Estado Novo e era do rádio

2.756 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.756
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Estado Novo e a Era do Rádio no Brasil
  • Estado Novo e a Era do Rádio no Brasil
  • Estado Novo e a Era do Rádio no Brasil
  • Estado Novo e era do rádio

    1. 1. O Estado Novo e a Era do Rádio no Brasil
    2. 2. Quando surgiu o “Estado Novo”?
    3. 3. Economia A exemplo de seus governos provisório e constitucional, Getúlio Vargas deu sequência à política de desenvolvimento baseada no nacionalismo econômico e no intervencionismo estatal, procurando modernizar e integrar o Brasil ao capitalismo industrial. Para tanto, buscou-se a diversificação da economia — sem abandonar a proteção à cafeicultura — estimulando outras culturas, ao mesmo tempo em que se afirmava o modelo de substituição permanente das importações, através do impulso dado à industrialização. Nesse passo, foi de fundamental importância a conjuntura da Segunda Guerra Mundial, que reduziu a oferta de artigos industrializados, a diversificação agrícola e o crescimento do mercado interno.
    4. 4. O Estado, por sua vez, passava a atuar como investidor em setores da economia (indústrias de base) onde o capital privado era insuficiente, criando para isso uma rede de agências e órgãos que garantisse sua presença na vida econômica nacional. Com isso, foram criados, logo de início (1937-38), o CNP (Conselho Nacional do Petróleo), o Instituto Nacional do Mate, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e o Conselho Técnico de Economia e Finanças (CTP). Em 1939, o governo apresentou um Plano Quinquenal para alavancar o desenvolvimento, dando ênfase aos investimentos estratégicos em uma usina de aço, uma fábrica de aviões, uma fábrica de motores e a Hidrelétrica de Paulo Afonso, da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), da Cia. Vale do Rio Doce, atuando na extração de minérios, e da Cia. Hidrelétrica do São Francisco, fundamentais para a produção siderúrgica e energética.
    5. 5. As Bases do Estado Novo Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP): assegurava o controle da máquina burocrática do Estado, supervisionando, entre outras atribuições, a ação dos interventores nos Estados, além de funcionar como um grande cabide de empregos. Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP): exercia o controle ideológico da Nação através da censura total aos meios de comunicação, da publicidade do governo e do controle sobre a opinião pública. Responsável pela difusão da “boa imagem” do governante como um verdadeiro culto à personalidade, através de fotos, passeatas, concentrações ou outros eventos; e pela criação da Hora do Brasil (Hoje “A Voz do Brasil”), programa radiofônico de emissão obrigatória por todas as estações de rádio do País. Polícia Política da ditadura estadonovista: comandada por Filinto Muller, foiresponsável pela prisão, morte e tortura de milhares de “inimigos” do regime. Política trabalhista de Vargas: de caráter nitidamente populista, suprimiu a luta entre capital e trabalho através da organização corporativa dos sindicatos e da eficiente política do peleguismo. O ponto culminante do populismo getulista, voltado para o operariado urbano, deu-se com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), concedida em 1943.
    6. 6. Foto de novembro de 1937, após o golpe de Estado que implantou o Estado Novo. Fonte: Livro - Pelos caminhos da História - Adhemar Marques - Editora Positivo-1ª Edição/2006 Ver vídeo da Cremação das bandeiras estaduais
    7. 7. A Importância do Rádio no Brasil (Vídeo “A História do Rádio”)
    8. 8. Moldando comportamentos – A censura na música O malandro (ou seja, a malandragem) foi condenado. A importância da exaltação do trabalho no projeto do Estado Novo. A censura como objeto dominador político. O DIP como instrumento de coerção social. Lembre-se de comentar e explicar que: O trabalho para Getúlio Vargas era um forte instrumento de integração das massas trabalhadoras na política. A concretização do Estado Novo dependia da formação de um homem novo, lutador, trabalhador. Ver a música de Wilson Batista
    9. 9. A letra original dizia: “O bonde de São Januário/leva mais um sócio otário/só eu não vou trabalhar”. O DIP determinou que a letra fosse modificada. Veja como a letra ficou: O Bonde de São Januário Quem trabalha é quem tem razão Eu digo e não tenho medo de errar O Bonde de São Januário leva mais um operário Sou eu que vou trabalhar Antigamente eu não tinha juízo Mas hoje eu penso melhor no futuro Graças a Deus sou feliz vivo muito bem A boemia não dá camisa a ninguém Passe bem!
    10. 10. Lembranças do Cangaço Acorda Maria Bonita / Levanta vai fazer o café Que o dia já vem raiando / E a polícia já está de pé Se eu soubesse que chorando / Empato a tua viagem Meus olhos eram dois rios / Que não te davam passagem Cabelos pretos anelados / Olhos castanhos delicados Quem não ama a cor morena / Morre cego e não vê nada
    11. 11. O samba-exaltação: Aquarela do Brasil Brasil! Terra boa e gostosa Da morena sestrosa De olhar indiscreto O Brasil, samba que dá bamboleio que faz gingar O Brasil, do meu amor Terra de Nosso Senhor Brasil! Pra mim, pra mim, pra mim Ah! ouve estas fontes murmurantes Aonde eu mato a minha sede E onde a lua vem brincar Ah! esse Brasil lindo e trigueiro É o meu Brasil brasileiro Terra de samba e pandeiro Brasil! Pra mim, pra mim! Brasil!

    ×