[Garoto] 10 de maio 2013

821 visualizações

Publicada em

Jornal do Sindialimentação para os trabalhadores da Chocolates Garoto

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
821
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
572
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

[Garoto] 10 de maio 2013

  1. 1. Informativo dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação do ES - 10 de maio de 2013 - Distribuição: GarotoMesmo com a volta do Surreal, onosso Sindicato não parou com as inves-tigações sobre terceirização da nossaprodução. Há fortes indícios (ainda nãoconfirmados) de que a empresa estariaproduzindo e/ou embalando produtosda Garoto em outras fábricas subcontra-tadas. O Sindialimentação está aprofun-dando o levantamento de dados paradiscutir com a empresa. Em reunião preli-minar, a empresa negou a terceirizaçãoda produção. Ela assumiu apenas a pro-dução especial de Serenata em forma-to de coração, que teria sido fabricadoem pequena quantidade e fora daquipor razões operacionais. A diretoria doSindicato segue com as investi-gações e irá debater o temana próxima reunião. Veja noquadro ao lado os prová-veis locais que estariamfabricando produtosGaroto.Temos motivos para comemorar. Háuma semana foi retomada a produçãodo Surreal na fábrica, lugar de onde ja-mais deveria ter saído. O retorno da pro-dução foi cobrado pelo Sindicato namesa de negociações com a empresa.O Sindialimentação deixou claro para aGaroto que não irá tolerar terceirizaçãode nossa produção dentro ou fora da fá-brica. Com isso, a empresa anunciou oretorno DEFINITIVO da produção do Sur-real na Garoto.Essa é uma importante vitória paranossa categoria, pois o desvio da nossaprodução para outras unidades colocaem risco os nossos postos de trabalho.Sindicato investiga novasdenúncias de terceirizações• OLGBER – Caçapava (São Paulo)• J. Marino Ind. E Comércio S/A – Catanduva (São Paulo)• Manibom Produtos Alimentícios – Marília (São Paulo)• Chocolates Araucária – Campos do Jordão (São Paulo)Teria feito o ovo Talento da caixa quadrada• CEPAM – (São Paulo) Fez o Serenata em formato de coração• Nestlé Bahia – Feira de Santana (Bahia) Estaria embalando caixa sortidos 200g• Nestlé Caçapava Estaria embalando caixa sortidos 400gCompromisso assinado deve ser cumpridoO Sindialimentação cobrou da empresa que honrasseos compromissos assinados com o Sindicato e com o CADE(Conselho de Administração Econômica) logo que a Nestléassumiu a Garoto. O primeiro acordo foi um termo de com-promisso no qual a empresa garantia a manutenção dosempregos e postos de trabalho. O acordo foi assinado pelaNestlé diante da presidente do Sindialimentação, Linda Mo-rais e do então presidente da CUT Nacional, Luís Marinho. Osegundo acordo assinado chama-se Acordo de Reversibili-dade, que a Nestlé assinou com o CADE. Nesse acordo, aempresa se compromete com os atuais níveis de emprego etambém com a permanência da Garoto no Estado.Nosso Acordo é Lei!Mesmo que não houvesse os acordos assinados e cita-dos acima, ainda assim, há o Acordo Coletivo de nossa ca-tegoria que proíbe expressamente a terceirização da nos-sa produção. Foi com base nele que conseguimos fazer aempresa recuar de sua intenção de terceirizar a fabricaçãode ovos, que estavam sendo feitos na Indústria Tangará, naDarly Santos, assim que a Nestlé comprou a Garoto.Empresas investigadas porfabricarem produtos Garoto:Sindialimentação cobrou e afabricação do bombom retornoupara a Garoto. O objetivo édefender a manutenção dosempregos locaisÉ real!volta para casa
  2. 2. Luz, câmera... ação!neg Empresa divulgavídeo de segurançaque responsabilizatrabalhador poracidentesNesta semana, os trabalhadoresforam surpreendidos com a apresen-tação de um vídeo dentro da em-presa. A gravação faz parte de umaproposta de treinamento da empresasobre saúde e segurança. Ao invés deanunciar as novas medidas que a Ga-roto vai tomar para evitar novos ado-ecimentos e acidentes, ela apresentaum filme emocionalmente apelativoque atribui sutilmente ao trabalhadora culpa pelo “momento de distra-ção”. O vídeo alerta os trabalhado-res sobre a necessidade de cuidar daprópria segurança.Nada contra produzir materialeducativo sobre saúde e segurança,mas não concordamos quando a em-presa transfere para os trabalhadorestoda responsabilidade pela preven-ção de acidentes e não admite suaprópria responsabilidade pelas condi-ções inseguras que existem nos locaisde trabalho. Nossa direção repudiaesse vídeo e solicitou que a veicula-ção dele seja suspensa.A diretoria do Sindialimentação solicitou que o vídeoque culpa o trabalhador pelos acidentes seja suspenso.Os motivos são fáceis de enumerar:Falhar é humanoTodo mundo conhece o ditado popular milenar que dizque “errar é humano”. Se formos submetidos a uma jornadade trabalho extensa somada à constate pressão por metase cobranças por qualquer parada no maquinário, as chan-ces de falharmos aumentam consideravelmente, por maisque sejamos experientes e treinados. Ninguém conseguemanter-se concentrado nas 8 horas de trabalho do dia. Emalgum instante, qualquer um se distrai. Você já deve ter sedistraído ao ler este texto. ISSO É NORMAL. Por isso, as empre-sas devem proteger o maquinário para que ele seja à provade distrações. Todo equipamento que ofereça riscos devereceber proteção coletiva. Assim, no momento que ocorrera falha humana, não haverá acidente.Responsabilizar é desumanoCulpar ou atribuir responsabilidade pela ocorrência deacidentes ou adoecimentos é que é uma atitude desu-mana. Se um trabalhador chega a sofrer um acidente ouadoece no local de trabalho é porque o local não oferececondições suficientes para preservar a saúde e a vida dostrabalhadores. Uma atitude correta seria admitir que há con-dições inseguras que precisam ser corrigidas.Prevenção depende de medidas gerenciaisEstudos apontam que 99% das medidas para se evitarum acidente de trabalho são gerenciais. Pouco dependedo trabalhador, pois ele não tem poder para, por exemplo,comprar e instalar sensores de proteção coletiva numa má-quina, enclausurar uma máquina com grande nível de ruídoou simplesmente colocar alertas no local de trabalho.Proteção coletiva evita acidentesEquipamentos de Proteção Co-letiva (EPC) são equipamentos utili-zados para proteção de segurançaenquanto um grupo de pessoas rea-liza determinada tarefa. O EPC deveser usado prioritariamente ao uso doEquipamento de Proteção Individual(EPI). Por exemplo: um equipamen-to de enclausuramentoacústico deve ser a pri-meira alternativa em umlocal onde há risco deruído, por proteger o co-letivo. Somente quandoa instalação desse equi-pamento não é possível,deve ser utilizado o pro-tetor auditivo como EPI,pois são de uso apenasindividual.O DepartamentoIntersindical de Estudose Pesquisas de Saúde edos Ambientes de Tra-balho (Diesat), dá outrosexemplos de EPC: siste-mas de exaustão queeliminam gases, vapores ou poeirascontaminantes e comando bimanual,que mantém as mãos ocupadas, forada zona de perigo, durante o ciclo deuma máquina.O vídeo não aborda em nenhum momento as falhas eresponsabilidades da empresa na ocorrência de aciden-tes. O enfoque é todo e somente no trabalhador.O acidente da trabalhadora se deve à pressão para atin-gir as metas de produção.Falhar é humano. Responsabilizar é desumano.Os trabalhadores não têm poder para garantir sua segu-rança no local de trabalho. Esse poder é da empresa,que deve implementar medidas gerenciais concretaspara este fim.1234
  3. 3. Nosso sindicato não faz apenascríticas. Já levamos à Garoto propos-tas de ações concretas para mapearpreventivamente os problemas quepodem afetar e estão afetando asaúde dos trabalhadores e são poten-ciais geradores de acidentes. Porém,a Garoto não aceitou a proposta doSindicato alegando que o TPM já su-pre as necessidades.Infelizmente, os novos casos deadoecimento e de acidentes indicamque somente essa política não temsido suficiente para proteger a saúdee a vida dos trabalhadores.Pressão por produção é o queprovoca mais estresseAs atuais ferramentas que estãosendo implementadas pela empre-sa geram mais demandas de traba-lho (controles, dossiês etc) e pressãopor resultados. A ordem principal égarantir zero perdas e 100% de com-prometimento. Para demonstrar essecomprometimento e alcançar as me-tas traçadas, muitos abrem mão daprópria segurança. Sob a estressantecobrança por resultados, o acidenteé inevitável.Uma verdadeira política de pre-venção deve estar focada nas cau-sas geradoras de acidentes, ou seja,no que está presente no local de tra-balho e que precisa ser modificadopara reduzir a chance de novas ocor-rências. A ação da Garoto na maioriados casos tem sido tardia. As melho-rias só acontecem após a ocorrênciados acidentes.Não somos somente críticaEssa novela de jogar o lixo para debaixo dotapete não é nova. A empresa culpa o tra-balhador e não assume as próprias respon-sabilidades sobre os acidentes.O Sindicato recebeu a denúncia de vários trabalhadoresda Serdel que se queixam do autoritarismo de supervisora. Se-gundo as denúncias, frequentemente a supervisão se dirige aostrabalhadores de forma agressiva e desrespeitosa. Além disso,recebemos queixas de que os trabalhadores somente recebemseus contracheques no dia 10 de cada mês sem explicação ra-zoável por parte da empresa.Apesar de não representarmos legalmente os trabalhadoresda Serdel, o Sindicato abre espaço neste jornal para denunciartais situações porque práticas de assédio moral são intoleráveis.Em toda a cadeia de produção da Garoto, queremos que asrelações de trabalho sejam pautadas pelo respeito à dignidadedo trabalhador.Trabalhadores da Serdel denunciam assédio moralSupervisor oprime trabalhadores da UtilidadesMais uma vez o Sindialimentação recebe denúncias sobre apostura autoritária de um dos supervisores do setor de Utilidades.Os trabalhadores relatam que o supervisor convoca reuniões e,de forma soberba, declara que só ele deverá falar e os demaisdeverão ouvir. Ao cobrar rendimento dos trabalhadores, cadafrase vem acompanhada de uma ameaça de demissão. O su-pervisor, segundo os relatos, age com constante desrespeito echega a se expressar de forma debochada com a categoria.A exemplo do que já tem encaminhando em relação a ou-tras denúncias, o Sindicato continuará acompanhando e co-brando da empresa ações imediatas que inibam esse tipo deprática absurda. Defendemos que é possível conseguir resulta-dos com motivação e não com ameaças.Da mesma maneira que denunciamos atitudes abusivasde alguns supervisores, queremos neste espaço elogiar aquelesque compreendem que a sua função é liderar respeitando aspotencialidades de cada trabalhador.Sem dúvida, há dentro da empresa verdadeiros profissio-nais que sabem cumprir suas funções com respeito à dignidadedos trabalhadores. A esses supervisores, que para o Sindicatosão também trabalhadores, os nossos parabéns!Parabéns a quem sabe ser líderO Sin-d i a l i m e n -tação estáproceden-do ao pa-g a m e n t odecorrentede vitória ju-dicial con-tra a Chocolates Garoto. Todavez que não é possível chegara um acordo, o Sindicato pro-move ações judiciais contra aempresa, existindo centenas deprocessos acompanhados pelodepartamento jurídico. Esse pro-cesso, que está sendo pago, sedestaca pela grande quantida-de de pessoas que foram favo-recidas: 1461 pessoas.Embora os valores decor-rentes deste processo não se-jam grandes comparados comoutras dívidas que as empresaspossuem, demonstra que o Sin-dicato está atento para a defesados direitos da categoria, favore-çam um grande número de pesso-as ou poucas pessoas. Os valoresforam liberados pela Justiça emabril deste ano, e o Sindicato ime-diatamente agilizou os pagamen-tos, que devem ser concluídos ain-da em maio.No caso particular, a Cho-colates Garoto, no ano de 1998,enquanto não fechava o acordocoletivo, modificou de forma uni-lateral e autoritária o horário dostrabalhadores. O Sindialimenta-ção decidiu cobrar os prejuízoscausados, o que foi asseguradopela Justiça.Nós parabenizamos aos tra-balhadores pela vitória, e reafirmaque todas as medidas que foremcabíveis em defesa do trabalha-dor sempre serão promovidas peloDepartamento Jurídico.Dr. Luis FernandoNogueira MoreiraAdvogado doSindialimentaçãoIntervalo de almoço: Sindicato agilizapagamento de processo
  4. 4. EditorialNeste mês comemoramos o Diado Trabalhador. Um momentoimportante para refletirmos sobrenossas lutas, nossas conquistas enossas necessidades para avan-çarmos. De olho nelas, traçamosnossos novos objetivos. Nossa di-reção tem estado sempre atentaaos anseios e demandas da cate-goria. Durante o nosso Congres-so, em dezembro de 2012, os tra-balhadores definiram o plano deações que está orientando nossasações. De olho nas mudançasdo mundo do trabalho e demaisnecessidades de trabalhadores esuas famílias, a categoria levantouimportantes temas: integraçãoentre trabalhadores, geração deemprego e renda, qualificaçãoprofissional e saúde da família. Apartir daí, temos trabalhado e per-seguido esses objetivos.Para dar seguimento ao planodecidido em Congresso, criamoso Espaço Atitude. Tivemos a hon-ra de fazer o seu lançamento nacomemoração pelo Dia dos Tra-balhadores. O novo espaço iráacolher os trabalhadores e suasfamílias. Iremos investir na realiza-ção de cursos de qualificação egeração de emprego e renda.O turno da noite também levan-tou a justa reivindicação de umlocal mais próximo para facilitara participação nas assembleias eeventos promovidos pelo Sindica-to. O Espaço Atitude vai facilitar avida de quem tem pouco tempopara participar, pois dependemdos ônibus da empresa. Resolve-mos ainda o problema da lei dosilêncio, que não permite uso desom nos horários de entrada e saí-da desse turno.É com orgulho que entregamosmais essa justa reivindicação denossa categoria, definida demo-craticamente durante o Congres-so. Parabéns a você trabalhadore trabalhadora que participou ati-vamente de mais essa conquista!É tempo de avançarmos, é tem-po de atitude!INFORMATIVO DOS TRABALHADORES NASINDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESEstrada Jerônimo Monteiro, 1732 - Vila Velha - ESTelefone: 3339-5027E-mail: comunica.sindi@terra.com.brCOORDENADORA GERAL DO SINDICATOLinda MoraisCOORDENADOR DA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃOElifas MedeirosEDIÇÃO E DIAGRAMAÇÃOSylvia RuthESTAGIÁRIAMarina DenadaiLinda MoraisCoordenadora Geraldo SindialimentaçãoÉ tempo de Atitude“Eu estava até comentando: só o nosso Sindicato mesmo parafazer uma coisa tão maravilhosa dessas”, comemora a trabalha-dora Maria Lucia Costa, do Bola. Ela e outras 90 mães participaramdo curso de automaquiagem oferecido pelo Sindialimentação emparceria com a CrediGaroto, Luzia Cabeleireiros e Mary Kay Cos-méticos. O evento foi realizado no dia 9 de maio, no Espaço Atitu-de.A aula ministrada pela diretora da Mary Kay, Renata Felício,revelou os segredos da maquiagem para as mais diversas ocasiões.“A iniciativa é maravilhosa, o Sindicato está cumprindo muito bemo seu papel, trazendo o melhor para os trabalhadores da Garoto”.Nos dias 1 e 2 de junho,o Sindialimentação promo-ve o Seminário do AcordoColetivo 2013/2015. O en-contro será realizado emSanta Izabel e tem o objeti-vo de levantar as principaisreivindicações da catego-ria que serão levada para amesa de negociação. Entreelas, a discussão sobre a jor-nada de trabalho.As inscrições devem serrealizadas na sede do Sindi-cato, de 13 a 24 de maio.Os trabalhadores sindica-lizados não pagam. Fami-liares e trabalhadores nãosindicalizados pagam R$75. Crianças até cinco anosnão pagam e familiares en-tre seis e 12 anos pagammeia entrada.Seminário discute pautaspara acordo coletivo2013/2015Curso de automaquiagem valorizaautoestima das mães trabalhadorasEu aprendi que posso ficar bonita odia todo. Senti que tenho o poder deresplandecer de um jeito simples.Denilda Soledad - Bola

×