Bilinguismo.seminário

403 visualizações

Publicada em

Apresentação de seminário.

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
403
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bilinguismo.seminário

  1. 1. BILINGUISMO EM SITUAÇÕES DE ESCRITA: A receita culinária no cotidiano as mulheres descendentes de alemães Silvana Soares da Silva Matuchaki (MESTRADO -UNIOESTE) Ciro Damke (Prof. Doutor- UNIOESTE)
  2. 2. • RESUMO: O presente artigo apresenta uma reflexão acerca da escrita de donas de casa, descendentes de alemães, que aprenderam o dialeto alemão falado em seu meio familiar, estabelecendo o contato com a língua portuguesa somente na educação primária. A formação da identidade e da cultura de um grupo encontra-se interligada com a diversidade linguística que a reflete por meio da interação entre os falantes, seja por meio da fala ou da escrita. Os grupos de descendentes de alemães, que colonizaram o sul do Brasil, representam essa diversidade, em que são estabelecidas as relações das línguas em contato, que sobrevivem no meio familiar e social (DAMKE, SAVEDRA, 2013). Dessa maneira, questiona-se a forma como a escrita está presente no cotidiano dessas donas de casa e como ocorre o processo de letramento. Dessa maneira, o objetivo é analisar a influência da oralidade na escrita de donas de casa, destacando o processo de letramento (SOARES, 1999; KLEIMAN, 2005) no contexto social e familiar. Para isso, toma-se como objeto de estudo os cadernos de receitas, tendo em vista o conceito de língua escrita como prática social, estruturada a partir do gênero receita culinária, pertencente à esfera familiar de circulação. A partir dessa análise, compreende-se que o próprio meio influencia e estimula o uso da escrita nas mais diversas situações sociais e, nesse caso, os textos que circulam na esfera familiar fazem das donas de casa, sujeitos competentes linguisticamente, mesmo que nesses textos estejam presentes as marcas da oralidade, próprias das línguas em contato. • PALAVRAS-CHAVE: Letramento; identidade e cultura; línguas em contato.
  3. 3. A ESCRITA COMO FATOR IDENTITÁRIO • Falar em identidade é falar da mescla de ideologias e culturas que demarcam o espaço político e social e que se afirmam por meio das relações estabelecidas entre gerações. • Concordamos com Damke e Savedra (2008, p. 54) de que “a identidade é composta de diversas situações sócio históricas e culturais”, estando em constante transformação, sofrendo influências do meio social em que o sujeito encontra-se inserido.
  4. 4. • As interferências de uma língua em outra, ultrapassam as barreiras da fala e se concretizam também na escrita. • Segundo Von Borstel (2011, p.88), “estudos sobre fenômenos de contato linguístico apresentam-se como uma linguagem intercultural e dinâmica, interativa e interdiscursiva, caracterizando a heterogeneidade linguística em comunidades em que coexistem culturas e línguas distintas”. • Presenciamos, dessa maneira, a constituição de identidades hibridas, (MOITA LOPES, 2013) que forçados pelo contexto, necessitam da escrita em situações de interlocução e consequentemente deixam suas marcas identitárias, também em seus textos escritos, sempre na tentativa de se expressar na língua do país em que se encontram.
  5. 5. O LETRAMENTO NA ESFERA COTIDIANA • Para iniciarmos a discussão, lançamos mão do conceito de letramento defendido por Soares (1999), em que a ação de ser letrado está relacionada às práticas sociais da leitura e da escrita, “condição que adquire um grupo social ou um indivíduo como consequência de ter-se apropriado da escrita” (SOARES, 1999, p. 18). Associa-se, então, ao conceito de letramento a necessidade de escolarização, de aprendizagem do sistema de escrita por meio de sua utilização em situações de práticas comunicativas.
  6. 6. • As diversas situações de escrita pressupõe a necessidade de se compreender o conceito que envolvem o letramento, diante do quadro de heterogeneidade linguística apresentado anteriormente. Não se trata de se analisar o letramento de maneira funcional, mas sim de ressignificar a visão de sociedade letrada considerando-se o processo identitário do falante.
  7. 7. • Para Kleiman: […] tornar-se letrado é um processo identitário, porque, em uma sociedade profundamente dividida por questões sociais, como a brasileira, o processo de inserção na cultura da escrita equivale a um processo de aculturação, com a violência simbólica aí pressuposta (KLEIMAN, 2010, p. 376).
  8. 8. A RECEITA CULINÁRIA E O COTIDIANO DAS FAMÍLIAS • Segundo Amon e Menasche (2008) é por meio da comida que se manifestam os significados socialmente construídos, ressaltando aspectos das tradições e da identidade dos sujeitos. Mesmo estando em outras terras, longe do país de origem, os costumes se perpetuam e se mesclam com a cultura local, recriando o passado.
  9. 9. • Para Romanelli (2006), o ato de comer está relacionado à cultura por significar um ato simbólico carregado de hábitos e crenças, que envolvem o particular, ao remeter à atitudes próprias da escolha dos alimentos; e o coletivo, carregado de regras de convivência, adaptadas a cada situação social. Segundo o mesmo autor, “a alimentação só pode ser entendida como processo social complexo que envolve diferentes esferas da vida social [...]” (ROMANELLI, 2006, p.335).
  10. 10. • De acordo com Amon e Menasche (2008), a receita é parte da transmissão de saberes que “contam a memória social, contam a história de como uma comunidade compreendeu e aceitou o gosto, textura e forma de uma comida”. • Dos cadernos analisados, as receitas que mais se destacam são de bolos, bolachas e a “cuca”, o que constitui uma tradição entre as mulheres descendentes de alemães.
  11. 11. • Dessa maneira, chegamos a conclusão de que as formas são adaptadas a fim de atender as necessidades do falante, sem que para isso haja a preocupação de se seguir normas rígidas de composição textual. Esse aspecto lembra Rojo (2012) ao citar a multimodalidade e o multiculturalismo presentes nos eventos de letramento. Ser letrado corresponde ao processo de aprender a usar a língua em determinadas situações de comunicação.
  12. 12. • O estigma com relação à escrita aparece destacado no momento em que a Informante das receitas 1 e 2 demonstrou um certo constrangimento ao compartilhar o que havia escrito, pelo fato de que o que é cobrado pela sociedade está diretamente ligado com a noção de “certo” e “errado” e não pelo entendimento de que a língua se faz por meio dos processos de interação e a todo o momento se reconstrói. Para Faraco (2008, p.136), “não se pode misturar o nível estrutural e os valores sociais, entendendo que aqueles que falam variedades linguísticas desvalorizadas socialmente não são, por isso, linguisticamente inferiores”.
  13. 13. • A análise das receitas culinárias demonstra que a cultura subjacente dos grupos de alemães que vieram para o Brasil no século XIX, ainda estão presentes no sul do Brasil e que as interferência linguísticas somente vem ressaltar os aspectos dessa cultura. Por isso, precisamos rever os valores que fundamentam as políticas linguísticas do país a fim perceber essa diversidade, abrindo espaço para a sensibilização, para a visão de uma perspectiva de letramento que fundamente seus conceitos tendo em vista a diversidade, não somente de línguas em contato, mas também do próprio português brasileiro.
  14. 14. • REFERÊNCIAS • AMON, Denise; MENASCHE, Renata. Comida como narrativa da memória social. Sociedade e Cultura. v. 11, p. 13- 21 , jan/jun., 2008. • BRITO, Luiz P. L. Escola, ensino de língua, letramento e conhecimento. Caleidoscópio, v. 5, n. 1, p. 24-30, jan/abr 2007 • DAMKE, Ciro; SAVEDRA, Monica M. G.. Volkslieder (músicas populares alemãs) no sul do Brasil: aspectos linguísticos, socioculturais e identitários. São Carlos: Pedro &João Editores, 2013. • ____. As interferências do alemão como Língua Materna na aprendizagem do Português. 358 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1988. • KLEIMAN, Angela B. Trajetórias de acesso ao mundo da escrita: relevância das práticas não escolares de letramento para o letramento escolar. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, 375400, jul./dez., 2010. • MINTZ, Sidney W.Comida e antropologia: uma breve revisão. RBCS v.16 n. 47 p. 31-47, outubro, 2001. • FARACO, Carlos Alberto. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. • FRIEDRICH, Fabiana H. O tesouro das famílias: cadernos de receitas e a adaptação da culinária dos imigrantes alemães: (Rio Grande do Sul, 1850-1930). UNIFRA, Santa Maria, RS, 2012. • SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. São Paulo: Autêntica 1999. • ROJO, Roxane. Pedagogia dos Multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In ROJO, Roxane Helena Rodrigues & MOURA, Eduardo. (Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012. pp. 11-31. • VON BORSTEL, Clarice. A linguagem sociocultural do Brasildeutsch. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011.

×