Manuel Alegre

6.001 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado pela aluna Rute Pires, do 10ºF (10/11), do Agrupamento de Escolas de Búzio, no âmbito do estudo da poesia do século XX, na disciplina de Português.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.001
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
160
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manuel Alegre

  1. 1. Manuel Alegre<br />
  2. 2. Nasce a 12 de Maio de 1936, em Águeda.<br />Estuda Direito na Universidade de Coimbra, onde foi dirigente estudantil. <br />Redactor da revista Vértice e colaborador da Via Latina.<br />Mobilizado em 1962 para Angola onde, foi preso pela PIDE, durante 6 meses, por não querer participar na Guerra Colonial.<br />Passa 10 anos exilado em Argel, sendo o principal responsável e locutor da emissora Voz da Liberdade.<br />Entra para o Partido Socialista.<br />Membro do Conselho de Estado desde 1995.<br />Em 2005 e 2011 candidatou-se à Presidência da República.<br />
  3. 3. Temáticas:<br /><ul><li>Liberdade
  4. 4. Democracia
  5. 5. O País - Portugal
  6. 6. Direitos </li></li></ul><li>Letra para um hino<br />É possível falar sem um nó na gargantaÉ possível amar sem que venham proibirÉ possível correr sem que seja fugir.Se tens vontade de cantar não tenhas medo: canta.É possível andar sem olhar para o chãoÉ possível viver sem que seja de rastos.Os teus olhos nasceram para olhar os astrosSe te apetece dizer não grita comigo: não.É possível viver de outro modo. É possível transformares em arma a tua mão.É possível o amor. É possível o pão.É possível viver de pé.Não te deixes murchar. Não deixes que te domem.É possível viver sem fingir que se vive.É possível ser homem.É possível ser livre livrelivre.<br />Manuel Alegre<br />
  7. 7. Letra para um hino<br />É possível falar sem um nó na gargantaÉ possível amar sem que venham proibirÉ possível correr sem que seja fugir.Se tens vontade de cantar não tenhas medo: canta.É possível andar sem olhar para o chãoÉ possível viver sem que seja de rastos.Os teus olhos nasceram para olhar os astrosSe te apetece dizer não grita comigo: não.É possível viver de outro modo. É possível transformares em arma a tua mão.É possível o amor. É possível o pão.É possível viver de pé.Não te deixes murchar. Não deixes que te domem.É possível viver sem fingir que se vive.É possível ser homem.É possível ser livre livrelivre.<br />Manuel Alegre<br />
  8. 8. As mãos<br />Com mãos se faz a paz se faz a guerra.Com mãos tudo se faz e se desfaz.Com mãos se faz o poema – e são de terra.Com mãos se faz a guerra – e são a paz.Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.Não são de pedras estas casas masde mãos. E estão no fruto e na palavraas mãos que são o canto e são as armas.E cravam-se no Tempo como farpasas mãos que vês nas coisas transformadas.Folhas que vão no vento: verdes harpas.De mãos é cada flor cada cidade.Ninguém pode vencer estas espadas:nas tuas mãos começa a liberdade.<br />Foto da tela feita para exposição, pela aluna Rute Pires, 10ºF<br />Manuel Alegre<br />
  9. 9. Representação d’As MÃOS, <br />de Manuel Alegre<br />Trabalho apresentado na disciplina de Português 10ºano.<br />Rute Pires, nº22, 10ºF (10/11)<br />Agrupamento de Escolas de Búzio<br />

×