Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Campus Poços de Caldas
Materiais Cerâmicos, Betuminosos, Vidro, Tintas e
...
Materiais de Construção II
PUC Minas
2
- Refratárias - deformam à temperatura de 1500 ºC , tem baixo coeficiente de
condut...
Materiais de Construção II
PUC Minas
3
-Pó de pedra : azulejos e materiais Sanitários.
-Grés : Materiais sanitários , past...
Materiais de Construção II
PUC Minas
4
Categoria Resistência a compressão (MPa)
A
B
C
1.5
2.5
4.0
Pontos importantes desta...
Materiais de Construção II
PUC Minas
5
Tabela II: Dimensões nominais de blocos de vedação e portantes, comum.
Tipo*
: LxHx...
Materiais de Construção II
PUC Minas
6
- são normalmente fabricadas em marombas a vácuo apresentando-se com aspecto mais
u...
Materiais de Construção II
PUC Minas
7
-Aspecto visual: não deve apresentar defeitos sistemáticos, tais como fissuras na s...
Materiais de Construção II
PUC Minas
8
- Podem ser vitrificadas ou não com sal ou vidrado qualquer. O sal de cozinha é
adi...
Materiais de Construção II
PUC Minas
9
- Materiais de louça
As argilas usadas para este tipo de material cerâmico são quas...
Materiais de Construção II
PUC Minas
10
Materiais refratários
MB-67 é o método brasileiro que indica a maneira de determin...
Materiais de Construção II
PUC Minas
11
6 - A peças cerâmicas deverão ser deixadas dentro d’água um determinado tempo, de
...
Materiais de Construção II
PUC Minas
12
* :: ;< ;;
) )* =< >< ?<
( ) * ) )*'@ ' ; A; =B
( ) * ) *
C<
; =B
7 @ D*) A< =
! "...
Materiais de Construção II
PUC Minas
13
Cor: Esmaltada (21 cores), natural e branca.
TELHA ROMANA: Especificações
Material...
Materiais de Construção II
PUC Minas
14
TELHA FRANCESA: Especificações
Material: Cerâmica
Quantidade: 17 telhas por metro ...
Materiais de Construção II
PUC Minas
15
TELHA URUGUAIA: Especificações
Material: Cerâmica
Quantidade: 30 telhas por metro ...
Materiais de Construção II
PUC Minas
16
Colocação das telhas:
OBS.: Nas telhas Plan, as extremidades dos canais não podem ...
Materiais de Construção II
PUC Minas
17
Cor: Natural
TELHA TÉGULA: Especificações
Material: Argamassa
Quantidade: 10,5 tel...
Materiais de Construção II
PUC Minas
18
Materiais Betuminosos
1 - Introdução
Materiais Betuminosos são materiais compostos...
Materiais de Construção II
PUC Minas
19
dos constituintes que lhes conferem plasticidade : óleos mais ou menos voláteis. O...
Materiais de Construção II
PUC Minas
20
A sigla CAN significa - cimento asfáltico natural
Os asfaltos naturais tem mais mi...
Materiais de Construção II
PUC Minas
21
- De cura média ( ADM 1,2,3 )
- De cura lenta ( ADL 1,2,3 )
Neste caso a cura é o ...
Materiais de Construção II
PUC Minas
22
Há dois processos básicos para a obtenção dos alcatrões : a ) aplicação de calor s...
Materiais de Construção II
PUC Minas
23
O ensaio é padronizado pelo MB-164 - ponto de amolecimento de materiais
betuminoso...
Materiais de Construção II
PUC Minas
24
Outras propriedades
Além dos citados anteriormente , há outros atributos que inter...
Materiais de Construção II
PUC Minas
25
Tintas e vernizes
1 - Funções
Compreendem-se Por tintas e vernizes qualquer materi...
Materiais de Construção II
PUC Minas
26
- Metais ferrosos
- Metais não ferrosos ( alumínio, zinco, estanho e cobre )
5 - E...
Materiais de Construção II
PUC Minas
27
Tinta brilhante :
Rendimento médio : 55 - 65 m2
/galão/demão
Constituição : 10% de...
Materiais de Construção II
PUC Minas
28
-Resinas uréia-formaldeidos - Resistência a ácidos e bases
- Siliconas - repelente...
Materiais de Construção II
PUC Minas
29
- 6.2 - método de exposição ao tempo
Consiste esse método em por-se os painéis de ...
Materiais de Construção II
PUC Minas
30
Deve-se dar demãos sempre finas e só aplicar nova demão quando a anterior
estiver ...
Materiais de Construção II
PUC Minas
31
Vidro
1- Constituição do vidro
O vidro é um material complexo , que pode ser consi...
Materiais de Construção II
PUC Minas
32
3 - Classificação de acordo com a NB - 226
3.1) Quanto ao tipo :
a) Vidro recozido...
Materiais de Construção II
PUC Minas
33
f) vidro gravado - apresenta ornamentos nas suas superfícies ( tratamento químico ...
Materiais de Construção II
PUC Minas
34
Plásticos
1- Definição
Plástico define um material deformável, porém no uso comum,...
Materiais de Construção II
PUC Minas
35
Conhecido como PVC
Propriedades:
massa especifica : 1,4 Kg / dm3
resistencia à tra...
Materiais de Construção II
PUC Minas
36
Referência Bibliográfica
[1] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS: Normas NBR
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ceramica e betuminoso

851 visualizações

Publicada em

Materiais de construção

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
851
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ceramica e betuminoso

  1. 1. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Campus Poços de Caldas Materiais Cerâmicos, Betuminosos, Vidro, Tintas e Plásticos Prof. : Luiz Antonio dos Reis Notas de Aula 1 - Obtenção Os produtos cerâmicos são materiais de construção, obtidos pela secagem e cozimento de materiais argilosos. Os produtos cerâmicos apresentam custo relativamente barato , são materiais quimicamente estáveis, não sendo portanto atacados por agentes que corroem os metais e os materiais orgânicos. 2 - Argila Denomina-se argila ao conjunto de minerais, compostos principalmente de silicatos de alumínio hidratados, que possuem a propriedade de formarem com a água uma pasta plástica suscetível de conservar a forma moldada, secar e endurecer sob a ação do calor. De acordo com a ABNT, as argilas são compostas de partículas coloidais de diâmetro inferior a 0.005 mm, com alta plasticidade quando úmidas e que, quando secas, formam torrões dificilmente desagregáveis pela pressão dos dedos. São originadas através de alteração de rochas sob ação de agentes atmosféricos (ventos, chuva, sol, gelo/degelo, etc.). 2.1 - Classificação das argilas 2.1.1 - Segundo a estrutura : a) Estrutura laminar ou foliácea - usadas na fabricação de produtos cerâmicos. Grupo de caulinitas - São as mais puras e são utilizadas na industria de refratários. Grupo de montimorilonitas - pouco utilizadas, são muito absorventes e tem grande poder de inchamento Grupo das micáceas - São as mais encontradas , e são utilizadas na fabricação de tijolos; b) Estrutura fibrosa 2.1.2 - Segundo ao emprego - Infusíveis - Após o cozimento têm cor branca translúcida
  2. 2. Materiais de Construção II PUC Minas 2 - Refratárias - deformam à temperatura de 1500 ºC , tem baixo coeficiente de condutibilidade térmica ; são utilizadas para revestimentos de fornos. - Fusíveis - São as mais importantes, deformam-se e vitrificam-se a temperatura inferiores a 1200 ºC , Tem cor cinza-azulado e são ótimas para telhas e tijolos. 2.1.3 - Segundo a sua composição - Puras - Impuras 2.1.4 - Segundo a sua plasticidade - Gordas - Quando são ricas em material argiloso e pobres em desengordurantes ; apresentam alta plasticidade. - magras - Quando pobres em materiais argilosos e ricas em desengordurantes. . Principais componentes das argilas: Fe2O3, SiO2, Al2O3, CaO, Na2O, K2O, matéria orgânica 2.2 - Propriedades das argilas As argilas para serem utilizada na fabricação de produtos cerâmicos devem apresentar características principais e outras secundárias. Principais - Quando úmidas devem ser plásticas , ter capacidade de absorção de água; alteração de volume ( devido a retração e porosidade ) , durante a secagem e cozimento. Secundárias - Porosidade e cor 2.3 - Plasticidade É a propriedade do corpo que, submetido a força determinada, se deforma e conserva indefinidamente a deformação quando se aumenta a força. A plasticidade nas argilas varia com a quantidade de água. 3 - Tipos de produtos cerâmicos - Materiais de argila ( Cerâmica Vermelha ) : - Porosos : tijolos, telhas, ladrilhos, peitoris, etc. - vidrados ou gressificados : ladrilhos , tijolos especiais, manilhas, drenos, conduites. - Materiais de louça
  3. 3. Materiais de Construção II PUC Minas 3 -Pó de pedra : azulejos e materiais Sanitários. -Grés : Materiais sanitários , pastilhas e ladrilhos. -Porcelana : Pastilhas e ladrilhos, azulejos, porcelana elétrica. - Materiais Refratários - Silicosos - Silico-Aluminosos -Aluminos. -Magnetita. -Cromomagnesita - Cromita 4. Produtos de cerâmica vermelha -Tijolos São produzidos com a utilização de argilas finas, com grande quantidade de matéria orgânica, óxido de ferro e álcalis. Tijolos Maciços Obtidos normalmente por moldagem manual ou prensagem. Regulamentação: NBR 8041, NBR 7170, NBR 6460 NBR 8041 : Formas e dimensões forma: paralelepípedo retângulo dimensões: 190 X 90 X 57 ou 190 X 90 X 90 (milímetros) tolerância de 3 mm nas três dimensões NBR 7170 : Especificação -formas e dimensões nominais : conforme NBR 8041 - características visuais: não devem apresentar defeitos sistemáticos tais como trincas, quebras, superfícies irregulares, deformações e desuniformidade na cor. - resistência a compressão : deve atender os valores indicados na tabela I conforme a categoria Tabela I: Resistência mínima à compressão em relação à categoria.
  4. 4. Materiais de Construção II PUC Minas 4 Categoria Resistência a compressão (MPa) A B C 1.5 2.5 4.0 Pontos importantes desta norma, além dos já citados, são: critérios de aceitação e rejeição do lote inspecionado. NBR 6460 : Verificação da resistência a compressão Fornece o método de ensaio e equipamentos envolvidos para se obter o valor da resistência a compressão dos tijolos maciços. Principais características para uma boa qualidade: - Deve ser uniforme , apresentar regularidade nas dimensões , para um perfeito assentamento. - Arestas vivas e cantos resistentes. - Absorção de água entre 18 a 20% - Ter fácil corte com ferramentas de pedreiro - Cor uniforme - Deve apresentar som metálico quando percutido com martelo - Não apresentar vazios nem fragmentos de pedra. Valores de absorção de água muito elevados traduzem em um produto com alta porosidade e permeabilidade, já valores muito baixos indicam dificuldades para aderência das argamassas de recobrimento. A densidade aparente desses tijolos são da ordem de 1.8 a 2.0 g/cm3 . Um tijolo normal pesa cerca de 2 a 2.5Kg. Tijolos Furados Obtidos normalmente por extrusão. Regulamentação: NBR 8042, NBR 7171, NBR 6461. NBR 8042 : Formas e dimensões Bloco: componente de alvenaria que possui furos prismáticos e/ou cilíndricos perpendiculares às faces que os contém. Podem ser de vedação ( projetado para ser assentado com os furos na horizontal) e portante ( projetado para ser assentado com os furos na vertical). Dimensões: tabela II
  5. 5. Materiais de Construção II PUC Minas 5 Tabela II: Dimensões nominais de blocos de vedação e portantes, comum. Tipo* : LxHxC (cm) Dimensões nominais (mm) Largura (L) Altura (H) Comprimento (C) 10x20x10 10x20x20 10x20x30 10x20x40 15x20x10 15x20x20 15x20x30 15x20x40 20x20x10 20x20x20 20x20x30 20x20x40 90 90 90 90 140 140 140 140 190 190 190 190 190 190 190 190 190 190 190 190 190 190 190 190 90 190 290 390 90 190 290 390 90 190 290 390 * Medidas conhecidas comercialmente Tolerâncias nas dimensões de 3 mm NBR 7171 : Especificação Características visuais: não devem apresentar defeitos sistemáticos tais como trincas, quebras, superfícies irregulares , deformações e desuniformidade da cor. Formas e dimensões: conforme NBR 8042 Determinação das dimensões reais: medir 24 blocos, similarmente à NBR 7170 Resistência à compressão : deve atender às especificações conforme tabela III. Tabela III: Resistência a compressão. Tipo Resistência a compressão na área bruta * (MPa) De vedação: A B 1.5 2.5 Portante: C D F 4.0 7.0 10.0 * Área bruta: área de qualquer uma das faces do bloco NBR 6461 : Verificação da resistência a compressão Descreve o método e a aparelhagem para verificação da resistência a compressão em blocos cerâmicos. Vantagens da peça furada sobre a maciça:
  6. 6. Materiais de Construção II PUC Minas 6 - são normalmente fabricadas em marombas a vácuo apresentando-se com aspecto mais uniforme, arestas e cantos mais firmes, faces planas e melhor esquadrejamento, - tem menor peso, -dificultam a propagação de umidade, - melhores isolantes térmicos e acústicos. - Telhas -Processo de fabricação bem semelhante aos tijolos. A moldagem pode variar, pode ser por extrusão seguida de prensagem, ou diretamente por prensagem. A secagem deve ser muito controlada para evitar deformações. -Tipos mais comuns: marselha ou francesa, capa canal plana, capa canal paulista e capa canal colonial. - Características de uma boa telha: cor uniforme, sonora à percussão, regularidade de forma e dimensões, sistema de encaixe perfeito, não apresentar empenamento, fissuras e rebarbas, peso reduzido, fraca absorção de água e boa resistência a flexão (saturada de água). Telha Francesa Regulamentação: NBR 8038, NBR 7172, NBR 6462, NBR 8947, NBR 8948 NBR 8038 : Formato e dimensões NBR 7172 : Especificação -massa da telha seca (determinada conforme NBR 8947) 3.0Kg -absorção de água (determinada pela NBR 8947) 20% -impermeabilidade : quando submetida ao ensaio de permeabilidade conforme a norma NBR 8948, a telha não deve apresentar vazamentos ou formação de gotas em sua face inferior, sendo porém tolerado o aparecimento de manchas de umidade -carga de ruptura a flexão, determinada de acordo com a NBR 6462. não deve ser inferior a 700N (70Kgf). - Inspeção : tolerâncias: comprimento: (400.0 8.0) mm largura : (240.0 4.8) mm comprimento útil : (340.0 6.8) mm Telha Paulista Capa e Canal Regulamentação: NBR 9598, NBR 9601, NBR 8947, NBR 8948, NBR 9602 NBR 9598 : Formas e dimensões NBR 9601 : Especificação
  7. 7. Materiais de Construção II PUC Minas 7 -Aspecto visual: não deve apresentar defeitos sistemáticos, tais como fissuras na superfície exposta às intempéries, esfoliações, quebras e rebarbas. - som metálico quando percutida - massa da telha seca: determinada conforme NBR 8947 - não deve ser superior ao indicado na tabela IV Tabela IV: Massa máxima da telha seca (capa ou canal). Modelo massa(g) Colonial 2700 Plan 2750 Paulista 2650 - absorção de água, determinada pela NBR 8947 20% - impermeabilidade (NBR 8948) : a telha não deve apresentar vazamento ou formação de gotas em sua face inferior, sendo porém tolerado o aparecimento de manchas de umidade. - carga de ruptura a flexão (NBR 9602) 1000N (100Kgf) Telha tipo colonial Capa e Canal Regulamentação: NBR 9600, NBR 9601, NBR 8947, NBR 8948, NBR 9602 -pode ser usada indistintamente como capa ou canal NBR 9600 : Formas e dimensões NBR 9601 : Especificação -Aspecto visual: não deve apresentar defeitos sistemáticos, tais como fissuras na superfície exposta às intempéries, esfoliações, quebras e rebarbas. - som metálico quando percutida - massa da telha seca: determinada conforme NBR 8947 - não deve ser superior ao indicado na tabela IV - absorção de água, determinada pela NBR 8947 20% - impermeabilidade (NBR 8948) : a telha não deve apresentar vazamento ou formação de gotas em sua face inferior, sendo porém tolerado o aparecimento de manchas de umidade. - carga de ruptura a flexão (NBR 9602) 1000N (100Kgf) -Manilhas ou Tubos cerâmicos - Materiais utilizados na fabricação de chaminés, tubos de ventilação e nas canalizações de esgotos e águas pluviais. São cilíndricos e possuem numa extremidade um alargamento chamado bolsa e na outra diversas ranhuras externas destinadas a facilitar a aderência de argamassa () - São moldados por extrusão, e as matérias-primas são semelhantes às utilizadas na produção de telhas.
  8. 8. Materiais de Construção II PUC Minas 8 - Podem ser vitrificadas ou não com sal ou vidrado qualquer. O sal de cozinha é adicionado no forno durante a queima, onde reage com a sílica da massa formando um silicato de sódio. - Regulamentação: NBR 5645, NBR 6549, NBR 6582, NBR 7529, NBR 7530 e NBR 7689 NBR 5645 - Especificação -Resistência à ação química das águas: devem resistir à ação química das águas puras, das águas servidas ou residuárias, assim como daquelas dos solos de toda a natureza, com exceção das que contenham ácido fluorídrico. - Classificação: Classe A - tubos cerâmicos vidrados interna e externamente Classe B - Tubos cerâmicos vidrados só internamente Classe C - tubos cerâmicos sem vidrado - Dimensões - Tabelas 1 e2 da NBR 5645 NBR 7530 : Verificação Dimensional NBR 6549 : Verificação da permeabilidade e da resistência a pressão interna - Se houver o aparecimento de gotas aderentes já constitui em vazamento, o tubo deve resistir a pressão interna mínima especificada. NBR 6582 : Verificação da resistência a compressão diametral A resistência dos tubos, em N/m, não deve ser inferior aos valores da tabela V. Tabela V: Resistência mínima a compressão para alguns valores de diâmetro nominal. Diâmetro Nominal 75 100 150 200 250 300 350 375 Resistência (N/m) 14000 14000 14000 15000 16000 17000 19000 20000 NBR 7529 : Determinação da absorção de água - A absorção de água das conexões não deve ser maior que os valores a seguir: Classe A 10% Classe B 9% Classe C 8% NBR 7689 : Perda de massa sob ação de ácidos - A perda de massa das conexões não deve ser maior que 1% da massa inicial do corpo de prova. - As conexões devem ser isentas de fendas, rebarbas e trincas. - Ladrilhos A fabricação dos ladrilhos se da por prensagem a seco e queimados a uma temperatura de 1250 °C a 1300 °C . Os ladrilhos possuem um alto grau de vitrificação , são materiais compactos e impermeável. Os ladrilhos São duráveis , resistentes aos ácidos e de elevada resistência ao desgaste.
  9. 9. Materiais de Construção II PUC Minas 9 - Materiais de louça As argilas usadas para este tipo de material cerâmico são quase isentos de óxido de ferro, contendo ainda quartzo e fundentes tipo feldspato , finamente moídos. Louças de pó de pedra - São porosas com absorção de água da ordem de 15 a 20 %. Para serem empregadas devem receber uma camada de esmalte. Ex. : Azulejos e louças sanitárias As louças de grés - São porosa , com absorção de água da ordem de 1 a 2 % . possuem uma avançada vitrificação. A porcelana é um grés branco. A absorção de água é quase nula , pois , possui uma vitrificação completa. Azulejos Os azulejos são compostos de uma camada de argila grossa e outra camada fina de esmalte que lhe proporciona resistência e durabilidade. Dimensões : 15 X 15 cm , 10 X 10 cm Aparelhos Sanitários A EB-44 Especifica as condições a serem atendidas por estes materiais. As dimensões são normalizadas por : PB-6 , PB-7 , PB-10 Os aparelhos sanitários dividem-se em dois grupos : - Aparelhos de pó de pedra - vitrificado, branco ou colorido artificialmente, textura fina e grossa. - Aparelhos de grés branco - Também chamados de porcelana sanitária, porcelana branca , vitrificado , textura fina e não grossa. A verificação de qualidade se faz por inspeção visual. A espessura média não deve ser inferior a 9mm e nunca inferior a 6 mm.
  10. 10. Materiais de Construção II PUC Minas 10 Materiais refratários MB-67 é o método brasileiro que indica a maneira de determinar a absorção, porosidade e densidade aparente do material refratário. Um material refratário basicamente deve resistir a altas temperaturas sem amolecer e sem sofrer variações volumétricas apreciáveis, no entanto também deve resistir : à ação de gases , resistência a abrasão a quente , baixa condutibilidade térmica Com o intuito de impedir a formação de sais entre o material refratário e as substâncias que irá entrar em contato , temos duas classificação : Ácidos - temos os refratários de sílica e os sílico-aluminosos. A matéria prima para os refratários de sílica são os quartzitos, arenitos e areias silicosas, com mais de 90% de SiO2 A matéria prima dos sílico-aluminosos são argilas refratárias, com 50 a 70 % de SiO2 , 20 a 40 % de Al203 e menos de 10 % de fundentes. Básico - Se tivermos mais de 50% de alumínio, passamos a um refratário aluminoso. Matéria prima do refratário aluminoso é a argila refratária. Outro refratário básico e o de magnesita fabricado a partir de carbonato de magnésio Os materiais básicos são usados na fábrica de cimento, em altos-fornos, fornos de cobre. Quando as reações podem ser tanto ácidas como básicas, empregam-se refratários neutros a base de cromita.. -Seqüência de execução para assentamento de azulejos e ladrilhos 1 - Limpar as partes soltas ( pó ) , que pode estar sobre a superfície onde irá assentar os material cerâmico e que pode prejudicar a aderência da argamassa. 2 - Começar o assentamento das peças cerâmicas no mínimo 50 dias após a construção do suporte. 3 - Molhar bem a parede ou a laje onde irá assentar a cerâmica , para que esta não absorva a água da argamassa. 4 - O traço da argamassa será 1 : 3 5 - Antes da colocação das peças , é necessário polvilhar a argamassa com camada de cimento em pó.
  11. 11. Materiais de Construção II PUC Minas 11 6 - A peças cerâmicas deverão ser deixadas dentro d’água um determinado tempo, de acordo com grau de absorção. Azulejos - 15 minutos Lajotas cerâmicas - 5 minutos - Nos materiais cerâmicos, incluindo as cerâmicas vermelhas, o que se busca sempre é uma maior resistência mecânica, e esta está intimamente ligada a porosidade/absorção de água da peça. Geralmente esse parâmetro é eliminatório na escolha do lote. - Nos dias de hoje, a cor não tem tanta importância, mas uma homogeneidade de cor indica um produto uniforme. - Deve-se sempre observar aspecto visual das peças, como cantos, defeitos, trincas, tamanho, etc., pois estes fatores indicam a qualidade do material. - A normalização deve ser respeitada e aplicada em todos os casos. Dados Para Projeto ! " # $ $% & ' ( ) * ) + + , - ! # $ $. / 0 !1 2 $ $ 3! $, 4 5 6 $ 2 # # $& 7 8 9 0 !1 4 2 ! !$ 8 $ $% 9
  12. 12. Materiais de Construção II PUC Minas 12 * :: ;< ;; ) )* =< >< ?< ( ) * ) )*'@ ' ; A; =B ( ) * ) * C< ; =B 7 @ D*) A< = ! "#$% ) )* =; 0 * =B * A> Figuras TELHA PORTUGUESA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 16 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2,5 Kg por peça Inclinação Mínima: 30% Inclinação acima de 60%, recomendamos furação para fixação das telhas
  13. 13. Materiais de Construção II PUC Minas 13 Cor: Esmaltada (21 cores), natural e branca. TELHA ROMANA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 16 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2,4 Kg por peça Inclinação Mínima: 26% Inclinação acima de 60%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: Natural e esmaltada em diversas cores TELHA ROMANA PLAN: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 16 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2,4 Kg por peça Inclinação Mínima: 26% Inclinação acima de 60%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: Natural e esmaltada TELHA AMERICANA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 12 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 3,1 Kg por peça Inclinação Mínima: 38% Inclinação acima de 60%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: Branca e malhada
  14. 14. Materiais de Construção II PUC Minas 14 TELHA FRANCESA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 17 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2,4 Kg por peça Inclinação Mínima: 36% Inclinação acima de 80%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: Natural TELHA ITALIANA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 14 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 3,1 Kg por peça Inclinação Mínima: 30% Inclinação acima de 60%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: TELHA GERMÂNICA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 32 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 1,6 Kg por peça Inclinação Mínima: 45% Inclinação acima de 60%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: Natural e esmaltada
  15. 15. Materiais de Construção II PUC Minas 15 TELHA URUGUAIA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 30 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 1,6 Kg por peça Inclinação Mínima: 45% Inclinação acima de 50%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: TELHA HOLANDESA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: x telhas por metro quadrado de telhado Peso: x Kg por peça Inclinação Mínima: x% Inclinação acima de x%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: TELHA PLAN: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 27 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2 Kg por peça Inclinação Mínima: 27% Inclinação acima de 40%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: Natural
  16. 16. Materiais de Construção II PUC Minas 16 Colocação das telhas: OBS.: Nas telhas Plan, as extremidades dos canais não podem ficar juntas, devem ficar a uma distância de aprox. 1" (uma polegada). TELHA COLONIAL PAULISTA (c/ trava): Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 22 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2,2 Kg por peça Inclinação Mínima: 30% Inclinação acima de 40%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: Natural TELHA COLONIAL PAULISTA (grande): Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 17 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 3 Kg por peça Inclinação Mínima: 25% Inclinação acima de 40%, recomendamos furação para fixação das telhas Cor: Natural TELHA COLONIAL PAULISTA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 26 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2 Kg por peça Inclinação Mínima: 25% Inclinação acima de 40%, recomendamos furação para fixação das telhas
  17. 17. Materiais de Construção II PUC Minas 17 Cor: Natural TELHA TÉGULA: Especificações Material: Argamassa Quantidade: 10,5 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 4,7 Kg por peça Inclinação Mínima: 30% Inclinação acima de 96%, recomendamos furação para fixação das telhas. Espaçamento entre ripas de 32cm. Cor: Cinza pérola, cinza grafite, vermelho cerâmica, bege colonial, bege damasco e cristal TELHA CUMEEIRA PAULISTA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 3 telhas por metro linear Peso: 2,5 Kg por peça Cor: Natural TELHA CUMEEIRA: Especificações Material: Cerâmica Quantidade: 3 telhas por metro linear Peso: 2,5 Kg por peça Cor: Natural
  18. 18. Materiais de Construção II PUC Minas 18 Materiais Betuminosos 1 - Introdução Materiais Betuminosos são materiais compostos essencialmente de betume. O betume , segundo a Tb - 27 da ABNT, pode ser definido como um produto complexo, de natureza orgânica , de origem natural ou pirogênia , composto de uma mistura de hidrocarbonatos ( com consistência sólida , liquida , ou gasosa ) freqüentemente acompanhados de seus derivados não metálicos, completamente solúvel em dissulfeto de carbono. Conforme sua origem e conforme a estrutura de sua molécula, classificam-se em asfaltos e alcatrões. No passado e ainda hoje é quase na totalidade usado na pavimentação rodoviária, na estabilização de bases e em revestimentos. 2 - Características fundamentais dos materiais betuminosos 2.1 - São materiais aglomerantes ( ou ligantes ). Mas, enquanto os aglomerantes hidráulicos necessitam de água para darem inicio à pega, os betuminosos, possuindo um viscosidade e certa rigidez à temperatura ordinária, podem aglutinar e fazer aderir agregados formando argamassas e concretos. 2.2 - São hidrófogos, isto é, repelentes da água. Vantagem: emprego como material de estanqueidade, nos processos de impermeabilização. Desvantagem : exigem agregados secos para garantirem a aderência, e o cuidado de evitar que a água não desloque o aglomerante depois de aderido. 2.3 - São Materiais que tem grande sensibilidade à temperatura; amolecem e diminuem a viscosidade com o aumento da temperatura e endurecem com a diminuição da mesma. Vantagem : facilidade de emprego , pois possibilitam a mistura com simples aquecimento. Desvantagem : escorrem e se deformam facilmente no verão e tornam-se duros e quebradiços , podendo fendilhar, no inverno. Esta característica, definida como suscetibilidade à temperatura, deve ser levada em consideração e muitas vezes corrigida nos seus empregos. 2.4 - São quimicamente inertes. Esta característica os torna indicados para o emprego sob a forma de revestimento e tintas de proteção. 2.5 - São materiais de boa qualidade , conservando suas propriedades durante anos. Esta característica, de certa maneira uma conseqüência da anterior, sua inércia química, não os impede de sofrerem, quando expostos às intempéries, uma lenta alteração devido a uma soma de fenômenos físicos e químicos, conhecido como envelhecimento de materiais betuminosos. A causa principal ( física ) do envelhecimento é sem dúvida a evaporação
  19. 19. Materiais de Construção II PUC Minas 19 dos constituintes que lhes conferem plasticidade : óleos mais ou menos voláteis. Outra causa ( química ) é a oxigenação de seus constituintes principais, pela ação do oxigênio do ar, com a formação de CO2 e H20 , que se desprendem. Formam-se também outros produtos oxigenados, álcoois e acetonas , que são dissolvidos pelas águas da chuva. O processo todo conduz à desidrogenação e polimerização do material e consequentemente ao endurecimento das camadas superiores. O processo de envelhecimento não é acelerado, pois estas camadas superiores endurecidas protegem o material. Podem , no entanto, fendilhar pela diferença de dilatação. 2.6 - Finalmente, o materiais betuminosos podem ser obtidos em grande quantidade e a um preço relativamente barato. ASFALTOS Chamam-se asfaltos os materiais constituintes predominantemente por betume, e que se apresentam, à temperatura ordinária, no estado sólido ou quase sólido. Tem cor preta ou parda escura, cheiro de óleo queimado e densidade relativa em torno de 1 g/cm3 . A palavra asfalto vem do grego e significa firme, estável. Os asfaltos são de dois tipos: os naturais e os pirogenados, estes obtidos da destilação de petróleo de base asfáltica. O asfalto pra ser aplicado deve ser aquecido , pois é um material termoplástico. Não se dissolve naturalmente na água. Asfaltos Naturais O betume é encontrado na natureza em jazidas constituintes de betume puro, acompanhado de seus derivados, e misturado com materiais insolúveis no sulfeto de carbono ( água, argila, impurezas orgânicas , etc. ) , e contendo poucas resinas voláteis. Quando o petróleo é expelido do interior da terra , por qualquer razão, e impregna nas rocans brancas da superfície, forma os depósitos naturais de asfalto ou rochas betuminosas. Geralmente tem na composição também oxigênio e enxofre. O betume então é encontrado na natureza em duas formas : rochas asfálticas , de maior dureza , e asfaltos naturais, mais finos. Os asfaltos naturais não são puros. São misturas de asfalto com água e material mineral ou orgânico. Os asfaltos naturais são classificados pela TB-27 em 9 tipos: CAN 30 - 40 CAN 40 - 50 CAN 50 - 60 CAN 60 - 70 CAN 70 - 85 CAN 85 - 100 CAN 100 - 120 CAN 120 - 150 CAN 150 - 200
  20. 20. Materiais de Construção II PUC Minas 20 A sigla CAN significa - cimento asfáltico natural Os asfaltos naturais tem mais minerais e portanto são mais densos que os asfaltos artificiais. Asfaltos de destilação ou de petróleo Embora os asfaltos naturais tenham normalmente a preferência porque sua fração volátil é mais fixa , o maior consumo é de asfalto destilado de petróleo, que é mais abundante e barato. É obtido nas torres de cracking , em que a parcela mais pesada da destilação do óleo gera nafta, querosene e óleo diesel, e o resíduo ainda pode ser fracionado em óleos graxas, asfalto e negro de fumo. Estes asfaltos são identificados pela TB-27 , em 10 tipos, todos com as iniciais CAP ( Cimento asfáltico de petróleo ). CAP 30 - 40 CAP 40 - 50 CAP 50 - 60 CAP 60 - 70 CAP 70 - 85 CAP 85 - 100 CAP 100 - 120 CAP 120 - 150 CAP 150 - 200 CAP 200 - 300 Asfaltos oxidados Quando os asfaltos destilados recebem um jato de ar, ainda na torre, à temperatura de 200 °C , resulta o asfalto oxidado ou soprado. Este asfálto é mais sólido e duro, menos sensível às variações de temperatura, mais resistente às intempéries, porém menos adesivo ; seu poder aglutinante é menor. Resulta , então, em um asfalto que não é bom para pavimentação, mas é ótimo para impermeabilização. Asfalto diluído Os asfaltos comuns necessitam de aquecimento para serem aplicados, pois se encontram no estado sólido ou quase sólidos a temperatura ambiente. No intuito de facilitar a aplicação, surgiram processos de tratamentos que permitissem a aplicação a frio, resultando em tipos de materiais: asfaltos diluídos e os hidroasfaltos. Os asfaltos diluídos são obtidos pela adição de um solvente aos CAP. Resulta em um material de menor viscosidade, o que facilita a aplicação, porém é uma diminuição do poder aglutinante. Segundo a ABNT existem três classes de asfaltos diluídos: - De cura rápida ( ADR 1,2,3 )
  21. 21. Materiais de Construção II PUC Minas 21 - De cura média ( ADM 1,2,3 ) - De cura lenta ( ADL 1,2,3 ) Neste caso a cura é o tempo que o solvente leva para evaporar, depois de aplicado o asfalto diluído. Emulsões Asfálticas ou hidroasfaltos A obtenção do hidroasfalto é outro artificio para que o asfalto seja aplicado a frio. Como alfalto comum não se emulsiona naturalmente em água, procurou-se um maneira de fazê-lo. Isso é conseguido com um emulsionador, geralmente um sabão. Na realidade o resultado é uma dispersão : o hidroasfalto é composto de 50 a 70 % de cimento asfáltico, 1 % de emulsionante e o restante de água. O hidroasfalto é líquido a temperatura ambiente, e com o tempo perde a água, solidificando o asfalto. Segundo a ABNT , as emulsões asfálticas são classificadas em três tipos: - De quebra rápida - RS ( em 40 minutos ) - De quebra média - MS ( até duas horas ) - De quebra lenta - LS ( até quatro horas ) A quebra significa o tempo que leva para evaporar a água , ao ar livre. Há dois tipos básicos de emulsões asfálticas : As emulsões aniônicas - funcionam melhor com agregado de natureza básica, tais como calcários e dolomitas. As emulsões catiônicas - funcionam bem com qualquer tipo de agregado, mas principalmente os de natureza ácida, tais como granitos , quartizitos, etc. Estas emulsões são recomendadas especialmente para remendos e um macadame ( mesmo de outros tipos de asfalto ) , impermeabilizações, tintas, etc. Alcatrões Os alcatrões são também materiais constituintes predominatemente por betumes, mas que se apresentam, na temperatura ambiente, como líquidos oleosos de grande viscosidade. Tem cheiro de creolina, mais penetrante que o do asfalto, e são e são originados da destilação da lenha, madeira, turfa, lignito, graxas, etc. Principal diferença em relação aos asfaltos é a maior sensibilidade à temperatura : a faixa de utilização é menor, visto que aquecidos são mais moles e resfriados são mais duros. Também apresentam menor resistência as intempéries, porem apresentam melhor adesividade aos agregados e melhores características aglomerantes. A EB - 100 Classifica os alcatrões em 4 tipos : AP - 1 , AP - 2 , AP - 3 , AP - 4
  22. 22. Materiais de Construção II PUC Minas 22 Há dois processos básicos para a obtenção dos alcatrões : a ) aplicação de calor sem acesso de ar, em coquerias b ) combustão parcial da hulha com acesso de ar e vapor, em retortas. Pixe e Breu Viu-se que , depois da destilação o alcatrão bruto, resulta em pixe. O pixe também pode ser obtido dos asfaltos impróprios para refino. São misturas de apenas 11 a 17 % de betume, com muita argila, pedrisco, etc. Por essa razão apresentam qualidades inferiores aso alcatrões. O pixe é sólido a temperatura ordinária , e quando funde, o faz desuniformemente deixando muitos nódulos ou grãos no seu seio. Principais propriedades dos materiais Betuminosos O betume é solido em temperatura inferior a 10° C , viscoso dai até os 50°C , quando então funde. Arde com chama longa e fumo espesso. Seu peso específico varia entre 1 a 1,2 Kg / dm3 , ou seja, densidade quase igual a da água. O asfalto varia conforme o teor de betume e origem da rocha impregnada. Pode-se até determinar a origem de um asfalto pelo exame da areia e argila que lhe vem misturadas, em peso, essa matéria inerte pode chegar até a 50 % do total. Sua consistência pode ir desde os bastante duros até os duros, que são os pixes. Via de regra, quando mais duros, mais quebradiços serão. Os materiais que influenciam na escolha dos materiais betuminosos são dureza, ponto de amolecimento, viscosidade, ductibilidade, densidade e ponto de fulgor. Dureza Essa propriedade é tão importante para os asfaltos que as normas servem-se dela para classifica-los. A dureza é medida pelo índice de penetração , de acordo com o MB-107 Por este processo um agulha padrão ( diâmetro de 1 a 1.2mm , mas com ponta ) é colocada sobre uma amostra do material , na temperatura de 25°C , durante 5 segundos. A carga que atua de 100 gramas. O aparelho de ensaio é similar ao de vicat. A média da penetração da agulha em décimos de milímetros dá o índice de penetração. A norma recomenda também ensaios a 0 °C , com 200g , durante 60 segundos, e a 1°C , com 50 gramas, durante 5 segundos. O método detalha bastante a maneira de se preparar a amostra , a fim de se obter uniformidade. Ponto de amolecimento Como os asfaltos amolecem a temperatura relativamente baixas, há grande interesse em conhecer esse ponto, tanto para utilização como para o preparo. A temperatura de amolecimento dos asfaltos CAN e CAP deve se situar entre 36 e 62 °C, conforme a classe e o tipo. O ponto de amolecimento acompanha a progressão da dureza.
  23. 23. Materiais de Construção II PUC Minas 23 O ensaio é padronizado pelo MB-164 - ponto de amolecimento de materiais betuminosos pelo método do anel e bola. A amostra é fundida em um molde que consiste em um anel de latão com diâmetro interno de 15,9mm. Esse anel é depois suspenso no interior de um recipiente com etileno glicol, água destilada ou glicerina. Esse material é escolhido em função da temperatura a ser alcançada. Sob o anel é colocado um suporte apropriado. Sobre a amostra é colocada uma bola de aço pesando entre 3,45 e 3,55 g , com diâmetro de 3/8 de polegada. O conjunto é então aquecido, fazendo com que a amostra amoleça dentro do anel. E ceda ao peso da bola. Com isso ela penetra até a base do suporte, que dista 24,5 mm do anel. Ponto de amolecimento é a temperatura do conjunto quando a bola chega a base. Viscosidade Chama-se viscosidade à resistência oposta por um fluído à deformação, sob ação de uma força. O ensaio é feito pelo viscosimento de Saybolt-Furol. É o tempo, em segundos, que leva para que 60 cm3 de amostra passem através de um orificio-padrão. Quanto maior o tempo, mais próxima do sólido estará. Deve ser indicado, na viscosidade Saybolt-Furol à temperatura de ensaio. Não é um método muito preciso. Ductibilidade A ductibilidade, nos asfaltos, é um bom índice com relação ao fissuramento. O ensaio é feito para se conhecer quanto o material pode se dilatar sem fissurar. O MB-167 recomenda amostras de forma padronizada ( forma de oito ) , com a seção mínima, no centro, de 1 cm2 . A amostra é imersa em água a 25°C , e tracionada a uma velocidade determinada, para ver quantos milímetros se estende antes de romper. Densidade A densidade dos asfaltos e alcatrões varia de 0,9 a 1,4 mas a maioria fica entre 1 e 1,1 g/cm3 . É determinada pelo processo da ASTM , a 25°C/25°C , isto é , tanto o material em ensaio como a água em que é imerso durante a operação devem estar a 25°C. A medida da densidade serve para averiguar a uniformidade do material e também seu teor de impureza. Ponto de fulgor É importante para o manuseio dos materiais betuminosos, porque em temperatura acima dessa há perigo do material inflamar. O ponto de fulgor é a temperatura na qual, durante o aquecimento, os vapores desprendidos se inflamam ao contato com um chama , mesmo que seja temporariamente. O MB - 50 fornece o processo do vaso aberto cleveland. Em principio, o método Cleveland se resume em colocar a amostra em uma cuba de ensaio , e depois aquecê-la aos poucos. Sobre a amostra então passa-se a intervalos determinados, uma pequena chama, até haver lampejos provocados pela inflamação dos vapores da amostra
  24. 24. Materiais de Construção II PUC Minas 24 Outras propriedades Além dos citados anteriormente , há outros atributos que interessam. É o caso da evaporação dos materiais voláteis. A evaporação é um fenômeno superficial, mas que com o tempo se transforma em total, Por efeito do equilíbrio de conjunto. Todavia em alguns casos, a evaporação superficial cria uma capa dura que resiste à evaporação interna. O ensaio de solubilidade, em bissulfeto de carbono e tetracloreto de carbono, dá a quantidade de betume puro ( betume total ) existente na amostra.
  25. 25. Materiais de Construção II PUC Minas 25 Tintas e vernizes 1 - Funções Compreendem-se Por tintas e vernizes qualquer material de revestimento, de consistência liquida ou pastosa apto a cobrir, proteger e colorir a superfície de um objeto. 2- Classificação 2.1 - Quanto ao uso Podem ser brilhantes ou opacas, transparentes ou não, coloridas ou incolores, apresentar resistência a agentes agressivos. 2.2 - Quanto a função 2.2.1 - Principais Proteger Embelezar 2.2.2 - Outras Sinalização Identificação e propaganda 3 - Uso O técnico deve usar racionalmente as cores de modo a criar reações subjetivas pré determinadas nas pessoas que visualizarem a pintura. A isto se chama “Aplicação funcional das cores”. Cores diferentes despertam emoções diferentes, assim temos : - Vermelho, laranja e o amarelo são chamadas cores quentes. São cores excitantes, vibrantes. - Verde , azul-claro são chamadas cores frias. Dão sensação de tranqüilidade e monotonia. - Azul - escuro e o cinza inspiram quietude e suavidade. As cores escuras dão maior sensação de peso aos objetos , enquanto que as cores claras dão maior dimensão as superfícies as quais são aplicadas. 4 - Processamento da Pintura Várias são as superfícies a serem pintadas. Uma classificação simples é a seguinte: - Madeira - Alvenaria - Concreto
  26. 26. Materiais de Construção II PUC Minas 26 - Metais ferrosos - Metais não ferrosos ( alumínio, zinco, estanho e cobre ) 5 - Etapas para se realizar uma pintura 5.1 - Preparação da superfície 5.2 - Aplicação eventual de fundo, massas e condicionador 5.3- Aplicação de tinta de acabamento OBS.: Na aplicação de tintas sobre madeira não se deve aplicar fundo. 5.1 - Preparação das superfícies Uma superfície preparada e aquela limpa, seca, lisa e geralmente plana A limpeza dos metais se dá : a - Métodos mecânicos - Abrasão - manual ou mecânica - uso de lixas, escovas de aço , etc. - Chama - o aparelho é um conjunto de bicos que produzem um chama de alta temperatura - Jato de areia - Utilizada para remoção de ferrugem grossa; b - Métodos químicos -Limpezas Por solventes - método antigo usando gasolina e querosene -Limpeza alcalina - Soda caustica - Limpeza por emulsão - solventes derivados de petróleo 5.2 - Fundos, massas e condicionador Os fundos são aplicado: a) Para melhorar a adesão da tinta de acabamento b) Para isolar a superfície da tinta de acabamento com o objetivo de aumentar o seu rendimento. c) Para inibir o desenvolvimento da ferrugem . Ex. : zarcão 5.3 - Tintas As tintas são um suspensão grosseira de pigmento ( pó sólido colorido ) no veículo ( material líquido em que o pó esta emulsionado ). No veículo temos a parte volátil e a não volátil. 5.3.1 - Diferença entre tinta brilhante e fosca
  27. 27. Materiais de Construção II PUC Minas 27 Tinta brilhante : Rendimento médio : 55 - 65 m2 /galão/demão Constituição : 10% de solvente , 65% não voláteis , 25% Pigmento Tinta fosca : Rendimento Médio : 35 - 40 m2 /galão/demão Constituição : 25% de solvente , 25% não voláteis , 50% Pigmento Pigmento Todo corpo formado de elementos opacos, de estrutura amorfa e particularmente fira. Podem ser naturais ou sintéticos, orgânicos ou inorgânicos. Alem de dar corpo as tintas, dão cor , aparência e reforçam a ação protetora principalmente quanto aos raios ultra violetas. Principais pigmentos: - Brancos : óxidos de titânio, óxido de zinco, litopone ( ZnS + BaSo4) - Azuis : Azul da - prússia , azul ftalocianina -Amarelos e laranjas - Cromatos de chumbo , amarelo de cádmo, óxido de ferro amarelo. -Pretos : negro de fumo, óxidos de ferro preto -Vermelhos : Vermelho de cloroparanitroanilina, vermelho de toluidina, Lito rubine. -Verdes : óxido de cromo verde, misturas de amarelo e azul. -Marrons : óxido de ferro marrom Veículos Parte líquida das tintas. Constituído de uma parte volátil e outra não volátil. A parte volátil facilita a aplicação e por evaporação facilita a secagem. A parte não volátil é o ligante ou aglomerante formador da película, em geral são óleos ou resinas secantes. A secagem se da não só pela evaporação dos voláteis, mas também, pela pega e endurecimento dos óleos secantes ( oxidação do óleo ) Principais veículos a ) Sistema que sofrem oxidação e polimerização - Óleos secantes - óleo de linhaça , óleo de tungue, óleo de mamona desidratado - apresenta elasticidade e durabilidade. -Resinas alquídicas - médias e longas em óleo - aumentam a durabilidade das tintas a óleo, propagam a duração do brilho, sem sacrifício da elasticidade. B) Sistema que sofre polimerização -Resinas fenólicas - melhoram a adesão quando adicionadas a outras resinas. -Resinas epóx - Grande resistência a ácidos e bases fracas e médias. -Resinas Vinilicas - mais permeáveis
  28. 28. Materiais de Construção II PUC Minas 28 -Resinas uréia-formaldeidos - Resistência a ácidos e bases - Siliconas - repelentes a água e resistentes a elevadas temperaturas. C ) Sistema que não sofrem transformações químicas. -Resinas derivadas de celulose - Boa dureza e durabilidade - Resinas de borracha sintética - resistência excepcional a álcalis e boa a ácidos -Resinas vinílicas polimerizadas - preço elevado Diluentes e solventes voláteis Os mais freqüentes são ; a) hidrocarbonetos alifático b) hidrocarbonetos aromáticos c) Thinners Cargas A maioria das pinturas de cor contém fillers minerais, conhecido como pigmentos carga ou estendedores. São de uso corrente o talco ( silicato de magnésio), o gesso , sulfato bário, caulim e principalmente carbonato de cálcio. 5.4 - Vernizes Os vernizes são produtos de consistência líquida ou semilíquida que, espalhado sobre um objeto, deixam uma camada fina, brilhante , transparente, incolor ou colorida, de modo a proteger de modo durável o suporte. A secagem se da pela evaporação do solvente Os vernizes podem ser agrupados em 4 classes: a) vernizes gordos : constituído de um óleo secante , uma resina e um diluente; b) vernizes a solventes voláteis : contem pequenas quantidades de óleos e plastificantes; c) vernizes celulósicos : formados de um ou mais ésteres celulósicos, um plastifcantes e solventes; d ) vernizes negros betuminosos : não são transparentes e são formados por betumes naturais quase sempre com óleos e resinas. 6 - Controle de qualidade das tintas 6.1 - método de exposição acelerada São pintados painéis e submetidos à ação de luz e de radiação ultravioletas emitidas por um voltáico de carbono, e á ação de um chuveiro d’água. Depois de um mês da para perceber qual e as tintas mais duráveis.
  29. 29. Materiais de Construção II PUC Minas 29 - 6.2 - método de exposição ao tempo Consiste esse método em por-se os painéis de madeira sem nós, pintados, em cavaletes inclinados 45° em relação ao chão, dispostos na direção leste-oeste e de modo a receber o máximo de incidência solar durante o dia. O tempo de durabilidade média de uma tinta em condições reais, é igual ao tempo de exposição em cavalete ( inicio até o aparecimento da primeiras falhas ) multiplicado por três ( 3 ) . 7 - Defeitos das tintas a) geleificação Este defeito pode ocorrer quando se expõe a tinta ao calor. Em temperatura acima da temperatura ambiente; b) Existência de sedimento duro Para que a tinta fique própria ao uso deve-se homogeneizá-la, contudo depois de muito mexer o sedimento ainda permanecer , isto pode ser considerado um defeito; c) Não mexer a tinta Se houver um esquecimento e não mexer a tinta , isto gera defeitos ao aplicar a tinta. No inicio a pintura fica parecendo um verniz quase sem pigmento e no fim fica fosca; d) Diluição em demasia Abaixa a viscosidade e sua viscosidade tornando-se baixa a tinta fica sem cobertura; e) Tinta muito grossa Leva o pintor a aplicar a tinta em grossas camadas com isso, o espalhamento não é perfeito; f ) Tintas pobre em cobertura Diluição demasiada, pintura de cor clara sobre cor escura , certos pigmentos são transparentes; g) A tinta encrespa ou enruga
  30. 30. Materiais de Construção II PUC Minas 30 Deve-se dar demãos sempre finas e só aplicar nova demão quando a anterior estiver completamente seca; h) A tinta não seca Falta de secante , secante foi absorvido pelo pigmento , pintura sobre óleos, graxas; i) Perda do brilho A perda do brilho precoce, pode ser proveniente de absorção intensa do veículo da tinta. Materiais de fibra prensada, como Eutalex provocam este defeito. Pode evitar dando uma demão prévia de selador com o objetivo de tapar os poros; j) Falta de adesão Aplicação da tinta sobre superfície inadequada k) Desenvolvimento de mofo Tintas a óleo são um substrato natural para o desenvovimento de mofo; l) gretamento e fendilhamento Gretamento : veículo pouco elástico , aplicação de tintas exclusivamente de interiores em exteriores , aplicação de um filme menos elástico sobre um mais elástico. Fendilhamento : madeira úmida , falta de elasticidade.
  31. 31. Materiais de Construção II PUC Minas 31 Vidro 1- Constituição do vidro O vidro é um material complexo , que pode ser considerado como um solução sólida de silicatos alcalinos-Terrosos em silicatos simples e mais fusíveis. A sílica , às vezes, é substituída por B2O3 ou outros anidridos, podendo conter ainda materiais pesados ( geralmente chumbo ). Vidro ordinário a fórmula simples 5 SiO2 . CaO . Na2O O cristal 6 SiO2 . CaO . Na2O 2- Propriedades 2.1 - Densidades -Cristal ordinário - 3,33 -Vidro para óculos - 2,46 -Vidro ordinário - 2,53 - Vidro para garrafas - 2,64 2.2 - O vidro é mau condutor de calor e de eletricidade 2.3 - Porosidade aos gases e líquidos é nula 2.4 - calor específico é e 5 a 10 vezes o calor da água 2.5 - grande resistência química 2.6 - ácido fluorídrico ataca o vidro 2.7 - coeficiente de dilatação 9 . 10-5 2.8 - Propriedades mecânicas -módulo de elasticidade : 75000 5000 MPa -Tensão de ruptura à flexão: Para vidro recozido : 40 MPa 5 MPa Para vidro temperado : 180 MPa 20 MPa -Coeficiente de Poisson : 0,22 -Dureza entre 6 e 7 da escala de Morhs -Tensão de ruptura à compressão : 2000 a 6000 Kgf / cm2 2.9 - Propriedades térmicas - Coeficiente de dilatação linear entre 20 e 220 °C --- Alfa = 88.10-7 -Coeficiente de condutibilidade térmica a 20°C ---- K = 0,8 a 1 Kcal/mh°C -Calor específico entre 20 a 100°C --- c = 0,19 Kcal / Kg.°C
  32. 32. Materiais de Construção II PUC Minas 32 3 - Classificação de acordo com a NB - 226 3.1) Quanto ao tipo : a) Vidro recozido - Após a saída do forno não recebe tratamento térmico ou químico b) Vidro de segurança temperado : recebe tratamento térmico, através do qual foram introduzidas tensões adequadas. Ao partir-se desintegra-se em pedaços menos cortantes; c) Vidro de segurança armado : contem fios metálicos incorporados a chapa de vidro; d) Vidro térmico absorvente - absorve pelo menos 20% dos raios infravermelhos , com isto tens-se redução de calor transmitido; e) Vidro de segurança laminado - composto por várias chapas de vidro, unidas por películas aderentes; f) Vidro composto : formados por várias chapas unidas pelas bordas, com espaço entre as chapas contendo gás destilado. Tem a finalidade de isolante térmico. 3.2 - Quanto a forma a) chapa plana b) chapa curva c) chapa perfilada d) chapa ondulada 3.3 - Quanto a transparência a) vidro transparente - Transmite perfeitamente a luz b) vidro translúcido - Transmite a luz em vários graus de difusão. Não permite visão perfeita c) vidro opaco - impede a passagem da luz 3.4 - Quanto à coloração a) vidro incolor b) vidro colorido 3.5 - Quanto a colocação a) em caixilhos b) em portantes c) mista 3.6 - Quando ao acabamento a) vidro liso - transparente , apresentando leve distorção de imagem b) Vidro polido - transparente , permite visão sem distorção c) vidro impressão( fantasia ) - na fabricação há impressão de desenhos d) vidro fosco - Translúcido, pelo tratamento químico e) vidro espelhado - reflete totalmente os raios luminosos
  33. 33. Materiais de Construção II PUC Minas 33 f) vidro gravado - apresenta ornamentos nas suas superfícies ( tratamento químico ) g) vidro esmaltado - ornamento através da aplicação de esmalte vitrificável h) vidro termo-refletor - colorido e refletor pelo tratamento químico feito a alta temperatura. 4 - Usos a) envidraçamento b) paredes c) coberturas d) concreto translúcido ( lajes ) e) isolamento térmico. De acordo com a NB - 226 , pode -se adotar os seguintes valores de tensão admissível: Vidro recozido - 13 MPa 2 MPa 150 Kgf / cm2 Vidro temperado – 60 MPa 4 MPa 300 Kgf / cm2 De acordo com HERZO - GENRATATH a espessura do vidro pode ser calculada : *2 . . 22 pc ba ba e e = espessura da chapa a e b = dimensões dos lados da chapa apoiada Pc = pressão de cálculo , tendo em vista a pressão do vento e peso próprio. = Tensão admissível
  34. 34. Materiais de Construção II PUC Minas 34 Plásticos 1- Definição Plástico define um material deformável, porém no uso comum, plástico são materiais capazes de serem moldados nas mais diversas formas, por deformação plástica. 2 - Vantagens e desvantagens Vantagens - fácil fabricação , baixa densidade, resistente a corrosão , isolantes elétricos , isolentes térmicos. Desvantagens - Baixo resistência , dimensões instáveis, termicamente instáveis, sujeitos a deterioração ao ar e ao sol. Dificuldade de reparação quando danificados, custo elevados 3 - Principal tipos de plásticos a) Polietileno - É dúctil, termo plástico, é um dos mais simples do ponto de vista químico. Matéria prima : C2H4 - etileno Propriedades : massa específica : 0,92 Kg / dm3 resistência a tração : 100 Kg/ cm2 Alongamento : 120 % módulo de Elasticidade : 1400 Kgf / cm2 Calor específico : 0,55 b) Poliestireno O monômero é obtido a partir do etil benzeno, que, por sua vez , provem da relação entre o benzeno e o etileno. Monômero : uma pequena molécula , que condensando-se com outras , forma uma grande molécula que é o Polímeros. Propriedades : massa específica : 1,05 Kg / dim3 Resistência a tração : 350 Kgf / cm3 Alongamento : 1,2 % Modulo de elasticidade 3500 Kgf / cm2 c) Cloreto Polivinílico É um plástico sintético muito importante, termoplástico, duro, metálico mas que, com agentes modificadores, pode ser amadurecido e flexibillizado.
  35. 35. Materiais de Construção II PUC Minas 35 Conhecido como PVC Propriedades: massa especifica : 1,4 Kg / dm3 resistencia à tração : 500 Kgf / cm2 d) Plásticos acrílicos São resultantes da polimerização de compostos derivados do ácido acrílico. LUCITE E PERSPEX e) Plásticos de celulose Plásticos é um material fibroso encontrado em produtos naturais, tais como madeira e algodão. Composição : C6H10O5
  36. 36. Materiais de Construção II PUC Minas 36 Referência Bibliográfica [1] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS: Normas NBR : Ensaios de materiais de construção. Rio de Janeiro. [2] BAUER,LUIZ ALFREDO FALCÃO. Materiais de Construção. 3.ed. Rio de Janeiro- vol1 e vol2: LTC, 1997 [3] PETRUCCI, ELADIO G.R..Concreto de cimento Portland. 11.ed. Rio de Janeiro: Globo,1987. [5] PLANCA, JOÃO BAPTISTA. Manual do construtor : materiais de construção e técnicas construtivas. 1. ed. Porto Alegre: Globo. 1973.

×