Aquecedor Solar Sodramar

1.456 visualizações

Publicada em


http://www.solelazerpiscinas.com.br
A Sol e Lazer Piscinas em São Paulo realiza o projeto personalizado em sua piscina atendendo residências, clubes, hotéis, condomínios e construtoras.
Atendemos São Paulo e Grande São Paulo.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.456
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aquecedor Solar Sodramar

  1. 1. • Introdução ..........................................................................2• Identificação do aparelho ........................................................2• Especificação do produto ........................................................3• Local de instalação ...................................................................6• Posicionamento do Coletor Solar .......................................6• Dimensionamento ..............................................................9• Lay-ouy de instalações .................................................16• Dados técnicos da instalação hidráulica .....................................19• Instalação hidráulica ideal........................................................22• Instalação hidráulica possível.............................................23• Instalação hidráulica com trocador de calor..........................24• Montagem do coletor.............................................................25• Controladores automáticos..................................................28• Instalação elétrica...................................................35• Garantia .................................................................................36 ÍNDICE
  2. 2. INTRODUÇÃO O coletor solar para piscinas Sodramar, é uma fonte de energia renovávele não poluente. Desenvolvido especialmente para trabalhar no aquecimento depiscinas com total praticidade, economia e respeito ao meio ambiene. FUNCIONAMENTO Seu funcionamento compõe-se de um conjunto de mangueiras coletorasque captam a radiação solar para aquecimento da água que encontra-searmazenada nos seus perfis. A liberação da água aquecida para piscina, acontecerá com obombeamento automático da água, comandada por um controlador diferencial detemperatura, (analógico ou digital). IDENTIFICAÇÃO DO APARELHO FIG. 1 2
  3. 3. ITEM DENOMINAÇÃO TABELA 1 1 Distribuidor de água 2 Anel de vedação OBSERVAÇÃO 3 Conjunto abraçadeira 4 Conexão Ø1 1/2" x 50mm * Estes itens são adquiridos se- 5 C ap paradamente e estão disponíveis para 6 Mangueira coletora venda. 7 E sp a ça d o r 8 Travador ** Estes itens não estão dispo- 9 Filtro "Y" Ø1 1/2" BSP níveis para venda e deverão ser adap- 10* Válvula ventosa Ø 3/4" BSP tados no momento da instalação. 11** Adaptador do filtro Ø 1 1/2" BSP 12** Curva adaptadora da válvula Ø3/4" (BSP) ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Abaixo serão especificados todos os itens que envolvem a montagem docoletor solar e suas respectivas funções. Placa solar Cada placa solar é constituída por 2 dis-tribuidores de água em termoplástico,conectados em 5 jogos de mangueirascoletoras de alta resistência econdutibilidade que variam de 2 a 8(metros) de comprimento. A área docoletor solar é determinada pelo compri-mento da mangueira, sendo que, a soma dasplacas acopladas uma a outra que resultará na área FIG. 2total de aquecimento que será especificada na tabela 6de dados técnicos, pág. 11. Conjunto abraçadeira FIG. 3 O conjunto de abraçadeiras tem a função de fixare vedar as placas solares umas as outras, bem como, ocap e o adaptador. Este componente é constituído porabraçadeira macho, abraçadeira fêmea, travador e anelde vedação especial, cada placa acompanha um par deconjunto de abraçadeiras. 3
  4. 4. Adaptador Ø1 1/2” X 50 Este adaptador é uma extensão de três das quatro extremi-dades de entrada e saída de água do coletor solar com a função devedar a passagem de água e servir de conexão para o tubo de PVC FIG. 4na instalação hidráulica, inclusive na instalação da válvula ventosa. Cap de fechamento O cap é responsável pela vedação e fechamento de uma dasquatro extremidades de entrada e saída de água do coletor solar. FIG. 5 Espaçadores Os espaçadores servem de apoio e guiapara as mangueiras coletoras. Os espaçadoresdevem ser posicionados a cada metro no com- FIG. 6primento total da placa, mais detalhes nas págs.9 e 16. Filtro “Y” Ø1 1/2” (BSP) O filtro “Y” é adquirido separadamente e deverá serinstalado na entrada de água do coletor. Este item éindispensável, e sua função é filtrar sujeiras dispersadas naágua que possam entupir a passagem das mangueirascoletoras. FIG. 7 4
  5. 5. Válvula ventosa Ø3/4” (BSP) A válvula ventosa é adquirida separadamente e deverá ser instalada no topo do coletor solar no lado contrário à saída de água. Este item é indispensável e tem a função de liberar a passagem de ar quando o coletor estiver fora de operação, evitando assim, a formação de vácuo no sistema, o que provocaria o esmagamento das mangueiras coletoras. FIG. 8 Colar de tomada Ø 1 1/2” O colar de tomada serve como suporte para osensor de temperatura, o mesmo deve ser instalado natubulação de entrada da bomba que alimenta os coleto-res. O sensor é posicionado dentro do orifício para regis-trar a temperatura da piscina. FIG.9 Controladores diferenciais de tempera-tura Este aparelho é adquirido separadamente,e controla a temperatura do sistema acionando au-tomaticamente a motobomba para circulação daágua nos coletores e aquecimento da piscina sem-pre que necessário. A empresa comercializa 3modelos de controladores, 2 CDTs (controlador di-gital de temperatura) e 1 CAT (controlador analógicode temperatura), que serão especificados a seguir. FIG. 11 5
  6. 6. LOCAL DE INSTALAÇÃO Os coletores solares podem ser instalados em edificações novas ou antigas,preferencialmente no nível mais elevado possível (telhado), ou numa localidadeao ar livre que permita sua exposição ao sol o maior tempo possível. No entanto, para possibilitar uma instalação sem problemas técnicos,rendimento ideal e a custos menores, deve-se prever sua instalação na fase inicialdo projeto adequando a construção ao coletor, prevendo uma disposição perfeitaa qual será especificada a seguir. Posicionamento ideal do coletor solar Para que se obtenha o rendimento máximo dos coletores, principalmentenas regiões de clima frio e médio, onde no inverno necessita-se de água maisquente, e em contrapartida, a radiação solar é a menor do ano, torna-se muitoimportante que se posicione o coletor solar de acordo com as informações consta-das neste manual. DEFAZAGEM EM RELAÇÃO DEFAZAGEM EM RELAÇÃO AO NORTE 0° - 15° AO NORTE 15° - 45° CLIMA ESTADOS ÂNGULO ÂNGULO ÂNGULO ÂNGULO ESTIMADO em graus (a) em % (h/c**) em graus (a) em % (h/c**) Acre 24 40,7 20 34,2 QUENTE Alagoas 25 42,3 20 34,2 QUENTE Amapa (*) 20 34,2 20 34,2 QUENTE Norte do Amazonas (*) 20 34,2 20 34,2 QUENTE Sul do amazonas (*) 22 37,5 20 34,2 QUENTE Norte Bahia 26 43,8 20 34,2 QUENTE Sul da Bahia 30 50,0 20 34,2 QUENTE Ceará 20 34,2 20 34,2 QUENTE Espírito Santo 35 57,4 25 42,3 MÉDIO Goiás e DF 31 51,5 21 35,8 MÉDIIO Norte do Maranhão 20 34,2 20 34,2 QUENTE Sul do Maranhão 23 39,1 20 34,2 QUENTE Norte do Mato Grosso 26 43,8 20 34,2 QUENTE Sul do Mato Grosso 30 50,0 20 34,2 QUENTE Mato Grosso do Sul 35 57,4 25 42,3 QUENTE Norte de Minas Gerais 32 53,0 22 37,5 MÉDIO Sul de Minas Gerais 36 58,8 26 43,8 MÉDIO Norte do Pará 20 34,2 20 34,2 QUENTE Sul do Pará 22 37,5 20 34,2 QUENTE Paraíba 22 37,5 30 50,0 QUENTE Paraná 40 64,3 20 34,2 FRIO Pernambuco 23 39,1 20 34,2 QUENTE Norte do Piauí 20 34,2 20 34,2 QUENTE Sul do Piauí 23 39,1 20 34,2 QUENTE Rio Grande do Norte 21 35,8 20 34,2 QUENTE Rio Grande do Sul 45 70,7 35 57,4 FRIO Rio de Janeiro 37 60,2 27 45,4 MÉDIO Rondônia 26 43,8 20 34,2 QUENTE Roraima (*) 20 34,2 20 34,2 QUENTE TABELA 2 Santa Catarina 42 66,9 32 53,0 FRIO São Paulo 37 60,2 27 45,4 MÉDIO Sergipe 26 43,8 20 34,2 QUENTE Tocantins 25 42,3 20 34,2 QUENTE 6
  7. 7. Para que se compreenda melhor o processo de inclinação dos coletores,devemos considerar o fato de que, tomando nosso planeta como referência, o soltraça trajetórias diárias paralelas e seqüenciais, se extremando para o sul no dia21 de dezembro (verão hemisfério sul), e se extremando para o norte no dia 21 dejunho (inverno hemisfério sul) quando atinge a inclinação ao meio dia real do localem questão, de latitude acrescida de 23,5° em relação à linha vertical imagináriadeste local. Sendo assim, no inverno os raios solares não atingem perpendicularmentea superfície dos locais, afetando no Brasil principalmente os mais próximos aohemisfério sul, tirando por base esta questão devemos posicionar o plano doscoletores de tal forma que receba a maior insolação possível no inverno e nohorário em que a insolação é máxima durante o dia, ou seja, ao meio dia real.Como a maioria dos estados do Brasil se concentram no hemisfério sul, isto seconsegue direcionando o plano dos coletores para o Norte verdadeiro, com umângulo de inclinação em relação ao plano horizontal igual à latitude, acrescida de15°, conforme tabela 2, fig.12. IMPORTANTE Os Estados destacados com (*) na tabela 2, estão acima ou próximos dalinha do equador, e deverão voltar seus coletores para o sul, o restante deverãoseguir a figura abaixo. FIG. 12 (**) Porcentagem da tabela 2 calculada de acordo com a figura acima,exemplificando a inclinação do coletor solar em que a alura (h) deverá seguir opercentual estabelecido em relação ao comprimento da base (c), a partir de umalinha horizontal imaginária. 7
  8. 8. A tabela 2 pág. 6 apresenta duas inclinações para uma mesma região, umapara uma defasagem normal de 0° a 15° e outra para uma defasagem maior de15° a 45° que é o máximo aconselhável. Nas regiões próximas à linha do equador esse problema não afeta tanto,mas se agrava gradativamente à medida que nos afastamos dela. A figura abaixo exemplifica o local de instalação do coletor em relação aonorte verdadeiro. FIG. 13 Não é aconselhável instalar os coletores solares com uma defasagem emrelação ao norte verdadeiro acima de 45° para leste ou oeste, uma vez que issoprejudicará seriamente seu desempenho nos meses frios. Caso isso seja inevitável devemos posicioná-lo de forma que seu planoesteja posicionado para o norte, nas regiões destacadas por (*) na tabela 2 issonão será necessário. FIG. 14 8
  9. 9. DIMENSÕES POR MODELO DE PLACA Para que não tenha transtornos no momento da instalação, é de sumaimportância que confira atentamente a quantidade de itens da embalagem, bemcomo, as dimensões do produto requerido em relação ao seu local de instalação. FIG. 15 MODELO C L E PS2 1900 2000 1000 PS3 2900 3000 1000 PS4 3900 4000 1000 PS5 4900 5000 1000 TABELA 3 PS6 5900 6000 1000 PS7 6900 7000 1000 PS8 7900 8000 1000 Dimensões em milímetros L – Distância entre centros dos distribuidores de água C – Comprimento das mangueiras coletoras E – Distância entre os espaçadores 9
  10. 10. QUANTIDADE DE ACESSÓRIOS A tabela abaixo especifica o número de acessórios de acordo com aquantidade de placas a serem instaladas. QUANTIDADE DE PLACAS NO AQUECIMENTO ITEM 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30 32 34 36 38 40 42 44 46 48 50 Anel de vedação 14 18 22 26 30 34 38 42 46 50 54 58 62 66 70 74 78 82 86 90 94 98 102 Conjunto abraçadeira 14 18 22 26 30 34 38 42 46 50 54 58 62 66 70 74 78 82 86 90 94 98 102 Conexão de Ø 1 1/2" x 50mm 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 C AP 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 Filtro "Y" Ø 1 1/2" BSP 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Válvula ventosa Ø3/4" BSP 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Colar tomada Ø 1 1/2" 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 TABELA 4 Espaçadores Os espaçadores deverão ser instalados a cada metro no comprimento daplaca solar, sendo que, a montagem dos espaçadores na célula deverá serintercalada, fig.16 FIG. 16 10
  11. 11. ÁREA E VOLUME POR MODELO DE PLACA COM PRI M ENTO VOLUM E TOTAL M ODELO ÁREA EM m² (m) POR PLACA EM LI TROS PS2 2,0 1,28 4,0 PS3 3,0 1,92 5,2 PS4 4,0 2,56 6,4 PS5 5,0 3,28 7,6 TABELA 5 PS6 6,0 3,92 8,8 PS7 7,0 4,56 10,0 PS8 8,0 5,20 11,2 PRESSÃO MÁXIMA DO SISTEMA = 1,0 kgf/cm² VAZÃO IDEAL = 252 lts/h/m² LARGURA DO SISTEMA POR QUANTIDADE DE PLACAS LARGURA LARGURA QUANTIDADES QUANTIDADES (m) (m) 1 1,1 15 10,1 2 1,8 16 10,7 3 2,4 17 11,4 4 3,1 18 12,0 5 3,7 19 12,7 6 4,3 20 13,3 7 5,0 21 13,9 8 5,6 22 14,6 9 6,3 23 15,2 10 6,9 24 15,9 TABELA 6 11 7,5 25 16,5 12 8,2 26 17,1 13 8,8 27 17,8 14 9,5 28 18,4 DIMENSIONAMENTO DAS PLACAS Observações importantes A temperatura ideal para o banho de piscina, com a água aquecida, é de28ºC a 30ºC, acima dessa média a água torna-se desconfortável para o banho. Abaixo citaremos apenas um exemplo simples de como dimensionar asplacas, porém, cada instalação necessita de uma boa avaliação e um projeto prévioque se enquadre à realidade do local da instalação. Para obtermos a quantidade de placas necessárias para aquecermos umdeterminado volume de água da piscina, devemos inicialmente levantar a área dapiscina, a temperatura média da piscina sem aquecimento e a temperatura desejadada piscina com aquecimento. Nosso manual fornecerá duas maneiras de serealizar este calculo, através da área das placas solares, ou através da área dapiscina x temperatura desejada. Em caso de dúvidas contate nosso departamentotécnico. 11
  12. 12. Questionário de avaliação para dimensionamento - Qual a área da sua piscina? Como exemplo, utilizaremos uma piscina 4m x 8m (32m² de área). - Faça uma avaliação da temperatura média da água da sua piscinasem aquecimento no inverno e verão. Como exemplo, 18º no inverno e 22º no verão, em média esta piscina ficacom a temperatura de 20º sem aquecimento. - Quantos graus de temperatura você deseja que a água da sua piscinaatinja com aquecimento solar? Como exemplo, desejamos que a piscina atinja 28ºC. Cálculo de dimensionamento através da área das placas Para dimensionarmos a quantidade de placas para o aquecimento da piscina,utilizaremos os dados do questionário acima: - Área da piscina 32m² - Temperatura média da água sem aquecimento 20ºC - Temperatura desejada para água aquecida 28ºC. Com esses valores aplicamos a seguinte fórmula: - Para 1ºC de aquecimento, utilizaremos 10% de placas em relação aárea total da piscina. Veja como aplicamos esse cálculo no exemplo acima: Área total da piscina 32m² ( 10% equivale a 3,2m², ou seja, para cada 1ºCde aquecimento utilizaremos 3,2m² de placa. Como necessitamos elevar a temperatura de 20ºC para 28ºC, precisamosde 8ºC, que multiplicado por 3,2m² resulta em 25,60m² de placa solar paraatingirmos a temperatura desejada. Após esta análise, verifique na tabela 7, pág.13 qual a área que cada modelode placa possui, e qual se enquadrará nas dimensões do seu projeto de instalação. Como exemplo, utilizaremos o modelo PS3 que possui 1,92m² (tabela 5),dividindo este valor pelo resultado de 25,60m², obtemos 14 placas (valor semprearredondado para maior), ou seja, para o exemplo acima teremos que instalar 14placas solares modelo PS3. Observe a indicação deste exemplo na tabela 7, pág.13. 12
  13. 13. Tabelas para dimensionamento através da área das placas A tabela abaixo auxilia o dimensionamento através da área das placas. TABELA 7 MODELO DA PLACA E SUA RESPECTIVA ÁREA EM (m²) QUANTIDADES PS2 PS3 PS4 PS5 PS6 PS7 PS8 1 1,3 1,9 2,6 3,2 3,8 4,5 5,1 2 2,6 3,8 5,1 6,4 7,6 9,0 10,2 3 3,8 5,8 7,7 9,6 11,4 13,5 15,3 4 5,1 7,7 10,2 12,8 15,2 18,0 20,4 5 6,4 9,6 12,8 16,0 19,0 22,5 25,5 6 7,7 11,5 15,4 19,2 22,8 27,0 30,6 7 9,0 13,4 17,9 22,4 26,6 31,5 35,7 8 10,2 15,4 20,5 25,6 30.4 36,0 9 11,5 17,3 23,0 28,8 34,2 10 12,8 19,2 25,6 32,0 11 14,1 21,1 28,2 35,2 12 15,4 23,0 30,7 13 16,6 25,0 33,3 Exemplo 14 17,9 26,9 35.9 15 19,2 28,8 16 20,5 30,7 17 21,8 32,6 18 23,0 34,5 19 24,3 36,4 20 25,6 21 26,9 22 28,2 23 29,4 24 30,7 25 32,0 26 33,3 27 34,6 28 35,9 *Os valores aproximados devem ser arredondados sempre para maior. Calculo de dimensionamento através da área da piscina xtemperatura desejada. Para aumentarmos a praticidade do seu calculo, criamos 3 tabelas com oaumento de 8°C, 10°C e 12°C em relação a temperatura da água fria, uma outraopção para o dimensionamento das placas. O conteúdo da tabela especifica aárea da piscina e qual a quantidade de placa a ser utilizada de acordo com cadamodelo. Para que você entenda as tabelas a seguir, citaremos os seguintes exemplos: Uma piscina que possua uma área de (3x6) 18m² e você queira trabalharcom o modelo de placa PS5, então, obteremos nas tabelas os seguintes resultados: - Se o aumento desejado na temperatura da água for de 8°C, ou seja,temperatura da água fria 20°C e temperatura da água quente 28°C, utilizaremos atabela 8, que nos fornecerá uma quantidade mínima de 5 placas. 13
  14. 14. - Se o aumento desejado na temperatura da água for de 10°C, ou seja, temperaturada água fria 19°C e temperatura da água quente 29°C, utilizaremos a tabela 9, que nosfornecerá uma quantidade mínima de 6 placas. - Se o aumento desejado na temperatura da água for de 12°C, ou seja, temperaturada água fria 18°C e temperatura da água quente 30°C, utilizaremos a tabela 10, que nosfornecerá uma quantidade mínima de 8 placas. Informação importante Caso a área da sua piscina definida pelo modelo da placa se encontre emdestaque na tabela , é sinal que você terá que usar mais de uma célula emsérie, tópicos que serão vistos a seguir. Tabelas para dimensionamento através da área da piscina xtemperatura desejada. Utilize esta tabela caso queira acrescentar 8°C à temperatura da água da piscina. Após determinar a área da piscina, defina o modelo e as quantidades de placasnecessárias para seu aquecimento. ÁREA DA PISCINA (m²) E SEU RESPECTIVO MODELO DE PLACA QUANTIDADES PS2 PS3 PS4 PS5 PS6 PS7 PS8 1 1,5 2,3 3,1 3,8 4,6 5,4 6,1 2 3,1 4,6 6,1 7,7 9,2 10,8 12,3 3 4,6 6,9 9,2 11,5 13,8 16,1 18,4 4 6,1 9,2 12,3 15,4 18,4 21,5 24,6 Exemplo TABELA6 PARA ACRÉSCIMO DE 8°C NA 5 7,7 11,5 15,4 19,2 23,0 26,9 30,7 6 9,2 13,8 18,4 23,0 27,6 32,3 36,9 7 10,8 16,1 21,5 26,9 32,3 37,6 43,0 8 12,3 18,4 24,6 30,7 36,9 43,0 49,2 9 13,8 20,7 27,6 34,6 41,5 48,4 55,3 10 15,4 23,0 30,7 38,4 46,1 53,8 61,4 11 16,9 25,3 33,8 42,2 50,7 59,1 67,6 TEMPERATURA 12 18,4 27,6 36,9 46,1 55,3 64,5 73,7 13 20,0 30,0 39,9 49,9 59,9 69,9 79,9 14 21,5 32,3 43,0 53,8 64,5 75,3 86,0 15 23,0 34,6 46,1 57,6 69,1 80,6 16 24,6 36,9 49,2 61,4 73,7 86,0 17 26,1 39,2 52,2 65,3 78,3 18 27,6 41,5 55,3 69,1 82,9 19 29,2 43,8 58,4 73,0 20 30,7 46,1 61,4 76,8 21 32,3 48,4 64,5 80,6 22 33,8 50,7 67,6 84,5 23 35,3 53,0 70,7 24 36,9 55,3 73,7 25 38,4 57,6 76,8 26 39,9 59,9 79,9 27 41,5 62,2 82,9 TABELA 8 28 43,0 64,5 86,0 29 44,5 66,8 30 46,1 69,1 31 47,6 71,4 32 49,2 73,7 *Os valores aproximados devem ser arredondados sempre para maior. 14
  15. 15. Utilize esta tabela caso queira acrescentar 10°C à temperatura da água da piscina. Após determinar a área da piscina, defina o modelo e as quantidades de placasnecessárias para seu aquecimento. ÁREA DA PISCINA (m²) E SEU RESPECTIVO MODELO DE PLACA QUANTIDADES PS2 PS3 PS4 PS5 PS6 PS7 PS8 TABELA7 PARA ACRÉSCIMO DE 10°C NA 1 1,3 1,9 2,6 3,2 3,8 4,5 5,1 2 2,6 3,8 5,1 6,4 7,7 9,0 10,2 3 3,8 5,8 7,7 9,6 11,5 13,4 15,4 4 5,1 7,7 10,2 12,8 15,4 17,9 20,5 5 6,4 9,6 12,8 16,0 19,2 22,4 25,6Exemplo 6 7,7 11,5 15,4 19,2 23,0 26,9 30,7 7 9,0 13,4 17,9 22,4 26,9 31,4 35,8 8 10,2 15,4 20,5 25,6 30,7 35,8 41,0 TEMPERATURA 9 11,5 17,3 23,0 28,8 34,6 40,3 46,1 10 12,8 19,2 25,6 32,0 38,4 44,8 51,2 11 14,1 21,1 28,2 35,2 42,2 49,3 56,3 12 15,4 23,0 30,7 38,4 46,1 53,8 61,4 13 16,6 25,0 33,3 41,6 49,9 58,2 66,6 14 17,9 26,9 35,8 44,8 53,8 62,7 71,7 15 19,2 28,8 38,4 48,0 57,6 67,2 16 20,5 30,7 41,0 51,2 61,4 71,7 17 21,8 32,6 43,5 54,4 65,3 18 23,0 34,6 46,1 57,6 69,1 19 24,3 36,5 48,6 60,8 20 25,6 38,4 51,2 64,0 21 26,9 40,3 53,8 67,2 22 28,2 42,2 56,3 70,4 23 29,4 44,2 58,9 24 30,7 46,1 61,4 *Os valores aproxima- 25 26 32,0 33,3 48,0 49,9 64,0 66,6 dos devem ser arredondados sempre TABELA 9 27 34,6 51,8 69,1 28 35,8 53,8 71,7 29 37,1 55,7 para maior. 30 38,4 57,6 31 39,7 59,5 32 41,0 61,4 Utilize esta tabela caso queira acrescentar 12°C à temperatura da água da piscina. Após determinar a área da piscina, defina o modelo e as quantidades de placasnecessárias para seu aquecimento. ÁREA DA PISCINA (m²) E SEU RESPECTIVO MODELO DE PLACA QUANTIDADES PS2 PS3 PS4 PS5 PS6 PS7 PS8 1 1,0 1,5 2,0 2,6 3,1 3,6 4,1 2 2,0 3,1 4,1 5,1 6,1 7,2 8,2 TABELA8 PARA ACRÉSCIMO DE 12°C NA 3 3,1 4,6 6,1 7,7 9,2 10,8 12,3 4 4,1 6,1 8,2 10,2 12,3 14,3 16,4 5 5,1 7,7 10,2 12,8 15,4 17,9 20,5 6 6,1 9,2 12,3 15,4 18,4 21,5 24,6 7 7,2 10,8 14,3 17,9 21,5 25,1 28,7Exemplo 8 8,2 12,3 16,4 20,5 24,6 28,7 32,8 9 9,2 13,8 18,4 23,0 27,6 32,3 36,9 10 10,2 15,4 20,5 25,6 30,7 35,8 41,0 TEMPERATURA 11 11,3 16,9 22,5 28,2 33,8 39,4 45,1 12 12,3 18,4 24,6 30,7 36,9 43,0 49,2 13 13,3 20,0 26,6 33,3 39,9 46,6 53,2 14 14,3 21,5 28,7 35,8 43,0 50,2 57,3 15 15,4 23,0 30,7 38,4 46,1 53,8 16 16,4 24,6 32,8 41,0 49,2 57,3 17 17,4 26,1 34,8 43,5 52,2 18 18,4 27,6 36,9 46,1 55,3 19 19,5 29,2 38,9 48,6 20 20,5 30,7 41,0 51,2 21 21,5 32,3 43,0 53,8 22 22,5 33,8 45,1 56,3 23 23,6 35,3 47,1 24 24,6 36,9 49,2 25 25,6 38,4 51,2 *Os valores aproxima- TABELA 10 26 26,6 39,9 53,2 27 27,6 41,5 55,3 28 28,7 43,0 57,3 dos devem ser 29 29,7 44,5 30 30,7 46,1 arredondados sempre 31 31,7 47,6 32 32,8 49,2 para maior. 15
  16. 16. INSTALAÇÃO A instalação da placa solar pode ser realizada de várias formas, de acordocom o formato e a metragem quadrada da área disponível a distribuição das placastem seu lay-out variado. Porém, existem algumas peculiaridades que devem serobservadas em qualquer instalação, como carga máxima que suporta a estruturaque comportará as placas, inclinação do telhado em relação ao norte, formato daárea disponível, sistemas de instalação em série ou paralelo, vazão necessária nosistema hidráulico, tubulação e bomba a serem utilizados, projeto hidráulico,posicionamento dos itens indispensáveis na instalação como, filtro, válvula de ar eválvula de passagem, são fatores importantes que devem ser bem planejadosantes da instalação. Observações importantes: - As placas solares normalmente são instaladas em telhados ou locaissimilares de altura elevada, portanto, a instalação deste produto deverá ser realizadapor profissionais qualificados e que sigam as normas de segurança vigentes enecessárias para esta prestação de serviços. - Toda instalação de aquecedor solar requer um estudo prévio que envolveprojeto hidráulico, dimensional e de localização que são muito importantes paraum bom rendimento do produto. A empresa sob nenhum pretexto se responsabilizarápor dimensionamentos ou projetos mal elaborados, portanto, leia com atenção asinstruções e dados especificados neste manual e contrate profissionais capacitadospara prestar os serviços de instalação e projeto. Identificação das placas Cada placa é formada por dois tubos distribuidores, o inferior e o superior,ligados por vários perfis de borracha que servirão de passagem para o aquecimentoda água. As placas se diferenciam pelo comprimento dos perfis, por exemplo, PS2(menor placa com 2 metros de comprimento), PS3 (placa com 3 metros decomprimento), e assim sucessivamente até o PS8, sendo a maior placa com 8metros de comprimento, a largura da placa é de 0,64m independente do modelo. A tabela 5, pág.11, especifica qual a área referente a cada modelo de placa. 16
  17. 17. Célula Denominamos célula o conjunto deplacas interligadas. Na tabela 11, pág. 19,temos o número máximo de placas que umacélula pode comportar de acordo com seucomprimento. FIG. 17Exemplo de 1 célula com 4 placas Bateria em paralelo Denominamos bateriaem paralelo todo conjuntocom 2 ou mais células quepossuem alimentação de águaindependente.Exemplo de 1 bateria em paralelo com2 células FIG. 18 SISTEMAS DE INSTALAÇÃO A distribuição das células na instalação é classificada de duas formas,instalação em paralelo e instalação em série. Instalação em paralelo A instalação em paralelo ocorre quando as células possuem pontosindependentes de entrada e saída de água, fig.19, neste caso a vazão total dosistema hidráulico deverá ser distribuído igualmente para cada célula. 17
  18. 18. Instalação em paralelo Este é um exemplo FIG. 19típico de instalação emparalelo, fig. 19, observe queos pontos de entrada e saídada água são independentes,e a distribuição dos tubos deentrada é a mesma do tubode saída. Neste sistema ovolume d’água deve serdividido entre as duascélulas, utilize a tabela 12,pág. 20 para definir a vazãonecessária no sistemahidráulico. Instalação em série A instalação em sérieocorre quando duas ou maiscélulas possuem um único pontode entrada e saída de água, fig.20, nestes casos a água seráaquecida de forma gradual deacordo com sua passagempelas células e a vazão nosistema hidráulico serádeterminada pela primeiracélula, sem a necessidade dedividir o volume d’água entre asmesmas. FIG. 20 Observação No sistema em sériedevemos utilizar no máximo 2 células alimentadas por um único ponto. 18
  19. 19. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Para que possamos realizar o projeto hidráulico é muito importante termos definido osseguintes tópicos: - Área disponível e adequada para instalação. - Quantidade de placas, definidas pela área de cada modelo. - Quantidade de células, definida pela quantidade máxima de placas em conjunto paracada modelo. - Sistema de instalação paralelo ou em série. Tabela de distribuição das placas De acordo com o local definido para instalação, posicionaremos uma quantidade de placas,que somadas, resultarão na área necessária para o aquecimento da piscina na temperaturadesejada. Como já vimos anteriormente, cada modelo de placa diferencia-se apenas pelo seucomprimento, e a montagem das placas em seqüência resultam num conjunto chamado célula.De acordo com o modelo temos uma quantidade máxima de placas na formação da célula. Caso a quantidade máxima de placas para formação de uma célula seja ultrapassada,devemos posicionar o restante em série ou paralelo, exemplos já citados nos tópicos anteriores. A tabela abaixo indica a quantidade máxima de placas permitido em uma única célula, ecomo devemos distribuir caso ocorra um excesso. QUANTIDADE MÁXIMA DE PLACAS POR CÉLULA Número máximo de placas por célula PS2 PS3 PS4 PS5 PS6 PS7 PS8 1 1 1 1 1 1 1 única. 2 2 2 2 2 2 2 TABELA 11 Neste sistema devemos utilizar 1 kit hi- 3 3 3 3 3 3 3 4 4 4 4 4 4 4 dráulico final, composto por: 5 5 5 5 5 5 5 - (1 Cap / 3 adaptadores Ø1 1/2” / 2 conjuntos 6 6 6 6 6 6 6 de abraçadeira). 7 7 7 7 7 7 7 8 8 8 8 8 8 4/4 9 9 9 9 9 5/4 5/4 10 10 10 10 5/5 5/5 5/5 11 11 11 11 6/5 6/5 6/5 Número máximo de placas para 2 células em 12 12 12 6/6 6/6 6/6 6/6 13 13 13 7/6 7/6 7/6 7/6 série. 14 14 14 7/7 7/7 7/7 7/7 Neste sistema devemos utilizar 1 kit de 15 15 8/7 8/7 8/7 8/7 16 16 8/8 8/8 8/8 8/8 interligação, composto por: 17 17 9/8 9/8 9/8 - (2 Caps / 2 adaptadores Ø1 1/2” / 2 conjuntos de 18 18 9/9 9/9 9/9 19 19 10/9 10/9 abraçadeira). E também 1 kit hidráulico final, 20 10/10 10/10 10/10 composto por: 21 11/10 11/10 11/10 22 11/11 11/11 11/11 - (1 Cap / 3 adaptadores Ø1 1/2” / 2 conjuntos de 23 12/11 12/11 abraçadeira). 24 12/12 12/12 25 13/12 13/12 26 13/13 13/13 27 14/13 14/13 28 14/14 14/14 Informação importante 15/14 15/14 Para instalações em paralelo consulte 15/15 15/15 16/15 16/15nosso departamento técnico. 16/16 16/16 19
  20. 20. Informação importante: A área máxima para cada célula (conjunto de placas interligadas), não deveráultrapassar 37m². Vazão por placa A vazão no sistema hidráulico representa o volume de água ideal para circularentre as placas de acordo com cada projeto, também auxilia na definição do diâmetroda tubulação e na escolha da motobomba. A tabela abaixo indica a vazão de acordo com a quantidade de placas, quesomadas resultam na vazão total necessária no conjunto hidráulico. MODELO DA PLACA E SUA RESPECTIVA VAZÃO (m³) TABELA 12 QUANTIDADES PS2 PS3 PS4 PS5 PS6 PS7 PS8 1 0,3 0,5 0,6 0,8 1,0 1,1 1,3 2 0,6 1,0 1,3 1,6 1,9 2,3 2,6 3 1,0 1,5 1,9 2,4 2,9 3,4 3,9 4 1,3 1,9 2,6 3,2 3,9 4,5 5,2 5 1,6 2,4 3,2 4,0 4,8 5,6 6,5 6 1,9 2,9 3,9 4,8 5,8 6,8 7,7 7 2,3 3,4 4,5 5,6 6,8 7,9 9,0 8 2,6 3,9 5,2 6,5 7,7 9,0 5,2 9 2,9 4,4 5,8 7,3 8,7 4,5 6,5 10 3,2 4,8 6,5 8,1 4,8 5,6 6,5 11 3,5 5,3 7,1 8,9 5,8 5,6 6,5 12 3,9 5,8 7,7 4,8 5,8 6,8 7,7 13 4,2 6,3 8,4 5,6 6,8 6,8 9,0 14 4,5 6,8 9,0 5,6 6,8 7,9 9,0 15 4,8 7,3 5,2 6,5 7,7 7,9 16 5,2 7,7 5,2 6,5 7,7 9,0 17 5,5 8,2 5,8 7,3 8,7 18 5,8 8,7 5,8 7,3 8,7 19 6,1 9,2 6,5 8,1 20 6,5 4,8 6,5 8,1 21 6,8 5,3 7,1 8,9 22 7,1 5,3 7,1 8,9 23 7,4 5,8 7,7 24 7,7 5,8 7,7 25 8,1 6,3 8,4 26 8,4 6,3 8,4 27 8,7 6,8 9,0 28 9,0 6,8 9,0 29 4,8 7,3 30 4,8 7,3 31 5,2 7,7 32 5,2 7,7 Informações importantes: - Nas instalações em paralelo a vazão total do sistema hidráulico deveráser divida pelo número de células, por exemplo: - Um projeto que possui 3 células em paralelo, cada célula com 5 placasPS5. De acordo com a tabela temos que uma célula com 5 placas PS5 quenecessita de 4,8m³ de vazão, logo, 3 células em paralelo necessitarão de umavazão de 14,4m³, formando 3 baterias. 20
  21. 21. - Nas instalações em série a vazão total do sistema hidráulico é definidapela vazão da primeira célula, por exemplo: - Um projeto que possui 2 células em série, cada célula com 3 placas PS8. De acordo com a tabela 12 pág.20 temos que uma célula com 3 placasPS8 que necessita de 2,6m³ de vazão, logo, 2 células em série necessitarão damesma vazão, ou seja, 2,6m³, formando uma só bateria. Sendo que, nas instalaçõesem série podemos utilizar uma quantidade máxima de 2 células por bateria. - As tabelas de vazão foram baseadas na vazão nominal de 252l/h/m². Vazão por célula Abaixo a vazão individual das placas, e a vazão com o número máximo deplacas, de acordo com seu respectivo modelo. Observe que independente do modeloa vazão máxima de uma célula não ultrapassa 10m³. Nº máximo Vazão MODELO DA Vazão por de placas da célula PLACA placa (m³) por célula (m³) PS2 0,30 28 10 PS3 0,50 19 10 PS4 0,60 14 10 PS5 0,80 11 10 TABELA 13 PS6 1,00 9 9 PS7 1,10 8 9 PS8 1,30 7 9 Vazão máxima por tubulação A tabela abaixo indica a vazão máxima de retorno e sucção da água naspiscinas, de acordo com cada tubulação. Tubulação em (mm) 32 40 50 60 75 85 110 Tubulação em (polegadas) 1" 1 1/4" 1 1/2" 2" 2 1/2" 3" 4" RETORNO Vaz ão máxima (m³/h) 6,0 10,0 15,0 25,0 35,0 53,0 83,0 TABELA 14A Tubulação em (mm) 32 40 50 60 75 85 110 Tubulação em (polegadas) 1" 1 1/4" 1 1/2" 2" 2 1/2" 3" 4" SUCÇÃO Vaz ão máxima (m³/h) 3,7 6,2 9 15,0 21,0 32,0 50,0 TABELA 14B Informação importante A tubulação mínima recomendada para alimentação hidráulica é deØ32mm ou 1”. 21
  22. 22. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA IDEAL Abaixo exemplificamos uma instalação hidráulica ideal, onde observa-seque a alimentação dos coletores é feita através de uma motobomba independente,com dispositivos de retorno e sucção exclusivos para o coletor solar. FIG. 21 Informação importante: A quantidade de dispositivos de aspiração para alimentar a placa solardepende da vazão necessária, e deverá seguir a norma da ABNT 10.339, ver tabela14B pág 21. 22
  23. 23. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA POSSÍVEL Abaixo exemplificamos uma instalação hidráulica possível, onde observa-se que a alimentação dos coletores é feita em conjunto com o sistema filtrante, ecom registros independentes. FIG. 22 IMPORTANTE Neste esquema hidráulico, o coletor solar deve ser acionado manualmente,fechando o registro do sistema filtrante e abrindo o registro do coletor. 23
  24. 24. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA COM TROCADOR DE CALOR Abaixo exemplificamos uma instalação hidráulica com trocador de calor, onde observa-seque a alimentação dos coletores é feita através de uma motobomba independente, com dispositi-vos de retorno e sucção exclusivos para o coletor solar. FIG. 23 IMPORTANTE A instalação elétrica e hidráulica do trocador de calor devem seguir as normas prescristasem seu respectivo manual, devendo trabalhar independente do coletor solar. A quantidade de dispositivos de aspiração para alimentar a placa solar depende da vazãonecessária, e deverá seguir a norma da ABNT 10.339, ver tabela 14B pág 21. O TERMOSTATO DIGITAL DO TROCADOR DE CALOR DEVERÁ TER SEU DIFERENCIAL PARAREACIONAMENTO AJUSTADO EM (-2°C), PARA QUE O MESMO SÓ ACIONE CASO O COLETOR SOLARNÃO TENHA RENDIMENTO ÚTIL PARA AQUECIMENTO. O COLETOR TEM SEU DIFERENCIAL AJUSTA-DO DE FÁBRICA EM (-1°C). 24
  25. 25. DRENAGEM DAS PLACAS Em regiões com temperaturas mui-to frias, onde há possibilidade de conge- FIG. 24lamento, é necessário que se realize a dre-nagem das placas para que a água nãocongele dentro dos perfis. Basta realizarum esquema hidráulico similar ao da figu-ra ao lado. O registro deverá se mantertotalmente fechado com o coletor em fun-cionamento. Para realizar a drenagem das pla-cas, desligue o sistema hidráulico e abrao registro, fechando-o assim que todaágua escoar. INSTALAÇÃO DA VÁLVULA VENTOSA A válvula ventosa deve ser insta- lada conforme figura abaixo, seu corpo nunca deverá ficar acima do centro do tubo de saída de água do coletor. FIG. 25 FIG. 26 25
  26. 26. MONTAGEM DAS PLACAS 1° Passo – Após a conferência dos acessórios de montagem, posicione asplacas no local de instalação uma ao lado da outra para certificar-se que asdimensões do telhado ou similar conferem com a quantidade de placas, bem como,o comprimento das mesmas estejam padronizados. 2° Passo – Encaixe as placas com avedação, posicione o anel de vedação em uma das FIG. 27extremidades do distribuidor de água, em seguida,encaixe o outro distribuidor até unir todas as placas.OBS: O abaulado do anel de vedação deve servoltado para baixo. FIG. 27 3° Passo - Encaixe a abraçadeira, com oanel de vedação posicionado entre os dois distri-buidores, encaixe as abraçadeiras comprimindo oanel entre as duas placas. FIG. 28 4° Passo - Encaixe o travador, com asabraçadeiras encaixadas trave-as encaixando otravador, se necessário utilize um alicate ou similar. FIG. 29 26
  27. 27. FIG. 30 5° Passo - Monte os espaçadores, os espaçadores devem ser encaixados nas placas a cada metro por todo seu comprimento, posicione os perfis conforme figs.30 e 31, intercalando-os nas placas con- forme pág.10, fig. 16. Posicione os guias sob as placas, distanciando- os de metro em metro por todo seu comprimento. Encaixe o travador nas duas extremidades do guia, para que os perfis fiquem alinhados.FIG. 31 6° Passo - Fixação das placas, elas deverão ser fixadas pelas alças dotubo distribuidor, cada placa possuirá duas alças de fixação. Informação importante As placas deverão ser fixadas porarame ou cabo de aço, ambosencapados com espessura entre 3mme 5mm, utilize as duas alças de fixaçãoem todas as placas instaladas em para-lelo, conforme desenho ao lado. A estrutura de fixação deverá su-portar um peso de 20kg/m² de placa. FIG. 32 27
  28. 28. CONTROLADORES AUTOMÁTICOS Como já citamos anteriormente, o Coletor Solar Sodramar é um aparelhodesenvolvido para trabalhar automaticamente após sua instalação. Esta é a funçãodo controlador diferencial de temperatura, comparar através de sensores térmicosos parâmetros de aquecimento, tais como, temperatura da água da piscina, tempe-ratura dos coletores e temperatura desejada da água, para então acionar ou desativarautomaticamente o bombeamento de água para as placas. A Sodramar oferece na sua linha de produtos 3 modelos de controladorescomo acessórios opcionais, onde 2 deles são digitais e 1 analógico. FIG. 33 MODELO RN (Digital) Este modelo de controlador monitora todoaquecimento do coletor de solar, indicando de formainstantânea a temperatura da água e a temperatura desejadapara aquecimento, além de oferecer várias opções de ajustespara o operador. Seu termostato é digital e suas funções vêmimpressas no próprio aparelho. A seguir, especificaremos suas funções e comandos. Botão seletor Seleciona a forma que deseja controlar o coletorsolar AUTOMÁTICO ou DIRETO, para utilizar as funçõesinteligentes do Controlador Diferencial, posicione estebotão sempre na posição automático. FIG. 34 Luz sinalizadora Indica que a motobomba está ativada. 28
  29. 29. Sensor (T1) Deverá ser encaixado entre as placas para indicar sua temperatura aocontrolador, figs. 16 e 17. Sensor (T2) Deverá ser conectado na tubulação de entrada do coletor, com auxílio docolar tomada, para indicar a temperatura da água da piscina para o controlador,figs. 16 e 17. Termostato digital Este aparelho possui funções de acesso protegidas por código que garantemo controle seguro do aquecimento do coletor solar. Os parâmetros do termostato digital são configurados de fábrica e nãonecessitam ser alterados, conforme tabela 11. O único parâmetro cabível demodificação é o da temperatura desejável da água indicado pela seta natabela. Este parâmetro foi estabelecido em 28°C, que é a temperatura ideal para obanho de piscina. TABELA 7 TABELA 15 PARÂMETROS ESTABELECIDOS DE FÁBRICA 29
  30. 30. Como alterar as funções Como já citamos anteriormente as funções do termostato digital vêm pa-dronizadas de fábrica, e não necessitam ser alteradas. A visualização dosparâmetros poderá ser feita normalmente sem acessar o código. Caso queiraalterar a temperatura desejada da piscina ou outras funções, será necessário digitaro código de acesso padronizado em (123) conforme procedimento abaixo.1 – Pressione a tecla por 2 segundos até aparecer , soltando emseguida.2 – Ao aparecer , pressione (toque curto) e insira o código de acesso(123) através das teclas e .Para confirmar pressione .3 – Através das teclas e acesse as demais funções e proceda do mesmomodo para ajusta-las.4 – Para sair do menu e retornar à operação normal, pressione (toque longo)até aparecer --- . Identificação Código de acesso (123) Para configurar os parâmetros padronizados é necessário digitá-lo, confor-me pág. 18, para somente visualizar os parâmetros não é necessária a inserçãodeste código. Indicação preferencial Esta função seleciona o que será mostrado no visor do termostato digital,você poder indicar uma das opções abaixo: Indica a termperatura dos coletores (T1). Indica a termperatura da água da piscina (T2). Indica a diferença de temperatura (T1 - T2). Diferença de temperatura (T1-T2) para religar a motobomba (3°). Esta função subtrai a temperatura do coletor (T1), que sobe ao receber ener-gia, da temperatura da água da piscina (T2), Quando esta resultante estiver a (3°) amotobomba é acionada. 30
  31. 31. Diferença de temperatura (T1-T2) para desligar a motobomba (1°). Esta função subtrai a temperatura do coletor (T1), que desce com a circula-ção da água no coletor, da temperatura da água da piscina (T2), Quando esta resul-tante estiver a (1°) a motobomba é desligada. Temperatura máxima das placas para desligar a motobomba (90°) Esta função indica a temperatura máxima que o coletor poderá atingir paraque a água circule sem danos nas tubulações da piscina, caso as mesma sejam de(PVC). Temperatura desejável da piscina (28°C) Esta função indica com quantos graus a motobomba desligará por atingir atemperatura desejável. Baixa da temperatura para religar a motobomba (1°C) Esta função indica quantos graus deverão baixar a temperatura da água,para que a motobomba recomece o processo de aquecimento para atingir nova-mente a temperatura desejada. NAS INSTALAÇÕES COM TROCADOR DE CA-LOR O TERMOSTATO DIGITAL DA MÁQUINA DEVERÁ TER SEU DIFERENCIALPARA REACIONAMENTO AJUSTADO EM (-2°C), PARA QUE A MESMA SÓ ACI-ONE CASO A PLACA SOLAR NÃO TENHA RENDIMENTO ÚTIL PARA AQUECI-MENTO. IMPORTANTE O valor da função deverá ser sempre maior que o valor da função no termostato digital. Os parâmetros estabelecidos de fábrica são os ideais para o aquecimento depiscina, portanto, evite altera-los aleatoriamente ou sem objetivo concreto, para nãoiinterferir no aquecimento e rendimento do Coletor Solar. 31
  32. 32. Indicação de erro pelo termostato Caso apareça uma dessas mensagns no visor, é sinal que algum erro desinal ou parâmetro ocorre no controlador são eles: Sensor (T1) desconectado ou fora da faixa especificada. Sensor (T2) desconectado ou fora da faixa especificada. Foi detectado parâmetro fora da área aceitável e deve ser corrigido. FIG. 35 MODELO QD (Digital) Este modelo de controlador monitora todo aquecimentodo coletor solar indicando de forma instantânea a temperaturada água e a temperatura desejada para aquecimento. Seusistema operacional é muito simples e prático, podendo serfacilmente operado. A seguir, especificaremos suas funções e comandos. Botão seletor Seleciona a forma que deseja controlar o coletorsolar AUTOMÁTICO ou DIRETO, para utilizar as funçõesinteligentes do Controlador Diferencial, posicione estebotão sempre na posição automático. FIG. 36 Luz sinalizadora Indica que a motobomba está ativada. 32
  33. 33. Sensor (T1) Deverá ser encaixado entre as placas para indicar sua temperatura aocontrolador, figs. 16 e 17. Sensor (T2) Deverá ser conectado na tubulação de entrada do coletor, com auxílio docolar tomada, para indicar a temperatura da água da piscina para o controlador,figs. 16 e 17. Termostato digital Este aparelho tem suas funções otimizadas, tornando mais simples e práticosua operação. Os parâmetros do termostato digital modelo QD são configurados de fábricae não necessitam ser alterados. O único parâmetro cabível de modificação é atemperatura desejada da água (SPP). Como operar Para operar este controlador é muito simples, basta seguir os procedimentosabaixo. FIG. 37 Indicação do visor Ao acionar o aparelho aparecerá no visor a temperatura da água da piscina,caso queira visualizar a temperatura das placas, pressione o botão e receberáesta informação, em seguida o visor voltará a indicar a temperatura da água dapiscina. 33
  34. 34. Visualize e ajuste a temperatura desejada Para visualizar e ajustar a temperatura desejada, basta pressionar a tecla(toque rápido), no visor aparecerá a sigla SSP, pressione novamente (toque rápido)e aparecerá a temperatura desejada piscando no visor, neste momento ajuste atemperatura desejada utilizando as teclas , em seguida, confirme a operaçãopressionando a tecla . MODELO (Standard) Este modelo de controlador possui menos recursosque os anteriores, sua função é apenas comparar astemperaturas da placa e da água, emitindo um sinal paraque a motobomba entre em ação ou desligue. A seguir, especificaremos suas funções e comandos. FIG. 38 FIG. 39 Como alterar as funções Para alterar as funções deste controlador é muito simples, primeiramentevamos identificar o painel de comando do termostato. Escala analógica 1 (On) Ao ajustar esta escala de 2 a 10, você estará informando ao controladorqual a diferença mínima de temperatura necessária entre a placa e a água paraque o coletor e a motobomba voltem a operar e aquecer a piscina. Exemplo: Se regularmos a escala em 8ºC, estamos indicando que, se atemperatura da água da piscina for de 25ºC, e a temperatura da placa for de 33ºC,ou seja 8ºC de diferença, a motobomba irá acionar para que os coletores aqueçama água. 34
  35. 35. Escala analógica 2 (Off) Ao ajustar esta escala de 1 a 10, você estará informando ao controladorqual a diferença mínima de temperatura necessária entre a placa e a água paraque o coletor e a motobomba parem de funcionar. Exemplo: Se regularmos a escala em 2ºC, estamos indicando que, se atemperatura da água da piscina for de 26ºC, e a temperatura da placa for de 28ºC,ou seja 2ºC de diferença, a motobomba irá desligar e os coletores pararão deaquecer a piscina. Led 1 O sinalizador vermelho indica que o controlador está energizado. Led 2 O sinalizador verde indica que a motobomba está ativada e os coletoresestão aquecendo a piscina. Informações importantes O valor registrado na escala analógica 1 (On), deve ser sempre maior doque o valor registrado na escala 2 (Off), caso contrário os coletores não serãoacionados. Este aparelho não controla a temperatura da água, portanto tenha umequipamento opcional para realizar este controle, e desligue a motobombamanualmente sempre que a temperatura da água atingir a desejada. INSTALAÇÃO ELÉTRICA DOS CABOS Modelo ST (analógico) Este quadro pode ser instalado em 110V ou 220V, siga os esquemas aseguir.FIG. 40 FIG. 41 Instalação em 110V Instalação em 220V 35
  36. 36. Modelos RN e QD (digitais) Estes quadros podes ser instalados em 220V bifásico ou 220V trifásico,siga os esquemas a seguir. FIG. 42 FIG. 43Dados técnicos Dados técnicosmodelo analógico modelos digitaisAlimentação direta: 110V ou 220V Alimentação: 220VCorrente máxima: 9A Corrente máxima: 9ADimensões: 100 x 73 x 37 Dimensões: 360 x 240 x 100 NOTA: O comprimento do cabo do sensor é de 2,5m e pode ser aumentadopelo próprio usuário para até 200m, utilize cabo tipo microfone 1 x 0,5mm². Manutenção Aconselhamos que faça uma vistoria periódica nas conexões e sensores dasplacas, caso perceba algum tipo de vazamento, interrompa o processo de aqueci-mento até que omesmo seja solucionado. A impregnação de sujeira sobre as placas afeta no rendimento do aquecedor,portanto, lave as placas esfregando-as com cerdas macias sempre que necessário. 36
  37. 37. CERTIFICADO DE GARANTIA A Sodramar assegura a garantia contra qualquer defeito de material ou defabricação que o produto apresentar no período de 36 meses contados a partir dadata de aquisição, devidamente comprovada através da nota fiscal emitida pelonosso distribuidor. Durante o período de vigência desta garantia, comprometemo-nos a trocarou consertar gratuitamente as peças defeituosas, quando o seu exame técnicorevelar a existência de defeitos de material ou fabricação. Para o cumprimento desta garantia, este produto deverá ser colocado nafábrica ou no revendedor mais próximo, correndo por conta do comprador asdespesas inerentes de transporte, embalagem e seguro. Esta garantia não se aplica a quaisquer peças ou acessórios danificadospor inundações, incêndios, componentes impróprios na instalação, ou ainda, casosimprevisíveis ou inevitáveis. Esta garantia também fica nula e sem efeito algum, caso este produto sejaentregue para conserto a pessoas não autorizadas, ou for constatado um dosproblemas abaixo: - Utilização de bomba que esteja além da capacidade exigida, vazão acimado especificado. - Pressão de alimentação das placas maior do que 1 kgf/cm. - Não utilização de filtro “y” adequado à tubulação ou falta de manutençãodo mesmo. - Desbalanceamento hidráulico no sistema de aquecimento. - Montagem hidráulica com mais do que três células em série. - Não existência de possibilidade de drenagem do sistema em casos degeada. - Ligações elétricas de comando e potência em desacordo com o manual. - Colocação das placas em desacordo com as orientações do manual. - Fixação das placas não efetuadas em todos os anéis de fixação, seguindoas especificações dimensionais do cabo de sustentação. - Colocação das placas em superfície que tenha a possibilidade derompimento, furos ou qualquer avaria física no material. - Sistema sofrendo sombreamento. - Não utilização de capa térmica no período noturno. Não nos responsabilizamos por danos ocorridos a este produto durante otransporte. Reservamo-nos o direito de promover alterações no produto sem prévioaviso ao usuário. Esta garantia somente será válida mediante a apresentação da nota fiscalde compra emitida contra o comprador inicial. 37

×