SÍNDROME NEFRÍTICA

Prof. José Marcos Iório Carbonari
Pediatria PUC-Campinas
2009
SINDROME NEFRÍTICA

Hematúria
Hipertensão
Edema
Oliguria
GLOMERULONEFRITE AGUDA IMUNOCOMPLEXO MEDIADA
 BACTERIAS


Strepto b-hemolitico do grupo A :









Faringites :...
 VIRUS








AIDS
Hepatite B
Coxsakie
Echovirus
Influenza
Caxumba
Rubeola

 DROGAS



Toxinas
Anti-soros
INCIDÊNCIA
 ? = CASOS SUB-CLÍNICOS (muitos)
 Prevalência : diminuindo
 Incidência geral (strepto b) : 15%
 Pico de ida...
FISIOPATOLOGIA
 Complexos imunes formados com Ag streptococicos localizam-se na

parede do capilar glomerular, ativando o...
QUADRO CLÍNICO
 Início súbito
 A.P. de faringite ou piodermite, com latência em media de 10 dias
 Edema e hematúria de ...
DIAGNÓSTICO
 URINA I : hematuria, cilindros hemáticos, proteinuria proporcional à

hematuria, leucocituria
 UREIA e CREA...
 ASLO : eleva-se10-14dias após a infecção, pico em 4 semanas, e

normaliza após 6 meses



Pode alterar-se por antibiot...
TRATAMENTO
 SINTOMÁTICO

 Hospitalização se necessária
 Repouso no leito
 Restrição hídrica : 20-40ml/kg/dia + diurese...
HIPERTENSÃO ARTERIAL
 LEVE (máxima no percentil 95)


Repouso, restrição hídrica, furosemida

 MODERADA (PA de 10-20mmH...
ANTIBIOTICOTERAPIA
 O uso precoce parece não evitar a GNDA, mas pode atenuar sua

gravidade

 Indicado quando cultura /+...
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
 GLOMERULONEFRITE MEMBRANO-PROLIFERATIVA :



concomitância de síndrome nefrótica
C3 permanece ...
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
 NEFROPATIA por IgA:




Recorrência de hematúria microscópica concomitante à IVAS
Geralmente ...
PROGNÓSTICO

 Bom, com normalização da função renal

 A evolução é mais favorável em crianças do que em adultos
EVOLUÇÃO TÍPICA
 Fase aguda : 2 a 3 semanas:






Oliguria : 2 semanas
HAS : 3-4 semanas
Hematúria : macro 3 semana...
BIOPSIA RENAL
 Em casos graves e atípicos

 Após 2 semanas : se não houver melhora da função renal

 Após 6 meses : se ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sindrome+nefrítica

1.309 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.309
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sindrome+nefrítica

  1. 1. SÍNDROME NEFRÍTICA Prof. José Marcos Iório Carbonari Pediatria PUC-Campinas 2009
  2. 2. SINDROME NEFRÍTICA Hematúria Hipertensão Edema Oliguria
  3. 3. GLOMERULONEFRITE AGUDA IMUNOCOMPLEXO MEDIADA  BACTERIAS  Strepto b-hemolitico do grupo A :        Faringites : cepa 12 (1-3-4-25-49) Piodermites : cepa 49 (2-55-57-60) Strepto viridans Stafilo aureus Meningococo Salmonela Mycoplasma
  4. 4.  VIRUS        AIDS Hepatite B Coxsakie Echovirus Influenza Caxumba Rubeola  DROGAS   Toxinas Anti-soros
  5. 5. INCIDÊNCIA  ? = CASOS SUB-CLÍNICOS (muitos)  Prevalência : diminuindo  Incidência geral (strepto b) : 15%  Pico de idade : 7 anos (rara < 2 anos e > 40 anos)  Meninos 2 : 1 Meninas
  6. 6. FISIOPATOLOGIA  Complexos imunes formados com Ag streptococicos localizam-se na parede do capilar glomerular, ativando o sistema do complemento e iniciando resposta inflamatória, com infiltração leucocitária e lesão glomerular  Processo inflamatório leva a redução da filtração glomerular  Há preservação da reabsorção tubular de Na + , com retenção de Na e água , com expansão do volume extracelular, oliguria, retenção hídrica e consequente ativação do sistema renina-angiotensina- aldosterona  Hiperaldosteronismo leva a hipertensão + edema + acidemia + hiperpotassemia + azotemia
  7. 7. QUADRO CLÍNICO  Início súbito  A.P. de faringite ou piodermite, com latência em media de 10 dias  Edema e hematúria de início súbito (macro em 2/3 dos casos)  Febre, mal estar,dor abdominal, anorexia, cansaço,cefaléia  Hipertensão (50-90% casos)  Congestão circulatória com dispneia, ortopneia e tosse
  8. 8. DIAGNÓSTICO  URINA I : hematuria, cilindros hemáticos, proteinuria proporcional à hematuria, leucocituria  UREIA e CREATININA : normais, ou uréia pouco elevada com creatinina normal  HIPONATREMIA DILUCIONAL  Anemia normocromica e normocítica, plaquetopenia (raro)  IMUNOLOGIA : C3 baixo (90-95%casos) , C4 baixo, rapidamente volta ao normal
  9. 9.  ASLO : eleva-se10-14dias após a infecção, pico em 4 semanas, e normaliza após 6 meses   Pode alterar-se por antibioticoterapia prévia Lipase cutânea pode dar falso /-/  ANTI-DNAse : alterada em 90-95%casos  CULTURA de OROFARINGE e LESÕES  RX TORAX : congestão cardio-circulatória, derrame
  10. 10. TRATAMENTO  SINTOMÁTICO  Hospitalização se necessária  Repouso no leito  Restrição hídrica : 20-40ml/kg/dia + diurese  Restrição de Sódio   Diuréticos : furosemida (1-4mg/kg/dia)
  11. 11. HIPERTENSÃO ARTERIAL  LEVE (máxima no percentil 95)  Repouso, restrição hídrica, furosemida  MODERADA (PA de 10-20mmHg acima do percentil 95)  Acima + nifedipina ou captopril  DIÁLISE : oligoanúria refratária com congestão circulatória, hiperpotassemia com alteração no ECG
  12. 12. ANTIBIOTICOTERAPIA  O uso precoce parece não evitar a GNDA, mas pode atenuar sua gravidade  Indicado quando cultura /+/ , para erradicar o agente e evitar contagios  Penicilina benzatina  Eritromicina 10 dias
  13. 13. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL  GLOMERULONEFRITE MEMBRANO-PROLIFERATIVA :   concomitância de síndrome nefrótica C3 permanece baixo  LUPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO:  Envolvimento multisistêmico, > idade, C3 e C4 baixos  PURPURA de HENOCH-SCHONLEIN:    Associado a rash petequial ou purpúrico Dor abdominal, artralgias C3 normal
  14. 14. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL  NEFROPATIA por IgA:    Recorrência de hematúria microscópica concomitante à IVAS Geralmente ausência de hipertensão, sem alteração da função renal C3 normal, sem estreptococcia prévia, sem edema  NEFRITE HEREDITÁRIA (ALPORT) :     Exacerba com qualquer infecção História de doença renal familiar Predomina em homens Deficiência auditiva
  15. 15. PROGNÓSTICO  Bom, com normalização da função renal  A evolução é mais favorável em crianças do que em adultos
  16. 16. EVOLUÇÃO TÍPICA  Fase aguda : 2 a 3 semanas:      Oliguria : 2 semanas HAS : 3-4 semanas Hematúria : macro 3 semanas e micro 12 meses Proteinúria : 3 a 6 meses C3 normaliza em 4 a 8 semanas  Acompanhamento a 4-6 semanas (primeiros 6 meses), após 6 meses, se exames normais, revisões anuais até 5 anos do diagnóstico
  17. 17. BIOPSIA RENAL  Em casos graves e atípicos  Após 2 semanas : se não houver melhora da função renal  Após 6 meses : se não houver normalização do C3 e/ou proteinúria  Persistência de hematúria macroscópica

×