A infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra john gill

42 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
42
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra john gill

  1. 1. A INFINITA CONDESCENDÊNCIA DE JEOVÁ MANIFESTADA EM HABITAR NA TERRA John Gill
  2. 2. Traduzido do original em Inglês The Infinite Condescension Of Jehovah, Manifested In Dwelling On The Earth By John Gill Via: PBMinistries.org (Providence Baptist Ministries) Tradução e Capa por Camila Almeida Revisão por William Teixeira 1ª Edição: Janeiro de 2015 Salvo indicação em contrário, as citações bíblicas usadas nesta tradução são da versão Almeida Corrigida Fiel | ACF • Copyright © 1994, 1995, 2007, 2011 Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil. Traduzido e publicado em Português pelo website oEstandarteDeCristo.com, com a devida permissão do ministério Providence Baptist Ministries, sob a licença Creative Commons Attribution- NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International Public License. Você está autorizado e incentivado a reproduzir e/ou distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, as fontes originais e o tradutor, e que também não altere o seu conteúdo nem o utilize para quaisquer fins comerciais. Issuu.com/oEstandarteDeCristo
  3. 3. Issuu.com/oEstandarteDeCristo A Infinita Condescendência de Jeová Manifestada em Habitar na Terra Por John Gill “Mas, na verdade, habitaria Deus na terra?” (1 Reis 8:27) Salomão, tendo terminado a construção do templo, e colocado todos os seus utensílios em Sua apropriada posição, o Senhor tomou a Sua habitação ali; o que foi representado pela nuvem enchendo o templo, um símbolo da presença gloriosa de Deus; e Salomão observa acima disso, o Senhor disse, que ele habitaria nas trevas espessas. Salomão e o povo de Israel, estando reunidos para a dedicação da Casa do Senhor, ele começa com a bênção do povo, felicitando-os em relação à construção do templo; dese- jando-lhes toda a felicidade em tal deleite, e orando por eles, para que pudessem ter a presença de Deus ali. Ele osinforma que Davi, seu pai, tinha primeiro isso em Seu coração: construir esta casa, que era aceitável para o Senhor; mas por algum motivo, ele não foi levado a fazê-lo. Foi do agrado de Deus, que ele, Salomão, Seu filho, devesse fazê-lo, o que foi, por consequência, realizado. Então ele estendeu as mãos em oração a Deus, e dirigiu-se a ele como o Único Deus vivo, e disse: “Ó Senhor Deus de Israel, não há Deus como tu, em cima nos céus nem em baixo na terra; que guardas a Aliança e a beneficência a Teus servos que andam com todo o Seu coração diante de Ti” (1 Reis 8:23). Salomão dirigiu-se a Ele como o único Deus vivo e verdadeiro, nenhum como Ele, ou além dEle. Nenhum ser comparado a Ele por Sua nature- za, e às perfeiçõesdEle: pelasobras das Suasmãos, e as bênçãos de Sua bondade. Dirige- se a Ele como um Deus que guarda a Aliança, e como um Deus misericordioso, como Ele mesmo havia proclamado muito antes. Ele toma conhecimento das promessas que havia feito; as quais Ele já tinha cumprido, quanto à construção do templo; e Ele faz menção de uma outra, relativa a uma sucessão de reis de Israel da casa de Davi, e não duvidava do cumprimento da mesma, uma vez que Deus foi fiel no que havia prometido. Então, as palavras que eu li expressam a sua admiração, que Deus habite sobre a terra: Habitaria Deus na terra? É verdade? Será que Ele verdadeira e realmente habita sobre a terra? Não há nenhuma dúvida de que isso seja feito? Pode isso ser crido? Não é uma coisa quase inacreditável? No mínimo, quão maravilhoso e surpreendente é que, Ele pu- desse habitar na terra! Pois nós não devemos entender estas palavras como expressão de qualquer desconfiança, hesitação ou dúvida em Salomão em relação a isso, mas como
  4. 4. Issuu.com/oEstandarteDeCristo expressão de admiração; será verdade, habitaria Deus na terra?! Será que Ele, que habita no alto, e quem se inclina para olhar as coisas nos céus e sobre a terra; será que Ele se dignou habitar com os homens na terra?! É incrível que Ele deveria, considerando a Sua imensidão, pois ele acrescenta: “Eis que os céus, e até o céu dos céus, não te poderiam conter”. Ele é este Deus, que enche o céu e a terra coma Sua presença, e não está circuns- crito no lugar, ou por um espaço: não, Ele é o imenso e infinito Ser. Como Ele não é limitado pelo tempo, então, nem pelo espaço, e muito menos, diz Salomão, por esta casa que eu edifiquei. Esta, magnífica como era, e que, embora muito espaçosa e, provavelmente, mais grandiosa do que qualquer edifício do mundo conhecido, antes ou depois, mas mesmo essa não poderia conter o Altíssimo, que não habita em templos feitos por mãos, isto é, em tal sentido como ser circunscrito por eles. Deus é um Ser imenso: Ele está em todos os lugares: no céu, terra e inferno. Não há fuga de Sua presença: deixe uma pessoa estar aonde quiser, em qualquer parte do universo, ela não está fora do alcance de Deus, ou a uma certa distância dEle. “Se subir ao céu, lá tu estás; se fizer no inferno a minha cama, eis que tu ali estás também. Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar, até ali a tua mão me guiará e a tua destra me susterá” (Salmos 139:8-10). Deus está em todos os lugares, por Seu poder; defendendo e sustentando as obras das Suas mãos. Ele está em todo lugar, por Sua providência, cuidan- do, e governando todas as Suas criaturas. Ele está em todo lugar, por Sua onisciência, pois isso atinge a todos os lugares e coisas. Os olhos do Senhor estão emtodo lugar, contemplando os maus e os bons e, mais especial- mente, os olhos correm para lá e para cá por toda a terra; as várias partes do globo, onde Seu povo está, para mostrar-se forte a favor daqueles cujos corações são perfeitos para com Ele. Ele está em todo lugar, ainda mais especialmente, o céu é o lugar da Sua habita- ção, ou onde Ele demonstra a Sua glória, e a torna mais evidente, pelo que é chamado de Sua morada, “Atenta desde os céus e olha a tua santa e gloriosa habitação” (Isaías 63:15). O Senhor habita em Seu templo, e o Seu trono está nos céus: sim, o próprio céu é o Seu trono, no qual ele se assenta. Ali é o Seu palácio, ali Ele mantém Sua corte; ali há os Seus assistentes, Seus servos ministradores esperam por Ele: os seus anjos estão ao Seu redor; eles contemplam a face de nosso Pai que está no céu, e, portanto, são denominados os anjos do céu. É, portanto, surpreendente, que esse Deus, que é imenso e cuja presença gloriosa está mais especialmente no céu, deve habitar na terra. Será que Deus realmente habitará sobre a terra? Ele tem formado a terra para ser habitada (Isaías 45:18), mas por quem? não apenas pelas feras do campo, mas, sobretudo, pelo homem, o chefe da criação inferior, ainda assim, certamente, não para si mesmo. Ele fez tanto os céus e a terra, mas
  5. 5. Issuu.com/oEstandarteDeCristo antes Ele tem mantido a Sua própria habitação, e esta última Ele tem alocado para os filhos dos homens. “Os céus são os céus do Senhor; mas a terra a deu aos filhos dos homens” (Salmos 115:16). É, portanto, maravilhoso que Ele habitasse na terra, a qual Ele deu aos filhos dos homens, para ser habitada por eles; e, além disso, uma vez que a terra é o escabelo de Seus pés. O céu é o Seu trono, no qual Ele se senta, e a terra é o Seu escabelo. Não é usual para reis e grandes príncipes da terra, o sentar-se em cima de Seu escabelo; bem, por isso, a questão pode ser colocada da maneira que é: De fato, habitará Deus na terra? E, especial- mente, sobre a terra, em sua situação atual; e como esta temsido desde a Queda de Adão? Pelo pecado a terra está contaminada e corrompida, está perto da maldição, e seu fim é ser queimada. Será que Deus, de fato, habitará em tal terra como esta? Ela foi contaminada pelo pecado do homem; foi amaldiçoada por causa dele; maldita é a terra por tua causa (diz o Senhor a Adão); espinhos e cardos tambémproduzirá (Gênesis 3:17-18). Ela foi cada vezmais conta- minada e corrompida pelos pecados dos homens em tempos posteriores, como por aqueles dos homens do velho mundo. Toda a terra foi corrompida e cheia de violência, pois todos os homens haviam corrompido o Seu caminho nos tempos de Noé; razão pela qual um dilúvio foi trazido sobre a terra. Em tempos depois, a corrupção aumentou, e de fato, em todos os períodos de tempo, tem havido abundâncias do pecado, pelo que a terra se lamenta, por causa da maldição, jurando, mentindo, derramando sangue, e assim por diante. A terra, portanto, está reservada ao fogo, para o dia do juízo, e perdição dos homens ímpios (2 Pedro 3:7). Será que Deus realmente habitará sobre tal terra como esta? Que maravilhoso isto é! Será que Ele morará com os habitantes de tal terra como esta? Isto era Seu deleite, e tem sido a Sua condescendência em um período de tempo, e outro, olhar para baixo sobre a terra, para ver se havia alguém que entendia o que era bom, se havia alguém que lhe se- guia: e o resultado de tal busca tem sido esta: não há quem entenda, não há quem busque a Deus, não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer. Agora não é surpreen- dente que um Deus de pureza deve viver na Terra com pessoas como essas? É maravilho- sa condescendência nEle o olhar para as coisas no céu e na terra. Ele é um maravilhoso exemplo de Sua bondade, de que Ele devesse considerar o homem pecador de forma providencial: Que é o homem, para que te lembres dele? E o filho do homem, para que o visites? (Salmos 8:4). O visites de uma forma providencial. Quanto mais surpreendente é, que Deus habitará com os homens, de uma forma e maneira espiritual! Este Deus, que habita na eternidade, que
  6. 6. Issuu.com/oEstandarteDeCristo habita no alto e santo lugar, e cujo nome é santo; devesse também habitar com tais que têm um espírito contrito e humilde, para vivificar o espírito dos humildes, e para vivificar o coração dos contritos. Estas palavras podem ser referidas, também: I. À encarnação de nosso Senhor Jesus Cristo; Sua tabernaculação na natureza humana, sobre esta nossa terra, a fim de operar a salvação de Seu povo. Este é um exemplo mais surpreendente de Sua condescendência; e em relação ao qual, palavras como estas podem muito bem ser usadas. É muito provável, que Salomão teve uma visão disso, uma vez que o templo que ele construiu foi um tipo da natureza humana de Jesus Cristo. II. Elas podem referir-se também à habitação de Deus entre o Seu povo, ou a Sua presença divina nas igrejas de Cristo, o que também é uma instância de maravilhosa graça, e em relação ao qual, podem muito bem ser usadas essas palavras, será verdade, em verdade, habitaria Deus na terra? I. Essa passagem pode muito bem referir-se à encarnação de nosso Senhor Jesus Cristo, Sua habitação na terra entre os homens, a fim operar a Sua salvação: “Na verdade, habi- taria Deus na terra?” Deus. Nosso Senhor Jesus Cristo é verdadeiramente Deus: mas que Ele teve que habitar, e Ele habitou na terra, é maravilhoso, é surpreendente, de fato! 1. Ele é Deus: mas Ele tabernaculou-se em nossa natureza. Ele é a Palavra, que estava com Deus, e era Deus. Isso pode referir-se até àquele evento, quando o Verbo se fez carne e habitou, ou tabernaculou-se entre nós (João 1:14): em alusão ao tabernáculo de Moisés, que era um tipo de natureza humana de Cristo. Sua natureza humana é o verdadeiro taber- náculo que o Senhor fundou, e não o homem (Hebreus 8:2). Assim, o templo de Salomão, construído em alguns aspectos, segundo o modelo do tabernáculo, era um tipo da natureza humana de Cristo. Destruí (diz o Senhor), este templo (ou seja, o Seu corpo), e em três dias eu o levantarei. Foi a Palavra de Deus que se encarnou e habitou entre os homens, no princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus (João 1:1); verda- deira e propriamente Deus. O verdadeiro Deus, pois diz o apóstolo João, sabemos que o Filho de Deus é vindo, ou seja, veio ao mundo em nossa natureza, e nós deu entendimento sobre Ele, que Ele é o verdadeiro Deus, e, a vida eterna (1 João 5:20): o autor e doador da vida eterna, tendo-a obtido através de Sua obediência e morte. Ele é o grande Deus, como Ele necessariamente é,umavezqueEleobteveumaeternaredenção.“Aguardandoabem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo”. Ele tem todas as perfeições da Divindade em Si. Tudo o que o Pai tem, Ele tem, de modo que aquele que
  7. 7. Issuu.com/oEstandarteDeCristo vê a um, vê o outro; Cristo sendo a expressa imagem da Sua Pessoa, não julgou como usurpação o ser igual a Ele; a plenitude da Divindade habita corporalmente nEle. Tudo isso não poderia ter sido dito com qualquer propriedade, se Ele não tivesse sido verdadeira e propriamente Deus. Ele é o Criador de todas as coisas. Pela Palavra que se fez carne, todas as coisas foram feitas, e sem Ele nada do que foi feito se fez (João 1:1-3). Todas as coisas foram criadas por Ele, seja visível ou invisível, tronos, domínios, principados e potestades. Ele estabele- ceu os fundamentos da terra, e os céus são obra das Suas mãos. Ele é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre (Romanos 9:5). Ele está acima de todas as nações, e grande acima de todas as criaturas: Ele obteve mais excelente nome do que eles, sendo de mais excelente natureza: pois, de que anjos disse Ele alguma vez Ele disse: “Tu és meu Filho, hoje tem Eu gerei?” Todos os anjos de Deus são chamados a adorá-lO (Hebreus 1:6), e por uma razão muito boa, porque são todos as Suas criaturas. Todos os homens, homens bons e maus, estão sujeitos a Ele: Ele habita, e sempre habitou, no mais alto dos céus. No sexagésimo oitavo Salmo, que é um Salmo sobre Cristo, é dito dEle, que vai montado sobre os céus, pois o Seu nome é Senhor; por isso Ele é chamado o Senhor do céu. É dito dEle que desceu do céu, para fazer a vontade de Seu Pai, e é dito estar céu, enquanto Ele estava aqui na terra (João 3:13). Agora é incrível, que esta grande, gloriosa, e ilustre Pessoa habitasse na terra. Na verdade, habitaria Deus na terra? Deus, a Palavra, o Criador de todas as coisas, o qual é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre, que habita no mais alto dos céus, e habitará na terra? Em verdade, Ele irá, e certamente Ele habitou na terra. Foi proposto a Ele no antigo conselho e pacto de paz, que Ele deveria assumir a nossa natureza, e habitar na terra com os homens mortais: Ele concordou com isso, e disse: “Eis aqui venho; no rolo do livro de mim está escrito. Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu” (Salmos 40:7-8), Eu venho em natureza humana: Eu vim ao mundo, e entre os homens; Agrada-Me fazer a Tua vontade; isto é, obter a redenção para os pecadores perdidos. Isso foi proposto, e com isso Ele concordou; daí em diante, Ele é representado como se regozijando nasparteshabitáveis desta terra; nesta parte do mundo, onde Ele mesmo havia concordado em habitar, e sobre esses lugares de chão, onde Ele sabia que aquelas pes- soas habitariam, por quem Ele se tornou um Fiador e, um Salvador. Suas delícias foram com os filhos dos homens, e temos vários exemplos de Sua aparição na terra, muito antes que Ele habitasse nela. Ele apareceu no jardim do Éden, imediatamente após a Queda de nossos primeiros pais. “Eles ouviram a voz do Senhor, Deus”, ou como a antiga paráfrase judaica a tem, “Eles ouviram a voz da Palavra do Senhor Seu Deus:” desse Logos eterno,
  8. 8. Issuu.com/oEstandarteDeCristo a Palavra que estava no princípio com Deus, era Deus (João 1:1), e foi habitar com o ho- mem sobre a terra. Ele apareceu a Abraão nas planícies de Manre, e deu-lhe, não somente uma garantia de que Ele teria um filho nascido dEle em tal tempo, mas previu a destruição imediata de Sodoma e Gomorra. Ele apareceu na forma de um homem a Jacó, lutando com Ele até o raiar do dia. Sob o emblema da chama de fogo, Ele apareceu a Moisés na sarça, e enviou- o para ser o libertador de Israel. Ele apareceu a Manoá e à sua esposa, declarando o Seu nome para ser secreto, ou maravilhoso, e assim a muitos outros. Agora, essas aparições dEle foram presságios de que Ele habitaria sobre a terra: eram promessas e garantias, assegurando aos santos, que assim seria, pois eles pareciam indicar uma espécie de deleite e prazer que o Filho de Deusteve nisto, como que estavamdesejosos pelo momento em que Ele deveria tabernacular-se entre os homens. Além dessas aparições, o que deu indícios do que ocorreria, havia certas profecias a res- peito disto. A primeira profecia e promessa era que a semente da mulher esmagaria a cabe- ça da serpente (Gênesis 3:15). Eva, talvez, fez referência a isto, quando ela disse, após o nascimento de Seu primeiro filho, “alcancei do SENHOR um homem” (Gênesis 4:1): ou, como Ele pode ser entendido, eu alcancei o homem do SENHOR: o que muitos intérpretes judeus entendem por Messias; imaginando (embora ela estivesse enganada), que ela havia obtido o homem, o Senhor Messias. No entanto, é certo que no tempo de Jó havia garantias disso. Jó expressa Sua plena certeza disso: Eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará no último dia sobre a terra (Jó 19:25). Assim, várias outras profecias indicam o mesmo, e apontam até mesmo para a própria terra em que o Messias deveria habitar. Certamente que a salvação está perto daqueles que o temem, para que a glória habite na nossa terra (Salmos 85:9); ou seja, a gloriosa pessoa prometida para ser o Salvador, que operaria a salvação de Seu povo, e que é o resplendor da glória do Pai, vem habitar nesta nossa terra, a terra de Canaã. Por esta razão é às vezes chamada de terra de Emanuel (Isaías 8:8), porque Ele estava para nascer, morar e sofrer naquela terra. Às vezes, partes específicas desta terra, são apontadas, como a Galiléia e as partes adjacentes (Isaías 9:1): sim, o Monte das Oliveiras é dito ser um lugar em que seus pés deveriam estar (Zacarias 14:4), e é bem conhecido, a partir da história evangélica, que Ele estava frequentemente sobre aquele monte em oração, e foi a partir desse monte que Ele ascendeu ao céu. Na plenitude dos tempos, de acordo com todos esses avisos e predições, Ele veio a este mundo; se fez carne, e habitou entre nós. Ele veio, não por qualquer mudança de lugar, pois isso é impossível, mas, tomando à Sua Pessoa Divina, a natureza humana. Porque
  9. 9. Issuu.com/oEstandarteDeCristo nós não devemos entreter tais sentimentos grosseiros sobre Ele, como se, quando Ele se tornou encarnado, mudou-se de lugar para lugar, do céu para a terra, porque, mesmo quando Ele assumiu a nossa natureza e habitou entre nós, Ele estava no seio do Pai: o Filho unigênito, que está (não é dito, que estava no seio do Pai, e agora está vindo de lá, mas o que está) no seio do Pai, esse o revelou (João 1:18). Agora isto foi, que Ele taberna- culou-se em carne, como antes observado. E, principalmente entre os homens pecadores Ele habitou, quando [esteve] aqui na terra; o que provocou ressentimento aos escribas e fariseus, aqueles judiciais independentes, que não poderiam tolerar aquele que se estabeleceu por um profeta, e parecia ser um homem santo, tivesse conversação com os pecadores profanos. Diz-se dEle, por meio de censura, este recebe pecadores, e come com eles (Lucas 15:2). Daí a objeção feita pelos escribas e fariseus: Por que come vosso mestre com os publicanos e pecadores? (Mateus 9:11), o que sendo relatado a Ele, fez esta réplica: Não necessitam de médico os sãos, mas, sim, os doentes (Mateus 9:12). Significando que aqueles fariseus orgulhosos estavam sãos, em Sua própria estima, e assim permaneceram em nenhuma necessidade dEle como um médico. Mas havia outros que estavam doentes; pessoas em dificuldades, que foram trazi- das a uma sensibilidade de si mesmas. Para eles, Ele era um médico, e, assim, Ele vindica Sua característica. Como se Ele dissesse, Eu sou um médico, e eu ajo neste atributo. Eu não tenho nada a ver com aqueles que estão sãos: o Meu negócio repousa sobre aqueles que estão afetados com enfermidades da alma, e são sensíveis a elas. Para quem eu seria, como um médico, senão para eles? Mas, depois de tudo, Ele não pôde abrigar-se da sua língua infamante, chamando-O de amigo de publicanos e pecadores. As pessoas com quemEle conversou na terra eramhomens pecadores. Na terra Ele esteve por algum tempo. Ele não esteve (como em Suas aparições anteriores, sob a dispensação do Antigo Testamento) aqui por alguns minutos, ou horas no máximo, mas Ele habitou entre os homens. Ele não era como um homem viajante, que permanece apenas por uma noite, mas habitou muitos anos entre oshomens na terra. Lemos sobre Ele emdiferentes períodos de Sua vida. Quando tinha cerca de dois anos, como podemos supor, que massacre cho- cante foi efetuado por Herodes, de crianças de dois anos de idade ou menos. Supondo que Ele estivesse com essa idade, ordenou que os bebês dessa idade fossem mortos. Ouvi- mos sobre Ele aos doze anos de idade, quando Ele foi com Seus pais para Jerusalém para celebrar a Páscoa, e foi encontrado entre os doutores no templo. Ouvimos falar dEle outra vez quando tinha cerca de trinta anos de idade, quando Ele veio da Galiléia até João, para ser batizado por ele. Quanto tempo Ele viveu depois não pode ser dito com qualquer exatidão, mas pelo menos Ele teve que permanecer sobre a terra por mais quatro ou cinco anos, uma vez que lemos
  10. 10. Issuu.com/oEstandarteDeCristo que quatro Páscoas passaram entre o momento do Seu batismo e Sua morte. Quando havia feito o trabalho para o qual Ele veio, que era a salvação do Seu povo, então a Sua vida foi tirada, e Ele foi recebido no céu, por Seu Pai Divino, à vista de Seus apóstolos. Ali Estevão O viu sentado (permanecendo) à mão direita de Deus (Atos 7:5), e cada crente, pela fé, O contempla coroado de honra e glória, à mão direita da Majestade nas alturas. Ali, Ele deve estar até o momento da restauração de todas as coisas, e então Ele voltará, segundo a Sua promessa. Esperamos nosso Salvador Jesus do céu, e Ele certamente virá. Aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que O esperam para salvação (Hebreus 9:28). Quando esta terra for refinada e purificada pelo fogo, Ele descerá, e o tabernáculo de Deus estará com os homens, e Ele habitará no meio deles. Mas não é surpreendente que o Filho de Deus, a Palavra de Deus, aquele que é verdadei- ramente Deus, habitasse sobre a terra, como fez em Sua primeira vinda? A que esta passagem se refere, principalmente; que deveria habitar sobre a terra, que diz: “Desde a eternidade fui ungida, desde o princípio, antesdo começo da terra. Quando ainda não havia abismos, fui gerada, quando ainda não havia fontes carregadas de águas. Antes que os montes se houvessem assentado, antes dos outeiros, eu fui gerada” (Provérbios 8:23-25). Que aquele que era antes da existência da Terra, devesse habitar sobre a terra, quão surpreendente! Ele deve ter um lugar de moradia antes, e onde Ele estava? Isto pode ser respondido, Ele estava com Deus. “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus (João 1:1): como Pai Divino, no Seu seio, como é dito emoutro lugar (João 1:18). No entan- to, na plenitude do tempo, Ele veio do Pai, e veio a este mundo. Não é surpreendente que Ele deveria habitar na terra, por meio de quem o mundo foi feito? Ele estava no mundo, e o mundo foi feito por Ele, e o mundo não o conheceu (João 1:10); mesmo a própria Pessoa gloriosa que se fez carne e habitou entre nós, com quem, e em comparação de quem, toda a terra, e todos os seus habitantes, são como nada, menos do que nada, e vaidade. Ele se assenta sobre o círculo da terra, e todos os moradores dela são como gafanhotos diante dEle, ainda assim como tem sido a Sua condescendência e bondade ao habitar com os homens na terra. Ele, que é o grande Deus foi manifestado em carne. Ele que é o Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz, foi a criança que nasceu e o Filho dado (Isaías 9:6). Aquele que não pensou em ter por usurpação ser igual a Deus, foi achado na forma de homem, e na forma de um servo, andando para cima e para baixo sobre a nossa terra. Quão assombroso é isso! Será verdade, habitaria Deus na terra? Assim deve ser, assim foi. E a maravilha é a maior, quando consideramos o que foi que Ele veio fazer neste mundo! Foi, não meramente para instruir os homens em coisas Divinas e espirituais. Ele foi realmente um mestre enviado de Deus, como Nicodemos justamente observa (João 3:2). Ele ensinou o caminho de Deus em verdade, clara e perfeitamente. Jamais alguém falou
  11. 11. Issuu.com/oEstandarteDeCristo como Ele. Ele falava como quem tinha autoridade e não como os escribas e fariseus. Ele foi enviado para pregar o Evangelho para várias cidades, para o que Ele foi abundante- mente qualificado, sendo ungido com o Espírito de Deus, sem medida, para pregar boas novas aos mansos. Ele andou por toda a Judéia, Galiléia, pregando o Evangelho de Deus, mas isso estava longe de ser a principal coisa para a qual Ele veio habitar em nossa terra: foi para operar a salvação de Seu povo. Ele veio, como Ele mesmo diz, para buscar e salvar o que estava perdido (Lucas 19:10): os homens perdidos, perdidos em Adão: tão perdidos que eles nun- ca conseguiriamencontrar o caminho para o céu. Ele veio para salvar ospecadores, mesmo o pior e principal dos pecadores. Esta é a glória do Evangelho, a plenitude, a essência dele: Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal (2 Timóteo 1: 15). Ele se tornou nosso Deus, nosso parente próximo, e habitou entre nós, para nos redimir do pecado, de Satanás, e da maldição da Lei: esta foi a Sua missão no mundo. Para isso, Ele gastou Sua vida, participou com a maior pobreza e inferioridade, dificuldades e sofrimentos, o que resultou na própria morte. Ele passou a vida na terra em grande pobreza e inferioridade, tendo nas- cido de pais pobres, educados de uma forma mediana: quando chegou à condição de ho- mem, e ingressou em Seu ministério público, Ele não tinha onde reclinar a cabeça, como Ele mesmo o expressa (Mateus 8:20). Ele foi, de certa forma, dependente de outros, por Seu apoio, embora Senhor de todos. Quão surpreendente é isso! Ainda assim foi: por que Ele não veio para ser ministrado, na condição de ser servido, como os príncipes são; mas para ser um servo para os outros. Ele passou a vida na terra, na presença não apenas da maldade, mas com grande aflição, pois Ele era um homem de dores, de Seu nascimento até a Sua cruz. Muitas foram as dificulda- des que encontrou, da parte de tentações de Satanás, da parte de seus próprios discípulos, e ainda mais dos judeus: de acordo com essa previsão, quem contará a Sua geração? (Isaías 53:8), ou dos homens daquela geração em que viveu; Seu tratamento bárbaro e maléfico para como o Messias, o que culminou na morte vergonhosa e dolorosa da cruz. Tudo isso Ele passou para efetuar a nossa salvação. Quão impressionante é isso! Será que Deus, em verdade, o Deus do céu e da terra, Deus sobre todos, bendito para sempre, habitaria na terra? e para tal finalidade? II. Isso também pode referir-se à habitação de Deus entre o Seu povo, ou a Sua presença divina nas igrejas de Cristo.
  12. 12. Issuu.com/oEstandarteDeCristo Nosso Senhor Jesus Cristo diz, daqueles que O amam e guardam os seus mandamentos (pelo que mostramque O amam), que o Seu Pai os amará, assimcomo a Ele, e acrescenta, viremos para eles, e nós faremos neles a nossa morada (João 14:23). Mais de uma Pessoa Divina deve ser aqui intencionada; pois o nosso Senhor diz: Nós faremos a nossa morada neles. O Pai vem e faz a Sua morada com Seu povo, no sentido espiritual, como Ele pro- mete: “Neles habitarei e entre eles andarei” (2 Coríntios 6:16). Quem diz isso? Deus: aquele que diz, Ele será o Seu Pai, e eles serão seus filhos e filhas. O Espírito do Senhor habita nos santos na terra: Vós sois o templo de Deus, diz o apóstolo (1 Coríntios 3:16), E o Espírito de Deus habita em vós. Isso distingue o regenerado do ho- mem não regenerado: vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós (Romanos 8:9). O Filho de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo, habita nos santos, nos seus corações, pela fé (Efésios 3:17). Quem crê em Cristo, come Sua carne, e bebe [Seu] sangue; habita em Cristo, e Cristo nele (João 6:56). Ele habita em todas as suas igrejas, como em Sua própria casa, de acordo com isso dizendo, a qual casa somos nós, se tão somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim (Hebreus 3:6). Ele habita entre eles como a Sua família, e providencia-lhes comida, roupa, e cada coisa que eles necessitam; ou que é para o Seu prazer e deleite espiritual. Ele habita no meio deles, como em Seu palácio; sendo eles a cidade do grande rei. Ele habita entre eles como em Seu reino: pois um estado da igreja evangélica é chamado o reino dos céus (Mateus 25:1), onde Cristo é reconhecido como rei pelos seus santos; e onde Ele reina como rei, e o Seu domínio, por todo o sempre. Ali Ele habita, e ali Ele habitará para sempre; pois Ele prometeu estar com suas igrejas e ministros até o fim do mundo. Mas, particularmente, Ele habita nos corações dos verdadeiros crentes; habita com eles na terra: não de uma forma tão geral quanto Ele possa ser dito habitar com todos os homens, na medida em que todos vivemos, nos movemos e existimos nEle: nem em um sentido tão especial, como o Logos Divino, ou Palavra, habita hipostaticamente na natureza humana: nem mesmo em tão sublime sentido, como Ele está no Pai, e o Pai nEle, mas Ele vive neles, como o autor da vida, e Ele habita neles, a fim de reanimá-los, para vivificar o espírito dos humildes. Ele habita em seus corações, não apenas em suas cabeças, como em al- guns: não habita em suas línguas, como naqueles que professam conhecê-lO, e não O co- nhecem experimentalmente; mas Ele habita em seus corações, esses portais eternos sendo abertos por Sua graça: ali, Ele assenta o Seu trono e reina pela justiça para a vida eterna. Ele habita (e ó, quão surpreendente isto é!), onde o pecado habita, porque o pecado habita nos santos. Cristo habita onde nenhuma coisa boa habita, senão Ele mesmo; pois, em nós, isto é, na nossa carne, não habita bem algum (Romanos 7:18).
  13. 13. Issuu.com/oEstandarteDeCristo Qualquer bem que houver em Seu povo, é colocado ali por Ele mesmo. Ele habita (e quão assombroso isto é!)onde ele é muitas vezesmenosprezado; como ele foi pelaigreja quando estava em Sua porta e bateu; e desejou que ela abrisse a Ele, quando ela disse: Já despi a minha roupa; como a tornarei a vestir? Já lavei os meus pés; como os tornarei a sujar? (Cânticos 5:3). Ele habita, digo eu, onde Ele é muitas vezes desprezado, onde Ele é provo- cado, onde o Espírito Santo se entristece, onde Ele é rebeldemente contrariado; o que, por vezes, faz que Ele retire a Sua aconchegante presença. Isto é expressivo sobre a união entre Ele e Seu povo, que são membros do Seu corpo, e um só espírito com Ele. Também é expressivo sobre a comunhão com Ele, a comunhão com o Pai e com Seu Filho Jesus Cristo. E esta comunhão eles podem esperar experimen- tar no uso dos meios; pois onde os pastores montam as suas tendas, ou onde a palavra é pregada, e as ordenanças administradas, ali Ele está. Ele é mantido nestas galerias, e ali os crentes o contemplam em Sua formosura. Onde Ele grava o Seu nome, Ele vem e abençoa, e onde dois ou três estão reunidos em Seu nome, ali Ele está no meio deles. Ele habita com o Seu povo para todo o sempre; pois embora eles possam estar em uma perda de Sua presença sensível, às vezes, e perguntam onde Ele está, ainda assim Ele não se retira deles, de fato. Ele habita com eles ainda; como com Maria, quando ela disse, levaram o meu Senhor e não sei onde o puseram (João 20:13). Cristo estava naquele momento apenas a Seu lado, mas ela não O conheceu. Cristo nunca deixa nem abandona o Seu povo: Ele habita neles e eles nEle. Porém, agora, chegarei à conclusão. Quão surpreendentes, então, são a graça e condes- cendência de nosso Senhor Jesus Cristo, habitando entre os homens na terra! Vocês que conhecem a Cristo, e creem nEle, sabem que isto é verdade. Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre; para que pela Sua pobreza enriquecêsseis (2 Coríntios 8:9). Se vocês fruem de comunhão espiritual com Ele, e conhecem a habitação sensível dEle em seus corações pela fé, façam uso desses meios que Ele ordenou, zelem por Sua Pala- vra e ordenanças: pois o nosso Senhor assegura àqueles que O amam e guardam os Seus mandamentos, ou seja, observam a Sua palavra e ordenanças, a partir de um princípio de amor a Ele, que Ele virá para eles, e fará a Sua morada com eles. ORE PARA QUE O ESPÍRITO SANTO use este sermão para trazer muitos Ao conhecimento salvador de JESUS CRISTO.
  14. 14.                                      10 Sermões — R. M. M’Cheyne Adoração — A. W. Pink Agonia de Cristo — J. Edwards Batismo, O — John Gill Batismo de Crentes por Imersão, Um Distintivo Neotestamentário e Batista — William R. Downing Bênçãos do Pacto — C. H. Spurgeon Biografia de A. W. Pink, Uma — Erroll Hulse Carta de George Whitefield a John Wesley Sobre a Doutrina da Eleição Cessacionismo, Provando que os Dons Carismáticos Cessaram — Peter Masters Como Saber se Sou um Eleito? ou A Percepção da Eleição — A. W. Pink Como Ser uma Mulher de Deus? — Paul Washer Como Toda a Doutrina da Predestinação é corrompida pelos Arminianos — J. Owen Confissão de Fé Batista de 1689 Conversão — John Gill Cristo É Tudo Em Todos — Jeremiah Burroughs Cristo, Totalmente Desejável — John Flavel Defesa do Calvinismo, Uma — C. H. Spurgeon Deus Salva Quem Ele Quer! — J. Edwards Discipulado no T empo dos Puritanos, O — W. Bevins Doutrina da Eleição, A — A. W. Pink Eleição & Vocação — R. M. M’Cheyne Eleição Particular — C. H. Spurgeon Especial Origem da Instituição da Igreja Evangélica, A — J. Owen Evangelismo Moderno — A. W. Pink Excelência de Cristo, A — J. Edwards Gloriosa Predestinação, A — C. H. Spurgeon Guia Para a Oração Fervorosa, Um — A. W. Pink Igrejas do Novo Testamento — A. W. Pink In Memoriam, a Canção dos Suspiros — Susannah Spurgeon Incomparável Excelência e Santidade de Deus, A — Jeremiah Burroughs Infinita Sabedoria de Deus Demonstrada na Salvação dos Pecadores, A — A. W. Pink Jesus! – C. H. Spurgeon Justificação,PropiciaçãoeDeclaração —C.H.Spurgeon Livre Graça, A — C. H. Spurgeon Marcas de Uma Verdadeira Conversão — G. Whitefield Mito do Livre-Arbítrio, O — Walter J. Chantry Natureza da Igreja Evangélica, A — John Gill OUTRAS LEITURAS QUE RECOMENDAMOS Baixe estes e outros e-books gratuitamente no site oEstandarteDeCristo.com. — Issuu.com/oEstandarteDeCristo Sola Fide • Sola Scriptura • Sola Gratia • Solus Christus • Soli Deo Gloria —  Natureza e a Necessidade da Nova Criatura, Sobre a — John Flavel  Necessário Vos é Nascer de Novo — Thomas Boston  Necessidade de Decidir-se Pela Verdade, A — C. H. Spurgeon  Objeções à Soberania de Deus Respondidas — A. W. Pink  Oração — Thomas Watson  Pacto da Graça, O — Mike Renihan  Paixão de Cristo, A — Thomas Adams  Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado — J. Edwards  Pecaminosidade do Homem em Seu Estado Natural — Thomas Boston  Plenitude do Mediador, A — John Gill  Porção do Ímpios, A — J. Edwards  Pregação Chocante — Paul Washer  Prerrogativa Real, A — C. H. Spurgeon  Queda, a Depravação Total do Homem em seu Estado Natural..., A, Edição Comemorativa de Nº 200  Quem Deve Ser Batizado? — C. H. Spurgeon  Quem São Os Eleitos? — C. H. Spurgeon  Reformação Pessoal & na Oração Secreta — R. M. M'Cheyne  Regeneração ou Decisionismo? — Paul Washer  Salvação Pertence Ao Senhor, A — C. H. Spurgeon  Sangue, O — C. H. Spurgeon  Semper Idem — Thomas Adams  Sermões de Páscoa — Adams, Pink, Spurgeon, Gill, Owen e Charnock  Sermões Graciosos (15 Sermões sobre a Graça de Deus) — C. H. Spurgeon  Soberania da Deus na Salvação dos Homens, A — J. Edwards  Sobre aNossa Conversão a Deuse Como Essa Doutrina é Totalmente Corrompida Pelos Arminianos — J. Owen  Somente as Igrejas Congregacionais se Adequam aos Propósitos de Cristo na Instituição de Sua Igreja — J. Owen  Supremacia e o Poder de Deus, A — A. W. Pink  Teologia Pactual e Dispensacionalismo — William R. Downing  Tratado Sobre a Oração, Um — John Bunyan  Tratado Sobre o Amor de Deus, Um — Bernardo de Claraval  Um Cordão de Pérolas Soltas, Uma Jornada Teológica no Batismo de Crentes — Fred Malone
  15. 15. Issuu.com/oEstandarteDeCristo Ao conhecimento salvador de JESUS CRISTO. Sola Scriptura! Sola Gratia! Sola Fide! Solus Christus! Soli Deo Gloria2 Coríntios 4 1 2 Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, 3 4 entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória 5 Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. 6 Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, 7 este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. 8 Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. 9 Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; 10 Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos; 11 E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal. 12 De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida. 13 E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos. 14 Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco. 15 Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus. 16 Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. 17 Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; 18 Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.

×