José Gomes Ferreira

3.595 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado pela aluna Joana Ferreira 10ºD | 2010-2011 (Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra)

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.595
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
78
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

José Gomes Ferreira

  1. 1. Poetas do Século XX<br />José Gomes Ferreira<br />
  2. 2. 1910 – Proclamação da República<br />1914-1918 –1ª Guerra Mundial<br />1926 – Revolução de 28 de Maio<br />1936-1939 – Guerra Civil de Espanha<br />1939-1945 – 2ª Guerra Mundial<br />1974 – 25 de Abril<br /><ul><li>1920 - Dirige a revista “Ressurreição”
  3. 3. 1921 – Publica a colectânea de poemas ‘Longe’
  4. 4. 1924 – Licencia-se em Direito
  5. 5. 1925 – Cônsul na Noruega
  6. 6. 1926 – Traduz “O Livro das Mil e Uma Noites”
  7. 7. 1930 – Regresso a Portugal
  8. 8. 1930 – Colabora com revistas
  9. 9. 1930 – Legenda filmes
  10. 10. 1931 – Publica “Viver Sempre Também Cansa”
  11. 11. 1959 – Mário Sacramento publica “O Mundo de José Gomes Ferreira”
  12. 12. 1961 – Grande Prémio da Poesia pela Sociedade Portuguesa de Autores
  13. 13. 1963 – “As Aventuras Maravilhosas de João Sem Medo”
  14. 14. 1975 – Alexandre Pinheiro Torres publica “Vida e Obra de José Gomes Ferreira”
  15. 15. 1978 – eleito Presidente da Associação Portuguesa de Autores
  16. 16. 1983 – homenageado pela Sociedade Portuguesa de Autores
  17. 17. 1985 – 8 Fevereiro, falece, vítima de doença prolongada</li></li></ul><li>Viver sempre também cansaO sol é sempre o mesmo e o céu azulora é azul, nitidamente azul,ora é cinzento, negro, quase-verde...Mas nunca tem a cor inesperada.O mundo não se modifica.As árvores dão flores,folhas, frutos e pássaroscomo máquinas verdes.As paisagens também não se transformam.Não cai neve vermelha,não há flores que voem,a lua não tem olhose ninguém vai pintar olhos à lua.Tudo é igual, mecânico e exacto.Ainda por cima os homens são os homens.Soluçam, bebem, riem e digeremsem imaginação.E há bairros miseráveis, sempre os mesmos,discursos de Mussolini,guerras, orgulhos em transe,automóveis de corrida...<br />E obrigam-me a viver até à Morte!Pois não era mais humanomorrer por um bocadinho,de vez em quando,e recomeçar depois,achando tudo mais novo?Ah! se eu pudesse suicidar-me por seis meses,morrer em cima dum divãcom a cabeça sobre uma almofada,confiante e sereno por saberque tu velavas, meu amor do Norte.Quando viessem perguntar por mimhavias de dizer com teu sorrisoonde arde um coração em melodia:«Matou-se esta manhã.Agora não o vou ressuscitarpor uma bagatela.»E virias depois, suavemente,velar por mim, subtil e cuidadosa,pé ante pé, não fosses acordara Morte ainda menina no meu colo...<br />
  18. 18. Na minha próxima vida, quero viver de trás para frente.Começar morto, para despachar logo o assunto.Depois, acordar num lar de idosos e ir-me sentindo melhor a cada dia que passa.Ser expulso porque estou demasiado saudável, ir receber a reforma e começar a trabalhar, recebendo logo um relógio de ouro no primeiro dia.Trabalhar 40 anos, cada vez mais desenvolto e saudável, até ser jovem o suficiente para entrar na faculdade, embebedar-me diariamente e ser bastante promíscuo.E depois, estar pronto para o secundário e para o primário, antes de me tornar criança e só brincar, sem responsabilidades.Aí torno-me um bebé inocente até nascer.Por fim, passo nove meses flutuando num “spa” de luxo, com aquecimento central, serviço de quarto à disposição e com um espaço maior por cada dia que passa, e depois – “Voilà!” – desapareço num orgasmo. <br />"Woody Allen"<br />
  19. 19. Vivam, apenas.<br />A Morte é para os mortos!<br />
  20. 20. Vivam Apenas<br />Vivam, apenas <br />Sejam bons como o sol.<br />Livres como o vento.<br />Naturais como as fontes.<br />Imitem as árvores dos caminhos<br />que dão flores e frutos<br />sem complicações. <br />Mas não queiram convencer os cardos<br />e transformar os espinhos<br />em rosas e canções.<br />E principalmente não pensem na morte.<br />Não sofram por causa dos cadáveres<br />que só são belos<br />quando se desenham na terra em flores.<br />Vivam, apenas.<br />A morte é para os mortos!<br />
  21. 21. Netgrafia:<br />http://www.vidaslusofonas.pt/jgf.htm<br />http://www.citi.pt/cultura/literatura/poesia/j_g_ferreira/cansa.html<br />http://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Gomes_Ferreira<br />http://www.astormentas.com/zegomes.htm<br />
  22. 22. Trabalho realizado por:<br />Joana Ferreira, nº14 10ºD<br />17-02-2011<br />

×