Resumo das Glândulas Endócrinas

22.125 visualizações

Publicada em

Baseado no Junqueira e Carneiro, logo, o resumo é focado na análise histológica das principais glândulas endócrinas do nosso corpo. Trabalho editado por mim para a disciplina de Histologia, em dezembro/11 para UFRN.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22.125
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
176
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo das Glândulas Endócrinas

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA DISCIPLINA: HISTOLOGIA APLICADA À BIOMEDICINA DOCENTE: RANKE DOS SANTOS SILVA DISCENTE: SARA ESTER DE LIMA COSTAHISTOFISIOLOGIA DAS PRINCIPAIS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS (SISTEMA ENDÓCRINO) DEZEMBRO 2011
  2. 2. O sistema endócrino engloba as glândulas endócrinas que são formadas detecidos epiteliais de secreção. Essas glândulas, que apresentam vasos sanguíneos enervos, levam nutrientes e inervação à formação dos hormônios, que são as substânciassecretadas; estes, por sua vez, são lançados na corrente sanguínea e atuam nometabolismo corporal, controlando ou auxiliando a atuação destes nos órgãos-alvo,sendo de supra importância no processo de homeostase. Então, diferentemente dasglândulas exócrinas (que secretam substâncias através de ductos excretores para oexterior do corpo ou outros órgãos), as glândulas endócrinas apresentam meios decontrole dos hormônios, que agem em sua própria célula – sendo esta a célula-alvo(controle autócrino), podendo agir em células vizinhas em relação ao qual o hormôniofoi secretado (controle parácrino) e ainda agindo nas células próximas, mas não vizinhasem relação à célula que a secretou (controle justácrino). Geralmente, o sistema endócrino com suas glândulas apresenta funçõesassociadas ao sistema nervoso, que forma mecanismos reguladores precisos na atuaçãodos hormônios nos mais diversos tecidos e órgãos. Por exemplo, fornecer ao sistemaendócrino que produza uma secreção devido a um estímulo sensitivo externoidentificado pelo sistema nervoso; assim, o sistema endócrino elabora uma respostainterna ao organismo em relação à informação processada. Portanto, esses dois sistemasandam em conjunto, atuando na coordenação e regulação das funções corporais. As principais glândulas endócrinas são a hipófise, adrenal, tireóide eparatireóides, além de outras que agem no pâncreas, nas gônadas, no hipotálamo e etc.Elas, em conjunto atuam, como explicitado anteriormente, no controle e auxílio dasatividades metabólicas do organismo, induzindo respostas ao mesmo numa relação como sistema nervoso. Neste trabalho, serão abordadas as principais características histológicas efisiologia dessas glândulas endócrinas principais.
  3. 3. Hipófise Também denominada de glândula patuitária, é conhecida como “glândula mestra”, pois coordena as demais glândulas com associação ao sistema nervoso. Ou seja, a sua atuação na coordenação das demais glândulas está intimamente relacionada ao sistema nervoso, exercendo efeito sobre órgãos não-endócrinos; alguns hormônios, produzidos pela hipófise são denominados trópicos (ou tróficos) porque atuam sobre outras glândulas endócrinas, comandando a secreção de outros hormônios. Este órgão pequeno se localiza na sela túrcica do osso esfenóide e liga-se ao hipotálamo pelo infundíbulo (liga a hipófise ao sistema nervoso central). A hipófise é revestida por uma cápsula de tecido conjuntivo, contínuo com fibras reticulares que promovem a sustentação deste órgão. Localização da hipófise. Esta glândula possui duas origens embrionárias, uma nervosa (origina a neuro-hipófise, maisQuiasma óptico posterior) e outraInfundíbulo ectodérmica (origina a adeno-hipófise, mais anterior). Elas são intimamente ligadas pela hipófise intermediária, que se encontra mais desenvolvidas nos animais inferiores. Cada lobo da hipófise (neuro-hipófise e adeno-hipófise) apresenta regiões denominadas pars. Logo, para a neuro-hipófise, há um só pars, que corresponde a uma região mais volumosa, denominada pars nervosa. Já a adeno-hipófise é subdividida em três porções, são elas a pars distalis, pars intermedia e pars tubercalis, sendo a pars distalis considerada a sua porção mais volumosa, o “lobo anterior da hipófise”. O lobo considerado posterior da hipófise é o conjunto da pars nervosa com a pars intermedia. O suprimento sanguíneo da hipófise se dá por um duplo grupo arterial, as artérias hipofisárias superiores (irrigando a eminência mediana e o infundíbulo) e as artérias hipofisárias inferiores (irrigam principalmente a neuro-hipófise e envia ramos para o pedículo da hipófise). Através dessas artérias, são formandos os plexos capilares (primário e secundário) formando um sistema porta hipofisário, que garante a regulação das funções da adeno-hipófise, por onde passam neuro-hormônios produzidos pelo hipotálamo, controlando a função de suas células. Este suprimento pode ser visualizado na figura ao lado. A adeno-hipófise está subdividida em três partes, a pars distalis, pars tubercalis e pars intermedia. A pars distalis constitui cerca de 75% da massa da hipófise, sendo composta principalmente por cordões de células epiteliais produtoras de hormônios que encontram-se entremeados por capilares sanguíneos. Seus hormônios produzidos são armazenados em
  4. 4. grânulos de secreção e a sua sustentação (junto com as demais partes da adeno-hipófise)se dá por fibras reticulares. É produzido pelo menos um total de seis hormônios pela pars distalis, e estessão reconhecidos por colorações rotineiras. Desta forma, as células coradas sãodivididas em dois tipos: as cromófobas (pouco coradas) e cromófilas (bem coradas) –esta última subdivide-se em acidófilas e basófilas, de acordo com a afinidade pelocorante. Existe uma relação entre a hipófise e o hipotálamo denominada sistemahipotálamo-hipofisário, que permite a secreção de neuro-hormônios que sãoarmazenados nos seus axônios na eminência mediana e depois transportados peloprimeiro trecho do sistema porta hipofisiário para a pars distalis pelo plexo capilarprimário. A maioria destes hormônios chamados hipofisiotrópicos ou hormôniosliberadores hipotalâmicos atua na estimuação de células da pars distalis, enquanto quedois deles (hormônios inibidores hipotalâmicos) inibem a liberação de tais hormônios.Os principais hormônios produzidos pela adeno-hipófise são listados a seguir. • STH ou somatotropina: age no crescimento do indivíduo, atuando nas divisões celulares de vários tecidos. É ativado pelas somatomedinas sintetizadas no fígado. Seu hormônio liberador hipotalâmico é o SRH e inibidor hipotalâmico é a somatostatina. A deficiência desse hormônio na infância acarreta o nanismo; e o excesso de produção na infância e adolescência leva ao gigantismo. • TSH ou hormônio tireotrófico: estimula a produção dos hormônios T3 e T4 pela tireóide (hormônios tireoidianos). Seu hormônio liberador hipotalâmico é o TRH. • ACTH ou hormônio adrenocorticotrófico - corticotropina: estimula a secreção dos hormônios do córtex adrenal. Seu hormônio liberador hipotalâmico é o CRH. • GH ou gonadotrófico (FSH e LH): o FSH – hormônio folículo estimulante, nas mulheres, estimula os ovários a produzir os folículos que contêm os óvulos; nos homens, estimula a produção de espermatozóides pelos testículos. O LH – hormônio luteinizante, nas mulheres, estimula a formação do corpo lúteo (corpo amarelo) na região do folículo onde havia o óvulo; nos homens, estimula a produção de testosterona (hormônio sexual) pelos testículos. Seu hormônio liberador hipotalâmico é o GnRH. • LTH ou prolactina: atua na secreção do leite após o parto e que é estimulada pela amamentação. Seu hormônio liberador hipotalâmico é o PRH e seu inibidor é o PIH. A pars intermedia localiza-se entre a neuro-hipófise e a pars tuberalis, composta de cordões e células endócrinas, possui poucos grânulos de secreção e é basófila. Quanto à pars tuberalis, esta cerca o infundíbulo da neuro-hipófise e a
  5. 5. maioria de suas células secretam gonadotropinas (GnRh – FSH e LH). É organizada emcordões de células endócrinas em torno dos vasos sanguíneos. As pars que constituem ahipófise podem ser visualizadas na figura 20.3. A neuro-hipófise apresenta células gliais, as denominadas pituícito – constituídode axônios não mielinizados de neurônios secretores. Esses neurônios secretores sãoricos em corpúsculos de Nissl e essa neurossecreção é transportada ao longo dosaxônios e seu acúmulo nas extremidades deles gera um depósito de estruturas conhecidocomo corpos de Herring. Estes grânulos de neurossecreção são envoltos por umamembrana e quando liberados, essa secreção vai em direção aos capilares sanguíneosfenestrados presentes na pars nervosa (plexo capilar primário) e posteriormente, oshormônios são distribuídos pela circulação geral. As secreções produzidas pelos neurossecretores geram dois hormôniosimportantes, a oxitocina e a vasopressina-arginina (também conhecido como hormônioantidiurético – ADH). Esses hormônios são liberados na corrente sanguínea quando há aproteólise do complexo hormônico-neurofisina, onde a neurofisina é uma proteína queauxilia na transportação do hormônio em direção à corrente sanguínea. A vasopressina(ADH) e a oxitocina são armazenadas na neuro-hipófise e liberadas por meio deimpulsos nervosos de fibras nervosas originadas do hipotálamo. O hormônioantidiurético ou vasopressina-arginina é secretado quando a pressão osmótica do sangueaumenta, aumentando a permeabilidade dos túbulos coletores do rim à água.A oxitocina estimula as contrações dos músculos uterinos durante o parto e estimula asglândulas mamárias durante a lactação.Adrenal Também denominadas de supra-renais, se localizam nos pólos superiores decada rim. Seu tamanho varia de acordo com a idade e condições fisiológicas da pessoa,mas apresenta em média no adulto 8g. As glândulas supra-renais são encapsuladas econstituídas de duas camadas concêntricas: uma mais periférica, amarelada,denominada córtex da adrenal ou camada cortical; e outra mais central, acinzentada, queé a medula da adrenal ou camada medular. Assim como a hipófise, a adrenal possui duas origens embriológicas distintas,portanto, duas camadas (regiões). A região cortical é de origem mesodérmica (epitéliocelomático) e a região medular, neuroectodérmica (cristas neurais). Embora de origensdiferentes e funções diferentes, por encontrarem-se justapostas, apresentam capilaressanguíneos cercados por seus cordões endócrinos. As glândulas adrenais são recobertaspor uma cápsula de tecido conjuntivo denso e seu estroma é devido a uma rede de fibrasreticulares. Para receber a nutrição necessária para que haja uma produção adequada dehormônios, no caso corticotrópicos, sua circulação sanguínea baseia-se em três artériasque irrigam a área da cápsula, do córtex e da medula. Assim, os capilares da medulajunto aos capilares provenientes do córtex formam em seu conjunto as veias medularesque se unem para constituir a veia supra-renal ou adrenal. A região cortical da glândula adrenal apresenta estruturas que são tipicamentecélulas secretoras de esteróides, que logo após a secreção, elas são sintetizadas por
  6. 6. estímulos e transportadas para a corrente sanguínea, não se acumulando. Difundem-sefacilmente pela membrana celular sem sofrer exocitose devido ao baixo peso molecular. O córtex adrenal, que corresponde à periferia da glândula supra-renal, pode-seainda subdividir-se em três camadas concêntricas – esta divisão é devido à disposiçãodas diferentes células que o compõe, classificadas em zonas. Estas zonas são: - Zona Glomerulosa, mais superficial, corresponde a 15% do volume total daglândula adrenal, apresentando células piramidais ou colunares organizadas em cordõesem forma de arco; - Zona Fasciculada, mediana do córtex, correspondendo a 65% do volume totalda glândula adrenal, onde suas células que são poliédricas, também denominadasenpongiócitos, formam cordões em paralelo; - Zona Reticulada, mais interna, já próxima à região medular da adrenal,corresponde a 7% do seu volume, apresentando suas células mais irregulares em formade cordões. Abaixo, uma fotografia (fig. 20.13) demonstrando a região detalhada do córtexadrenal, inclusive, da medula supra-renal.
  7. 7. Os principais hormônios secretados pela região cortical da adrenal são tipos deesteróides, que são os glicocorticóides, mineralocorticóides e andrógenos. Osglicocorticóides são produzidos pelas zonas fasciculada e reticulada e são representadospelo cortisol e cortisona; eles regulam o metabolismo de carboidratos, proteínas elipídeos do corpo, além de poder atuar na supressão de respostas imunes pelo sistemalinfático. Os mineralocorticóides são produzidos pela zona glomerulosa, sintetizandoaldosterona, e atuam principalmente no equilíbrio de eletrólitos (como sais), água epressão arterial do organismo. Os andrógenos são produzidos pelas zonas fasciculada ereticulada e atuam na produção de hormônios sexuais, como a testosterona,androstenediona e a deidroepiandrosterona (DHEA). A figura 20.14 demonstra as zonas corticais da adrenal além de apresentar os seus principais hormônios produzidos. Os hormônios secretados por essa região passam pelo processo de liberação do hormônio CRH (hormônio liberador da corticotropina) na hipófise, que segue para a pars distalis da adeno- hipófise estimulando as células corticotróficas a secretarem o hormônio adrenocorticotrópico (ACTH), ou corticotropina, dando início a estimulação da síntese e secreção de hormônios corticais. Uma curiosidade acerca das regiões daadrenal de um feto seria que este possui durante o período de desenvolvimento umaregião a mais além do córtex e medula, o córtex provisório. Ele atua na secreção de saisandrógenos presente na placenta para serem convertidos em andrógenos ativos eestrógenos, entrando na circulação materna. A região medular da adrenal é composta por células poliédricas que formamcordões ou aglomerados arredondados, envolvidos por muitos capilares sanguíneos. Sãocélulas sustentadas por fibras reticulares e suas secreções são constituídas de grânulosricos em catecolaminas (epinefrina/adrenalina ou norepinefrina/noradrenalina), além dequantidades de ATP, cromograninas – proteínas que ligam adrenalina à noradrenalina. As células da medula adrenal armazenam seus hormônios em grânulos –produzidos pela epinefrina e norepinefrina – e em seguida são secretados em grandesquantidades a respostas de reações emocionais, mediadas por fibras nervosas queinervam as células medulares da adrenal. Assim, a adrenalina produz a contração dosvãos sanguíneos, aumentando a pressão arterial e freqüência cardíaca e a noreadrenalina
  8. 8. na manutenção da pressão sanguínea. Em conjunto, as catecolaminas deixam oorganismo pronto para reagir em situações de susto, fortes emoções, raiva, medo oufuga.Tireóide A tireóide é uma glândula endócrina folicular, possuindo origem endodérmica (porção cefálica do tubo digestivo), localizada na porção anterior do pescoço, sobre os primeiros anéis da traquéia. Possui como função sintetizar os hormônios triiodotironina (T3) e tiroxina (T4), que atuam diretamente sobre o metabolismo do organismo, no controle de suas taxas. A glândula tireóide é constituída de dois lóbulos unidos por um istmo. É envolvida por uma cápsula de tecido conjuntivo frouxo que emite septos para o interior. Sua visualização anatômica pode ser vista na figura 20.24. É um órgão composto pelos chamados folículos tireoidianos, que são glândulas endócrinas vesiculares revestidas por epitéliocúbico ou pavimentoso (grandes folículos) epor epitélio colunar (pequenos folículos); emsua cavidade contém uma substânciagelatinosa, o colóide (contém tireoglobulina,que é utilizado para a fabricação doshormônios tireoidianos). Esses folículostereoidianos são separados por fibrasreticulares. Os folículos tireoidianos e seuscolóides podem ser observados na figura 20.25ao lado. Esta glândula endócrina é uma glândulaextremamente vascularizada por capilaressanguíneos e linfáticos, que permite, por suasfenestrações, o transporte de substâncias entreeste órgão e o sangue. Entre os folículos tireoidianos sãoencontrados agrupamentos de células, chamadas células parafoliculares ou células C,que secretam a calcitonina, hormônio que estimula o depósito de cálcio nos ossos e aredução dele no plasma sanguíneo. A ativação da secreção de calcitonina é ativada porum aumento da concentração de cálcio no plasma. Essas células parafoliculares assimcomo as foliculares, podem ser observadas na figura 20.26.
  9. 9. A tireóide é uma glândula endócrina capaz de acumular o seu produto de secreção em uma boa quantidade antes de secretá-lo. Isso se dá pelo armazenamento desta secreção nos colóides dos folículos tireoidianos. O colóide tereoidiano é constituído principalmente por tireoglobulina, uma glicoproteína que contém os hormônios triiodotironina (T3) e tiroxina (T4). A síntese e o acúmulo de hormônios tireoidianos ocorrem em quatro etapas principais:I) SÍNTESE DE TIREOGLOBULINA;II) CAPTAÇÃO DE IODETO CIRCULANTE;III) ATIVAÇÃO DE IODETO AO SER OXIDADO;IV) IODAÇÃO DE MOLÉCULAS DE TIROSINA. As células foliculares tireoidianas captam colóides por endocitose; este colóide captado é digerido por enzimas lisossômicas e as ligações entre as porções iodinadas e o restante da molécula de tireoglobulina são quebradas por proteases, dando origem a T3, T4, diiodotirosina (DIT) e monoiodotirosina (MIT). Os hormônios T3 e T4 atravessam a membrana baso-lateral das células e migram para a corrente sanguínea através dos capilares enquanto o DIT e MIT não são secretados, estas possuem seu iodo removido por enzimas e seu produto é reaproveitado pelas células foliculares. A ação da T3 é mais rápida e potente, em contrapartida, a T4 constitui cerca de 90% do hormônio circulante da tireóide. A tiroxina (T4) contém iodo e regula o índice de oxidação celular. Os hormônios tireoidianos aumentam a absorção de carboidratos no intestino e regulam o metabolismo de lipídeos, além de influenciar no crescimento do corpo e desenvolvimento do sistema nervoso durante o período fetal. Os principais reguladores da estrutura e função das glândulas tireóides são o teor de iodo no organismo e o hormônio tireotrópico – ou tireotropina (TSH), secretado pela pars distalis da hipófise. A presença de receptores na membrana basal das células foliculares ricos em tireotropina permite que o hormônio liberador de tireotropina (TRH) promova a secreção de
  10. 10. tireotropina (TSH), que estimula a síntese e a secreção de hormônios tireoidianos T3 eT4. Esses hormônios agem sobre tecidos e órgãos-alvo, e, além disso, inibem a secreçãode TRH e TSH, mantendo o organismo com quantidades adequadas de triiodotironina etiroxina. Este evento está explicitado na última figura da página antecessora a esta. Existem algumas doenças relacionadas à deficiência ou produção das taxastireoidianas no organismo, além de doenças que envolvem a carência do iodo.O hipotireoidismo, por exemplo, é decorrente da deficiência na produção de T3 e T4,gerando conseqüências como freqüências cardíacas abaixo do normal, aumento de peso,intolerância ao frio e apatia. Quando ocorre na criança, afeta o seu desenvolvimentofísico e mental, produzindo o nanismo e cretinismo (retardamento mental).O hipertireoidismo, por conseguinte se classifica pela produção excessivade T3 e T4, aumentando a taxa metabólica e apesar de ingerir grandes quantidades dealimentos a pessoa sofre perda de peso, diminuindo o volume muscular e o volume dotecido cutâneo, podendo sentir muito calor e transpirar muito; a circulação e apulsação ficam muito rápidas, a tireóide pode ficar levemente crescida e os olhos ficammuito arregalados. O bócio ocorre quando a alimentação é deficiente em iodo ouquando o iodo não é absorvido normalmente; nesse caso a tireóide crescedemasiadamente.Paratireóides As paratireóides são quatro pequenas glândulas, situadas na parte posterior datireóide (em seus pólos superiores e inferiores). É revestida por uma cápsula de tecidoconjuntivo, que emite trabéculas para o interior da glândula, sendo contínua com asfibras reticulares que permitem a sustentação da mesma. Este órgão é composto de células epiteliais que formam cordões glandulares separados por vasos sanguíneos. Existem dois tipos de células que constitui essa glândula: as células principais (em forma de cordões) e as células oxifílicas. Os cordões celulares e seus capilares sanguíneos podem ser vistos na figura ao lado. As células principais, portanto são predominantes, embora menores que as oxifílicas, poligonais e citoplasma mais claro. Elas são responsáveis pela produção do paratormônio (PTH), uma proteína que se liga aos oteoblastos, que induz cascatas de sinalização, retirando o cálcio dos ossos, e aumentando o nível
  11. 11. desse elemento no sangue. Em conjunto com a calcitonina, mantém o nível de cálcioequilibrado no sangue. A deficiência de paratormônio produz uma queda no teor decálcio no sangue, conduzindo a um quadro de convulsões que pode levar à morte. As células oxifílicas são maiores que as células principais, mas também poligonais, possuem citoplasma com muitos grânulos acidófilos de função desconhecida.
  12. 12. Bibliografia e Sites de Pesquisa • JUNQUEIRA, Luiz Carlos Uchoa; CARNEIRO, José. Histologia Básica. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. • http://clickbio.br.tripod.com/textos/fisiologia.html • http://www.afh.bio.br/endocrino/endocrino1.asp • http://pt.wikipedia.org/wiki/Hipófise

×