Psicologia do Desporto

30.331 visualizações

Publicada em

http://historicofilosoficas.blogspot.com

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
22 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
30.331
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
589
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
22
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicologia do Desporto

  1. 1. Colégio da Boavista<br />PSICOLOGIA DESPORTIVA<br />Trabalho realizado por:<br />Leonel Coutinho<br />12º A<br />Nº 13<br />Psicologia B<br />Docente:<br />Sr. Prof. Sérgio Morais<br />Vila Real, 18 de Maio de 2010<br />
  2. 2. O que é a Psicologia desportiva?<br />A Psicologia do Desporto encara-se como uma das áreas de intervenção da Psicologia, onde a sua ênfase assenta nas diferentes dimensões psicológicas do comportamento humano, como sendo afectivas, cognitivas e motivacionais. Têm sido notórios os avanços que este ramo da psicologia aplicada tem mostrado, devido à crescente necessidade de ter alguém que acompanhe psicologicamente a comunidade desportiva de modo a proporcionar maior rendimento competitivo.<br />Imagem 1<br />
  3. 3. O que é o desporto?<br />É uma actividade competitiva muito completa uma vez que exige um compromisso das componentes inteligência, sacrifício, vontade e corpo (integridade física e psíquica). A actividade desportiva, enquanto fenómeno sociocultural que é, apresenta sempre características próprias da sociedade na qual se desenvolve.)<br />Imagem 2<br />
  4. 4. Qual a função e objectivo deste ramo da Psicologia?<br />Tem como função analisar e perceber comportamentos e mentalidade dos indivíduos em situação de prática desportiva;<br />O objectivo centra-se em optimizar o rendimento desportivo e o bem-estar físico e psicológico.<br />
  5. 5. Qual é a função do Psicólogo do desporto?<br /><ul><li>Intervir junto das equipas tanto a nível colectivo como individual, procurando conhecer e corrigir os problemas pessoais e sociais de forma a criar bom ambiente e aperfeiçoamento do exercício físico. Os atletas não são os únicos visados, também os restantes membros que constituem uma equipa, desde massagistas, médicos, treinadores, directores desportivos, também são alvo de estudo e aconselhamento.</li></li></ul><li>O psicólogo do desporto deve…<br /><ul><li>Ajudar os atletas a desenvolver estratégias de conciliar a vida pessoal com a prática desportiva;
  6. 6. Apoiar as equipas técnicas na promoção e melhoria das suas competências de comunicação e relação interpessoal;
  7. 7. Conceder consultas a atletas lesionados durante a sua reabilitação;
  8. 8. Aconselhar jovens atletas com viagens frequentes para competições internacionais no modo como lidam com o desapontamento, doenças e problemas familiares;</li></li></ul><li>Problemas comuns em atletas<br />Ansiedade<br />Angústia<br />Concentração<br />Stress<br />Fadiga<br />Lesões<br />Perder & ganhar<br />Azar & sorte<br />
  9. 9. Ansiedade<br />A ansiedade na competição constitui um problema que afecta todos quantos estão, directa ou indirectamente ligados, desde atletas, treinadores, pais, árbitros e até mesmo o público em geral.<br />Imagem 3<br />A prestação na competição não depende apenas do atleta, treinador ou árbitro, mas também das condições de prática (material, condições ambientais, local da realização, tipo de solo), assistência, estado emocional do atleta ou das pessoas mais próximas (pais e treinadores).<br />
  10. 10. Martens e Krane foram grandes inovadores na forma de mensurar os níveis de ansiedade.<br />Ansiedade Cognitiva (relaciona-se de forma linear e negativa com o rendimento);<br />Ansiedade Somática (relaciona-se de forma curvilínea com o rendimento);<br />Mais tarde vieram juntar uma terceira dimensão da ansiedade, Auto-Confiança (relaciona-se de forma linear e positiva com o rendimento).<br />Imagem 4<br />Imagem 5<br />
  11. 11. Concentração<br />É um dos aspectos mais importantes e focais tanto dos atletas como de toda a equipa técnica. O estado de concentração não é igual em todas as pessoas, como tal há quem não se consiga concentrar antes e durante a prática desportiva. É muito importante manter este estado sempre em funcionamento, pois com mínimos descuidos se perde, cai, põe em risco a integridade física dos outros atletas, entre outros acontecimentos. Como tal, o psicólogo desportivo deve encaminhar atletas e dirigentes a terem um maior poder de concentração.<br />Imagem 6<br />Imagem 7<br />
  12. 12. Stress<br /> O stress apresenta duas faces quando tratado no ceio desportivo. Pode ser benéfico, quando moderadamente actua sobre os atletas, proporcionando uma maior atenção e um ligeiro crescimento do rendimento. Contudo, quando excede os valores positivos torna-se muito prejudicial. Um dos efeitos do stress é a tensão muscular (provoca cansaço e atrofia de certas capacidades físicas). E quais as causas do aparecimento deste problema? Problemas pessoais como desemprego, divórcio, morte de familiares, entre muitos outros. A função do psicólogo desportivo, neste caso, vai ser idêntica a de psicólogos gerais. Consulta os indivíduos, analisa o que o perturba consciente e inconscientemente, propondo soluções e aconselhamentos de modo a não haver interferência com a vida desportiva.<br />
  13. 13. Fadiga<br />É normal e natural que durante uma época desportiva apareça momentos de fadiga. Mas esta é mais complexa que aquilo que parece. Quando surge num atleta, as suas capacidades físicas diminuirão progressivamente. É um sinal que o corpo apresenta, aquando da sobredosagem de esforço acumulado.<br />Não há volta a dar à situação quando surge, sendo o repouso a única solução. Mas será que os directores desportivos aceitam isso a um atleta que lhes faz falta? <br />Imagem 8<br />
  14. 14. A ambição de ganhar pode levar tanto os atletas como os directores a não obedecerem ao período de descanso necessário após a fadiga. Isso pode levar a graves problemas, como rupturas de ligamentos, que por sua vez levará a uma paragem obrigatória de cerca de meio ano. O psicólogo não deixará que isto aconteça. Tentará mostrar que o corpo não é uma máquina, não se pode exigir do corpo quando ele não pode dar, pois isso acarreta muitos outros problemas.<br />Imagem 9<br />Imagem 10<br />
  15. 15. Lesões<br />As lesões são dos piores problemas que podem surgir na comunidade desportiva. Seja em que desporto for, pode levar a muitos outros danos, principalmente de carácter físico e psicológico. A motivação baixa, a ansiedade durante a recuperação para voltar a treinar e competir é alta, em casos extremos o desespero aparece. Neste meio, a função de um psicólogo é fundamental, pois é ele que terá de estabelecer um novo equilíbrio emocional ao longo de toda a recuperação.<br />Imagem 11<br />
  16. 16. Perder & ganhar<br />Umas vezes perde-se, outras ganha-se. É assim que se desenrola o desporto, seja qual for a modalidade. Contudo, muitas vezes é difícil aceitar derrotas, o que pode levar a diversos estados emocionais, dependendo de cada pessoa. O psicólogo ajudará o atleta a animar-se para trabalhar mais e melhor, esquecendo os maus momentos. Também tentará formar os dirigentes de modo a que não passem uma impressão de derrotados aos seus atletas.<br />Imagem 12<br />Imagem 13<br />
  17. 17. Sorte & azar<br />Todo e qualquer tipo de desporto apresenta este factor, umas vezes tem-se sorte e a motivação fica em alta, mas outras vezes há azar e a motivação baixa muito. O psicólogo desportivo tenta convencer e animar sempre que os azares batem à porta, de modo a que a moral baixa não interfira no rendimento desportivo.<br />Imagem 14<br />Imagem 15<br />
  18. 18. Espírito de Sacrifício<br /> Desportos como o ciclismo e o triatloexigem um altíssimo espírito de sacrifício. Durante uma prova, a capacidade de sofrer, aguentar a dor e nunca desistir difere de atleta para atleta, vindo daí a diferenciação entre aqueles que se classificam nas primeiras posições e nas últimas. Nestes casos o psicólogo tem a função de apoiar os atletas, proporcionando-lhes meios de controlar a sua mente e não desanimar nos momentos focais da competição.<br />Imagem 16<br />
  19. 19. Conclusão<br /> A preparação psicológica diferencia “os melhores do resto” (Lohasz e Leith, 1997). Porém, o treino psicológico varia de indivíduo para indivíduo e é dependente das suas próprias preferências. Então, o que resulta com um atleta não resulta necessariamente com os outros. As preferências psicológicas individuais fazem, da preparação psicológica dos atletas, um domínio complexo, quer para treinadores, quer para os próprios atletas.<br />
  20. 20. Bibliografia e recursos multimédia:<br />“Monteiro, Manuela Matos; Ferreira, Pedro Tavares; Ser Humano 2ª Parte, Psicologia B – 12ºano, Porto Editora”<br />http://www.luvaspretas.com/Ficheiros_PDF/A%20import%C3%A2ncia%20da%20psicologia%20no%20desporto.pdf<br />http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v19n1/v19n1a02.pdf<br />http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/2/cnt_id/681/?textpage=1  <br />http://psicdesp.no.sapo.pt/<br />http://www.joaosilas.com/psicologia-do-desporto/<br />http://www.psicologiadodesporto.com/<br />http://new.britishcycling.org.uk/coaching/article/coa20090928_CPD_October<br />http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/2/cnt_id/681/<br />

×