Florbela Espanca<br />Ser Poeta É…<br />
Florbela Espanca<br />Nasceu em Vila Viçosa, no final do ano de 1894<br />Põe fim à vida em 8 de Dezembro de 1930<br />
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior<br />Do que os homens! Morder como quem beija!<br />É ser mendigo e dar como quem s...
Características do Texto Lírico<br /><ul><li>- Discurso escrito na primeira do singular:
«mim» (v. 13);
- Apresentação das opiniões da poetisa:
«Ser poeta é ser mais alto» (v. 1);
- Apresentação dos sentimentos da poetisa: </li></ul>«E é amar-te assim perdidamente» (v.  12)<br />
Características do Texto Lírico<br /><ul><li>Apresenta uma linguagem conotativa (mais de um significado) devido à utilizaç...
Estrutura Externa <br /><ul><li>Estrofes: 14 versos, divididos em duas quadras e dois tercetos - soneto;
- Versos maioritariamente decassílabos:
«Ser / poe / taé / ser / mais / al / toé / ser / mai/ or/
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ser poeta é

31.477 visualizações

Publicada em

Publicada em: Diversão e humor, Tecnologia
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
31.477
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
131
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
628
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ser poeta é

  1. 1. Florbela Espanca<br />Ser Poeta É…<br />
  2. 2. Florbela Espanca<br />Nasceu em Vila Viçosa, no final do ano de 1894<br />Põe fim à vida em 8 de Dezembro de 1930<br />
  3. 3. Ser poeta é ser mais alto, é ser maior<br />Do que os homens! Morder como quem beija!<br />É ser mendigo e dar como quem seja<br />Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!<br /> <br />É ter de mil desejos o esplendor<br />E não saber sequer que se deseja!<br />É ter cá dentro um astro que flameja,<br />É ter garras e asas de condor!<br /> <br />É ter fome, é ter sede de Infinito!<br />Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…<br />É condensar o mundo num só grito!<br /> <br />E é amar-te, assim, perdidamente…<br />É seres alma e sangue e vida em mim<br />E dizê-lo cantando a toda a gente!<br /> (Florbela Espanca, «Charneca em Flor», in «Poesia Completa»)<br />
  4. 4. Características do Texto Lírico<br /><ul><li>- Discurso escrito na primeira do singular:
  5. 5. «mim» (v. 13);
  6. 6. - Apresentação das opiniões da poetisa:
  7. 7. «Ser poeta é ser mais alto» (v. 1);
  8. 8. - Apresentação dos sentimentos da poetisa: </li></ul>«E é amar-te assim perdidamente» (v. 12)<br />
  9. 9. Características do Texto Lírico<br /><ul><li>Apresenta uma linguagem conotativa (mais de um significado) devido à utilização de recursos expressivos:</li></li></ul><li>Características do Texto Lírico<br />
  10. 10. Estrutura Externa <br /><ul><li>Estrofes: 14 versos, divididos em duas quadras e dois tercetos - soneto;
  11. 11. - Versos maioritariamente decassílabos:
  12. 12. «Ser / poe / taé / ser / mais / al / toé / ser / mai/ or/
  13. 13. =10 sílabas métricas</li></li></ul><li>Esquema Rimático<br />Ser poeta é ser mais alto, é ser maior a<br />Do que os homens! Morder como quem beija! b<br />É ser mendigo e dar como quem seja b<br />Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! a<br /> <br />É ter de mil desejos o esplendor a<br />E não saber sequer que se deseja! b<br />É ter cá dentro um astro que flameja, b<br />É ter garras e asas de condor! a<br /> <br />É ter fome, é ter sede de Infinito! c<br />Por elmo, as manhãs de oiro e cetim… d<br />É condensar o mundo num só grito! c<br /> <br />E é amar-te, assim, perdidamente… e<br />É seres alma e sangue e vida em mim d<br />E dizê-lo cantando a toda a gente! e<br />
  14. 14. Rima<br />Ser poeta é ser mais alto, é ser maior a<br />Do que os homens! Morder como quem beija! b<br />É ser mendigo e dar como quem seja b a- Interpolada<br />Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! a<br /> <br />É ter de mil desejos o esplendor a<br />E não saber sequer que se deseja! b<br />É ter cá dentro um astro que flameja, b b - Emparelhada<br />É ter garras e asas de condor! a<br /> <br />É ter fome, é ter sede de Infinito! c<br />Por elmo, as manhãs de oiro e cetim… d c /e - cruzadas<br />É condensar o mundo num só grito! c<br />  <br />E é amar-te, assim, perdidamente… e<br />É seres alma e sangue e vida em mim d d - Interpolada<br />E dizê-lo cantando a toda a gente! e<br />
  15. 15. Tema<br />O que é um poeta.<br />
  16. 16. Assunto<br />A poetisa Florbela Espanca tenta explicar o que é um poeta «É ter cá dentro um astro que flameja» (v. 7) e apresenta diversas definições. Depois conclui que é também amar uma pessoa «E é amar-te assim perdidamente» (v. 12)<br />
  17. 17. Trabalho realizado por:<br />- Susana Anjo<br />- Tiago Ferreira<br />- Yana<br />9º D<br />

×