Design de moda: Possibilidades de inovação social e sustentabilidade

887 visualizações

Publicada em

Artigo publicado na Revista Iniciação - edição temática em Sustentabilidade Vol. 4, nº2, Ano 2014
Publicação Científica do Centro Universitário Senac - ISSN 2179-474X

Acesse a edição na íntegra!

http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/?page_id=13

Autores:Regina Akemi Okada e Lilyan Berlim

RESUMO: Este trabalho sugere tornar o design de moda uma ferramenta sustentável através de sua inserção em contextos sociais e disseminar modos diferentes de se pensar sobre o mundo, introduzindo idéias no plano cultural que possam mudar concepções em relação ao "estilo de vida" das pessoas. Nessa perspectiva, serão abordadas teorias sobre conceitos de desenvolvimento e de atribuições do design para melhoria de qualidade de vida e promoção de bem estar. Como também, as necessárias mudanças nos modos de se fazer moda para que o design de moda estimule soluções criativas e gere Inovações Sociais. Assim, serão apresentadas inovações e conceitos sobre Inovações Sociais. Mas, para fomentar novos valores e critérios, e fortalecer a diversidade de padrões culturais, é preciso entender a amplitude social da moda e de sua relação com a formação cultural da identidade e o consumo. Então, serão expostas teorias que envolvem o conceito de moda e de padrões culturais estabelecidos. Também serão descritas referências baseadas na ética e na justiça para servir como elo de princípios integradores de contextos sociais inovadores e reger melhores convívios.
Palavras-chave: design de moda, estilo de vida, desenvolvimento, Inovações Sociais, ética.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
887
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
114
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Design de moda: Possibilidades de inovação social e sustentabilidade

  1. 1. Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística Edição Temática em Sustentabilidade Vol. 4 n° 2 - Maio de 2014, São Paulo: Centro Universitário Senac ISSN 2179474 X © 2014 todos os direitos reservados - reprodução total ou parcial permitida, desde que citada a fonte portal de revistas científicas do Centro Universitário Senac: http://www.revistas.sp.senac.br e-mail: revistaic@sp.senac.br DESIGN DE MODA: POSSIBILIDADES DE INOVAÇÃO SOCIAL E SUSTENTABILIDADE Fashion Design: Possibilities for social innovation and sustainability Regina Akemi Okada¹, Lilyan Berlim² Centro Universitário UNILASSALE – Niterói – RJ Pós–Graduação em Design de Moda e Sustentabilidade Sociais da UFRRJ) gina.akemi@yahoo.com.br,lyberlim8@yahoo.com.br RESUMO: Este trabalho sugere tornar o design de moda uma ferramenta sustentável através de sua inserção em contextos sociais e disseminar modos diferentes de se pensar sobre o mundo, introduzindo idéias no plano cultural que possam mudar concepções em relação ao "estilo de vida" das pessoas. Nessa perspectiva, serão abordadas teorias sobre conceitos de desenvolvimento e de atribuições do design para melhoria de qualidade de vida e promoção de bem estar. Como também, as necessárias mudanças nos modos de se fazer moda para que o design de moda estimule soluções criativas e gere Inovações Sociais. Assim, serão apresentadas inovações e conceitos sobre Inovações Sociais. Mas, para fomentar novos valores e critérios, e fortalecer a diversidade de padrões culturais, é preciso entender a amplitude social da moda e de sua relação com a formação cultural da identidade e o consumo. Então, serão expostas teorias que envolvem o conceito de moda e de padrões culturais estabelecidos. Também serão descritas referências baseadas na ética e na justiça para servir como elo de princípios integradores de contextos sociais inovadores e reger melhores convívios. Palavras-chave: design de moda, estilo de vida, desenvolvimento, Inovações Sociais, ética. ABSTRACT: This work suggests making the fashion design to serve as a tool of sustainable insert in social contexts and disseminate different ways of thinking about the world, introducing ideas in cultural terms that can change values in relation to the "lifestyle" people. In this perspective, theories of development concepts and tasks of the design to improve quality of life and promoting wellness will be addressed. As well, the necessary changes in ways of doing fashion for the fashion design encourage creative solutions and manage Social Innovations. Therefore, innovations and concepts on Social Innovations will be presented. However, to develop new values and criteria, and strengthen the diversity of cultural patterns, one must understand the social range of fashion and its relationship to cultural identity formation and consumption. So that, theories involving the concept of fashion and cultural patterns will be exposed. References based on ethics and justice to serve as a link integrator of innovative principles governs social contexts and best gatherings are also described. Key words: fashion design, lifestyle, development, Social Innovations, ethics.
  2. 2. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 2 1. Introdução Para que o design de moda se torne uma eficaz ferramenta sustentável é preciso utilizar suas características intrínsecas de possuir um grande potencial criativo e estimulador para disseminar modos diferentes de se pensar sobre o mundo, e introduzir idéias no plano cultural que possam alterar as concepções em relação ao estilo de vida das pessoas. Isso pode ser justificado pela expressiva abrangência social da Moda nas sociedades contemporâneas que envolvem padrões simbólicos de desejos e de consumo. Assim, foram expostas teorias sobre o conceito de Moda e de sua relação com a formação cultural da identidade e o consumo. Mas, segundo o designer Manzini (2008), a interferência social só poderia emergir de dinâmicas complexas de inovações socioculturais nas quais os projetistas (designers) podem ter um papel importante. Desta maneira, foram propostas possíveis interferências do design mais voltadas para o bem estar e para a melhoria de qualidade de vida. Entretanto, é importante observar que a construção de cenários sustentáveis deve estar baseada em inovações que atendam critérios de qualidade que sejam ao mesmo tempo sustentáveis para o ambiente, socialmente aceitáveis e culturalmente atraentes para as pessoas. (MANZINI, VEZZOLI, 2011). Assim, será preciso mais que utilizar práticas e processos costumeiros e adaptados aos limites impostos pela sustentabilidade. O design deverá mediar mudanças, estimular soluções criativas, fomentar novos critérios e valores e gerar Inovações Sociais. Desse modo, serão expostas possibilidades de inovações e de referências sobre o conceito de Inovações Sociais. Mas, para seguir um caminho mais sustentável, o campo do design de moda precisará mudar o modo como se faz moda e transitar em contextos sociais incomuns, apoiar-se em valores culturais e em experiências práticas que estimulem o envolvimento e o cuidado, ao mesmo tempo em que melhore a vida cotidiana das pessoas. Também será importante conjugar ideias a limites, usar a criatividade e satisfazer aspectos imateriais humanos. Nesta perspectiva, foram descritas algumas propostas de novos procedimentos, atividades e outros campos de atuação do design de moda, segundo a visão de Kate Fletcher e Linda Groose. Estruturar contextos sociais mais sustentáveis requer o entendimento dos parâmetros estabelecidos pela sustentabilidade, e de se conhecer de que tipo de desenvolvimento é proposto para a vida das pessoas. Assim, este trabalho considerou teorias que sugerem um desenvolvimento econômico diferente do convencional, como nos estudo de Amartya Sen, Max-Neef e Ezio Manzini. Mas, para selar melhores convívios e promover democraticamente a justiça é fundamental adotar princípios éticos para formar um elo de integração de contextos sociais inovadores. Assim foram expostas algumas referências éticas e de como elas podem interferir na responsabilidade social, no comércio justo e na cidadania. 2. Fundamentação Teórica A sustentabilidade é um conceito sistêmico que envolve aspectos econômicos, socioculturais e ambientais e direciona as atividades humanas para atender as suas necessidades e preservar o meio ambiente. Isto exige o desenvolvimento produtivo e social dentro dos limites da capacidade do planeta de absorver e de se regenerar, minimizando os impactos da ação humana e sem comprometer a satisfação das necessidades das futuras gerações. Honrar esse compromisso exige distribuição equânime dos recursos, segundo o princípio de que todos têm o mesmo direito de
  3. 3. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 3 acesso ao espaço ambiental. É nisso que se baseia o Desenvolvimento Sustentável ao pregar a solidariedade em relação à conservação dos recursos naturais. O conceito fundamental desta teoria está descrita no relatório Nosso futuro comum, conhecido como relatório Brundtland elaborado pela ONU1 para oferecer parâmetros de sustentabilidade. Os princípios sustentáveis indicam mudanças nos modos de vida da sociedade e tem na justiça igualitária a base fundamental para que todos tenham o mesmo direito e acesso aos recursos naturais. Ainda que isto se configure em novas relações entre os humanos e o meio ambiente, esses princípios estabelecem objetivos de desenvolvimento em todas as esferas sociais. Mas o que seria este desenvolvimento na vida das pessoas? A resposta não é simples, porque o próprio conceito de desenvolvimento é controverso. Entretanto neste trabalho, as referências estão baseadas em autores que entendem o desenvolvimento diferente do pensamento econômico convencional, entre eles estão; Amartya Sen (1999), que entende o desenvolvimento como a expansão das liberdades subjetivas, Max-Neef (1998), que tem como referência a escala humana e avalia o homem integrado na comunidade e a sua inter-relação de necessidades e satisfações humanas, e Ezio Manzini (2008) que relaciona desenvolvimento ao bem-estar e a qualidade de vida e ao cuidado das pessoas, considerando o design como um mediador de mudanças. De acordo com a opinião de Ezio Manzini (2008), a qualidade de vida está ligada ao modo como diferentes sistemas, naturais, artificiais, físicos e socioculturais se inter- relacionam e são dependentes do resultado do cuidado de todas as pessoas que ali vivem. Portanto, a ideia de bem-estar deve estar atrelada ao acesso a uma variedade de produtos e serviços, mas também à qualidade e à quantidade dos bens comuns disponíveis. Assim, as oportunidades sociais promoveriam um maior acesso ao tipo de vida que as pessoas gostariam de ter ou fazer (concepções relativas à funcionalidade), e ofereceriam maior liberdade de escolhas (ser o que as pessoas gostariam de ser e levar ao tipo de vida que o indivíduo deseja). Desta maneira, o desenvolvimento de um contexto social seria determinado pelos diversos padrões de vida e de bem-estar individual. Semelhante pensamento pode ser encontrado nos estudos de Amartya Sen, em sua publicação Desenvolvimento como Liberdade (1999). Este economista fala que o desenvolvimento pode ser visto como uma expansão de liberdades reais que as pessoas desfrutam e requer a remoção das principais fontes de privação de liberdade, como: fome, o não-acesso a água potável, pobreza e tirania, a carência de serviços de educação, saúde e segurança, e a negação dos direitos políticos e civis. Isso quer dizer que o desenvolvimento de um contexto social seria determinado pela soma dos diversos padrões de bem estar individual, ou seja, pelo conjunto de liberdades subjetivas que as pessoas desfrutam e indicaria o quanto elas podem exercer sua autonomia. Por exemplo, o senso comum costuma relacionar desenvolvimento humano com o valor do PIB2 de uma determinada população, mas os estudos de Sen mostram que afrodescendentes americanos, apesar de viverem em um país rico, têm expectativa de vida menor que nos países de terceiro mundo, como Gabão e Índia. Isso se deve à preponderância de fatores culturais sobre as facilidades do mundo industrial e moderno. Para entender a relação do desenvolvimento com as demandas sociais por um bem estar, o economista chileno Manfred Max-Neef (apud FLETCHER, 2010) elaborou estudos taxonômicos e identificou 'riquezas e pobrezas'. Assim, foram identificadas nove necessidades fundamentais: subsistência, proteção, afeição, compreensão, participação, 1 A Organização das Nações Unidas, também conhecida pela sigla ONU, é uma organização internacional formada por países que se reuniram voluntariamente para trabalhar pela paz e o desenvolvimento mundial. Definição disponível em: http://www.onu.org.br Acesso em: 25 de setembro de 2011 2 Produto Interno Bruto (PIB) é a soma de todos os serviços e bens produzidos num período (mês, semestre, ano) numa determinada região (país, estado, cidade, continente), e é expresso em valores monetários e é um indicador da atividade econômica de uma região, representando o crescimento econômico.
  4. 4. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 4 lazer, citação, identidade e liberdade, as quais foram inter-relacionadas com promotores de satisfação (categorias existenciais): ser, ter, fazer e interagir (estar). Dessa forma, Max Neef compreendeu que as necessidades fundamentais são distintas das satisfações humanas, e que o querer é insaciável e infinito. A sua metodologia se concentra em uma escala mais humana e tem como referência as expectativas pessoais. Ele tenta captar as necessidades culturais, emocionais e fundamentais, e mostra a amplitude de valores envolvidos. Mas, o autor observa que os resultados são diferentes na cultura e no modo como essas necessidades são atendidas pela sociedade, e de que este modelo poderia ser aplicado em qualquer lugar (FLETCHER, 2010). Outra abordagem a ser considerada é a psicológica que fala de um bem estar e qualidade de vida está vinculada ao bem-estar individual subjetivo e ao bem-estar social. O bem estar individual indicaria o que as pessoas sentem e pensam em relação as suas vidas; refere-se às relações interpessoais, aos impactos de eventos da vida, a comportamentos e a diferenças transculturais (GIACOMONI, 2004). Já o bem estar social; se refere à satisfação pela vida, ao trabalho, às sensações de felicidade, alegria, afeto e nas bases da psicologia positiva; nos conceitos psicossociais como; otimismo, esperança, auto-estima, inteligência emocional, valores transcendentes, acolhimento, proteção, responsabilidade, suporte e justiça social (SIQUEIRA, 2008). Isso quer dizer, que um esperado desenvolvimento deve surgir por mudanças de estruturas sociais que levem em consideração um conjunto de fatores envolvidos na vida humana. Pois, segundo as observações do designer Manzini (2008), um contexto de vida é composto pelo ambiente físico e social de uma pessoa, e pelas possibilidades oferecidas ao indivíduo para que ele tenha a capacidade de fazer suas escolhas. Portanto, a proposta para cenários sustentáveis corresponderia a mudanças de "estilo de vida" e estaria relacionado ao desenvolvimento de atividades no plano cultural que promovam novos critérios e valores, ou seja, ações que tendam a mudar comportamentos e, nessa perspectiva, modificar a própria estrutura de contextos sociais. 3. Inovações Sociais Manzini (2008) observa que algumas pessoas ou comunidades estão mudando a maneira de agir para resolverem suas dificuldades, regenerando suas vidas e os contextos sociais onde vivem. Elas utilizam soluções criativas e criam novas oportunidades. Isto é chamado de Inovações Sociais3 . Essas inovações consistem em novos conceitos, estratégias e métodos capazes de atender as necessidades das pessoas no trabalho, lazer, educação, saúde e no suporte de ações inovadoras e empreendimentos de interesse social. As Inovações Sociais têm como propósito, favorecer o senso de comunidade, a solidariedade e por modos de vidas mais sustentáveis. Elas formam estruturas sociais mais abertas e flexíveis, e rompem com padrões consolidados e experimentam novos arranjos sociais. Para o Centro para Inovação Social do Canadá4 (CSI, 2003), as Inovações Sociais nascem de ideias que resolvem desafios sociais e culturais e tem uma nova abordagem social de bens públicos e interesses coletivos. É 3 Inovações Sociais foi descrito em Design para inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais em estudo publicado nos Cadernos do Grupo de Altos Estudos; v.1 - Programa de Engenharia de Produção da Coppe/UFRJ (EMUDE apud MANZINI, 2008). 4 Centre of Social Innovation (CSI) - Centro de Inovação Social do Canadá (CAN) busca modelos de espaço de trabalho compartilhado e tem missão social que envolve artes e ambiente, justiça e educação.
  5. 5. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 5 um sistema de mudanças apoiado na colaboração pessoal e na criatividade. De acordo com Langenbach (2008), as Inovações Sociais deslocariam o valor do consumo para o valor dos relacionamentos e serviços. Assim, essas novas vivências teriam como prioridade as necessidades humanas acima das satisfações do mercado e promoveria a inclusão social, a capacitação de agentes ou de atores sociais e favoreceriam nas relações de poder. Nestas novas estruturas, o conhecimento tenderia a ser compartilhado e colaborativo e as ações e idéias estariam voltadas para o cotidiano. Além disso, haveria mais tolerância, empreendedorismo, bens comuns e um ritmo de vida mais lento; e como recursos sociais, estas novas estruturas utilizariam a tradição e o respeito às estações climáticas e ao espaço local. É significativo considerar que os padrões sustentáveis formam estruturas sociais mais flexíveis e têm como fundamento soluções criativas e mudanças de comportamento. Portanto, esses padrões constituiriam um caminho para mudança, uma reavaliação e reposicionamento dos nossos modos de vida e a transformação de ações em relação ao consumo, produção e processos. Neste sentido, estes limites não denotam conservação em relação a ações humanas, mas sim preservação e regeneração dos meios sociais e ambientais. Como também, seria um ganho para a vida moderna quando sob o ponto de vista da responsabilidade, da democratização de possibilidades e do aprendizado social. 4. Bem Estar e Consumo O conceito de bem-estar baseado em produtos teve sua origem na revolução Industrial, no século XVIII, com a difusão da produção de massa e da concepção de que os artefatos poderiam ser criados para trabalhar por nós, como modernos escravos mecânicos. Isso gerou um bem-estar baseado no consumo e na minimização do envolvimento pessoal, cuja estratégia principal seria sempre requerer menos esforço físico, atenção, tempo e o mínimo de habilidade e de capacidade do consumidor. Mesmo que alguns seres humanos tendam à passividade e sintam prazer em ser servidos, a nova proposta é de um bem estar baseado na atividade, na troca participativa e no cuidado. Isso se refletiria em nossa aptidão para cuidar de nós mesmos, da nossa família, da vizinhança e do meio ambiente em que vivemos. Entretanto, essa ideia de bem-estar, não deve ser considerada o único modo de ser, mas sim uma oportunidade de oferecer uma amplitude de possibilidades, de lógicas e de diferentes aspirações (MANZINI, 2008). A promessa de um bem-estar baseado na aquisição de artefatos do atual modelo de desenvolvimento dos países "desenvolvidos", não pode ser mantida, pois 80% da população estão excluídos deste bem-estar. Este consumo, segundo o WBSCD (apud MANZINI, 2008) extrapola a capacidade de recuperação dos ecossistemas. Isso quer dizer que a sociedade deverá se desenvolver a partir da redução dos níveis de produção e consumo material e, simultaneamente, melhorar a qualidade do ambiente social e físico5 . Outro caminho nos aponta para um sistema cultural onde produtos e serviços materiais regenerem a vida das pessoas. Ou seja, a compensação poderá vir de outras formas intangíveis de qualidade de vida como as relacionadas às questões sociais e éticas. Isso mudaria a perspectiva do interesse pelas "coisas" para "experiências nas atividades realizadas", e significa planejar diferentes combinações. Essas mudanças de conduta transformariam as áreas de produção e consumo e definiriam novos conceitos de qualidade de vida e a ideia de bem estar. 5 Segundo o WBCSD de 1995, o metabolismo da sociedade deverá viver bem utilizando 10% dos recursos consumidos hoje em uma sociedade industrializada.
  6. 6. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 6 Segundo a opinião do designer, essas transformações aconteceriam na esfera física (fluxo de materiais e energia), na esfera econômica e institucional (relação entre os atores sociais), e na ética, na estética e na cultura (valores que dariam legitimidade social). Ou seja, essas mudanças aconteceriam a nível sistêmico e devem surgir através de escolhas positivas e de valores éticos, estéticos e culturais que melhorem as condições de vida individual e coletiva, e que não comprometam o bem-estar de todas as vidas e das futuras gerações do planeta (perspectiva sustentável). Portanto, o conceito de bem-estar deve ter o foco deslocado da relação-consumo para o acesso a serviços, para a diversidade de bens comuns disponíveis e ao fortalecimento das capacidades pessoais (MANZINI, 2008). Sendo assim, no aspecto da dimensão social e cultural, a qualidade de vida de vida e as condições de bem-estar das pessoas seriam determinados pelo critério do convívio, da solidariedade e da existência de ligações sociais afetivas que unem diferentes indivíduos. Constatar o envolvimento e o valor dessas ligações e sentir-se parte de uma comunidade permitiriam aos indivíduos exercer suas próprias capacidades como pessoas competentes e responsáveis. Assim, uma mudança de foco nos produtos para o foco no modo como se fazem as coisas, levaria a cuidar das coisas, do menor de todos os produtos até o planeta inteiro e vice-versa (MANZINI; VEZZOLI, 2011) 5. Design, Design de Moda e Inovações No pensamento de Manzini (2008), a essência do design está relacionada à melhoria de qualidade de vida e representa forte componente ético e cultural, e atua como mediador entre artefatos e pessoas em suas relações cotidianas e nas expectativas de bem-estar. Essa característica do design facilitaria a comunicação, a integração entre pessoas, a troca de conhecimentos e a formação de compromissos que aumentassem o valor da convivencialidade6 . Na opinião de Ivan Illich (1973), essa relação convivencial representa as ações de pessoas que participam na criação da vida social. Isto significaria uma mudança da produtividade para a chamada convivencialidade, substituindo o valor técnico por um valor ético, e a substituição do valor material por um valor adquirido. Assim, a convivencialidade seria oposta às virtudes técnicas da ciência e do poder profissional, e representaria a relação direta entre a socialização e a aprendizagem. Isso seria possível ao se valorizar situações educativas não formais, como a auto-formação, a formação educacional em contextos de trabalho ou no cotidiano das pessoas. Esta teoria aborda os limites do crescimento da sociedade humana nos países super-industrialisados e está apoiada nas ideias de que a produção industrial cria e multiplicam as necessidades, a medicina inventa doenças, a velocidade cria distâncias e as escolas incorporam mecanismos industriais "Uma sociedade convivencial é uma sociedade que oferece ao homem a possibilidade de exercer uma ação mais autônoma e mais criativa, com auxílio das ferramentas menos controláveis pelos outros" (ILLICH, 1973, p.37) Manzini (2008) sugere que hoje em dia a sustentabilidade deveria ser o meta-objetivo de todas as possíveis pesquisas em design e descreve fundamentos que devem ser feitos antes de começar um projeto de design sustentável que seriam: 6 Esse termo convivencialidade, Ivan Illich se define como a atitude transcendente e legítima de reconhecer o outro com que nos relacionamos (ILLICH, 1973)
  7. 7. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 7  Pensar antes de fazer, considerar os objetivos e implicações gerais que sejam eticamente aceitáveis;  promover a variedade, proteger e desenvolver a diversidade biológica, sociocultural e tecnológica e dar importância aos produtos locais, e respeitar os contextos locais;  usar o que já existe e reduzir a necessidade do novo, minimizar a intervenção no que já existe e melhorar o existente, proteger ou atualizar o conhecimento e as formas existentes de organização. Outro setor significativo para a construção de iniciativas sociais sustentáveis seria o Design Experimental. Esse setor envolve valores empíricos e tem como objetivo compreender a subjetividade do homem através de sua função simbólica e assim entender suas crenças, as tradições e a cultura local. Ele diz respeito à cultura, aos significados e aos aspectos emocionais e sociológicos de um serviço ou de um produto. Esse setor do design estimula a troca social, valoriza usuários e os provedores do serviço relacionando-os à experiência que o consumidor tem do serviço. Além disso, a aplicação dessa experiência consiste na comunicação direta, no diálogo e no entendimento da especificidade de cada um. O que torna o design um facilitador de processos (CANDI apud LANGENBACH, 2008). Para o campo do design da moda, trabalhar para a sustentabilidade significa mudar os modos de se fazer moda. Isto é, será preciso entender o que é Moda e conhecer as atividades, oportunidades e de possibilidades criativas para então, ampliar e diversificar seu campo de ação. Segundo Fletcher e Grose (2010), roupas e moda são entidades diversas: as roupas estariam relacionadas com a produção material (indústria) e a Moda, com a produção simbólica (desejos, emoções, identidade). Ambas, as produções contribuem para o bem- estar humano em aspectos funcionais e emocionais, e satisfariam uma série de necessidades, tanto físicas (abrigo e proteção), quanto associadas à moda, como o de expressão pessoal e a sensação de pertencimento. As autoras observam que o campo capaz de unir estes dois conceitos seria a área do design de Moda, ao qual somaria as necessidades funcionais, como matérias primas, formas, durabilidade, qualidade e as necessidades culturais e emocionais expressas na moda (BERLIM, 2012). Lilyan Berlim em seu livro Moda e sustentabilidade: uma reflexão necessária (2012) observa algumas oportunidades práticas do design de moda pouco exploradas em relação ao aspecto relacional que as pessoas têm com seus bens materiais. Na opinião da autora, a intimidade que o ser humano tem com suas roupas e acessórios consistiriam em aspectos mais sutis e profundos da necessidade humana, como afeto, proteção e memória. Essas relações teriam significações mais cognitivas, afetivas e hedonistas e fariam com que as pessoas guardassem estes objetos "especiais". Assim, quanto mais significações tiverem estes objetos, maior seria seu prazo de durabilidade e menor sua obsolescência. Isso refletiria economicamente em oportunidades de novos negócios, substituindo as quantidades pela qualidade de bens materiais (BERLIM, 2012). A mesma observação está presente nos estudos de Kazazian (2005) onde o autor esclarece que pensar no consumo de moda significa gerenciar a obsolescência produzida, não apenas a perda de funções ou de desgaste que condicionam a vida dos produtos (KAZAZIAN, 2005). Neste sentido, Berlim (2012) descreve alguns segmentos e atividades de design de moda que estão surgindo a favor da sustentabilidade, que são:  O Design Emocional - estimula o aspecto relacional e íntimo entre bens materiais e as pessoas, favorecendo a afetividade, os valores cognitivos e hedonistas e aumentando-se a durabilidade dos mesmos;
  8. 8. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 8  O Design de Serviços - a prestação de serviço aumentaria a vida de bens materiais e diminuiria a necessidade de se produzir novos objetos;  O Slow Design - envolve atores sociais do “Sistema Moda” (designers, varejistas, comerciantes e consumidores), considera a velocidade da natureza e dos recursos utilizados na produção têxtil para se comparar com a velocidade com que estes bens materiais estão sendo descartados. Conscientização dos impactos da produção dos produtos sobre as pessoas e os ecossistemas;  O Design Participativo - os usuários e designers teriam um contato mais profundo, favorecendo um maior compartilhamento de conhecimentos e saberes. Isto significaria a co-participação no processo de criação e produção;  O Open-Source Design - tem como filosofia promover o acesso e a redistribuição universal, via licença grátis do design de um produto ou projeto. É uma ideia de fonte aberta de informações na área do design de moda e são ferramentas de informações, processos, materiais e utilidades. Isto refletiria a necessidade que as pessoas têm de compartilhar suas capacidades e conhecimentos, colaborando de modo global (via web), de modo livre do controle do mercado ou de empresas. Como se percebe, promover a sustentabilidade social e cultural significa priorizar mudanças em relação aos sistemas de negócios que vão além das fronteiras corporativas ou de disciplinas individuais. Assim, relacionar a sustentabilidade com o design de moda se iniciaria através de novas formas de atuação e de interferências em contextos sociais diferentes dos convencionais. Como também, uma mudança do foco restrito nos produtos, para as mudanças dos modelos atuais de negócios, regras e metas econômicas. Isto exige analisar estruturas, motivações e práticas de negócios já estabelecidas, e mudanças nas novas formas de atuação dos designers. Nesta nova perspectiva, o designer poderia atuar como ativista, comunicador (trabalhos na internet), facilitador ou um empreendedor, incentivando a diversidade de negócios e fortalecendo o comprometimento com a comunidade. Como empreendedor incentivaria os trabalhos que estariam dentro dos limites da lentidão, valorizando-se os trabalhos manuais, os de processamento natural e em pequenas escala. Na forma interdisciplinar, ele ampliaria suas atividades práticas tradicionais para desenhar atividades, criar ideias, plataformas e comportamentos, enfatizando processos em detrimento dos resultados. Essas inovações práticas causariam uma abundância de experiências, criatividade e livre pensamento, tendo como resultado um novo tipo de prosperidade: o da vida cotidiana. Assim, embora contrarie o pensamento moderno, muitos dos problemas ambientais e sociais na moda não tem solução apenas na técnica ou na área mercadológica, mas em soluções morais e éticas, valores que não são aprendidos pelos negócios e pelo mercado. A solução também pode estar num movimento profundo e abrangente de comunicação e educação para que a população seja estimulada a conhecer melhor sobre os sistemas ecológicos e naturais e suas interconexões com os sistemas humanos (FLETCHER; GROSE, 2010). As designers Fletcher e Goose (apud BERLIM, 2012) desenvolvem projetos de pesquisa baseadas em experimentações baseadas no Saber Local (estímulo ao artesanato), no tempo de vida das roupas (metabolismo da moda), no cuidado dos consumidores com as roupas, Reuso (reciclagem e recondicionamento), e na Satisfação (roupas que nos fazem felizes) (BERLIM, 2012). As pesquisadoras fizeram observações importantes sobre algumas atividades, inovações e oportunidades para o design de moda em um futuro sustentável:
  9. 9. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 9  Adequação do design de moda para os limites de impactos ambientais, novas ideias para "reconstrução ambiental e social", Inovações Sociais mudando relações de trabalho e cultura;  promoção de estética Pluralista, diferentes modelos de negócios;  fortalecimento dos aspectos imateriais da moda;  flexibilização de processos produtivos e serviços de moda, adaptação sob condições ambientais e capacidade dos ecossistemas regionais;  otimização de água e energia nas peças, no uso e reuso;  promoção de eco produtos e otimização de recursos;  atividades estratégicas que estimulem a atuação, a colaboração e a participação de atores sociais, alimentando transformações sociais e culturais;  ética, psicologia, ecologia para aplicação prática;  sucesso dos empreendimentos medidos em termos sociais, culturais e ambientais;  produção proporcional aos benefícios sociais, ambientais e culturais;  monitoramento para alimentar o restabelecimento de qualidade social e ambiental;  estabelecimento educacional de fontes de conhecimento lento e incubadoras de novos modelos de negócios. 6. Sistemas Inovadores Inovações de produtos e processos Ezio Manzini e Carlo Vezzoli (2011), em O desenvolvimento de Produtos Sustentáveis, falam de mudanças em todos os níveis da sociedade em que vivemos. Essas mudanças exigiriam grandes dinâmicas em ação e a consideração dos efeitos de sua interação. Entre eles estão: a gestão de sistemas interconectados e de fluxos de matéria e energia, a transformação do estereótipo do trabalho (reduzindo-se em quantidade e aumentando sua qualidade), a multiplicidade de atividades econômicas desenvolvidas de maneira informal e voluntária, e o desenvolvimento de serviços. Entretanto, na atualidade, para os designers de moda e para as empresas do vestuário, são nos processos e nos materiais que envolvem a fabricação do produto é que aparecem as mudanças ou inovações. Ou seja, no grau de influência sobre o ciclo de vida dos produtos em todas as suas fases. Mas a sustentabilidade traz para a moda um modo diferente de pensar o mundo, e se baseia em novos padrões e em equilíbrios a serem alcançados. Ela requer dos designers uma fusão de experiências adquiridas e um amplo conhecimento do sistema moda. Segundo Fletcher e Grose (2010), é necessário se conhecer o que já foi feito para desenvolver novas propostas e orientar cenários sustentáveis, e gerar uma simbiose criativa e científica. Além disso, é preciso pensar em ações mais colaborativas e criar novas formas de confeccionar roupas. Porém, num período de transição, os aspectos físicos são ainda moldados pelos limites dos recursos naturais e energéticos, mas significam uma oportunidade de exercício para criatividade. Abaixo serão citados alguns aspectos importantes descritos por Manzini e Vezzoli (2011) e outros envolvidos no projeto de design de moda e considerados por Kate Fletcher e Lynda Grose (2010): 1) pensar em processos produtivos e produtos configurados para o descarte; 2) adequar estruturas de produção já existente. Priorizar a reutilização de recursos naturais; 3) a substituição dos atuais fontes de fibras têxteis por tecidos fabricados em 100% de pureza. Ex: 100% algodão orgânico ou 100% de poliéster, para facilitar a reciclagem ou a compostagem;
  10. 10. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 10 4) diminuição de produtos químicos nas fibras têxteis e dos processos industriais. Substituição dos produtos atuais por outros menos impactantes; 5) inovação tecnológica na criação de fibras com qualidades sustentáveis em termos de produção e processos, já vistas, mas hoje chamadas de "inteligentes". Ou seja, com funções específicas que reduzam a demandas de lavagens e passadoria; 6) estímulo a modelagens com máxima simplificação (menos partes ou costuras) ou baseados no "Zero Waste", ou seja, na redução zero de resíduos. Modelagens negativas ou Moulage; 7) reduzir o número de costuras, linhas e acessórios: evitar junções com materiais incompatíveis, botões, colchetes, zíperes, velcros, etc; 8) criar peças modulares ou com multi-funções para prolongar seu tempo de vida (maior qualidade dos produtos); 9) estimular a criatividade e a estética individual e coletiva; 10)estimular fluxos de serviços que promovam relações prolongadas e de participação entre atores sociais (aluguel de bolsas, sapatos, lenços, bijuterias ou materiais esportivos, Co-design; participação na criação e confecção de artefatos de moda; 11)produtos que promovam maior interatividade emocional com usuários e expectadores (eventos de troca, customização, artefatos personalizados sob medida); 12)processos que promovam economia de recursos e tenham capacidade de restaurar contextos de vida (processos que envolvam a inclusão social). Dinâmica inovadora: A Natureza Estruturas inovadoras, que tragam benefícios ao ser humano e suas necessidades, podem surgir de novos desenhos sociais de cenários sustentáveis. Esses modelos indicam uma abordagem mais holística, semelhantes aos sistemas naturais biológicos, como propõe Kazazian (2005). O autor descreve o exemplo da natureza como um sistema de diversidade complexa, mas com soluções simples. Isto porque a dinâmica do sistema natural está presente em todas as escalas (micro e macro), o que fortaleceria a ligação entre os elementos. Cada sistema existe pela soma de suas relações, pois cada um beneficia o todo; é a propriedade da interdependência, e existe um tempo necessário para estas relações durem e se transformem infinitamente, e se reorganizem em ciclos. Esses ciclos recebem e doam energia em fenômenos auto-reguladores, promovendo o equilíbrio sistêmico. Dessa interdependência, forma-se uma dinâmica baseada na solidariedade associativa e colaborativa, cujo sucesso do conjunto, se encontra potencialmente em cada indivíduo (KAZAZIAN, 2005). Essa abordagem teórica baseada no equilíbrio cíclico e interdependente da natureza também é encontrada nas filosofias com base naturalista do Mundo Oriental, em especial na China, há séculos. A mais antiga do Yin-Yang está contida no Livro das Mutações, datados por volta de 700 a.C. Ela determina que o equilíbrio é alcançado na natureza através do movimento e da troca de energias de elementos opostos que são interdependentes entre si, pois um não existiria sem o outro. Outra filosofia que se baseia na natureza é a dos cinco elementos. Essa foi criada na Escola Naturalista, por volta dos séculos 350 a.C. Os cinco elementos foram estudados a partir da observação da natureza e são encontrados em tudo o que existe. Assim a interpretação das cinco características ou energias é simbólica, mas o respeito por sua dinâmica é fundamental. Ela está baseada na coexistência harmônica de elementos complexos e diferentes, mas que são interdependentes entre si, pois um não pode ser mais forte que outro, pois é assim que sustentam o equilíbrio vital do conjunto. Isto significa que cada elemento é importante para o todo, pois qualquer variação de um, compromete a integridade do outro. Mas, o mais relevante nestas filosofias, é sua aplicação para além da natureza; na própria vida humana; pois considera o homem
  11. 11. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 11 como parte integrante e pertencente à natureza e não distinta a ela. Uma comprovação disto é a adoção dessa filosofia como base prática para sua medicina tradicional (MACIOCIA, 1989). Portanto, encontramos semelhanças significativas, nesses modelos com referências em sistemas naturais: O caráter holístico do sistema, a interdependência, a complementaridade, a dinâmica, a mutação, a auto regulação, o equilíbrio sistêmico, o caráter cíclico, onde a unidade é tão importante quanto o todo. Soluções simples para diversidades complexas, flexibilidade, solidariedade associativa e colaborativa. Inovações em escala menores Kate Fletcher e Lynda Grose (2010) entendem que as oportunidades de inovação fundamentam-se em um conjunto de práticas diferentes, onde valores e relações econômicas devem ser revistas para visões mais ecológicas, isto é, inspiradas na natureza. Isso envolveria um trabalho mais lento, mais complexo e mais estratégico, diferentes das encontradas nas produções em larga escala e de distribuição globalizada. Sistemas globalizados manteriam a incapacidade de entender os impactos ecológicos e sociais. Ao passo que, sistemas feitos em uma escala menor, mudariam também as relações entre os materiais, pessoas, lugares, comunidades e meio ambiente. Além disso, esta solução é mais ágil e adaptável para atuação experimental dos designers, contribuindo no conjunto para mudanças culturais. Essa opinião também é compartilhada por Thierry Kazazian (2005), que destaca a importância da criação de unidades de tempo, lugar, espaço, e de ações em uma escala microeconômica como a melhor alternativa para solucionar questões complexas e permitir intervenções eficientes. Assim, segundo os autores, isso fortaleceria a economia local junto com a diversidade cultural e estética, ampliando a sustentabilidade para além do produto, para o campo social e cultural no envolvimento de empresas, design de moda e usuários cidadãos. Casos Inovadores de inspiração criativa Lilyan Berlim (2012) observa que a moda é considerada um dos mais poderosos meios de comunicação, e selecionou um trabalho criativo e relevante que promove uma reflexão sobre o desenvolvimento sustentável através da moda, é o caso de Ronaldo Fraga. A autora também descreve alguns exemplos sustentáveis expressivos de ações da sociedade civil e parcerias, iniciativas empresariais e modelos de negócios alternativas ou híbridas como: O caso da Contextura e a Coopa-Roca. Um exemplo significativo é observado no Projeto Asas7 de Belo Horizonte. Esse projeto teve início como uma atividade acadêmica e se expandiu para uma rede produtiva, englobando parcerias com a iniciativa privada. Atualmente fortalece seus empreendimentos através da capacitação multidisciplinar no aperfeiçoamento de produtos de design e focam ações coletivas, estimulando-se a participação e a consciência social; garantindo dessa forma a cidadania da comunidade do Aglomerado da Serra. Asas O projeto Asas é uma atividade de extensão da Universidade FUMEC (Fundação Mineira de Educação e Cultura) iniciada em 2007, e tornou-se uma atividade acadêmica integrada que agrega propostas no âmbito do ensino, pesquisa e extensão. Iniciou-se como um projeto isolado de capacitação em artesanato e design, e atualmente tornou-se uma rede produtiva que consistem em: Asas aglomeradas (Estamparia, oficinas de 7 Artesanato Solidário no Aglomerado da Serra. Disponível em: http://projetoasas.org/blog/
  12. 12. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 12 costura, bordado, e artigos para decoração e bolsas); Asas Moda Laje (núcleo de costura e de modelagem experimental); Asas Bambu (transforma o material em acessórios de moda e decoração); Asas psicologia (parceria com os cursos de psicologia e administração); Asas Tecnologia Social (Projetos de capacitação em artesanato e design). Esses projetos buscam elaborar processos produtivos complementares, visando constituir e fortalecer uma rede produtiva no Aglomerado da Serra. A capacitação é multidisciplinar e é elaborada com o intuito de gerar renda por meio do desenvolvimento de produtos com alto valor agregado, que incorporem aspectos do design contemporâneo com o artesanato urbano. Todas as ações do Asas são focados no empoderamento (significa ação coletiva desenvolvida por indivíduos quando participam de decisões, consciência social dos direitos sociais). Obtendo-se assim, a aquisição de emancipação individual, consciência coletiva para superação de dependência social e dominação política, poder e dignidade, liberdade de decidir e controlar seu destino com responsabilidade e respeito ao outro (Cidadania). Possuem o desenvolvimento técnico e criativo e estabelece processos colaborativos e coletivos tanto de produção quanto de auto-gestão, para se ter uma tecnologia social replicável. Os Atuais parceiros do Asas são: Programa Fica Vivo; ACES; Aglomeradas; BH Cidadania; Escola Municipal Padre Guilherme Peters; Loja Grampo; Meninas do Cafezal; Quina Galeria; Serra Bambu; Unisol; Santander; Raiz da Terra; Task; Professores da FUMEC. Outro exemplo foi o Projeto Núcleo Design do Bem iniciado em 2010. Este projeto se desenvolveu na Terceira Turma de Pós-Graduação de Design de Moda e Sustentabilidade dos Institutos Superiores La Salle e tem como objetivo uma proposta criativa e participativa que visa ampliar a atuação do design de moda na área sustentável. Ele tem como princípios a ética, a coletividade e a solidariedade, e oferece consultorias a terceiros em vários segmentos sociais O Núcleo possui um laboratório de pesquisas acadêmicas e possui um embrionário atelier social que está em fase de implementação. Núcleo Design do Bem O projeto do Núcleo tem como objetivo criar plataformas de pesquisa e de extensão adequando ideias criativas, fortalecendo serviços, processos inovadores, parcerias e experiências. Entre suas atividades estão o desenvolvimento de coleções, a sugestão de materiais e de processos de ecodesign. Recentemente, o Núcleo Design do Bem prestou consultoria a um ranário localizado na região de Japerí (RJ) cuja atividade gerava grande número de peles de rã residuais, o que causava um grave problema para o meio ambiente. Num primeiro momento, foram feitas pesquisas prévias, estudos de campo e análises preliminares, determinando-se dificuldades, potencialidades e oportunidades encontradas na criação das rãs. Então, foi analisado o material descartado e todos os elementos envolvidos no processo produtivo, como também foram consideradas as expectativas das pessoas envolvidas na localidade. A escolha por um beneficiamento ecológico e a elaboração de uma espécie de patchwork de peles foi significativa como um diferencial sustentável e determinante para formar uma manta adequada para o design de artefatos e bolsas. Assim, foram criados modelos de carteiras e bolsas e desenvolvidos os respectivos protótipos. Por conseqüência, mudou-se o destino das peles, transformando-as em artefatos de design contemporâneos que fossem potencialmente aceitos no mercado. Como também, foi sugerida a parceria com a ONG vinculada ao ranário para trazer benefício à mão de obra local e a integração de atores sociais. Desta maneira, encontrou-se uma solução sistêmica através do design, integrando princípios de preservação dos contextos econômico, ambiental, social e ambiental. 7. Princípios éticos para integração social O envolvimento de pessoas engajadas com os mesmos objetivos de bem estar e de qualidade de vida serviriam para unir interesses comuns e permitiriam reger melhores
  13. 13. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 13 convívios. No entanto, é preciso integrar as pessoas num elo de princípios éticos e estabelecer o respeito ao direito individual e comunitário na intenção de uma sociedade sustentável e justa. A ética serviria como abrigo protetor para os seres humanos, fazendo o homem a pensar, a refletir sobre si mesmo e sobre o mundo (PASSOS, 2004). Ela constituiria as bases da responsabilidade social e serviriam a todos que reconheçam que tem responsabilidade pelo desenvolvimento sustentável. Mas precisamos estar conscientes de que as expectativas pessoais variam num momento específico, pois essas são passíveis a mudanças (INMETRO, 2010). A ética estaria no consumidor consciente, que considera o bem estar coletivo, a preservação dos recursos naturais e na remuneração justa dos trabalhadores. Também estaria no destino do dinheiro gasto e em atividades que são coerentes com os seus valores. E mais, nas relações comerciais e no comércio justo, que visa transações financeiras baseadas no respeito pelo outro, e de uma postura de igualdade entre os diferentes atores sociais (FAJARDO, 2010). Enfim, a ética estaria na cidadania, que busca o bem comum, a participação e a interação dos grupos sociais, superando as individualidades e fazendo com que as pessoas se sintam integradas em uma comunidade (REIS, 1998). Portanto, essa cidadania representaria um referencial de conquista para a humanidade e para as pessoas que buscam os seus direitos, uma maior liberdade, melhores garantias individuais e coletivas, e que não se conformam frente às dominações, seja do próprio Estado ou de outras instituições (AMORIM, 2007). Em especial, no campo do design, as novas perspectivas da Sustentabilidade direcionam o design para aderir considerações éticas formadas pelo Internacional Council of Socity in Industrial Design8 (ICSID) de 2005. Essas considerações éticas indicam o design a procurar identificar e avaliar relações estruturais, culturais, organizacionais, funcionais, expressivas e econômicas visando: -ampliar a sustentabilidade global e a proteção ambiental: ética global ambiental; -fornecer benefícios e liberdade a toda à humanidade, aos grupos e aos indivíduos: equidade; -fomentar a participação ativa de usuários finais e de produtores, tornando- os protagonistas do processo de geração de valor: ética social; -apoiar a diversidade cultural, mesmo com o processo de globalização: ética cultural; -dar aos produtos, serviços e sistemas, formas que expressem (semiologia) e sejam coerentes com (estética) a sua própria complexidade. 8. Amplitude social da moda Para transformar modos de vida e estimular novos comportamentos sociais, seria importante entender a dinâmica da Moda, a sua função cultural para a identidade individual e social e de sua amplitude nas sociedades contemporâneas. Também é preciso conhecer os padrões culturais estabelecidos e de possibilidades de mudanças em relação ao bem estar e qualidade de vida. Assim, serão abordados os aspectos da origem da Moda e de sua relação com as sociedades capitalistas democráticas individualistas e de teorias sobre a evolução do comportamento humano em relação ao consumo. 8 Internacional Council of Socity in Industrial Design (ICSID) de 2005. Disponível em: http://www.icsid.org/about/about/articles31.htm
  14. 14. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 14 As origens da Moda podem ser encontradas no período histórico Medieval, mas firmaram-se socialmente no Renascimento em decorrência de um cenário de estabilidade social e econômico gerados pela redução de constantes invasões e de guerras na Europa. Esta estabilidade favoreceu o crescimento da vida urbana, as trocas comerciais e as integrações culturais, tornando-se um ambiente próspero. Isso permitiu a evolução das tecnologias, da ciência e do artesanato, promovendo transformações sociais significativas. As transgressões culturais modificaram a lógica particular do vestir das pessoas. Neste período surgiu o vestuário diferenciado segundo o sexo, rompendo com as tradições e favorecendo o presente e a individualidade humana. Na intenção de emergir socialmente, a classe burguesa em disputa com a aristocracia feudal tornou a vestimenta a base material para indicar seu status social, e assim, a moda alcançou grande evidência (SVENDESEN, 2010) Inovações científicas e tecnológicas, a produção de massa e novos modos de organização do trabalho, alteraram as condições de vida da sociedade, originando a Revolução Industrial. A transformação de uma sociedade anteriormente produtiva para uma consumista produziu mudanças sociais significativas encorajando a revolução de hábitos, gostos e de preferências. O desejo por itens novos simbolicamente poderosos tornou-se um mecanismo auto-estimulador de diferenciação social, promovendo-se a minimização de valores tradicionais e a fragmentação da cultura no mundo. A Moda dissipou-se por diversos grupos e pessoas, consolidando-se nas sociedades modernas e formando as chamadas Sociedades do Consumo. Lipovetsky (1989) diz que a Moda é uma forma específica de mudança social, independente de qualquer objeto particular, ou seja, é um mecanismo social geral sem se relacionar apenas ao vestuário. Segundo Svendsen (2010) é difícil conceber algum fenômeno social que não seja influenciado por mudanças na moda, quer ela seja na forma do corpo, o design de automóveis, na política ou na arte. Para o filósofo e sociólogo, Georg Simmel no seu livro Filosofia da Moda (1904), a Moda carregaria sua própria morte dentro de si e sua difusão foi criada no topo da sociedade para então depois serem disseminadas para estratos sociais inferiores. Não apenas assinalou a diferenciação de classes, mas atribuiu vínculos entre moda e identidade; as roupas seriam parte vital para a "construção do eu". A identidade não seria apenas fornecida pela tradição, mas algo que temos que escolher através do consumo (SIMMEL apud SVENDSEN, 2010). O resultado seria uma tensão paradoxal entre o desejo de imitarmos os outros e o desejo de nos distinguir. É a teoria do Trickle-down, ou seja, o princípio da caça e fuga. Isso formaria uma dinâmica social, e a imitação proporcionaria ao indivíduo a segurança de não estar sozinho em suas ações (MEZABARBA, 2010). Assim, a Moda equilibraria necessidades e inclinações humanas opostas, como a individualidade, semelhança, pertencimento, liberdade e independência. Semelhante abordagem é encontrada nos estudos de Thorstein Veblen (1974). O autor desenvolveu a teoria da classe Ociosa em que o indivíduo se diferencia das classes sociais mais baixas através do consumo de objetos posicionais e do ócio, o chamado Consumo Conspícuo. Nessa teoria, a exibição perante o outro é fundamental, pois comunicaria e expressaria o status social. O ócio garantiria a posição honorífica e a satisfação de necessidades físicas e espirituais, e seriam assumidas pelo consumo de bens imateriais: talentos, habilidades, conhecimentos e capacidades. Assim, as pessoas de classe social elevada seriam estimuladas há gastar seu tempo com o supérfluo, ou seja, com atividades não produtivas. De acordo com o autor, neste período, a sociedade industrial gerou um estágio pecuniário, onde o acúmulo de riquezas eram sinais de prestígio e de emulação (competição, inveja ou rivalidade) (VEBLEN apud CHELUCHIANCHK, A., CAVICHILLI, F., 2010). Outro estudo importante foi o de Pierre Bourdieu que na sua publicação A distinção (1979) analisa a sociedade de consumo com uma ênfase mais cultural; fala sobre o
  15. 15. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 15 habitus (sistema de disposição adquirida pela aprendizagem implícita ou explícita – agir, pensar, sentir) formador do gosto. Esse gosto revelaria sinais complexos e qualificados socialmente indicando que o estilo de vida seria gerado por um consumo simbólico e cultural e funcionaria como estratégias de diferenciação usada pelas classes mais altas em relação às mais baixas. Isso seria determinado pelas limitações materiais que indicariam as escolhas estéticas (BOURDIEU apud MEZABARBA, 2010). Pierre Bourdieu (1979) também fala sobre o que é entendido por apropriação de objeto de qualidade. O autor observa que a classificação de qualidade é determinada pelo campo social, o qual não é necessário ter razões para preferir uma coisa à outra numa sociedade de consumo. As pessoas comprariam diferenças na forma de valores simbólicos. Portanto, é este valor simbólico que substituiria o valor de utilidade e seria vital para a formação da identidade pessoal e da auto realização social (BOURDIEU apud SVENDESEN, 2010). Para Colin Campbell (CAMPBELL; COLIN; apud SVENDSEN, 2010) o homem seria um hedonista moderno, romântico e que vive no imaginário, especialmente controlado pelo prazer, o que revelaria que a lógica cultural da modernidade não é somente a racionalidade instrumental, mas também a paixão e o desejo. Lipovetsky (1989) diz que o consumo seria motivado por um desejo de experimentar bem-estar e prazer. Isto é, do prazer de mudar constantemente; do disfarce e da metamorfose, e não determinada pela ostentação. Embora a distinção social seja uma das funções sociais da moda, esta não explicaria a amplitude de sua dinâmica. Foi pela lógica e pela dignificação do Novo que a moda se afirmou e se espalhou socialmente. Os principais promotores de sua dinâmica são: a efemeridade e a obsolescência; princípio o qual se cria numa velocidade cada vez maior e torna um objeto supérfluo o mais rapidamente possível, para que um novo tenha uma chance. A moda seria uma forma específica de mudança e de mecanismo social caracterizado por um intervalo de tempo breve, permitindo afetar esferas muito diversas da vida coletiva. Na história mundial o desenvolvimento e o fortalecimento da Moda significaram a redução de força dos valores tradicionais, direcionando as sociedades do Ocidente, para as qualidades modernas. A moda tornou-se agente e promotora da consolidação das sociedades capitalista democrática individualista (LIPOVETSKY, 1989). (...) "foram os valores e as significações culturais modernas, dignificando em particular o Novo e a expressão da individualidade humana, que tornaram possíveis o nascimento e o estabelecimento do sistema Moda" (LYPOVETSkY, 1989, p.11) De acordo com Felipe Rocha, a moda é entendida como um pólo de manifestação efêmera, quando as peças de vestuário fazem parte de um quadro de funcionalidade material e provida dos modos de produção capitalista das Sociedades Modernas. Entretanto, quando ela é encarada como manifestação estética e visual, ela traz a história civilizacional do homem, e torna-se elemento de um sistema lingüístico cultural (ROCHA, 2007). Bauman (2008) diz que o modo de vida produzido pela sociedade moderna após o período da Segunda Guerra até a década de sessenta, foi construído a partir das orientações determinadas por desejos de aquisição de bens duráveis e com grande visibilidade social; seriam as do tipo tradicionais de padrões, simbolizando estabilidade e segurança, remetendo-se status de posse, poder e conforto, principalmente de respeito pessoal. Neste período as pessoas consumiam mercadorias pesadas e duráveis, como imóveis e jóias. Possuir uma grande quantidade de bens duráveis trazia segurança
  16. 16. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 16 contra as incertezas do destino. Nada era imediato. A prudência, a segurança e a durabilidade eram a maior posse e prazer da chamada sociedade dos produtores. Assim, gradativamente, mudanças sociais para uma sociedade contemporânea transformou os ambientes existenciais em uma reconstrução das relações humanas em relação aos objetos de consumo. O novo indivíduo descobriu o prazer de consumir, deslocando-o para o imediato. As obrigações dos indivíduos passaram a ser sociais e a de proteger sua autoestima. É a partir daí que começou a se consumir objetos sem sentidos e não para suas necessidades básicas. O mercado induziu ao excesso de mercadorias e ao anseio de cultivar os desejos. A passagem para uma sociedade consumidora apresentou-se de maneira gradual; com a emancipação individual e de sua limitada capacidade de escolha, para uma aquisição de liberdade de escolha e decisão diante de suas necessidades, até a evolução no prazer de consumir. Dessa forma, a durabilidade de mercadorias foi descartada por esta nova sociedade, não existindo mais lealdade aos objetos consumidos. (BAUMAN, 2008) Na interpretação de Lilyan Berlim (2012) com o surgimento da moda, obteve-se a conotação de busca de identidade, e que as atuais teorias socioculturais definem a moda como a construção cultural da identidade. O vestir geraria um sistema que possibilita a experiências estéticas subjetivas, vinculando os significados de beleza, tristeza, alegria, simplicidade, sofisticação, pobreza, tradicionalismo, vanguardismo, comprometimento político e muitos outros (BARTHES, ROLAND apud BERLIM, 2012). Assim, a moda tornou-se mais personalizada, com mais diversidade estilística e um meio de comunicação e expressão da identidade social. Ou seja, ela passa a proporcionar ao indivíduo um meio de construção da personalidade e estilo de vida pessoal. Segundo Sue Jenkyn Jones (2005), o ato de vestir e a moda promoveriam ao indivíduo algumas funções como: Utilidade, Moralidade, Auto-aprimoramento psicológico, Ornamentação, Diferenciação simbólica e Filiação Social. Para Santaella (2004) a socialização dos corpos dos indivíduos se dá pelas roupas e é no jogo das aparências que o ser social manifesta o seu eu em relação ao seu meio ambiente (SANTAELLA apud ROCHA, 2007). A socióloga Fátima Portilho (2005) diz que na atualidade, o papel do consumidor tem se modificado e estaria mais ativo e tendendo para reinterpretações. Este consumidor daria outro uso aos produtos, ideias e as mensagens que receberia. A aquisição de carros, roupas, marcas, sapatos, mostrariam a posição ocupada na hierarquia social, comunicaria bens e objetos, representando a materialização de valores e da visão da relação entre humanos e da natureza. O ato de consumir diria quem sou e também quem não sou, indicaria também minha rejeição. Os diversos tipos de estilos de vida existentes seriam expressões de escolhas humanas manifestadas por intermédio de objetos e códigos da cultura material. O consumo seria usado por nossa sociedade também como um meio de ação política. (PORTILHO, F.; apud FARJADO, 2010) A abrangência social da moda influencia e é influenciada pela arte, por expressões artísticas (música, pintura, fotografia, escultura, literatura e cinema): sinaliza e é sinalizada por tendências ideológicas. Aparece como forma de comunicação individual ou institucional, estando relacionada a comportamentos psicológicos humanos (ações, interações, ideais, pensamentos, valores, motivações e sonhos), e é um campo social que denuncia rapidamente as transformações que irão surgir. Afirmando ou enfraquecendo, unindo ou diferenciando indivíduos e contextos sociais. Atualmente tornou-se uma significativa ferramenta de poder e de manipulação para satisfação pessoal e social. (SVENDESEN, 2010) Para Lilyan Berlim (2009), a moda também é um negócio, e a influência econômica da moda é bastante abrangente, além dos aspectos psicológicos, artísticos, históricos temos as áreas da agricultura de algodão; a indústria têxtil, químicas e mecânicas e empresas de comunicação. Trata-se desde os agricultores, no plantio de algodão às diversas funções de trabalhadores que estão envolvidos na indústria têxtil e da própria indústria
  17. 17. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 17 de confecção. Como também, está presente em diversas disciplinas, como: engenharia, design, química, administração e comunicação. A autora complementa que a moda também é um conceito multifacetado e envolve algumas áreas que estudam e pesquisam o fenômeno, como: na Filosofia, Sociologia, Antropologia, Economia e Psicologia. (BERLIM, 2009) Como indústria criativa, a indústria do vestuário representa cerca de 6% do consumo mundial, gerando cerca de 1,4 trilhões de euros em 2008. Diferença esta considerável em comparação com a indústria automobilística de 4% do consumo mundial (GODART, FRÉDÉRIC, 2010). No Brasil, conforme os dados atualizados pela ABIT para o ano de 2011, o faturamento da cadeia têxtil e de confecção brasileira é estimada em US 2,5 bilhões. O setor é o segundo maior empregador da indústria de transformação, compreendendo mais de 30 mil empresas, gerando anualmente 1,7 milhões de empregos diretos, e gerando uma renda indireta para oito milhões de trabalhadores, sendo 75% desta mão de obra é feminina (BERLIM, 2012). Na opinião de GODART (2010), a disseminação da Moda cresceu democraticamente através dos tempos, deixando de pertencer a seletos grupos. Atinge várias idades e a ambos os sexos, apesar das mulheres terem maior obsessão pelo assunto. Invadiu os limites de outras áreas de consumo para além das roupas. Reside em praticamente quase tudo o que se refere ao nosso mundo moderno, e estabelece um bom caminho para entendermos a nós mesmos e a nossa história. A moda encontrou dificuldades em pesquisas científicas, devido ao seu caráter mutável e por sua própria definição; parte é encontrada na indústria do vestuário, acessórios e de cosméticos e no consumo social formador de identidades. Também é caracterizada por ser uma atividade econômica ao mesmo tempo artística, estética e criativa, e pertencente a uma indústria cultural e de um processo de produção, além da primazia de representar o lazer no processo de consumo. 9. Padrões culturais contemporâneos: O Novo e a Juventude. Na visão de Felipe Rocha (2007), após o advento da revolução industrial, as sociedades modernas tornaram-se mecanizadas, gerando questões relacionadas à mobilidade, a velocidade e ao novo, e a obrigação do homem atual de ser jovem. A grande produção em massa converteu a sociedade para uma cultura instantânea, direcionando as pessoas para ideais baseados no progresso e para o inacabado: a juventude. Essa juventude significaria uma "atitude" perante a vida e existiria num estado permanente, em vez de representar apenas um estado de transição. O complexo midiático constantemente fortalece estes valores juvenis através dos espetáculos sedutores, transformando a sociedade, em uma sociedade do visual e da imagem. Esse espetáculo criaria uma rigidez tal, que o homem comum não conseguiria se abrir e nem ter uma receptividade para um diálogo autêntico. A moda afirmou o valor da imagem e tornou-se agente de uma luta social incansável pelo desejo de permanência na juventude. Que embora tenha promovido um tipo de qualidade de vida e de bem estar na expansão de setores econômicos especializados na aparência e na saúde, geraram uma ansiedade coletiva por este ideal de consumo. Mais que um aspecto social, a juventude traduz um ideal consumista do "parecer" em que a religiosidade foi substituída pelo culto da imagem e a qual a aparência visual é sacralizada e imperativa. (ROCHA, 2007) Segundo a psicóloga Pascale Navarri no seu livro Moda & Inconsciente-olhar de uma psicanalista (2010), a Moda reflete os padrões estéticos de uma época que elege e condena, conforta e perturba. A autora fala sobre o narcisismo, da necessidade de imitação e da rivalidade, e das várias formas das pessoas se relacionarem com o corpo.
  18. 18. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 18 Ela revela alguns exemplos de casos em que há uma ilusão de uma permanência na juventude; onde crianças adultas tentam continuar em um estado infantil anterior o da puberdade. Esta criança interior insistiria em conservar um corpo filiforme, desejosa de ser a estrela das atenções e dos olhares. Outro comportamento observado pela autora seria do desejo de tatuar-se que representa o único projeto possível de morrer com a aparência da juventude. Isto seria um exemplo de dominação sobre o corpo, numa tentativa de estabelecer o presente e o eterno sobre os seres efêmeros que somos. Além disso, a autora destaca o caso da modelo anoréxica; cuja mulher o corpo permaneceu como era quando estava na adolescência, ou seja, um corpo de menino com seios; e mais, sobre o jogo da androgenia, como a supressão obrigatória das características distintivas femininas por neutralização do feminino. Indicando o horror à feminilidade. Uma visão antifisiológica e uma resposta do complexo de castração, segundo as análises conceituais de Freud. Em todos os casos, há uma grande supressão da passagem do tempo e das diferenças fundamentais que compõem a vida humana. (NAVARRI, 2010) "Na sociedade moderna, a mulher-objeto eclode como símbolo de independência mal dosada. – cristaliza ainda mais o domínio masculino, num jogo desigual. (...) a mulher assume posturas tradicionais masculinas, sem ter que deixar de ser mulher, mãe e essencialmente feminina. As várias mídias da sociedade moderna fazem da mulher um ser SURREAL, plasticamente perfeito, coloca na mira dos anseios femininos a profissão perfeita, a família imaculada e a realização pessoal no corpo modelo. Na moda; a mulher é fonte, alvo, modelo e rival". (ROCHA, 2007, p. 59) Portanto, para que as pessoas tenham uma comunicação visual autêntica e para que a moda adquira um perfil democrático, é preciso que a moda seja antes analisada e mentalmente processada para então serem posteriormente disseminados e expressados os valores e as identidades particulares. Nesta perspectiva, seria benéfico socialmente e culturalmente se a moda conseguisse penetrar na vida das pessoas de maneira a emancipá-las esteticamente e desatrelá-las das imposições visuais que são apresentadas na sociedade. De fato isso não acontece, a moda obedece a um sistema de poder no qual se apresenta como uma manifestação estética repleta de expressões, porém obediente a sua própria lei, o que impede a expressão do indivíduo, que sem uma racionalidade estética, perde a oportunidade de resgatar a liberdade plena de expressão. (BRAUDILLARD apud ROCHA, 2007) Na opinião de Lingenbach (2008) a solução poderia vir da questão social para desconstruir essa sociedade do espetáculo e trazer o valor da cultura popular, de uma cultura diferenciada, baseada no cotidiano e na experiência da vida. 10. Conclusão A sustentabilidade postula o desenvolvimento em todas as esferas sociais. Mas, o tipo de desenvolvimento abordado neste trabalho foi o do tipo que beneficia o ser humano e que oferece oportunidades sociais apropriadas para que as pessoas tenham sua autonomia. Embora o senso comum costume a relacionar desenvolvimento humano com o valor do PIB de uma determinada população, aqui foram consideradas teorias que sugerem um desenvolvimento econômico diferente do convencional, como nos estudos de Amartya
  19. 19. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 19 Sem (1999), Max-Neef (1998) e Ezio Manzini (2008). Entretanto, serão necessários outros estudos experimentais fundamentados nestas teorias para maiores investigações taxonômicas e para o entendimento das "lógicas socioculturais" em razão da diversidade e da inter-relação de aspectos envolvidos, como a subjetividade individual, fatores psicológicos e as características locais. Segundo pesquisas realizadas pelo WBCSD (1995) sobre os limites das ações humanas, o metabolismo da sociedade deverá viver bem utilizando 10% dos recursos consumidos hoje em uma sociedade industrializada. Isso significa dizer que a redução dos níveis de produção e consumo material deve ser compensada pela valorização de processos, atividades e serviços que estimulem aspectos humanos mais imateriais e assim possam modificar os padrões de vida já estabelecidos. Isso se torna possível quando temos um sistema cultural em que a sua base é o bem estar e qualidade de vida, e onde produtos e serviços regenerem a vida das pessoas e das vidas futuras do planeta. Isto é, quando se tem um sistema cultural onde os valores estejam voltados para a restauração de contextos sociais. É uma mudança de perspectiva do interesse pelas "coisas" para "experiências" nas atividades realizadas. Mas, o que se pretende é que as pessoas possam exercer suas capacidades e talentos, e que elas possam escolher e levar a vida que desejam. As Soluções criativas dão origem as Inovações Sociais, mas elas também podem surgir de processos ou no ciclo de vida de produtos. As Inovações Sociais resolvem desafios sociais e representam novas formas de vida cotidiana. Elas podem ser criadas por meio de novas estratégias, como novas formas de relações sociais ou de serviços, ou ainda baseadas em dinâmicas de sistemas naturais. Mas, é preciso integrar e conectar sistemas humanos com os sistemas naturais de modo a sensibilizar a sociedade a conhecer melhor a natureza. E assim, unir novas ideias a limitações impostas às práticas humanas e obter o conhecimento empírico. Entretanto, é importante considerar as visões de Fletcher (2010), Kazazian (2005) e Manzini (2008) que sugerem que soluções devem ocorrer em menor escala para melhor entender os impactos ecológicos e sociais. O design de moda como questão central se deve ao grande potencial desse campo para tornar-se uma eficaz ferramenta sustentável, e disseminar rapidamente novos critérios e valores e modos diferentes de pensar sobre o mundo. Nessa perspectiva, significa introduzir idéias no plano cultural que possam alterar concepções de 'Estilo de vida'. Pois, o design de moda é uma atividade criativa, transgressora e está na sua essência relacionada a transformações sociais, comportamentos e Moda. Porém, é necessário modificar o modo como se faz moda e transitar em contextos incomuns. Isso significa que o designer de moda poderá ser um agente de mudanças, atuando na sociedade como: comunicadores, educadores e pesquisadores, facilitadores, agentes, gestores, ativistas ou empreendedores. Ele também poderá atuar no campo da pesquisa ou no setor privado, no setor público ou no terceiro setor e em novas formas de atuação. Além disso, é preciso compreender e questionar os mecanismos que alimentam a dinâmica da Moda, a efemeridade e obsolescência, e sua função cultural para identidade individual e social, como também avaliar sua abrangência nas sociedades contemporâneas. Visto que é necessário entender os padrões culturais estabelecidos do Novo e da Juventude, e fortalecer a diversidade de padrões existentes para transformar as perspectivas sociais. Pessoas comprometidas com o bem-estar e a qualidade de vida serviriam para unir interesses comuns. Contudo, na intenção de reger melhores convívios, é preciso integrar pessoas num elo de princípios éticos e estabelecer o respeito ao direito individual e comunitário, para que a sociedade seja mais justa e sustentável. Pois a ética considera o bem estar coletivo e a preservação dos recursos naturais e assim constrói as bases da responsabilidade social, do consumidor consciente e do comércio justo. Ela também está na cidadania, que é um referencial de conquista da humanidade através daqueles que
  20. 20. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 20 sempre buscam os seus direitos, uma maior liberdade e melhores garantias individuais e coletivas. Diante dos assuntos abordados neste trabalho, é importante observar a necessidade da introdução curricular de disciplinas do design sustentável nos cursos de design de moda para ampliar, diversificar e inovar práticas para além do produto moda e considerar os aspectos imateriais, como os sócio-culturais, o bem-estar e qualidade de vida. Como também, estimular pesquisas e novas experiências que ampliem o convívio e a solidariedade. Visto que é importante unir valores contemporâneos e simbólicos e integrar a ética social aos parâmetros do desenvolvimento sustentável. Referências AMARTYA, Sen. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das letras, 1999. AMORIM, Maria, S.S. Cidadania e participação democrática. Anais do II Seminário Nacional. Movimentos Sociais, participação e democracia Florianópolis: (NPMS) Núcleo de Pesquisa em Movimentos Sociais, UFSC, 2007. BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2008.199p BERLIM, Lilyan. Moda, a possibilidade da leveza sustentável: tendências, surgimento de mercados justos e criadores responsáveis. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009. BERLIM, Lilyan. Moda e sustentabilidade: uma reflexão necessária; São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2012. BRUNDTLAND, Gro Harlem (Org). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1991, Our Common Future. Oxford: Oxford University Press, 1987. CHELUCIANHAK, A. B.; A busca da excitação: A natureza e o comportamento humano quanto ao consumo do esporte e do lazer In:____simpósio Internacional Proceso Civilizador, 11, 2008, Buenos Aires, p. 95-104. FARJADO, Elias. Consumo consciente, comércio justo: conhecimento e cidadania como fatores econômicos. Rio de Janeiro: Editora SENAC Nacional, 2010 FLETCHER, Kate; GROSE, L. Moda & Sustentabilidade: design para mudança; tradução de Janaína Marco Antonio. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2011. GIACOMONI, Cláudia, H. Bem estar subjetivo: em busca da qualidade de vida, Temas em Psicologia da SBP/UFSM, Rio Grande do Sul, V.12, n.1, p. 43-50, 2004. GODART, Frédéric. Sociologia da moda; tradução de Lea P. Zylberlicht.- São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2010. ILLICH, Ivan. A Convivencialidade. Trad. Arsênio Mota. Lisboa: Europa-América, 1976 JONES, Sue, J. Fashion Design: manual do estilista. São Paulo: editora COSAC NAIF, 2005.
  21. 21. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 21 KAZAZIAN, Thierry. Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2005. LANGENBACH, Marcos, L. Além do apenas funcional: inovação social e design de serviços na realidade brasileira – Rio de Janeiro: VII 123 p.29,7 (COOPPE/UFRJ), 2008 LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 1989. MACIOCIA, Giovani. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente para acumputuristas e fitoterapeutas. Tradução Luciana M.D. Faber. São Paulo: Editora Roca, 1996. MANZINI, Ezio. Design para Inovação Social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. [coordenação de tradução Carla Cipolla; equipe Elisa Sapampinato, Aline Lys Silva]. Rio de Janeiro: E-papaers, 2008 (Cadernos do Grupo de Altos Estudos; v.1- Programa de Engenharia de Produção da Coope/UFRJ) MANZINI, Ezio; VEZZOLI, Carlo. Desenvolvimento de Produtos sustentáveis: Os requisitos ambientais dos produtos industriais; tradução de Astrid Carvalho -1. Ed. 3. Reimpr- São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011. MEZABARBA, Solange Riva. Antropologia do Consumo. Rio de Janeiro: SENAI Cetiqt - EAD - SENAI/ CETIQT, 2010. NAVARRI, Pascale. Moda & Inconsciente: olhar de uma psicanalista, tradução de Gian Bruno Grosso. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2010. PASSOS, Elizete. Ética nas Organizações. São Paulo: Editora Atlas Publicação, 2012 REIS, Elisa. Sobre a cidadania. In:___ Processos e escolhas estudos de sociologia política. Rio de Janeiro: Contra Capa, 1998. ROCHA, Felipe, S. Celebração midiática e cultura: o olhar ‘ilustrado’ de Folha de São Paulo sobre a São Paulo Fashion Week. Universidade Metodista de São Paulo – Programa de Pós Graduação em comunicação social. São Bernardo do Campo – São Paulo, 2007. SANTOS, Boaventura Souza. Por uma concepção multicultural de direitos humanos. In:___ Lua Nova. n.39, São Paulo: CEDEC,1997. SIQUEIRA, Mirlene M. M; PADOVAN, Valquíria. A. R. Bases teóricas de bem estar subjetivo, bem estar psicológico e bem estar no trabalho, Psicologia: teoria e Pesquisa, Brasília, v.24, n.2p. 201-209, 2008. SVENDSEN, Lars. Moda: uma filosofia; Tradução Maria Luiza X. de A. Borges - Rio de Janeiro: Editora ZAHAR, 2010. Web grafia Consultada ABIT, 2012. Disponível em: < www.abit.org.br/>. Acesso em: 25 de junho de 2012 ASAS. Disponível em: < http://projetoasas.org/blog/>. Acesso em: 7 de maio de 2011
  22. 22. Iniciação – Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística – Vol. 4 n°2 – Maio de 2014 Edição Temática em Sustentabilidade 22 INMETRO. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/qualidade/responsabilidade_social/iso26000.asp>. Acesso em: 15 de setembro de 2012 ICSID. Disponível em: <http://www.icsid.org/about/about/articles31.htm> Acesso em: 10 de outrubro de 2012 CSI. Disponível em :< http://socialinnovation.ca/about/social-innovation> Acesso em: 24 de setembro de 2012

×