Da UniãO Ibérica a D. João V

7.668 visualizações

Publicada em

HGP- 6º Ano
Prof. Eduardo Figueira

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.668
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
373
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
493
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Da UniãO Ibérica a D. João V

  1. 1. DA UNIÃO IBÉRICA AO REINADO DE D. JOÃO V
  2. 2.  REINADO DE D. SEBASTIÃO: O DESASTRE DE ALCÁCER QUIBIR  1580: OS PRETENDENTES AO TRONO  ACLAMAÇÃO DE FILIPE II NAS CORTES D E TO M A R
  3. 3. 1557 D. JOÃO III MORREU D. SEBASTIÃO SUCEDEU-LHE NO TRONO
  4. 4. AT É D . S E B A S T I Ã O FA Z E R 1 4 ANOS, FUI EU, O S E U T I O - AV Ô CARDEAL D. HENRIQUE, QUE GOVERNEI PORTUGAL NUMA REGÊNCIA REGÊNCIA Período em que um familiar do rei governa o pais por este estar impossibilitado ou ser menor de idade (ter menos de 14 anos)
  5. 5. D. SEBASTIÃO NÃO CASOU NEM TEVE FILHOS EDUCAÇÃO VIRADA PARA A GUERRA QUERIA CONQUISTAR FAMA E GLÓRIA, DERROTANDO OS MUÇULMANOS
  6. 6. 1578 D. SEBASTIÃO CHEGA AO NORTE DE ÁFRICA PA R A C O N Q U I S TA R A CIDADE MUÇULMANA DE ALCÁCER QUIBIR
  7. 7. PORTUGAL FOI NA BATALHA DE COMPLETAMENTE ALCÁCER QUIBIR… DERROTADO!
  8. 8. D. SEBASTIÃO TERÁ MORRIDO N A B ATA L H A , C O M 2 4 A N O S , S E M SER CASADO NEM TER FILHOS. SUCEDEU-LHE NO TRONO O SEU TIO-AVÔ, O CARDEAL D. HENRIQUE. MAS DOIS ANOS DEPOIS, EM 1580, O CARDEAL MORRE
  9. 9. COMO OS MUÇULMANOS NÃO DEVOLVERAM O CORPO DE D. SEBASTIÃO, CRIOU-SE A IDEIA QUE O REI ESTAVA VIVO E IRIA REGRESSAR NUMA MANHÃ DE NEVOEIRO PARA GOVERNAR PORTUGAL É O MITO DO SEBASTIANISMO
  10. 10. D. ANTÓNIO D. CATARINA D. FILIPEde (Duquesa II (Prior do Crato) Bragança) •REI DE ESPANHA • APOIADO PELO CLERO E • APOIADO PELO • DESISTIU EM FAVOR POVO ALTA NOBREZA DE FILIPE II
  11. 11. FILIPE II E D. ANTÓNIO (Prior do Crato) FORMARAM EXÉRCITOS E D E F R O N TA R A M - S E N A B ATA L H A D E A L C Â N TA R A D. ANTÓNIO FOI FILIPE II VENCE DERROTADO E A BATALHA FOGE PARA O ESTRANGEIRO
  12. 12. FILIPE II FOI ACLAMADO REI DE PORTUGAL NAS CORTES DE TOMAR (1580)
  13. 13. REINADO DE D. SEBASTIÃO BATALHA DE ALCÁCER QUIBIR D. SEBASTIÃO: D. SEBASTIÃO MORRE 4 – 14 ANOS PORTUGAL É NA BATALHA DERROTADO NÃO DEIXA SUCESSOR REGÊNCIA DO CARDEAL D. HENRIQUE REINADO DO CARDEAL D. HENRIQUE D. HENRIQUE MORRE EM 1580
  14. 14. PRETENDENTES AO TRONO (1580) D. CATARINA D. FILIPE II D. ANTÓNIO (Rei de Espanha) (Prior do Crato) DESISTE EM FAVOR DE BATALHA DE FILIPE II ALCÂNTARA VITÓRIA DE FILIPE II FILIPE II É NOMEADO REIS DE PORTUGAL NAS CORTES DE TOMAR (1580)
  15. 15. UNIÃO PERÍODO EM QUE PORTUGAL FOI GOVERNADO POR TRÊS IBÉRICA R E I S E S PA N H Ó I S (1580 – 1640) 1621 - 1598 1580 1640 1621 1598 FILIPE III FILIPE II FILIPE I (IV de Espanha) (III de Espanha) (II
  16. 16. REINADO DE FILIPE I continuaram a serem nomeados portugueses para governar as zonas do Império Manteve-se o português Os lucros como língua oficial do Império português continuaram a ficar em Portugal.
  17. 17. REINADOS DE… FILIPE II FILIPE III
  18. 18. H O U V E U M G R A N D E D E S C O N T E N TA M E N T O D O POVO VÁRIOS MOTINS (REVOLTAS POPULARES) REBENTARAM POR TODO O PAIS
  19. 19. 1637 DÁ-SE A REVOLTA DO MANUELINHO EM ÉVORA. A POPULAÇÃO DA CIDADE DIZIA QUE ERA UM LOUCO, CHAMADO MANUELINHO, QUE ESCREVIA OS PAPÉIS CONTRA OS ESPANHÓIS QUE ERAM ESPALHADOS PELA CIDADE
  20. 20. A RESTAURAÇÃO EM 1640, QUARENTA NOBRES PORTUGUESES, EM SEGREDO, ORGANIZARAM UMA REVOLTA PARA DERRUBAR FILIPE III E VOLTAR A COLOCAR UM REI PORTUGUÊS NO TRONO.
  21. 21. DUQUESA DE MÂNTUA A 1 de Dezembro de 1640, os 40 nobres revoltosos invadiram o palácio da governadora espanhola, a duquesa de Mântua (que governava Portugal em representação de Filipe III), e derrotaram as tropas da duquesa. Desde o inicio que a população se manifestou a apoiar o golpe
  22. 22. D. JOÃO, DUQUE DE BRAGANÇA, É CORTES NOMEADO REI DE DE PORTUGAL, FICANDO COM O LISBOA TÍTULO DE D. JOÃO IV E DANDO (1641) I N I C I O À Q U A R TA D I N A S T I A ( D E BRAGANÇA) D. JOÃO IV CORTES DE LISBOA
  23. 23. A R E S TA U R A Ç Ã O F O I U M D O S A C O N T E C I M E N T O S M A I S I M P O R TA N T E S D A H I S T Ó R I A D E P O R T U G A L . A I N D A H O J E ESTÁ PRESENTE EM… PRAÇAS MONUMENTOS RUAS PRAÇA DOS RESTAURADORES - LISBOA MONUMENTO À RESTAURAÇÃO
  24. 24. O DIA 1 DE DEZEMBRO DE 1640 FICOU COMO UM DOS MAIS IMPORTANTES DA HISTÓRIA DE PORTUGAL. POR ISSO 1 DE DEZEMBRO É SEMPRE FERIADO NACIONAL
  25. 25. • DURANTE A UNIÃO AUMENTO DA IBÉRICA EXPLORAÇÃO DE PORTUGAL MINAS AUMENTOE DE OURO DO P E R D E PA R T E NÚMERO DE PRATA DO SEU ENGENHOS IMPÉRIO • OS LUCROS DA ÁSIA DIMINUEM • D. JOÃO IV A P O S TA N O BRASIL PA R A SUBSTITUIR A ÁSIA
  26. 26. SENZALA O ENGENHO CANAVIAL ENGENHO Casas dos trabalhadores do GPlantaçãoquecana-de-açúcar Máquina da(escravos) T A REngenho tira o açúcar da ANDE QUIN ONDE SE PRODUZIA AÇÚC cana CASA GRANDE SENZALA ENGENHO CASA GRANDE Casa do dono do Engenho, onde vivia com a família CANAVIAL
  27. 27. BRASIL ZONA DO IMPÉRIO QUE DAVA MAIS LUCROS NO A PORTUGAL DEVIDO AO… SÉCULO XVIII AÇÚCAR OURO BRASIL DIAMANTES
  28. 28. “BANDEIRA S” V I A G E N S D E AV E N T U R E I R O S P O R T U G U E S E S (“BANDEIRANTES”) AO INTERIOR DO BRASIL
  29. 29. COM AS VIAGENS DOS BANDEIRANTES AS • OS BANDEIRANTES IAM À P R OF RU RT E I DA S O O RR A S I L C O N A R E D U B O… ALARGARAM -SE MUITO …E P R E N D I A M Í N D I O S PA R A T R A B A L H A R E M N O S ENGENHOS E NAS MINAS
  30. 30. A ESCRAVATURA • NO SÉCULO XVIII COMEÇOU O TRÁFICO D E E S C R AV O S . E R A M C A P T U R A D O S E M ÁFRICA E GUARDADOS NAS FEITORIAS PORTUGUESAS
  31. 31. • OS ESCRAVOS ERAM TRANSPORTADOS DE ÁFRICA PARA O BRASIL • OS NAVIOS QUE TRANSPORTAVAM OS ESCRAVOS CHAMAVAM-SE NAVIOS NEGREIROS • A VIAGEM ERA FEITA EM CONDIÇÕES DESUMANAS
  32. 32. Q U A N D O C H E G AVA M A O B R A S I L , O S E S C R AV O S ERAM VENDIDOS AOS DONOS DE ENGENHOS E M I N A S D E O U R O E P R AT A . S U B S T I T U I A M O S Í N D I O S , Q U E AD O E C I A M FAC I L M E N T E E E R AM PREGUIÇOSOS
  33. 33. O S E S C R AV O S T R A B A L H AVA M T O D A A V I D A . . . Q U A N D O E R A M A PA N H A D O S A O T E N TA R F U G I R , SOFRIAM CASTIGOS NO TRONCO.
  34. 34. M U I T O R A R A M E N T E , O S E S C R AV O S E R A M L I B E R TA D O S P E L O S S E U S D O N O S AT R AV É S D A C A R TA D E A L F O R R I A . M U I T O S V O LTAVA M PA R A Á F R I C A E PA R A A S S U A S FA M Í L I A S
  35. 35. REINADO DE D. JOÃO V D. JOÃO V GOVERNOU NUM SISTEMA DE MONARQUIA ABSOLUTA (Sistema em que o rei concentra em si todos os poderes) NUNCA CONVOCOU PODIA GASTAR O DINHEIRO CORTES PORQUE QUE QUISESSE DECIDIA SOZINHO
  36. 36. CORTE DO REI • CONJUNTO DA FAMÍLIA DO REI E DOS SEUS MINISTROS, ALÉM DO PRÓPRIO REI • UMA DAS MAIS RICAS DA EUROPA DEVIDO AOS LUCROS DOS PRODUTOS VINDOS DO IMPÉRIO (SOBRETUDO O AÇUCAR E OURO DO BRASIL) DIVERTIAM-SE EM FESTAS
  37. 37. IAM A BANQUETES OFERECIDOS PELO REI
  38. 38. PARTICIPAVAM EM BAILES NOS PALÁCIOS DO REI
  39. 39. IAM À ÓPERA
  40. 40. E À TOURADA
  41. 41. NO REINADO DE D. JOÃO V CONSTRUIRAM-SE OBRAS M O N U M E N TA I S N O E S T I L O B A R R O C O CARACTERÍSTICAS DO BARROCO LINHAS CURVAS MUITA DECORAÇÃO AZULEJOS NAS PAREDES ESCULTURAS DANDO IDEIA DE MOVIMENTO
  42. 42. PRINCIPAIS OBRAS DO BARROCO CONVENTO DE MAFRA BIBLIOTECA DO CONVENTO DE MAFRA
  43. 43. BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA – EXTERIOR E INTERIOR
  44. 44. AQUEDUTO DAS ÁGUAS LIVRES NA QUANDO FOI • Servia para levar água para a A C T U A L I D A D E CONSTRUÍDO cidade de Lisboa
  45. 45. A SOCIEDADE NO REINADO DE D. JOÃO V A VESTIAM-SE SEGUNDO A NOBREZA MODA DE FRANÇA O S N O B V I A E M S S AVA MOA V I D A V I R E S PA PA L Á C I S E E E M ME ST O S . I C A R A F U I TA R
  46. 46. O CLERO E DO ENSINO E N C A R R E G AVA M - S E D O SERVIÇO RELIGIOSO
  47. 47. CRIADO NO TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO SÉCULO XVI OBJECTIVO INTERROGAR TODOS OS QUE NÃO ERAM CRISTÃOS.
  48. 48. Era usada a tortura para os presos confessarem que não eram cristãos.
  49. 49. O S J U D E U S Q U E A C E I TAVA M S E R C R I S T Ã O S PA S S A R A M A SER CONHECIDOS POR CRISTÃO-NOVOS. JÁ FUI JUDEU MAS NO TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO CONVENCERAM-ME A MUDAR DE RELIGIÃO E HOJE SOU POIS, A MIM UM CRISTÃO-NOVO TA M B É M M E CONVENÇERAM…
  50. 50. A Q U E L E S Q U E N Ã O S E T O R N AV A M C R I S T Ã O S E R A M , M U I T A S V E Z E S , CONDENADOS À MORTE NA FOGUEIRA, EM CERIMÓNIAS QUE TINHAM O NOME DE AUTOS-DE-FÉ. NUNCA!!! P E L A Ú LT I M A VEZ, ARREPENDES -TE E QUERES TORNAR - TE CRISTÃO? ARDE NA FOGUEIRA, JU DEU
  51. 51. VIVIAM COM GRANDES DIFICULDADES O POVO CAMPONESES TINHAM BAIXOS SALÁRIOS PA G AVA M M U I T O S IMPOSTOS ARTESÃOS PEQUENOS COMERCIANTES
  52. 52. REINADO DE GOVERNOU MONARQUIA SEM CONVOCAR D. JOÃO V ABSOLUTA CORTES PODIA GASTAR O DINHEIRO QUE QUISESSE SOCIEDADE OBRAS CORTE DO REI MONUMENTAIS NOBREZA CLERO POVO • REI + FAMÍLIA + MINISTROS ESTILO BARROCO DESOCUPADA • ENSINO TRABALHAVAM, E RICA • INQUISIÇÃO RECEBIAM POUCO E PAGAVAM IMPOSTOS

×