Jornal Sem Terra

385 visualizações

Publicada em

Jornal Sem Terra

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
385
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal Sem Terra

  1. 1. www.mst.org.br Ano XXXIII • Nº 326 • Dezembro- 2014 Saiba o que é uma Constituinte Exclusiva para a reforma do Sistema Político Escola Nacional Florestan Fernandes completa 10 anos de luta da classe trabalhadora Leandro Konder, o profeta da dialética Página 2 Página 9 Página 12 eStudo Realidade Brasileira Lutadores do Povo “2015 será o ano de retomar grandes mobilizações pela Reforma Agrária” JokaMadruga JST - Rev..indd 1 01/12/2014 17:58:32
  2. 2. Jornal Sem Terra • Dezembro 2014 Palavra do Leitor Editorial Ou avançamos na conquista de mais direitos ou retrocedemos e damos mais lucros às grandes empresas. Direção Nacional do MST “A unidade entre campo e cidade é fundamental para uma nova sociedade” – Ermínia Maricato, professora da Universidade de São Paulo Temos como tarefa construir um amplo arco de alianças com os movimentos urbanos em torno de uma Constituinte É necessário a unidade entre os movimentos do campo e da cidade para mobilizar o Brasil “Realmente precisamos estender as feiras da Reforma Agrária, porque é bom que se saiba que os alimentos saudáveis da agricultura familiar estão no dia a dia dos Brasileiros” - Osni Jacinto “O MST tem que lutar por mais linha de créditos, assistência e inserção no mercado porque SE O CAMPO NÃO PLANTA A CIDADE NÃO JANTA!” - Conceição Vieira Estamos entrando num novo ciclo da luta política no Brasil, onde a participação popular em grandes decisões que afetam diretamente o futuro do país será cada vez mais cobrada, e isso ocorrerá nas ruas. O novo governo da presidenta Dilma Rousseff foi eleito sob a ba- se da mudança. Foi esse o recado dado pelo povo, após vivenciar o confronto entre dois projetos po- líticos antagônicos para o Brasil. O discursovencedorfoijustamen- te o que coloca o país no rumo das transformações estruturais, contra- pondo o atual sistema político, cada vez mais voltado aos interesses do capital e retrocedendo nos direitos constitucionais do povo brasileiro. Reconhecemos que nos últimos 12 anos houve melhorias na vida do trabalhador, mas este modelo de distribuição de renda de políti- cas compensatórias com alta taxa de lucro das empresas se esgotou. O governonãoconseguefechara conta,asempresasqueremobtermais lucroseostrabalhadoresmaisdireitos. É este o campo de batalha que teremos para o próximo período: ou avançamos na conquista de mais direitos para os trabalhadores, ou retrocedemos ao disponibilizar mais lucrosàsempresaseaoagronegócio. Neste contexto, nós que esta- mos na luta pela terra e pelo ter- ritório, temos como tarefa funda- mental construir um amplo arco de alianças com os movimentos urbanos em torno de uma Cons- tituinte Exclusiva e Soberana. É necessária a unidade entre os movimentos do campo e da cidade para mobilizar os quatro cantos do Brasil por essa luta, já que só a pressão popular garantirá que o governo faça uma refor- ma política exclusiva e soberana. Lutar pela Constituinte é abrir caminhos para outras grandes re- formas estruturais, como a Reforma Agrária, a reforma tributária para taxar as grandes riquezas, a reforma do Poder Judiciário e a democrati- zação dos meios de comunicação. Alémdefortaleceraunidadeentre campo e cidade, também é preciso ampliar e fortalecer a unidade no campo por meio da Via Campesina. A construção de espaço de for- mação e luta dos povos do campo, como ocorreu em agosto de 2012 no 1° Encontro Unitário dos Traba- lhadores, Trabalhadoras e Povos do Campo, das Águas e das Florestas, possibilitou que mais de 333 organi- zaçõesdocamposereunissemnuma plataforma política e tirassem um ca- lendário unificado de luta em defesa da Reforma Agrária e do território. A retomada da luta pela terra combinadacomosnovosdesafiosor- ganizativosteráquedarotomdeum novo momento do processo de luta declasses.Precisamosdepolíticasdo campo que possibilitem a mudança do curso do desenvolvimento para a agricultura, e isso significa mudar a matriz tecnológica voltada para produção de alimentos, priorizando o fim do uso de agrotóxicos, que avance na demarcação do território indígena e quilombola e garanta a plena democratização da terra. Portanto, a unidade no proces- so de luta pelas reformas estru- turantes é nosso desafio nesse novo período, atrelado à constru- ção da Reforma Agrária Popular e a massificação do combate ao latifúndio, seja por meio da produ- tividade, da degradação do meio ambiente ou pelo trabalho escravo. A retomada da luta pela terra dará o tom de um novo momento da luta de classes “A Reforma Agrária é, além de uma necessidade política, uma obrigação moral” - Papa Francisco Edição - chefe: Luiz Felipe Albuquerque. Revisão: José Coutinho Jr. e Maura Silva. Projeto Gráfico: ElielAlmeida. Diagramação: Maura Silva. Assinaturas: Elaine Silva Tiragem: 10 mil exemplares. Endereço: Al. Barão de Limeira, 1232 - CEP -1202-002 - São Paulo (SP) - Tel. (11) 2131-0850. Correio Eletrônico: jst@mst.org.br. Página na internet: www.mst.org.br. Todos os textos do JST podem ser reproduzidos por qualquer veículo de comunicação, desde que citada a fonte e mantida a integra do material. JST - Rev..indd 2 01/12/2014 17:58:32
  3. 3. Jornal Sem Terra • dezembro 2014 Estudo A Reforma Política é pauta central no debate atual, resta saber se será feita pelo povo ou pelo Congresso. O Congresso Nacional não é capaz de fazer uma reforma estrutural que rompa com seus próprios in- teresses. Hoje, a Câmara dos Depu- tados e o Senado são compostos por representantes dos setores mais atrasados da sociedade bra- sileira, como banqueiros, gran- des empresários e latifundiários. As campanhas eleitorais são finan- ciadasporessesmesmosgrupos,que veem na política mais uma forma de investir em seus negócios e ter seus interesses satisfeitos na formulação das leis que regem o país. Por isso, deixar a Reforma Política para esse Congresso é jogar a água da banheira com a criança dentro. Apenasumfórumdedebatecomre- presentantes do povo, eleitos exclu- sivamente para reformar o Sistema Político e alterar a Constituição nos pontos que dizem respeito a ele, podeproporcionaravançosquecon- templem os interesses mais amplos da população e não apenas de uma minoria.Aexclusividadeexige,ainda, que a elaboração dos novos pontos constitucionais se dê mediante a consulta cidadã e a participação popular, com audiências junto à população. Após realizada a Assem- bleia e aprovada as mudanças, esses representantes terminariam seus mandatos e seguiriam suas vidas, o quepossibilitariaqueodebatesobre a Reforma Política se desse em outro nível, sem o estreito vínculo com interesses individuais. Esse fórum se chama Assembleia Constituinte Exclusiva do Sistema Político. Com uma Assembleia Constituinte, as questões que realmente interessam à política do país seriam colocadas, como o financiamento público das campanhas, os mecanismos de en- frentamento à sub-representação de setores como negros, indígenas e LGBTTs, o fortalecimento de ferra- mentasdedemocraciaparticipativa, como os plebiscitos, referendos e Projetos de Lei de Iniciativa Popular (PLIPs), a composição da Câmara e do Senado, etc. Não restam dúvidas de que a Reforma Política é pauta centralnodebateinstitucionalatual. Foi tema das eleições presidenciais e está presente nas discussões dos três poderes em Brasília. O centro da questão, no entanto, é quem fará a Reforma Política, se é o povo ou o Congresso. A campanha do Plebis- cito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Política, organizada a partir de mais de 2.000 comitês em todos os esta- doscoletou,emsetembrodesteano, quase 8 milhões de votos em urnas populares,sendo97,05%delesfavo- ráveis à convocação da Constituinte. O resultado foi entregue aos três poderes, e um Projeto de Decre- to Legislativo foi protocolado na Câmara (PDC 1805/2014) e no Se- nado (PDS 150/2014). O projeto prevê a convocação de um Plebis- cito Oficial, nos termos constitu- cionais, que consulte à população em relação à pergunta: “Você é a favor de uma Assembleia Consti- tuinte ExclusivadoSistemaPolítico?”. O Congresso, porém, recusa-se a enxergar a realidade, e tem seu pró- prio projeto tramitando na casa. O Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 352/13 tramita na Câmara desde julho de 2013, e é outra proposta em jogo nessa disputa. Ela é resultado da reunião de 37 projetosquenãotocamemnenhum dos pontos cruciais que atravancam o atual Sistema Político. Essa PEC não passa de uma contrarreforma política, que propõe apenas a re- formulação de questões eleitorais comoovotofacultativoeareeleição, sem o debate do financiamento das campanhas e a discussão mais am- pla sobre o Sistema Político do país. Seguir organizando a luta de massas pela Constituinte significa, atual- mente, pressionar ao máximo as instituiçõesparaqueumprojetoque beneficieopovobrasileirosejaapro- vadonasduascasas.Issosignificaen- frentarospoderososqueserecusam aquererenxergaraverdade:apopu- laçãoquermudançassignificativase sabe que isso não vai acontecer com o atual Congresso. Mas o que é isso de Constituinte Esclusiva para a Reforma do Sistema Político? O Congresso tem seu próprio projeto de reforma, e é outra proposta em jogo nessa disputa Afinal, o que é uma Constituinte? Lucas Pelissari Executiva Nacional do Plebiscito por uma Constituinte É a realização de uma assem- bleia de representantes eleitos pelo povo que recebem o man- dato para criar ou modificar a Constituição e definir as regras e o funcionamento das institui- ções do país, como o governo, o congresso e o judiciário. A Constituinte que propomos de- veservirparamudarasregrasdo sistemapolíticoeabrircaminho paraasaspiraçõespopulares,co- mosaúde,educação,transporte e reforma agrária. Por que Exclusiva e Soberana? Deve ser exclusiva para que os representantes sejam eleitos exclusivamente para isso. Não serãoosdeputadosatuais,jáque nãoiriamcaçarseusprópriospri- vilégios.Devesersoberanapara ter o poder de mudar o sistema político. Ouseja,estaráacimade todos os outros poderes. Reprodução Ato em SP reuniu mais de 2 mil pessoas pela Constituinte, em setembro JST - Rev..indd 3 01/12/2014 17:58:33
  4. 4. Jornal Sem Terra • Dezembro 2014 Entrevista Para o coordenador nacional do MST, diante do atual Congresso Nacional e da polarização da luta, “ou Marcha dos Sem Terra, em Brasília, durante o 6º Congresso Nacional do MST, em fevereiro de 2014 “Temos que exigir, nas ruas, que o governo faça as principais reformas. A primeira é a Reforma Política, que é um consenso no Brasil” MídiaNinja Por José Coutinho Júnior Setor de Comunicação do MST Em entrevista ao JST, Jaime Amorim, da coordenação nacional do MST, analisaaconjunturapolíticade2014. Do 6° Congresso do MST ao pe- ríodo eleitoral, abre-se um es- paço para um novo ciclo de lu- tas pela Reforma Agrária. Para ele, o ano de 2015 será de extrema importância “para fazer ocupações de latifúndios, reto- mar o processo de massificação da luta pela terra, exigir do gover- no questões fundamentais para o desenvolvimento da Reforma Agrária Popular, dos assentamentos e para a desapropriação de terras”. Jornal Sem Terra - O que represen- tou o 6° Congresso do MST, tanto para o Movimento como para a sociedade? Jamie Amorim - O 6° Congresso foi um marco para o MST, que mostrou a referência que o Movimento cons- truiutantonoBrasilcomoemoutros países.Queríamosdarumrecado,de queestamosrecuperandooprocesso de luta de massas, e que a luta pela Reforma Agrária está viva. A palavra de ordem “Lutar, Construir Reforma Agrária Popular” constitui uma sín- tese do que foi o Congresso. E ao mesmo tempo em que se esgota o processodaReformaAgráriaClássica, temosumanovaproposta,aReforma Agrária Popular. Essa foi a marca que o Congresso deixou. JST - Que balanço você faz da Re- forma Agrária no fim do primeiro mandato de Dilma? JA - Infelizmente tivemos duas questões centrais para a Reforma Agrária não ter avançado no longo período do governo Lula e Dilma. O projeto que eles adotaram não tem espaço para a Reforma Agrária. Eles apostaram no agronegócio, na produção para exportação, para garantir o equilíbrio da balança comercial. O governo nunca tomou medidas para avançar na Reforma Agrária, e com isso indiretamente reforça o modelo agroexportador, que sempre contestamos. O agrone- gócio, em função dos incentivos do governo, acabou construindo uma hegemonia com aliados poderosos. Mas seu poderio começa a en- trar em falência. Setores que eram fortes, como o canavieiro e o eucalipto estão quebrando, e isso mostra que vamos entrar num novo período da luta pela Reforma Agrária nos próximos anos. Para nós, esse é um momento Jaime Amorim: “Temos que ir para ofensiva contra esse novo Congresso conservador” JST - Rev..indd 4 01/12/2014 17:58:33
  5. 5. Jornal Sem Terra • dezembro 2014 vamos às ruas, ou vamos perder”. O aumento do conservadorismo no Congresso é resultado de uma capitalização do processo eleitoral Reprodução bom. De um lado está a direita querendo retornar ao governo, e ao mesmo tempo, essa direita no cam- po começa a falir. JST - O Congresso Nacional eleito é um dos mais conservadores. Como lutar por mudanças nesse cenário? JA - Vamos ter que criar outras formas de nos posicionar nesta con- juntura. Mas é possível que, com as lutas nas ruas, possamos pressionar o governo a tomar uma postura mais progressista. Temos que ir para a ofensiva contra esse Congresso. Temos que criar uma ampla frente popular que reúna organizações e partidos de esquerda, que lute por bandeiras concretas, exigir nas ruas que o governo faça as principais reformas. A primeira é a Reforma Política, que é um consenso, e pres- sionar para alterar esse modelo po- lítico que não nos serve. Segundo a reforma dos meios de comunica- ção, está todo mundo atento para isso, e se quisermos uma sociedade mais democrática, essa hegemonia deve acabar. Também tem que ser feita uma reforma tributária, pois é necessário que o país cobre menos impostos do povo e mais dos ricos. E a Reforma Agrária. É nossa tarefa organizar a população do campo e exigir que ela seja feita. É certo que vamos ter um cenário complexo e demuitascontradições.Acorrelação de forças está bastante apertada, tanto o Congresso, o judiciário e a imprensaestarãocontranósecontra o governo, criando um processo de instabilidade permanente JST - O que caracteriza esse novo período de lutas pela Reforma Agrária? JA - Há uma contradição bastante explícita entre o pensamento da di- reita conservadora e o pensamento maisprogressista,compossibilidade de avançar mais para a esquerda. Vamos ter que fazer com que essas contradições sejam motivação para Temosqueenfrentarimediatamente essaoposição,fazendolutasdemas- sa logo no início de 2015, garantir efetivamente um um março e abril vermelho, para demonstrar nossa capacidade e disposição de luta. JST-Abancada ruralista, após essa eleição conta com mais de 50% dos deputados no Congresso. O que isso representa para a luta dos trabalha- dores do campo? JA- O aumentodoconservadorismo no Congresso não é resultado de uma democracia popular, e sim da dada, é um sinal bastante ruim para todos aqueles que foram às ruas de- fender a reeleição da presidenta Dil- ma. Do ponto de vista objetivo,isso nãoalteramuitacoisa. O quealteraé oquerepresentaaKátiaAbreu. O go- verno,sequiserteranossaconfiança, precisa indicar para o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), que é o nosso ministério, pessoas que representem a vontade de fazer a luta dos camponeses. Temos que pressionar o governo para indicar quem tem a competência e JST - Quais as ações do MST frente a tudo isso? JM - Para nós esse é um bom mo- mento.Ascontradiçõesestãobastan- tesexpostas.Deumladoestáadirei- ta querendo retornar ao governo, e ao mesmo tempo, ela começa a falir no campo. Então é nossa hora. 2015 vai ser um ano muito importante para fazer ocupações de latifúndios, retomar o processo de massificação da luta pela terra, exigir do governo questões fundamentais para o de- senvolvimento da Reforma Agrária Popular dos assentamentos e para a desapropriaçãodeterras.Precisamos fazer uma grande luta no início do ano, recuperar nossa capacidade de fazer grandes mobilizações e reco- locar a Reforma Agrária na agenda política da sociedade. capitalização cada vez maior do pro- cesso eleitoral. Quem tinha dinheiro seelegeu,comoosfundamentalistas, eleitos pela mídia e empreiteiras. Va- mos sofrer durante esse período um processo permanente de tentativa de tirar os direitos já conquistados, e o Congresso tentará encurralar e imobilizar o governo cada vez mais. Temosquedisputarasruas,paranão perderdireitosouficaràmercêdesse Congresso. JST - Após a indicação de Kátia Abreu para o Ministério daAgricul- tura (MAPA), é possível afirmarque esse governo ainda está em disputa? JA - Se essa indicação for consoli- capacidade para gerir o MDA e o Incra, e garantir que a Conab não esteja mais ligada ao MAPA, e sim ao MDA, que são os órgãos que nos interessam. JST - Será possível fazer reformas- com esse congresso conservador? JA-Sedependermosdessecongres- so, não vamos só perder direitos, mas ele fará com que aos poucos o governo recue nas políticas públicas esociais,queforambandeirasnosúl- timos12anos. Ouvamosàsruas,com organização popular, ou vamos per- der. Se o governo não der sinais e os movimentossociaisnãoperceberem o momento que estamos vivendo, a tendênciaévivermosquatroanosde muitosconflitoseperdasdedireitos. “Temos que enfrentar imediatamente essa oposição, fazendo luta de massas no início de 2015, para demosntrar nossa disposição de luta” JST - Rev..indd 5 01/12/2014 17:58:34
  6. 6. Jornal Sem Terra • Dezembro 2014 Estado Jovens de toda a América Latina se reúnem no Rio Grande do Sul para traçar agenda de lutas Por Rafael Soriano e Gustavo Marinho Setor de Comunicação do MST Os Sem Terra de Alagoas realizaram duas grandes feiras da Reforma Agrá- ria nos últimos meses. No mês de setembro, a capital Maceió recebeu mais de 600 toneladas de produtos na 15ª Feira da Reforma Agrária. Junto à comer- cialização, a feira também trouxe um festival cultural com diversas apresentações, que vão desde o folclore com bois, escola de samba Brasil recebe 14º Acampamento da juventude Latino Americana Durante o 14º Acampamento da Juventude, os jovens ocuparam uma fazenda de milho transgênico e coco a grupos contemporâneos, que mesclam a cultura popular com a pauta política. Em outubro, foi a vez da cidade de Arapiraca comer- cializartoneladasdeprodutosvindos das áreas da Reforma Agrária no estado. O evento é um instrumento que, junto com as lutas de todo ano, materializa à sociedade o resultado da divisão das terras e da coopera- ção no trabalho dos camponeses, agricultores e agricultoras Sem Terra quelutarampelaReformaAgráriano início dos anos de 1980 na região. Alagoas mostra à sociedade os frutos da Reforma Agrária Foram comercializados mais de 600 toneladas de produtos Após 11 anos, assentados conquistam crédito para construir suas casas Por Marcos Lima Setor de Comunicação do MST AsfamíliasassentadasdoMé- dioSertãoparaibanoconquis- taram,nomêsdenovembro,a construção de 131 unidades habitacio- nais no Assentamento Nova Vida I, no municípiodeAparecida. Segundo o dirigente nacional do MST, Rosivan Batista, esta é a primeira vez que acontece a assinatura de contrato entre a Caixa e assentados.“Até o final doanotemosumapautaparacumprir, e temos mais de dez assentamentos que precisam de habitações dignas”, frisou.Alutaporterraemoradiainiciou nas VárzeasdeSousa,nodia24demaio de 2004, quando cerca de 800 famílias reivindicavam seus direitos de plantar ecolher. “Pensamosqueconseguiríamosterra ecasadeumdiaparaoutro.Passaram-se 11anos,masnuncadesistimos,eagora estoupróximodeabrigarminhafamília”. perados à agroindústria. A iniciativa surgiu a partir de um diagnóstico que indicava que o valor pago aos produtores por tonelada nãocompensavaotrabalho.Assim,foi criadaaagroindústriaparagerarrenda às famílias e diversificar a produção. GustavoMarinho Entre os dias 20 a 23 de novembro, cerca de 2 mil jovens de todo o continente americano se reuniram em Palmeiras das Missões (RS), um território de grandes lu- tas indígenas e camponesas, para participar do 14° Acampamento da Juventude Latino Americana. Organizado pela Coordenação La- tinoamericana das Organizações do Campo (Cloc) e Via Campesina, o acampamento contribuiu no pro- cesso formativo e debateu as lutas conjuntas com a juventude urbana e de outros países. Para Raul Amo- rim, da coordenação do coletivo de juventude do MST “o acampamento foi um espaço de protagonismo da juventude cam- ponesa na luta contra a ofensiva do capital sobre os recursos naturais na América Latina”. Para Amorim o acampamento colocou o desafio da construção de agendas de lutas comuns para a construção de um projeto popular para o continente. A cubana Aleida Guevara, filha de um dos líderes da Revolução Cubana, Che Guevara, que esteve presente durante o Acampamento. “Ajuventudeéquemvaiimpulsionar, animar e construir com criatividade ecapacidadeasmudançasparauma sociedade mais justa e igualitária justa”. MídiaNinja O JST - Rev..indd 6 01/12/2014 17:58:34
  7. 7. Jornal Sem Terra • dezembro 2014 Estado Serão comercializados 520 toneladas, além de 1 milhão de toneladas de arroz orgânico Em outubro, a prefeitu- ra de São Paulo fechou um acordo com duas cooperativas do MST para a compra de 520 toneladas de feijão pelo Programa Nacio- nal de Alimentação Escolar (Pnae). De acordo com Sebastião Aranha, militante do MST, o acordo beneficia tanto a agricultura familiar como a cidade de São Paulo. “Temos condições de atender 100% da alimentação escolar da cidade. MST vende feijão da Reforma Agrária para as escolas de São Paulo Famílias de Andradina foram as primeiras a conquistar agroindústria em SP Leandro Taques Projeto de escola em assentamento ganha prêmio de tecnologia Por Talles Reis Setor de Comunicação do MST A população de Recife possui agora mais um ponto para aquisição de produtos saudáveis: a Feira Agroecológica da Refor- ma Agrária, organizada numa parceria entre as famílias do Assentamento Chico Mendes III, a Associação Terra e Vida e o Museu do Homem do Nordeste. A feira funciona às sextas-feiras pela manhã na sede do museu, localizadonobairroCasaForte. O Assentamento Chico Mendes III, em São Lourenço da Mata, é a principal experiência em anda- mento de produção agroeco- lógica do MST na região. Atual- mente, as 55 famílias assentadas participam de três feiras: na Pra- ça do Canhão, em São Lourenço da Mata, duas em Recife e a mais nova feira no Museu do Homem do Nordeste. Para Maurício Antunes, diretor do museu, o objetivodafeiranãoédeapenas disponibilizar um espaço físico. “O nosso projeto está baseado em trazer a agricultura familiar também como cultura, e não cindir a reprodução material da vida cultural”, afirma. MST inicia parceria com museu para feira agroecológica em Recife 55 famílias assentadas participam de três feiras na capital pernambucana MauraSilva MST-RO A Escola Estadual de En- sino Médio Antônio Con- selheiro, que atende 200 criançasejovensdedezas- sentamentosdoMST,elaborouum projeto de nomeação de estradas queenvolveutodaacomunidade. A iniciativa foi premiada com o 2° lugar na Mostra Brasileira e Internacional de Ciência e Tec- nologia (Mostratec), no eixo En- sino Médio Politécnico, ciências sociais, comportamento e artes. A escola desenvolveu o projeto “Construindo Caminhos para a Valorização do Espaço em que Vi- vemos”,comapropostadenomear as estradas rurais da região, que até então não tinham nomen- clatura formal. A ideia é contribuir no acesso aos serviços públicos, como transporte escolar, correio, telefone e a comunicação com outras comunidades e cidades pró- ximas. Para nomear as estradas, os estudantes pesquisaram sobre figuras importantes da história de seus assentamentos, debatendo a proposta com suas comunidades. “Fomos na comunidade contar as histórias,conferircomosmaisvelhos, depois o pessoal fez uma conversa com a comunidade para ver os no- mes de estradas que gostariam de colocar”, contou a diretora Carmen Willes Vedovatto. As famílias assentadas e acampadas da região de Andradina (SP) serão as pioneiras da primeira agroindústria financiada pelo Programa Terra Forte no estado de São Paulo. A cerimônia de assinatura do pro- jeto aconteceu no mês de setembro, no Assentamento Timboré. A Coapar receberácercadeR$12,8milhõespara investir na construção da agroindús- tria. A região de Andradina comporta 46 assentamentos e mais de 4.500 famílias. Éonossoobjetivo,poisquemproduz alimentos saudáveis é a agricultura familiar, e muitos desses alimentos acabam sendo vendidos para a pre- feitura por atravessadores”. A prefeitura também vai adquirir um milhão de toneladas de arroz orgânico, produzido por 850 famí- lias assentadas do Rio Grande do Sul, e há negociações para a Agroindústria compra de banana do Vale do Ribeira e hortifrutigranjeiros do Cinturão verde do estado. Setor de Comunicação do MST - RS Os estudantes pesquisaram a história de seus assentamentos para nomear estradas Por José Coutinho Júnior e Maura Silva Setor de Comunicação do MST JST - Rev..indd 7 01/12/2014 17:58:35
  8. 8. Jornal Sem Terra • DEZEMBRO 2014 Especial As crises são resultados do desenvolvimento das contra Jor 6° Congresso Nacional do MST reuniu cerca de 15 mil Sem Terra entre 10 a 14 de fevereiro. Com mobilizações em 12 estados, as mulheres Sem Terra abriram as jornadas de lutas do Movimento este ano. Em abril, a Jornada Unificada da Classe Trabalhadora reuniu cerca de 40 mil pessoas nas ruas de São Paulo. OsSemTerrasemobilizaramem19estados eocuparammaisde60terraseprédios públicosnajornadadelutasdeabril. Entremarçoeabril,diversasorganizaçõesda jovensrealizaramasegundajornadanacionalde lutasdajuventudebrasileira JST - Rev..indd 8 01/12/2014 17:58:35
  9. 9. s contradições internas de um determinado processo Jornal Sem Terra • DEZEMBRO 2014 As ocupações das terras da Araupel, no Paraná no mês de maio, e do senador Eunício Oliveira (PMDB), em Goiás no mês de agosto, simbolizaram as duas grandes lutas do MST, com cerca de 3.000 famílias em cada uma. Ao longo de todo ano mais de 400 organizações realizaram a luta pelo Plebiscito Popular por uma Constituinte, que colheu quase 8 milhões de votos entre os dias 1 a 7/09. Em outubro os Sem Terrinha realizaram mais uma jornada de luta em todo país Com 2.000 pessoas, a juventude Latino Americana realizou seu 14° acampamento no mês de novembro, em Palmeiras das Missões (RS). JST - Rev..indd 9 01/12/2014 17:58:35
  10. 10. Jornal Sem Terra • Dezembro 2014 realidade brasileira Em 2015 a Escola Nacional Florestan Fernandes completa 10 anos contribuindo na formação de quadros ENFF, um resultado das experiências históricas da classe trabalhadora A construção da ENFF é parte de todos que tinham argamassa em uma mão e um livro em outra Para o MST, o método deveprepararamilitância para trabalhar com as pessoas Faz parte da missão da ENFF a qualificação envolvendo a base, a militância e os dirigentes ArquivoMST A Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF) está perto de completar 10 anos de atividade. sociais do aprendizado coletivo. Sem Terra do Brasil assumiram desde sua germinação o compro- misso com o legado da história e da memória dos coletivos em luta. A formação Política tempera- da com o vigor da mística, mo- dulando a voz e o passo da par- tilha e da comunhão do gesto. Assim, se criaram as primeiras escolas de formação do MST, co- mo espaços da educação e práti- ca de liberdade. Nossa formação política sempre esteve associada a dimensões que fortalecem o co- tidiano do Movimento. A primei- ra está relacionada à qualificação das lutas de massas e a segunda é a organicidade interna, que pro- duz a força motriz do Movimento. Nossa vigilância ideológica é exercida para que se materialize em nossas práticas a participação, a unidade, a disciplina e o com- promisso com as lutas do povo. A tarefa da formação é repar- tir conhecimentos e construir experiências concretas de orga- nização, prática, valores e lutas. Assim, deste desejo de auto- formação e partilha de experiên- cias, nascia há 10 anos a ENFF. Suanomeaçãomarcavaumcom- promisso e uma justa homenagem à vida de um intelectual bra- sileiro, filho do povo e que sempre esteve ao seu lado. A construção de nossa Escola em Guararema, São Paulo, ocorreu com as brigadas, que prepararam a arga- massa, fizeram os tijolos, ergueram paredes, teto e enquanto pratica- vam suas artes de pedreiros, mar- ceneiros e pintores, sentavam com um livro às mãos para o estudo das primeirasletrasdesuaemancipação. O objetivo da ENFF é contribuir para a formação de quadros. Por- tanto, faz parte de sua missão a qualificação da atuação envolvendo a base, a militância e os dirigentes. Para o MST, as matérias primas de construção do quadro político são a luta, o estudo e a participação permanente, construindo assim as respostas para os desafios lançados. As ENFFs Atualmente, contamos com três espaços que se somam à nossa estrutura de Guararema. São as ENFFs do Nordeste, em Fortaleza (CE), Centro Oeste, em Brasília (DF), e o Instituto de Agroecologia Latino Americano, na Região Amazônica. Todasestasestruturastemaintenção de fortalecer a organização e a for- mação política, o debate das ideias, transformando as divergências em momentos de construção do novo. As ENFFs que atuam em âmbito regional também tem o papel de realizar atividades, abordando o avanço do capital em cada região, resgatandoahistóriadaslutaseresis- tências,paraqueoscursosprograma- dosdialoguemcomalinhaestratégi- ca,osdilemasedesafiosdarealidade. Para o MST, o método deve pre- pararamilitânciaparatrabalharcom as pessoas, impulsionar o processo de inserção e organização na base. As escolas nas regiões tem por tarefa realizar o trabalho de base, a articulação com os professores das universidadeseoutrasorganizações sociais, fortalecendo a mística da identidade da classe trabalhadora. É preciso formar militantes enga- jados com a prática organizativa do MST edalutadeclasse,potencializar uma metodologia de incentivo e cultivaroentusiasmo, acriatividade, buscando inovar nos métodos, for- talecendo o valor da solidariedade. Por Simone Pereira Coordenadora Político Pedagógica da ENFF JST - Rev..indd 10 01/12/2014 17:58:35
  11. 11. Jornal Sem Terra • dezembro 2014 realidade brasileira O internacionalismo é valor da classe trabalhadora 940 estudantes já participaram de algum processo formativo Como resultado do pensamento e da prática da formação política à esquerda, a ENFF também inovou emsuaorganização,emsuasformas de se relacionar com movimentos sociais e partidos políticos, cons- truindoumavisãopluralepluralista, fundamentadanahistóriadalutade classes. Emsuahistória,desenvolveu uma rede de solidariedade formada por lutadores que se identificam comcausasprogressistaseumaedu- cação libertadora. A solidariedade está na base da construção da ENFF, quecontoucomdinheirodoadopor artistas como Sebastião Salgado Chico Buarque e José Saramago, além do trabalho solidário de mi- litantes de diversas partes do país, das contribuições organizações do Brasil e de outras partes do mundo. Asolidariedadedeclassefezsurgira AssociaçãodosAmigosda ENFF(AA- ENFF), que nos últimos cinco anos reuniu apoiadores de praticamente todas as regiões do país, e tem con- tribuído tanto para obter recursos à Escolaquantoapoiopolíticoàscon- cepções de educação, luta política edeconsciênciadesenvolvidaspela EscolaNacionalFlorestanFernandes. Construirumaredeinternacionalde Construirumaredeinternacionalde apoiopolíticoefinanceiro continua sendo o objetivo central da ENFF, que atua em diversas frentes para torná-la conhecida com as causas queamobilizam. Emtemposdecer- co feroz das classes dominantes à resistênciados“debaixo”,permiteà ENFFmanterseusprincípiosdenão submissãoaosvaloresdominantes, seguindo em seu propósito de de- penderapenasdaquelesquelutam pela libertação de todos aqueles que são oprimidos pelo Capital e portodasassuasmazelasquetanto ferem o snoo povo. Solidariedade e Educação à Esquerda processo organizativo. Por ser considerada uma das principais escolas de formação de quadros de movimentos sociais da América Latina, a ENFF zela pela uni- dadeeintegraçãodonossocontinen- te, como as articulações continentais com a CLOC, Via Campesina e ALBA -MovimentosSociais,alémdeoutras centenas de organizações. Os cursos preparatórios para mi- litantes que prestam solidariedade a outrospovos,como Venezuela,Amé- rica Central, África, Haiti, Palestina; os intercâmbios que desenvolvem o internacionalismocomajuventudee divulga a luta do MST em outros paí- ses, e os cursos de formação política latino americana são apenas alguns exemplos dessa prática de tradição doscursosdeformaçãopolíticaeide- ológicadaesquerdalatinoamericana em todo o mundo.. Outro ponto é o fato do MST sempre ter acreditado que os cam- poneses e a classe trabalhadora têm odireitoelegitimidadedeocuparem a academia para aprofundar seus conhecimentos. O esforço que a a ENFF tem feito nesses oito anos tem fortalecido a luta e a unidade latino americana. Sem dúvida é um espaço de trocas de experiências e das lutas dos povos da América Latina. Por isso, dentre os cursos realiza- dospela ENFF,estáoNúcleode Estu- do LatinoAmericano,inauguradoem 2007.Desdeentão,sistematicamente se mantém diversos cursos e ativida- desinternacionaiscomaparticipação decentenasdeorganizaçõespopula- res do mundo. Com a inauguração da ENFF em 2005, o MST recupera a tradição dos cursos de formação política e ideo- lógicadaesquerdalatinoamericana, herdadadaexperiênciadarevolução cubana, que formava militantes do mundo inteiro. Neste processo, a juventude é convocada à formação, buscando compreender os elementos sociais, políticos, culturais e criar linguagens que dialoguem com a atualidade. Os cursosprocuramorganizarnovasme- todologiasquepermitemodesenvol- vimento político da consciência e do Em toda a construção da Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF) um dos entendimentos básicos foi o fato de que o processo formativo deve incentivar e vivenciar a prática da mística revolucionária e internacionalista e praticar a solidariedade internacional a todos os povos em luta. A inauguração da ENFF recupera a tradição dos cursos de formação política e ideológica da esquerda Paulo Almeida e Rosana Fernandes Coordenação Político Pedagógico da ENFF Filósofo marxista dedicou sua vida à transformação da sociedade ArquivoMST JST - Rev..indd 11 01/12/2014 17:58:36
  12. 12. Jornal Sem Terra • Dezembro 2014 internacional Capitalismo e neoliberalismo seriam os principais culpados pelas mazelas da humanidade O dia 29 de Outubro de 2014 ficará marcadonavidados100dirigentes populares que estavam na “Ala Ve- lha do Sínodo” . Foi ali, no interior de uma antiga construção no Vaticano, que pela primeira vez em 2.000 anos um Papa - líder máximo da Igreja Cató- lica e chefe do Estado do Vaticano - encontrou homens e mulheres do mundo todo, dos mais amplos setores da sociedade, com os mais diferentescredosreligiosos,quelu- tampordireitossociaisehumanos. Este momento se deu no marco do “EncontroMundialdeMovimentos Populares”, no qual os dirigentes sociaispresentes,juntoa20 bispos e um Cardeal, reuniram-se por três dias com o Papa Francisco para diagnosticar os principais proble- masdostrabalhadoresedospobres nomundoeproporoquefazerpara superá-los. O histórico dia em que o Papa se reuniu com Movimentos Sociais “A Reforma Agrária é, além de uma necessidade política, uma obrigação moral” Um encontro histórico exigia um “discursohistórico”,efoiexatamen- te com isso que o Papa Franscico presenteou a todos naquela manhã. Um discurso surpreendente, no qual ele aponta que a causa central dos problemas de falta de moradia, terra e trabalho é tirar o ser humano do centro do sistema e, em seu lugar, colocar o dinheiro. Em outras palavras, o Papa apon- ta o capitalismo e o neoliberalis- mo como os principais culpados pelas mazelas da humanidade. Reforma Agrária Francisco também afirma que quer “escutar a voz dos povos”, pois eles “não se contentam mais em sofrer as injustiças”, mas lutam con- tra elas, e ele “quer acompanhá-los nessa luta”. Destaforma,colocanumpatamar superiorarelaçãoentre“osquelutam e a Igreja Católica, abrindo grandes possibilidades para avançarmos”. “Nenhuma família sem casa, ne- nhumcamponêssemterra,nenhum trabalhador sem direitos”, afirmou, colocando a luta pela justiça e pela igualdadecomovaloresuniversaise inegociáveis. No tocante específico sobre a Reforma Agrária, disse que ela “é, além de uma necessidade política, uma obrigação moral”. Ou seja, a Igreja, por meio de sua autoridademáxima,estácondenan- doagrandepropriedadecomoalgo imoral. Franciscodisseaindasepreocupar com a erradicação de tantos campo- neses que deixam suas terras, “não por guerras ou desastres naturais”, mas pela “apropriação das terras, o desmatamento, a apropriação da água, os agrotóxicos inadequados, são alguns dos males que arrancam o homem da sua terra natal”, num fronte direto com o agronegócio. Definitivamente, é um discurso que vale a pena ser lido na íntegra e relido muitas vezes na vida. Ademais, é importantíssimo que cada pessoa que enxerga nele a grande visão histórica e de futuro se proponha a divulgá-lo incessan- temente, para que desta forma se possa ver a realidade com clareza, ampliando cada vez mais os diálo- gos com todos aqueles que lutam por uma sociedade que possa ser verdadeiramente justa, solidária, igualitária e fraterna. Papa Francisco em discurso para os movimentos sociais Pela Delegação dos Movimentos Populares Brasileiros JST - Rev..indd 12 01/12/2014 17:58:36
  13. 13. Jornal Sem Terra • dezembro 2014 lutadores do povo Ele sabia como poucos transitar da filosofia à política para transmitir o legado das ideias socialistas Como o som no ouvido penetrado, Avisa a caça antes que seja abatida; Quer espantá-la e salvar-lhe a vida Comamudançadeposturaem seu estado. Toca-lhe a pele com um grito humanizado... De quem a morte já sente por inteiro... Quer que escape renegando o próprio cheiro; De um mofo azedo no corpo deslavado. Se não se importa, a morte virá cedo! Se se importar, deve fazer mudanças! Alçar as forças bem mais que as esperanças E beijar a boca fétida do medo. Furaraalmausandoopróprio dedo, Para extrair o mal do próprio peito E dar um novo um predicado ao sujeito Que o retire do estado de de- gredo. Vai Leandro, profeta da dialética! Queviveráarranhandooatra- so escrito; Comooguardaquealertacom o apito Sem fazer parte da cena mais patética. Com as ideias e a rima bem poética Fará apenas dizer o que não cabe E o fará porque compreende e sabe Que a esperança se sustenta com a ética. Ademar Bogo Bahia, novembro de 2014 Leandro Konder, o profeta da dialética Também foi professor da Universi- dade Federal Fluminense (UFF) e da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Sua vida se cruzou com mo- mentos importantes da história do Brasil. Em entrevistas, contou suas lembranças sobre a morte de Getúlio Vargas, o discurso histórico de João Goulart e o golpe militar. “Quando o Getúlio se matou eu estavanafrentedoPaláciodoCatete. Mas eu não sabia disso. Quandoestavachegandoemcasa, alguém gritou: ‘O Getúlio se matou! O Getúlio se matou!’ Eu nem desci do ônibus, fui direto até a casa da minhaavó. Ligamoseaíveioaleitura da carta-testamento e a notícia da morte do Getúlio Vargas”. SobreocomíciodeGoulart,aúnica coisa que lembra era “da mulher do Jango. Eu estava lá, infiltrado, perto do palanque, para vê-la”. E no dia do Golpe Militar, Leandro conta que ”fui procurar um amigo queéhojeépresidentedaAcadêmia Brasileirade Letras,oIvanJunqueira, e o João das Neves que era autor, e fomos zanzar pelo centro da cidade, com uma situação tensa. No dia 12 de novembro de 2014, mais um companheiro de lutas se foi. Leandro Konder, filósofo marxista que dedicou sua vida à transformação da sociedade, fale- ceu em sua casa. Ele sofria de mal de Parkinson. Leandro marcou sua trajetória por suas convicções políticas, coerência, uma militância ativa e intransigente em defesa dos interesses da classe trabalhadora. Nasceu em 1936, em Petrópolis (RJ), filho de Valério Konder, mé- dico sanitarista e líder comunista. Foi casado por 38 anos com Cris- tina, companheira que sempre esteve ao seu lado, e deixa os filhos Carlos Nelson e Marcela. Quandojovem,formou-seemDi- reito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e se filiou ao PartidoComunistaBrasileiro(PCB). Atuou como advogado defenden- do trabalhadores e sindicatos. O Joãoiapassandopelomeiodarua eumsoldadodissequenãopodia.‘E na calçada, pode?’‘Na calçada pode’. Então o João, que tinha treino físico, andava pelo meio-fio, ao lado do soldado, que ficava esperando, com o cassetete na mão, na rua, pra dar uma porrada nele”. Por sua atuação na defesa dos trabalhadores e filiação comunista, foi preso e torturado pela ditadura militar. Em 1972, foi forçado a sair do Brasil. ViveunaAlemanhaenaFrança durante seis anos. Leandro sabia como poucos transitar da filosofia à política pa- ra, com textos claros e de refina- do toque literário, transmitir às gerações de hoje o legado dos ideais socialistas, de igualdade e das lutas da classe trabalhadora. O filósofodeixaumgrandelegado de conhecimento teórico, militância política e humanidade para todos que desejam transformar a socieda- de. Dentre suas obras, estão “Inte- lectuais Brasileiros e Marxismo”, “As Ideias Socialistas no Brasil”, “O que é dialética” e “O futuro da filosofia da práxis”. Da Redação Divulgação Filósofo marxista dedicou sua vida à transformação da sociedade Filósofo deixa um legado de conhecimento teórico e humano PROFETA DA DIALÉTICA JST - Rev..indd 13 01/12/2014 17:58:36
  14. 14. Jornal Sem Terra • Dezembro 2014 Mas eu construí a minha casa com as minhas próprias mãos. Endireitei pregos velhos e enferru- jados para pregar as tábuas. Os caibros são amarrados com arame. É tudo meu. Eu fiz tudo sozinho. Se vo- cê se meter a derrubar a minha ca- sa, vai me ver na janela, de rifle na mão. Chega só perto e vai ver. Meto uma bala como se mata um coelho. Mas eu não tenho culpa! Vou perder meu emprego se não fizer o que me mandam. E olhe, suponha que você me mate? Eles vão enforcar ocê direitinho, mas antes disso já vão ter outro camara- da no trator e esse outro vai derrubar a sua casa. Não adianta você me matar, não sou o homem que você procura. É, tá certo – disse o meeiro – Quem deu estas ordens procê? Vou atrás dele, isto sim, vou matar é ele. Não, cê tá enganado. Ele também não tem culpa. Recebe ordens do banco. O banco lhe disse: dê um jeito naquela gente, man- de todos embora, ou será despedido. Bem, deve haver o presidente do banco, os diretores, os que mandam. Vou carregar meu rifle e vou procurar eles no banco. E o homem do trator disse: Me falaram que o banco também re- cebe ordens do Leste. E as ordens são: faça as terras produzirem de qualquer jeito, ou terá que cerrar as portas. Mas então quem é que manda? Quem eu tenho que matar? Não vou morrer de fome sem primeiro ma- tar quem quer me tirar o pão. Não sei. Talvez não tenha ninguém a quem matar. Talvez não seja um problema de gente, de homens. Talvez a culpa seja da propriedade, como você disse. De qualquer maneira, eu tenhonho que cumprir as ordens. Trecho do livro As Vinhas da Ira, 1939 literatura Autor retratou como os trabalhadores rurais viviam nos EUA durante a crise de 1929, misturando realidade e ficção Por Camilo Monteiro Setor de Arquivo e Memóra O escritor John Ernst Steinbeck Jr. nasceu em Salinas, cidade agrícola da Califórnia, nos Estados Unidos, em 27 de fevereiro de 1902. Filho de fa- mília de poucas posses, desde cedo testemunhou a vida dos trabalhadores rurais na sua região. Essa experiência serviu como base de suas obras, que retratam de forma realista a vida da gente trabalhadora pobre e despossuída, que foi expulsa de suas terras e obrigada a mi- grar como retirantes durante a crise de 1929. A mecanização do campo reduziu a necessi- dade de mão de obra na plantação e colhei- ta, gerando desemprego e reduzindo salá- rios. A miséria do povo era grande: crianças morrendo de fome, famílias acampando na beira da estrada ou nas periferias das cidades, condição similar à dos camponeses brasileiros. Steinbeck expõe a miséria social nos Estados Uni- dos, mas também nos mostra o que há de mais belo no povo trabalhador do campo. A humilda- de, dignidade, a relação com a terra, a solidarie- dade entre si, em gestos como repartir a pouca comida ou oferecer abrigo a quem necessita. Escreve sem esconder os problemas, como por exemplo, a violência doméstica, o ma- chismo e o alcoolismo. Tudo sem perder a espe- rança em seu povo. Escreveu Luta incerta (1936), queretrataumagrevedetrabalhadoresrurais. Em Ratos e Homens (1937), fala sobre dois trabalha- doresruraisduranteaGrandeDepressãode1929. Em seu livro mais conhecido, As vinhas da ira (1939), ele narra a saga de uma família migrante expulsa de suas terras, que busca trabalho em outro estado norte-americano, luta pela sobrevi- vência e contra a desagregação da família. Teve o cuidado de preservar na sua escrita a forma como aspessoasfalavam,comseussotaquesemaneiras. O livrotratadetemascomoapobreza,amigração, o trabalho nas plantações de frutas e algodão, o trabalho análogo à escravidão, os acampamen- tos, a favelização, as perseguições pela polícia, aliada dos fazendeiros, e outros flagelos que atingem a todos os camponeses do Brasil ainda hoje. Steinbeck morreu aos 66 anos, em 20 de dezembro de 1968, mas sua obra permanece extremamente atual para quem se aventurar. O realismo e sensibilidade de John Steinbeck, o escritor camponês Mas então quem é que manda? Quem eu tenho que matar? Não vou morrer de fome sem primeiro matar quem quer me tirar o pão JST - Rev..indd 14 01/12/2014 17:58:36
  15. 15. Jornal Sem Terra • dezembro 2014 ão Para não esquecer Dezembro Para não esquecer Janeiro 3Nascimentode Luiz Carlos Prestes,1898 4MorreocartunistaHenfil,1988 9 Greve dos tipógrafos de três jornais no Rio de Janeiro, considerada a primeira greve no Brasil, 1858. 13 Morre o historiador marxista Nélson Werneck Sodré, 1999 15 Nascimento de Martin Luther King, 1929 15 Assassinato de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, 1919 16 Revolução islâmica no Irã, 1979 Neste 1º Encontro Nacional foram definidos os objetivos gerais, as principais reivindicações e as formas de luta e de organização. 22 Nascimento de Antonio Gramsci, 1891 25 Revolta dos Malês, Bahia, 1835 29 a 31 1° Congresso do MST, 1985 Em Curitiba, no Paraná, aconteceu o 1º Congresso Nacional do MST, com 1500 delegados e delegadas de todo o Brasil. MST faz resgate de sua história 10 Início da primeira Intifada, Palestina (2007) 11 O MST recebe o Prêmio Unicef pelo programa de educação desenvolvido nas áreas de assentamentos e acampamentos, 1995 13 Guerra do Paraguai, 1864 17 Morre Simon Bolívar, libertador da América, 1830 21 Nascimento de Salete Stronzake, 1969 25 Morre o cineasta Charles Chaplin, 1977 26 Nascimento de Mao Tsé- Tung, líder da revolução chinesa, 1893 1 Revolução Cubana, 1959 ARevoluçãoCubanafoiummovimento armado e guerrilheiro que culminou com a destituição do ditador Fulgêncio BatistadeCubapelo Movimento26deju- lho liderado por Fidel Castro, Camilo Cien- fuegos e Che Guevara O MST,emparceriacomoInstituto Perseu Abramo, está fazendo um resgate histórico dos 30 anos de lutas do Sem Terra. São milhares de fotos, vídeos, áudio e docu- mentosquecontamatrajetóriado MST. Todoessearquivoestásendo organizado e catalogado. para ser disponibilizado para consulta. Em comemoração aos 30 anos do MST, celebrados ao longo de todo o anode2014,oMovimentolançouuma coleção de cartazes em homenagem a 10 lutadores e lutadoras do povo brasileiro.NomescomoCelsoFurtado, Anita Garibaldi, Milton Santos, Paulo Freire, Olga Benário, Dom Helder Câmara e Carlos Marighela foram os primeiros homenageados. Na dificuldade de selecionar apenas 10 nomes, foram utilizados alguns critérios, como contemplar lutadores dos diversos setores da sociedade além da contribuição teóricaedapedagogiadoexemplo. Esses são apenas os 10 pri- meiros cartazes de uma série de outros que sairão com o mesmo mote, homenagear os diversos lutadores e lutadoras do povo brasileiro. É possível adquirir os cartazes mandando uma mensa- gem para pedidos1@mst.org.br. O pacote com 10 cartazes custa R$ 50,00.   Entendemos que para alcançar al- gum objetivo na luta popular, é pre- ciso que sejam garantidas ao menos trêscondições:animaçãoparaaluta, bom entendimento da realidade em que atuamos e capacidade de orga- nização. E é por isso que a própria existência e manutenção desses arquivos devem ser consideradas como parte da nossa capacidadeorganizativaparalevara lutaadiante.Casoalgummilitantee/ ou simpatizante do Movimento pos- sua alguma imagem ou documento que nos ajude a contar a história do MST, pedimos para que entre em contato conosco pelo e-mail mst.memoria@gmail.com 21 I Encontro Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, em Cascavel (1984) MST lança cartazes em homegem ao lutadores e lutadoras do povo brasileiro JST - Rev..indd 15 01/12/2014 17:58:37
  16. 16. IMPRESSO Alameda Barão de Limeira, 1232 - Cam- pos Elíseos CEP 01202-002 - São Paulo/SP Assinatura anual: R$ 30,00 JST - Rev..indd 16 01/12/2014 17:58:37

×