1                     ORIGENS DO BEHAVIORISMO:            cenário e antecedentes para o manifesto de 19131             “A ...
2       Outra questão que envolve o surgimento do Behaviorismo é a sua repercussão nacomunidade psicológica. Sabe-se que u...
3   •   Lewes: defendia que a Psicologia poderia reduzir todos os fenômenos mentais a       correspondentes orgânicos.   •...
43. A personalidade de Watson        A originalidade de Watson é questionada, mas sabe-se que possuía umacapacidade lógica...
5novo modelo de ciência. Apesar desses pensamentos de Watson, faltavam-lheargumentos claros e definidos sobre sua postura ...
6tipo de comportamento, mas que, para que este pudesse se efetivar, seria necessáriauma certa dose de condicionamentos.   ...
7         Watson foi acusado de ter considerado o pensamento como fala subvocal.Watson negou a autoria desse pensamento di...
86. Histórico1903: início das formulações com base em pesquisas com animais1908: divulgação dos resultados de suas pesquis...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

1 origens behaviorismo semitec de genebra semitecdegenebra.blogspot

1.025 visualizações

Publicada em

www.semitecdegenebrablogspot.com
facebook/ismaeldegenebra
@ismaeldegenebra

CARRARA, K. Behaviorismo Radical: crítica e metacrítica. São Paulo: FAPESP, 1998

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.025
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1 origens behaviorismo semitec de genebra semitecdegenebra.blogspot

  1. 1. 1 ORIGENS DO BEHAVIORISMO: cenário e antecedentes para o manifesto de 19131 “A Psicologia, tal como o behaviorista a vê, é um ramo puramente objetivo e experimental da ciência natural. A sua finalidade teórica é a previsão e o controle do comportamento. A introspecção não constitui parte essencial dos seus métodos e o valor científico de seus dados não depende do fato de se prestarem a uma fácil interpretação em termos de consciência. A Psicologia terá que descartar qualquer referência à consciência ... ela já não precisa iludir- se crendo que seu objeto de observação são os estados mentais.” (Watson)1. O contexto do surgimento do Behaviorismo Antes do surgimento do Behaviorismo, os objetos de estudo da Psicologia eram omentalismo, a consciência e a psyché. O principal método empregado para estudar ointerior humano era a introspecção. O Behaviorismo surgiu nos Estados Unidos da América, no início do século XX.Considera-se o marco de sua origem a publicação no periódico Psychological Record ,em 1913, do artigo “Psychology as the behaviorist views it” de John Broadus Watson(1878-1958). Na época, a comunidade científica, sobretudo a norte-americana, demandavauma maior objetividade nos estudos do comportamento humano e vários pesquisadorestentaram elaborar uma forma de Psicologia que atendesse a essa demanda. Woodworth(em 1899), Pierón (em 1904) e Cattel (no Congresso de Artes e Ciências de Saint Louisem 1904) são alguns exemplos. Em 1911, Max Meyer, considerado um dos precursoresmais diretos do Behaviorismo, publicou “The fundamental laws of human behavior”. O funcionalismo de William James, que estava em ascensão, também contribuíano sentido da defesa da objetividade. Watson, através de seu manifesto, reuniu pensamentos antes dispersos eestabeleceu as bases de uma nova visão de Psicologia como ramo das ciências naturais.Por que o Behaviorismo não surgiu antes ? Burnham diz que o surgimento do Behaviorismo não foi possível em 1909,quando Watson publicou “A point of view in Comparative Psychology” pois ele ainda nãohavia esclarecido o funcionamento dos processos mentais superiores, tais como a falaimplícita e a memória associativa. Somente nas conferências de 1912 ele apresentou ummodelo de estímulo-resposta para explicar essas questões.1 Capítulo 2 do livro: CARRARA, K. Behaviorismo Radical: crítica e metacrítica. Marília: UNESP-Marília-Publicações; São Paulo: FAPESP, 1998.
  2. 2. 2 Outra questão que envolve o surgimento do Behaviorismo é a sua repercussão nacomunidade psicológica. Sabe-se que uma descoberta ou inovação científica só ganhaimportância quando ela é reconhecida pela comunidade científica e/ou sociedade comoum todo. Durante alguns anos, vários pronunciamentos de Watson serviram para exaltarbastante os ânimos de seus colegas; o ápice desse processo ocorreu nas conferências de1912 e no manifesto de 1913.2. As influências sofridas por Watson Duas informações são importantes para se compreender o pensamento deWatson e a influência por ele sofrida. Primeiramente, sabe-se do seu desejo inicial de sercientista na área médica. Esse fato explica, de certa forma, o tom fisiológico de seusescritos iniciais. Além disso, o próprio Watson admitiu que a Filosofia exerceu um peso maior emsua formação básica do que a Psicologia.Estudiosos e pensadores Segundo Harrell & Harrison, Watson teria sofrido influências indiretas dosestudiosos e pensadores listados abaixo, sendo impossível saber o quanto realmente foiaproveitado de cada um deles: • La Mettrie, em “Man a machine” (1912): achava que o comportamento humano seria governado numa instância fisiológica automática. • Cabanis, considerado o pai da Psicologia fisiológica: estudava a mente em termos neurológicos. • Comte, considerado pai do positivismo: rejeitava os métodos introspectivos e o mentalismo; as atividades psíquicas eram consideradas meras mudanças cerebrais; a imaginação e a argumentação deveriam estar subordinadas à observação, privilegiando-se o físico, o objetivo, o positivo. Essa enfâse no objetivo é que teria levado Watson a escrever o manifesto de 1913 e a considerar a Psicologia como um ramo das ciências naturais. “... para poder observar, nosso intelecto deveria fazer uma pausa em sua atividade, e, no entanto, é essa mesma atividade que queremos observar.” “... Se não pudermos efetuar a pausa, não poderemos observar; se a efetuarmos, nada haverá para observar. Os resultados de semelhante método estão em proporção ao seu absurdo” (Comte) • Cournot: dava mais importância à influência das “necessidade humanas” (aspectos motivacionais) no comportamento do que à conjeturas obscuras a respeito da consciência.
  3. 3. 3 • Lewes: defendia que a Psicologia poderia reduzir todos os fenômenos mentais a correspondentes orgânicos. • Singer, em 1911: analisava a questão da mente dentro de uma antevisão behaviorista. • Loeb, professor e orientador de Watson: era um materialista mecanicista que ridicularizava a idéia dos instintos poderem controlar o comportamento humano. Segundo ele, esses seriam regidos por feixes de reflexos. Estudiosos creditam a concepção reflexológica à Ernst Mach, o qual teria influenciado Watson de maneira indireta. O que diferencia o pensamento de Watson, segundo Burnham, é ele acreditava ser possível investigar unidades complexas de comportamento sem necessidade de descobrir seus equivalentes físicos ou químicos imediatamente. • Dunlap, companheiro de trabalho de Watson na John’s Hopkins University e considerado pai espiritual do Behaviorismo: analisou questões como a das imagens, limitações quanto a introspecção e instintos e desenvolveu uma teoria motora da linguagem. Segundo Burnham, apesar de Dunlap ter reclamado crédito pela fundação do Behaviorismo, ele não se ocupou das sérias dificuldades quanto à sistematização de postulados que conduziria ao Behaviorismo.A Psicologia animal Watson era fascinado pela experimentação com animais e talvez foi isso o quemais o influenciou na criação do Behaviorismo. A prova está em suas primeirasformulações (as de 1903), que foram realizadas com base em pesquisas com animais. A Psicologia animal se tornou possível e viável graças à teoria evolucionária deCharles Darwin. Darwin provou haver uma continuidade física entre os homens e osanimais inferiores e afirmou haver também essa continuidade em termos mentais.Consequentemente, a existência da Psicologia animal se tornou fundamental para setentar provar essa afirmação. Como a Psicologia animal está nas bases do Behaviorismo, esse foi acusado deprivilegiar um continuísmo interespécies, em termos filogenéticos. Os críticos afirmamhaver uma absoluta dicotomia entre o racional (humano) e o irracional (subumano). Quando se fala em inteligência animal, pode-se, erroneamente, cair naantropomorfização, isto é, na atribuição de características humanas ao comportamentoanimal. Essa antropomorfização, muito criticada pela Psicologia comparada, acabousendo responsável pelo desenvolvimento metodológico experimental da Psicologiaanimal. Tal desenvolvimento foi essencial aos futuros trabalhos tanto de Watson como deSkinner.Funcionalismo Diehl, citado por Harrel & Harrison, afirma que William James era um dospensadores mais influentes da Psicologia americana na época e já havia discutido algunsdos pressupostos do futuro Behaviorismo no meio acadêmico, chegando inclusive apublicar o artigo “Does consciousness exist?”, última negação da existência daconsciência antes do surgimento de fato do Behaviorismo.
  4. 4. 43. A personalidade de Watson A originalidade de Watson é questionada, mas sabe-se que possuía umacapacidade lógica e organizacional muito grande; ele obtinha idéias de outros estudiosos,as organizava e lhes dava vida, enquadrando-as dentro de seu modelo behavioristaortodoxo. De certa forma, isso não deixa de ser uma forma de originalidade. Harrel &Harrison diziam que ele era a pessoa ideal para fazer isso pois compartilhava dessasidéias. Ele também foi considerado uma pessoa de temperamento objetivo, com atitudespráticas e diretas. Isso talvez justifique a sua simplicidade em relação à assuntosconsiderados tão complexos pelos outros, tal como a consciência. Parecia também ser uma pessoa idealista, convicta e muito autoconfiante. Mesmoque não tivesse subsídios teóricos para manter suas idéias, tinha crenças exageradas arespeito da eficácia das técnicas de condicionamento e recondicionamento. Tambémachava que o Behaviorismo poderia significar vida nova aos norte-americanos, através damudança dos homens e de suas relações interpessoais pelo condicionamento erecondicionamento. Chegou inclusive a pensar que o Behaviorismo poderia atuar sobre aeconomia de seu país. Muitas dessas crenças não se concretizaram e, por isso, muitospsicólogos se desiludiram com suas proposições. Dentro das enciclopédias brasileiras e do restante do mundo, exceto nas norte-americanas, Watson não aparece como um revolucionário do pensamento psicológico,sendo considerado apenas o fundador de uma nova forma de Psicologia, o Behaviorismo.4. Fundamentos do BehaviorismoPressupostos primários do Behaviorismo ortodoxo de Watson:(segundo Marx & Hillix) 1. Elementos de resposta compõem o comportamento, que pode ser analisado por métodos científicos, naturais e objetivos; 2. O comportamento é redutível a processos físico-químicos, ou seja, compõe-se de secreções glandulares e movimentos musculares; 3. O comportamento é mantido por rigoroso determinismo, isto é, toda resposta ocorre em função de algum estímulo antecedente; 4. Os processos conscientes, se existem, não podem ser cientificamente estudadosA negação do método introspectivo, da consciência e do mentalismo Watson rejeitava o uso de métodos introspectivos na obtenção de dadospassíveis de estudo do comportamento humano. No artigo de 1913, a consciência e aintrospecção foram criticadas por serem supostamente não científicas, não verificáveis,inverossímeis, intangíveis. As ciências naturais poderiam lidar apenas com o observável,o palpável, o tangível. Apenas o comportamento humano poderia ser objeto de estudo do
  5. 5. 5novo modelo de ciência. Apesar desses pensamentos de Watson, faltavam-lheargumentos claros e definidos sobre sua postura teórica: ele apenas expunha o seudesejo de “não entrar em disputas metafísicas”. Suas considerações sempre foramconsideradas incompletas ou relativamente mal desenvolvidas. Watson foi acusado denão substituir, apropriadamente, os conceitos relativos à consciência, por outros dentro daproposta comportamental. Watson excluiu dos estudos também o comportamento implícito e/ou eventosprivados, privilegiando o método acima do objeto de estudo. Watson como que cortouuma parte do próprio comportamento, o não diretamente visível. Porém, ninguém duvidada existência do pensamento e das emoções. Essas questões foram abordadas porSkinner mais tarde, numa segunda fase do Behaviorismo.A negação dos instintos Watson, em seus trabalhos posteriores, negou definitivamente a existência deinstintos na determinação do comportamento. Também passou a negar a herança decapacidades, tendências, temperamentos, caracteres mentais e outros conceitos,considerados por ele como grosseiras superstições.Ênfase na influência do ambiente: “Gostaria de avançar mais um passo esta noite e dizer: dêem-me uma dúzia de crianças saudáveis, bem formadas, e um ambiente para criá-las que eu próprio especificarei e eu garanto que, tomando qualquer delas ao acaso, prepará-la-ei para tornar-se qualquer tipo de especialista que eu selecione – um médico, advogado, artista, comerciante e, sim, até um pedinte ou ladrão, independentemente de seus talentos, pendores, tendências, aptidões, vocações e raça de seus ancestrais ... É favor notar que, quando esse experimento for realizado, estarei autorizado a especificar o modo como elas serão criadas e o tipo de mundo em quer terão que viver ... “ (Watson) Quando Watson fez essa famosa declaração, na conferência de 1926, foiacusado de objetivação e manipulação deliberada de comportamentos, além de ter sidoconsiderado simplista e mago pretensioso. Porém, tal crítica só foi feita porque suas palavras foram tomadas ao pé da letra,sem se levar em conta o que ele realmente quis demonstrar: a influência dascircunstâncias, do contexto, do ambiente no comportamento humano.A questão da hereditariedade Watson não excluiu a importância relativa das estruturas herdadas. Ele acreditavaque as características físicas poderiam ser favoráveis ou desfavoráveis para determinado
  6. 6. 6tipo de comportamento, mas que, para que este pudesse se efetivar, seria necessáriauma certa dose de condicionamentos. Nessa questão, Watson foi mal compreendido, sendo julgado, algumas vezes, deeliminar a influência da hereditariedade no comportamento, em outras, de dar muitaimportância à influência do meio. Esse problema foi resolvido, posteriormente, porSkinner, quando ele incluiu as condições físicas, químicas, biológicas e sociais dentro doconceito de ambiente.O problema do livre arbítrio Watson não acreditava no livre arbítrio tal como defendido pela Teologia eFilosofia. Dessa forma, os indivíduos não seriam, pessoalmente, responsáveis por suasações, portanto não seriam obrigados a pagar (teoria da retribuição) pelas suas ações. Ele acreditava que os criminosos deveriam ser reeducados, através derecondicionamentos, para conviver em meio social. Se isso não fosse possível, deveriamser retidos ou eliminados (pena de morte). Watson chegou a desenvolver um programa deprogresso social, uma ética experimental, baseado no Behaviorismo. Watson defendia que todo comportamento possui uma causa, quer esta seja ounão identificável.Reflexos condicionados O campo de estudo dos reflexos condicionados já era muito fértil uma décadaantes do surgimento oficial do Behaviorismo. Os pesquisadores soviéticos saíram nafrente e os norte-americanos também começaram a se interessar por tais estudos. Apesarde Ivan Petrovich Pavlov ter sido um dos maiores expoentes em tais pesquisas(condicionamento de reflexos salivares), Watson diz ter tido contato mais próximo com ostrabalhos de Bechterev (condicionamento de reações motoras). No entanto, Watson negou alinhamento com a escola reflexológica pois aconsiderava sob domínio do paralelismo psicofísico, posição contrária ao seu monismomaterialista.5. Críticas e resistências ao Behaviorismo Harrel & Harrison, em seu artigo de 1938, “The rise and fall of Behaviorism”,consideraram essa linha teórica como uma nova forma de materialismo, a qual teriasofrido influências indiretas de pensamentos materialistas, monistas e positivistas. O positivismo seria a marca registrada do Behaviorismo. Considerado comosinônimo de estreiteza científica e filosófica, o positivismo limitaria e reduziria qualquerobjeto de estudo. Porém, ao longo de mais de 80 anos de Behaviorismo, sua influência foidiminuindo e suas idéias foram sendo fortemente depuradas. Hoje, por exemplo, oanalista do comportamento leva em consideração não apenas fatores objetivos nadeterminação de comportamentos.
  7. 7. 7 Watson foi acusado de ter considerado o pensamento como fala subvocal.Watson negou a autoria desse pensamento dizendo que o máximo que ele poderia terdito é que o pensamento funcionava como se estivéssemos falando subvocalmente. Eleacreditava que havia atividade nas musculaturas corporais, mas que o pensamento nãose limitava a isso. A crítica também argumenta o mito da neutralidade científica, onde, por mais queo pesquisador tente se manter neutro na coleta e análise de dados, ele sempre promoveuma contaminação idiossincrática nesses procedimentos. Outra crítica contra o Behaviorismo foi a de que Watson apenas teria traduzidopara uma linguagem comportamentalista os mesmos fenômenos estudados sob o prismapejorativamente chamado de mentalista. Watson se defendeu dizendo que essastraduções não pretendiam, por si só, ser a explicação do comportamento, mas serviriamcomo um ponto de partida para um enquadramento das técnicas utilizadas e dosfenômenos analisados.Resistências Ao lançar o manifesto em 1913, Watson conseguiu grande número de seguidores,mas também muita resistência por parte daqueles que eram adeptos da utilização dastécnicas de introspecção. Os estudiosos se viam praticamente na obrigação de tomarpartido, ou seriam contra ou a favor da instrospecção. Haviam também resistências que diziam respeito à transposição para os sereshumanos dos resultados de pesquisas realizadas com animais. Uma explicação para essaresistência era a dificuldade de adaptação dos pesquisadores que utilizavam a técnicainstrospectiva. Eles não conseguiam permanecer apenas no campo da descrição, nãoconseguiam interpretar os resultados das pesquisas respeitando a limitação dos dados,não conseguiam explicitar suas descobertas em termos comportamentais e nemconseguiam abrir mão de conceitos de consciência nos seus entendimentos. Esse era oinício da antropomorfização do comportamento animal. Outra resistência surgiu quando Watson declarou que o estudo docomportamento do animal é legítimo por si só, tirando do centro o ser humano. Isso gerouuma sensação muito negativa nos estudiosos.Behaviorismo x Psicanálise Essas duas escolas de estudos do comportamento humano sempre tiveramdiferenças profundas em relação a embasamento teórico. Watson inicialmente atacou apsicanálise considerando-a como puro vuduísmo ou feitiçaria médica, posteriormente suaposição se tornou mais branda.
  8. 8. 86. Histórico1903: início das formulações com base em pesquisas com animais1908: divulgação dos resultados de suas pesquisas numa conferência realizada no departamento de Psicologia na Yale University. Nessa época ele já defendia uma espécie de Behaviorismo, porém enfatizando o seu caráter descritivo, não tentando explicar os comportamentos1912: Watson fez conferências públicas sobre um modelo mais aperfeiçoado de Behaviorismo1913: publicação do artigo, considerado como manifesto do Behaviorismo1913: publicação de outro artigo: “Image and affection in behavior”1914: Watson escreve sobre o Behaviorismo como um princípio metodológico definitivo e que poderia / deveria ser seguido pela comunidade científica como escola psicológica.1919: Publicação de “Psychology from the standpoint of a behaviorist”1925: Publicação de “Behaviorism”.1928: Publicação de “The ways of Behaviorism”.1928: Publicação de “Psychological care of the infant and child”. Apesar da previsão de Harrell & Harrison e das limitações da proposta de Watson,o Behaviorismo não caiu, mas sofreu inúmeras mudanças em sua evolução.

×