As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...

259 visualizações

Publicada em

Artigo sobre as mídias na educação... convergência, mobilidade...

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
259
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...

  1. 1. Universidade Federal do Rio Grande – FURG - Universidade Aberta do Brasil Secretaria de Educação a Distância Especialização em Mídias na Educação Disciplina 18: CONVERGÊNCIA DAS MÍDIAS Polo São Lourenço do Sul Sérgio Renato Flores AS MÍDIAS NO PROCESSO EDUCATIVO 1. INTRODUÇÃO Para Barbero (1996) o desafio de inserir as tecnologias na educação deve ser extremamente planejado para não ocultar problemas ou agravá-los, assim como de- ve ser direcionado para que o ambiente escolar não deixe de evidenciar o princípio do encanto no ensino aprendizagem. Faz-se necessário também uma análise da relação lógica existente entre so- ciedade, educação e suas diferenças, justamente para compreender o os problemas de acesso e permanência dos educandos na escola/universidade, bem como os re- flexos destas diferenças no acesso aos meios em diferentes comunidades ou até mesmo entre os escolares de um educandário. É claro, a afirmação anterior não nega que as mídias são excelentes ferra- mentas de auxílio ao processo educativo, mas até aqui devemos estar cientes de que mídias são um todo e compõem várias formas de ferramentas, além do compu- tador ou internet apenas: televisão, vídeo, jornal, revistas, cds, dvds, cinema, rádio e outros que assim desempenhariam ainda relevantes préstimos ao processo de ensi- no aprendizagem. O vislumbramento excessivo a uma determinada ferramenta aca- ba por determinar inverdades sobre a utilização de outras, parecendo assim que a verdade absoluta do momento é só a exploração daquela forma. Qualquer meio de comunicação é totalmente capaz de virar interlocutor cons- tante no procedimento educacional. Isto significa reconhecer definitivamente que as metodologias educativas da atualidade da escola devem absorver e apropriar-se desta denominada iconosfera fascinante, sedutora e, sobretudo eficiente. Negar a
  2. 2. utilização das mídias é afastar-se do referencial de mundo que os educandos for- mam na atualidade fora da escola. As mídias mostram a vida, ou uma alternativa à ela, demontram os problemas, apontam soluções, distraem, comunicam, ensinam; em contrapartida, a escola desconectada é enfadonha, distante e cansativa. Para Levy (1993), tecnologias e inteligências coletivas não causam impactos na sociedade, mas trabalham como máquinas para a cibercultura, já que estabele- cem sinergias entre as competências, limitando compartimentalizações, formando um desejado todo interligado e inseparável. 2. INTERATIVIDADE E CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS Antes da escola, o educando já passou por imersões em outros processos educacionais no ambiente familiar e com a mídia eletrônica. Alternativas a esta imer- são são colocadas a todo instante na vida das pessoas e consequentemente do educando. As mídias e tecnologias de informação e comunicação estão cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas, seja socialmente, ou no ambiente educa- tivo. Dessa perspectiva emergente surgem a interatividade e a convergência das mídias propondo transformações no papel do tratamento da informação e comunica- ção, com os sujeitos passando de consumidores/receptores para autores de produ- ção no intrincado processo de informação. Nesse contexto, o celular se transforma em artefato tecnológico produtor de de convergência de mídias, por apresentar características amplas e diversas reuni- das num mesmo aparelho (ligação, fotografia, internet, rádio, tv, mensagem, chat, calculadora, e todas as demais funções que um aplicativo do aparelho possa execu- tar: controle remoto de tv, rádio do carro, gps...). Diante deste cenário, convém des- tacar que: a principal capacidade da convergência das mídias é a de possibilitar a integração de dispositivos digitais e o seu uso sob demanda - a interatividade. Tec- nologias móveis são ferramentas comuns à comunidade escolar e sociedade, então, refletir seu uso, possibilidades e implicações na ação docente, torna-se um fator re- levante para educadores e principalmente, instituição escolar. Estes dispositivos for- temente presente no espaço escolar pode se convergir na medida em que for usado na prática docente com perspectiva pedagógica (em aula, apresentações, produ- ções, filmagens, fotografias) em tempo real e, ser compartilhado na web (you tu- be/email/blog/etc.), também em tempo real. É notório hoje, afirmar que os estudan-
  3. 3. tes pensam de modo diferenciado em virtude das interações vivenciadas a partir dos artefatos típicos da tecnologia digital. No âmbito escolar convivemos diariamente com uma diversidade de tecnolo- gias além do aparelho celular: computador, tablet, internet; todas estas, podendo ser utilizadas com enormes possibilidades (como apoio a prática, produção de conheci- mento ou apenas comunicação). Isto é um fator que vem caracterizar que as con- vergências se fazem presente nas atividades docentes. Entretanto, precisa haver um redimensionamento das possibilidades em favor da produção de conhecimento, tan- to para os alunos quanto para o professor, tendo sempre a interatividade com pro- pósito central. Sabe-se que em vários países, o acesso aos recursos acomodados pela nova fase da rede supera as visitas a sites de e-mail. Vale acresecentar que sites como facebok, myspace, twitter, you tube já implicam em mais da metade do fluxo da in- ternet. O uso de dispositivos móveis (smartphones, tablets, palmtops, palmhands...) e de memórias eletrônicas de grande capacidade permitem às pessoas uma cone- xão a vários aspectos do cotidiano sem qualquer aprofundamento do que é captado, tais como as notícias circulantes, com divulgações de informações velozes mas su- perficiais sem permitir ao usuário aprofundar-se nas questões vistas nem no poten- cial que essas informações poderiam fornecer. A quantidade se sobrepõe à profun- didade. Para Levy (1993), o educando também é educado pela mídia, onde aprende a informar-se, a conhecer - os outros, o mundo, a si mesmo - a sentir, a fantasiar, a relaxar, vendo, ouvindo, o que lhe mostra como viver, ser feliz e infeliz, amar e odiar. A relação com a mídia eletrônica é prazerosa - ninguém obriga - é feita através da sedução, da emoção, da exploração sensorial, da narrativa. Mesmo durante o perío- do escolar a mídia mostra o mundo de outra forma - mais fácil, agradável, compacta - sem precisar fazer esforço. Ela fala do cotidiano, dos sentimentos, das novidades. A mídia continua educando como contraponto à educação convencional, educa en- quanto estamos entretidos. A educação escolar precisa compreender e incorporar as novas linguagens, desvendar os seus códigos, dominar as possibilidades de expressão e as possíveis manipulações. É importante educar para usos democráticos, mais progressistas e participativos das tecnologias, que facilitem a evolução dos indivíduos. O poder pú- blico pode propiciar o acesso de todos os alunos às tecnologias de comunicação
  4. 4. como uma forma paliativa, mas necessária de oferecer melhores oportunidades aos pobres, e também para contrabalançar o poder dos grupos empresariais e neutrali- zar tentativas ou projetos autoritários. 3. WEB 2.0 – POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO Segundo Levy (1999) a Web 2.0 é um termo utilizado para delinear a segunda geração da World Wide Web, abalizada no compartilhamento da informação e na colaboração dos internautas. Não se trata de uma atualização da internet, mas a aglutinação de aplicações web de mídias sociais, de forma a transformar a rede mundial numa grande comunidade - inteligência coletiva. Não se trata de um update (atualização da web) mas uma evolução, que transforma os meros consumidores em produtores da informação, baseado nos ideais da colaboração e da partilha. Valente (2007) explica que se entenderia por compartilhamentos, todos os dados (arquivos) que poderiam ser armazenados, compostos, montados, enviados ou modificados por toda uma coletividade: fotos, filmes, vídeos, músicas, comentá- rios, pensamentos, notícias, álbuns digitais... Passa por essa sistematização inclusi- ve a organização de sites favoritos, podcasts, wikis, blogs, gadgets e redes sociais, ou seja, trata-se de uma mudança tecnológicas, mas, principalmente, na forma como passou a ser utilizada por usuários e desenvolvedores. Os caminhos para as mudanças se apresentam viáveis e possíveis. No entan- to, ainda se encontram aquém do necessário. Isso se deve, particularmente, ao nú- mero de professores/formadores e de alunos que possuem condições culturais e conhecimentos prévios necessários para a utilização da WEB 2.0. Capacitações pa- ra ambos os públicos aliadas a adequadas condições de acesso físico, disponibili- dade e equipamentos se mostram fundamentais e decisivos. A WEB 2.0 traz para a escola novos desafios uma vez que não só o ambiente de sala de aula traz oportunidades para o convívio e a troca. Neste contexto, dois problemas iniciais podem ser percebidos no que se refere à conduta do professor: desconhecimento das possibilidades proporcionadas pelas tecnologias, particular- mente, o uso da internet; e, no caso de conhecer essas possibilidades, há uma su- butilização desses recursos. Mesmo ferramentas da WEB bastante simples como o e-mail tendem a ser pouco utilizadas. Programas como ZOHO, APREX, GOOGLE Docs e editores online viabilizam trabalhos construídos coletivamente e sem a ne- cessidade de que o usuário possua qualquer tipo de software instalado em sua má-
  5. 5. quina. Por sua vez, redes sociais como as viabilizadas pelos softwares NING e FLICKER fazem com que os usuários finais também sejam os grandes responsáveis pela produção do conhecimento que circula entre seus participantes. A expansão das redes via wireless são causa e consequência do crescimento exponencial no número de novos usuários da internet. O conteúdo dos websites também sofreu um enorme impacto com a Web 2.0, dando ao usuário a possibilidade de participar, geralmente gerando e organizando as informações. Mesmo quando o conteúdo não é gerado pelos usuários, este pode ser enriquecido através de comentários e avaliação. Algumas aplicações Web 2.0 permitem a personalização do conteúdo mostrado para cada usuário, sob forma de página pessoal, permitindo a ele a filtragem de informação que ele considera rele- vante. O conceito usado é comparável com o do software livre: se há muitas pesso- as olhando, todos os erros são corrigidos facilmente. O novo ensinar e o novo aprender devem assim partir de uma apropriação de novas técnicas que, ao serem incorporadas às práticas escolares, possam permitir o uso pleno e adequado do mundo digital. Neste contexto, a WEB 2.0 apresenta al- gumas alternativas importantes, pois se encontra fundamentada na pesquisa e na colaboração. 4. MOBILIDADE E IMERSÃO EM AMBIENTES CONVERGENTES O processo de ensino-aprendizagem comprometido com a formação global do indivíduo deve analisar criticamente o repertório de informações disponíveis nas mí- dias. A educação para a mídia deve funcionar levantando questionamentos, anali- sando as narrativas, conectando idéias, levando o aluno a fazer relações e elabora- ções pessoais sobre a sua visão da realidade, compartilhando-as no espaço da sala de aula. Assim o docente poderá entender a maneira como o educando elabora, re- cebe e processa as informações de caráter áudio-visual veiculadas pelas mídias. Dentre as mídias utilizadas no processo ensino-aprendizagem as mais utiliza- das são o material impresso, a televisão/vídeo, o rádio e a internet. Além disso, tem- se a informática (não só a internet) como uma das principais mídias utilizadas na atualidade, tendo a particularidade de ser multimídia, uma vez que agrega recursos de diversos tipos.
  6. 6. 5. CURRÍCULO E CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS Conforme Moran (2007), a difusão de informação é a tarefa mais fácil, fazen- do com que o professor – com auxílio das tecnologias - se torne o real facilitador do processo de ensino aprendizagem. Um CD-ROM contém a Enciclopédia Britânica, que está on line na Internet. A Escola sozinha não é mais o banco de saber e co- nhecimento, pois o aluno nem precisa estar nela para buscar informação. Entretanto para mediar esta interpretação, relacioná-las, hierarquizá-las, contextualizá-las, as tecnologias não se bastam, não se tornam suficientes. O educador terá o papel de questionar, guiar na busca de novos ângulos, procurar relativizar dados, estimulará conclusões e reconsiderações. As tecnologias ajudam a ampliar habilidades, mas o docente é essencial para acomodar cada habilidade ao momento histórico proposto ou a cada condição de aprendizagem. Assim transformam-se as tecnologias em pontes de acesso da sala de aula conectada ao mundo em que o educando e a escola se insere, com diferentes reali- dades combinadas e integradas, possibilitando melhor apreensão da realidade e conduzindo ao desenvolvimento potencial do educando, de suas diferentes habilida- des e tipos de inteligência e de suas diversificadas atitudes. Moran (2000) descreve uma proposta para pensar em níveis a escola em re- lação com as tecnologias: 6.1- no nível organizacional: a escola deveria ser mais participativa, mais adaptada a cada indivíduo, menos centralizadora e autoritária; comparando diferenças do nível do discurso - do que se diz ou se escreve - com a práxis - com as efetivas expres- sões de participação; 6.2- no nível de conteúdo: a escola deveria trazer mais a vida e os problemas que afligem os educandos, assim preparando para o futuro, e estando em sintonia com o presente e com a realidade da comunidade e mundo em que se inserem educandos e o ambiente escolar; buscando abordagens do quotidiano e incorporando-as criteri- osamente na sala de aula; 6.3- no nível comunicacional: conhecer e incorporar todas as linguagens e tecnolo- gias do homem contemporâneo; valorizando as linguagens audiovisuais, junto com as convencionais. Estas alterações aproximariam o ambiente escolar do desenvolvimento das diferentes inteligências do educando, levando-o a conhecer e perceber melhor o mundo que o cerca, levando a educação ao desenvolvimento das habilidades de
  7. 7. prender a aprender, saber fazer, saber comparar, sintetizar, descrever, e se expres- sar. CONSIDERAÇÕES FINAIS A atualidade e o mundo interativo e conectado torna muito mais difícil para o educador contrapor visões críticas, pois as mídias permitem observar e captar outras formas de mostrar o mesmo objeto ou assunto, representando-o sob ângulo e meios diferentes, integrando o mundo racional e o mundo afetivo, interferindo nos modos dedutivos e indutivos de compreensão, localizando o indivíduo em espaços e tem- pos diferentes, distanciando-se em muito do universo abstrato e complexo da escola desconectada. Segundo Moran (2000), o que a sala de aula tenta contrapor, monótona e de- sorganizadamente guiando-se pelos modelos consumistas vigentes, as mídias rom- pem segundos após, opondo e contrariando as visões dos educadores e de seus educandos, transformando em colossal abismo as visões contraditórias da escola e dos meios de comunicação. A educação é um procedimento de edificação da consciência crítica. Para is- so deve desenvolver a inteligência, as habilidades e principalmente, tratar das atitu- des, ajudando o educando a adotar atitudes positivas, para si mesmo e para os ou- tros, assim, auxiliando o educando a encontrar um eixo fundamental para a sua vida, para que possa ser capaz de interpretar o mundo, os fenômenos de conhecimento, e desenvolva habilidades específicas com atitudes coerentes para a sua realização pessoal e social. A escola precisa exercitar as novas linguagens que sensibilizam e motivam os alunos, e também combinar pesquisas escritas com trabalhos de dramatização, de entrevista gravada, propondo formatos atuais como um programa de rádio uma re- portagem para um jornal, um vídeo, onde for possível. A motivação dos alunos au- menta significativamente quando realizam pesquisas, onde se possam expressar em formato e códigos mais próximos da sua sensibilidade. Mesmo uma pesquisa escri- ta, se o aluno puder utilizar o computador, adquire uma nova dimensão e, fundamen- talmente, não muda a proposta inicial. REFERÊNCIAS
  8. 8. BARBERO, Jesús MARTÍN. Heredando el futuro. Pensar la educación desde la co- municación. In: Nómadas, Bogotá, set/1996, n. 5, p. 10-22. LËVY, Pierre. Cibercultura. S. Paulo: Editora 34, 1999. ______. Tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 1993. MORAN, José M. Desafios na Comunicação Pessoal. 3ª Ed. São Paulo: Paulinas, 2007. ______________. Mudanças na comunicação pessoal. São Paulo, Paulinas, 2000. SILVA, Robson S. da. Web 2.0: um novo modo de ensinar e aprender. Disp: http://www.educacaoetecnologia.org.br/?p=5540. Acesso em: 12 de dezembro de 2013. http://ww3.unit.br/simposiodeeducacao/files/2011/08/texto_max-e-lucaas.pdf VALENTE, Carlos. Second Life e Web 2.0 na educação: o potencial revolucionário das novas tecnologías. São Paulo: Novatec, 2007. VESCE, Gabriela E.P. Mídias educacionais. Disp. em: http://www.infoescola. com/comunicacao/midias-educacionais/. Acesso em 12 de dezembro de 2013.

×