ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO E
RASTREAMENTO
CONFERÊNCIA – PISCO – 8ª ETAPA
Profª Simone Almeida da Silva, MD, MFC, PhD
Profº R...
“Prevenção, em um contexto médico restrito, significa
evitar o desenvolvimento de um estado patológico. Em um
sentido mais...
O que a gente aprende na prática e
o que protocolos e diretrizes nos
orientam?
Dissonância
• “A dissonância cognitiva (conflito psicológico)
resultante entre as evidências científicas e as
crenças e at...
O desafio da prevenção
• É necessário fazer prevenção?
– Quando?
– Como?
– Por quê?
• Os perigos do preventivismo
– Segura...
História Natural de qualquer processo mórbido no homem
Prevenção
Prevenção
primária
Promoção da saúde Medidas Gerais que visam a redução, ou controle, da exposição
a determinados fatores ...
Nível de
prevenção
Fase da doença Alvo Exemplo
Promoção da
saúde
Condição de base que leva à
doença
População total
Grupos...
Indivíduos podem ser pouco beneficiados por
medidas preventivas, enquanto a população de
onde eles vêm pode se beneficiar ...
POPULACIONAL INDIVIDUAL
ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
Dirigida a indivíduos
de ALTO RISCO devido
a alguma exposição
Dirigida a ...
POPULACIONAL INDIVIDUAL
- Benefício potencialmente alto
- Mais motivação
- Fácil de envolver pessoal da
saúde
- Bom custo-...
- Impacto limitado em saúde pública
- Difícil de identificar indivíduos com
alto risco
- Efeito temporário; necessário rep...
Grau de Recomendação
DIRETRIZES E PROTOCOLOS
DIRETRIZES E PROTOCOLOS
DIRETRIZES E PROTOCOLOS
- Raciocínios diagnósticos: O maior motivo para que sejam realizados
testes/exames complementares é redefinir a probabilid...
- Raciocínios diagnósticos:
• Sensibilidade: é a capacidade do teste de detectar as pessoas com
a doença, ou seja:
a/a+c.
...
- Raciocínios diagnósticos:
• Valor preditivo positivo: é probabilidade de o indivíduo ter a doença quando
o teste for pos...
Principais Recomendações - Dislipidemia
Principais Recomendações - Dislipidemia
Principais Recomendações - Hipertensão
Principais Recomendações - Câncer
Principais Recomendações - Papanicolau
Principais Recomendações - Papanicolau
Principais Recomendações - Mamografia
Principais Recomendações - PSA
Principais Recomendações
Sangue oculto X Colonoscopia X Sigmoidoscopia
Principais Recomendações
Sangue oculto X Colonoscopia X Sigmoidoscopia
Principais Recomendações
Sangue oculto X Colonoscopia X Sigmoidoscopia
Rastreio
• Caçar a doença?
• Ou achar pessoas que possivelmente podem
apresentar a doença?
Estrategias de Prevencao e Rastreamennto
Estrategias de Prevencao e Rastreamennto
Estrategias de Prevencao e Rastreamennto
Estrategias de Prevencao e Rastreamennto
Estrategias de Prevencao e Rastreamennto
Estrategias de Prevencao e Rastreamennto
Estrategias de Prevencao e Rastreamennto
Estrategias de Prevencao e Rastreamennto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estrategias de Prevencao e Rastreamennto

573 visualizações

Publicada em

Aula ministrada para curso de graduação em Medicina da UNICID, abordando o tema de prevenção primária e secundária, níveis de recomendação de testes de rastreamento.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
573
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estrategias de Prevencao e Rastreamennto

  1. 1. ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO E RASTREAMENTO CONFERÊNCIA – PISCO – 8ª ETAPA Profª Simone Almeida da Silva, MD, MFC, PhD Profº Renato Walch, MD, MFC, Especialista em Dor
  2. 2. “Prevenção, em um contexto médico restrito, significa evitar o desenvolvimento de um estado patológico. Em um sentido mais amplo, refere-se à limitação da progressão de doenças em qualquer fase de sua evolução.” (Clark e MacMahon,1981)
  3. 3. O que a gente aprende na prática e o que protocolos e diretrizes nos orientam?
  4. 4. Dissonância • “A dissonância cognitiva (conflito psicológico) resultante entre as evidências científicas e as crenças e atitudes acaba gerando um estresse muito grande no médico e no paciente e, muitas vezes, um problema ético” (p. 631). STEIN, A. T.; ZELMANOWICZ, A. D. M.; FALAVIGNA, M. Rastreamento de Adultos para Tratamento Preventivo. In: DUNCAN, B. B.;SCHMIDT, M. I., et al (Ed.). Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4a. Porto Alegre: Artmed, 2013. cap. 66, p.631-639.
  5. 5. O desafio da prevenção • É necessário fazer prevenção? – Quando? – Como? – Por quê? • Os perigos do preventivismo – Segurança e suporte – Primum non nocere (em primeiro lugar, não causar dano) – Custo-efetividade: Vamos pedir AngioRMN para todos?
  6. 6. História Natural de qualquer processo mórbido no homem Prevenção
  7. 7. Prevenção primária Promoção da saúde Medidas Gerais que visam a redução, ou controle, da exposição a determinados fatores de risco, e evitam diversas doenças Proteção específica Medida Específica que visa a redução, ou controle, de fator de risco específico, que evita uma determinada doença Prevenção secundária Diagnóstico precoce e pronto atendimento Medidas que têm por objetivo curar ou evitar o progresso da doença, evitar a propagação de doenças transmissíveis, evitar complicações e sequelas, encurtar o período de incapacidade Limitação da invalidez Tratamento adequado para interromper o processo mórbido e evitar futuras complicações e sequelas. Provisão de meios para limitar a invalidez e evitar a morte. Prevenção terciária Reabilitação Reeducação e treinamento, físico, psíquico e social, para utilização máxima das capacidades restantes e readaptação, com o objetivo de proporcionar a melhor qualidade de vida possível frente às novas condições. Pré- patogênesePatogênese História Natural e níveis de prevenção
  8. 8. Nível de prevenção Fase da doença Alvo Exemplo Promoção da saúde Condição de base que leva à doença População total Grupos selecionados Saneamento básico Dieta Proteção específica Fator causal específico População total Grupos selecionados Indivíduos saudáveis Sal iodado Redução exposição ao chumbo Imunização Secundária Estágio inicial Pacientes Função pulmonar/tabagismo Rastreamento Terciária Estágio tardio Pacientes Transplante de fígado Monitoramento DPOC Níveis de prevenção
  9. 9. Indivíduos podem ser pouco beneficiados por medidas preventivas, enquanto a população de onde eles vêm pode se beneficiar muito, em termos de redução de risco Paradoxo da prevenção Indivíduos podem ser muito beneficiados por medidas preventivas, enquanto a população de onde eles vêm pode se beneficiar pouco, em termos de redução de risco
  10. 10. POPULACIONAL INDIVIDUAL ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO Dirigida a indivíduos de ALTO RISCO devido a alguma exposição Dirigida a toda a população com o objetivo de reduzir o risco médio ♦ estimativa do efeito da intervenção  RAp
  11. 11. POPULACIONAL INDIVIDUAL - Benefício potencialmente alto - Mais motivação - Fácil de envolver pessoal da saúde - Bom custo-benefício - Benefício potencial para toda a população - Reconhece influências sociais no comportamento individual - Mais radical Vantagens Estratégias de prevenção
  12. 12. - Impacto limitado em saúde pública - Difícil de identificar indivíduos com alto risco - Efeito temporário; necessário repetir estratégia quando novos indivíduos entram para o grupo de alto risco - Não dá conta das influências no comportamento - Pequeno benefício para o indivíduo - Atenção igual aos indivíduos com alto risco e àqueles com baixo risco - Difícil de motivar pacientes e profissionais Desvantagens POPULACIONAL INDIVIDUAL Estratégias de prevenção
  13. 13. Grau de Recomendação
  14. 14. DIRETRIZES E PROTOCOLOS
  15. 15. DIRETRIZES E PROTOCOLOS
  16. 16. DIRETRIZES E PROTOCOLOS
  17. 17. - Raciocínios diagnósticos: O maior motivo para que sejam realizados testes/exames complementares é redefinir a probabilidade de uma doença e eles devem ser empregados quando o resultado determina diferente conduta. - Validade de um teste/exame é feita sempre em comparação a outro, considerado o “padrão-ouro” para o diagnóstico de determinada patologia. A partir dos resultados do teste e da comparação com o “padrão-ouro”, define-se a seguinte tabela: Doentes Não doentes Teste positivo a b Teste negativo c d Conceitos fundamentais para a análise crítica das evidências
  18. 18. - Raciocínios diagnósticos: • Sensibilidade: é a capacidade do teste de detectar as pessoas com a doença, ou seja: a/a+c. • Especificidade: é a capacidade do teste de detectar os não doentes, ou seja: d/b+d. Doentes Não doentes Teste positivo a b Teste negativo c d
  19. 19. - Raciocínios diagnósticos: • Valor preditivo positivo: é probabilidade de o indivíduo ter a doença quando o teste for positivo, ou seja: a/a+b. • Valor preditivo negativo: é a probabilidade do indivíduo não ter a doença quando o teste for negativo, ou seja: d/d+c. Doentes Não doentes Teste positivo a b Teste negativo c d
  20. 20. Principais Recomendações - Dislipidemia
  21. 21. Principais Recomendações - Dislipidemia
  22. 22. Principais Recomendações - Hipertensão
  23. 23. Principais Recomendações - Câncer
  24. 24. Principais Recomendações - Papanicolau
  25. 25. Principais Recomendações - Papanicolau
  26. 26. Principais Recomendações - Mamografia
  27. 27. Principais Recomendações - PSA
  28. 28. Principais Recomendações Sangue oculto X Colonoscopia X Sigmoidoscopia
  29. 29. Principais Recomendações Sangue oculto X Colonoscopia X Sigmoidoscopia
  30. 30. Principais Recomendações Sangue oculto X Colonoscopia X Sigmoidoscopia
  31. 31. Rastreio • Caçar a doença? • Ou achar pessoas que possivelmente podem apresentar a doença?

×