Caderno 3 aulas 17 e 18

459 visualizações

Publicada em

Socrátes, Platão, Aristóteles, M

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
459
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caderno 3 aulas 17 e 18

  1. 1. Filosofia
  2. 2.  Os princípios da política na Antiguidade remetiam a alegria, liberdade e companheirismo.  A Filosofia Política se desenvolveu pela primeira vez na Grécia antiga. Na pólis a prática da política era cotidiana, além disso todos os cidadãos se envolviam nos assuntos de interesse comum.  A ausência de participação do cidadão na política a institucionaliza, além de favorecer a corrupção e o autoritarismo, tornando a política um “mal necessário”.
  3. 3. Não se deve “abrir mão” da política, mas sim, pensá-la como parte integrante da existência do indivíduo e de suas escolhas éticas.
  4. 4.  A finalidade da política é proporcionar ao mesmo tempo justiça e felicidade, sendo um prolongamento da ética.  A justiça depende da consciência do indivíduo. A qualidade das leis da pólis depende das qualidades morais dos cidadãos.  “O Homem é um animal político”, é da natureza humana viver em sociedade. Sendo assim, precisamos um dos outros, ou seja, da amizade, esta se funda no desinteresse.  “Sem amigos, ninguém escolheria viver”.
  5. 5.  O homem aspira à autonomia e à autossuficiência, que seriam alcançadas por meio da vida virtuosa.  O único ser autônomo e autossuficiente é o primeiro motor, é deus.  Os homens podem, no máximo, tentar se aproximar da divindade, o que seria possível na amizade.  Uma vez que os amigos se ajudam mutuamente e sem interesses, forma-se um conjunto mais completo do que é cada indivíduo isolado.  Virtude: disposição verdadeira em praticar o bem, ética e moralmente.
  6. 6.  As formas de governo devem ter como objetivo o bem comum, são elas:  Monarquia - tirania  Aristocracia - oligarquia  Democracia – demagogia  Aristóteles dá preferência a um regime moderado, a politeia, em que o governo estaria nas mãos dos melhores cidadãos, intermediários entre ricos e pobres.
  7. 7.  Para Platão o Estado ideal era semelhante ao corpo humano e compõe-se de três partes: cabeça, peito e ventre. Respectivamente, razão, vontade e desejo.  Razão: sabedoria.  Vontade: coragem.  Moderação: deve ser controlado - moderação.
  8. 8.  Para Platão o Estado perfeito possui três características de cidadãos: 1) Os governantes – filósofos, pois, possuem a sabedoria. 2) Os guerreiros – protegem a cidade e são munidos de coragem. 3) Os trabalhadores - garantem o sustento da cidade.  Uma cidade justa deveria ter: educação para todos, inclusive mulheres, até os 20 anos de idade. A propriedade individual deveria ser extinguida, uma vez que é fonte de cobiça.
  9. 9.  A visão de política em Platão é, sobretudo, ética, uma vez que tem como princípio fazer o bem e depende da virtude dos governantes.
  10. 10.  Principal nome da Filosofia política na época do Renascimento.  Funcionário do governo na cidade de Florença, Itália.  Seus escritos refletem sua experiência política.  Sua principal obra foi o livro “O Príncipe” (1512). Uma espécie de manual sobre como governar com sucesso, como um governante pode assumir o poder e manter-se nele, apesar das adversidades.
  11. 11.  O livro “O Príncipe” transformou-se em referência na época do absolutismo monárquico, na medida em que suas ideias acabaram por justificar o exercício de práticas políticas autoritárias.  O príncipe deve contar com duas forças: a fortuna e a virtude.  A fortuna é instável, não se pode confiar nela todo tempo, mas ela pode ser conquistada pela força, e isso é atributo dos audaciosos: “Estou convencido de que é melhor ser impetuoso do que circunspecto (cauteloso), porque a fortuna é mulher e, para dominá-la é preciso bater-lhe e contrariá-la”.
  12. 12.  A virtude é a capacidade de vencer a instabilidade da fortuna. Diferente de Aristóteles, para Maquiavel a virtude não era a busca do bem, mas uma série de práticas visando a manutenção do poder.  De acordo com essa práticas ou virtudes, a política é um jogo de aparências, o governo não precisa ser bom, mas apenas parecer bom.  Para se manter todo governo tem que ter prudência, esta leva o príncipe a não ser obrigado a cumprir a palavra dada quando isso significar empecilho a seus objetivos.
  13. 13.  Não se deve abrir mão do uso da força, pois “é muito mais seguro ser temido que amado”.  O pensamento de Maquiavel pode ser assim resumido: “os fins justificam os meios”. Ou seja, uma separação entre a esfera política e moral.  Maquiavel rompe com a ideia de que princípios éticos deveriam prevalecer na política, limitando-se a descrever a prática da política como ela realmente é.
  14. 14.  Rousseau (1712 – 1778) ao ler “O Príncipe” sugere que Maquiavel teria sido, irônico, e que, seus conselhos seriam na verdade uma sátira a política de seu tempo.  Em outro livro “Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio”, Maquiavel defendeu o regime republicano, ao escrever que as lutas sociais são justas, pois as pessoas jamais arriscariam suas vidas se suas reivindicações não fossem legítimas.

×