Pnaas - Ruído e Espaços Construídos

2.594 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.594
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Pnaas - Ruído e Espaços Construídos

    1. 1. UC : Saúde Ambiental Docente : Vítor Manteigas Discentes : Ana Santos; Andreia Nunes; Daniela Duarte; Sandra Duarte; Sofia Pires
    2. 2. Ruído <ul><li>Principal factor ambiental de degradação da qualidade de vida da população </li></ul><ul><li>Consequências graves na saúde humana </li></ul><ul><li>Efeitos </li></ul><ul><li>Auditivos </li></ul><ul><li>Fadiga auditiva (directo) </li></ul><ul><li>Surdez (directo) </li></ul><ul><li>Interferência na comunicação oral (indirecto) </li></ul><ul><li>Extra-auditivos </li></ul><ul><li>SNC e SNP (HTA, alterações do ritmo cardíaco/respiratório) </li></ul><ul><li>Efeitos Psicossociais (irritabilidade, stress, fadiga, diminuição da capacidade de concentração e aprendizagem, ou perturbação do sono) </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.
    3. 3. Ruído <ul><li>Habituação ou adaptação ao ruído  alterações fisiológicas/ psicológicas do indivíduo </li></ul><ul><li>Regulamento geral do Ruído (RGR): </li></ul><ul><li>Princípios preventivos  Planeamento territorial; </li></ul><ul><li>  licenciamento de actividades ruidosas e de infra-estruturas de transporte. </li></ul><ul><li>Pretende limitar o ruído recebido por receptores “sensíveis” e emitido por essas fontes sonoras </li></ul><ul><li>Prevê a execução de planos municipais de redução de ruído  quando os valores - limite estabelecidos para R.A.E. ultrapassados. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.
    4. 4. Ruído <ul><li>Regulamento dos requisitos acústicos dos edifícios  Não existem ainda valores - limite estabelecidos para o interior de edifícios. </li></ul><ul><li>A legislação em vigor promove o conforto acústico através do controlo de duas variáveis: </li></ul><ul><li>Ruído ambiente existente no exterior dos edifícios </li></ul><ul><li>Isolamento acústico das fachadas dos mesmos </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.
    5. 5. Ruído <ul><li>Os valores – limite fixados no RGR para R.A.E. é expresso em: </li></ul><ul><li>Indicador de ruído diurno – entardecer – nocturno (Lden) </li></ul><ul><li>Indicador de ruído nocturno (Ln) </li></ul><ul><li> baseiam-se em valores propostos pela OMS </li></ul><ul><li>Controlo do ruído ambiente </li></ul><ul><li> estabelecimento de valores – limite de emissões sonoras de determinados equipamentos </li></ul><ul><li>Exposição ao ruído no local de trabalho pode causar diversas perturbações na audição </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.
    6. 6. Ruído <ul><li>O Regulamento Geral de Segurança e Higiene do Trabalho nos Estabelecimentos Industriais, aprovado pela Portaria n.º 702/80, de 22 de Setembro, no seu artigo 26º previa já a necessidade de avaliar, de acordo com as normas portuguesas específicas, a exposição profissional ao ruído. </li></ul><ul><li>Em 1992, os Decreto-Lei n.º 72/92 e Decreto Regulamentar n.º 9/92, ambos de 28 de Abril relativos à protecção dos trabalhadores contra os riscos consequentes da exposição ao ruído durante o trabalho, vem tornar clara a obrigatoriedade da realização deste tipo de avaliações a par da vigilância médica e audiométrica da função auditiva dos trabalhadores expostos. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.
    7. 7. Vector I — Integração de informação e Investigação aplicada Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. <ul><li>Acção I.10 </li></ul><ul><li>Acção I.11 </li></ul><ul><li>Acção I.12 </li></ul><ul><li>Acção I.13 </li></ul>
    8. 8. Acção I.10 Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Levantamento de informação e/ou vigilância epidemiológica de efeitos na saúde humana associados à exposição a ruído ambiente Fonte: http://2.bp.blogspot.com/_XXwOXp1Ssgs/RublVtk_2XI/AAAAAAAAAAs/pixz7erw9uU/s1600/Ruido.jpg
    9. 9. I- Enquadramento <ul><li>A exposição ao ruído constitui um dos principais factores ambientais de degradação da qualidade de vida da população, em particular nos centros urbanos, podendo ter consequências graves ao nível da saúde humana. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fonte: http://www.juniao.com.br/weblog/archives/Ilustra_RP_Sonoro_72.jpg
    10. 10. I- Enquadramento (cont.) <ul><li>Segundo NP 3225 – Parte 1 (1986) </li></ul>Ruído é um som sem interesse ou desagradável para o auditor Segundo a NP 1730 – Parte 1 (1996) Ruído ambiente é o ruído global observado numa dada circunstancia, num determinado instante, devido ao conjunto das fontes sonoras que fazem parte da vizinhança próxima ou longínqua do local considerado Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    11. 11. I- Enquadramento (cont.) <ul><li>Assim… </li></ul>Ruído Ambiente é o ruído percebido no interior ou no exterior de um edifício, excluindo o local de trabalho, resultante de infra-estruturas de transporte, de actividades comerciais, industriais ou de serviços, não incluindo ruído de vizinhança Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fonte: http://www.apambiente.pt/politicasambiente/PublishingImages/ruido.gif
    12. 12. I- Enquadramento (cont.) <ul><li>Efeitos auditivos </li></ul><ul><li>Efeitos extra-auditivos </li></ul>Directos - fadiga auditiva e o desvio permanente do limiar da audição (surdez) Indirectos – interferência na comunicação oral Efeitos sobre o sistema nervoso central e periférico ( hipertensão arterial, alterações do ritmo cardíaco e respiratório) Efeitos psicossociais ( irritabilidade, stress, fadiga, diminuição da capacidade de concentração e aprendizagem, ou perturbação do sono) Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    13. 13. I- Enquadramento (cont.) <ul><li>Factos: </li></ul><ul><li> Estudos efectuados relatam fenómenos de habituação ou adaptação ao ruído ( diminuição da resposta a um estimulo continuado), os quais podem ocorrer devido a alterações fisiológicas e psicológicas do individuo. </li></ul><ul><li>Os meios de transporte constituem uma das principais fontes de ruído ambiente, em particular o tráfego rodoviário (sobretudo em zonas urbanas), aéreo e ferroviário. </li></ul><ul><li>Os limites da emissão sonora para fins de homologação de veículos automóveis tornaram-se cada vez mais restritivos ao longo dos ano; contudo tal não se traduziu numa redução significativa da exposição da população ao ruído ambiente devido ao aumento exponencial do numero de veículos automóveis em circulação. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    14. 14. II- Objectivo(s) do projecto <ul><li>Compreender melhor as relações entre a exposição a ruído ambiente (exterior e interior) e efeitos na saúde, dando particular atenção aos grupos mais vulneráveis da população </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fonte: http://www.apambiente.pt/politicasambiente/PublishingImages/ruido.gif
    15. 15. III- Descrição do projecto <ul><li>Fase 1 – Levantamento da informação disponível sobre efeitos na saúde humana associados à exposição a ruído ambiente (exterior e interior) </li></ul><ul><li>Fase 2 – Proceder à recolha centralizada de reclamações de ruído ambiente: </li></ul><ul><li>2.1 – Identificação e analise de procedimentos de recolha de reclamações já existentes, junto das diversas entidades com competência na matéria. </li></ul><ul><li>2.2 – Recolha e triagem de reclamações de ruído ambiente dos últimos 3 anos. </li></ul><ul><li>2.3 – Concepção de ficha modelo para registo de reclamações a constatarem de base de dados a criar para o efeito. </li></ul><ul><li>2.4 – Estabelecimento do procedimento de recolha dos registos de reclamações, junto de todas as entidades licenciadoras e fiscalizadores, conforme definido na legislação em vigor. </li></ul><ul><li>2.5 – Definição e implementação do sistema, que deve prever a geo-referenciação das reclamações, em articulação com a Acção I.17, mantendo a sua actualização contínua, e assegurando a sua divulgação ao público. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    16. 16. III- Descrição do projecto (cont.) <ul><li>Fase 3 – Concepção e realização de um ou mais estudos de investigação/avaliação dos efeitos na saúde de grupos de população definidos, associados à exposição a ruído ambiente: </li></ul><ul><li>3.1 – Definição de critérios para a identificação de zonas geográficas e de populações consideradas prioritárias para a realização dos estudos identificados na fase 3.3. </li></ul><ul><li>3.2 – Identificação e selecção de zonas geográficas e de grupos de população, considerados prioritários ( na sequencia das fases 2 e 3.1). </li></ul><ul><li>3.3 – Realização de estudos para investigar/avaliar os efeitos na saúde humana associados á exposição a ruído ambiente, incluindo o conforto acústico, em zonas e grupos de população seleccionados na fase 3.2. </li></ul><ul><li>Fase 4 – Integração dos resultados dos estudos num sistema geo-referenciado de ruído ambiente, em articulação com a acção I.17, e sua implementação. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    17. 17. IV- Calendário da execução <ul><li>Horizonte temporal previsto: 2008 - 2013 </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 2008 2009 2010 2011 2012 2013 1 2 3.1 3.2 3.3 4
    18. 18. V- Metas a alcançar <ul><li>Produção de Relatório Síntese sobre os efeitos na saúde associados à exposição a ruído ambiente, até meados de 2008 </li></ul><ul><li>Base de dados com o registo de reclamações de ruído ambiente, implementada até ao final de 2008 </li></ul><ul><li>Realização de Relatório(s) do(s) estudo(s) de investigação/avaliação dos efeitos da exposição a ruído ambiente na saúde humana, até meados de 2011 </li></ul><ul><li> Geo-referenciados dos dados de exposição a ruído ambiente, implementada a partir de 2012 </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    19. 19. Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Levantamento de informação e/ou vigilância epidemiológica de efeitos na saúde humana associados à exposição a RUÍDO NO LOCAL DE TRABALHO
    20. 20. I - Enquadramento <ul><li>A surdez resultante da exposição a níveis sonoros elevados nos locais de trabalho é das doenças profissionais mais conhecidas. </li></ul><ul><li>A exposição ao ruído pode causar diversas perturbações da audição. </li></ul>Exposição de CURTA DURAÇÃO Lesões auditivas imediatas Pressão sonora extremamente elevada Zumbidos constantes nos ouvidos (acufenos) Níveis sonoros elevados Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    21. 21. I – Enquadramento (Cont.) <ul><li>As substâncias químicas existentes nos locais de trabalho podem ser ototóxidas, produzindo efeitos adversos nos órgãos de audição, traduzindo-se num risco acrescido quando em conjugação com a exposição a ruído. Também, a exposição de trabalhadoras grávidas a níveis sonoros elevados pode ter consequências para o feto. </li></ul>Decreto-Lei n.º 182/2006, de 6 de Setembro Fonte: http://dialogospoliticos.files.wordpress.com/2008/12/pappoulla_gravida.jpg Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    22. 22. I - Enquadramento (Cont.) <ul><ul><li>O Regulamento Geral de Segurança e Higiene no Trabalho nos Estabelecimentos Industriais, previa já a necessidade de avaliar, de acordo com as normas portuguesas específicas, a exposição profissional ao ruído. </li></ul></ul><ul><ul><li>Em 1992, os Decreto-Lei n.º 72/92 e Decreto Regulamentar n.º 9/92, de 28 de Abril, relativos à protecção dos trabalhadores contra os riscos devidos à exposição ao ruído durante o trabalho, veio tornar clara a obrigatoriedade da realização deste tipo de avaliações a par da vigilância média e audiométrica da função auditiva dos trabalhadores expostos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Existe em Portugal, pelo menos, desde 1992/3, informação relativa a níveis de pressão sonora nos locais de trabalho e dos seus efeitos na saúde (audição) dos trabalhadores expostos Compilar, sistematizar e tornar acessível a todos os que queiram consultar, constituindo esse um dos propósitos do presente Projecto. </li></ul></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    23. 23. II – Objectivo do Projecto <ul><li>Compilar os estudos efectuados relacionados com a exposição a ruído no local de trabalho </li></ul><ul><li>Criar uma base de dados que integre a informação relativa a níveis de pressão sonora, surdez profissional e/ou degradação da audição, por tipo de actividade/tecnologia, </li></ul><ul><li>Aprofundar o conhecimento das relações </li></ul><ul><li>entre a exposição ao ruído e a outros factores físicos e químicos, </li></ul><ul><li>enquanto factores de risco para a saúde dos trabalhadores, </li></ul><ul><li>bem como sobre os efeitos do ruído em grupos de trabalhadores </li></ul><ul><li>mais vulneráveis. </li></ul>Fonte: http://www.brasilescola.com/upload/e/pair(1).jpg Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    24. 24. III – Descrição do Projecto (Calendário de execução: Horizonte temporal – 2008-2011) <ul><li>Principais fases do Projecto: </li></ul>Fase 1 – Levantamento dos estudos relacionados com a exposição a ruído no local de trabalho efectuados em Portugal, em articulação com Universidades, Institutos Públicos e outras Instituições que apoiem ou conduzam actividades de investigação neste âmbito. Fase 2 – Compilação da informação obtida na Fase 1, assegurando a sua actualização, definindo a sua estrutura de suporte. Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 2008 2009 2010 2011 1 Fases 2008 2009 2010 2011 2
    25. 25. III – Descrição do Projecto (Calendário de execução: Horizonte temporal – 2008-2011) Fase 4 – Recolha da informação existente relativa a surdez profissional e/ou degradação da audição em resultado da exposição profissional ao ruído, por actividade, procedendo a um levantamento exaustivo de todas as fontes de informação disponíveis. Fase 3 – Compilação da informação existente relativa a níveis de pressão sonora nos locais de trabalho, por actividade, procedendo a um levantamento exaustivo junto de todas as fontes de informação disponíveis. Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 2008 2009 2010 2011 3 Fases 2008 2009 2010 2011 4
    26. 26. III – Descrição do Projecto (Calendário de execução: Horizonte temporal – 2008-2011) Fase 6 – Realização de estudos epidemiológicos que permitam colmatar lacunas de conhecimento a nível nacional, dando prioridade à investigação das relações quanto a factores de risco para a saúde dos trabalhadores vulneráveis. Os estudos já realizados a nível nacional, entretanto compilados, como resultado das Fases 1 e 2, assim como a base de dados criada no âmbito da Fase 5, deverão servir como ponto de partida para esses estudos. Fase 5 – Criação de uma base de dados que permita integrar os dados compilados nas Fases 3 e 4, de modo a ser possível relacionar actividades, nível de pressão sonora presente e efeito na audição, assegurando a sua actualização, definindo o modelo mais adequado e de que forma é feita a gestão da base da dados. Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 2008 2009 2010 2011 5 Fases 2008 2009 2010 2011 6
    27. 27. III – Descrição do Projecto (Calendário de execução: Horizonte temporal – 2008-2011) (Calendário de execução: Horizonte temporal – 2008-2011) Fase 7 – Análise dos resultados dos estudos já existentes e dos desenvolvidos no âmbito deste Projecto e proposta, caso se justifique, de novas linhas de actuação no sentido de minimizar os efeitos adversos na saúde, associados à exposição a ruído no local de trabalho, em articulação com a Acção IV.3. Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 2008 2009 2010 2011 7
    28. 28. IV– Metas a alcançar Linhas de actuação com o fim de minimizar os efeitos adversos na saúde humana, associados à exposição ao ruído no local de trabalho, desenvolvidas até ao final de 2011. Selecção dos estudos relacionados com a exposição a ruído no local de trabalho conduzidos em Portugal, até meados de 2009. Base de dados, agregando e cruzando a informação relativa a níveis de pressão sonora, surdez profissional e/ou degradação da audição por tipo de actividade/tecnologia, desenvolvida até meados de 2010, e actualizada regularmente. Aprofundamento do conhecimento das relações entre o ruído e outros factores físicos e químicos enquanto factores de risco para a saúde dos trabalhadores e sobre os efeitos do ruído em grupos de trabalhadores mais vulneráveis, até meados de 2011. Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    29. 29. Espaços Construídos <ul><li>Conjugação de diversos elementos, como os edifícios , o ambiente imediatamente envolvente e a comunidade . </li></ul><ul><li>Efeitos sobre o ambiente: </li></ul><ul><li>Plano urbano, que tem como consequências nas redes de transportes, a utilização de solos, entre outros. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.
    30. 30. Espaços Construídos <ul><li>Problemas de saúde estão relacionados com: </li></ul><ul><li>O edifício; </li></ul><ul><li>Os materiais de construção; </li></ul><ul><li>O equipamento; </li></ul><ul><li>A dimensão com estrutura dos espaços construídos; </li></ul><ul><li>O Planeamento urbano. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.
    31. 31. Espaços Construídos <ul><li>No sentido de promover a melhoria das condições dos espaços construídos relacionados com a saúde a OMS promoveu um programa em habitação e saúde  Projecto LARES26 </li></ul><ul><li>Com base nos resultados preliminares deste Projecto e nas conclusões da 4ª Conferência Ministerial Ambiente e Saúde, foram definidos sete tópicos para o trabalho futuro num âmbito já mencionado no Programa da OMS: </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. <ul><li>Conforto térmico/energia </li></ul><ul><li>Qualidade do sono </li></ul><ul><li>Habitação e saúde mental </li></ul><ul><li>Envelhecimento das populações </li></ul><ul><li>Segurança da habitação e acidentes </li></ul><ul><li>Materiais de construção e do ar </li></ul><ul><li>Qualidade do ar interior e conforto </li></ul>
    32. 32. Acção I.12 <ul><li>Sistematização dos efeitos na saúde humana associados a parâmetros de conforto e bem-estar dos espaços construídos e a técnicas e materiais de construção </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires .
    33. 33. I- Enquadramento Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires . Ambiente construído Todos os espaços, edifícios e produtos criados ou modificados pelo ser humano. (ex.: Habitações, escolas, estradas, igrejas, lares, entre outros). Deve garantir um ambiente seguro e saudável aos seus utilizadores, não sendo alheio ao espaço físico em que está inserido.
    34. 34. I- Enquadramento (cont.) <ul><li>Um espaço habitacional saudável é importante visto que: </li></ul><ul><ul><li>Os indivíduos passam grande parte do tempo dentro de habitações e nas suas imediações. </li></ul></ul><ul><ul><li>Existe uma relação causa-efeito entre condições deficientes, elementos relacionados com a habitação e a incidência de doenças. (ex.: doenças respiratórias, alérgicas, infecções, entre outras). </li></ul></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires . Fonte. www.senado.gov.br/.../jornal86/Imagens/tosse.jpg
    35. 35. I- Enquadramento (cont.) <ul><li>Assim é importante: </li></ul><ul><ul><li>Determinar um conjunto de exigências técnicas e sociais que contribuam para o bem-estar das populações, a vários níveis, tais como, planeamento urbano, requisitos de saneamento, acessibilidade, entre outros. </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Adopção de medidas dirigidas a grupos como ocupantes, arquitectos, engenheiros, fabricantes de materiais, fabricantes de materiais, entre outros, para que as exigências referidas anteriormente, sejam satisfeitas. </li></ul></ul></ul></ul></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires .
    36. 36. I- Enquadramento (cont.) Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires . Acessibilidade Este conceito deve Ser desenvolvido de forma dinâmica e positiva implementando até 2010 uma “agenda de acessibilidade” A mobilidade condicionada Também é importante, Visto que, Existe uma desigualdade No acesso aos espaços construídos
    37. 37. I- Enquadramento (cont.) Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires . Decretos-Lei e Directivas relacionadas com a acessibilidade Decreto-Lei n.º 163/2006 de 8 de Agosto Directiva 2002/91/CE de 16 de Dezembro Transportada para direito interno pelo Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril Decreto-Lei n.º 79/2006 De 4 de Abril Decreto-Lei n.º 80/2006 De 4 de Abril
    38. 38. I- Enquadramento (cont.) <ul><ul><li>Na agência para a energia está a ser criada uma base de dados com elementos relativos e as características em termos de eficiência energética e qualidade do ar interior, relativos a edifícios. </li></ul></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires .
    39. 39. I- Enquadramento (cont.) <ul><li>Alguns elementos e características em termos de eficiência energética e qualidade do ar interior dos espaços construídos que podem influenciar a qualidade de vida e o bem-estar dos utilizadores: </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires . <ul><li>Elementos : </li></ul><ul><ul><li>Dimensão </li></ul></ul><ul><ul><li>Localização </li></ul></ul><ul><ul><li>Tipologia </li></ul></ul><ul><li>Características : </li></ul><ul><ul><li>Temperatura e humidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Conforto energético </li></ul></ul><ul><ul><li>Concentrações de poluentes atmosféricos </li></ul></ul><ul><ul><li>Materiais/técnicas de construção. </li></ul></ul>
    40. 40. I- Enquadramento (cont.) <ul><li>Relativamente à construção: </li></ul><ul><li>As técnicas de construção podem solucionar alguns problemas. (ex.: adequada ventilação, orientação da casa, tipo de isolamento utilizado). </li></ul><ul><li>Uma má construção pode facilitar alguns acidentes. (ex.: quedas, incêndios e intoxicações). </li></ul><ul><li>A falta de iluminação natural e as cores utilizadas podem levar a problemas de saúde mental. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires . Fonte:i237.photobucket.com/.../ff84/reinaldoy/kids.gif
    41. 41. I- Enquadramento (cont.) <ul><li>Em suma: </li></ul><ul><li>Estratégia Europeia para o Ambiente Urbano no jornal oficial (98 de 23 de Abril de 2004) elegeu a construção como um dos quatro eixos sobre os quais é importante desenvolver medidas que colaborem para o desenvolvimento sustentável das zonas urbanas. </li></ul><ul><li>Este projecto impulsiona os estudos de investigação nesta área e promove a qualidade de vida dos indivíduos e populações. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires . Fonte: 1.bp.blogspot.com/.../s320/conforto.jpg
    42. 42. II- Objectivos <ul><li>Levantamento de estudos em parâmetros de conforto e bem-estar, relacionados com espaços construídos e materiais/técnicas de construção. </li></ul><ul><li>Levantamento dos respectivos efeitos na saúde dos ocupantes em relação aos parâmetros anteriores. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires . Fonte: www.rotdornweg.com/hpw1/grooming/materiais.jpg
    43. 43. III- Descrição do projecto Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 1 Identificação das entidades e organismos que têm desenvolvido estudos acerca dos objectivos propostos pelo projecto 2 Sistematização dos resultados dos estudos efectuados na fase 1 e requisitos legais exigidos para espaços construídos 3 Estudo de formas de evitar e diminuir os efeitos identificados na saúde dos ocupantes 4 Adequar a legislação em vigor com os profissionais das diversas áreas; Sistematizar as conclusões por tipo de espaços construídos e tipos de intervenção 5 Elaboração de um Manual com orientações práticas com base na fase 3 associados a materiais/técnicas de construção 6 Avaliar a pertinência da elaboração de propostas de medidas ou de propostas legislativas sobre os materiais/técnicas de construção 7 Acções de formação a profissionais interessados para divulgação das conclusões do estudo e do Guia
    44. 44. IV- Calendário de execução Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires .
    45. 45. V- Metas <ul><li>Referente às fases da descrição do projecto contempladas no calendário temporal : </li></ul><ul><li>Levantamento das entidades envolvidas relativamente a estudos e a parâmetros de conforto e bem-estar: </li></ul><ul><ul><li>Estudo sobre possíveis efeitos na saúde associados aos materiais e técnicas de construção, até ao final de 2009; </li></ul></ul><ul><ul><li>Elaboração de relatórios reconhecendo lacunas de conhecimento, necessidades de regulamentação e prioridades de intervenção neste âmbito, também como formas de prevenir e diminuir efeitos na saúde identificados, até ao final de 2011; </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento de orientação e Manual de Boas Práticas, até ao final de 2012. </li></ul></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes , Daniela Duarte , Sandra Duarte e Sofia Pires .
    46. 46. Acção I.13 Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Estudo da influência de espaços verdes urbanos e equipamentos de deposto/lazer na adopção de comportamentos e estilos de vida saudáveis
    47. 47. I – Enquadramento <ul><li>As áreas verdes têm um papel muito importante na qualidade de vida dos residentes de áreas urbanas. </li></ul><ul><li>Não contribuem apenas para a qualidade de imagem urbana, mas também para a saúde física e psíquica do individuo, como por exemplo problemas como stress, obesidade e diabetes . </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    48. 48. I – Enquadramento <ul><li>Embora não exista um retorno financeiro imediato a curto prazo, o mesmo não se verifica a longo prazo. </li></ul><ul><li>A construção destes espaços verdes têm um grande significado social, onde o retorno financeiro é traduzido em diferentes formas. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    49. 49. I – Enquadramento (cont.) <ul><li>Para alem dos efeitos directos que a construção destes espaços têm na saúde das populações, existem outros benefícios para a qualidade da vida urbana, tais como: </li></ul><ul><li>Nível térmico; </li></ul><ul><li>Qualidade do ar; </li></ul><ul><li>De redução de partículas na atmosfera; </li></ul><ul><li>De infiltração de aguas no solo; </li></ul><ul><li>… </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    50. 50. I – Enquadramento (cont.) <ul><li>Por exemplo, a obesidade, actualmente, apresenta uma elevada taxa de prevalência, considerada como um factor de risco para saúde do individuo. </li></ul><ul><li>Com a existência de equipamentos desportivos em espaços verdes, poderá contribuir para a diminuição desta taxa, fazendo com que os indivíduos adoptem um estilo de vida saudável. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    51. 51. II – Objectivo do Projecto <ul><li>Este projecto tem como objectivo identificar as características dos espaços verdes e equipamentos desportivos e de lazer que mais contribuem para adopção de comportamentos e estilos de vida saudáveis, minimizando possíveis factores de risco para a saúde. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires .
    52. 52. III – Descrição do Projecto (Calendário de execução: Horizonte temporal – 2008-2011) <ul><li>Principais fases do projecto: </li></ul>Fase 1 – Selecção de uma amostra de Municípios onde tenham sido criados espaços verdes e equipamentos de desporto e lazer. Preparação de questionário a aplicar á população utilizadora desses espaços/equipamentos e a população não utilizadora Fase 2 – Levantamento e caracterização dos espaços/equipamentos de desporto e lazer existentes em cada um dos Municípios da amostra. Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 2008 2009 2010 2011 1 Fases 2008 2009 2010 2011 2
    53. 53. III – Descrição do Projecto (Calendário de execução: Horizonte temporal – 2008-2011) Fase 3 – Aplicação de um questionário á população utilizadora desses espaços e á não utilizadora Fase 4 – Tratamento estatístico dos dados resultantes da aplicação do questionário Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 2008 2009 2010 2011 3 Fases 2008 2009 2010 2011 4
    54. 54. III – Descrição do Projecto (Calendário de execução: Horizonte temporal – 2008-2011) Fase 5 – Realização de Relatório e apresentação de conclusões sobre a utilização dos espaços verdes e equipamentos desporto e lazer nos Municípios da amostra Fase 6 – Desenvolvimento de orientações quanto ás características dos espaços verdes e equipamentos de desporto e lazer, que melhor possam contribuir para a mudança de comportamentos e estilos de vida, em articulação com a Acção IV.3 Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 2008 2009 2010 2011 5 Fases 2008 2009 2010 2011 6
    55. 55. III – Descrição do Projecto (Calendário de execução: Horizonte temporal – 2008-2011) Fase 7 – Divulgação dos resultantes do questionário e orientações junto de todos os municípios do pais, em articulação com a Acção III.2 Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Fases 2008 2009 2010 2011 5
    56. 56. IV– Metas a alcançar Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos , Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires . Metas Levantamento e caracterização dos Espaços verdes e equipamentos de Desporto e lazer, há mais de cinco e menos de dez anos, nos Municípios Seleccionados ate ao terceiro trimestre de 2009 Relatório sobre a utilização de espaços verdes e equipamentos de desporto e lazer disponíveis, elaborado ate ao terceiro trimestre de 2010 Desenvolvimento de orientações quanto as características dos espaços verdes e equipamentos de desporto e lazer, que mais contribuem para a adopção de comportamentos e estilos de vidas, ate meados 2011
    57. 57. Acção I.13 Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. Planos Locais de Acção em Habitação e Saúde Fonte: http://www.dgs.pt/upload/membro.id/ficheiros/i010511.pdf
    58. 58. I- Enquadramento Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. 4ª Conferência Ministerial Ambiente e Saúde, em Budapeste A habitação deve ser entendida como um todo, integrando os aspectos mental e social, a construção física da casa, as relações com os vizinhos e a comunidade social em que se insere. Itens prioritários de intervenção: a prevenção; a habitação; a pobreza/ exclusão social.
    59. 59. I- Enquadramento (cont. ) Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. Conhecimento muito limitado dos riscos para a saúde da população. Determinadas condições da habitação Na maioria dos casos, os planos existentes não contemplam suficientemente todos os aspectos relacionados com a habitação.
    60. 60. I- Enquadramento (cont.) Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. Os indivíduos passam cerca de 80 % do seu tempo em espaços construídos, pelo que a relação destes com os aspectos de saúde deverá constituir uma prioridade da agenda «Ambiente e Saúde». Deverão ser analisadas: Os acidentes domésticos Acessibilidades A exclusão social A qualidade residencial A exposição ao ruído As alergias A privacidade/relação com vizinhos As componentes sobrelotação Os materiais de construção A qualidade do ar interior A humidade/crescimento de bolor O aquecimento e ventilação A saúde mental As situações de temperaturas extremas
    61. 61. I- Enquadramento (cont.) Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. Este estudo numa fase posterior, foi realizado no Centro, Mira, e no Norte, Amarante, de forma a identificar uma maior extensão e variedade de tipos de habitação portuguesa ficando assim com uma melhor percepção das prioridades, locais e nacionais. Este projecto prevê o desenvolvimento do PLAHS – Planos Locais de Acção em Habitação e Saúde – que foi baseado noutro projecto da OMS, o LARES (Large Analysis and Review of European housing and health) e no inquérito realizado em 2003 na zona rural de Ferreira do Alentejo. Fonte: http://www.who.int/vaccines/globalsummary/immunization/images/WhoGrayLogoWaterMark.gif
    62. 62. I- Enquadramento (cont.) Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. Resultados do estudo PLAHS desenvolvidos para cada uma das cidades estudadas Estruturar um programa de trabalho Melhorar as condições de habitação da população local Melhorar o nível de Saúde Documento orientador Utilização por outras comunidades Desenvolvimento dos respectivos PLAHS
    63. 63. I- Enquadramento (cont.) Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. <ul><li>A reter : </li></ul><ul><ul><li>A implementação dos PLAHS constitui uma abordagem preventiva. </li></ul></ul><ul><ul><li>Pretende-se que estes Planos possam suportar tomadas de decisão, no contexto das políticas de planeamento urbano </li></ul></ul>Contribui para a promoção de melhores condições de vida da população, através de melhores condições de habitação.
    64. 64. II- Objectivo do projecto <ul><li>Desenvolver : </li></ul><ul><li>a matriz para Planos Locais de Acção em Habitação e Saúde (PLAHS) e </li></ul><ul><li>a metodologia para a sua implementação por Municípios interessados. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. Fonte: http://yvypora.files.wordpress.com/2007/09/casa.jpg
    65. 65. III- Descrição do projecto Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. um diagnostico de situação; a identificação das áreas de intervenção prioritárias; a definição dos objectivos específicos a prosseguir; a identificação e caracterização das principais acções a empreender num horizonte temporal definido.
    66. 66. IV- Calendário da execução <ul><li>Horizonte temporal previsto: 2008 - 2011 </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.
    67. 67. V- Metas <ul><li>Levantamento dos aspectos relacionados com a habitação e sua envolvente e respectivos efeitos na saúde, das populações dos três Municípios seleccionados, até ao final de 2007; </li></ul><ul><li>Desenvolvimento da matriz conceptual dos PLAHS, até meados de 2008; </li></ul><ul><li>Desenvolvimento dos PLAHS para os três Municípios, até ao final de 2008; </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires. Fonte: http://www.eb1-barqueiros-terreiro.rcts.pt/imagens/relogio.jpg
    68. 68. V- Metas (cont.) <ul><li>Elaboração de documento orientador para o desenvolvimento de PLAHS por outros Municípios, até ao final de 2009; Consubstanciar formas de acompanhamento da implementação de PLAHS, até meados de 2009; </li></ul><ul><li>Promover acções de divulgação/sensibilização para esclarecimento dos objectivos dos PLAHS, metodologia para o seu desenvolvimento e forma de implementação, até ao final de 2010. </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.
    69. 69. Sitografia <ul><li>http:www.apambiente.pt/POLITICASAMBIENTE/AMBIENTESAUDE/EMPORTUGAL/Paginas/default.aspx </li></ul><ul><li>http://www.apambiente.pt/POLITICASAMBIENTE/RUIDO/Paginas/default.aspx </li></ul>Curso de Saúde Ambiental UC SA 1º Ano Ana Rita Santos, Andreia Nunes, Daniela Duarte, Sandra Duarte e Sofia Pires.

    ×