Lakhsmi Daimon
A Dor
Para mim tem sido muito duro, muito doloroso verdadeiramente, e como lhes
digo, parte de minha vida v...
Este momento meu coração sangra verdadeiramente, neste momento o povo
gnóstico, quiçás as pessoas que estão mais próximos ...
não quero semear nenhuma expectativa em nenhum de vocês, porém por favor,
por Deus e pelo o que mais queiram, não façam ma...
Eu sei que para muitos irmãos e irmãs que estão aqui comigo estarem ouvindo
estas palavras são muito duras, porém lhes que...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lakhsmi daimon a_dor.br

188 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
188
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lakhsmi daimon a_dor.br

  1. 1. Lakhsmi Daimon A Dor Para mim tem sido muito duro, muito doloroso verdadeiramente, e como lhes digo, parte de minha vida vem ficando em todos aqueles instantes.. Eu vejo a um irmão, um casal, ou um grupo de pessoas ou quiçás um povo gnóstico, acompanhando, crentes que estão fazendo seu trabalho, e quando se estuda o caso particular destas pessoas, se vê que não estão fazendo nenhum trabalho. Estão como aquela história do camponês que entra em um chiqueiro, um barro, muito profundo, e quando quer tirar um o pé entra mais com o outro e assim vai indo, vai se consumindo, fazendo grandes esforços para sair, porém se não há uma mão muito poderosa desde fora que o puxe e o ajude, e que a pessoa permita, não se pode sair. Eu sei que isto passou o Cristo todas as vezes que veio, sei que assim aconteceu com o Noé Bíblico, sei que assim se passou com todos os Mestres que vieram com a intenção de liberar um povo. Sempre lhes tocou ver-se na mesma situação devido a que as pessoas crêem que vão andando, quando em realidade o que estão fazendo é afundando mais. Quando nós estudamos isto na parte interna de um povo, nos damos conta da crua realidade de tudo isto e é muito triste, queridos irmãos, é muito doloroso para nós os guias da humanidade, porque ver uma pessoa a seus irmãos mais queridos ali em um atoladeiro aonde não pode sair, sobretudo cometendo erros que não querem corrigir, porque não se submetem a uma disciplina físico- esotérica, uma disciplina emocional, mental e psicológica, para poder compreender e fazendo grandes super-esforços para sair daí. Isto é muito triste para mim nesta época, irmãos estou falando isto nesta gravação porque quero que fique testemunho do que se disse. Eu disse em todos meus ensinamentos, já fazem muitos anos que estou frente ao Povo Gnóstico. O que venho dizendo, porém queria expressar, e queira Deus e a Divina Providência que algum curioso por aí, dos que sempre há, guarde estas palavras que digo sem nenhuma ética gramatical, porém com o sentir de meu coração.
  2. 2. Este momento meu coração sangra verdadeiramente, neste momento o povo gnóstico, quiçás as pessoas que estão mais próximos de mim não sabem a que me refiro, não sabem o que é o que me acontece em certas ocasiões que me vêem e me dizem que estou bravo, quando em realidade é que estou reflexivo e com meu coração partido. Em Ocasiões dizem que estou muito enfermo e é assim, estou enfermo, porém de uma dor que não me tira um remédio, uma dor que não me tira uma xícara de chá, uma dor que não vão me tirar com uma piada, é uma dor em minha alma porque temo que a qualquer momento tenho que me retirar deste mundo tridimensional e vão ficar muitos irmãos, muitas irmãs, dizendo que disse o Mestre, porém não vão ter muitos a solvência moral de dizer que isto estou fazendo porque o Mestre assim o ensinou. Volto a dizer-lhes que hoje o dia que me encontro aqui compartindo com vocês, este precioso e belíssimo natal no coração, chego a compreender a dor que sentem os meus Mestres, que conheci durante minha vida, como foi o mestre Jesus, aquele Deus feito Homem, que ficava em suas reflexões dias inteiros e os que o rodeávamos pensávamos que o Mestre estava meditando, porque queria estar por lá, no mundo causal, e ele estava vendo a miséria humana e estava lutando para conseguir, embora fosse Deus, as palavras mais adequadas e as formas mas idôneas de poder-lhes chegar a estes discípulos teimosos, que estavam vendo o ensinamento e a davam muito bela, porém não tinham nenhuma disposição de vivê-la. Também me tocou ver o mesmo com o V.M Samael, que dor. Que dor subjulga meu oprime meu coração nestes momentos que me expresso ante vocês. Para dizer-lhes que em meu pouco conhecimento que tinha quando ia e vinha o Mestre, o via lá em seu interior sangrando-lhe as feridas que se produziam pelos irmãos que se colocavam com suas brigas, com violências e que não estavam dispostos a viver o ensinamento. Isto nos dá muita tristeza. Crêem vocês, queridos irmãos, que seja justo que se siga repetindo esta canção psicológica? É assim que eu estou dormindo, como fui tão mal, como foi tão ruim, como tenho um Karma tão grande. Vocês crêem que o Karma tem a intenção de levar-nos ao abismo porque temos um karma, se em realidade estamos dispostos a nos propor a pagar? Apliquemos a lógica que nos dá a filosofia da vida, se estamos dormindo, nos proponhamos a Despertar a cada momento que um se dê conta que esteja dormindo, desperta nesta área. Nesta porcentagem de consciência se pode despertar e viver e ver a vida totalmente diferente. Se sabemos que estamos perdidos, que estamos em um inferno muito profundo, pois por acaso não temos a mão a escada para começar a subir, a sair deste inferno, no lugar de estar-se lamentando de tudo e com todos. Queridos irmãos, verdadeiramente lhes digo, e não quero palavras de lamento,
  3. 3. não quero semear nenhuma expectativa em nenhum de vocês, porém por favor, por Deus e pelo o que mais queiram, não façam mais sofrer a este Mestre, não façam mais sofrer ao Cristo, não façam mais sofrer aos Mestres que estão nos ajudando. Ajudemo-nos, demonstremos que verdadeiramente estamos nesta doutrina e que nós colocamos uma túnica azul, porque fazemos honra a Alma, a esta Alma, a esta Maria Madalena que também se debate entre os terríveis sofrimentos para colocar esta pessoa humana a compreender que trabalhar dentro dos desideratos que a doutrina gnóstica nos dá. Quero que estas palavras que estão gravadas nesta fita, fiquem como testemunho do que já lhes disse. Que não percam mais tempo, há muitos irmãos por aí perdendo seu tempo, danificando o pouco que fizeram, pondo regras, pondo disciplinas aos demais e eles bem, quer dizer façam o que digo porém não façam o que eu faço. Isto é um engano, é uma falta de sinceridade consigo mesmo, isto é enganar, tratam uma pessoa de enganar o Cristo em sua própria presença. Isto é muito triste, muito doloroso, saber que é uma Alma que não se pode salvar, que é uma Alma que não pode se redimir, porém quando se vá dar a mão a ela a esconde, porque quer seguir com suas andanças, quer seguir cometendo os mesmos absurdos. Vocês vieram irmãos, a alegria do Cristo, a alegria dos Mestres quando um irmão ou uma irmã pede ajuda e quando lhe dá ajuda está atento para recebê-la, põe todo seu esforço, todo seu valor, todas suas capacidades mentais, emocionais, psicológicas e por fim de consciência para sair do lugar triste e deprimente em que se encontra. Isto a nós nos enche de vida, porém são poucos os que estão fazendo isto, sempre nos encontramos com as maiorias que estão ali mariposeando, dizendo que caminham na verdade, porém não vivem a verdade, então em realidade isto não serve para nada irmãos. Não sigamos nos enganando, como lhes disse e volto a repetir, meu coração sangra todos os dias e todos os que me perguntam como estou e chamam, lhes agradeço infinitamente por tantas ligações por telefone, tantas cartas que me chegam pedindo por minha saúde. Se vocês querem me ver curado, façam algo pela Alma de vocês. Que é esta Medicina que meu corpo necessita. Meus anos são meus anos, e eles no fundo não são os que estão me matando. O Que está me matando é a dor, a tristeza de ver a um povo que quis salvar, que quis que se redima porém em realidade estamos vendo que as possibilidades são poucas, cada dia são menos, e eu quando celebram aniversario, quisera não estar, porque as pessoas se regozija-se de ver uma pessoa que fez mais um ano, mas a mim me enche de dor, meu coração sangra por saber que foi mais um ano que s perdeu, que foi mais um ano que esta pessoa não fez nada e que o pouco que fez, não vá e seja em que nos anos sucessivos volta e caia nas mesmas coisas e perca todo seu esforço, e não só o seu esforço, senão o de seu próprio Ser.
  4. 4. Eu sei que para muitos irmãos e irmãs que estão aqui comigo estarem ouvindo estas palavras são muito duras, porém lhes quero dizer que em realidade saem de meu coração porque é meu sentir. Eu estou morrendo lentamente, é uma morte lenta, ninguém me entende e quero dizer nestas palavras. Esta é a minha morte, esta é a minha morte. A minha vida não depende de um corpo celular. A Minha vida depende do triunfo de minha alma e do triunfo de um povo que necessito que me acompanhem até os pés do Ser. Necessito de vocês, não tenham mais ouvidos surdos, por Deus, dêem-se conta que um povo ou uma Alma que caia na involução, são milhares e milhares e milhares de anos que tem que passar por terríveis sofrimentos e que nós, neste caso minha pessoa, eu não olho a pessoa humana. Uma pessoa que hoje é Deus e amanhã a comem os gusanos, eu olho a esta Alma que as vezes chora e geme e me pede e pede aos Deuses que a ajudem a sair, que a ajudem a este veículo que tem de expressão não cometa mais erros, que não lhe ponha mais em perigo de a deixar em semelhante "fatricida" sofrimento. Queridos irmãos quero que vocês me entendam. Quero que estas palavras que lhes disse no dia de hoje fiquem gravadas na consciência de todos vocês. Para que em um futuro saibam, qual foi o mal que me matou. E não é porque eu me acreditava um imortal, porém quisera ter sido morto por outra coisa e não com meu coração cheio de feridas e sangrando de dia e de noite, porque vejo em realidade uma colheita que se avizinha para o Cristo, e é muito pouca em comparação com a grande quantidade que há de humanidade.

×