Historia da educação silvana

631 visualizações

Publicada em

Trabalho de história da educação

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
631
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Historia da educação silvana

  1. 1. SILVANA MARA CAMPANHOLO FACULDADE FANAN – FACULDADE DE NANUQUE 2013-2014 A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO TAUBATÉ-SP
  2. 2. - 2 - SILVANA MARA CAMPANHOLO A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO TAUBATÉ-SP 2013 Trabalho sobre os Fundamentos da Educação: A História da Educação apresentado a Faculdade de Nanuque, Como requisito para obtenção Parcial de grau do Curso de Licenciatura R2/1997 em Filosofia.
  3. 3. - 3 - RESUMO Este trabalho sobre os fundamentos da Educação, aborda a História da Educação no decorrer das eras. Sua origem, os métodos abordados no decorrer dos séculos tanto nos países tidos como berço das civilizações até chegar aos nossos dias no Brasil. No decorrer do trabalho e ao pesquisar textos sobre o tema ficou impossível de não se fazer uma comparação com os métodos utilizados no passado e o que acontece hoje nas alas de aula brasileiras. Pouca mudança houve em relação ao ensino no último século aqui no Brasil. A questão da formação de mão de obra profissionalizada ainda é muito forte no currículo brasileiro, e com o REM, Reinventando o ensino Médio, e o PRONATEC, pode-se observar que realmente não tem havido grandes mudanças no quadro geral da educação no Brasil. A educação que é um direito de todos, está comprometida com as urnas eleitorais, e os números oferecidos por agencias de pesquisas não são verdadeiros. Outra característica que vai se acentuando no setor educacional atual e no passado, é o Estado Brasileiro querer mais uma vez transferir a responsabilidade da Educação Primária às Prefeituras. Isto provou ser no passado um fracasso, e um retrocesso nas leis educacionais.
  4. 4. - 4 - SUMÁRIO Apresentação .........................................................................................5 1. A história da educação nas civilizações antigas............................................6 1.1 Educação no Egito................................................................................6 1.2 Educação na Grécia...............................................................................7 1.3 Educação em Roma...............................................................................8 2. A educação na Idade Média ..............................................................................9 3. A educação na Idade Moderna ........................................................................13 3.1 Absolutismo..........................................................................................13 3.2 A revolução industrial..........................................................................16 4. A história da educação no Brasil....................................................................18 5. Referências Bibliográficas..............................................................................22
  5. 5. - 5 - APRESENTAÇÃO Hoje em dia o assunto em pauta onde quer que se vá é: O futuro da educação no Brasil. Os brasileiros estão cansados de ser manipulados por uma política inescrupulosa onde os governantes regem, não para o povo mas para si mesmos e os seus. Estão cansados de uma educação onde o indivíduo não aprende a ser cidadão, e pior, não se desenvolve como tal, vindo a ser um produto massificado “grupado”, perdendo assim as características de “ser” para se tornar “o que os outros são”, ou o “que eles são”. Neste estudo abordaremos a História da Educação nas civilizações antigas (Egito, Grécia e Roma) e a História da Educação na idade Média e Idade Moderna e a história da Educação Brasileira (HEB). Tendo em vista que os pilares da educação se constroem na prática do exercício da liberdade, da justiça e da solidariedade, tendo estes 3 pilares: a- Ninguém educa ninguém, pois a educação é a ação da pessoa ou do grupo que se educa, o educando é o sujeito de sua educação sendo esta uma tarefa de toda a vida. b- Ninguém se educa sozinho, pois a educação supõe a alteridade, precisamos do outro para nos educar. c- A Educação tem como ponto de partida a própria realidade pessoal e sociocultural do educando ou do grupo de educandos e nesse sentido a realidade constitui a mediação do ato educativo.
  6. 6. - 6 - 1. A EDUCAÇÃO NAS CIVILIZAÇÕES ANTIGAS A importância de se conhecer os aspectos mais importantes da história de educação ao longo dos anos e o de se compreender os métodos de ensino dos conteúdos enfocados em cada período é a fim de nos ajudar a compreender as transformações do mundo da educação, seus conceitos e desenvolvimento de ensino. 1.1 A Educação no Egito No período de 2200 a.c. o Estado controlava a economia em quase todas as escalas, os templos as minas, pedreiras e obras públicas pertenciam ao Estado. A manutenção e o sustento da família de faraó e da corte era o objetivo central da instituição estatal. Os expoentes da cultura: a matemática, a astronomia e a medicina eram explicados pela magia e pela religião. A classe dominante tinha acesso à educação e a oratória era de valor central, pois o bom dirigente deveria ser capaz de se comunicar com facilidade sem o uso da escrita. A metodologia desta educação era embasada na repetição de normas morais e os alunos recitavam juntos os textos trabalhados. No Médio Império houve a necessidade da sistematização da formação do homem político surgindo assim os primeiros modelos de escola, onde os professores sentavam-se em posição de destaque e eram rodeados pelos alunos, assim sendo, o escriba responsável pelos trabalhos administrativos do estado e perito na escrita torna-se o responsável pela educação dos jovens. Não havia a preocupação de desenvolver a literatura artística nos alunos, os ensinamentos visavam prepará-los para administrar a sociedade. As letras serviam para o exercício do poder já que a classe dominante era a única a receber tais instruções. A educação física – cuja atividade principal era a natação, era outra característica pedagógica importante.
  7. 7. - 7 - No período Novo Império surge a educação físico-militar e a Educação das Grandes Literaturas, ensinadas por repetição e castigos físicos. A repetição de procedimentos matemáticos ganha importância nesta época. Os egípcios acreditavam que a instrução diferenciava os indivíduos, pois os que dominavam as letras não trabalhavam em serviços grosseiros e pesados, tais trabalhos eram realizados pelos que não tinha acesso à educação: isto é a grande maioria. A escrita não teve forte ênfase, porém foi fundamental para a conservação da história desse povo 1.2 A Educação Na Grécia Foi na Grécia que os conceitos básicos e valores de nossa cultura se desenvolveram: as ideias de liberdade política, cidadania, de desenvolvimento intelectual da individualidade, da filosofia, da poesia, da racionalidade, os conceitos de arte e da lei são temáticas embrionárias a se manifestar nas sociedades gregas. Esparta e Atenas foram as principais Cidades-Estados, e no que tange a educação haviam diferenças essenciais entre elas. Tornar-se um “homem completo” deveria ser o objetivo de todos os homens livres. Ideal este que repercutiu em toda a educação grega. Este pensamento se deu a partir de Homero no século VIII AC, autor de Ilíada e de Odisséia, o escritor trata em seus poemas de um duplo ideal de homem, o de fazer e o do saber – anterior a estas obras a educação era essencialmente prática. Em Esparta no período Arcaico (700 AC a 500AC) a educação era vinculada à preparação física dos indivíduos e a questão militar era central na vida daqueles povos. O foco era disciplina e a obediência às leis e dos nos valores relacionados à coragem. Este tipo de educação se deu devido às constantes guerras e invasões persas. Encontramos também neste tempo a música e a ginástica, presentes na educação.
  8. 8. - 8 - A criança ficava com a família até os sete anos de idade. Era a família que as ensinavam os exercícios físicos e disciplinares, depois disto ela era encaminhada para uma escola mantida pelo estado e na adolescência daria início aos estudos de estratégias de guerras e treinamentos militares. Surge também neste período os soastas, que eram uma espécie de professores ambulantes que viajavam de cidade em cidade oferecendo instrução superficial em troca de finanças. Os sofistas ganham espaço no Período Clássico (500 AC até 36 AC) revolucionando a forma de pensar dos gregos, problematizando a questão do bem e do mal, verdade e mentira, justiça e injustiça. Criticavam a escravidão, a discriminação racial perante outros povos e defendiam a liberdade e os direitos individuais. Em Atenas surgem as primeiras leis sobre a educação e a escola, temas tratados eram: deveres educativos dos pais, ensino de ofício aos pobres, educação completa para os ricos, numero de alunos por turma e a formação dos professores. Foi aí que nasceu a escola escrita com a evolução da escola que primariamente era montada com contribuições dos soberanos, doações de particulares, e mais tarde foi assumindo um caráter de instituição do Estado. O ginásio era o modelo educacional desta época. Surge também nesse período o ensino profissional (século V). O exercício de ensinar se tornou uma profissão pública conquistando uma aceitabilidade social maior. Destacam-se como principais filósofos desta época: Herádito de Éfeso, Sócrates, Platão, e Aristóteles, estes levantaram questões educacionais extremamente importantes ainda em nossos dias. 1.3 A Educação em Roma A sociedade romana experimentou vários modelos de administração política, por ter sido constituída pela união cultural de vários povos, passando pelas diferentes etapas políticas: a monarquia, a república e o império, contribuindo para o processo de construção de Roma. No período da monarquia 753 AC a 509 AC o modelo da educação era primitiva e a aprendizagem de valores morais e disciplinares era essencial. O
  9. 9. - 9 - método de ensino era o de imitação, centralizando a educação na formação do caráter do indivíduo – e era o pai que desenvolvia essa função pedagógica. A criança ficava sob a tutela do pai a partir dos 7 anos para praticar exercícios físicos e caso a mãe não tivesse ensinado costumes utilitários básicos, o pai o faria. Os meninos deveriam desenvolver ao longo do seu aprendizado valores como a piedade, a honestidade e a prudência.. No início a escola do lar era a única. Houve sim, mais tarde uma escola elementar chamada “Ludi” do latim Ludus (diversão), quando os alunos aprendiam as artes e a escrita, demonstravam grande prazer, era como se fosse um jogo para eles. Quando a Grécia foi incorporada a Roma, a cultura conquistada agora passa a influenciar a conquistadora. Os romanos se viram forçados a estudar uma nova língua devido às relações comerciais, surgindo então a escola do Gramático – ensinavam o grego e o latim- os escravos pedagogos gregos eram encarregados do ensino nessas escolas. No ensino romano surge a ideia de educador como sujeito histórico, tendo origem a um trabalho servil e discriminado. Os professores começaram como escravos e depois vieram a receber uma quantia miserável para ensinar. Com as reorganizações do império os mestres tornaram-se assalariados (mal pagos), a instituição escolar generaliza-se e consolida-se como órgão do Estado vindo a funcionar em várias cidades do império. O caráter oficial das escolas e sua estrita dependência do Estado tornam-se as principais diferenças em relação ao modelo de ensino da Grécia, vindo a ser uma novidade fundamental para a educação. A oratória se torna a grande virtude intelectual – a escola do retórico em Roma valia-se do treino unicamente em retórica, só estando ao alcance daqueles que seguiam carreiras públicas. A educação se torna um privilégio de poucos e entra em declínio por ter sido cada vez mais direcionada à classe mais elevada da sociedade, deixando de ser vinculada aos problemas práticos da população. .
  10. 10. - 10 - 2 A EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA Período entre o fim do império romano no século V e a invasão de Constantinopla no século XV. Este tempo foi marcado pela forte influência da Igreja Católica na cultura ocidental, valores hebraico-cristãos são difundidos entre os bárbaros. Principais impérios: o carolíngio, o bizantino e o mulçumano. No feudalismo o modelo é essencialmente agrário, onde os servos sofriam grande exploração, sendo obrigados a prestar serviços a nobreza em troca de proteção. Os senhores feudais tinham o controle político e exerciam muitas vezes o papel do Estado. As guerras foram as causas da diminuição da densidade populacional nos grandes centros e epidemias assolavam a população, houve uma mudança gradativa na matriz produtiva da sociedade que deixa de se centralizar nas grandes cidades e no comercio e se torna agrária e de pouca circulação. Com forte influencia religiosa o homem medieval preocupava-se fundamentalmente com a salvação da alma, com o pecado, com o inferno, o purgatório e o paraíso. Santo Agostinho (354-430) escreve “De Magistro”, uma interessante contribuição pedagógica. Os mosteiros são os únicos espaços educativos da época. Vocacionados e leigos podiam frequentar as aulas do mosteiro, porém aos 18 anos os leigos podiam optar entre o sacerdócio e o matrimônio. Estes mosteiros tiveram papel importante na preservação e cópia de manuscritos e livros antigos. Uma das marcas do cristianismo era a diminuição do preconceito contra a instrução do povo, a educação das crianças era dada pela Igreja Católica. O sadismo pedagógico era o método comum usado para corrigir os erros dos pequenos.
  11. 11. - 11 - A cultura escolástica afirma-se no ocidente europeu. O conteúdo da educação já estava transformado por essa nova cultura. A escolástica segundo Nelson e Claudino Piletti “ é um movimento intelectual oriundo da Média preocupado em demonstrar e ensinar as concordâncias entre a razão e a fé pelo método de análise lógica.” O representante mais importante da escolástica é São Tomás de Aquino (1225-1274), ele reflete sobre o papel do mestre e aborda a educação como formação física e espiritual. Surgem várias escolas em paróquias urbanas. Pobres tem acesso à escola. A Igreja desenvolveu mais um papel de aculturação do que de instrução, as escolas canônicas marcaram a época carolíngia. No século VIII houve uma mescla na educação entre a Igreja e o Estado. O poder político institucionalizado assume a responsabilidade pela instrução, mas a confia a Igreja para executá-la. Foi Carlos Magno o autor desta medida. Mais tarde surgiu divergência entre igreja e o Estado de quem seria responsável pela instrução do povo, e a Igreja Católica então, direciona a instrução para a formação de clérigos e deixa de atender aos leigos, cabendo ao Estado providenciar aos leigos a educação, a qual se dava somente nos grandes centros. No início o bispo dava as aulas, depois esta função foi passada a um professor chamado “ scholasticus” cargo que ganhou credibilidade. Após o ano 1000 houve diminuição de conflito com os bárbaros e abertura do trafego no Mediterrâneo, diminuindo assim o poder político feudal e houve também uma retomada nas atividades culturais e pedagógicas. As escolas cristãs se abrem para a população leiga e pobre. Artes liberais são introduzidas como conteúdo. Em 1179 o papa Alexandre III decidiu estender a educação para as camadas mais pobres e criou uma espécie de benefício financeiro para os mestres ensinarem a todos. Surgindo assim os mestres livres, religiosos ou leigos assalariados que ensinavam artes liberais (gramática, dialética, retórica, aritmética, geometria, musica e astronomia). O trabalho destes mestres mais as conjunturas da política deram origem às universidades medievais.
  12. 12. - 12 - Surge assim a universidade de Bolonha em 1088, a de Paris em 1150 e de Oxford em 1167, com conteúdos de direito, medicina e artes liberais, cabia à Igreja a supervisão destas e a de dar liberação para ensinar e a examinação de títulos de todos estudos. Duas novas ordens religiosas entram em cena, os Franciscanos e os Dominicanos em 1230. Os Franciscanos priorizam os estudos em Teologia e os Dominicanos dedicam-se às artes liberais. O interesse do Estado na formação de intelectuais capacitados para gerenciar os grandes centros começa a sufocar a autonomia das instituições, e algumas cederam, em troca de ajuda financeira e de apoio político, desse movimento surgiu o Estado Moderno. No século XIV nasce a burguesia urbana, trazendo consigo mudanças nas novas relações entre trabalho e sociedade. Cresce a necessidade da aprendizagem do trabalho, houve mudanças nas relações pedagógicas, e aspectos práticos das profissões se tornam o grande enfoque. Muitas profissões desvalorizaram-se devido ao fato de não se ter um método didático relacionado à sistematização da esfera cientifica da aprendizagem, tais como processos instrumentais, o conhecimento das matérias primas e a pratica da arte não foram registrados nem elaborados como ciências.
  13. 13. - 13 - 3 A EDUCAÇÂO NA IDADE MODERNA Nesta época houve um processo de transição entre a Idade Média e a Idade Moderna ocorridas nos séculos XV e XVI, tendo como características fundamentais o surgimento do Movimento Renascentista, a Reforma Religiosa e a Consolidação da Economia burguesa. Dá-se na Europa o início da época das Grandes navegações, sendo também um período de organização política dos Estados. O desenvolvimento de um espírito crítico da sociedade se deu através de humanistas italianos, estudiosos dos modelos da antiguidade, propagando ideias e modificando o modo de pensar de sua época. Uma das causas do movimento Renascentista é a descoberta de manuscritos antigos esquecidos, a invenção da imprensa que ajudou na divulgação das ideias contidas neles, o desenvolvimento das riquezas advindas das descobertas marítimas e a influência dos sábios gregos que fugiam de Constantinopla, tomada pelos turcos. 3.1. Absolutismo O Absolutismo predominou nos Estados europeus do século XIII ao XVIII, marcando a passagem do feudalismo ao capitalismo com o sustentação do Estado a burguesia acumulou capital aprimorou a sociedade mercantil e logo desenvolveu a capitalista. O Estado Moderno Absolutista , tinha forte ligação com o clero, propagando a ideia entre a população de que o rei era um escolhido de Deus. Maquiavel e Thomas Hobbes justificavam a existência deste Estado e defendiam a permanência dele em suas obras. As monarquias nacionais intervinham na economia deste Estado, e a disputa pelo poderio. O Mercantilismo o controle do comércio mundial e por colônias uma das características dessa fase mercantilista tinha outro aspecto relevante: a união entre os reis e a burguesia, tendo como objetivo básico desenvolver o poderio nacional. O mercantilismo não pode ser chamado nem de sistema econômico nem
  14. 14. - 14 - de modo de produção, porque ele representou uma organização econômica de transição de feudalismo para capitalismo. O protestantismo em oposição a moral católica pregava o trabalho, a competitividade e a busca pelo lucro, o que aproximou a filosofia do protestantismo aos ideais dos burgueses. Por outro lado os católicos condenavam valores como a cobiça e a avareza trouxe a necessidade de uma Reforma religiosa, devido a demanda de uma ética religiosa que sustentasse a burguesia em ascensão. Com a Reforma protestante, a igreja católica viu se obrigada a mudar, e surge daí a Contra Reforma, a fim de manter fiéis na igreja que já estavam se convertendo ao protestantismo. Entre estas mudanças destaca-se a Fundação da Companhia de Jesus por Inácio Loyola, esta ordem trabalhava a catequização dos jovens por meio da educação. Ordens religiosas como esta controlaram a educação nos países católicos até o começo do século XIX. Neste contexto, no que se refere à educação, o ensino é tradicional, a relação aluno-professor é extremamente hierarquizada, provocando total passividade dos educandos. As aulas eram expositivas e com exercícios de repetição e fixação. Horários e disciplinas eram muito rígidos, a avaliação era centrado na memória e da assimilação quantitativa do conteúdo. Surge o Renascimento no cenário da educação. A Reforma protestante trouxe consigo ideias e valores que orientaram a organização de alguns sistemas de ensino, por exemplo os Estados alemães, que institucionalizaram a escola de forma mais elaborada, surgindo assim os currículos, as graduações em séries e a separação de alunos por idade. O ensino passa a ter um teor mais realista vinculado à sociedade moderna em desenvolvimento. A burguesia em ascensão exigiu uma educação mais voltada para ávida. Os intelectuais que mais se destacaram nesta época foram: Francis Bacon, Galileu Galilei e René Descartes. O Racionalismo foi um dos valores da cultura renascentista que influenciaram a ciência, a filosofia e a educação, pois rejeitava as explicações
  15. 15. - 15 - mistificadas e religiosas da realidade e tinha a razão como fonte de todo conhecimento, Descartes destaca-se aqui como maior expoente. João Amos Comênio (1592 a 1670) sistematizou a questão educacional. Elaborou em seus livros e tratados o que pode-se chamar de método moderno, sendo a Didactica Magna sua maior obra, onde ele trata de diversos aspectos educacionais, a finalidade da educação, a organização escolar, os conteúdos e os métodos de ensino. Influenciado por Bacon, Comênio transpõe as ideias cientificas desse pensador para o âmbito educacional e criou um método que chamou de “arte de ensinar tudo a todos”. Comênio também defendia a democratização do ensino, onde jovens e velhos, homens e mulheres, nobres e plebeus tinham acesso a educação. John Locke (1632-1704) é outro autor que refletiu acerca dos problemas e significados da educação. Considerava a educação como fator que estabelece a diferença entre os homens. Com percepção concreta das condições humanas, ele desmitificou a visão do mundo segundo o qual o humano é decidido em um plano superior. Propôs que nossa consciência é uma tabua rasa ou uma folha em branco , e que por meio da experiência que a preenchemos com o que compõe nossa ideias. Defendia o estudo de contabilidade e escrituração comercial para o preparo do individuo para a vida prática. No século XVIII, também chamado de Século das Luzes ocorreu o apogeu do Iluminismo – movimento cultural e intelectual de oposição ao Absolutismo, e explicava na ciência a forma de explicar a realidade. Grande progresso intelectual. aperfeiçoamento da Filosofia e a revitalização da educação como formação cultural e cientifica do ser humano marcam esta época. A filosofia iluminista foi fundada através da conjugação do empirismo cientifico com o racionalismo cartesiano, influenciando a formulação de currículos e de disciplinas, tanto na área de humanas como nas ciências naturais. A burguesia, após a queda da nobreza, passa a controlar a sociedade política. Jean Jacques Rousseau (1712-1778), um crítico do puro racionalismo, produziu obras importantes acerca das relações entre a natureza, cultura e
  16. 16. - 16 - sociedade, contribuindo com ideias importantes para a educação. Em O Emílo, Rousseau aborda como seria a educação ideal desde a infância até a idade adulta. Foi a partir daí que se intensificaram as abordagens psicológicas na educação, procurando respeitar os instintos e as capacidades das crianças, ao invés de se impor padrões existentes na sociedade. Contribuiu para a quebra de paradigmas no campo da educação. 3.2 A Revolução Industrial A transformação social e técnica marcada pela transição da manufatura para produtos produzidos por maquinas marcam o fim do absolutismo e afirmam o capitalismo como modo de produção vigente, causando mudanças nas relações de trabalho, substituindo a escravidão por mão de obra assalariada. Devido à necessidade dos operários terem que saber a fazer contas, ler e escrever minimamente surge o aumento dos complexos escolares. Com esse aumento já se notava na legislação de vários países a vontade de tornar a educação cada vez mais leiga, gratuita e oferecida pelo Estado de forma gratuita. Nesse período houve um quadro de ensino em que uma escola era feita para as elites e outra para os segmentos mais pobres, mas depois vem a ser um sistema único. O processo de industrialização e o desenvolvimento acelerado das ciências afloram a necessidade da escola trabalhar com aspectos científicos, e não somente morais e humanistas. Auguste Comte (!798-1857) foi o fundador da corrente de pensamento positivista. Onde debatia-se a necessidade da formação do espírito cientifico nos estudantes. A tendência positivista é o conteúdo base do cientifismo, marcando assim a escolha dos currículos escolares em todo o ocidente, e seus resquícios podem ainda ser notados nos nossos dias. Ao negar a Teologia e interpretações místicas da realidade, o positivismo tornou-se um marco científico da Modernidade. O sistema de ensino era frequentado por classes sociais diferentes, e nos níveis de ensino a seguir, somente os filhos dos burgueses davam sequencia, pois somente eles podiam pagar pelos estudos particulares.
  17. 17. - 17 - Revoluções burguesas do final do século XVIII marcam a passagem da Idade Moderna para a Idade Contemporânea. O século XIX chega cheio de estudos cada vez mais especializados, e a educação repleta de conflitos políticos entre as classes de trabalhadores e os burgueses.
  18. 18. - 18 - 4 A EDUCAÇÃO NO BRASIL A educação no Brasil deu-se logo no início da colonização (1549) a atividade educativa estava atrelada à atividade religiosa – a catequese, especialmente dos índios, cuja importância de leitura foi utilizada como recurso de pacificação e aculturação deixando marcas profundas na cultura e na civilização do nosso país. Durante mais de 200 anos os jesuítas foram os únicos educadores do Brasil. Fundaram inúmeras escolas de ler, escrever e fazer contas, mas sempre tendo como prioridade a escola secundária, neste grau de ensino eles fundaram uma rede e colégios de qualidade e alguns chegaram até a oferecer estudos equivalentes ao curso superior. A primeira escola elementar surge em Salvador – BA. Em 1570 havia 5 escolas elementares no Brasil,a saber, em Porto Seguro, Ilhéus, são Vicente, Espírito Santo e São Paulo, e três colégios: Rio de Janeiro, Pernambuco e Bahia. Em 1759, os jesuítas foram expulsos de Portugal e das colônias portuguesas pelo Marques de Pombal, este incidente abriu uma grande lacuna que não foi preenchido nas décadas seguintes. Os principais motivos da ruptura foram: Diferenças de objetivos radicais, interesses comerciais da corte que estava em terrível decadência, os jesuítas preocupavam-se com o noviciato e com o proselitismo AP passo que Pombal queria reerguer Portugal da decadência econômica. Pombal institui as aulas régias, autônomas, desarticuladas e isoladas, um único professor rege a turma e após ser nomeado se torna vitalício no cargo. Professores ficam sem salários por longos períodos. É instituído o imposto “ subsídio Literário”, sobre a carne,a aguardente, o vinho e o vinagre, que na verdade não surtiu efeito algum. Só no começo do século XIX, em 1808 com a mudança da sede do reino de Portugal e a vinda da família real para o Brasil – Colônia é que a educação e a cultura tomaram um novo impulso, surgindo assim as instituições culturais e científicas. Don João VI abre academias Militares, Escolas de Direito e de Medicina, Biblioteca Real, Jardim Botânico e a Imprensa Régia no Rio de Janeiro e na Bahia.
  19. 19. - 19 - Estas obras educacionais voltaram-se para as necessidades imediatas da corte portuguesa no Brasil, o objetivo dos cursos eram a de preencher demandas de formação profissional. Esta característica influenciou a evolução da educação superior brasileira, todavia por mais que D. João investisse na formação profissional, a educação primária ainda continuou esquecida. Em 1821 D. João VI retorna a Portugal. A Independência do Brasil é proclamada em 1822 por D. Pedro I, trazendo mudanças no panorama sócio-político e econômico começam a ser esboçados, inclusive em termos de política educacional e no ano de 1824 surge a primeira Constituição Brasileira, e no artigo 179 dizia que a educação primária é gratuita a todos os cidadãos, confirmada depois pela Lei de 15 de outubro de 1827. Em 1826 quatro graus de instrução foram instituídos: pedagogias (escolas primárias), Liceus, Ginásio e Academias. Em 1827 um projeto de Pedagogias foi criado a fim de atender a todas as cidades e vilas prevendo o exame na seleção de professores para nomeação, propunha ainda a criação de escolas para meninas. Surgem também os cursos jurídicos em São Paulo e Olinda, fortalecendo o sentido profissional e utilitário deixado por D. João VI. Foi deixado às províncias a prerrogativa de legislar sobre a educação básica, em 1834 através do Ato Adicional. Isto comprometeu em definitivo o futuro da educação básica, possibilitando ao governo central o afastamento da responsabilidade de assegurar educação elementar a todos. Devido à ausência de um centro de unidade e ação, indispensável diante das características educacionais do país, este gesto acabou comprometendo a política imperial de educação. Esta medida na área educacional perdurou até 1920, que devido ao panorama econômico- cultural e político após a Primeira Guerra Mundial, leva o Brasil a repensar. Em diversos setores sociais, as mudanças foram debatidas e anunciadas. O setor educacional participou do movimento de renovação. Em âmbito estadual inúmeras reformas de ensino foram feitas dando origem, então, à grande geração de educadores: Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo, Lourenço Filho, Almeida Junior, entre outros, que lideraram o movimento, tentando implantar no Brasil as ideias da Escola Nova e divulgaram o Manifesto dos Pioneiros em 1832,
  20. 20. - 20 - documento histórico que resume os pontos centrais desse movimento de ideias, redefinindo o papel do Estado no âmbito educacional. A Constituição de 1934 dispõe que a educação é direito de todos, devendo ser ministrada pela família e pelos poderes públicos. Neste ano também foi criada a Universidade de São Paulo que foi organizada segundo o Estatuto da Universidades Brasileiras de 1931. Sendo este o primeiro projeto consistente de universidade no Brasil dando início a uma trajetória cultural sem precedentes. ( Outras universidades já existiam no Brasil, 1920 Rio de Janeiro, 1927 em Minas Gerais, 1934 Porto Alegre). Em 1937, instaura-se o Estado Novo, e é Outorgada a Constituição de 1937 refletindo tendências facistas, sugerindo a preparação de mais mão de obra para atender às demandas do mercado, agora mais abertos, enfatizando o ensino pré vocacional e profissional, havendo assim um grande retrocesso na educação. Após a queda do Estado Novo, em 1945, muitos dos ideiais foram retomados e consubstanciados no Projeto de lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, enviados ao Congresso Nacional em 1948, e o qual só foi aprovado em 1961, Lei n 4.024. No Período da Nova República que vai de 1946 à 1963 a Constituição de 1946 retoma o preceito de que a Educação é direito de todos. Houve a regulamentação do ensino primário e do normal. O SENAC é criado. CAPES, é criada em 1951. Em 1953 é criado o MEC. Campanha de alfabetização em todo o país através do método Paulo Freire de alfabetização em 40 horas. Em 1962 foi criado o Conselho Federal de Educação. Na fase que precedeu a aprovação da LDB61, ocorreu o movimento em defesa da escola pública, universal e gratuita. O Golpe Militar ocorrido em 1964 aborta todas as tentativas de revolucionar a Educação Brasileira, as quais eram tidas como propostas comunizantes e subversivas. Devido ao autoritarismo desta época, professores foram demitidos e aprisionados. Universidades foram invadidas, inúmeros estudantes foram presos e mortos, e a União dos Estudantes foi fechada. Em 1969 e 1971, foram aprovadas as Leis 5.540/68 e 5.692/71, as quais introduziram mudanças significativas na estrutura do ensino superior e do ensino de 1º e 2º graus, cujos diplomas estão aí até os dias de hoje.
  21. 21. - 21 - Vem após esta fase tribulada o Período de Abertura Política, (1988 a 2003) o Presidente José Sarney e profissionais de outras áreas, agora de volta ao País após um período de exílio no exterior, assumem postos na área da educação e passam a desenvolver o saber pedagógico (sala de aula, didática, relação professor- aluno, dinâmica escolar). Foi extinto o Conselho Federal de Educação e criado o Conselho Nacional de Educação, mais político do que os demais. Surge o Provão, porém o status quo é mantido sem aliar conhecimentos básicos com a vida prática dos alunos. Segundo o próprio ministério da educação, os alunos não aprendem o que as escolas se propõem a ensinar. Em 2002 pesquisas realizadas em âmbito nacional mostram que 59% dos alunos que concluem a 4ª série do ensino fundamental não sabem ler ou escrever. No Jornal de Notícias online da UOL lê-se: O Brasil avança a passos lentos no que diz respeito à educação. O Brasil avançou nos últimos 20 anos mas a educação freou o desenvolvimento do país no período segundo o IDHM 2013. Embora tenha apresentado o maior progresso (veja gráficos abaixo), o marcador de educação ainda ficou abaixo do de saúde (expectativa de vida) e do de renda,outros dois subíndices que compõem o indicador,compilado a partir de dados dos censos demográficos do IBGE de 2010.
  22. 22. - 22 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Site: http://pt.slideshare.net/csjmaranhao/a-educao-no-brasil-7640663 A Educação no Brasil. ALIGHIERO, M. História da educação da antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 1989. AQUINO, F. G. H. Sociedade Brasileira uma História através dos movimentos sociais. Rio de Janeiro. Record, 2000 ARANHA, M. L. A. História da Educação. São Paulo. Editora Moderna, 2005.

×