18 | Edição #34 |
capaShutterstock
19| www.viagenssa.com |
Com clima europeu e denominada capital nacional do
vinho, Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, invest...
20 | Edição #34 |
capa
A
quele que sabe degustar,
não bebe demasiado vi-
nho, mas desfruta de seus
suaves segredos”, já di...
21| www.viagenssa.com |
Gonçalves é “mezzo italiana, mezzo
brasileira”. Lembra um pedacinho
da Toscana, principalmente qua...
22 | Edição #34 |
produzem as receitas culinárias de
seus antepassados e dominam a
arte de fabricar vinho como poucos.
Tan...
23| www.viagenssa.com |
100 melhores do mundo), tintos, es-
pumantes, sucos de uvas integrais e
coolers. Uma das líderes n...
24 | Edição #34 |
capa • O MELHOR DO ENOTURISMO
Pequeno roteiro para degustar a Serra
Gaúcha com todos os sentidos
VINHEdO...
25| www.viagenssa.com |
AMENORVINÍCOLA
Sente na mesa e coma até se fartar na Torcello, a
menor vinícula do vale. O almoço ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

THE ART OF WINE MADE IN BRAZIL

268 visualizações

Publicada em

The pleasures of wine... and more!
Os prazeres do vinho e muito mais.

Wine tourism in Bento Gonçalves, sul do Brasil

Publicada em: Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
268
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

THE ART OF WINE MADE IN BRAZIL

  1. 1. 18 | Edição #34 | capaShutterstock
  2. 2. 19| www.viagenssa.com | Com clima europeu e denominada capital nacional do vinho, Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, investe cada vez mais nessa indústria, em seus derivados e no enoturismo, um segmento em ascensão no país. Percorrer a região, especialmente o Vale dos Vinhedos, é seguir o mapa do desfrute e uma festa para os sentidos, nas quatro estações • por Simone Galib OS PRAZERES DOVINHO... E MUITO MAIS!
  3. 3. 20 | Edição #34 | capa A quele que sabe degustar, não bebe demasiado vi- nho, mas desfruta de seus suaves segredos”, já dizia o pintor surrealista Salvador Dalí. E os bra- sileiros demonstram cada vez mais interesse em desvendar os misté- rios da bebida ancestral: essa in- dústria ganha fôlego e muita quali- dade no país, especialmente no Rio Grande do Sul. Em 2014, o estado processou mais de 605 milhões de quilos de uva, que resultaram em 374,4 milhões de litros de vinho e seus derivados, como o suco con- centrado. Porém, a chamada “ca- pital nacional do vinho” tem nome e sobrenome: Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, responsável por cer- ca de 29% da produção (28,3 mi- lhões de litros em 2014) do estado. Além dos vinhos finos, muitos de- les premiados internacionalmente, e de abrigar vinícolas tradicionais, como Aurora, Miolo e Salton, entre muitas outras, a região vem apos- tando, de forma muito profissional, no enoturismo e no turismo rural, segmentos também em expansão no Brasil e já consolidados no exte- rior. Os amantes do vinho, dos es- pumantes, da boa gastronomia e de belas paisagens costumam sair de lá muito bem servidos. Embora a indústria moveleira seja o setor mais rentável de sua economia, são os prazeres propor- cionados pelo vinho e tudo que gira ao seu redor os responsáveis por atrair à região cerca de 300 mil vi- sitantes por ano. Os sommeliers lo- cais costumam dizer que em Bento (como é chamada a cidade) pode- mos degustar com todos os nossos sentidos. Eles têm razão: visão, ol- fato, paladar, audição e tato são extremamente aguçados –mesmo para os não experts no assunto. Os produtores afirmam que o vinho “está ganhando asas no Brasil”. De fato, essa bebida transcendental é super tendência: de mercado, de comportamento (está muito pre- sente no cotidiano dos brasileiros e os espumantes já chegaram até as praias neste verão, por uma iniciati- va da Miolo) e até mesmo de saúde. Localizada a 120 km de Porto Alegre (cerca de uma hora de car- ro, dependendo do trânsito), Bento Um dos melhores programas em Bento Gonçalves é percorrer de bike as trilhas históricas e os vinhedos, interagindo com uma paisagem diferente a cada estação
  4. 4. 21| www.viagenssa.com | Gonçalves é “mezzo italiana, mezzo brasileira”. Lembra um pedacinho da Toscana, principalmente quan- do percorremos o Vale dos Vinhedos e observamos suas colinas repletas de parreirais, roseiras (“guardiãs” dos vinhedos, porque são as primei- ras a serem atingidas pelas pragas, dando o sinal de alerta) e suculen- tos cachos de uva, de todos os tipos, especialmente na vindima, a festa da colheita, no verão. Na região serrana se concentram mais de 70 empreendimentos, que constituem a Aprovale (Associação dos Produ- tores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos), criada para promover o desenvolvimento sustentável por meio do enoturismo. Somente o vale produz uma média anual de 10 milhões de garrafas de vinho. Pelas suas características únicas de solo, clima e topografia, ganhou re- conhecimento internacional como destino enoturístico e recebeu, em 2012, o certificado de Denominação de Origem (D.O), válido somente para os vinhos (brancos, espuman- tes ou tintos), produzidos em seu terroir – uma classificação ainda exclusiva no setor vinícola do país. VIVÊNCIASSABOROSAS Mas não é apenas a excelência dos vinhos finos que faz de Bento Gonçalves um lugar de personali- dade própria, habitado por gente muito hospitaleira, que não abre mão de uma boa prosa e da mesa farta, incluindo massas, carnes e aves deliciosas com direito a muitas taças de vinho, suco de uva e pre- ços honestos. Isso porque a região mantém o legado histórico, cultural e gastronômico deixado pelos imi- grantes que chegaram à Serra Gaú- cha em 1875, fugindo de uma Itália em profunda crise econômica, com o objetivo de encontrar o paraíso na América. Depois de uma longa e sofrida travessia, em que muitos morreram ou perderam seus filhos pelo caminho, quando o navio atra- cou em Porto Alegre, o sonho virou pesadelo: as famílias subiram a ser- ra a pé, durante 15 dias, enfrentan- do fome, frio e animais selvagens. Assim, nasceu o Vale dos Vinhedos, um lugar cheio de histórias, planta- das pelos italianos e cultivadas pe- los seus filhos e netos. Os imigrantes trabalharam ar- duamente, incorporando ao coti- diano seus costumes, como o cul- tivo da uva para consumo próprio e barris nos porões, as casas de pe- dras, o prazer em receber amigos, os valores familiares e a devoção religiosa. Hoje, netos e bisnetos re- Fotosdivulgação Instalações da Miolo, no Vale dos Vinhedos; a vinícola produz 12 milhões de litros de vinhos finos em suas três unidades, uma delas na Bahia
  5. 5. 22 | Edição #34 | produzem as receitas culinárias de seus antepassados e dominam a arte de fabricar vinho como poucos. Tanto as vinícolas contemporâneas, com tecnologia de ponta e produ- ção em larga escala, quanto as ar- tesanais, charmosas e convidativas, oferecem atrativos personalizados aos visitantes, que vão muito além da degustação. Há vivências sabo- rosas, como piqueniques embaixo das parreiras, almoços ou jantares em confortáveis edredons ao ar li- vre, degustação às cegas, podas e colheitas noturnas de uva, que se tornam ainda mais incríveis sob o luar da serra. A presença italiana é também marcante na fisionomia da população local e até no sota- que, que mescla o português com o dialeto de Vêneto, na Itália. Os vinhedos também incre- mentaram a infraestrutura turística e os serviços: existem ótimos hotéis (o Dall´Onder Grande Hotel tem ex- celente padrão), pousadas charmo- sas, ateliês de arte, trilhas históricas que podem ser percorridas de bike, restaurantes, fábricas de massas e diferenciados cookies, como a Zac- caron, bistrôs gourmet, trattorias e armazém para comer (e comprar) do bom e do melhor (caso da Mam- ma Gema, no complexo turístico Villa Michelon) e até mesmo um spa internacional, que oferece va- riados tratamentos à base de vinho. Outro fator positivo é que a região exibe um perfil diferenciado nas quatro estações. No verão, está toda florida e perfumada, com as parrei- ras carregadas de frutas e o aroma das uvas no ar. É tempo da colheita e de muito trabalho. Com a chegada do outono, a paisagem exibe tons de verde, dourado e vermelho, com as folhas caídas ao chão antes do pe- ríodo de dormência. E no inverno ganha ainda mais um toque euro- peu, com as baixas temperaturas e geadas, perfeitas para se degustar um bom vinho. A tranquilidade é do campo, o cenário, bucólico, mas há muita diversão em Bento Gonçal- ves. E os negócios borbulham! MADEINBRAZIL Fundada há 84 anos por 16 famí- lias italianas produtoras, oriundas da região de Vêneto, hoje a cooperativa da Vinícola Aurora reúne 1,1 mil fa- mílias, que devem colher cerca de 60 mil toneladas de uva na safra deste ano. Elabora 20 marcas, entre vinhos brancos (seu Moscatel figura entre os A vinícola Salton, no Vale dos Vinhedos, tem arquitetura inspirada em uma villa italiana e reserva boas surpresas àqueles que percorrem suas instalações AcaveprivédacentenáriaAurora,nocentrodeBentoGonçalves,equerecebecercade150milpessoasporano capa Fotosdivulgação FabianoMazzotti/divulgação
  6. 6. 23| www.viagenssa.com | 100 melhores do mundo), tintos, es- pumantes, sucos de uvas integrais e coolers. Uma das líderes no mercado nacional, também exporta para mais de 20 países, triplicando, em 2014, a receita, com faturamento de US$ 2,8 milhões, segundo o WinsOf Brasil, programa do Instituto Brasileiro do Vinho. Seus principais mercados no exterior são Reino Unido, Bélgi- ca, Alemanha, Estados Unidos, Ja- pão e França. Mas, aposta em novas fronteiras, como Japão, Hong Kong e Coreia do Sul, na Ásia. A Miolo, ou- tra peso pesado do setor, registrou, no primeiro quadrimestre de 2014, crescimento de 375% no fatura- mento das exportações em relação ao mesmo período do ano anterior, vendendo US$ 1,8 milhão. Com 1,2 mil hectares de vinhedos plantados (na Bahia, no Rio Grande do Sul, qua- se divisa com o Uruguai, e no vale), produz 12 milhões de litros de vi- nhos finos, espumantes, destilados e sucos de uva, que estão presentes em 32 países dos quatro continentes. E a expectativa de fechamento do semestre é faturar US$ 2,5 milhões com os produtos importados. Já a Aurora foi a pioneira em implantar um esquema profissional de recepção aos turistas, no final dos anos 1960, tornando-se a recor- dista da Serra Gaúcha em visitação: recebe cerca de 150 mil pessoas por ano em suas instalações dentro da cidade de Bento Gonçalves. Os vi- sitantes percorrem quatro quartei- rões, interligados por túneis subter- râneos, conhecendo todo o processo de elaboração do vinho. O trajeto é adaptado com rampas e elevador para cadeirantes. No final, podem ser provados alguns dos melhores produtos e há uma bem servida loja. A degustação e o tour são gratuitos. Outro delicioso passeio é conhe- cer os vinhedos da contemporânea vinícola Almaúnica, criada pelos irmãos gêmeos Magda e Márcio Brandelli, com foco no mercado na- cional, produzindo vinhos de mesa para o consumidor premium. Ali o que conta “é o charme da discrição e a qualidade”, afirma Brandelli. No vale, cada produtor tem o seu próprio nicho e estilos diversos. É o caso da centenária Salton, instalada em uma bela construção, com arqui- tetura inspirada em uma villa italia- na, dotada de completa infraestrutu- raparareceberturistasesommeliers. No interior, suas paredes exibem pin- turasrelembrandoahistóriadafamí- lia e do próprio vinho. Porém, o mais surpreendente ali é percorrer a cave da evolução, iluminada apenas por anjos em neon ao longo dos corredo- res. No final desse túnel do tempo, o impacto: uma sala, com uma grande mesa oval, uma mandala no teto da mesma proporção e cadeiras altas, que nos remetem a uma daquelas lendárias tabernas do rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda, com direito a trilha sonora e muitas taças de vinho. Um grand finale! Os vinhos Miolo envelhecendo nos barris de carvalho A tecnologia de ponta da Vinícola Alamaúnica, especialista em vinhos exclusivos e no cliente premium
  7. 7. 24 | Edição #34 | capa • O MELHOR DO ENOTURISMO Pequeno roteiro para degustar a Serra Gaúcha com todos os sentidos VINHEdODOMUNDO Instalada em uma ampla área verde em Bento Faria, distrito de Bento Gonçalves, a Dal Pizzol tem uma coleção de videiras, com uvas do mundo inteiro. O projeto, exclusivo na América Latina, foi inspirado pelo enólogo italiano Luigi Soini. A colheita dessas uvas dá origem a um vinho único, batizado de Vinumundi (vinho do mundo). Além disso, a vinícula tem outros rótulos (produz anualmente 300 mil garrafas de vinhos finos), um Ecomuseu, loja, restaurante e faz “degustação às cegas” com jantar, por R$ 130,00. www.dalpizzol.com.br CAMINHODASPEDRAS Oroteiro,de12quilômetros,resgataahistóriada imigraçãoitaliananaarquiteturaenoscostumes.As centenáriascasasdepedrahojeabrigammoinhos, cantinascoloniaiselojasdeartesanatoetc.Valem escalasnaCasadasOvelhas,quefabricaqueijos, iogurtesecriaosanimais;naCasadoErvaMate(foto acima)paraexperimentarumautênticochimarrão;ena CasaVanni,umbucólicorestaurante,comumcardápio diferenciadoàbasederisotosemassas.Esseroteiro, alémdeoutros,tambémpodeserfeitodebicicleta, umainiciativadaredeDall´Onder,quetemalgunsdos melhoreshotéisdaregiãoecriouumaboaestrutura paraquemamapedalar.www.caminhosdepedra.org.bre www.dallondergrandehotel.com.br PISANDOEMUVAS Uma experiência divertida, que inclui colheita, ao som de um coral cantando antigas músicas italianas, e que termina com um “merendin” (lanche típico) embaixo das parreiras é a proposta da simpática vinícula Cainelli. Os visitantes ainda podem passear entre os vinhedos de tuque-tuque (uma espécie de trator) e conhecer o museu, que a família mantém no 3º andar. E no final, pisar nas uvas que colheram para amassá-las. www.vinicolacainelli.com.br NestorForesti/divulgação FabianoMazzotti/divulgação SimoneGalib
  8. 8. 25| www.viagenssa.com | AMENORVINÍCOLA Sente na mesa e coma até se fartar na Torcello, a menor vinícula do vale. O almoço típico é servido em um aconchegante ambiente familiar. Seus vinhos são artesanais e costumam ser vendidos para clientes sob indicação. Ali, não deixe de prosear com o patriarca Remy Valduga (foto acima), de 74 anos, conhecido como o “senhor do conhecimento”. Já publicou sete livros, dá palestras nas escolas e recebe os turistas na vínicula. Ele sabe tudo sobre a vida, tradições e cultivo da uva. “Vinho e fé são o anestésico para a alma”, diz. www.torcello.com.br EDREDOMNOSPARREIRAIS Que tal fazer uma refeição sob as videiras? Pode ser o café da manhã, o almoço ou uma degustação romântica ao entardecer. O programa é da vinícola artesanal Cristofoli (a 15 minutos do centro de Bento Gonçalves), cuja cantina funciona hoje no porão da casa onde tudo começou, em 1896. A comida é farta, deliciosa, feita pela “mamma” e tem ótimos preços. Uma refeição com entrada, massa, polenta cremosa com galinha caipira e todos os vinhos para harmonização custa R$ 75,00 por pessoa. www.vinhoscristofoli.com.br COLHEITANOTURNA Outra vivência interessante no vale é colher uvas à noite, de preferência na lua cheia, oferecida pela Larentis Vinhos Finos (foto abaixo). O programa começa às 18h e André Larentis recebe os visitantes com muitas taças. Depois da degustação, munidos de avental, tesoura e lanterna na cabeça, os participantes colhem as uvas. O programa, delicioso, termina com um jantar, que inclui tábua de frios, um prato quente e vinhos, é claro. Custa R$ 120,00 por pessoa. larentis@larentis.com.br Viagens S/A foi à Serra Gaúcha a convite da Secretaria de Turismo de Bento Gonçalves, Aprovale e Dall´Onder Grande Hotel. Ásdeespadasfotografiacriativa Fotosdivulgação

×