Quem era ohome queeuvi onte nagarage?
Por que será que é tão comumas pessoas dizerem: home,onte, garage, em vez dehomem, ontem e garagem com“m” no final?? ? ?? ?
Isso tem haver com a tendência àdesnasalização das vogais postônicas nalíngua portuguesa. Na ciência,os fenômenos, asregra...
Existe a tendência na línguaportuguesa de eliminar a nasalidadedas vogais postônicas.
Todas as palavras tão usadas noportuguês atual tinham um “n” finalque desapareceu,mas deixou vestígios eé por isso que até...
Algumas dessas palavras conservaramuma dupla grafia possível: Abdome/abdômen, certame/certâmen,germe/ gérmen. Só que estas...
Por que será que oportuguês-padrãoconservou o M nessaspalavras?
Porque talvez tenha sido a altafrequência de uso delas nanorma-padrão. O portuguêsnão-padrão, no entanto, que émais obedie...
Este fenômeno também atingiuas palavras terminadas em -ão postônico,e é por isso que no PNP ouvimos orgopara Órgão, orfo p...
Nós somos obrigados a reconhecerque quem diz onte, home, garage,bobage, não está falando "errado".Está até, de certa forma...
Trabalho realizado pelos alunos:Sara AvelinoErikson SantosNathalia AlhoAntônio CarlosLuiz CastroTurma de linguística IIPro...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

"Apresentação de linguistica 2"

1.164 visualizações

Publicada em

Baseado no livro " A língua de Eulália" de Bagno. Com foco no capítulo: " Quem era o home que eu vi onte na garage".

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.164
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

"Apresentação de linguistica 2"

  1. 1. Quem era ohome queeuvi onte nagarage?
  2. 2. Por que será que é tão comumas pessoas dizerem: home,onte, garage, em vez dehomem, ontem e garagem com“m” no final?? ? ?? ?
  3. 3. Isso tem haver com a tendência àdesnasalização das vogais postônicas nalíngua portuguesa. Na ciência,os fenômenos, asregras, as leis têm queter nomes precisos,para facilitar o estudo e análise.
  4. 4. Existe a tendência na línguaportuguesa de eliminar a nasalidadedas vogais postônicas.
  5. 5. Todas as palavras tão usadas noportuguês atual tinham um “n” finalque desapareceu,mas deixou vestígios eé por isso que até hoje dizemosabdominal, betuminoso, examinar,luminária, nominal, com aquele mesmoN que se perdeu nos substantivos.
  6. 6. Algumas dessas palavras conservaramuma dupla grafia possível: Abdome/abdômen, certame/certâmen,germe/ gérmen. Só que estas formas comN final praticamente não são usadas nemna língua oral nem na escrita, e quase nãoas encontramos hoje em dia.
  7. 7. Por que será que oportuguês-padrãoconservou o M nessaspalavras?
  8. 8. Porque talvez tenha sido a altafrequência de uso delas nanorma-padrão. O portuguêsnão-padrão, no entanto, que émais obediente às regras ditadaspelas tendências internas dalíngua, aplicou a regra a todas elas.
  9. 9. Este fenômeno também atingiuas palavras terminadas em -ão postônico,e é por isso que no PNP ouvimos orgopara Órgão, orfo para órfão, Cristovopara Cristovão.Além de todos os verbosque,no português-padrão, terminam em–AM(pronunciado -ão) eles cantaro, elesbebero.
  10. 10. Nós somos obrigados a reconhecerque quem diz onte, home, garage,bobage, não está falando "errado".Está até, de certa forma, falando mais"certo", já que está respeitando a"regra" de desnasalização da vogalpostônica que é natural da língua.
  11. 11. Trabalho realizado pelos alunos:Sara AvelinoErikson SantosNathalia AlhoAntônio CarlosLuiz CastroTurma de linguística IIProfessora: GlayceUniversidade Estadual do Rio de Janeiro FFP

×