Atividades em grupoTipos argumentativosCMCB
Texto ITenho vindo a dizê-lo repetidas vezes: trata-se de uma mera vingança dasociedade, mas não traz qualquer solução par...
1. Identifique o problema sobre o qual otexto toma posição.
Problema: A pena de morte é aceitável?
2. Identifique a tese central do autor.
Defende – se a tese de que a pena demorte é injustificada sob todos os ângulos:não defende a sociedade con-tra o crime, nã...
3. Explicite os argumentos apresentados.Argumento que critica a ideia da pena demorte como reparação do sofrimento:
A pena de morte é legítima apenas se a penade morte reparar o sofrimento. Mas a pena demorte não repara o sofrimento. Logo...
Argumento que critica a ideia da pena demorte como castigo exemplar:
• Se a pena de morte fosse um castigoexemplar, então bastaria uma execução paraprevenir crimes susceptíveis de pena demort...
Argumento baseado no progressocivilizacional:
Os países mais civilizados substituem a pena demorte pela prisão perpétua, sem a desvantagemdo aumento de crimes. Devemos ...
• Argumento baseado nos princípios dodireito:
Se não foi a sociedade que deu a vida aocriminoso, também não é ela que tem o direitode lhe retirar. Não foi a sociedade q...
• Argumento baseado nas condições da boacidadania e da paz social:
Se a pena de morte é legítima, deve contribuirpara a diminuição dos crimes vio-lentos.Se a sociedade perde os laços do amo...
TEXTO 2Se o poder político tem por função primeira dar a sua força aodireito das liberdades a des-peito dos poderes, ele d...
• 1. Explicite o problema abordado notexto.
O problema tratado no texto é este: Deve amedicina tornar-se uma das competências doEstado?Observação: O problema central ...
2. O texto tem dois argumentos. Umprimeiro é um subargumento destinado ajustificar uma tese sobre o poder político. Oargum...
O poder político deve ser independente dosoutros poderes.A ciência e as técnicas que ela engendra sãopoderes.Logo, o Estad...
TEXTO 3As descobertas da técnica tiveram por consequênciadividir domínios até aqui confundidos: sexualidade,reprodução, ma...
1. Que problema é tratado no texto?
Problema: Qual o papel da ciência e datécnica para a mudança da condição damulher?
• 2. Qual é a tese defendida?
• Defende – se a tese de que ciência e atécnica têm contribuído para a desalienaçãoda mulher.
3. Que argumento é apresentado?
A fusão da sexualidade, da reprodução, damaternidade e da educação retira muitaspossibilidades à mulher. Ora, a ciência e ...
TEXTO 4Quisemos tudo, desejámos tudo, tomámos tudo, obtivemos tudo.Devorámos tudo como as vítimas da fome canina em que no...
1. Identifique o problema abordado notexto.
Problema: A mulher emancipada é a mulherrealizada?
2. O texto esforça-se por apresentar umajustificação indutiva da tese ou conclusãoque, por sua vez, está ausente. Clarifiq...
• O texto pretende defender a tese de que asmetas habitualmente apontadas para arealização (satisfação) da mulher são ilus...
Atividades em grupo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Atividades em grupo

1.503 visualizações

Publicada em

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.503
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
125
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atividades em grupo

  1. 1. Atividades em grupoTipos argumentativosCMCB
  2. 2. Texto ITenho vindo a dizê-lo repetidas vezes: trata-se de uma mera vingança dasociedade, mas não traz qualquer solução para os problemas sociais eeconómicos que levam ao crime. Daí que considere que é inaceitável apena de morte. De facto, uma tal penalização em nada repara o sofrimentoda vida ou da família; em nada serve de castigo exemplar, pois, se o fosse,bastava ter havido um só executado; em nada segue o exemplo dado pelospaí-ses civilizados, em que tem sido transformada em prisão perpétua semque isso represente um aumento das respectivas taxas de criminalidade;em nada reduz um direito da socie-dade, pois se não foi ela que deu a vidaao criminoso, também não será ela que tem o di-reito de lhe retirar; emnada simboliza um gesto da humanidade, de amor ao próximo e defraternidade, cuja carência está, psicologicamente, na base de qualquercrime violento. Em nada se pode basear a defesa de tão repugnante, vil,odioso e chocante procedimento como a pena de morte.Manifesto Anónimo
  3. 3. 1. Identifique o problema sobre o qual otexto toma posição.
  4. 4. Problema: A pena de morte é aceitável?
  5. 5. 2. Identifique a tese central do autor.
  6. 6. Defende – se a tese de que a pena demorte é injustificada sob todos os ângulos:não defende a sociedade con-tra o crime, nãoestá de acordo com a moral nem com odireito.
  7. 7. 3. Explicite os argumentos apresentados.Argumento que critica a ideia da pena demorte como reparação do sofrimento:
  8. 8. A pena de morte é legítima apenas se a penade morte reparar o sofrimento. Mas a pena demorte não repara o sofrimento. Logo, a penade morte não é legítima.(Muitas pessoastendem a usar, como primeira premissa, aafirmação "Se a pena de morte repara osofrimento, então a pena de morte é legítima",o que torna o ar-gumento inválido, um casoda falácia da negação do antecedente.)
  9. 9. Argumento que critica a ideia da pena demorte como castigo exemplar:
  10. 10. • Se a pena de morte fosse um castigoexemplar, então bastaria uma execução paraprevenir crimes susceptíveis de pena demorte. Ora, já se deram e continuam a darexecuções. Logo, é falso que as execuçõesprevinam crimes susceptíveis de pena demorte. Logo, é falso que a pena de morteseja um castigo exemplar.
  11. 11. Argumento baseado no progressocivilizacional:
  12. 12. Os países mais civilizados substituem a pena demorte pela prisão perpétua, sem a desvantagemdo aumento de crimes. Devemos seguir os paísesmais civilizados na substituição da pena de mortepela de prisão perpétua. Ora, os países maiscivilizados substituem a pena de morte pelaprisão perpétua e sem desvantagens. Logo ,devemos, como os países mais civilizados,substituir a pena de morte pela prisão perpétua.
  13. 13. • Argumento baseado nos princípios dodireito:
  14. 14. Se não foi a sociedade que deu a vida aocriminoso, também não é ela que tem o direitode lhe retirar. Não foi a sociedade que deu avida ao criminoso. Logo, a so-ciedade nãotem o direito de retirar a vida ao criminoso.
  15. 15. • Argumento baseado nas condições da boacidadania e da paz social:
  16. 16. Se a pena de morte é legítima, deve contribuirpara a diminuição dos crimes vio-lentos.Se a sociedade perde os laços do amor e dafraternidade, os crimes violentos au-mentam.A pena de morte contribui para a perda dos laçosde amor e fraternidade da soci-edade.A pena de morte contribui para o aumento doscrimes violentos.Logo, pena de morte não é legítima.
  17. 17. TEXTO 2Se o poder político tem por função primeira dar a sua força aodireito das liberdades a des-peito dos poderes, ele deve permanecerindependente destes. Ele deve, exatamente, ter po-der sobre osoutros poderes, sobre toda a força que tenda a exercer-se contra aliberdade dos fracos. Disso resulta que não pode ser nenhum dospoderes. Nem o poder económico, nem poder ideológico, nem opoder religioso. Também não pode identificar-se com o poder demais prestígio e eficaz - o da ciência e técnicas que ela engendra.Em particular e forço-samente, pois o seu poder afeta diretamente oespírito, a ciência médica. Por isso a medi-cina não deve tornar-seuma competência do Estado.Claude Bruaire, Une éthique pour Ia medicine, Fayard, 1978, pág.132
  18. 18. • 1. Explicite o problema abordado notexto.
  19. 19. O problema tratado no texto é este: Deve amedicina tornar-se uma das competências doEstado?Observação: O problema central é obscurecidopelo facto de grande parte do texto se dedicar aestabelecer uma premissa - O Estado não podeidentificar-se com o po-der da ciência e dastécnicas -, desejada para a conclusão, e pelofacto de a conclu-são aparecer subitamentededuzida de uma premissa muito mais geral.
  20. 20. 2. O texto tem dois argumentos. Umprimeiro é um subargumento destinado ajustificar uma tese sobre o poder político. Oargumento principal usa a conclusão doanterior para justi-ficar a sua primeirapremissa.- Explicite os dois argumentos.
  21. 21. O poder político deve ser independente dosoutros poderes.A ciência e as técnicas que ela engendra sãopoderes.Logo, o Estado deve ser independente dasciências e das técnicas.
  22. 22. TEXTO 3As descobertas da técnica tiveram por consequênciadividir domínios até aqui confundidos: sexualidade,reprodução, maternidade e educação. Ora, quando sedividem domínios nos quais se pode agirseletivamente, as escolhas possíveis são introduzidas emultiplicadas: cria-se uma liberdade. A mulher éassim, cada vez mais, desalinhada em relação ànatureza gra-ças às ciências da natureza.Evelyne Sullerot, Lê Fait Féminin, Centre Royaumontpour une science de rhomme,Fayard, 1978, pág. 18
  23. 23. 1. Que problema é tratado no texto?
  24. 24. Problema: Qual o papel da ciência e datécnica para a mudança da condição damulher?
  25. 25. • 2. Qual é a tese defendida?
  26. 26. • Defende – se a tese de que ciência e atécnica têm contribuído para a desalienaçãoda mulher.
  27. 27. 3. Que argumento é apresentado?
  28. 28. A fusão da sexualidade, da reprodução, damaternidade e da educação retira muitaspossibilidades à mulher. Ora, a ciência e atécnica separaram esses domínios. Logo, aciência e a técnica contribuem para aliberdade da mulher.
  29. 29. TEXTO 4Quisemos tudo, desejámos tudo, tomámos tudo, obtivemos tudo.Devorámos tudo como as vítimas da fome canina em que nostransformámos. E, assim que tivemos tudo, precisámos de nosvoltar para outra coisa. A satisfação não é do nosso mundo. Umgrande amor? Precisamos de um filho. Um filho? Precisamos dedois, depois de três ou quatro. Um marido? Precisamos de umamante. O emprego? Precisamos de chegar ao topo. As alturas?Precisa-mos também do dinheiro. O êxito completo? Precisamos dafelicidade. Tudo ao mesmo tempo? Continua a não ser bom. Cansasersuperwoman...Michéle Fitoussi, Lê ras-le-bol dês Superwomen, Calmann-Lévy,1987, pág. 195
  30. 30. 1. Identifique o problema abordado notexto.
  31. 31. Problema: A mulher emancipada é a mulherrealizada?
  32. 32. 2. O texto esforça-se por apresentar umajustificação indutiva da tese ou conclusãoque, por sua vez, está ausente. Clarifique atese e o argumento.
  33. 33. • O texto pretende defender a tese de que asmetas habitualmente apontadas para arealização (satisfação) da mulher são ilusórias.O argumento consiste apenas em,su-cessivamente, apontar tais metas - amor,casamento, descendência, emprego, di-nheiro,sucesso completo - e afirmar, para cada uma, oseu fracasso. Como não se de-tém em dadosque confirmem este fracasso, o argumentosupõe que os fatos sugeridos são consensuais.

×