Daniel Joao

471 visualizações

Publicada em

Portugueses que se destacaram nos últimos 100 anos

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
471
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Daniel Joao

  1. 1. Falta a Capa<br /> INDICE<br />Introdução …………………………………………………………………………………………………………………………….3<br />Francis Obikwelo ………………………………………………………………………………………………………………….4 <br />Incompleto<br /> Introdução <br />Este tema foi escolhido (por os) pelos professores da disciplina de Área de Projecto com o título de “ Os Portugueses que se destacaram nos últimos (em) 100 anos “.<br />O objectivo deste trabalho é pretender-se saber mais sobre as pessoas escolhidas. <br />Nós resolvemos começar pela vida (texto) de Zeca Afonso e continuamos pela Sophia de Mello Brayner Andersan e depois pelo Francis Obikwelo.<br />Os portugueses que nós escolhemos foram Francis Obikwelo, Sophia de Mello Brayner Andersan e o outro português foi o Zeca Afonso.<br />Realiz(ei)ámos as pesquisas na internet.<br /> FRANCIS OBIORAH OBIKWEL <br />O Francis Obiorah Obikwelo pesa 72 kg, o seu clube é o Sporting Clube De Portugal e a sua treinadora chama-se Maria José Martins. O Obikwelo nasceu na Nigéria a 22 de Novembro de 1978. Obikwelo é um atleta português, especializado nos 100 e 200 metros rasos. Em 2002 o Obikwelo ficou em 2º lugar no Campeonato da Europa de Atletismo. Em 2004 o Obikwelo ganha uma medalha de prata na prova dos 100m nos Jogos Olímpicos em Atenas, conquistando a primeira medalha da História de Portugal em provas rápidas, e em 2006 foi onde o Obikwelo venceu nas provas 100m e 200m no Campeonato da Europa em Gotemburgo com os tempos 9,99s e 20.01s, respectivamente. Foi o Atleta Europeu de 2006 pela Associação Europeia de Atletismo, é o seu recorde dos 100m com o tempo de 9,86.<br />Obikwelo radicou-se em Portugal com 16 anos, depois desse momento ele participou no Campeonato do Mundial de Juniores de 1994. Depois de ser rejeitado pelo Benfica e pelo Sporting, Francis foi trabalhar para a construção civil no Algarve. Decidiu e aprendeu o português e o seu professor deu-lhe uns contactos com o Belenenses, onde voltou a correr. Continuou no entanto a competir pelo o seu pais de origem. De acordo com a velocista nigeriana Mercy Nku, tal como o Obikwelo, residem em Lisboa, onde passado pouco tempo ia começar a correr por Portugal por ser tido abandonado por os responsáveis desportivos nigerianos por causa de uma lesão que sofreu ao representar a Nigéria em Sydney. O Obikwelo teve de ir ao Canada (ter) fazer uma operação.<br />O Obikwelo tornou-se Português em Outubro de 2001. A sua Historia, as suas personalidades e os sucessos desportivos, tornaram-no uma figura popular do seu país adoptivo. Actualmente treina em Madrid, Espanha e é um atleta do Sporting Clube de Portugal. <br />SOPHIA DE MELLO BRAYNER ANDERSAN<br />Sophia de Mello Brayner Andresan nasceu em 1919, no dia 6 de Novembro, no Porto e faleceu em Lisboa a 2 de Julho de 2004. Da infância aristocrática e feliz passada no Porto ficaram imagens e reminiscências que povoam, de forma explícita ou alusiva, a sua obra poética e ficcional, particularmente os contos para crianças: a casa do Campo Alegre, o jardim a praia da Granja.<br />Entre 1936 e 1939 frequentou o curso de Filologia Clássica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Familiarizou-se assim com a civilização grega, que profundamente admirou e que aparece também espelhada na sua obra, seja em poemas que glosam motivos helénicos (figuras históricas, figuras mitológicas, lugares carregados de significado histórico ou mítico), seja naqueles que, dum modo mais geral, recuperam as noções clássicas de harmonia, inteireza e justiça (veja-se, por exemplo, o primeiro verso do poema “Catarina Eufémia”, no volume Dual: “O primeiro tema da reflexão grega é a justiça”). O retorno a um tempo arquetípico e primordial, anterior ao “tempo dividido” em que vivemos, é um dos veios fundamentais da obra poética de Sophia, que nele busca uma forma de relevação do ser, uma aliança entre o homem e a natureza. Sucessivas viagens à Grécia, ao longo da vida, reforçaram esse veio, presente desde o livro Poesia (poemas “Dionísio”, “Apolo Musa geta”) e recorrente nos volumes poéticos seguintes. O ensaio O Nu na Antiguidade Clássica (1975), ajuda-nos a compreender melhor a identificação de Sophia com o mundo clássico: embora tenha como objecto a arte grega, e em particular a representação do corpo entre os gregos, pode ser lido como mais uma das “artes poéticas” em que a autora explicita algumas noções fundadoras da sua própria poesia. (Será que vocês percebem o que aqui escreveram????)<br />Sophia colaborou na revista Cadernos de Poesia e aí fez sólidas amizades, nomeadamente com Ruy Cinatti e Jorge de Sena (foi recentemente editada a correspondência trocada com este último entre 1959 e 1978). A primeira série dos Cadernos saiu em Lisboa entre 1940 e 1942, tendo por organizadores Tomas Kim, José Blanc de Portugal e Ruy Cinatti. Sob o lema “A Poesia é só uma”, repetido no limiar de cada número ao longo das três séries, a revista defendeu a vocação ecuménica da Poesia (com p maiúsculo), sublinhou a independência do ideal estético relativamente a escolas ou partidos e admitiu eclecticamente a colaboração de artistas provenientes dos mais diversos quadrantes. (Mais umas frases pomposas que não foram escritas por vocês)<br /> <br /> Zeca Afonso <br />Zeca Afonso foi criado pela tia Gé e pelo tio Chico numa casa situada no largo das Cinco Bicas em Aveiro, onde viveu até aos 3 anos (1932), na altura em que foi viver com os seus pais e irmãos que estavam em Angola à 2 anos.<br />A relação física com a natureza causou-lhe uma profunda ligação com o Continente Africano que ficou sempre na sua vida.<br />Em 1937 Zeca Afonso volta para Aveiro onde é recebido pelas suas tias, mas no mesmo ano parte para Moçambique, onde se volta a encontrar com os seus pais e irmãos, em Lourenço Marques, onde viveu pela ultima vez até 1938, na mesma data em que vai para Belmonte viver com o seu tio Filomeno.<br />Zeca Afonso passado alguns tempos foi viver para Coimbra, em 1940, onde começa a cantar, por volta do quinto ano no liceu D. João III.<br />Começou a cantar em festinhas de aldeias. O fado de Coimbra, lírico e tradicional, era principalmente interpretado por si.<br />Os meios sociais miseráveis do Porto, no bairro Barreto, inspiraram-se na balada “O menino de Bairro Negro”. Em 1958, José Afonso grava o seu primeiro disco “A balada de Coimbra”.<br />Em 1964, volta a partir para Moçambique, onde foi professor no liceu, desenvolvendo uma imensa actividade anticolonialista o que lhe começa a causar problemas com a polícia política pela qual será, mais tarde, detido várias vezes.<br />Quando regressa a Portugal, ficou colocado em Setúbal, mas devido ao seu activismo contra o regime, é expulso do ensino e, para sobreviver, dá explicações e grava o seu primeiro álbum, “Baladas e Canções”.<br />Zeca Afonso tornou-se um símbolo de resistência democrática.<br />Mantém contactos com a Luar e o PCP, o que custará várias detenções pela PIDE. Continua a participar a cantar, em 1969, no primeiro encontro da “Chanson Portugaise de Combat” em Paris e grava também o LP “Cantares de Andarilho”, recebendo o prémio da casa da Imprensa pelo melhor disco do ano, e o melhor prémio de interpretação. Zeca Afonso passou a ser tratado pelos jornais pelo anagrama Esoj Osnofa em virtude a ser alvo de censura.<br />Em 1971, edita “ Cantigas de Maio”, no qual surge “ Grândola vila morena”, que será mais tarde imortalizada como uma dos símbolos da revolução de Abril. Zeca Afonso participa em vários festivais, publica um livro sobre ele e a lança um LP. Em 1973 cantou no III congresso da oposição democrática.<br />Após a revolução dos cravos continuou a cantar. A sua intervenção política, tornou-se um admirador do período PREC em 1976 e apoia o Otelo Saraiva de Carvalho na sua candidatura à Presidência da República.<br />Os últimos espectáculos decorreram no Coliseu de Lisboa e Porto, em 1983, quando Zeca Afonso já se encontrava doente, no final desse mesmo ano, é-lhe atribuído a Ordem de Liberdade, mas o cantor recusa.<br />Zeca Afonso morreu em 23 de Fevereiro de 1987, no hospital de Setúbal, às 3 horas da madrugada, vítima de esclerose lateral amiotrófica. Será certamente recordado como um resistente que conseguia trazer a palavra de protesto contra o Regime do Estado Novo e depois contra a própria Revolução de Abril que acabaria por enveredar por outros caminhos mas também a musica Popular Portuguesa e também pelas outras musicas, de que são exemplo as suas baladas.<br /> Conclusão<br />Neste trabalho aprendemos muito sobre o Francis Obikwelo que é um grande atleta olímpico, Sophia de Mello Brayner Andersan foi uma grande escritora de contos para crianças e alguns livros para adultos e Zeca Afonso foi um cantor e poeta com grandes CDs e com grandes livros de poesias e também teve grande importância na revolução dos cravos, no dia 25 de Abril de 1974. Fizemos este trabalho para saber mais sobre estes portugueses. A conclusão que nós podemos tirar do Zeca Afonso e da Sophia de Mello Brayner é que tiveram uma vida muito agitada e o Francis Obikwelo é um grande Atleta. <br /> Bibliografia<br />. http://cvc.instituto-camoes.pt/figuras/smellobreyner.html (consultado em Outubro)<br /> . http://www.francisobiwwelu.com (consultado em 19 de Novembro)<br />http://images.google.pt/imgres?imgurl=http://www.centenariosporting.com/modules/fckeditor/editor/get_document.php%3Fid%3D8245&imgrefurl=http://www.centenariosporting.com/index.php%3Fcontent%3D2212&usg=__gT8XobLGehYEKUnE_EzPBtJxLWU=&h=250&w=250&sz=22&hl=pt-PT&start=10&um=1&tbnid=t7QW7KhCnBKUCM:&tbnh=111&tbnw=111&prev=/images%3Fq%3Dobikwelu%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DN%26um%3D1 (consultado em 19 de Novembro)<br /> <br /> ANEXOS<br /> <br />Sophia de Mello Brayner Andersan no evento de livrosRetrato de Sophia de Mello Brayner Andersan.<br /> Zeca Afonso na praia Da Amora. Zeca Afonso na Revolução dos Cravos em 25/04/1974<br /> Obikwelo pronto a receber a medalha de ouro. Obikwelo em Osaca, 2007<br />

×