Proposta pc santa luzia 031011 (1)

408 visualizações

Publicada em

Proposta de Plano de Carreira para os trabalhadores da Rede Municipal de Santa Luzia apresentada pelo SIndUTE Santa Luzia e o DIEESE

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
408
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Proposta pc santa luzia 031011 (1)

  1. 1. PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOSSERVIDORES DA EDUCAÇÃO BÁSICAPROJETO DE LEI Nº........./2010. “Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica do Município de Santa Luzia”A CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES aprova e eu sanciono a seguinte Lei:CAPÍTULO IDISPOSIÇÕES GERAISArt. 1º - Fica instituído o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Profissionais da Educação Básica no âmbito do PoderExecutivo Municipal destinado a organizar os cargos públicos de provimento efetivo, fundamentado nos princípios de qualificaçãoprofissional e desempenho, observando os princípios constitucionais pertinentes, em consonância com o Art. 206 da ConstituiçãoFederal, Lei Federal 9.394-1996, Lei Federal 11.494/2007, Lei Federal 11.738/2008, Lei Federal 12.014/2009, Resolução n.º 02/ 2009do Conselho Nacional de Educação, contendo os princípios e normas do direito público que lhe são peculiares e com a finalidade deassegurar a continuidade da ação administrativa, a eficiência e a eficácia do serviço público.Art. 2º - As carreiras dos Profissionais da Educação Básica do município de Santa Luzia são as seguintes:I – Professor de Educação Básica (PEB);II – Especialista em Educação Básica (EEB);III – Analista de Educação Básica (AEB);IV – Assistente Técnico de Educação Básica (ATB);V – Assistente Técnico Educacional (ATE);VI – Analista Educacional (ANE);VII – Assistente de Educação (ASE);VIII – Auxiliar de Serviços da Educação Básica (ASB).Parágrafo único – A estrutura das carreiras descritas no “caput” deste artigo são as constantes no Anexo I desta Lei.Art. 3° - Para os efeitos desta lei considera-se:I - grupo de atividades o conjunto de carreiras agrupadas segundo sua área de atuação;II - carreira o conjunto de cargos de provimento efetivo agrupados segundo sua natureza e complexidade e estruturados em níveis egraus, escalonados em função do grau de responsabilidade e das atribuições da carreira;III - cargo de provimento efetivo a unidade de ocupação funcional do quadro de pessoal privativa de servidor público efetivo, com cria-ção, remuneração, quantitativo, atribuições e responsabilidades definidos em lei e direitos e deveres de natureza estatutária estabeleci-dos em lei complementar;IV - quadro de pessoal o conjunto de cargos de provimento efetivo e de provimento em comissão de órgão ou de entidade;V - nível a posição do servidor no escalonamento vertical dentro da mesma carreira, contendo cargos escalonados em graus, com osmesmos requisitos de capacitação e mesma natureza, complexidade, atribuições e responsabilidades;VI - grau a posição do servidor no escalonamento horizontal no mesmo nível de determinada carreira;VII - unidade escolar as instituições dedicadas à educação básica ligadas ao Sistema Municipal de Educação. 1
  2. 2. Art. 4° - A educação básica pública no Município será exercida em consonância com os planos, programas e projetos desenvolvidospelos órgãos e pelas entidades ligadas ao Sistema Municipal de Educação e abrange as atividades de docência, apoio pedagógico,assistência ao educando, apoio administrativo, apoio técnico-pedagógico, apoio técnico-administrativo, direção, assessoramento,acompanhamento e normatização do sistema educacional.Art. 5° - A estruturação das carreiras dos Profissionais de Educação Básica tem como fundamentos:I - a valorização do profissional da educação, observados:a) a unicidade do regime jurídico;b) a manutenção de sistema permanente de formação continuada, acessível a todo servidor, com vistas ao aperfeiçoamento profissionale à ascensão na carreira;c) o estabelecimento de normas e critérios que privilegiem, para fins de promoção e progressão na carreira, o desempenho profissionale a formação continuada do servidor, preponderantemente sobre o seu tempo de serviço;d) a remuneração compatível com a complexidade das tarefas atribuídas ao servidor e o nível de responsabilidade dele exigido para de -sempenhar com eficiência as atribuições do cargo que ocupa;e) a evolução do vencimento básico, do grau de responsabilidade e da complexidade de atribuições, de acordo com o grau e o nível emque o servidor esteja posicionado na carreira;II - a humanização da educação pública, observada a garantia de:a) gestão democrática da escola pública;b) oferecimento de condições de trabalho adequadas;III - o atendimento ao Plano Decenal da Educação Pública Estadual e, em cada unidade escolar, aos respectivos planos de desenvolvi-mento pedagógico e institucional;IV - a avaliação periódica de desempenho individual como requisito necessário para o desenvolvimento na carreira por meio de promo-ção e progressão, com valorização do desempenho eficiente das funções atribuídas à respectiva carreira.Art. 6° - As atribuições dos cargos das carreiras dos Profissionais de Educação Básica do Estado são as constantes no Anexo II destalei.Art. 7° - A mudança de lotação de cargos e a transferência de servidores entre os órgãos e as entidades do Poder Executivo somente se-rão permitidas dentro da mesma carreira.Parágrafo único - A transferência de servidor nos termos do "caput" deste artigo fica condicionada à existência de vaga no órgão ou en-tidade para o qual o servidor será transferido, nos termos da legislação vigente, respeitada a carga horária do cargo ocupado pelo servi -dor.Art. 8° A cessão de servidor ocupante de cargo das carreiras de que trata esta Lei para órgão ou entidade em que não haja a carreira aque pertence o servidor somente será permitida para o exercício de cargo de provimento em comissão ou função gratificada, para adjun-ção ou disposição, nos termos da legislação vigente.Art. 9 - O ocupante de cargo de carreira instituída por esta lei atuará:I - o Assistente Técnico Educacional e o Analista Educacional, no órgão central e (em outro órgão, caso haja, parecido com a S.R.E)II - o Assistente da Educação e o Auxiliar de Serviços de Educação Básica, nas unidades educacionais, no órgão central e (em outro ór-gão, caso haja, parecido com a S.R.E)III - o Professor de Educação Básica, o Especialista em Educação Básica, o Analista de Educação Básica e o Assistente Técnico deEducação Básica, nas unidades escolares.CAPÍTULO II 2
  3. 3. DA CARREIRA DOS SERVIDORES DA EDUCAÇÃO BÁSICASEÇÃO IDISPOSIÇÕES GERAISArt. 10 - O ingresso em cargo de carreira instituída por esta lei depende de aprovação em concurso público de provas ou de provas e tí-tulos e dar-se-á no primeiro grau do nível correspondente à escolaridade exigida.Art. 11 - O ingresso em cargo de carreira de que trata esta lei ocorrerá nos níveis mencionados a seguir e dependerá de comprovaçãomínima de:I - para a carreira de Professor de Educação Básica:a) habilitação específica obtida em curso superior com licenciatura de curta duração, conforme o edital, para ingresso no nível II;b) habilitação específica obtida em curso superior com licenciatura plena ou graduação com complementação pedagógica, conforme oedital, para ingresso no nível III;c) habilitação específica obtida em curso superior com licenciatura plena ou graduação com complementação pedagógica, acumuladacom mestrado em educação ou em área afim, conforme o edital, para ingresso no nível V;Parágrafo único – os Professores de Educação Básica que possuem habilitação específica obtida em curso de magistério de nível médioserão lotados no nível I. Não haverá concursos para Professores de Educação Básica com esta habilitação.II - para a carreira de Especialista em Educação Básica:a) habilitação específica em supervisão pedagógica ou orientação educacional obtida em curso superior de Pedagogia ou especializaçãoem Pedagogia com licenciatura em área específica, conforme edital, para ingresso no nível I;b) habilitação específica em supervisão pedagógica ou orientação educacional obtida em curso superior de Pedagogia ou especializaçãoem Pedagogia com licenciatura em área específica acumulada com mestrado em educação ou em área afim, conforme edital, para in-gresso no nível III;III - para a carreira de Analista de Educação Básica, formação de nível superior, com graduação específica, entre outras, em Fonoaudio-logia, Terapia Ocupacional, Fisioterapia, Psicologia, Serviço Social ou Biblioteconomia e registro em órgão de classe, quando este forexigido por lei, para ingresso no nível I, na forma de regulamento e conforme edital;IV - para a carreira de Assistente Técnico de Educação Básica, formação de nível médio técnico, para ingresso no nível I;V - para a carreira de Assistente Técnico Educacional, formação de nível médio técnico, para ingresso no nível I;VI - para a carreira de Analista Educacional:a) formação de nível superior, com graduação específica ou com licenciatura, nos termos do edital, e registro no órgão de classe, quan -do este for exigido por Lei, para exercer atribuições técnico-administrativas e técnico-pedagógicas na área de sua formação profissio-nal, para ingresso no nível I;b) formação de nível superior, com graduação específica ou com licenciatura, acumulada com mestrado em educação ou área afim, nostermos do edital, e registro no órgão de classe, quando este for exigido por Lei, para exercer atribuições técnico-administrativas e técni -co-pedagógicas na área de sua formação profissional ou em área afim, para ingresso no nível III;VII - para a carreira de Assistente de Educação, formação de nível médio, para ingresso no nível I;VIII - para a carreira de Auxiliar de Serviços de Educação Básica:a) conclusão da quarta série do ensino fundamental, para ingresso no nível I;b) conclusão do ensino fundamental, para ingresso no nível II.Art. 12 - O concurso público para ingresso nas carreiras dos Profissionais de Educação Básica será de provas ou de provas e títulos, decaráter eliminatório e classificatório. 3
  4. 4. Parágrafo único - As instruções reguladoras dos processos seletivos serão publicadas em edital, que conterá, tendo em vista as especifi-cidades das atribuições do cargo, no mínimo:I - o número de vagas existentes;II - as matérias sobre as quais versarão as provas e os respectivos programas;III - o desempenho mínimo exigido para aprovação nas provas;IV - os critérios de avaliação dos títulos, se for o caso;V - o caráter eliminatório ou classificatório de cada etapa do concurso;VI - os requisitos para a inscrição, com exigência mínima de comprovação pelo candidato:a) de nacionalidade brasileira;b) de idade mínima de dezoito anos;c) de estar no gozo dos direitos políticos;d) de estar em dia com as obrigações militares;VII - a escolaridade mínima exigida para o ingresso na carreira;VIII - a carga horária de trabalho;IX - o vencimento básico do cargo.Art. 13 - Concluído o concurso público e homologados os resultados, a nomeação dos candidatos habilitados obedecerá à ordem declassificação e ao prazo de validade do concurso.§ 1° - O prazo de validade do concurso será de até dois anos, contados a partir da data de sua homologação, prorrogável uma vez porigual período.§ 2° - Para a posse em cargo de provimento efetivo, o candidato aprovado deverá comprovar:I - cumprimento dos requisitos constantes nos incisos VI e VII do parágrafo único do art. 13;II - idoneidade e conduta ilibada, nos termos de regulamento;III - aptidão física e mental para o exercício do cargo, por meio de avaliação médica, nos termos da legislação vigente.§ 3° - A nomeação dos candidatos classificados em concurso público para carreira de Profissional de Educação Básica, no limite dasvagas previstas no edital, dar-se-á dentro do prazo de validade do concurso.Art. 14 - O servidor público ocupante de cargo de provimento efetivo do Poder Executivo do Município de Santa Luzia que, em razãode concurso público posterior à publicação desta lei, ingressar em cargo de carreira dos Profissionais de Educação Básica, com jornadaequivalente à do cargo de origem, cuja remuneração, incluídos adicionais, gratificações e vantagens pessoais, for superior à remunera-ção do cargo de carreira instituída por esta lei, poderá perceber a diferença a título de vantagem pessoal nominalmente identificada, su-jeita exclusivamente à revisão geral da remuneração dos servidores estaduais.Parágrafo único - Para o cálculo da diferença prevista no "caput" deste artigo, não serão computados os adicionais a que se refere o art.118 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição do Estado. DO DESENVOLVIMENTO NA CARREIRAArt. 15 - O desenvolvimento do servidor em carreira de Profissional de Educação Básica dar-se-á mediante progressão ou promoção.Parágrafo único - A progressão será concedida automaticamente ao servidor, cumpridos os requisitos legais, e a promoção deverá serrequerida pelo servidor, na forma de regulamento.Art. 16 - Progressão é a passagem do servidor do grau em que se encontra para o grau subseqüente no mesmo nível da carreira a quepertence.§ 1° - Fará jus à progressão o servidor que preencher os seguintes requisitos:I - encontrar-se em efetivo exercício (no estatuto tem que constar o que é efetivo exercício, incluindo os afastamento saúde, etc.);II - ter cumprido o interstício de dois anos de efetivo exercício no mesmo grau; 4
  5. 5. III - ter recebido duas avaliações de desempenho individual satisfatórias desde a sua progressão anterior, nos termos das normas legaispertinentes.§ 3° - O período de afastamento por doença profissional será computado para efeitos de progressão e promoção.Art. 17 - Promoção é a passagem do servidor de um nível para o imediatamente superior, na mesma carreira a que pertence.§ 1° - Fará jus à promoção o servidor que preencher os seguintes requisitos:I - encontrar-se em efetivo exercício;II - ter cumprido o interstício de cinco anos de efetivo exercício no mesmo nível;III - ter recebido cinco avaliações de desempenho individual satisfatórias, desde a sua promoção anterior, nos termos das normas legaispertinentes;IV - comprovar a titulação mínima exigida.§ 2° - Para promoção aos níveis em que a titulação mínima exigida seja a pós-graduação "lato sensu", o mestrado ou o doutorado, o ser-vidor poderá comprovar, alternativamente, a aprovação em exame de certificação ocupacional realizado pela SEE ou por instituição porela credenciada, nos termos do regulamento.§ 3° - O posicionamento do servidor no nível para o qual foi promovido se dará no mesmo grau em que se encontrava anteriormente àpromoção e o posicionamento dar-se-á no momento da promoção.Art. 18 - Após a conclusão do estágio probatório, o servidor considerado apto será posicionado no segundo grau do nível de ingresso nacarreira.Art. 19 - Perderá o direito à progressão e à promoção o servidor que, no período aquisitivo:I - sofrer punição disciplinar em que seja:a) suspenso;b) exonerado ou destituído de cargo de provimento em comissão ou função gratificada que estiver exercendo; II - afastar-se das funções específicas de seu cargo, excetuados os casos previstos como de efetivo exercício nas normas estatutárias vi-gentes e em legislação específica.§ 1° - Nas hipóteses previstas no inciso I do "caput" deste artigo, o tempo anterior ao cumprimento da penalidade aplicada não poderáser computado para efeito de integralização do interstício.§ 2° - Na hipótese prevista no inciso II do "caput" deste artigo, o afastamento ensejará a suspensão do período aquisitivo para fins depromoção e progressão, contando-se, para tais fins, o período anterior ao afastamento, desde que tenha sido concluída a respectiva ava-liação periódica de desempenho individual. DA VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS EM EDUCAÇÃO Art. 20. A valorização dos profissionais da educação será adquirida através de cursos de formação, aperfeiçoamento ouespecialização, em instituições credenciadas no sistema de ensino brasileiro ou através de Secretaria da Educação. Parágrafo único. A valorização dos profissionais da educação objetivará o aprimoramento permanente do ensinofundamental e da educação infantil, observando os programas prioritários definidos pela Secretaria Municipal de Educação, em especialos cursos de formação continuada. Art. 21. No interesse do aprimoramento da Educação Municipal, poderá ser concedida Profissional da Educação Básica alicença remunerada para cursos de qualificação profissional. § 1º A licença remunerada para a valorização do profissional da educação consiste no afastamento, parcial ou total, doServidor da Educação de suas funções, e será concedida para freqüência a cursos de formação, aperfeiçoamento ou pós-graduação latosensu e stricto sensu em instituições credenciadas em sistema brasileiro ou oferecidos pela Secretaria Municipal de Educação ou porconvênio. 5
  6. 6. § 2º A licença, que se refere o caput deste artigo para a valorização do profissional da educação básica somente poderá serautorizada pelo Chefe do Poder Executivo Municipal, mediante requerimento do interessado e instrução da Secretaria Municipal deEducação sobre a efetiva necessidade à Educação Municipal, desde que a qualificação seja impossibilitada sem o afastamento. § 3º O tempo de afastamento para qualificação Profissional será computado para todos os fins de direito. § 4º O servidor, que for liberado com remuneração para curso de qualificação profissional, deverá permanecer,obrigatoriamente, atuando na rede municipal, por período igual ao da liberação. ANEXO I DA ESTRUTURA DAS CARREIRAS DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICAI – Professor de Educação Básica (PEB); GRAU NÍVEL DE NÍVEL ... ESCOLARIDADE A B C N O P . Médio, com habilitação ... I IA IB IC IN IO IP em magistério . Superior, com licenciatu- ... II IIA IIB IIC IIN IIO IIP ra de curta duração. . Superior com licenciatu- III III III ... III III III ra plena ou complemen- III A B C . N O P tação pedagógica Superior com licenciatu- ra específica, acumulada IV IV IV ... IV IV IV com pós-graduação lato IV A B C . N O P sensu, na forma do regu- lamento. Superior com licenciatu- ra plena ou com comple- ... mentação pedagógica, V VA VB VC VN VO VP . acumulada com com mestrado Superior com licenciatu- ra plena ou com comple- VI VI VI ... VI VI VI mentação pedagógica, VI A B C . N O P acumulada com com doutoradaII – Especialista em Educação Básica (EEB); 6
  7. 7. GRAU NÍVEL DE NÍVEL ESCOLARIDADE A B C .... N O P Superior, com licenciatura ou I IA IB IC .... IN IO IP especialização em pedagogia Superior, com licenciatura em Pedagogia ou graduação específica com especializa- ção em Pedagogia, acumula- II IIA IIB IIC .... IIN IIO IIP do com curso de pós-gradua- ção "lato sensu", na forma do regulamento Superior, com licenciatura em Pedagogia ou graduação III específica com especializa- III IIIA IIIB .... IIIN IIIO IIIP C ção em Pedagogia, acumula- do com mestrado Superior, com licenciatura em Pedagogia ou graduação IV específica com especializa- IV IVA IVB .... IVN IVO IVP C ção em Pedagogia, acumula- do com doutoradoIII – Analista de Educação Básica (AEB); GRAU NÍVEL DE NÍVEL ESCOLARIDADE A B C .... N O P Superior I IA IB IC .... IN IO IP Superior II IIA IIB IIC .... IIN IIO IIP Superior acumulado com III pós-graduação "lato sensu", III IIIA IIIB .... IIIN IIIO IIIP C na forma do regulamento Superior acumulado com IV IV IVA IVB .... IVN IVO IVP mestrado C Superior acumulado com V VA VB VC .... VN VO VP doutoradoIV – Assistente Técnico de Educação Básica (ATB); 7
  8. 8. GRAU NÍVEL DE NÍVEL ESCOLARIDADE A B C .... N O P Ensino médio técnico I IA IB IC .... IN IO IP Ensino médio técnico acumu- II IIA IIB IIC .... IIN IIO IIP lado com uma certificação Ensino médio técnico com III III IIIA IIIB .... IIIN IIIO IIIP duas certificações C IV Ensino Superior IV IVA IVB .... IVN IVO IVP C Pós-graduação "lato sensu" V VA VB VC .... VN VO VP ou "stricto sensu"V – Assistente Técnico Educacional (ATE); GRAU NÍVEL DE NÍVEL ESCOLARIDADE A B C .... N O P Ensino médio técnico I IA IB IC .... IN IO IP Ensino médio técnico acumu- II IIA IIB IIC .... IIN IIO IIP lado com uma certificação Ensino médio técnico com III III IIIA IIIB .... IIIN IIIO IIIP duas certificações C IV Ensino Superior IV IVA IVB .... IVN IVO IVP CVI – Analista Educacional (ANE); GRAU NÍVEL DE NÍVEL ESCOLARIDADE A B C .... N O P Superior I IA IB IC .... IN IO IP Superior II IIA IIB IIC .... IIN IIO IIP Superior acumulado com III pós-graduação "lato sensu", III IIIA IIIB .... IIIN IIIO IIIP C na forma do regulamento Superior acumulado com IV IV IVA IVB .... IVN IVO IVP mestrado C Superior acumulado com V VA VB VC .... VN VO VP doutoradoVII – Assistente de Educação (ASE); 8
  9. 9. GRAU NÍVEL DE NÍVEL ESCOLARIDADE A B C .... N O P Ensino médio técnico I IA IB IC .... IN IO IP Ensino médio técnico acumu- II IIA IIB IIC .... IIN IIO IIP lado com uma certificação Ensino médio técnico com III III IIIA IIIB .... IIIN IIIO IIIP duas certificações C IV Ensino Superior IV IVA IVB .... IVN IVO IVP C Pós-graduação "lato sensu" V VA VB VC .... VN VO VP ou "stricto sensu"VIII – Auxiliar de Serviços da Educação Básica (ASB). GRAU NÍVEL DE NÍVEL ESCOLARIDADE A B C .... N O P 4ª série do ensino fundamen- I IA IB IC .... IN IO IP tal Ensino fundamental II IIA IIB IIC .... IIN IIO IIP Ensino médio técnico com III III IIIA IIIB .... IIIN IIIO IIIP duas certificações C IV Ensino médio IV IVA IVB .... IVN IVO IVP C 9

×