Abordagem Familiar

846 visualizações

Publicada em

Aula ministrada para alunos de graduação em medicina da UNICID sobre abordagem familiar, englobando ciclo de vida, genograma e rede social.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
846
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Abordagem Familiar

  1. 1. ABORDAGEM FAMILIAR PISCO - 8ª ETAPA UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  2. 2.  Que famílias são essas?  Que características possuem? UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  3. 3. PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS  1967: PNAD  Realizada anualmente  Pesquisa os temas: habitação, rendimento, trabalho e a associação desses temas com aspectos demográficos e educacionais UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  4. 4. Distribuição etária da população. Brasil, 1992 e 2007 UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  5. 5. Taxa de Fecundidade Total Definição:  Número médio de filhos nascidos vivos, tidos por uma mulher ao final do seu período reprodutivo (15 a 49 anos), na população residente em determinado local e ano.  O decréscimo da taxa pode estar associado a vários fatores: melhoria do nível educacional, ampliação do uso de métodos contraceptivos, maior participação da mulher na força de trabalho. Ministério da Saúde (datasus), 2008 UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  6. 6. Taxa de fecundidade total. Brasil, 1992 a 2007 UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  7. 7. Distribuição dos arranjos familiares
  8. 8. Famílias de casais com filhos chefiadas por mulheres UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  9. 9. Estruturas familiares e o novo papel social da mulher  O aumento da proporção de domicílios chefiados por mulher guarda estreita relação com o aumento da participação feminina no mercado de trabalho.  O que provocou mudanças nas características dos domicílios brasileiros alterando as relações tradicionais de gênero: mulher cuidadora e homem provedor.  Um dos indicadores dessas mudanças é o aumento da contribuição da renda das mulheres na renda das famílias. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  10. 10. Instrumentos de abordagem familiar
  11. 11. Abordagem da Família  Promoção de um melhor cuidado através da integralidade e do contexto.  O primeiro nível do cuidado e da resolução dos problemas de saúde das pessoas ocorre através do autocuidado e da busca de respostas dentro dos recursos próximos, como a família e a comunidade. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  12. 12. PORQUE TRABALHAR COM A FAMÍLIA?  É O PRIMEIRO GRUPO DE QUE O INDIVÍDUO PARTICIPA E QUE CONTINUA A INFLUENCIÁ-LO DIRETAMENTE DURANTE TODA A VIDA  É FUNÇÃO DA FAMÍLIA PROMOVER O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DE SEUS MEMBROS.  O ENVOLVIMENTO DA FAMÍLIA MULTIPLICA RECURSOS.  INFORMAÇÕES COLHIDAS DE VÁRIOS FAMILIARES TORNA O DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO MAIS FIEL .  A CONSTRUÇÃO DE UM PLANO TERAPÊUTICO ENVOLVENDO A FAMÍLIA TORNA A INTERVENÇÃO MAIS EFETIVA. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  13. 13. Instrumentos  Tecnologia leve: característica da atenção primária.  A abordagem da família não se reduz aos instrumentos, mas pode ser facilitada por eles.  Podem ser utilizados por toda equipe.  CICLO VITAL (dinâmica familiar)  GENOGRAMA  REDE SOCIAL/ECOMAPA  REUNIÃO DE FAMÍLIA UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  14. 14. Ciclo Vital da Família Crises previsíveis  Crises evolutivas: exigem mudança na organização da família, ajustes dos membros ao longo do tempo e podem ser o precipitante de transtornos físicos e psíquicos.  Podem de alguma maneira ser ‘previstas’ e trabalhadas pela equipe com seus pacientes. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  15. 15. Ciclo Vital da Família Crises previsíveis  Adulto jovem independente: Construção da autonomia emocional e financeira.  Casamento: formação da família nuclear, construção de regras próprias de funcionamento.  Nascimento do primeiro filho: mudança no padrão de relacionamento. Modificação dos papéis. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  16. 16. Ciclo Vital da Família Crises previsíveis  Família com filhos pequenos: podem aparecer problemas com os outros filhos e com a nova organização da família.  Família com filhos adolescentes: pais e avós também estão envelhecendo. O adolescente tenta encontrar sua identidade. Flexibilidade. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  17. 17. Ciclo Vital da Família Crises previsíveis  Ninho vazio: Filhos saem de casa e os pais estão vivendo crises da meia idade. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  18. 18. Ciclo Vital da Família Crises Acidentais  São aquelas crises que não podem ser ‘previstas’, mas que são relativamente comuns.  Mudanças de domicílio, desemprego, doença aguda e morte. ☻ Importante: criar redes de mobilização. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  19. 19. Genograma “Instrumento para incorporar categorias de informação familiar ao processo de resolução de problemas.” McGoldrick e Gerson UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  20. 20. GENOGRAMA ►Informações que traduzem de forma sintetizada:  Os antecedentes familiares;  Características socioculturais;  Rede de relações;  Fatores condicionantes dos problemas de saúde. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  21. 21. GENOGRAMA  Ao avaliarmos uma família, seu ciclo de vida, o genograma proporciona uma visão através de gerações.  Alguns padrões podem facilmente se repetir em várias gerações e podem ser abordados também nesta perspectiva. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  22. 22. GENOGRAMA  Tipo de informações que devem estar no genograma: - Traçado base com os membros daquela família, com identificação do caso índice. - Idade e doenças diagnosticadas. - Padrão de relação entre os membros: próxima, conflituosa, interrompida. - Tipo de trabalho, religião, ocupação de importância para o caso: rede social e de apoio. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  23. 23. GENOGRAMA – Traçado Estrutural Gênero Sujeito índice Casamento Filhos Falecimento Divórcio UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  24. 24. GENOGRAMA – Traçado Estrutural - Casal e Filhos - Mesma casa - Relações Interpessoais UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  25. 25. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  26. 26. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  27. 27. TRAÇADO DE REDE SOCIAL “ As fronteiras do indivíduo não estão limitadas por sua pele, mas incluem tudo aquilo que o sujeito interage – família, meio físico, relações de trabalho, inserção comunitária, práticas sociais.” Gregory Bateson UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  28. 28. TRAÇADO DE REDE SOCIAL UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  29. 29. TRAÇADO DE REDE SOCIAL  MAPA MÍNIMO (4 quadrantes): - Família - Amizades - Relações de trabalho ou escolares - Relações comunitárias, de serviço ou de credo. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  30. 30. TRAÇADO DE REDE SOCIAL  Três áreas: - Círculo interno: Relações íntimas (familiares diretos com contato cotidiano, amigos próximos); - Círculo intermediário: Relações pessoais com menor grau de compromisso (relações sociais ou profissionais com contato pessoal, mas sem intimidade; “amizades sociais”, familiares intermediários); - Círculo externo: Relações ocasionais (conhecidos de, trabalho, vizinhos, frequentadores de um mesmo círculo). UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  31. 31. TRAÇADO DE REDE SOCIAL  PERGUNTAS CHAVE: - “Quem são as pessoas importantes da sua vida?” - “Com quem vc conversou ou encontrou nesta última semana?” - “Quando vc está com vontade de visitar alguém, para quem vc liga?” - “Quem é, ou poderia ser, um ser um ombro para vc chorar?” - “Com quem vc se encontra regularmente?” UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  32. 32. Situações Clínicas em que a família deve ser envolvida  Paciente com doença orgânica crônica.  Paciente que não segue as orientações.  Paciente com doença aguda frequente.  Paciente Psicossomático.  Paciente com transtorno psiquiátrico. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  33. 33. Desafios  Entender a família com as quais vamos trabalhar.  Evitar diagnósticos simplistas, lidar com os nossos próprios preconceitos na tentativa de criar dinâmicas que favoreçam a autonomia.  Entender qual o papel esperado da Unidade de Saúde nesta relação familiar.  Discutir abertamente com a família as medidas necessárias para um melhor cuidado. UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva
  34. 34. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  Bruce B. Duncan; Maria Inês Schimidt; Elsa R. J. Giugliani. Medicina Ambulatorial – 3º edição.  Betty Carter; Monica McGoldrick. As Mudanças no Ciclo de Vida Familiar – 2º edição.  PROMEF – Ciclo 1 Módulo 1 UNICID 2015 - PISCO - Profª Dra. Simone A. da Silva

×