As visões profeticas de daniel abraão de almeida

1.089 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.089
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As visões profeticas de daniel abraão de almeida

  1. 1. Digitalizado Por: Pregador Jovem
  2. 2. nßRnno de mmciDn Af YISÕES PROFÉTICAS DE DANIEL
  3. 3. ÍNDICE AO LEITOR. PREFÁCIO. 1. BABILÔNIA, O PRIMEIRO IMPÉRIO MUNDIAL (A estátua profética • A cabeça de ouro). 2. O SIMBÓLICO URSO DESTRUIDOR (O carneiro com duas pontas • Belsazar e a queda de Babilônia • Ciro, o ungido de Deus • Campanhas contra os gregos). 3. O REI VALENTE E SEU SONHO DOURADO (Cartas famosas • O sonho de Alexandre • Alexandre e os judeus • Os quatro reinos que se reduziram a dois). 4. OS REINOS DO NORTE E DO SUL (Cumprimento fiel da profecia • Judá, alvo das guerras gregas • O rei feroz de cara • As duas pontas pequenas). 5. ROMA, A POTÊNCIA FÉRREA (O animal terrível e espantoso • Como Roma conquistou o mundo • Cumprindo as Escrituras).
  4. 4. AO LEITOR A vida e o ministério do profeta Daniel transcorrem em meio a grandes transformações sociais, religiosas e políticas. 0 poderio assírio desaparece definitivamente na batalha de Carquemis, em 605 a.C, e, no ano seguinte, Nabucodonozor, filho de Nabopolassar, toma-se um dos mais famosos governantes de todo o Fértil Crescente. Em seu reinado de 43 anos, esse poderoso monarca restaura cidades e templos em ruínas, regula o curso de rios, constrói represas, abre canais, estabelece portos e passa por profundas crises espirituais. A importância de Nabucodonozor para o mundo antigo e sua extraordinária contribuição para a civilização daquela época têm sido reconhecidas por todos os historiadores. No âmbito da revelação divina, destacam-se nesse contexto histórico, entre outros, os profetas Jeremias, Ezequiel e Daniel. As visões deste último, das quais nos ocupamos neste trabalho, abrangem os tempos dos gentios desde Babilônia até o reinado da Besta, passando pela Medo-Pérsia, pela Grécia, por Roma, pelos dez reinos representados pelos dedos dos pés da estátua profética do capítulo dois de Daniel e pelas pontas do quarto animal do capítulo sete, e chegam ainda ao estabelecimento do glorioso reino milenial de Cristo aqui na Terra, segundo o Pacto Davídico. Este trabalho, todavia, se limita a analisar os testemunhos históricos do fiel cumprimento da profecia de Daniel até a "plenitude dos tempos", assinalada pelo advento do Messias. A história do povo judeu, desde então até hoje, e os acontecimentos futuros relacionados com Israel e a Igreja, são tratados nos meus livros Israel, de Herodes a Dayan, e Deus revela o futuro. O Autor
  5. 5. PREFÁCIO Mais um livro surge de autoria de Abraão de Almeida, o conceituado escritor evangélico detentor de diversos títulos e membro da Academia Evangélica de Letras. Desta vez denomina-se AS VISÕES PROFÉTICAS DE DANIEL e constitui uma introdução ao estudo dos livros de Daniel e Apocalipse, estudo que continua em mais dois livros já no prelo. São três as visões constantes do livro de Daniel: a da estátua profética dos reinos mundiais (cap. 2); a dos quatro animais, com o mesmo significado da anterior (cap. 7), e a do capítulo 8, que mostra dois (Medo-Persa e Grécia) dos quatro reinos de caráter mundial, e traz luz sobre as duas visões anteriores (caps. 2 e 7) e as enriquece de detalhes. A obra descreve um resumo da história judaica no período de Daniel a Cristo, incluindo o ciclo interbíblico (dentro do qual estão as 69 semanas proféticas) e a história das Guerras dos Macabeus - tudo ilustrado com grande número de testemunhos históricos habilmente colecionados pelo autor, os quais atestam de modo irrefutável o cumprimento das profecias até os nossos dias. Nessa pesquisa e exposição detalhadas está (podemos dizer) o maior mérito do livro. A exposição feita pelo autor - uma leitura agradável e didática - (estamos certo), é de muita utilidade para todos os que se dedicam ao estudo das Escrituras, mas para estudar com aquele desejo de conhecer, de perscrutar, de aprofundar-separa o bom manejo da Palavra. Assim é que a obra se torna indispensável aos pastores, aos professores da Escola Dominical, e aos alunos dos Institutos Bíblicos, mormente porque mostra fatos apontados pela profecia, que, em nossos dias estão tendo cumprimento. Situar as profecias no tempo, e no tempo o cumprimento delas, é indispensável a todos os que desejam ensinar ou pregar com êxito e proveito. O estudo dos livros de Daniel e Apocalipse - apocalíticos que são - depende de comentários de peritos em investigação bíblica que trabalhem sob a direção do Espírito de Deus - é o que o livro contém.
  6. 6. Gustavo Kessler Com cabeça de ouro, peito e braços de prata, ventre e coxas de bronze, pernas de ferro, pés e dedos em parte de ferro e em parte de barro, a imagem vista por Nabucodonozor e Daniel representa os reinos mundiais até que Cristo, simbc - lizado pela Pedra Viva, estabeleça o Milénio de paz na Ter­ra.
  7. 7. Um leão alado foi o símbolo escolhido por Deus para Babi-lomia, o império também representado pela cabeça de ouro da estátua profética. Descrevendo a ferocidade e a rapidez dos caldeus, escreveu Jeremias: “ Já um leão subiu da sua ramada..."
  8. 8. 1 BABILÔNIA, O PRIMEIRO IMPÉRIO MUNDIAL Simbolizado na Bíblia pelo ouro e por um leão alado, os caldeus triunfaram rapidamente sobre os egípcios, assírios, fenícios e árabes, e construíram a mais rica metrópole do mundo antigo. Sucedendo ao domínio assírio, o período caldeu de Babilônia começou em 626 a.C, quando Nabopolassar, partindo do Golfo Pérsico, ocupou o trono babilônico a 22 de novembro. Auxiliados pelos medos, os caldeus foram infringindo sucessivas derrotas aos assírios, tomando-lhes as cidades de Sallat por volta de 623 a.C, Assur em 614 a.C. e Nínive dois anos depois, em 612 a.C. Depois de suas vitoriosas campanhas contra a Síria e diversas tribos do Norte, entre os anos de 609 a 605 a.C, Nabopolassar confiou seu exército a Nabucodonozor, seu príncipe herdeiro, que combateu os egípcios em Kumuhi e Quramati, derrotando-os definitivamente em Carquemis, nos meses de maio e junho de 605 a.C. Enquanto estava na Palestina recebendo a sujeição de outros povos, inclusive de Judá ao tempo do rei Joaquim, ouviu a notícia da morte do pai (15 de agosto de 605 a.C), "e imediatamente atravessou o deserto para tomar as mãos de Bel, e, assim, reivindicar oficialmente o trono, a 6 de setembro de 605 a.C." Por ocasião da sujeição da Judéia ao império de Babilônia, Nabucodonozor ordenou "a Aspenaz, chefe de seus eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, e da linhagem real e dos nobres, mancebos em que não houvesse defeito algum, formosos de parecer, e instruídos em toda a sabedoria, sábios em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para viverem no palácio do rei, a fim de que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus. E o rei lhes determinou a ração de cada dia, da porção do manjar do rei, e do vinho que ele bebia, e que assim fossem criados por três anos, para que no fim deles pudessem estar diante do rei. E entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias", Dn 1.3-6.
  9. 9. Os jovens hebreus rejeitaram as iguarias reais por ferirem os princípios bíblicos, pois tratava-se de alimentos consagrados à idolatria, e "a estes quatro mancebos Deus deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras, e sabedoria, mas a Daniel deu entendimento em toda a visão, e sonhos", v. 17. A ESTÁTUA PROFÉTICA Depois de ver consolidado o seu reino, Nabucodonozor teve, certa noite, um impressionante sonho. Vira uma grande estátua que tinha a cabeça de ouro, o peito e os braços de prata, o ventre e as coxas de cobre, as pernas de ferro e os pés em parte de barro e em parte de ferro. O rei estava olhando, quando uma pedra foi cortada, sem mãos, e feriu a estátua nos pés, reduzindo-a a pó, para o qual não se achou lugar. E a pedra, por sua vez, tornou-se num grande monte que encheu a Terra. Ao despertar na manhã seguinte, Nabucodonozor convocou seus sábios, astrólogos e adivinhos e exigiu deles que lhe contassem o sonho e dessem a sua interpretação. "Os caldeus disseram ao rei em aramaico: Ó rei, vive eternamente! dize o sonho a teus servos, e daremos a interpretação. Respondeu o rei, e disse aos caldeus: Uma coisa é certa: se não me fizerdes saber o sonho e a sua interpretação, sereis despedaçados, e as vossas casas serão feitas monturo", Dn 2.4,5. Os sábios de Babilônia, incapazes de atender ao rei, foram condenados à morte, estando também na lista negra Daniel e seus companheiros (certamente Azarias, Misael e Ananias). Ao saber do decreto real, Daniel falou a Arioque, chefe da guarda do rei: "Por que é tão severo o mandado do rei? Então Arioque explicou o caso a Daniel. Foi Daniel ter com o rei e lhe pediu designasse o tempo, e ele revelaria ao rei a interpretação. Então Daniel foi para casa, e fez saber o caso a Ananias, Misael e Azarias, seus companheiros, para que pedissem misericórdia ao Deus do céu sobre este mistério, a fim de que Daniel e seus companheiros não perecessem com o resto dos sábios de Babilônia. Então foi revelado o mistério a Daniel numa visão da noite; Daniel bendisse o Deus do céu", Dn 2.15-19. De posse do segredo, Daniel procurou Arioque e este, depressa, introduziu o jovem judeu na presença do rei. Disse Daniel: "Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua; esta, que era imensa e de esplendor, estava em pé diante de ti, e a sua aparência era terrível", Dn 2.31.
  10. 10. Depois de descrever a visão, Daniel passa a interpretar-lhe os diversos símbolos: "Tu, ó rei, reis dos reis, a quem o Deus do céu conferiu o reino, o poder, a força e a glória; a cujas mãos foram entregues os filhos dos homens, onde quer que eles habitem, e os animais do campo e as aves dos céus, para que dominasses sobre todos eles, tu és a cabeça de ouro", Dn 2.37,38. A CABEÇA DE OURO A profecia que estamos considerando trata da dominação dos gentios até o estabelecimento do Milênio. A Palavra de Deus não prevê mais que quatro reinos mundiais, sendo o primeiro deles Babilônia: “Tu és a cabeça de ouro", disse Daniel a Nabucodonozor. O império babilônico recebeu na Bíblia Sagrada o título de "a jóia dos reinos, glória e orgulho dos caldeus", e sua capital foi chamada de "cidade dourada", Is 13.19; 14.4. A grandeza do reino dos caldeus pode ser medida pelas dimensões e riquezas de Babilônia. Esta cidade ocupou uma área quadrada de 576 Km (96 Km de perímetro), com avenidas de 45 metros de largura por 24 km de comprimento, que dividiam luxuosos quarteirões com exuberantes jardins, suntuosas residências, magníficos palácios e gigantescos templos. Um desses templos, dedicado a Bel, media 5 km de circunferência, e um dos palácios reais ocupava uma área superior a 12 km2. Os historiadores afirmam que os muros de Babilônia eram duplos e alcançavam a altura de 112 m, com uma largura de 24 m. Tão assombrosamente fecundo era esse país que Heródoto evitava relatar tudo que vira em Babilônia, temendo não ser acreditado. De fato, essa grande metrópole inventou um alfabeto, resolveu problemas de aritmética, inventou instrumentos para medição do tempo, descobriu a arte de polir, gravar e perfurar pedras preciosas; alcançou grande progresso nas artes têxteis, aprendeu a reproduzir fielmente os contornos de homens e animais, estudou com êxito o movimento dos astros, concebeu a idéia da gramática como ciência e elaborou um sistema de leis civis. Em grande parte, a cultura dos gregos provinha de Babilônia. Outras profecias relacionadas com o império babilônico: No cap 7 de Daniel, versos 3 e 4, lemos: "E quatro animais grandes, diferentes uns dos
  11. 11. outros, subiam do mar. O primeiro deles era como leão, e tinha asas: de águia; eu olhei até que lhe foram arrancadas as asas, e foi levantado da terra, e posto em pé como um homem; e foi-lhe dado um coração de homem". Convém salientar que, particularmente nas profecias de Daniel e do Apocalipse, animais simbolizam reinos: leão (Babilônia), Dn 7.4; urso e carneiro (o reino unido da Média e da Pérsia), Dn 7.5; 8.3, 20; leopardo e bode (Grécia), Dn 7.6; 8.5,21; animal terrível e espantoso, com 10 pontas (Roma), Dn 7.7; Ap 17.3. Mar ou águas simbolizam povos, Dn 7.3; Ap 17.15. Ventos representam guerras, Jr 4.11; 25.32; He 1.11. Asas, rapidez, Dn 7.4; He 1.6-8. Chifres (ou pontas), reinos, Dn 7.7,24; 8.7-9. Braços, significam ajuda, exércitos, Dn 11.31. Acerca dos caldeus, eis o que registraram outros profetas: "Já um leão subiu da sua ramada, e um destruidor de nações; ele já partiu, e saiu do seu lugar para fazer da tua terra uma desolação, a fim de que as tuas cidades sejam destruídas, e ninguém habite nelas"; "Porque eis que suscito os caldeus, nação amarga e apressada, que marcha sobre a largura da terra, para possuir moradas não suas. Horrível e terrível é; dela mesma sairá o seu juízo e a sua grandeza. Os seus cavalos são mais ligeiros que os leopardos, e mais perspicazes que os lobos à tarde; os seus cavaleiros espalham-se por toda a parte: sim, os seus cavaleiros virão de longe, voarão como águias que sê apressam à comida"; "Porque assim diz o Senhor: Eis que voará como a águia, e estenderá as suas asas sobre Moabe"; "Uma grande águia, de grandes asas, de farta plumagem, cheia de penas de várias cores, veio ao Líbano e levou o mais alto ramo dum cedro", Jr 4.7; He 1.6A8; Jr 48.40; Ez 17.3. Ao referir-se a Nabucodonozor, um escritor disse que "o Império era ele e ele era o Império. Como supremo e absoluto, sua corte não era mais que mera fantasia; seus cortesões nada pesavam nas decisões que ele tomava. Ele era o 'tudo', a majestade suprema dum cetro que cobria vitorioso inteiramente o orbe conhecido e habitado. Além disso, desempenhou Nabucodonozor uma administração que conservou as nações todas em harmonia, bem como sob completa segurança e proteção. E, mais ainda, jamais a história registrou um soberano político no trono do mundo maior do que ele. Ele a todos sobrepujou em glória, grandeza e majestade. Assim, achou por bem Deus - que lhe dera todo o poder e a glória de que era
  12. 12. senhor - honrá-lo no símbolo da cabeça de 'ouro fino' da estátua de seu impressionante sonho inspirado, ainda que ela representasse com toda a evidência o Império Caldeu Neobabilônico. E é surpreendente notar que a interpretação de Daniel ignorou por completo, não somente os reis que precederam Nabucodonozor no trono de Babilônia como também os que lhe sucederam. Sim, só ele foi levado em alta conta pelo Céu naquele trono do mundo. Todos os demais que ali se assentaram, praticamente nada representam aos olhos daquele que é a suprema autoridade ha Terra e no Céu. Em toda a Terra e em toda a História não houve outro potentado que governasse o mundo tão a contento de Deus". Os babilônios mantiveram o domínio mundial desde 612 a.C, quando Nínive, a capital dos assírios, foi tomada por Nabopolassar. Este primeiro império durou até 15 de outubro de 539 a.C, pois no dia seguinte os medos-persas assumiram a supremacia mundial. Um monumento assírio enterrado pelas camadas que se de j»of*it-»mi durante al&unB milhares de anos
  13. 13. Cilindro de Nabopolassar» pai de Nabucodonozor, com uma inscrição comemorativa  restauração de um templo do deus Merodac, em Babilônia. Nabopolassar reinou de 625 a 605 a.C. (Museu Britânico)
  14. 14. Estas reconstruções mostram o esplendor da arquitetura ba­bilónica ao tempo de Nabucodonozor, por volta de 600 a.C.
  15. 15. 2 O SIMBÓLICO URSO DESTRUIDOR Coligados, os medos e persas venceram e formaram um vasto império, porém inferior ao de Babilônia, tal como previu Daniel. Dando seqüência à interpretação do sonho de Nabucodonozor, disse Daniel: "Depois de ti se levantará outro reino, inferior ao teu", Dn 2.39. Este segundo império está simbolizado na estátua pelo peito e braços de prata, metal inferior ao ouro. Na visão dos animais, Daniel viu o segundo governo "semelhante a um urso, o qual se levantou de um lado, tendo na boca três costelas entre os dentes; e foi-lhe dito assim: Levanta-te, devora muita carne", Dn 7.5. Embora o urso não seja considerado o rei dos animais, atinge maior estatura e peso que o leão. "Diz-se que sua maior espécie foi encontrada na Média, país montanhoso, acidentado e frio. Os seus 42 dentes, as suas formidáveis grandes garras aguçadas, o seu grande peso, a sua coragem e a sua astúcia, fá-lo grandemente terrível. No que respeita à sua crueldade, ferocidade e sede de sangue, não tem rival. Ao andar, não rapidamente, senta a planta do pé no chão (ao contrário dos pés de cachorro e do leão), dando a impressão de amassar tudo onde quer que pise ou passe, como se fora um rolo compressor que tudo arrasa. É em seus pés que reside a sua maior força de domínio e destruição... Assim, seu tríplice poder concentrado em seu peso, sua boca e seus pés, faz do urso o segundo em seu reino, só vencido pelo leão após renhida batalha. Não podendo o urso ser o rei dos quadrúpedes, parece pretender sê-lo. Não alcançando, todavia, supremacia absoluta, é obrigado a cometer destruição para impor-se, como se supremo fora, sem contudo lograr o seu objetivo. Neste terrível animal carniceiro e destruidor, fora o Império Medo-Persa figurado pela revelação. De fato, os soberanos medo-persas, inábeis para governar o mundo, cometeram as maiores e mais vis atrocidades. Em suas conquistas procuraram vencer, não mediante categorias bélicas, mas pela avalancha de
  16. 16. suas tropas, daí o massacre a quaisquer povos que lhe opusessem a menor resistência. Somente para o transporte de víveres, usavam os persas uma frota de 1.200 barcos, com uma tripulação de 300 mil homens! Os exércitos medo-persas passaram à História como profundamente sanguinários, devoradores de muita carne, conforme anunciava a profecia. Afirma-se que Tomires, rainha dos citas, mandou' cortar a cabeça de Ciro e mergulhou-a num odre cheio de sangue humano, dizendo: "Farta-te de sangue, de que sempre viveste sequioso". As três costelas entre os dentes do urso, bem como as três direções em que o animal dava marradas, significam as três primeiras presas: Babilônia, Egito e Lídia, Dn 8.4. O CARNEIRO COM DUAS PONTAS Mais adiante o profeta vê o mesmo império na figura de outro animal: "No ano terceiro do reinado de Belsazar, apareceu-me uma visão, a mim, Daniel, depois daquela que me apareceu no princípio. E vi na visão (acontecendo, quando vi, que eu estava na cidadela de Susã, na província de Elão), vi pois, na visão, que eu estava junto ao rio Ulai. E levantei os meus olhos, e vi, e eis que um carneiro estava diante do rio, o qual tinha duas pontas; e as duas eram altas, mas uma era mais alta do que a outra; e a mais alta subiu por último. Vi que o carneiro dava marradas para o ocidente, e para o norte e para o meio-dia; e nenhum animal podia estar diante dele, nem havia quem pudesse livrar-se da sua mão; e ele fazia conforme a sua vontade, e se engrandecia", Dn 8.1-4. Esta visão do carneiro, Daniel a teve por volta do ano 553 a.C, cerca de 14 anos antes da queda de Babilônia. É significativo que o profeta se achasse em Susã, a capital da Pérsia, pois a visão relacionava-se diretamente com os persas. Trazendo mais luzes sobre as visões anteriores - da segunda parte da estátua e do urso - o carneiro apresenta-se com dois chifres, símbolos da Média e da Pérsia. O fato de a mais alta subir por último significa que Dário, embora tenha primeiramente ocupado o trono, perdeu-o para Ciro na batalha de Passargade, o que elevou os persas sobre os medos: "uma era mais alta do que a outra; e a mais alta subiu por último". Na explicação dada pelo anjo a Daniel não há qualquer dúvida: "Aquele carneiro que viste com duas pontas são os reis da Média e da Pérsia", Dn 8.20. BELSAZAR E A QUEDA DE BABILÔNIA
  17. 17. No ano 539 a.C, na mesma noite em que Belsazar banqueteava-se com mil de seus grandes e dava louvores aos deuses pagãos, profanando os vasos sagrados do templo de Salomão, caiu o império babilônico. A sentença divina na caiadura da parede: "mene, mene, tequel, ufarsim", cumpriu-se horas depois de explicada por Daniel. Mene: contou Deus o teu reino, e o acabou. Tequel: pesado foste na balança, e foste achado em falta. Peres: dividido foi o teu reino, e deu-se aos medos e aos persas. "Naquela noite foi morto Belsazar, rei dos caldeus. E Dário, o medo, ocupou o reino, na idade de sessenta e dois anos", Dn 5.30,31. O rei Belsazar (ou Baltasar) aparece no livro de Daniel como filho de Nabucodonozor. A esse respeito lemos nas notas à Versão Clássica de Figueiredo: "O rei Baltasar é, segundo a opinião mais provável, o filho do último rei de Babilônia, Nabonide; pelo menos Nabonide, nas suas inscrições, diz-nos que teve um filho chamado Baltasar. Este último não era rei, mas exercia o poder supremo, porque o seu pai o tinha associado ao governo e recomendara-lhe a defesa de Babilônia de onde estava ausente por ocasião do cerco de Ciro. Os racionalistas têm-se servido da história de Baltasar. Contudo, as descobertas modernas referem-se à existência do filho de Nabonide, por nome Baltasar, ao contrário do que sustentou Halevy, que entendia que Nabonide e Baltasar eram uma só pessoa... Os cilindros de Nabonide, em argila, encontrados em Mugheir, a antiga Ur, nos quatro ângulos do Templo de Sim (a Lua), hoje existentes no Museu Britânico, claramente referem a existência de um filho de Nabonide, Baltasar, Bel-sar-usur, filho do rei. Assim sabemos acerca de Baltasar o seguinte: pelas inscrições, que o filho primogênito de Nabonide se chamava Baltasar; por Xenofonte, que Nabonide não voltou a Babilônia depois da sua destruição, refugiando-se em Borsipa; por Daniel, que Baltasar governava em Babilónia, como sendo o personagem do governo. Pode desejar-se acordo mais completo entre testemunhos provenientes de origens tão diversas?" CIRO, O UNGIDO DE DEUS Pelo menos duzentos anos antes de os persas surgirem no cenário mundial, seu famoso rei já estava profetizado na Bíblia: "Quem diz de Ciro: é meu pastor, e cumprirá tudo o que me apraz; dizendo também a Jerusalém: sê edificada; e ao templo: Funda-te. Assim diz o Senhor ao seu ungido, a Ciro, a quem tomo pela sua mão direita, para abater as nações diante de sua
  18. 18. face... por amor de meu servo Jacó, e Israel, meu eleito, eu a ti te chamei pelo teu nome, pus-te o teu sobrenome, ainda que me não reconhecesses", Is 44.28; 45.1-4. Acerca dessa interessante profecia, observa o Dr. Scofield: "Este é o único caso em que a palavra 'ungido' se aplica a um gentio. A Nabucodonozor se lhe chama o servo de Jeová (Jr 25.9; 27.6; 43.10). O uso da palavra 'ungido', em união com a expressão 'meu pastor' (Is 44.28), que é também um título messiânico, assinala Ciro como a assombrosa exceção de que um gentio seja tipo de Cristo. Os pontos de comparação são os seguintes: ambos, Cristo e Ciro, são conquistadores dos inimigos de Israel (Is 45.1; Ap 19.49-21); ambos restauram a cidade santa (Is 44.28; Zc 14.11); por meio de ambos o nome do único Deus verdadeiro é glorificado (Is 45.6; 1 Co 15.28)". Com Ciro inaugurou-se uma nova política em relação aos povos conquistados. Apesar da crueldade com que lidava com seus inimigos, Ciro tratou seus súditos com consideração, conquistando-os como amigos. Por seu famoso decreto, promulgado no segundo ano de seu governo, permitiu a volta de todos os povos às suas próprias terras. Parece que, de modo especial, o famoso imperador dos persas favoreceu os judeus, concedendo-lhes generosa ajuda. CAMPANHAS CONTRA OS GREGOS O décimo-primeiro capítulo de Daniel tem sido dividido, para efeito de estudos, em quatro partes: a) versos 1 a 4, os reis da Pérsia e o terceiro império até a sua divisão em quatro, após a morte de Alexandre Magno; b) versos 5 a 20, os reis do Norte e do Sul (Síria e Egito); c) versos 21 a 35, o reinado de Antíoco Epifânio; d) versos 36 a 45, o Anticristo, no final dos tempos. A primeira parte, de que nos ocupamos aqui, abrange o período de 539 a.C, desde a tomada de Babilônia pelos medos e persas, até 424 a.C, quando faleceu Artaxer-xes Longímanos. O texto bíblico diz: "Eis que ainda três reis estarão na Pérsia, e o quarto será acumulado de grandes riquezas mais do que todos; e, esforçando-se com as suas riquezas, agitará todos contra o reino da Grécia", Dn 11.2. Os reis mencionados neste texto foram Cambises, Pseudo Smerdis e Dário Histaspes, considerando que a visão fora dada no ano terceiro de Ciro, conforme Dn 10.1. O quarto rei foi
  19. 19. Xerxes I, imensamente rico, que invadiu a Grécia nos anos 483 a 480, conhecido no livro de Ester como Assuero. Tanto a Bíblia como a história grega falam dele como sendo homem sensual, devasso, déspota, insidioso e cruel. Assuero ocupou o trono no ano 486. Segundo John D. Davis, no segundo ano de seu reinado subjugou os egípcios que se haviam revoltado contra Dário, e quatro anos mais tarde preparou um imenso exército e invadiu a Grécia, mas foi obrigado a retroceder depois da batalha de Salamina, onde a sua esquadra foi aniquilada por uma pequena frota grega, em 480 a.C. A mãe de Xerxes, Atossa, era filha de Ciro. Convém salientar que o Assuero que aparece em Ed 4.6 não é o mesmo de Ester, mas sim Cambises, que reinou de 529 a 521 a.C. É também o mesmo Cambises quem aparece em Ed 4.7 com o nome de Artaxerxes. O que aparece em Ed 7.1, já ao tempo de Esdras, por volta de 458 a.C., é Artaxerxes Longímanos, o rei que permitiu a Esdras e Neemias levarem um grande número de judeus de volta a Jerusalém e reconstruírem as muralhas da cidade santa, Ed 7.11-28. É o último imperador persa mencionado no Velho Testamento. Triunfo de Alexandre sobre o império persa, na batalha de Issub , quando os grego» derrotaram o exército de Dario III Codomano. Mural de Pompéia, no Museu Nacional de Nápo> les
  20. 20. O urso e o carneiro, símbolos do império medo-persa nos capítulos sete e oito de Daniel.
  21. 21. 3 O REI VALENTE E SEU SONHO DOURADO Um reino sem fronteiras, sem guerras e sem crises econômicas, tal como sonhou Alexandre, somente será realidade quando o Messias reinar. "E um terceiro reino, de metal, o qual terá domínio sobre toda a terra", Dn 2.39b. Nos capítulos 7 e 8 do mesmo Daniel, lemos: "Depois disto eu continuei olhando e eis aqui outro, semelhante a um leopardo, e tinha quatro asas de* ave nas costas; tinha também este animal quatro cabeças, e foi-lhe dado domínio"; "E, estando eu considerando, eis que um bode vinha do ocidente sobre toda a terra, mas sem tocar no chão; e aquele bode tinha uma ponta notável entre os olhos... E o bode se engrandeceu em grande maneira; mas, estando na sua maior força, aquela grande ponta foi quebrada; e subiram no seu lugar quatro também notáveis, para os quatro ventos do céu", Dn 7.6; 8.5,8. É interessante notar que, assim como o leão foi o animal adotado pelos babilônicos como o símbolo de seu império, o bode serviu para identificar o poderio grego, como emblema do poder real. "O bode é muito apropriadamente típico do império grego ou macedônio, porque os macedônios, a princípio, mais ou menos 200 anos antes de Daniel, eram chamados aegeadae, ou povo do bode; e, nessa ocasião, como referem autores pagãos, Caranus, seu primeiro rei, indo com uma grande multidão de gregos à procura de novas habitações na Macedônia, foi mandado pelo oráculo tomar os bodes como seus guias para o império, e, mais tarde, vendo um rebanho de bodes a fugir de uma violenta tempestade, seguiu-os até Edessa, e ali fixou a sede do seu império; fez dos bodes suas insígnias ou estandartes, e chamou a cidade 'Aegeae', ou 'a cidade do bode'. Esta observação é semelhantemente devida ao excelentíssimo sr. Mede; e a isto pode-se acrescentar que a cidade Aegeae, ou Aegae, foi o lugar de sepultamento usual dos reis macedônios. É também muito notável que o filho de Alexandre, de Roxama, chamou-se Alexandre Aegus, ou 'filho do
  22. 22. bode'; e alguns dos sucessores de Alexandre são representados em suas moedas com chifres de bode". Outros importantes testemunhos acerca do bode como símbolo dos gregos estão no Museu Britânico. As moedas macedônias, de cerca de 25 séculos, trazem no seu reverso a figura de um bode. Também na mitologia grega aparece o deus "Pan", filho de Hermes e da ninfa Dryope, representado com chifres, corpo e pés de bode da cintura para baixo. Finalmente, o Mar Egeu, que banha a Macedônia e a Grécia, significa "mar do bode". O império grego está representado pelo ventre e coxas de cobre, pelo leopardo com quatro asas e pelo bode que vinha do Ocidente sem tocar no chão, o qual tinha uma ponta notável entre os olhos. As asas falam da rapidez das conquistas de Alexandre, o bode que partiu do Ocidente "sem tocar no chão". O serem quatro asas, significa o desmembramento do império em quatro dinastias independentes. A mesma significação têm as quatro cabeças do leopardo e as quatro pontas que se levantam do bode, ao cair-lhe a primeira, a grande ponta. A Palavra de Deus é claríssima: "Mas o bode peludo é o rei da Grécia; e a ponta grande que tinha entre os olhos é o rei primeiro. O ter sido quebrada, levantando-se quatro em lugar dela, significa que quatro reinos se levantarão da mesma nação, mas não com a força dela", Dn 8.21,22. CARTAS FAMOSAS Ficou célebre a correspondência trocada entre Alexandre e Dário III, também conhecido por Dário Codomano, filho de Artaxerxes II, o qual começou a reinar no mesmo ano que Alexandre, ou seja, em 336 a.C. A primeira carta, de Dário a Alexandre, diz o seguinte: "Desta capital dos reis da terra: Enquanto o sol brilhar sobre a cabeça de Iskander Alexandre, o salteador etc. etc, saiba ele que o Rei dos Céus me outorgou o domínio da terra, e que o Todo-poderoso me concedeu os quatro quartos da superfície dela. Distinguiu-me outrossim a Providência com a dignidade, a majestade e a glória, e com um sem conta de campeões e confederados. "Chegou ao nosso conhecimento que reunistes uma corja de ladrões e réprobos, a multidão dos quais a tal ponto vos escaldou a imaginação que
  23. 23. vos propusestes, com a ajuda deles, disputar a coroa e o trono, devastar o nosso reino e destruir o nosso país e o nosso povo. "Tais resoluções são, em sua crueldade, perfeitamente consistentes com a fatuidade dos homens de Room. Mas, é melhor para o vosso bem que, ao lerdes estas linhãs regresseis imediatamente do lugar até onde chegastes. Quanto ao vosso movimento criminoso, não tenhais receio da nossa majestade e punição, pois não entrastes ainda para o número daqueles que nos merecem vingança ou castigo. Olhai bem! Mando-vos um cofre cheio de ouro e um burro carregado de sésamo no propósito de dar-vos uma idéia da extensão da minha riqueza e poder. Mando-vos também um chicote e uma bola: a última para que vos entretenhais com um brinquedo próprio da vossa idade; o primeiro para servir ao vosso castigo." Ao receber essa carta, ordenou Alexandre que fossem presos e executados os embaixadores que a tinham trazido. Mas estes lhe suplicaram misericórdia e foram finalmente atendidos. Regressaram para o seu país levando a seguinte resposta de Alexandre a Dário: "De Zu-ul-Kurnain Alexandre àquele que pretende ser o rei dos reis; que se julga temido pelas próprias hostes celestes; e que se considera a luz de todos os habitantes do mundo! Como se pode então dignar tão alta pessoa de temer um inimigo tão desprezível como Iskander? "Não saberá Dará Dário que o Senhor Onipotente outorga poder e domínio a quem bem lhe apraz? E também que quando um fraco mortal se julga um deus e vencedor das hostes celestes a indignação do Todo-poderoso lhe reduz a ruína o reino? "Como pode um indivíduo destinado à morte e à decomposição ser um deus, ele a quem lhe tomam o reino e que deixa para outros os prazeres deste mundo? "Olhai! Decidi travar batalha convosco e para isso marcho na direção de vossas terras. Confesso-me fraco e humilde servo de Deus, a quem ofereço as minhas preces para que me conceda a vitória e o triunfo, e a quem adoro. "Com a carta em que fizestes tamanho alarde dos vossos poderes me enviastes um chicote, uma bola, um cofre cheio de ouro e um burro carregado de sésamo; tudo isso agradeço à boa fortuna e considero como sinais auspiciosos. O chicote significa que serei o instrumento do vosso
  24. 24. castigo e me tornarei o vosso governador, preceptor e diretor. A bola indica que a superfície da terra e a circunferência do globo obedecerão ao lugar-tenentes. O cofre de ouro, que é uma parte do vosso tesouro, denota que as vossas riquezas me serão transferidas muito breve. E quanto ao sésamo, embora os seus grãos sejam tão numerosos, todavia é macio ao tato e de todos os gêneros de alimento o menos nocivo e desagradável. "Em retribuição vos envio um saco de mostarda para provardes e reconhecerdes o amargor da minha vitória. E não obstante vos terdes exaltado com tamanha presunção, soberbo da grandeza do vosso reino e pretendendo ser uma divindade na terra, ousando mesmo comparar-vos à majestade celeste, eu verdadeiramente é que sou vosso senhor supremo; e embora vos tenhais esforçado por me alarmar com a enumeração do vosso poder e dos vossos recursos em homens e armas; todavia confio na intervenção da Divina Providência que hei de ver a vossa jactância reprovada por todo o gênero humano; e que na mesma proporção em que vos exalçastes vos humilhará o Senhor e me concederá a vitória sobre vós. No Senhor está a minha fé e a minha confiança. Adeus!" Depois da troca destas cartas, os dois exércitos se defrontaram em Faristã, onde os persas sofreram fragorosa derrota. Dário fugiu para além do Eufrates, e foi reunir um exército ainda mais numeroso. Tentou negociar com Alexandre, oferecendo-lhe pela paz a metade do seu reino, mas Alexandre, contra a opinião de seus generais, preferiu arriscar as suas tropas em nova batalha e ganhar toda a Pérsia. Eis a resposta que mandou à proposta de Dário: "Dário: Dário (Dário, o Grande, derrotado em Maratona), (Dário, o Grande, por cujo nome sois chamado) devastou, se a história diz a verdade, todas as cidades gregas da costa do Helesponto; todas as colônias jônias deste lado. Nem se contentou ele com isso, mas, atravessando o mar com um vasto exército, executou uma segunda invasão; sendo, porém, vencido no mar, retirou-se, deixando lá o general Mardônio, o qual em sua ausência deveria saquear toda a Grécia, talar-lhe os férteis campos e arrasar-lhe as florescentes cidades.
  25. 25. "Acrescente-se a isso a morte de meu pai Felipe, cujos assassinos corrompestes e subornastes vilmente com a promessa de grande soma em dinheiro. "Assim começais uma guerra e assim covardemente a levais avante, tentando assassinar aqueles que tremeis de encontrar no campo de batalha; testemunho disso são os mil talentos que oferecestes a quem quisesse ser o meu assassino, mesmo quando estáveis conduzindo contra mim um tamanho exército. Por conseguinte, a guerra em que estou atualmente empenhado é em minha própria defesa; e os deuses, dando o triunfo às minhas armas e permitindo-me conquistar grande parte do vosso império, manifestaram a justiça da minha causa. Bati-vos no campo da luta; e, embora não me sinta obrigado pela honra nem pela gratidão a atender-vos no que quer que seja, todavia vos prometo, se vierdes a mim da maneira que exige a vossa condição, darei liberdade a vossa esposa e a vossos filhos, mesmo sem nenhum penhor, Como conquistador levastes uma lição; vereis ainda como sei tratar com honra aqueles a quem venço. Se no entanto duvidais de vossa segurança aqui, prometo-vos que tereis uma escolta para vos guardar de qualquer atentado. Entrementes, toda vez que tiverdes ocasião de escrever a Alexandre, lembrai-vos de que vos dirigis a quem não somente é rei, mas também o vosso rei". Finalmente, em 21 de setembro de 331 a.C, aproveitando-se de um eclipse lunar, o exército macedônico comandado por Alexandre atravessou o Tigre, e de novo a Grécia e a Pérsia se defrontaram em Arbela (ou Gaugamela) numa das batalhas decisivas da História. Mais uma vez a vitória coube a Alexandre, e desta vez lhe trouxe, na idade de vinte e cinco anos, a supremacia indisputável sobre a maior parte do mundo então conhecido. Mais uma vez em fuga, Dário foi morto por um dos seus sátrapas. O SONHO DE ALEXANDRE Alexandre Magno nasceu em Pela, em 356 a.C, e morreu em Babilônia, em 323 a.C. Filho de Felipe II e Olímpia, assume o trono em 336 a.C, após o assassinato do pai, e um ano depois, no Congresso Pan-helênico de Corinto, é aclamado general de todas as forças gregas. Com um exército de 35.000 infantes, 5.000 cavaleiros e uma frota de 169 navios, vence o exército persa às margens do Rio Granico, ocupa a Frigia, em cuja capital, Górdio, corta um nó complicado que, segundo a tradição,
  26. 26. daria a quem o desembaraçasse o império da Ásia. Em 333, na planície de Isso, vence novamente os persas. A caminho do Egito, Tiro e Gaza são vencidas e arrasadas. É recebido no Egito como filho dos faraós; funda a cidade de Alexandria no delta do Nilo e ataca os exércitos do rei persa Dário III em Arbela (ou Gaugamela), no ano 331, derrotando definitivamente o império medo-persa. Cumprindo a profecia bíblica, que previa para o terceiro reino um "domínio sobre toda a terra", em 327 a.C, após a conquista do Oriente Médio e do Norte da África, invade a índia. Alexandre, entre os 13 e 16 anos de idade, teve como mestre o famoso Aristóteles, que lhe despertou o interesse para a Filosofia, a Medicina e a investigação científica. O seu grande mérito foi o de unificar o mundo grego e difundir o helenismo, criando assim um mundo novo. Com sua forte personalidade, Alexandre Magno passou à História como o mais famoso conquistador da antiguidade. Reinou 12 anos e oito meses. Faleceu aos 33 anos, vítima de uma febre violenta, após prolongado banquete e muita bebida. Dele disse Orlando Boyer: "Ele já estava à porta de qualquer cidade para conquistá-la, antes mesmo de alguém saber que tinha saído de seu palácio... Alexandre tinha o grande alvo de fazer do mundo inteiro uma só nação, a Alexandrelândia. Não poderia haver mais guerras nem carestia, porque não haveria mais estrangeiros nem fronteiras, e todos os homens, assim, podiam gozar paz e prosperidade. (Era o seu sonho dourado, mas só há um que pode realizá-lo: Jesus Cristo.) Alexandre, ainda muito novo, dominou o mundo inteiro e chorop porque não havia outros reinos a conquistar!" ALEXANDRE E OS JUDEUS A grande ponta do bode significa, não o primeiro monarca, mas o primeiro reino dominado sucessivamente por Alexandre Magno, por seu irmão Arideu e por seus dois filhos, Alexandre e Hércules. Já o "rei valente" de Dn 11.3,4, aponta para o primeiro imperador da Grécia, Alexandre. Este fez do povo judeu o alvo de sua especial consideração, pois, ao aproximar-se de Jerusalém, o sumo sacerdote saiu-lhe ao encontro mostrando as profecias bíblicas que indicavam o triunfo dos gregos sobre os medo-persas e, especialmente, o papel que o grande general macedônico deveria cumprir no plano divino. Vejamos o que registrou o grande historiador judeu, Flávio Josefo:
  27. 27. "Quando se soube que ele já estava perto, o Grão-sacrificador (o sumo sacerdote) acompanhado pelos outros sacrificadores e por todo o povo, foi ao seu encontro, com essa pompa tão santa e tão diferente da das outras nações, até o lugar denominado Sapha, que em grego significa mirante, porque de lá se podem ver a cidade de Jerusalém e o templo. Os fenícios e os caldeus, que estavam no exército de Alexandre, não duvidaram de que na cólera em que ele se achava contra os judeus ele lhes permitiria saquear Jerusalém e daria um castigo exemplar ao Grão-sacrificador. "Mas aconteceu justamente o contrário, pois o soberano apenas viu aquela grande multidão de homens vestidos de branco, os sacrificadores revestidos com seus paramentos de linho e o Grão-sacrificador, com seu éfode, de cor azul adornado de ouro e a tiara sobre a cabeça, com uma lâmina de ouro sobre a qual estava escrito o nome de Deus, aproximou-se sozinho dele, adorou aquele augusto nome e saudou o Grão-sacrificador, ao qual ninguém ainda havia saudado. Então os judeus reuniram-se em redor de Alexandre e elevaram a voz, para desejar-lhe toda a sorte de felicidade e de prosperidade. Mas os reis da Síria e os outros grandes, que o acompanhavam, ficaram surpresos de tal espanto, que julgaram que ele tinha perdido o juízo. Parmênio, que gozava de grande prestígio, perguntou-lhe como ele, que era adorado em todo o mundo, adorava o Grão-sacrificador dos judeus. - Não é a ele, respondeu Alexandre, ao Grão-sacrificador, que eu adoro, mas é a Deus de quem ele é ministro. Pois quando eu ainda estava na Macedônia e imaginava como poderia conquistar a Ásia, Deus me apareceu em sonhos com esses mesmos hábitos e me exortou a nada temer. Disse-me que passasse corajosamente o estreito do Helesponto e garantiu-me que Ele estaria à frente do meu exército e me faria conquistar o império dos persas. Eis por que jamais tenho visto antes a ninguém vestido de trajes semelhantes àquele com que Ele me apareceu em sonho. Não posso duvidar de que foi por ordem de Deus que empreendi esta guerra e assim vencerei a Dário, destruirei o império dos persas e todas as coisas suceder-me-ão segundo os meus desejos. "Alexandre, depois de ter assim respondido a Parmênio, abraçou o Grão-sacrificador e os outros sacrificadores; caminhou depois no meio deles até Jerusalém, subiu ao templo, ofereceu sacrifícios a Deus da maneira como o Grão-sacrificador lhe dissera fazer. O Soberano Pontífice mostrou-lhe em seguida o livro de Daniel, no qual estava escrito que um príncipe grego
  28. 28. destruiria o império dos persas e disse-Ihe que não duvidava de que era ele a quem a profecia fazia menção. Alexandre ficou contente; no dia seguinte, mandou reunir o povo e ordenou-lhe que dissesse que favores desejava receber dele. Falando pelo povo, o Grão-sacrificador respondeu-lhe que eles lhe suplicavam permitir-lhes viver segundo as leis deles e as leis de seus antepassados, e isentá-los no sétimo ano do tributo, o qual lhe pagariam durante os outros seis anos. Ele concedeu-lhes. Tendo-lhe, ainda, eles pedido que os judeus que moravam em Babilônia e na Média gozassem dos mesmos favores, Alexandre o prometeu com grande bondade, e disse que se alguns desejassem servir no exército grego, ele permitiria que os conscritos vivessem segundo a própria religião e costumes. Vários então se alistaram". OS QUATRO REINOS QUE SE REDUZIRAM A DOIS No capítulo 11 de Daniel, versos 3 e 4, as profecias acerca de Alexandre complementam as anteriores: "Depois se levantará um rei valente, que reinará com grande domínio, e fará o que lhe aprouver. Mas, estando ele em pé, o seu reino será quebrado, e será repartido para os quatro ventos do céu; mas não para a sua posteridade, nem tampouco segundo o poder com que reinou; porque o seu reino será arrancado, e passará a outros". Os "quatro ventos do céu" são as quatro dinastias independentes em que se dividiu o império de Alexandre, em 301 a.C, na batalha de Ipsus: Ptolomeu, filho de Lago, no Sul, ficou com o Egito e mais tarde obteve Chipre; Cassandra, no Oeste, ficou com a Macedônia, Tessalia e Grécia; Selêuco Nicanor, no Leste, com Babilônia, Síria e todo o Oriente; Lisímaco, no Norte, reinou sobre a Trácia e a Capadócia. Os versos 5 e 20 do capítulo onze de Daniel falam de uma guerra prolongada entre os reis da Síria e do Egito. O primeiro destes versos é assim explicado por Sir Isac Newton: "Demétrio, filho de Antígono, conservou apenas uma pequena parte dos domínios paternos, e por fim perdeu Chipre para Ptolomeu. Mas depois do assassinato de Alexandre, filho e sucessor de Cassandro, rei da Macedônia, Demétrio apoderou-se desse reino no ano de 454 de Nabonassar (294 a.C). Algum tempo depois, quando preparava um grande exército para reconquistar os domínios de seu pai na Ásia, Selêuco, Ptolomeu, Lisímaco e Pirro, rei do Épiro, ligaram-se contra ele, invadindo a Macedônia, corromperam o exército de Demétrio, pondo o rei em fuga. Em seguida, apoderaram-se do seu reino e o dividiram
  29. 29. com Lisímaco. Sete meses após, Lisímaco venceu a Pirro, tomou-lhe a Macedônia e a susteve durante cinco anos e meio, unindo-a ao reino de Trácia. Em suas guerras contra Antígono e Demétrio, Lisímaco lhes havia tomado a Caria, a Lídia e a Frigia. Ele tinha ainda um tesouro em Pérgamo, num castelo no topo de uma colina cônica na Frigia, perto do rio Caicus, cuja guarda havia confiado a um tal Filatero, que a princípio lhe foi fiel, mas por fim se revoltou contra ele, no último ano de seu reinado, pois Lisímaco, instigado por sua esposa Arsinoé, começou assassinando seu próprio filho Agatocles e depois diversos outros que o choravam. A viúva de Agatocles fugiu com os filhos e alguns amigos, e pediu a Selêuco que guerreasse a Lisímaco. Diante disso, Filatero, que era acusado de ter sido o assassino de Agatocles, pela própria Arsinoé, pôs-se em armas ao lado de Selêuco. Nessa ocasião, Selêuco deu batalha a Lisímaco na Frigia; este morreu na batalha e Selêuco tomou o seu reino no ano 465 de Nabonassar (283 a.C). "Assim o império dos gregos, que inicialmente se havia dividido em quatro, reduziu-se novamente a dois reinos notáveis os quais são chamados por Daniel de os reinos do Sul e do Norte. Então Ptolomeu reinava sobre o Egito, a Líbia, a Etiópia, a Arábia, a Fenícia, a Celesíria e Chipre; e Selêuco, tendo unido três dos quatro reinos, tinha um domínio pouco inferior ao do império persa, conquistado por Alexandre Magno..."
  30. 30. Antíoco III, rei da Síria de 242 a 187 a.C., deu inteira liber­dade de culto aos Judeus e ainda fez ricas doações ao Templo, favorecendo os sacerdotes. Seu filho mais novo, que recebeu o título de Antíoco IV, Epifânio, ao contrário do pai, mos­trou- se terrível inimigo dos judeus Ruínas do templo de Apoio, em Corinto, onde Alexandre ou­viu uma profecia acerca das suas extraordinárias conquistas
  31. 31. 4 OS REINOS DO NORTE E DO SUL Com a repentina morte de Alexandre, seus domínios se dividiram primeiramente em quatro reinos que, por sua vez, se reduziram a dois. Os versos 6 a 20 do capítulo 11 de Daniel tratam das lutas entre os Selêucidas, reis do Norte, e os Ptolomeus, reis do Sul. O fato de Daniel, mais de três séculos antes, haver descrito com tantas minúcias a história desses reinos, só pode ser explicado à luz da Palavra de Deus: "homens santos falaram da parte de Deus movidos pelo Espírito Santo", 2 Pe 1.21. CUMPRIMENTO FIEL DA PROFECIA Os 15 versículos citados abrangem um período de aproximadamente um século, começando por volta de 250 a.C. O comentário seguinte, de Mc Nair, refere-se a esse texto, cuja leitura sugerimos ao leitor a fim de melhor compreender o seu cumprimento histórico: Os dois que fazem aliança são os reis do Norte (a divisão Síria do império Grego) e do Sul (Egito). Esta aliança foi efetuada pelo casamento da filha do rei do Sul, a princesa egípcia Berenice, filha de Ptolomeu II a Antíoco Theos, o rei do Norte. A combinação foi que Antíoco teria de divorciar-se da sua esposa e fazer de um dos filhos de Berenice o herdeiro do reino. Este convênio acabou num desastre. Quando Ptolomeu morreu, Antíoco Theos, em 247 a.C, chamou a sua esposa anterior. Berenice e seu filho foram envenenados, e o filho da primeira esposa, Gallinicus, foi posto no trono como Selêuco II. "Mas, ao cabo de anos, eles se aliarão um com o outro; a filha do rei do Sul casará com o rei do Norte, para estabelecer a concórdia; ela, porém, não conservará a força do seu braço, porque ela será entregue, e bem assim os que a trouxeram, e seu pai, e o que a tomou por sua naqueles tempos", v.6. Ptolomeu III Euergetes (246-221 a.C), irmão de Berenice, que sucedeu a seu pai Ptolomeu II, invadiu o território da Síria até a Ásia Menor e por algum tempo ocupou a própria Antioquia, reacendendo, assim, a guerra entre os dois reinos. Como vingança pelo assassinato de sua irmã, matou a
  32. 32. esposa de Antíoco Theos. Diz a Bíblia: "Mas de um renovo da linhagem dela um se levantará em seu lugar, e avançará contra o exército do rei do Norte e entrará na sua fortaleza, agirá contra eles, e prevalecerá", v.7. Cumprindo tudo o que estava profetizado a seu respeito, Ptolomeu III Euergetes voltou ao Egito levando quatro mil talentos de ouro, 40 mil talentos de prata e dois mil e quinhentos ídolos e vasos sagrados, dos quais muitos tinham sido arrebatados à Pérsia por Cambises. No ano 240 a.C. Selêuco Calicino invadiu o Egito e voltou derrotado. Sua frota pereceu numa terrível tempestade. Os filhos de Selêuco Calicino, Selêuco Hl (226­223 a.C.) e Antíoco, o Grande, (223-187 a.C.) guerrearam contra o Egito. O primeiro atacou, sem sucesso, as províncias egípcias na Ásia Menor; o segundo, também conhecido por Antíoco III, invadiu o Egito sem muita oposição da parte de Ptolomeu Filopáter. Em 218 a.C, numa outra investida contra o Egito, Antíoco tomou a fortaleza de Gaza. Eis a profecia bíblica a respeito destes fatos: "Também aos "seus deuses com a multidão das suas imagens fundidas, com os seus objetos preciosos de prata e ouro, levará como despojo para o Egito; por alguns anos ele deixará em paz o rei do Norte. Mas depois este avançará contra o reino do rei do Sul, e tornará para a sua terra. Os seus filhos farão guerra, e reunirão numerosas forças; um deles virá apressadamente, arrasará tudo e passará adiante; e, voltando à guerra, a levará até a fortaleza do rei do Sul", vv 8 a 10. JUDÁ, ALVO DAS GUERRAS GREGAS No ano seguinte à queda de Gaza, Ptolomeu Filopáter, graças a um poderoso exército, vence Antíoco, o Grande, na batalha de Ráfia, a sudoeste de Gaza, e sacrifica em Jerusalém. Pelo fato de haver sido impedido de entrar no lugar santíssimo do Templo, tenta destruir os judeus de Alexandria. Cerca de 14 anos mais tarde, Antíoco, o Grande, tenta mais uma vez derrotar o Egito, porém falha. "Então este se exasperará, sairá, e pelejará contra ele, contra o rei do Norte; este porá em campo grande multidão, mas a sua multidão será entregue nas mãos daquele. A multidão será levada, e o coração dele se exaltará; ele derrubará miríades, porém não prevalecerá. Porque o rei do Norte tornará, e porá em campo multidão maior do que a primeira, e ao cabo de tempos, isto é, de anos, virá à pressa com grande exército e abundantes provisões. Naqueles tempos se levantarão muitos contra o rei do Sul; também os dados à violência dentre o teu povo se levantarão para cumprirem a profecia, mas cairão", vv 11 a 14.
  33. 33. Tanto a Síria como o Egito, por ambicionarem cada um deles ser a verdadeira continuação do império de Alexandre, continuaram guerreando-se mutuamente. Judá, por estar entre os dois reinos, foi alvo permanente das disputas dos gregos, que desejavam impor sua cultura e filosofia também aos judeus. Antíoco, o Grande, por trazer opróbrio sobre os romanos pelas suas ações foi derrotado por estes na batalha de Magnésia, em 190 a.C, sob o comando do cônsul Lúcio Cornélio Cipião. De regresso a sua terra, Antíoco tentou roubar o templo de Belus, em Elimaís, e teve um fim triste. Daniel profetizou a esse respeito: "Depois se voltará para as terras do mar, e tomará muitas; mas um príncipe fará cessar-lhe o opróbrio, e ainda fará recair este opróbrio sobre aquele. Então voltará para as fortalezas da sua própria terra; mas tropeçará e cairá, e não será achado", vv. 18 e 19. Daniel fala ainda de Selêuco Filopáter (187-175 a.C), morto "não em ira nem em batalha", pois foi envenenado por seu cobrador de impostos de nome Heliodoro, depois de mandá-lo depredar o templo em Jerusalém. Comentando o verso 14, onde se afirma que muitos se levantariam para cumprir a profecia, diz a nota de rodapé da Bíblia Vida Nova: "Até a época destas guerras, o livro de Daniel seria bastante conhecido pelos judeus que quiseram apressar 'o tempo do fim' (quando na verdade, o Filho de Deus é que faria cessar a injustiça humana para prevalecer a justiça eterna). Por isso, estes últimos apressaram-se em tomar armas contra Antíoco, o Grande, a fim de obterem independência absoluta para Israel, que passaria a ser uma teocracia messiânica, segundo suas esperanças". O REI FEROZ DE CARA Embora a Palestina só viesse a tornar-se província romana no ano 63 a.C, a supremacia do povo latino teve início em Pidna, no dia 22 de junho de 168 a.C. Entre esta e aquela data, a Judéia passou por muitas vicissitudes, destacando-se a opressão sob Antíoco Epifânio. Este rei, depois de passar 15 anos como refém em Roma, governou a Síria de 175 a 164 a.C. Sua crueldade e intolerância religiosa fizeram dele um tipo do futuro Anticristo. O relato bíblico que trata desse rei está em Daniel, capítulos 8 e 11: "Mas, no fim do seu reinado, quando os prevaricadores acabarem, levantar-se-á um rei de feroz catadura e entendido em intrigas. Grande é o seu poder, mas não por sua própria força; causará estupendas destruições, prosperará e
  34. 34. fará o que lhe" aprouver; destruirá os poderosos e o povo santo. Por sua astúcia nos seus empreendimentos, fará prosperar o engano, no seu coração se engrandecerá, e destruirá a muitos que vivem despreocupadamente; levantar-se-á contra o Príncipe dos príncipes, mas será quebrado sem esforço de mãos humanas", 8.23-25. No capítulo 11,o mesmo Antíoco Epifânio é assim descrito: "Depois se levantará em seu lugar um homem vil, ao qual não tinham dado a dignidade real; mas ele virá caladamente, e tomará o reino com intrigas", v.21. Realmente, esse "homem vil" não tinha quaisquer direitos à dignidade real, por ser filho menor de Antíoco, o Grande, mas obteve a coroa usando-se de lisonjas. É viva, no primeiro capítulo apócrifo dos Macabeus, a descrição que se faz dos males ocasionados na Judéia pelos judeus infiéis, do saque de Jerusalém e da introdução do culto pagão em toda a Palestina: "O seu santuário ficou desolado como um ermo, os seus dias de festa se mudaram em pranto, os seus sábados em opróbrio, as suas honras em nada. À proporção da sua glória se multiplicou a sua ignomínia: E a sua alta elevação foi mudada em luto... E o rei (Antíoco Epifânio) dirigiu cartas suas, por mãos de mensageiros, a Jerusalém, e a todas as cidades de Judá: Mandando-lhes que seguissem as leis das nações da terra. E proibissem que no Templo de Deus se fizessem holocaustos, sacrifícios, e oferta em expiação de pecado. E proibissem que se celebrasse o sábado, e os dias solenes: E mandou que se profanassem os lugares santos, e o santo povo de Israel. Outrossim, mandou que se edificassem altares, e templos, e que se levantassem ídolos, e sacrificassem carne de porco, e reses imundas...", capítulo 1, versos 41,42,46-50. (Versão Clássica de Figueiredo.) Os registros históricos confirmam as sombrias características de Antíoco Epifânio. Ele foi considerado um louco sanguinário pelos historiadores gregos e um fomentador de intrigas entre o seu reino e o do Egito. Sua vida em relação ao judaísmo foi uma blasfêmia contra o próprio Deus (levantar-se- á contra o Príncipe dos príncipes) e sua morte por desgosto, em razão do fracasso contra os romanos, mostra que ele foi "quebrado sem esforço de mãos humanas". AS DUAS PONTAS PEQUENAS
  35. 35. Convém salientar que o capítulo 7 de Daniel trata de todos os reinos dos gentios, enquanto o oitavo se ocupa apenas do segundo e terceiro, ou seja, do medo-persa e do grego. Note-se que a "ponta mui pequena que cresceu muito para o meio-dia, e para o oriente, e para a terra formosa (Judá), e se engrandeceu até o exército do céu" (sacerdotes judeus), (vv. 9 e 10), não saiu do quarto reino (Roma), mas de uma das pontas do terceiro (Grécia). Portanto, esta ponta não é a mesma do capítulo 7. Scofield e outros estudiosos do assunto entendem que a ponta pequena do capítulo 8 é Antíoco Epifânio, oitavo governador da casa dos Selêucidas, que reinou de 175 a 164 a.C. Intolerante em religião, intentou destruir a religião dos judeus pela força. Ordenou que os judeus demonstrassem publicamente seu repúdio à religião de seus pais, violando as leis e as práticas ligadas a ela: que profanassem o sábado, as festividades e o santuário, construindo altares e templos aos ídolos pagãos; que sacrificassem carne de porco nos altares do templo e não circuncidassem seus filhos. O judeu que desobedecesse à palavra do rei seria morto. A pressão de Antíoco sobre os judeus, cada vez mais cruel, culminou no décimo quinto dia do mês de quisleu (dezembro), do ano 168 a.C, quando uma gigantesca estátua de Zeus Olímpio foi colocada atrás do altar do sacrifício, e os pátios do Templo transformados em lugares de lúbricos bacanais. Os que se recusaram a obedecer aos decretos reais fugiram ou morreram. Milhares foram sacrificados, e nessa conjuntura irrompeu a revolta dos Macabeus, repleta de atos heróicos e de sacrifícios auto-imoladores. Os atos de bravura dos Macabeus acabaram por vencer, no final de 165 a.C, definitivamente, as bem equipadas e esplendidamente treinadas tropas selêucidas. Antíoco, logo ao receber a notícia de que seus exércitos haviam sido irremediavelmente batidos, morreu de desgosto entre Elimaís e Babilônia. No vigésimo quinto dia de quisleu, de 165 a.C, Judas, o Macabeu, depois de purificar o templo, reconsagrou-o acendendo as lâmpadas do candelabro sagrado, ofereceu incenso no altar de ouro, levou oferendas ao altar dos sacrifícios e decretou que todos os anos o evento fosse comemorado, nascendo assim a "Chanukah", Festa da Dedicação: Jo 10.22.
  36. 36. Perseu foi o último monarca grego na Macedôni« antes d«, supremacia romana. R«inou de 212 a 167 a.C?. Animal terrível e espantoso, que possuía grandes «lentes de ferro, unhas de metal e dez chifres. Depois o profeta viu sur­gir mais um chifre, diferente dos demais, diante do qual três dos anteriores foram arrancados. Símbolo do império roma­no até a vinda de Cristo com poder e grande glória
  37. 37. OS REINOS MUNDIAIS NO LIVRO DE DANIEL IMPÉRIOS Capítulo 2 Capítulo 7 Capítulo 8 Capítulo 11 BABILÔNIA 612-538 Cabeça de ouro da estátua. O u tra s refs.: J r 50.10; 51.13, 36, 41, 44, 58; Is 13.19. Leão com duas asas. Outras refs.: J r 4.7; Hc 1.6-8. (Omisso) (Omisso) MEDO-PÉRSIA 538-331 a.C. ? Peito e braços de prata. 0 segundo império foi inferior ao primeiro. Monarca limi­tado pela nobreza. Urso com três costelas entre os dentes. As costelas repre­sentam: Babilônia, Lídia e Egito. Carneiro com duas pontas (chifres), uma mais alta (Pérsia) do que a outra (Média). Os quatro reis mencionados nos w . 2 e 3. 0 4^ é o Rei Assuero do livro de Ester. GRÉCIA 331-168 a.C. V e n tr e de bronze (ou cobre). Poder ainda mais li­mitado, agora por uma elite militar. Leopardo com quatro asas (grande rapidez nas con­quistas) e quatro cabeças (número em que se dividi­ria o império). Bode, primeiramente com um chifre notável, que de­pois de derrubado deu lugar a quatro outros. Rei valente, que teve seu reino repartido ‘‘para os quatro ventos do céu” , w . 3 e 4. ROMA 168 a.C. -... Pemas de ferro, pés e dedos de ferro misturado com b ar­ro. Os césares foram muito - limitados pelo Senado ro­mano. 0 b ano revela deca­dência ainda maior. Monstro, primeiramente com dez chifres e depois com mais um (o Anticris-to, a Besta), diante do qual três dos dez primeiros são derrubados. (Omisso) “Navios de Quitim” , v. 30, uma frota romana que im­pediu a invasão do Egito por Antíoco Epifânio. 0 MILÊNIO A Pedra (Cristo) cortada sem auxílio de mãos, toma-se uma grande montanha e enche toda a Terra (Mt 2l.44b; 1 Pe 2.4 etc.). 0 Filho do Homem, vv. 13, 14, 27, a quem todos os rei­nos deste mundo são entre­gues. (Omisso) (Omisso)
  38. 38. 5 ROMA, A POTÊNCIA FÉRREA O império romano, com suas férreas garras, subjugou todo o mundo antigo, crucificou o Messias e destruiu Jerusalém e o Templo. Nos capítulos anteriores, analisamos os três primeiros impérios mundiais: Babilônico (612-539 a.C), Medo-Persa (539-331 a.C.) e Grego (331-168 a.C.) O quarto reino, representado pelo animal terrível e espantoso e pelas pernas de ferro e pés em parte de ferro e em parte de barro, é o romano, no qual se tem cumprido a profecia bíblica até mesmo nos mínimos detalhes. Diz a Bíblia: "Depois disto, eu continuava olhando nas minhas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível, espantoso e, sobremodo forte, o qual tinha grandes dentes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha dez chifres", Dn 7.7. O ANIMAL TERRÍVEL E ESPANTOSO "Então - continua Daniel - tive desejo de conhecer a verdade a respeito do quarto animal, que era diferente de todos os outros, muito terrível, cujos dentes eram de ferro, e as suas unhas de metal, que devorava, fazia em pedaços e pisava a pés o que sobrava; e também das dez pontas que tinha na cabeça, e da outra que subia, de diante da qual caíram três, daquela ponta, digo, que tinha olhos, e uma boca que falava grandiosamente, e cujo parecer era mais firme do que o das companheiras. Eu olhava, e eis que esta ponta fazia guerra contra os santos, e os vencia... Disse assim: O quarto animal será o quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; e devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços. E, quanto às dez pontas, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis", Dn 7.19-24. Que este quarto animal corresponde à quarta divisão da estátua de Nabucodonozor não há dúvida. Além da explicação dada pelo anjo a Daniel, os dentes dessa fera, de ferro, correspondem a um dos elementos da estátua. Por outro lado, a existência do cobre (cujas unhas eram de cobre)
  39. 39. revela que o quarto reino conservaria características do reino anterior, dos gregos. Realmente, o mundo romano experimentava a influência das letras e da filosofia gregas. O império mundial dos gregos, que teve domínio "sobre toda a terra", Dn 2.39, fez com que sua cultura prevalecesse mesmo durante a supremacia dos césares, levando muitos a denominar o último grande império mundial de greco-romano. Se os latinos governavam pela força das suas armas, os gregos o faziam pelo poder das suas letras. Quanto aos dez dedos dos pés da estátua, às dez pontas do quarto animal e à ponta que tinha olhos e falava grandiosamente, tratamos de forma detalhada em nosso livro Deus revela o futuro. COMO ROMA CONQUISTOU O MUNDO A sujeição dos gregos ao império romano custou a vida de milhares de soldados em muitas e sangrentas batalhas. Os historiadores André Aymard e Jeannine Auboyer afirmam que é bastante natural que Roma, "começando com muito pouco, tendo de lutar contra cidades análogas a ela e contra os coriáceos montanheses dos Apeninos centrais, detida, às vezes, em seus progressos, por invasões gaulesas no início do século IV a.C, só consiga após longas peripécias a submissão da região à qual, até César, se reservava a denominação de 'Itália', isto é, a Itália peninsular dos geógrafos. Esta submissão, entretanto, só é obtida com a tomada de Tarento, em 272 a.C. e da última cidade etrusca, em 265-264 a.C, nas vésperas da passagem para a Sicília, em 264: quase dois séculos e meio para a conquista da península, quando bastaram vinte e um anos a Filipe para estabelecer a hegemonia macedônica sobre a Grécia balcânica! "Se a expansão extra-italiana, aliás, já não se arrasta, a seguir, de forma tão lenta, amiúde só consegue realizar certas anexações depois de atrasos imprevistos. As guerras púnicas representam, na longa série de guerras ultramarinas, notáveis exceções, porque se compensam imediatamente com aquisições territoriais: a primeira, com a da Sicília; a segunda, com a da Espanha; a terceira, com a da região de Cartago. Mas os empreendimentos no Oriente helenístico custam a dar seus frutos. Roma já intervém na Grécia em 212 a.C, derrota nitidamente o exército macedônico em 197 a.C, esmaga-o” definitivamente em 168 e, no entanto, só em 148 a.C. estabelece como província a Macedônia. É suficiente mencionar, sem multiplicar os exemplos, o caso singular do Egito: a proteção de Roma sobre ele encontra-
  40. 40. se praticamente estabelecida, pelo menos desde 168 a.C. e, embora cada vez mais pesada, exigindo várias intervenções de tropas romanas nas questões internas do país, este protetorado não impede a monarquia lágida de conservar a sua independência teórica e mesmo prática, às vezes - Cleópatra serve-se de António, pelo menos tanto quanto ela o serve - até 30 a.C." 0) O ano 168 a.C. marcou o início da supremacia romana nos três continentes- Europa, Ásia e África - resultando na posse das três divisões restantes do vasto império de Alexandre. Alguns anos antes dessa data, porém, os romanos já haviam liquidado com o reino dos Selêucidas, como registrou G. Oncken: "Caio Pompílio Lena ordenou depois, no Egito, que Antíoco IV, Epifanes, da Síria, evacuasse o país. O rei disse que ia refletir o caso; então Pompílio com seu bastão traçou na areia um círculo ao redor do selêucida, pronunciando estas palavras: 'Antes de que saias deste círculo hás de dar-me a resposta que pede o Senado: queres ser amigo ou inimigo dos romanos?' Confuso em extremo, ainda sem fazer resistência alguma, o sucessor do grande rei de Antioquia respondeu: 'Farei o que o Senado pede'. Então o rústico diplomata romano estendeu pela primeira vez a mão a Antíoco e o saudou como amigo e aliado do povo romano". Sacudindo de sobre si o peso esmagador da paz romana imposta sobre seus antecessores, Perseu ataca os romanos e os vence numa batalha, em 171 a.C, em Galicinos. "Esta terceira guerra teve como causa a morte do rei de Pérgamo quando viajava pela Grécia. Na segunda batalha, ao meio-dia de 22 de julho de 168, próximo à fortaleza de Pidna, os romanos, sob o comando de Lúcio Emílio, fogem a princípio com grande perdas, ante a pressão do exército de Perseu. Porém, uma feliz manobra de Lúcio Emílio mudou a sorte da luta. Fogem agora os macedônios com Perseu precipitadamente, perseguidos pelos romanos. Ficaram no campo 20.000 macedônios mortos e 11.000 prisioneiros, sendo saqueada a cidade de Pidna. Todos os oficiais de Perseu se entregaram aos romanos. Perseu, já até mesmo sem apoio pessoal do continente, refugiou-se na ilha de Samo-trácia. Grécia e Macedônia sofreram tremendos massacres da parte dos vitoriosos romanos." (2) CUMPRINDO AS ESCRITURAS
  41. 41. Os romanos cumpriram cabalmente tudo o que deles se acha escrito nas profecias. As terríveis garras romanas subjugaram o mundo inteiro, Somente a Gália, as batalhas de Júlio César conquistaram 800 populações, submeteram 300 povos, mataram cerca de um milhão de homens e reduziram outro tanto à mais cruel escravidão. Roma, afirmam os historiadores, chegou a ter duas vezes mais escravos que cidadãos livres. Através de pesados tributos, ela "devorava" o trigo do mundo e "despedaçava" milhares de prisioneiros em sangrentos combates uns contra os outros ou contra esfomeadas feras. Na inauguração do grande coliseu - o maior daqueles tempos, com capacidade para cem mil expectadores - o imperador Tito sacrificou cinco mil animais. Trajano, para comemorar uma vitória matou onze mil animais em vários dias festivos. Quanto aos combates entre os gladiadores - escravos ou criminosos condenados à morte -, afirma-se que o número de vítimas oscilava entre vinte e trinta mil almas por mês!!! Os cidadãos romanos, incluindo o imperador e toda a sua corte, divertiam-se assistindo a verdadeiras batalhas! É opinião geral que Roma superou em atrocidade a todos os mais perversos conquistadores do passado. São incontáveis os massacres e as chacinas que ela realizou em todo o seu vasto império. César, para coroar suas vitórias, trucidou dois milhões de homens. Os imperadores romanos não pareciam humanos de tão implacáveis, impiedosos, cruéis e desalmados que eram. "Os imperadores romanos, em sua totalidade, com raríssimas exceções, eram mais feras do que humanos indivíduos. O mundo foi deveras esmagado por eles. Os massacres na Grécia e na Macedônia, e em outras regiões sem conta, foram inomináveis e comprovaram a perversidade daqueles Césares e seus exércitos. Torrentes de sangue inundaram o Império. A igreja cristã, desde o monstro Nero ao cruel Deocleciano, foi perseguida, pisada, torturada, dizimada, chacinada. Milhões de seus membros pagaram com a vida e o sangue a sua lealdade ao céu. Suas propriedades foram confiscadas e seus templos arrasados." O historiador não-crente Edward Gibbon, em O Declínio e a Queda do Império Romano, escreveu: "As armas da República que dominaram na batalha e sempre foram vitoriosas na guerra, avançaram com passos rápidos para o Eufrates, o Danúbio, o Reno, e o oceano; e as imagens de ouro, de prata, ou bronze," que deviam servir para representar as nações e seus reis, foram, sucessivamente, quebradas pela monarquia de ferro de Roma".
  42. 42. Moisés certamente apontava para o Império Romano quando anunciou o castigo por desobediência: "O Senhor levantará contra ti uma nação de longe, da extremidade da terra, que voa como a águia, nação cuja língua não entenderás: nação feroz de rosto, que não atentará para o rosto do velho, nem se apiedará do moço. E comerá o fruto dos teus animais e o fruto da tua terra, até que sejas destruído; e não te deixará grão, mosto, nem azeite, criação das tuas vacas, nem rebanhos das tuas ovelhas, até que te tenha consumido; e te angustiarás em todas as tuas portas, até que venham a cair os teus altos e fortes muros, em que confiavas em toda a tua terra; e te angustiará até em todas as tuas portas, em toda a tua terra que te tem dado o Senhor teu Deus. E comerás o fruto do teu ventre, a carne de teus filhos e de tuas filhas, que te der o Senhor teu Deus, no cerco e no aperto com que os teus inimigos te apertarão", Dt 28.50-53. Em nenhuma outra ocasião, senão debaixo do domínio romano, as palavras de Moisés tiveram tão perfeito e completo cumprimento! Concluindo aqui este trabalho, saliento que as visões proféticas de Daniel vão muito além dos dias em que Roma crucificou Cristo ou destruiu Jerusalém. Elas avançam através dos séculos, incluem a época atual e continuam em direção ao futuro até o Milênio, quando "o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos estes reinos, e será estabelecido para sempre", Dn 2.44. Convido o leitor a acompanhar esses cumprimentos proféticos através dos meus livros Israel, de Herodes a Dayan e Deus revela o futuro, os quais prosseguem na análise de Daniel em confronto com o Apocalipse, e tratam dos tempos dos gentios, do retorno de Cristo e das últimas coisas.
  43. 43. Caio JTúlio César <100-43 a.C.), na conquista das Gálias, le vou à morte um milhão de pessoas, fez um milhão de escra vos, subjugou 800 populações, e conquistou 300 povos
  44. 44. Otaviano Augusto, imperador romano de 63 a.C. a 14 d.C., era filho adotivo de Júlio César. Formou, com Lépido e Antô­nio » o segundo triunvirato no ano 43 a.C.
  45. 45. liv ia , mulher de Augusto, em hábito de sacerdotisa (53 a.C. a 29 d.C.)
  46. 46. Ti to, filho de Vespasiano, entra triunfalmente em Roma de pois de vencer a Guerra da Judéia e destruir Jerusalém A águia romana» segundo uma insígnia em baixo-relevo do tempo de Trajano
  47. 47. EVENTOS IMPORTANTES DO VELHO TESTAMENTO (As datas, em ordem decrescente, são todas antes de Cristo.) 2165 - Nascimento de Abrão em Ur. 2090 - Abrão, aos 75 anos, deixa Harã e peregrina em Canaã. Início da Dispensação da Promessa: Deus promete abençoar as nações na descendência de Abrão, que é Cristo (Gn 22.17,18; G13.16). 2079 - Deus confirma o Pacto com Abrão e muda-lhe o nome para Abraão, que significa "Pai de uma multidão" (Gn 17.5). 1875-Jacó entra no Egito (Gn 46.1-6). Fim da Dispensação da Promessa e início do período de 430 anos mencionado em Gl 3.17. 1445 - Israel recebe a Lei no Sinai. Quinta Dispensação, que se estende até a Cruz (Êx 19.8; Mt 27.35). 1095 - Saul, o primeiro rei de Israel, inicia o período da monarquia, que durou 490 anos. Chave para o cativeiro babilônico e para a profecia das setenta semanas de anos. 1055 - (ou 1020 na cronologia revisada), Davi aclamado rei de Israel em Hebrom. Pacto Davídico, segundo o qual a descendência de Davi reinaria para sempre em Jerusalém. É neste Pacto que se baseia o reino glorioso de Cristo (Ez 37.22-25). Desde o cativeiro babilônico, em 605 a.C, somente um rei da casa de Davi foi coroado em Jerusalém, mas com uma coroa de espinhos. A este rei, que é Jesus Cristo, o Pai dará "o trono de Davi, seu pai, e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim" (Lc 1.32,33; At 2.29-32; 15.14-17). 975 - Divisão do Reino de Israel entre Reoboão (Judá) e Jeroboão (Israel). 721 - Sargão conquista o Reino de Israel, também conhecido como o Reino das Dez Tribos, Reino de Samaria e Casa de Efraim (2 Rs l7.4-6). 701 - Senaqueribe, com um poderoso exército, invade Judá, toma aldeias e cidades e ameaça Jerusalém. A oração de Ezequias, a resposta divina e a destruição do exército assírio (2 Rs 19.14-19, 35-37).
  48. 48. 605 - Fim da monarquia independente de Judá e início do cativeiro de 70 anos (Jr 25.11,12). Por não cumprir o mandamento de dar descanso à terra (Lv 25.2-4), os judeus foram levados para Babilônia e lá permaneceram "até que a terra se agradasse dos seus sábados; todos os dias da sua desolação repousou, até que os setenta anos se. cumpriram" (2 Cr 36.21). 539 - Fim da supremacia babilônica e início do reino medo-persa. 445 - Artaxerxes, no vigésimo ano do seu reinado, dá ordem para a reconstrução de Jerusalém. Início das 70 semanas de anos (Dn 9.23-27). 331 - Batalha de Arbelas, supremacia dos gregos, sob Alexandre o Grande. 323 - Morte de Alexandre, aos 33 anos de idade. 301 - Batalha de Ipsus e divisão do império grego em quatro partes. 175 - Reina o cruel e intolerante Antíoco Epifânio, causador da morte de mais de cem mil judeus em Jerusalém. 168 - Batalha de Pidna e início da supremacia romana nos três continentes: Europa, Ásia e África. 84 - Primeiro triunvirato romano (César, Pompeu e Craso). 44 - Assassinato de Júlio César por Bruto. 43 - Segundo triunvirato (Marco António, Lépido e Otávio). 31 - Guerra civil entre António e Otávio, vitória deste na batalha de Ácio. Otávio, com o nome de Otávio César Augusto (ou simplesmente César Augusto), inicia a época imperial do império romano. 6-5 - Jesus nasce em Belém de Judá, quando Herodes o Grande reina na Judéia e César Augusto é o imperador romano (Mt 2.1; Lc 2.1).

×