos com as 4 funções. Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  17. 17. Cada caso é um caso • As pessoas são diferentes.  A tipologia de Jung é um modo de colocar essas diferenças numa certa ordem. • Jung alertou contra rotular as pessoas: seria utilizar mal o modelo. • O modelo é uma ferramenta, uma bússola. • Nada substitui a reflexão prolongada. • Ineficácia de testes de tipos comuns. Ex: Indicador de Tipos Myers Briggs. Não era o que Jung tinha em mente nos oito anos em que escreveu Tipos Psicológicos. Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  18. 18. Usar o modelo perguntando-se: • Naquela situação ou com aquela pessoa, – Como foi que eu funcionei? – Com que efeito? – As minhas ações e expressões refletem de verdade meus julgamentos (pensar e sentir) e as minhas percepções (sensação e intuição)? – Se não, por que não? – Que complexos foram ativados em mim? – Com que finalidade? – Como e por que eu misturei as coisas? – O que isso diz sobre minha psicologia? – O que eu posso fazer a respeito? – O que eu quero fazer a respeito? Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  19. 19. Consequências de conhecer a própria sombra e incluí-la em sua vida “Uma vez que o processo é desencadeado, é difícil parar. Você pode nunca mais voltar a ser o que era, mas o que perde de um lado recupera do outro. Você perde um pouco daquilo que era, mas acrescenta uma dimensão que não estava lá antes. Se era unilateral, encontra um equilíbrio. Aprende a compreender aqueles que funcionam de maneira diferente e assume uma nova atitude em relação a si próprio.” Daryl Sharp – Ensaios de Sobrevivência Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos”
  20. 20. Imagens http://br.freepik.com/ https://www.facebook.com/pages/Arteterapia/121373248022373 Espaço Marise Piloto – Formação em Arteteterapia – Sônia Cristina Corrêa da Silva – “A realidade que conhecemos” Rio de Janeiro – Junho /2013

×