Brincando E Aprendendo

20.200 visualizações

Publicada em

Jogos e brincadeiras nas aulas de Educação Física. Qualidades físicas estimuladas através de jogos e brincadeiras.

Publicada em: Diversão e humor, Negócios
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Gostei muito da apresentação do estudo relativo a jogos na educação. Me ajudará bastante no desenvolvimento do projeto que a LUMAKI está criando para ser implantado na rede pública em São José dos Campos/SP.
    Breve enviarei maiores detalhes do projeto, quando humildemente pedirei seu apoio e participação.
    Desejo sucesso em toda sua vida.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.200
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
439
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
463
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brincando E Aprendendo

  1. 1. BRINCANDO E APRENDENDO EDUCAÇÃO FÍSICA MÚLTIPLAS LINGUAGENS SILVIA ARRELARO
  2. 2. LÚDICO DO LATIM LUDUS SIGNIFICA JOGO
  3. 3. <ul><li>Na sociedade contemporânea, grande parte dos jogos tradicionais infantis - ciranda cirandinha, cabra-cega, barra manteiga, queimada, jogo de pião, pedrinhas, amarelinha, entre outros – que encantam e fazem parte do cotidiano de várias gerações de crianças, estão desaparecendo devido à influência da televisão, dos jogos eletrônicos e das transformações do ambiente urbano, ou seja, as ruas e as calçadas deixaram de ser os espaços para a criança brincar. </li></ul><ul><li>Pesquisas atuais mostram a importância de resgatar os jogos tradicionais na educação e socialização da infância, pois brincando e jogando a criança estabelece vínculos sociais, ajusta-se ao grupo e aceita a participação de outras crianças com os mesmo direitos. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Obedece às regras traçadas pelo grupo, como também propõe suas modificações. </li></ul><ul><li>Aprende a ganhar, mas também a perder. Na experiência lúdica, a criança, assim como o adulto, cultiva a fantasia, vivencia a amizade e a solidariedade, traços fundamentais para se desenvolver uma “cultura solidária” na sociedade brasileira atual. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Os jogos e brincadeiras são abordados por diversos autores e civilizações, sob diversas perspectivas. </li></ul><ul><li>Para Platão e outros pensadores da Grécia antiga era importante que as crianças em seus primeiros anos de vida, e em ambos os sexos, deveriam ser educados com jogos educativos e deveria começar aos sete anos. </li></ul><ul><li>Para os egípcios, maias, romanos, os jogos eram passados para os jovens de geração a geração pelos mais velhos onde aprenderiam através de seus ensinamentos valores e conhecimento para as normas sociais do padrão de vida. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Brincar é também raciocinar, descobrir, persistir e perseverar; aprender a perder percebendo que haverá novas oportunidades para ganhar; esforçar-se, ter paciência, não desistindo facilmente. Brincar é viver criativamente no mundo. </li></ul><ul><li>Ter prazer em brincar é ter prazer em viver. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>A vida da criança sempre esteve permeada de jogos e brincadeiras das mais diversas classes, instigando a todo o momento a curiosidade e criatividade. Dessa forma, busca-se o entendimento do significado, as possibilidades e controvérsias do jogo e das brincadeiras. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Deve-se destacar que o contato com a variedade de brinquedos e brincadeiras e jogos estimula a ação, a representação e a imaginação da criança, ajudando-a superar diferentes barreiras. </li></ul><ul><li>O simples ato de brincar é uma característica comum aos seres humanos. </li></ul><ul><li>Sua linguagem é de fácil assimilação por todas as crianças e exige uma concentração durante uma determinada quantidade de tempo, que vai variar de acordo com a etapa de desenvolvimento em que a criança se encontra. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>A brincadeira apresenta um fator de grande importância no processo de desenvolvimento e socialização. </li></ul><ul><li>A diversidade de brinquedos e brincadeiras na atual era tecnológica parte do resgate de valores tradicionais até as mais avançadas tecnologias eletrônicas. </li></ul><ul><li>Com o passar dos anos perdeu-se a utilização de brinquedos manufaturados. </li></ul><ul><li>Apesar do “conteúdo social da brincadeira” ter se alterado no decorrer do tempo, a essência da brincadeira dificilmente se modificará, mantendo as mesmas características lúdicas presentes nos mais variados tipos de brincadeiras existentes. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>O jogo é uma atividade física ou mental organizada por um sistema de regras. É uma atividade lúdica, pelo fato de se jogar pelo prazer de realizar esse tipo de atividade, de buscar satisfação própria. </li></ul><ul><li>Quando estamos envolvidos num jogo nos desligamos do mundo, nos preocupando momentaneamente, exclusivamente com o prazer proporcionado por este. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Analisando o jogo é possível perceber o tamanho de sua contribuição para a formação de cidadãos responsáveis, conhecedores das regras sociais, com respeito e dignidade ao próximo, solidários e cooperativos. </li></ul><ul><li>É inquestionável o poder de formação do caráter que possui o jogo, trabalhando nossa concentração, atenção, conhecimento e desafiando nossa criatividade e testando nossos limites, oferecendo modelos de convivência grupal, sem falar do trabalho da competência de lidar com o emocional. </li></ul>
  12. 14. <ul><li>Outra característica do jogo é um fim específico em si mesmo, envolvendo os praticantes num mundo lúdico, praticando diversas ações com vontade, e às vezes até com excessivo vigor, mas com a certeza da volta ao mundo real quando o jogo terminar. </li></ul><ul><li>Porém a mais marcante característica do jogo é que dentro deste ambiente fechado e assumido livremente, os praticantes enfrentem múltiplos sentimentos e experiências educativas diferentes que podem ser repassadas para a vida cotidiana. </li></ul>
  13. 15. <ul><li>Por isso os jogos são fundamentais ferramentas para a educação de diversas faixas etárias escolares, tanto para crianças, adolescentes e adultos, tanto no âmbito social, escolar, como empresarial. </li></ul><ul><li>O jogo possui características próprias e não deve ser visto apenas como pré-condição para o aprendizado do esporte, visto que está presente em várias atividades humanas, proporcionando ao homem uma melhor compreensão da sua existência e um melhor relacionamento com seus semelhantes. Assim, &quot;O jogo é uma invenção do homem, um ato em que sua intencionalidade e curiosidade resultam num processo criativo para modificar ,imaginariamente, a realidade e o presente&quot; </li></ul>
  14. 16. <ul><li>Na verdade, os jogos devem ser vistos, antes de mais nada, como uma herança cultural, que possui a capacidade de refletir uma sociedade. </li></ul><ul><li>O ensino do jogo deve assegurar uma aprendizagem que resgate a história cultural, o lúdico e o significado humano e social do jogo,garantindo a criança uma prática contextualizada ,com origem, fantasia, prazer, alegria, sentido e significado para sua formação, enquanto construtor e produtor deste saber </li></ul>
  15. 17. <ul><li>A História dos jogos nos permite compreender que ao longo dos séculos, a criança e estes assumiram diferentes significados. A convivência de crianças e professores com um conjunto de jogos e brincadeiras diversos, pode permitir que inúmeras experiências lúdicas se realizem e que as histórias neles contidas sejam lembradas, descobertas, transmitidas e questionadas. </li></ul><ul><li>&quot;As crianças e os jogos tradicionais&quot; diz que os jogos, em sua totalidade, vão provocar ações e reações dos seus praticantes, propiciar o relacionamento entre as crianças, promover o desenvolvimento das capacidades físico-motoras, do equilíbrio emocional e afetivo, oferecer uma imagem multidimensional da criança e por fim, refletir a cultura do país ao qual pertencem. </li></ul>
  16. 18. <ul><li>Atualmente, nota-se uma deturpação do real significado do jogo na sociedade contemporânea, a qual estabelece relações de competitividade, onde o lúdico e muitas das manifestações culturais estão sendo perdidas e esquecidas. </li></ul><ul><li>Essa situação é decorrente da redução dos objetivos de ensino do jogo, ao campo esportivo, no qual o que prevalece a iniciação esportiva prematura, visando o alto rendimento atlético. </li></ul><ul><li>Além disso, levando em consideração a sociedade violenta em que vivemos, onde as ruas se tornam perigosas para estas crianças, limitando os espaços para tais jogos, o papel da escola em revitalizar a cultura destes em seus espaços, torna-se cada vez mais importante, o que fortaleceria a manutenção dessa cultura para as próximas gerações. </li></ul>
  17. 20. O ESPAÇO QUE O BRINCAR PERDEU <ul><li>Muitas são as causas da perda do espaço física para brincar: </li></ul><ul><li>O crescimento das cidades, aumentando as distâncias e dificultando os encontros. </li></ul><ul><li>Ausência de espaços públicos voltados para o lazer. </li></ul><ul><li>A criança indo para a escola cada vez mais cedo e ocupadas com atividades extra-curriculares. </li></ul><ul><li>A falta de segurança. </li></ul><ul><li>O aumento do consumo de brinquedos industrializados. </li></ul>
  18. 21. QUALIDADES FÍSICAS BÁSICAS <ul><li>Qualidades físicas são aptidões necessárias para realização de determinadas ações físicas </li></ul><ul><li>Toda e qualquer atividade física trabalham, em maior ou menor grau, algumas qualidades específicas. </li></ul><ul><li>As brincadeiras não tem obrigatoriedade de trabalhar estas qualidades, mas muitas vezes observamos que elas são necessárias para sucesso na realização da brincadeira. </li></ul>
  19. 22. <ul><li>1- FORÇA: Habilidade que permite um músculo ou grupo de músculos produzir uma tensão e vencer ou igualar-se a uma resistência na ação de empurrar, tracionar ou elevar. </li></ul><ul><li>2- FLEXIBILIDADE Pode ser evidenciada pela amplitude dos movimentos das diferentes partes do corpo. É dependente da elasticidade muscular e da mobilidade articular. </li></ul><ul><li>3- RESISTÊNCIA Qualidade física que permite um continuado esforço durante um determinado tempo. </li></ul><ul><li>4- VELOCIDADE Qualidade física particular do músculo e das coordenações neuromusculares, que permite a execução de uma sucessão rápida de gestos, que em seu encadeamento constitui uma só e mesma ação, de intensidade máxima e duração breve ou muito breve. </li></ul>
  20. 23. <ul><li>5- EQUILÍBRIO Capacidade para assumir e sustentar qualquer posição do corpo contra a força da gravidade. </li></ul><ul><li>6- COORDENAÇÃO Capacidade de executar movimentos complexos de modo conveniente, para que possam ser realizados com o mínimo de esforço. </li></ul><ul><li>7- AGILIDADE Habilidade que se tem para mover o corpo no espaço. Habilidade do corpo inteiro, ou de um segmento, em realizar um movimento, mudando a direção, rápida e precisamente. </li></ul><ul><li>8- RITMO É a ordenação dos movimentos. Seqüência de movimentos repetidos várias vezes, de forma equilibrada e harmônica. 9- DESCONTRAÇÃO É um fenômeno neuromuscular, resultante da redução de tensão na musculatura esquelética. </li></ul>
  21. 24. <ul><li>Abaixo alguns jogos e algumas qualidades físicas: </li></ul><ul><li>QUEIMADA: Agilidade e força </li></ul><ul><li>BILOCA: Coordenação motora </li></ul><ul><li>JOGOS DE PERSEGUIÇÃO: Velocidade </li></ul><ul><li>CABRA CEGA: Coordenação motora </li></ul><ul><li>ESTÁTUA: Equilíbrio </li></ul><ul><li>AMARELINHA: Equilíbrio e coordenação motora </li></ul><ul><li>BARRA MANTEIGA: Velocidade </li></ul><ul><li>CIRANDAS: Rítmo </li></ul>
  22. 25. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS <ul><li>http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/o-papel-dos-jogos-e-brincadeiras-na-educacao-fisica-escolar . </li></ul><ul><li>http://cev.org.br/biblioteca/a-contribuicao-cultural-dos-jogos-ambito-escolar . </li></ul><ul><li>http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/a-importancia-dos-jogos-para-o-desenvolvimento-psicologico-da-crianca </li></ul><ul><li>http://www.faced.ufu.br/colubhe06/anais/arquivos/47ElizabethBernardes.pdf </li></ul><ul><li>  </li></ul>

×