ResíDuos SóLidos

26.670 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
12 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
26.670
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
190
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.041
Comentários
0
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Clique para adicionar texto
  • ResíDuos SóLidos

    1. 1. ENGENHEIRO FLORESTAL: LÉO LINCE DO CARMO ALMEIDA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS
    2. 2. Resíduos Sólidos <ul><li>São resíduos nos estados sólidos e semi-sólidos, resultantes de atividades da comunidade, de origem: industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e varrição. </li></ul><ul><li>O lixo além de apresentar uma composição heterogênea, é variável em função do clima, estações do ano, hábitos da população, entre outros </li></ul>
    3. 3. CON$UMO PRODUÇÃO GERAÇÃO DE LIXO
    4. 4. Panorama da Coleta de Lixo no Brasil Fonte: Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílio (IBGE, 2002) 96,5 Centro-Oeste 98,3 Sul 98,4 Sudeste 89,4 Nordeste 87,5 Norte 95,0 Brasil Lixo coletado (%) Brasil e grandes regiões
    5. 5. Panorama da Destinação Final dos Resíduos Coletados Fonte: Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílio (IBGE, 2002) 55,6 44,4 Centro-Oeste 53,4 46,6 Sul 57,5 42,5 Sudeste 63,4 36,6 Nordeste 86,6 13,4 Norte 59,6 40,4 Brasil Sem destinação adequada (%) Com destinação adequada (%) Brasil e grandes regiões
    6. 6. Tipos de resíduos <ul><li>Resíduo domiciliar: restos de comida, papéis, papelões, plásticos, metais, vidros, latas, papel higiênico. </li></ul><ul><li>Resíduo comercial ou Industrial: Hotéis e Restaurantes, supermercados lojas e outros </li></ul><ul><li>Resíduo Público: Varrição, capina, ruas praças, entulhos e outros </li></ul><ul><li>Resíduo de fontes especiais: cinzas, cerâmica, borracha, lixo hospitalar e radiativo. </li></ul><ul><li>Resíduo Agrícola: adubo, defensivos agrícolas, restos de colheita e outros . </li></ul>
    7. 7. Gerenciamento dos Resíduos Sólidos <ul><li>Refere-se aos aspectos tecnológicos e operacionais da questão, envolvendo fatores administrativos, gerenciais, econômicos, ambientais, de desempenho: produtividade e qualidade. </li></ul><ul><li>Relaciona-se à prevenção, reutilização, acondicionamento, coleta, transporte, tratamento, recuperação e destinação final dos resíduos sólidos. </li></ul>
    8. 8. Estratégia para o Gerenciamento dos Resíduos Sólidos
    9. 9. ADOTE OS 5 Rs <ul><li>REPENSAR hábitos (pense antes de comprar); </li></ul><ul><li>REDUZIR a produção de lixo; </li></ul><ul><li>REUSAR materiais (utilize até que sature); </li></ul><ul><li>REAPROVEITAR materiais (utilizar para outra finalidade); </li></ul><ul><li>RECICLAR (produção de novo material). </li></ul>
    10. 10. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS <ul><li>CLASSE I: PERIGOSOS </li></ul><ul><li>CLASSE II: NÃO-PERIGOSOS </li></ul><ul><ul><li>CLASSE II A: NÃO-INERTES </li></ul></ul><ul><ul><li>CLASSE II B: INERTES. </li></ul></ul>
    11. 11. CLASSIFICAÇÃO DOS RESIDUOS Lâmpadas com vapor de mercúrio após o uso F044 Pós e fibras de amianto F041 Resíduos patogênicos. D004 Resíduos reativos. D003 Resíduos corrosivos. D002 Resíduos inflamáveis (resinas, etc) D001 Relação de resíduos classe I (Exemplos) Código do resíduo perigoso
    12. 12. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Bagaço de cana A024 Resíduos de materiais têxteis A010 Resíduos de borracha A008 Resíduos de papel e papelão A006 Sucata de metais ferrosos A002 Resíduos de restaurante (restos de alimento) A001 Relação de resíduos classe II(a, b) (Exemplos) Código do resíduo não perigoso
    13. 13. <ul><ul><ul><ul><li>TEMPO DE DEGRADAÇÃO </li></ul></ul></ul></ul>Reciclar Indeterminado Vidro Evitar o consumo, reciclar, reutilizar Cerca de 450 anos Plástico PET Reciclar Mais de 100 anos Plástico maleável (saco de lixo) Usar em aterro 6 meses Palito de fósforo Reutilizar 13 anos Madeira pintada Reutilizar Mais de 6 meses Madeira Usar em aterro Indeterminado Louças Evitar o consumo e reutilizar Indeterminado Isopor Evitar o consumo 5 anos Filtro de cigarro Reciclar 30 anos Corda de náilon Evitar o consumo 5 anos Chiclete Usar em aterro Indeterminado Cerâmica Reciclar Indeterminado Borracha Reciclar 200 a 500 anos Alumínio Reciclar 10 anos Aço SOLUÇÃO ADEQUADA TEMPO DE DEGRADAÇÃO MATERIAL
    14. 14. ENFERMIDADES RELACIONADAS COM OS RESÍDUOS SÓLIDOS, TRANSMITIDAS POR MACROVETORES E RESERVATÓRIOS Toxoplasmose Urina e fezes Cão e Gato Teníase e Cisticercose Ingestão de carne contaminada Gado e Porco Febre tifóide, Cólera e Giardíase Asas, patas, corpo e fezes Barata Malária, Febre amarela, Dengue e e Leishmaniose Picada Mosquito Febre tifóide, Cólera, Amebíase, Desinteria, Giardíase e Ascaridíase Asas, patas, corpo, fezes e saliva Mosca Leptospirose, Peste bubônica e Tifo murino Mordida, urina, fezes e picada Rato e pulga Enfermidades Forma de Transmissão Vetores
    15. 15. DISPOSIÇÃO <ul><li>Lixão </li></ul><ul><li>Aterro Controlado </li></ul><ul><li>Aterro Sanitário </li></ul><ul><li>Incineração </li></ul><ul><li>Usina de Triagem e Compostagem de Lixo </li></ul>
    16. 16. <ul><li>Uma lixeira é um local a céu aberto onde são depositados os RSU sem qualquer controle. </li></ul><ul><li>Os impactos ambientais são: </li></ul><ul><li>- poluição visual e olfativa; </li></ul><ul><li>- poluição dos lençóis de água subterrâneos e linhas de água superficiais devido aos lixiviantes resultantes do processo de degradação dos RSU (chorume); </li></ul><ul><li>- poluição atmosférica resultante da queima dos RSU (CO, HC, dioxinas…); </li></ul><ul><li>- proliferação de vetores; </li></ul><ul><li>- presença de pessoas e animais sem qualquer tipo de proteção. </li></ul>Lixão
    17. 17. POLUIÇÃO CONTAMINAÇÃO DOENÇAS V E T O R E S
    18. 18. SEM LIXÕES
    19. 19. C A T A D O R E S Má distribuição de renda Trabalho infantil Insalubridade
    20. 20. Aterro Controlado <ul><li>Utiliza alguns princípios de engenharia, cobrindo os resíduos com camada de material inerte na conclusão de cada jornada de trabalho. </li></ul><ul><li>Principais impactos: </li></ul><ul><li>Minimização da poluição visual </li></ul><ul><li>• Desconsidera a formação de líquidos e gases </li></ul><ul><li>• Não reduz a poluição do solo, água e atmosférica (não há impermeabilização ou sistemas de drenagem) </li></ul>
    21. 21. Valas para deposito do lixo Compactação do solo
    22. 23. Aterros sanitários <ul><li>Um aterro sanitário é um local onde se faz a deposição de RS de uma forma controlada, havendo igualmente um controle sistemático das águas lixiviantes e dos gases produzidos , e uma monitorização do impacto ambiental em que o aterro está ativo e após o seu encerramento . </li></ul>
    23. 24. Como funciona um aterro sanitário? 1. Solo impermeabilizado 2. Lixo compactado 3. Camada de terra cobrindo o lixo compactado 4. Canaletas para o escoamento de chorume 5. Lagoa de chorume 6. Chaminés com filtros para liberação de gases 7. Possível uso da área após desativação do aterro
    24. 25. Aterro Sanitário Guarita da entrada do aterro sanitário Drenos para o chorume
    25. 26. Aterro Sanitário Construção do aterro Impermeabilização da área (Lona de Polietileno)
    26. 27. INCINERAÇÃO <ul><li>É O PROCESSO DE DESTINAÇÃO FINAL QUE, POR MEIO DE QUEIMA CONTROLADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS, REDUZ EM ATÉ 90% O PESO E O VOLUMES INICIAIS. </li></ul><ul><li>EMISSÃO DE GASES – PODENDO CONTER PORCENTAGENS DE POLUENTES TÓXICOS. </li></ul><ul><li>ELEVADO CUSTO </li></ul>
    27. 28. Usinas de Triagem e Compostagem baias de recicláveis. <ul><li>pátio de compostagem </li></ul>
    28. 29. COLETA SELETIVA <ul><li>Símbolo Internacional da Reciclagem </li></ul><ul><li>(Fonte:http://www. pt.wikipedia.org/wiki/Coleta_seletiva) </li></ul>
    29. 30. O que é a coleta seletiva? <ul><li>É o recolhimento dos materiais que são passíveis de serem reciclados, previamente separados na fonte geradora. </li></ul><ul><li>RECICLAGEM : É a atividade de transformar materiais já usados em novos produtos que podem ser comercializados. Exemplo : papéis velhos retornam às indústrias e são transformados em novas folhas, poupando várias árvores de serem derrubadas. </li></ul>
    30. 31. COLETA SELETIVA <ul><li>. </li></ul>Metálico ou marron: lixo orgânico ou comum Verde: vidro Amarelo: metal Vermelho: Plástico Azul: papel
    31. 32. Implantando a coleta seletiva <ul><li>A coleta seletiva e a reciclagem de resíduos são soluções desejáveis. </li></ul><ul><li>Fundamento da coleta seletiva: separação. </li></ul><ul><li>1º passo: realizar campanha informativa junto à população. </li></ul><ul><li>2º passo: Distribuir à população recipientes adequados à separação e ao armazenamento dos resíduos recicláveis nas residências (normalmente sacos de papel ou plástico). </li></ul>
    32. 33. Implantando a coleta seletiva <ul><li>3º passo: Instalar postos de entrega voluntária (PEV) em locais estratégicos. </li></ul><ul><li>4º passo: Elaborar um plano de coleta: definir equipamentos e periodicidade de coleta dos resíduos. </li></ul><ul><li>5º passo: Instalar um centro de triagem para a limpeza e separação dos resíduos e o acondicionamento para a venda do material a ser reciclado. </li></ul><ul><li>6º passo: Implantar programas especiais para reciclagem de entulho (resíduos da construção civil) </li></ul>
    33. 34. Principais formas de coleta seletiva <ul><li>Porta a Porta – Veículos coletores percorrem as residências em dias e horários específicos que não coincidam com a coleta normal de lixo. Os moradores colocam os recicláveis nas calçadas, acondicionados em contêineres distintos; </li></ul><ul><li>PEV (Postos de Entrega Voluntária) - Utiliza contêineres ou pequenos depósitos, colocados em pontos físicos no município, onde o cidadão, espontaneamente, deposita os recicláveis; </li></ul>
    34. 35. Principais formas de coleta seletiva <ul><li>Postos de Troca – Troca do material a ser reciclado por algum bem. </li></ul><ul><li>PICs - Outra modalidade de coleta é a PICs, Programa Interno de Coleta Seletiva, que é realizado em instituições públicas e privadas, em parceria com associações de catadores </li></ul>
    35. 36. Materiais recicláveis não permitidos Metal Clipes, esponjas de aço, grampos e embalagens de marmita. Papel Vidro Espelhos, vidros planos, lâmpadas, tubos de TV e de vídeo. Carbonos, fotografias, papéis de fax, papel-toalha e papel higiênico usados, etiquetas adesivas, fitas adesivas, papéis plastificados, metalizados ou parafinados, guardanapos e lenços de papel.
    36. 37. O processo de reciclar materiais está baseado nestas três condições: Reduzir Reduzir consiste em diminuir a quantidade do lixo produzido, desperdiçar menos, consumir só o necessário, sem exageros. Reutilizar Reutilizar é dar nova utilidade a materiais que na maioria das vezes consideramos inúteis e são jogados no lixo. Existem inúmeras formas de reutilizar os materiais como por exemplo: o caso das embalagens de comestíveis, que após vazias passam a servir de recipientes para fins diversos Reciclar Entrega voluntária dos materiais às cooperativas de catadores ou empresa municipal de recolhimento, para estes serem destinados às indústrias recicladoras e posterior transformação em novos materiais.
    37. 38. Composição de material reciclável presente no lixo urbano comum Fonte: Companhia de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro/Comlurb Latas de alumínio - menos de 1% dos resíduos urbanos Plásticos - 15% PET - 1,4% Vidros - 3% Papel - 24% Papel ondulado - 4,1% Pneus - 0,5% Compostos orgânicos - 60%
    38. 39. Saiba mais sobre coleta seletiva e solidária nestes sites Empresas Municipais de Limpeza Urbana - São Paulo/SP - LIMPURB http://portal.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/servicoseobras/limpurb - Rio de Janeiro/RJ - COMLURB http://www.rio.rj.gov.br/comlurb/ - Porto Alegre/RS - DMLU http://www2.portoalegre.rs.gov.br/dmlu/ - Belo Horizonte/MG - SLU http://www.pbh.gov.br
    39. 40. Organizações Não governamentais <ul><li>- Cempre - Compromisso Empresarial para Reciclagem http://www.cempre.org.br </li></ul><ul><li>- Web-Resol: Instituto para a Democratização de Informações sobre Saneamento Básico e Meio Ambiente http://www.resol.com.br </li></ul><ul><li>- Ecomarapendi http://www.ecomarapendi.org.br </li></ul><ul><li>- Movimento Nacional dos Catadores de Material Reciclável http://www.movimentodoscatadores.org.br </li></ul><ul><li>Fórum Nacional Lixo & Cidadania http://www.lixoecidadania.org.br </li></ul><ul><li>Programa de domingo na Bandeirante Reciclagem - 8.30h </li></ul>
    40. 41. Todos nós produzimos lixo, logo fazemos parte desse problema. No entanto, podemos também fazer parte da solução.
    41. 42. DICAS PARA DEIXAR O NOSSO MUNICÍPIO MAIS LIMPO <ul><li>Ponha lixo para fora, em sacos plásticos, nos dias e horários de coleta,. Não esqueça de embrulhar o material cortante. </li></ul><ul><li>Não jogue lixo em lotes vagos, ruas, canaletas e rede de esgoto. </li></ul><ul><li>Ao construir ou reformar,não deixe material de construção espalhado no passeio e leve entulho aos locais apropriados; </li></ul><ul><li>Queimar lixo polui o meio ambiente faz mal a saúde e é proibido por lei. </li></ul><ul><li>Manter os lotes vagos limpos,murados e com passeio. </li></ul>
    42. 43. Embelezamento de propriedades, residências e escolas <ul><li>O embelezamento de uma propriedade, residência e escola pode significar maior bem estar e melhor qualidade de vida. </li></ul><ul><li>Para obter uma boa aparência, são necessários algumas mudanças em relação a apresentação do local, tais como: </li></ul><ul><ul><li>Um bom jardim; </li></ul></ul><ul><ul><li>Plantio de árvores e flores de várias espécies, tanto para embelezar como também para produção de mel e atração da avifauna; </li></ul></ul>
    43. 44. Embelezamento de propriedades, residências e escolas <ul><ul><li>Plantio de plantas medicinais, assim podendo ser utilizado na pelas pessoas da propriedade, residência e escola e como forma de renda extra. </li></ul></ul><ul><ul><li>Plantas ornamentais, melhorando o aspecto visual da propriedade, residência e escola. Este deve ser conciliado com o gosto das pessoas que ali convivem. </li></ul></ul><ul><ul><li>Tornar a propriedade, residência e escola confortável e aconchegante, através de uma boa organização, pintura e manutenção periódica. </li></ul></ul>
    44. 45. Educar é impregnar de sentido as práticas cotidianas. Gutiérrez & Prado, 2002
    45. 47. OBRIGADO <ul><li>A NATUREZA É INEXORÁVEL, E VINGAR-SE-Á COMPLETAMENTE DE UMA VIOLAÇÃO DE SUAS LEIS. </li></ul><ul><li>Mahatma Gandhi </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>00 62 32018729 </li></ul><ul><li>00 62 32018755 </li></ul>

    ×