Carlos Drummond de Andrade

8.680 visualizações

Publicada em

Conhecer a vida e obra de Carlos Drummond de Andrade - trabalho de Marcia Silva (10ºF | Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra), no âmbito do estudo dos poetas do século XX, na disciplina de Português.

Publicada em: Educação, Tecnologia
1 comentário
35 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.680
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
35
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carlos Drummond de Andrade

  1. 1. Carlos Drummond de Andrade Poetas da Séc. XX Língua Portuguesa 2010/2011 Márcia Silva – 10ºF Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra 1902-1987
  2. 2. Vida e obra <ul><li>Poeta, contista e cronista brasileiro. </li></ul><ul><li>Nasceu em Itabira (Brasil) a 31 de Outubro de 1902 </li></ul><ul><li>Licenciado em farmácia </li></ul><ul><li>Na maior parte da sua vida foi funcionário publico, mas também, desde cedo, foi poeta cronista e contista. </li></ul><ul><li>Faleceu a 17 de Agosto de 1987 </li></ul>
  3. 3. Localização de Itabira no Estado de Minas Gerais
  4. 4. Modernismo brasileiro
  5. 5. Fases do modernismo no Brasil (1930-1945) <ul><li>Este modernismo tem uma primeira fase entre 1922-1930, a segunda fase de 1930-1945, e a terceira e ultima fase de 1945-1960 (+/-) </li></ul><ul><li>A primeira fase, mais radical e fortemente oposta a tudo que foi anterior, cheia de desrespeito e agitação; </li></ul><ul><li>A segunda fase mais amena, que formou grandes romancistas e poetas; </li></ul><ul><li>A terceira fase, também chamada Pós-Modernismo por vários autores, que se opunham de certo modo a primeira e era por isso ridicularizada com o apelido de neoparnasianismo </li></ul><ul><li>Carlos Drummond de Andrade está inserido na segunda fase do modernismo brasileiro. </li></ul>
  6. 6. Características <ul><li>Repensar a historia nacional com humor e ironia - &quot; Em outubro de 1930 / Nós fizemos — que animação! — / Um pic-nic com carabinas.&quot; (Festa Familiar - Murilo Mendes) </li></ul><ul><li>Verso livre e poesia sintética - &quot; Stop. / A vida parou / ou foi o automóvel?&quot; (Cota Zero, Carlos Drummond de Andrade) </li></ul><ul><li>Nova postura temática - questionar mais a realidade e a si mesmo enquanto indivíduo </li></ul><ul><li>Tentativa de interpretar o estar no mundo e seu papel de poeta </li></ul><ul><li>Literatura mais construtiva e mais politizada. </li></ul><ul><li>Surge uma corrente mais voltada para o espiritualismo e o intimismo (Cecília, Murilo Mendes, Jorge de Lima e Vinícius) </li></ul><ul><li>Aprofundamento das relações do eu com o mundo </li></ul><ul><li>Consciência da fragilidade do eu - &quot;Tenho apenas duas mãos / e o sentimento do mundo&quot; (Carlos Drummond de Andrade - Sentimento do Mundo) </li></ul>
  7. 7. (Cont.) <ul><li>Perspectiva única para enfrentar os tempos difíceis é a união, as soluções colectivas - &quot; O presente é tão grande, ano nos afastemos, / Ano nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.&quot; (Carlos Drummond de Andrade - Mãos dadas) </li></ul><ul><li>Tentativa de interpretar o estar-no-mundo e seu papel de poeta </li></ul><ul><li>Literatura mais construtiva e mais politizada. </li></ul><ul><li>Surge uma corrente mais voltada para o espiritualismo e o intimismo (Cecília, Murilo Mendes, Jorge de Lima e Vinícius) </li></ul><ul><li>Consciência da fragilidade do eu - &quot;Tenho apenas duas mãos / e o sentimento do mundo&quot; (Carlos Drummond de Andrade - Sentimento do Mundo) </li></ul><ul><li>Perspectiva única para enfrentar os tempos difíceis é a união, as soluções coletivas - &quot; O presente é tão grande, ano nos afastemos, / Ano nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.&quot; (Carlos Drummond de Andrade - Mãos dadas) </li></ul>
  8. 8. <ul><li>&quot;Este é tempo de partido, / tempo de homens partidos. (...) Os homens pedem carne. Fogo. Sapatos. / As leis ano bastam. Os lírios ano nascem da lei. Meu nome é tumulto, e escreve-se / na pedra.&quot; </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  Carlos Drummond de Andrade, in Nosso Tempo </li></ul>
  9. 9. A sua poesia <ul><li>A sua poesia herda a liberdade linguística do modernismo (o verso livre, a métrica livre e as temáticas do quotidiano) </li></ul>
  10. 10. Temas da poesia de Drummond <ul><li>  O eu lírico na poesia de Drummond é complicado, torturado, despedaçado. </li></ul><ul><li>A relação com o lugar de origem, que o indivíduo deixa para se formar </li></ul><ul><li>O indivíduo interroga, sem alegria e sem sentimentalismo, a estranha realidade familiar, a família que existe nele próprio </li></ul><ul><li>Homenagens a figuras que o poeta admira, próximas ou distantes. (Mário de Andrade a Manuel Bandeira, Machado de Assis a Charles Chaplin.) </li></ul><ul><li>Nada romântico ou sentimental, o amor em Drummond é uma amarga forma de conhecimento dos outros e de si próprio  </li></ul>
  11. 11. Obras mais importantes <ul><li>Alguma Poesia – 1930 (poesia) </li></ul><ul><li>Boitempo – 1968 (poesia) </li></ul><ul><li>Historia de dois amores – 1985 (infantil) </li></ul><ul><li>Auto-retrato e outras crónicas – 1989 (prosa) </li></ul>
  12. 12. Para Sempre <ul><li>Por que Deus permite  que as mães vão se embora?  Mãe não tem limite,  é tempo sem hora,  luz que não se apaga  quando sopra o vento  e chuva desaba,  veludo escondido  na pele enrugada,  água pura, ar puro,  puro pensamento.  Morrer acontece  com o que é breve e passa  sem deixar vestígio.  Mãe, na sua graça,  é eternidade. </li></ul><ul><li>Por que Deus se lembra  - mistério profundo -  de tirá-la um dia?  Fosse eu Rei do Mundo,  baixava uma lei:  Mãe não morre nunca,  mãe ficará sempre  junto de seu filho  e ele, velho embora,  será pequenino  feito grão de milho. </li></ul>
  13. 13. Inconfesso desejo <ul><li>Queria ter coragem Para falar deste segredo Queria poder declarar ao mundo Este amor Não me falta vontade Não me falta desejo Você é minha vontade Meu maior desejo Queria poder gritar Esta loucura saudável Que é estar em teus braços </li></ul><ul><li>Perdido pelos teus beijos Sentindo-me louco de desejo Queria recitar versos Cantar aos quatros ventos As palavras que brotam Você é a inspiração Minha motivação Queria falar dos sonhos Dizer os meus secretos desejos Que é largar tudo Para viver com você Este inconfesso desejo </li></ul><ul><li>Carlos Drummond de Andrade </li></ul>
  14. 14. Fontes consultadas <ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Drummond_de_Andrade </li></ul><ul><li>http://www.astormentas.com/poemas.aspx?t=autor&id=Carlos+Drummond+de+Andrade </li></ul><ul><li>http://www.graudez.com.br/literatura/modernismo.html </li></ul><ul><li>http://letras.terra.com.br/carlos-drummond-de-andrade/460829/ </li></ul>

×